Interfaces entre comunicação e religião  -   uma proposta de assessoria com foco em ações de relações públicas
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Interfaces entre comunicação e religião - uma proposta de assessoria com foco em ações de relações públicas

on

  • 1,672 views

 

Statistics

Views

Total Views
1,672
Views on SlideShare
1,672
Embed Views
0

Actions

Likes
0
Downloads
12
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

Interfaces entre comunicação e religião  -   uma proposta de assessoria com foco em ações de relações públicas Interfaces entre comunicação e religião - uma proposta de assessoria com foco em ações de relações públicas Document Transcript

  • UNIVERSIDADE SAGRADO CORAÇÃO ISABELA GASPAR SILVAINTERFACES ENTRE COMUNICAÇÃO E RELIGIÃO –UMA PROPOSTA DE ASSESSORIA COM FOCO EM AÇÕES DE RELAÇÕES PÚBLICAS BAURU 2010
  • ISABELA GASPAR SILVAINTERFACES ENTRE COMUNICAÇÃO E RELIGIÃO –UMA PROPOSTA DE ASSESSORIA COM FOCO EM AÇÕES DE RELAÇÕES PÚBLICAS Trabalho de conclusão de curso apresentado ao Centro de Ciências Sociais Aplicadas como parte dos requisitos para obtenção do título de bacharel em Comunicação Social – Habilitação em Relações Públicas, sob orientação da Profª.Dr.ª Sonia Aparecida Cabestré BAURU 2010
  • Silva, Isabela GasparS5864i Interfaces entre comunicação e religião - uma proposta de assessoria com foco em ações de relações públicas / Isabela Gaspar Silva -- 2010. 109f. : il. Orientadora: Profa. Dra. Sonia Aparecida Cabestré. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Comunicação Social – Relações Publicas) - Universidade Sagrado Coração - Bauru - SP. 1. Comunicação. 2. Religião. 3. Igreja Católica. 4. Comunicação Organizacional Integrada. 5. Relações Públicas. I. Cabestré, Sonia Aparecida. II. Título.
  • ISABELA GASPAR SILVA INTERFACES ENTRE COMUNICAÇÃO E RELIGIÃO – UMA PROPOSTA DE ASSESSORIA COM FOCO EM AÇÕES DE RELAÇÕES PÚBLICASTrabalho de conclusão de curso apresentado ao Centro de Ciências SociaisAplicadas como parte dos requisitos para obtenção do título de bacharel emComunicação Social – Habilitação em Relações Públicas, sob orientação daProfª.Dr.ª Sonia Aparecida CabestréBanca Examinadora: ____________________________________________________ Profa.Dra. Sonia Aparecida Cabestré – Presidente da Banca Universidade Sagrado Coração. ____________________________________________________ Profa.Ms. Vanessa Mattos dos Santos – Membro da Banca Universidade Sagrado Coração ____________________________________________________ Profa. Ms. Cinthia Maria Ramazzini Remaeh – Membro da Banca Universidade Sagrado CoraçãoData:
  • Dedico este trabalho aos meus pais, Sonia eSaulo, a minha irmã Daniela, minha Vó Nina,meus tios Sandra e Ailton, minhas primasMariana e Maria Luiza, ao meu namoradoMario Roberto e aos meus avós que já nãoestão mais aqui. Vocês são a razão daminha vida
  • AGRADECIMENTOS Agradeço a Deus, Jesus e Nossa Senhora Aparecida, por guiar o meucaminho durante esta caminhada. A minha família e meu namorado pela paciência durante todo este tempo. Aos meus professores que me ensinaram e fizeram despertar em mim avontade de ensinar. Muito obrigada! A minha professora e orientadora Sonia Aparecida Cabestré, pela dedicaçãoe orientação durante toda a execução deste trabalho. Obrigada por fazer parte destepedaço da minha vida! Aos meus queridos colegas de classe, pelas alegrias, pelos trabalhosrealizados, pelas reuniões e por compartilhar mais esta vitória em minha vida. O meu carinho em especial, para Isadora Carvalho, Ana Carolina Poli, SheilaSales e Gabriela Moretto. Obrigada! Às minhas amigas e eternas companheiras, Natalia Tendolo, Cristiane deMelo, Gisele Lopes e Nathalia Bortolazo, pelo apoio de sempre. Adoro vocês! Aos meus amigos da PasCom Diocesana, em especial os jornalistas AlineMendes e Paulo Giraldi por me ensinarem muitas coisas, pelas quais resolvi seguir edesenvolver este trabalho. A todos os entrevistados que colaboraram dedicando tempo e atenção narealização das pesquisas que fazem parte deste estudo. Obrigada!
