Eficiência Energética reduzcustos nos Hospitais                     FIL, 22 de Março de 2012
Índice1. A ISA e a Melhoria da Eficiência Energética2. Apresentação do Âmbito de um Projecto de Eficiência  Energética no ...
A ISA em números
Referência internacional em soluções de monitorização remota,em tempo real dedicadas aos mercados de Energia e Ambiente,Oi...
Metodologia ISA•       O potencial de redução dos gastos com a energia está        relacionado com o nível de refinamento ...
Abordagem Estratégica                                             Identificar soluções  Comportamental                   I...
Índice1. A ISA e a Melhoria da Eficiência Energética2. Apresentação do Âmbito de um Projecto de Eficiência  Energética no ...
Âmbito de um Projecto de Eficiência Energéticano sector da Saúde•    Diagnóstico, Projecto de Auditoria e Monitorização   ...
Âmbito de um Projecto de Eficiência Energética    no sector da Saúde•      Exemplos de Eficiências a capturar (para estima...
Índice1. A ISA e a Melhoria da Eficiência Energética2. Apresentação do Âmbito de um Projecto de Eficiência  Energética no ...
Planeamento típico de uma implementação  hospitalar                                   Fase 1 –            Fase 0 –        ...
Índice1. A ISA e a Melhoria da Eficiência Energética2. Apresentação do Âmbito de um Projecto de Eficiência  Energética no ...
Legislação AplicávelObrigatoriedades Legais•   Os Hospitais são geralmente considerados grandes edifícios de    serviços (...
Legislação AplicávelObrigatoriedades Legais•   Requisitos:    •   RSECE-QAI – Regulamento dos Sistemas Energéticos de     ...
ReferênciasCentro Hospitalar e Universitário de Coimbra, EPE                                                          Âmbi...
Âmbito de Atuação                                    Monitorização de Consumos e Gestão de Energia nosReferências         ...
ReferênciasEficiência energética em instituição bancária                                       Projecto em curso de monito...
Âmbito de Atuação                                           Monitorização de:  Referências                              • ...
ReferênciasCâmara Municipal de Lisboa Save Energy – projecto europeu que junta 4 edifícios públicos europeus num estudo so...
Obrigado pela atenção•   Ricardo Ribeiro        Sede e Centro de Desenvolvimento    • Business Developer   Rua D. Manuel I...
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

Monitorizacao energética em Hospitais

780
-1

Published on

Presentation made by Ricardo Ribeiro, ISA Energy's Business Development Manager, at Energy | Acqua Live Expo (in Portuguese)

Published in: Technology
0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
780
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
0
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Monitorizacao energética em Hospitais

