As Revoluções Inglesas e a Revolução Industrial
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Like this? Share it with your network

Share

As Revoluções Inglesas e a Revolução Industrial

  • 316 views
Uploaded on

 

More in: Education
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
    Be the first to like this
No Downloads

Views

Total Views
316
On Slideshare
316
From Embeds
0
Number of Embeds
0

Actions

Shares
Downloads
3
Comments
0
Likes
0

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1.  O governo de Elizabeth  A dinastia Stuart  O governo de Jaime  O governo de Carlos I: desrespeito a Petição de Direitos, autoritarismo, intolerância religiosa, cobrança de impostos (Ship Money), os conflitos religiosos  O início de uma prolongada Guerra Civil (1640-1651)
  • 2.  Grande Rebelião (1640-1642): Parlamento x Monarca  Guerra Civil (1642-1648): intensificação do confronto entre o rei e o parlamento
  • 3.  Poder concentrado nas mãos de Cromwell “Lorde Protetor”  O Ato de Navegação e o fortalecimento do mercantilismo inglês  A Guerra contra os holandeses  A implantação da ditadura militar: fechamento do parlamento, perseguições e censura  Propostas radicais: levellers(niveladores) e diggers (escavadores)
  • 4. Oliver Cromwell por Gaspard de Crayer.
  • 5.  O estabelecimento da Monarquia Stuart (Carlos II e Jaime II)  A Revolução Gloriosa
  • 6. Guilherme III, conhecido também como Guilherme de Orange.
  • 7.  Conceitos  Forte impacto nos setores produtivos e intenso processo de mecanização industrial  Inovações técnicas e tecnológicas  Mudanças de hábitos e costumes
  • 8. “A sedução do novo e a ideia do progresso começaram a permear o pensamento europeu. As novas invenções se impunham no dia-a-dia das pessoas com um ritmo alucinante. A velocidade e a automação representavam rupturas com o velho modo de vida, em que os limites eram traçados pela natureza. Até mesmo o tempo ganhou um novo sentido, pois agora tinha-se pressa em fazer dinheiro. Os trabalhadores nas fábricas eram obrigados a seguir o ritmo da máquina a vapor. Nas cidades, a luz do dia já não marcava os limites da jornada de trabalho. A iluminação a gás, que deixou os ingleses perplexos, colocaria sob o controle do homem a duração do dia nas cidades. (...) sob o cenário aparentemente próspero de fábricas, ferrovias, máquinas, pontes e canais, estavam a exploração da mão-de-obra e a má remuneração dos trabalhadores. A jornada de trabalho de homens, mulheres e crianças muitas vezes ultrapassava doze horas diárias. A paisagem esfumaçada não escondia os lugares sombrios e insalubres habitados pelos trabalha-dores. A miséria da população, que a despeito da alta mortalidade crescia e se amontoava nos porões úmidos das cidades, nem sempre era um problema para aqueles que consideravam o progresso industrial um bem para a humanidade.” REZENDE, Antônio Paulo; DIDIER, Maria Thereza. Rumos da História: história geral e do Brasil. São Paulo: Atual, 2001.
  • 9. “A Revolução Industrial assinala a mais radical transformação da vida humana já registrada em documentos escritos. Durante um breve período ela coincidiu com a história de um único país, a Grã-Bretanha. Assim, toda uma economia mundial foi edificada com base na Grã-Bretanha, ou antes, em torno desse país, que por isso ascendeu temporariamente a uma posição de influência e poder mundiais sem paralelo na história de qualquer país com as suas dimensões relativas, antes ou desde então, e que provavelmente não será igualada por qualquer Estado no futuro previsível. Houve um momento na história do mundo em que a Grã-Bretanha podia ser descrita como sua única oficina mecânica, seu único importador e exportador em grande escala, seu único país imperialista e quase que seu único investidor estrangeiro; e, por esse motivo, sua única potência naval e o único país que possuía uma verdadeira política mundial”. HOBSBAWN, Eric. Da Revolução Industrial Inglesa ao Imperialismo. 5. ed. Rio de Janeiro: Forense-Universitária, 2000. p. 13.
  • 10.  “tempo útil no cotidiano dos trabalhadores  O formato das fábricas: disciplinada divisão das funções; permanente controle e punições àqueles não respeitavam os regulamentos; elevadas jornadas de trabalho; diminuição nos custos de produção; e progressiva expansão de mercados.  A alienação do trabalhador
  • 11.  os avanços técnicos e a disponibilidade de grandes reservas de carvão mineral  o desenvolvimento de recursos técnicos e o desenvolvimento da metarlugia  acúmulo de capitais e expropriação dos trabalhadores rurais  a expansão dos mercados consumidores e a Revolução Inglesa do século XVII.
  • 12.  Lançadeira volante(John Kay)  Máquina a Vapor (James Watt)  Tear Mecânico (Edmund Cartwright)
  • 13. Um motor a vapor criado por James Watt.
  • 14.  Primeira Fase  Segunda Fase  Terceira Fase
  • 15.  Elevado aumento demográfico  Crescente urbanização  O desenvolvimento do Imperialismo  As transformações nas relações sociais  As precárias condições de trabalho
  • 16.  Movimento Ludista “Os quebradores de Máquinas”  Movimento Cartista (Carta ao Povo)