  • [...] Os meios modernos de comunicação fazemparte, desde há muito tempo, dos instrumentosordinários através dos quais as comunidadeseclesiais se exprimem, entrando em contactocom o seu próprio território e estabelecendo,muito frequentemente, formas de diálogo maisabrangentes, mas a sua recente e incisivadifusão e a sua notável influência tornam cadavez mais importante e útil o seu uso noministério sacerdotal. [...] Papa Bento XVI.
  • RESUMOO presente trabalho trata-se de um estudo teórico – prático que destaca asinterfaces entre comunicação, religião, assessoria de comunicação , comunicaçãoorganizacional intregrada e o papel do profissional de Relações Públicas nestecontexto. Desta forma, foi necessária a realização de pesquisa bibliográfica,selecionando produções sobre o tema; e duas pesquisas com caráter qualitativo quepossibilitaram a busca de informações sobre a comunicação na Igreja Católica, emespecial a Paróquia São Paulo Apóstolo de Agudos. Dessa maneira, foi possívelanalisar os instrumentos de comunicação que a instituição já possuía e também asua comunicação em todos os aspectos, tanto interna quanto externamente. Osresultados permitiram à pesquisadora desenvolver ações de assessoria decomunicação com a finalidade de ampliar ainda mais o dinamismo entre Paróquia eparoquiano.Palavras-chave: Comunicação. Religião. Igreja Católica. ComunicaçãoOrganizacional Integrada. Relações Públicas.
  • ABSTRACTThe present work is treated of a theoretical study-practical that it detaches theinterfaces among communication, religion, communication consultantship, integratedorganizational communication and the professionals of Public Relationships paper inthis context. This way, it was necessary the accomplishment of bibliographicalresearch, selecting productions on the theme; and two researches with qualitativecharacter that you/they made possible the search of information about thecommunication in the Catholic Church, especially the Paróquia Paulo Paulo Apóstoloof Sharp. Of that it sorts things out, it was possible to analyze the communicationinstruments that the institution already possessed and also his/her communication inall of the aspects, so much intern as externally. The results allowed to the researcherto develop actions of communication consultantship with the purpose of enlarging stillmore the dynamism between Parish and parishioner.Word-key: Communication. Religion. Catholic church. Integrated Organizationalcommunication. Public relationships.
  • LISTA DE ILUSTRAÇÕESFigura 1 - Funcional Burocrática ............................................................................... 22Figura 2 – Matricial .................................................................................................... 23Figura 3 – Orgânica – Rede ...................................................................................... 24Figura 4 – Comunicação Organizacional Integrada .................................................. 26Figura 5 – Organograma administrativo da Paróquia São Paulo Apóstolo ............... 41Figura 6 – Capa e contracapa do Timoneiro de Setembro de 2010 .......................... 48Figura 7 – Modelo “Avisos da Semana” .................................................................... 93Figura 8 – Modelo do cartaz “Quero ser PasCom” ................................................... 96
  • LISTA DE TABELASTabela1 – Utilização de veículos de comunicação para informação ......................... 54Tabela 2 – Tempo que frequenta a Paróquia São Paulo Apóstolo............................ 55Tabela 3 – Participação em pastorais e movimentos da Paróquia ............................ 56Tabela 4 – Pastorais e movimentos de participação ................................................. 58Tabela 5 - Conhecimento sobre os meios de comunicação utilizados pelaParóquia .................................................................................................................... 59Tabela 6 - Meios de comunicação conhecidos.......................................................... 60Tabela 7 – Idade dos entrevistados .......................................................................... 71Tabela 8 – Sexo dos entrevistados ........................................................................... 71Tabela 9 - Tempo que frequenta a Paróquia ............................................................. 72Tabela 10 – Cronograma do encontro: “Faço parte dessa rede de fé”...................... 98
