• Share
  • Email
  • Embed
  • Like
  • Save
  • Private Content
BG 4 - Como foi descoberto o DNA
 

BG 4 - Como foi descoberto o DNA

on

  • 891 views

 

Statistics

Views

Total Views
891
Views on SlideShare
891
Embed Views
0

Actions

Likes
1
Downloads
11
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    BG 4 - Como foi descoberto o DNA BG 4 - Como foi descoberto o DNA Presentation Transcript

    •  Entre 1856 e 1865 o austríaco Johann Gregor Mendel desvendou aos princípios básicos da herança biológica, que ficaram conhecidos como Leis de Mendel.1866 Nuno Correia 2010/11 2
    •  A descoberta do DNA ocorreu em 1869 e foi feita pelo bioquímico alemão Miescher.  Miescher procurava determinar os componentes químicos do núcleo celular e usava os glóbulos brancos contidos no pus para suas pesquisas.18691866 http://www.dnai.org/timeline/index.html Nuno Correia 2010/11 3
    •  Os glóbulos brancos eram um bom material pois são células que apresentam núcleos grandes e fáceis de serem isolados do citoplasma. Além disso, o pus era muito fácil de se conseguir na época em ligaduras usadas em ferimentos. Nuno Correia 2010/11 4
    •  Princípio genético da Transformação192818691866 Nuno Correia 2010/11 5
    • Nuno Correia 2010/11 6
    • Nuno Correia 2010/11 7
    • Com base nos dados da figura, justifique as designações: virulenta, atribuída à forma S; não virulenta, atribuída à forma R; Nuno Correia 2010/11 8
    •  A designação de virulenta, atribuída à forma S, justifica-se pelo facto de esta estirpe de bactéria, quando inoculada no rato, provocar a sua morte. Nuno Correia 2010/11 9
    •  A conclusão de Griffith tem lógica, dado que as formas R, quando inoculadas juntamente com as bactérias S mortas, têm um comportamento diferente, passando a provocar a morte dos ratos. Tal facto só pode ser explicado partindo do princípio de que estas bactérias foram transformadas, e essa transformação deverá ser atribuída a um qualquer componente das bactérias S, que será, segundo Griffith, o «princípio transformante». Nuno Correia 2010/11 10
    •  Com esta experiência, não é possível determinar o constituinte da bactéria S que corresponde ao «princípio transformante», pois todos eles actuaram em, conjunto.Para tirar tal conclusão, seria necessário proceder a inoculações dos constituintes em separado. Nuno Correia 2010/11 11
    •  Lote A, B e C Nuno Correia 2010/11 12
    •  A pesquisa de Avery centrou-se na bactéria que provoca a pneumonia1944192818691866 http://www.dnai.org/timeline/index.html Nuno Correia 2010/11 13
    • Nuno Correia 2010/11 14
    •  O objectivo dos autores da experiência era identificar a natureza química do denominado princípio transformante. Nuno Correia 2010/11 15
    •  No inoculado A, existem polissacáridos e ácidos nucleicos; em B, proteínas e ácidos nucleicos; em C, apenas ácidos nucleicos. Nuno Correia 2010/11 16
    •  Em A, pretende-se provar que não são as proteínas o princípio transformante; em B, que não são os polissacáridos; em C, que são os ácidos nucleicos. Nuno Correia 2010/11 17
    •  A conclusão que se pode tirar desta experiência é que são os ácidos nucleicos que têm a capacidade de transformar o rumo da vida da célula, isto é, seriam eles o «princípio transformante». Nuno Correia 2010/11 18
    • 1952  Com as experiências de Hershey e Chase, foi definitivamente aceite pela1944 comunidade científica que o ADN é a “molécula da vida”.192818691866 http://www.dnai.org/timeline/index.html Nuno Correia 2010/11 19
    • Nuno Correia 2010/11 20
    • Nuno Correia 2010/11 21
    • Nuno Correia 2010/11 22
    • Nuno Correia 2010/11 23
    • Nuno Correia 2010/11 24
    •  Testar qual é a componente viral – ADN ou proteína – responsável pela transmissão da informação genética. Nuno Correia 2010/11 25
    •  Hershey e Chase pretendiam determinar qual das duas moléculas que constituem um vírus, DNA e proteínas, seria capaz de entrar na bactéria e alterar o seu comportamento. Como as moléculas não são visíveis ao microscópio, recorreram à marcação radioactiva para acompanhar o percurso destas moléculas. Quando utilizavam S radioactivo, conseguiam marcar apenas as proteínas; logo, onde aparecesse radioactividade estariam estas moléculas. Quando utilizavam P radioactivo, marcavam o DNA; a presença de radioactividade determinaria a localização desta molécula. Nuno Correia 2010/11 26
    •  Quando utilizavam S radioactivo, conseguiam marcar apenas as proteínas; logo, onde aparecesse radioactividade estariam estas moléculas. Quando utilizavam P radioactivo, marcavam o DNA; a presença de radioactividade determinaria a localização desta molécula. Nuno Correia 2010/11 27
    •  Como Avery e os seus colaboradores, Hershey e Chase puderam concluir que o DNA é a molécula que contém informação que a torna capaz de determinar a actividade a desenvolver por uma célula. Nuno Correia 2010/11 28
    •  Com as experiências de Hershey e Chase, foi definitivamente aceite pela comunidade científica que o DNA é a molécula que contém a informação para a organização e o funcionamento da célula. Estava-se, contudo, ainda longe de saber de que forma os constituintes desta molécula (já todos conhecidos na época) se organizam. Nuno Correia 2010/11 29
    • http://www.dnai.org/timeline/index.html Fichas de Trabalho Nuno Correia 2010/11 30