  1. 1. Eficiência Energética reduzcustos nos Hospitais FIL, 22 de Março de 2012
  2. 2. Índice1. A ISA e a Melhoria da Eficiência Energética2. Apresentação do Âmbito de um Projecto de Eficiência Energética no sector da Saúde3. Planeamento típico de uma implementação hospitalar4. Anexos 1. Legislação Aplicável 2. Principais referências na área
  3. 3. A ISA em números
  4. 4. Referência internacional em soluções de monitorização remota,em tempo real dedicadas aos mercados de Energia e Ambiente,Oil & Gas e Saúde. Soluções Hardware Software Serviço e suporte ao cliente
  5. 5. Metodologia ISA• O potencial de redução dos gastos com a energia está relacionado com o nível de refinamento das Políticas de Eficiência Energética definidas. Serviços de Gestão da Energia para Aumento da Eficiência Energética Política de Eficiência Implementação Projectos Caracterização Energética Energética de Aumento da Eficiência Reduções Medição e Monitorização Consumos Elaboração/Reajuste de Projecto 1 plano estratégico Típicas até Diagnóstico Energético energético específico … para a realidade em 20% Auditoria Energética causa Projecto N• Dependendo do tipo de organização e do seu nível de eficiência energética são expectáveis reduções típicas entre os 10% e os 20% (existem contudo casos em que estas chegam a atingir os 45%).
  6. 6. Abordagem Estratégica Identificar soluções Comportamental Informação/ Clarificar vantagens Sensibilização Facilitar a adopção de medidas “Evitar o desperdício” Incentivos “Reavaliar o conceito de energia, alterar hábitos” Inovação Adopção de novas tecnologias/ Tecnológica Aquisição de novos equipamentos “Mesmos bens, menos consumo” Obrigação/ “Mesmas necessidades, outros serviços” Legislação
  7. 7. Índice1. A ISA e a Melhoria da Eficiência Energética2. Apresentação do Âmbito de um Projecto de Eficiência Energética no sector da Saúde3. Planeamento típico de uma implementação hospitalar4. Anexos 1. Legislação Aplicável 2. Principais referências na área
  8. 8. Âmbito de um Projecto de Eficiência Energéticano sector da Saúde• Diagnóstico, Projecto de Auditoria e Monitorização • Levantamento, Diagnóstico e Caracterização do local • Instalação do Sistema de Monitorização de Consumos Energéticos• Exploração pelo Período de 2 a 6 anos • Alojamento e manutenção da Solução de SW e HW • Serviços de Gestão de Energia • Focos na redução de consumos energéticos e captura de eficiências
  9. 9. Âmbito de um Projecto de Eficiência Energética no sector da Saúde• Exemplos de Eficiências a capturar (para estimativa de redução global de 16%): Área de Actuação % Redução Esperada Sistema Iluminação -5% • Ajustes, Temporizações e Upgrades Sistema de Iluminação Água -20% • Identificação de perdas e instalação de redutores de caudal Climatização - -5% • Controlo centralizado dos SetPoints de temperatura. • Melhoria dos isolamentos. Regulação de • Controlo e regulação dos horários de funcionamento SetPoints de Temperatura Projecto automação e -3% • Instalação de Sensores e Temporizadores • Instalação de SW de gestão do standby dos PCs controlo • Optimização de tempos de funcionamento dos sistemas (ex: motores de bombagem, etc) Boas Práticas -5% • Medidas sistemáticas de informação aos utilizadores, corpo clínico (Newsletters, E-mails, Intranet). • Visitas do gestor de Energia ao Hospital • Estabelecimento de normativos e politicas de gestão de energia gerais ao hospital.
  10. 10. Índice1. A ISA e a Melhoria da Eficiência Energética2. Apresentação do Âmbito de um Projecto de Eficiência Energética no sector da Saúde3. Planeamento típico de uma implementação hospitalar4. Anexos 1. Legislação Aplicável 2. Principais referências na área
  11. 11. Planeamento típico de uma implementação hospitalar Fase 1 – Fase 0 – Projecto e Fase 2 – Diagnósticos Energéticos + Auditorias Fase 4 Gestão Especificação preparação de Fase 3 - Instalação dos Equipamentos da Energia equipamentosAdjudicação (T0) Arranque (T0 + 1 mês) (T0 + 1,5 meses) (T0+6 meses) • Fase 1 – Projecto e Preparação de Equipamentos • Fase 2 – Diagnósticos Energéticos + Auditoria em execução paralela com a Fase 3 – Instalação de Equipamentos • Fase 4 – Gestão da Energia
  12. 12. Índice1. A ISA e a Melhoria da Eficiência Energética2. Apresentação do Âmbito de um Projecto de Eficiência Energética no sector da Saúde3. Planeamento típico de uma implementação hospitalar4. Anexos 1. Legislação Aplicável 2. Principais referências na área