  • LISTA DE QUADROSQuadro 1 - Concepção sobre os meios de comunicação da Paróquia São PauloApóstolo .................................................................................................................... 63Quadro 2 - Papel / função dos veículos de comunicação da Paróquia São PauloApóstolo .................................................................................................................... 65Quadro 3 - Como chegam as informações e divulgações dos eventos..................... 67Quadro 4 - Meio de comunicação / resultado favorável ............................................ 68Quadro 5 – Tipo de informação que é de interesse das pessoas que frenquentama Paróquia ................................................................................................................. 73Quadro 6 – Modo de transmissão das informações e meios utilizados atualmente .. 74Quadro 7 – Avaliação da forma de utilização dos veículos ....................................... 76Quadro 8 – Responsabilidade pelos veículos de comunicação ................................ 77Quadro 9 – Avaliação criteriosa da Pascom e suas principais atividades ................. 79Quadro 10 – Modo como as informações de ações e eventos da Paróquia chegamaté o grupo pesquisado ............................................................................................. 81Quadro 11 – Eficácia e utilidade dos veículos de comunicação da PasCom ............ 82Quadro 12 – O que falta em termos de comunicação na Igreja ................................ 84Quadro 13 – Três pontos fortes da PasCom ............................................................. 86Quadro 14 – Pontos fracos da PasCom .................................................................... 87Quadro 15 – Ações para viabilização do fluxo de comunicação da pastoral............. 89
  • LISTA DE GRÁFICOSGráfico 1 - Utilização de veículos de comunicação para informação ........................ 54Gráfico 2 - Tempo que frequenta a Paróquia São Paulo Apóstolo ............................ 56Gráfico 3 - Participação em pastorais e movimentos da Paróquia ........................... 57Gráfico 4 - Pastorais e movimentos de participação ................................................. 58Gráfico 5 - Conhecimento sobre os meios de comunicação utilizados pelaParóquia .................................................................................................................... 60Gráfico 6 – Meios de comunicação conhecidos ........................................................ 61
  • SUMÁRIO1 INTRODUÇÃO ....................................................................................................... 14CAPÍTULO 1 – CONTEXTUALIZANDO ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO E OS DIFERENTES ASPECTOS E CONCEITOS ................................................. 201.1 ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO ................................................................ 201.1.1 Histórico ........................................................................................................... 201.1.2 Conceito e situação atual ................................................................................. 211.2 RELAÇÕES PÚBLICAS E A COMUNICAÇÃO INTEGRADA .......................... 24CAPÍTULO 2 – COMUNICAÇÃO E RELIGIÃO: CARACTERIZANDO A PARÓQUIA SÃO PAULO APÓSTOLO DE AGUDOS ..................................................... 332.1 TRAJETÓRIA E PRINCIPAIS ASPECTOS DA COMUNICAÇÃO NA IGREJA CATÓLICA .................................................................................................... 332.2 A PARÓQUIA SÃO PAULO APÓSTOLO DE AGUDOS ............................... 362.2.1 Histórico e situação atual .............................................................................. 362.2.2 Estrutura organizacional e administrativa ...................................................... 402.2.3 Diretrizes da Organização ............................................................................. 422.2.4 Identificação dos públicos estratégicos ......................................................... 422.2.4.1 Comunidade (segmentada por faixas etárias) ............................................... 432.2.4.2 Lideranças ..................................................................................................... 442.2.4.3 Grupos........................................................................................................... 452.2.5 Instrumentos de comunicação da Paróquia São Paulo Apóstolo .................. 472.2.5.1 Timoneiro ...................................................................................................... 472.2.5.2 Perfil no Orkut ............................................................................................... 482.2.5.3 Blog ............................................................................................................... 492.2.5.4 Postagem de vídeos no youtube com o evangelho da semana .................... 49CAPÍTULO 3 – AÇÕES DE ASSESSORIA DESENVOLVIDAS NA PARÓQUIA SÃO PAULO APÓSTOLO DE AGUDOS .............................................................. 523.1 DIAGNÓSTICO DOS INSTRUMENTOS DE COMUNICAÇÃO UTILIZADOS PELA PARÓQUIA SÃO PAULO APÓSTOLO DE AGUDOS......................... 523.1.1 Justificativa .................................................................................................... 533.1.2 Objetivos ....................................................................................................... 533.1.3 Metodologia ................................................................................................... 533.1.4 Apresentação dos resultados ........................................................................ 543.1.5 Considerações sobre a pesquisa .................................................................. 693.2 PESQUISA QUALITATIVA (LÍDERES E COORDENADORES) ................... 693.2.1 Justificativa .................................................................................................... 693.2.2 Objetivos ....................................................................................................... 703.2.3 Metodologia ................................................................................................... 703.2.4 Apresentação dos resultados ........................................................................ 713.2.5 Considerações sobre a pesquisa .................................................................. 90CAPÍTULO 4 - PROPOSTA DE AÇÕES DE RELAÇÕES PÚBLICAS PARA A PARÓQUIA SÃO PAULO APÓSTOLO DE AGUDOS (ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO).......................................................................................... 92
  • 4.1. AVISOS DA SEMANA (REFORMULAÇÃO DOS AVISOS PAROQUIAIS) – CURTO PRAZO ............................................................................................ 924.2 QUERO SER PASCOM – MÉDIO PRAZO ......................................................... 944.3 ENCONTRO DAS LIDERANÇAS PAROQUIAIS: “FAÇO PARTE DESSA REDE DE FÉ”........................................................................................................... 96CONSIDERAÇÕES FINAIS .................................................................................... 100REFERÊNCIAS ....................................................................................................... 102ANEXO A – Timoneiro Paróquia São Paulo Apóstolo de Agudos .......................... 105APÊNDICE A – Roteiro de questões do diagnóstico dos instrumentos de comunicação utilizados pela Paróquia São Paulo Apóstolo de Agudos. ..... 107APÊNDICE B – Carta convite e roteiro de questões da pesquisa qualitativa ......... 109
  • 141 INTRODUÇÃO O assunto comunicação e religião vêm ganhado espaço no cenário atual,principalmente no que diz respeito à Igreja Católica, ainda mais quando tratamos decomunicação integrada e assessorias de comunicação. Destaca-se, neste contexto, a preocupação com a transmissão da mensagempara os fiéis de maneira clara e coerente, possibilitando utilizar os veículos decomunicação como ferramentas de evangelização. Assim, verificam-se as possibilidades de atuação do profissional de RelaçõesPúblicas, responsável por gerenciar a comunicação e promover relacionamentoscom os mais diversos públicos. O presente trabalho tem como objetivo buscar informações relacionadas aotema comunicação e religião, com foco nos instrumentos de comunicação daParóquia São Paulo Apóstolo de Agudos e de sua comunicação em geral. Procurou-se, nesse sentido entender a forma de disseminação da mensagem aos paroquianose propor ações de melhorias, respondendo o seguinte questionamento:Considerando a trajetória da Igreja Católica no que tange à utilização dacomunicação e de estratégias de aproximação com a comunidade, de que maneira oprofissional de relações públicas poderá contribuir para que esta relação seja eficaz? É um tema importante, pois além de envolver todo o público participante daParóquia, também considerou os instrumentos de comunicação e toda acomunicação em âmbito geral. Para o desenvolvimento deste estudo foi necessária a realização de pesquisabibliográfica, selecionando-se produções sobre o tema; uma pesquisa qualitativapara avaliar os instrumentos de comunicação da Paróquia e outra para levantarinformações referentes à comunicação da Paróquia com todos os paroquianos e asociedade. Isto posto, apresentam – se a seguir as hipóteses, objetivos,metodologia eestruturação do presente estudo.Hipóteses • A comunicação religiosa tem ganhado espaço, uma vez que a Igreja Católica está trabalhando em prol de uma comunicação moderna com
  • 15 novas tecnologias; • É notório que até os dias de hoje, a seguinte indagação é muito presente no meio religioso: “É possível evangelizar através dos meios de comunicação?”; • As assessorias de comunicação trabalham de forma a concretizar o que hoje é chamado de comunicação integrada; • A comunicação integrada é considerada uma das premissas de um futuro próximo, uma vez que pressupõe a união das áreas de comunicação; • Modo geral, o profissional de relações públicas está apto a ser gestor de uma assessoria de comunicação, pois possui facilidade de relacionamentos e identificação com os públicos de interesse da organização.ObjetivosObjetivo Geral Desenvolver um estudo teórico-prático destacando as interfaces entrecomunicação e religião visando a implantação de ações de comunicaçãoconfiguradas como assessoria de comunicação.Objetivos Específicos • Selecionar na literatura, autores que tenham produções sobre o tema para elaborar a fundamentação teórica; • Identificar e analisar a utilização dos instrumentos de comunicação na Paróquia São Paulo Apóstolo de Agudos; • Desenvolver pesquisa que possibilite analisar sobre a comunicação entre Paróquia e paroquiano e todo o seu âmbito comunicacional; • Elaborar proposta de assessoria de comunicação para a Paróquia São Paulo Apóstolo de Agudos, utilizando ferramentas de relações públicas.