  13. 13. Legislação AplicávelObrigatoriedades Legais• Os Hospitais são geralmente considerados grandes edifícios de serviços (têm uma área útil superior a 1 000 m2) e têm mais de três anos de uso. Deste modo estão abrangidos pelo RSECE- Energia, cumprindo obrigatoriamente os requisitos do RCCTE (Dec.-Lei 80/2006) e RSECE-QAI (de acordo com o Dec-55 Lei nº 79/2006, artigo 2º). • RSECE-Energia – Regulamento dos Sistemas Energéticos de Climatização dos Edifícios. Este regulamento está diretamente relacionado com os equipamentos que se destinam a climatizar os edifícios e tem como objetivo: • Definir as condições de conforto térmico que devem ser requeridas nos diferentes espaços do edifício; • Melhorar a eficiência energética global dos edifícios nos consumos de climatização e em todos os outros tipos de consumo que neles têm lugar promovendo a sua limitação efetiva para padrões aceitáveis; • Impor regras de eficiência aos sistemas de climatização que permitam melhorar o seu desempenho energético efetivo e evitar sobredimensionamento de equipamentos, quer a nível da sua instalação quer durante o seu funcionamento através de manutenção adequada; • Monitorizar com regularidade práticas de manutenção dos sistemas de climatização como condição da eficiência energética.
  14. 14. Legislação AplicávelObrigatoriedades Legais• Requisitos: • RSECE-QAI – Regulamento dos Sistemas Energéticos de Climatização dos Edifícios / Qualidade do Ar Interior – Regulamento que tem como objetivo, assegurar as 50 exigências de qualidade do ar interior (higiene) e de conforto térmico dos utilizadores.• Desde 1 de Janeiro de 2009 (Portaria 461/2007) estes edifícios estão obrigados a possuir um Certificado de Desempenho Energético e da Qualidade do Ar Interior.
  15. 15. ReferênciasCentro Hospitalar e Universitário de Coimbra, EPE Âmbito de Atuação O projeto atualmente em curso, envolve a instalação de contadores de eletricidade, água (quente, fria) e gás, assim como a colocação de analisadores de energia elétrica para a monitorização de parâmetros relacionados com a qualidade da energia. Após a implementação do projeto o CHUC passará a contar com uma ferramenta que permite a recolha de toda a informação referente a consumos de energia elétrica, água e gás com para uma plataforma de software com uma base de dados Microsoft SQL Server e acesso aos dados via Web Browser. Para além da medição, a ferramenta possibilita a identificação de ineficiências de consumos das grandezas monitorizadas
  16. 16. Âmbito de Atuação Monitorização de Consumos e Gestão de Energia nosReferências aeroportos:Ana Aeroportos • Continente: • Sá Carneiro (Porto), Portela (Lisboa), Faro. • Ilha dos Açores: • Santa Maria, Horta, João Paulo II (Ponta Delgada).• O projecto envolve a medição de: • 2.308 pontos para medição de consumos nos vários circuitos elétricos. • 347 pontos de consumo de água. • 19 pontos de consumo de gás. •110 pontos de leitura de combustíveis líquidos.• O projeto em curso, derivou da procura pela ANA de uma solução para um sistema demedição dos consumos de energia, que permitisse conhecer em detalhe os seus consumos,disponibilizar ferramentas aos seus técnicos e fazer a gestão de energia em conjunto comentidade externa.
  17. 17. ReferênciasEficiência energética em instituição bancária Projecto em curso de monitorização de consumos de energia eléctrica e eficiência energética no valor superior a 1M€ em 360 agências + 19 edifícios de uma instituição bancária em Portugal.• O projecto envolve a instalação de 1.520 contadores de energia para medição deconsumos nos vários circuitos eléctricos.• Para além da recolha de informação de contadores de energia eléctrica a nívelnacional, o projecto consiste na implementação de projectos de eficiência energéticacom focos na redução de consumos.
  18. 18. Âmbito de Atuação Monitorização de: Referências • 22 Edifícios Universidade de Aveiro • 130 pontos de medida de eletricidade; • 60 pontos de medida de gás; • 100 pontos de medida de água;Benefícios Previstos• Redução de custos energéticos;• Informação de consumos por edifício, sector, departamento, etc;• Contabilidade energética;• Informação para gestão e manutenção técnica;• Comunicação com utilizadores;• Eliminação de Stand By;• Uso racional da Climatização;• 15 PTs - Melhoria de fatores de potência;
  19. 19. ReferênciasCâmara Municipal de Lisboa Save Energy – projecto europeu que junta 4 edifícios públicos europeus num estudo sobre alterações comportamentais em relação aos consumos energéticos;
  20. 20. Obrigado pela atenção• Ricardo Ribeiro Sede e Centro de Desenvolvimento • Business Developer Rua D. Manuel I, 92 • rribeiro@isa.pt 3030-320 Coimbra Tel.: +351 239 791 090

×