  • 16Metodologia Considerando o direcionamento do estudo proposto foi necessário realizardiferentes tipos de pesquisa:Pesquisa bibliográfica Dada a abordagem deste estudo, identificou-se na literatura, autores que têmdesenvolvido produções sobre o tema. Deste modo, buscou-se informações sobre Igreja Católica e comunicação,assessoria de comunicação, comunicação organizacional integrada. Essa pesquisa teve início em Fevereiro / 2010, estendendo-se até Outubro/2010.Diagnóstico dos instrumentos de comunicação utilizados pela Paróquia SãoPaulo Apóstolo de Agudos Devido à importância de se obter informações sobre os instrumentos decomunicação utilizados pela Paróquia São Paulo Apóstolo de Agudos, realizou-sepesquisa junto aos paroquianos que fazem parte da comunidade, segmentados porfaixa etária (crianças, jovens, adultos e idosos). Para tanto, utilizou-se os princípios da pesquisa qualitativa com o público decada faixa etária mencionada. Essa pesquisa teve início no final do mês de Abril / 2010, estendendo – se atéo mês de Maio /2010.Pesquisa qualitativa Levando-se em conta a necessidade de obter opiniões de pessoas que fazemparte dos diversos grupos de interesse da Paróquia São Paulo Apóstolo, foidesenvolvida uma pesquisa qualitativa com membros destes grupos. Desta forma foi necessário identificar, selecionar, pesquisar e sistematizar asinformações coletadas referentes às opiniões expressadas pelos profissionais sobreo tema.
  • 17 Essa pesquisa teve inicio no segundo semestre de 2010.Proposta de Assessoria de Comunicação A partir das pesquisas mencionadas e da identificação e análise dosinstrumentos de comunicação que a Paróquia São Paulo Apóstolo possui paraaproximação com os fiéis apresentou-se uma proposta de assessoria decomunicação. Para isto, primeiramente foi preciso reconhecer o histórico da organização,bem como suas principais características e cultura. Essa atividade foi desenvolvida no segundo semestre de 2010.Estruturação do trabalho Este estudo teve inicio no primeiro semestre de 2010, na disciplina “Métodose Técnicas da Pesquisa em Comunicação Social II” iniciando o processo depesquisa bibliográfica e o diagnóstico dos instrumentos de comunicação utilizadospela Paróquia São Paulo Apóstolo de Agudos. Logo após, no segundo semestre de2010, desenvolveu-se a pesquisa qualitativa e a proposta de assessoria decomunicação. Para sistematização das informações obtidas estruturou-se o trabalho em trêscapítulos: • Capítulo 1 – Contextualizando assessoria de comunicação e os diferentes aspectos e conceitos: Apresenta os fundamentos teóricos referentes aos conceitos de assessoria de comunicação e relações públicas e a comunicação integrada. • Capítulo 2 – Comunicação e religião: caracterizando a Paróquia São Paulo Apóstolo de Agudos: Destaca a trajetória e os principais aspectos da comunicação na Igreja Católica, a caracterização da Paróquia São Paulo Apóstolo, identificando sua estrutura organizacional, diretrizes e seus públicos estratégicos. Também neste capítulo estão descritos os instrumentos de comunicação da instituição pesquisada. • Capítulo 3 – Ações de assessoria desenvolvidas na Paróquia São Paulo Apóstolo de Agudos: Apresenta as informações coletadas por meio das
  • 18 pesquisas desenvolvidas (diagnóstico e pesquisa qualitativa) e as ações de assessoria de comunicação que poderão ser desenvolvidas a curto, médio e longo prazo na referida Paróquia.• Capítulo 4 - Proposta de ações de relações públicas para a Paróquia São Paulo Apóstolo de Agudos: Destaca as ações como parte de um processo de assessoria de comunicação para a Instituição a curto, médio e longo prazo.• Considerações finais: destaca os aspectos fundamentais do trabalho.
  • 19 Capítulo 1Contextualizando assessoria decomunicação e os diferentes aspectose conceitos
  • 20CAPÍTULO 1 – CONTEXTUALIZANDO ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO E OSDIFERENTES ASPECTOS E CONCEITOS O presente capítulo apresenta o histórico e trajetória das assessorias decomunicação, ao mesmo tempo em que destaca o processo de comunicaçãointegrada e o papel do profissional de relações públicas neste contexto.1.1 ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO1.1.1Histórico Ao tentar traçar uma linha sobre o surgimento das chamadas Assessorias deComunicação Social (ACS), há múltiplos caminhos para definir o início destaatividade. Segundo Souza (1994, p.40), “a assessoria nasceu da organização militarestabelecida pelo rei Gustavo Adolfo da Suécia, no século XVII, mais tarde seguidapelos exércitos da Prússia e da Rússia”. Diferentemente deste contexto, Wels (2004) define que as assessoriassurgiram juntamente com o início das atividades de relações públicas, quando ojornalista Ivy Lee foi contratado para prestar assessorias a empresários. Outro aspecto inerente ao tema é o fato de que com o surgimento dasassessorias no âmbito empresarial, o governo começou a preocupar-se com oassunto implantando em seus sistemas este tipo de serviço. De acordo com Wels (2004, p.6): nesses episódios,que marcaram a trajetória inicial das assessorias de comunicação no âmbito governamental,observa-se em geral,a agregação das atividades de relações públicas,jornalismo e publicidade compondo ações integradas de assessoramento oficial na área da comunicação social. A partir desta perspectiva, insere-se um conceito muito discutido nos dias dehoje: a comunicação integrada. No entanto, é importante destacar que à medida que os profissionais derelações públicas ganharam espaço na área de comunicação, foram surgindo váriascontribuições para o cenário organizacional em todos os setores, como pode serobservado no pensamento de Amaral (2003, p. 59, apud WELS, 2004, p. 5):
  • 21 as relações públicas mudaram da atitude de ‘o público que se dane’ ou ‘que o público seja enganado’, preponderantemente no século XIX, para ‘que o público seja compreendido’, quando, no pós-guerra, os assessores de relações públicas passaram a ajustar clientes e públicos. Com isso, é possível perceber que as relações públicas mudaram o conceitode imagem e estratégia das organizações: cenário perfeito para a implantação deuma assessoria de comunicação.1.1.2 Conceito e situação atual Na contemporaneidade, muito tem se difundido a respeito das assessorias decomunicação e suas competências. Mas, afinal, o que é uma Assessoria de Comunicação Social (ACS)? De acordo com Sonnwend (apud ANDRADE, 1994, p. 40): há divergência entre autores a respeito da conceituação de assessoria. Tradicionalmente o conceito de assessoria é de auxílio à linha, sem interferência de comando. Aos componentes da assessoria cabe colher dados, estudar, planejar, propor soluções, estabelecer programas, métodos, normas, integrar idéias, patentear as necessidades da empresa, estabelecer-lhe a estratégia. Quando duas ou mais pessoas trabalham juntas, esclarece Louis Allen, distinguem-se quem toma decisões diretamente relacionadas à consecução dos resultados finais e quem provê de conselho e serviço para tomar aquelas decisões. A partir desta definição, pode-se inferir que as empresas atuais necessitamdispor de programas de comunicação que facilitem seus relacionamentos internos eexternos com os mais variados públicos. E é exatamente o papel primordial de umaassessoria de comunicação, assim como afirma Wels (2004, p.7): [...] reafirma-se a necessidade de as organizações disporem de um programa efetivo de comunicação, que contemple tanto os processos internos, quanto externos, promovendo ações institucionais que construam pontes entre a administração e seus colaboradores, e entre a organização e a sociedade, esta representada pelos públicos vinculados. Para tanto, o campo da comunicação social ligado às organizações, abarca as três grandes searas de comunicação que o compõem: as relações públicas, o jornalismo e a publicidade e propaganda. Conforme o exposto pode-se dizer que as assessorias de comunicaçãotraduzem todas as necessidades de uma organização e desenvolvem todo tipo deação como gestora dos processos. Diferentemente destas proposições, apresenta-se o pensamento de Curvello(2002, p. 132): “as assessorias de comunicação, como a própria designação indica,
  • 22são consideradas estruturas staff1. Servem para consultar, assessorar, mas não teautoridade alguma sobre as demais áreas da organização”. Este princípio parte do pressuposto de que as organizações não dão a devidaatenção para as assessorias de comunicação, o que culmina em modelos de gestãoconforme apresentado abaixo: Diretoria Assessoria de ComunicaçãoFigura 1 - Funcional BurocráticaFonte: CURVELLO, João J. A.; DUARTE, Jorge (Org.), 2002. Neste modelo é perceptível que as ações propostas pelas assessorias decomunicação são utilizadas apenas como acessórios dentro das organizações. Osprofissionais estão ligados à diretoria, mas são somente consultados para algumassituações, ou seja, não possuem autonomia para gerenciar a comunicação interna eexterna. Ainda de acordo com Curvello (2002), as organizações estão começando afirmar outros modelos de assessorias, o que pode ser denominado de estruturasmatriciais2, conforme demonstrado a seguir:1 Staff: 1. conjunto de pessoas que compõem os quadros de uma empresa ou instituição; pessoal. Disponível em < http://www.infopedia.pt/lingua-portuguesa-ao/staff >. Acesso em: 25 Abril 2010.2 [...] estruturas provisórias, centradas em projetos específicos, que englobam equipes multidisciplinares. [...] Nesses espaços, abre – se uma oportunidade única para inserção dos assessores de comunicação, permitindo a interação e integração com representantes de outras áreas da comunicação. (CURVELLO, 2002, p. 133)
  • 23Figura 2 – MatricialFonte: CURVELLO, João J. A.; DUARTE, Jorge (Org.), 2002. A estrutura matricial permite à organização uma estrutura de hierarquias pré-definidas, funcionando como solucionadora de problemas, desenvolvendo atividadescomuns entre todos e permitindo uma aproximação entre comunicação eorganização (público interno). Ainda assim, as organizações estão calcadas em tradicionalismo que, decerta forma, utiliza o trabalho do assessor apenas como um mero “divulgador” deplanos, propostas e ações a médio e longo prazo. Como conseqüência aos avanços da modernidade, não se pode deixar decitar as novas tendências atuais em que se estruturam as organizações que, agoraconstituem – se como redes conectadas interna e externamente. Segundo Curvello (2002, p. 135): nessa visão mais abrangente, a comunicação perpassa em todas as direções o tecido organizacional. Não é responsabilidade de um profissional ou mesmo de uma só área, mas configura – se como algo que ao mesmo tempo atribui sentido e permite estabelecer regras de relacionamento entre a organização e seus públicos. Estas afirmações estão presentes na figura a seguir:
  • 24Figura 3 – Orgânica – RedeFonte: CURVELLO, João J. A.; DUARTE, Jorge (Org.), 2002. Esta estrutura moderna permite às organizações trabalharem como uma redeinterligada, onde as atividades não ficam sob a responsabilidade somente de umprofissional, mas sim de todos os envolvidos nas ações e processos. Configura-se então a implantação de um programa de relacionamento entreos públicos envolvidos, consolidando o papel da organização como mediadoradestas relações. Dentro deste contexto acentua-se então a importância da comunicaçãoorganizacional integrada, uma vez que este processo é fator primordial para que, decerta forma, as organizações passem a dispor dos serviços das assessorias decomunicação, considerando – a como gestora das políticas comunicacionais e parteintegrante das propostas e planejamentos.1.2 RELAÇÕES PÚBLICAS E A COMUNICAÇÃO INTEGRADA Uma nova prática comunicacional vem sendo divulgada desde os anos 80com o propósito de unir as áreas afins da comunicação social e formar uma sóassessoria trabalhando para a organização. A tal prática deu-se o nome deComunicação Integrada que vai além de uma simples comunicação, mas tambémuma área de convergência, um verdadeiro mix.
  • 25 Neste contexto insere-se o pensamento de Palmerston et.al.(2007, p.3 - 4): [...] conclui-se que a comunicação integrada é a estruturação da comunicação nas organizações que congrega dois vértices: comunicação institucional e comunicação mercadológica. Essa atividade parte do princípio de que se deve trabalhar integradamente todas as áreas das organizações que lidam diretamente com os públicos, tais como: jornalismo, produção editorial, publicidade e propaganda, relações públicas, entre outras. Desse modo, serão alcançados resultados positivos nas ações comunicativas empreendidas pelas organizações. Percebe-se portanto a relevância da aplicabilidade de um trabalho de comunicação integrada numa organização. Tal atividade pode ser entendida como um trabalho unificado dos profissionais de diversas áreas das organizações, realizado sinergicamente, em que cada profissional desenvolve sua função, porém todos com objetivos em comum, tendo em vista, sobretudo, os públicos a serem atingidos. Diante desta afirmação, pode-se considerar que a comunicação integradatrabalha com a soma de esforços para o bem de uma Organização, para que suanecessidade seja suprida. De acordo com Palma (1983, p.19 apud KUNSCH 2003, p.151-152): quando tratamos da comunicação planejada na empresa ou qualquer instituição,queremos ir além da independência linear, cronológica, que se possa admitir entre relações públicas, jornalismo e publicidade e propaganda. Queremos crer nas múltiplas possibilidades e necessidades de interposição, de fusão e de reescalonamentos circunstanciais, na aplicação das funções das três atividades. A partir do pensamento exposto, nota-se que as áreas de comunicaçãotrabalham em processo com uma só linha de pensamento e ações, para quepossam construir juntas, cada uma com sua função previamente delimitada, planosde comunicação completos e voltados para todas as especificidades, comopodemos observar no organograma das assessorias de comunicação nas empresas. Ainda de acordo com Kunsch (2003, p.150), a comunicação integradaconverge com diversas áreas. Para a pesquisadora: Pressupõe uma junção da comunicação interna e da comunicação administrativa, que formam o mix, o composto da comunicação organizacional. Com base nesta concepção é necessário ter uma visão total, tanto decomunicação institucional, como de mercadológica e interna, formando assim ummix da comunicação, conforme apresentado na figura abaixo:
  • 26Figura 4 – Comunicação Organizacional IntegradaFonte: KUNSCH, Margarida M. K., 2003. Diante do exposto, pode-se dizer que a comunicação organizacional forma omix das ações de comunicação que congregam todas as áreas de uma organizaçãodesenvolvendo atividades conjuntas e vivenciando o fluxo de informações como umarede. Deste modo, a comunicação institucional é a responsável pela formação daimagem e da identidade de uma organização, criando as condições para a obtençãodo respeito e credibilidade por parte da sociedade. De acordo com Kunsch (2003, p. 164): a comunicação institucional está intrinsecamente ligada aos aspectos corporativos institucionais que explicitam o lado público das organizações, constrói uma personalidade creditiva organizacional e tem como proposta básica a influência político –social na sociedade onde está inserida Por outro lado encontra-se no mix a comunicação mercadológica que trabalhao lado da divulgação publicitária, os produtos e serviços de uma organização. Para a pesquisadora:
  • 27 a comunicação mercadológica é responsável por toda a produção comunicativa em torno dos objetos mercadológicos, tendo em vista a divulgação publicitária dos produtos ou serviços de uma empresa. Está vinculada diretamente ao marketing de negócios. (KUNSCH, 2003, p.162). É preciso, no entanto, considerar que a comunicação interna é compreendidacomo a forma de interação entre organização e colaborador, conforme édemonstrado no pensamento de Kunsch(2003, p. 154), que assim se posiciona:“comunicação interna corre paralelamente com a circulação normal da comunicaçãoque perpassa todos os setores de organização, permitindo seu plenofuncionamento”. Desta forma, existe a necessidade de se desenvolver a comunicaçãointegrada dentro das organizações, formando uma só cadeia de pensamentos esoma de forças para alcançar o único o objetivo: fixar a marca e a identidade daorganização. Ainda se tratando de comunicação Integrada, destaca-se o pensamento deBorges et.al. (2010, p. 3 e 4): a comunicação integrada é a estruturação da comunicação nas organizações que congrega dois vértices: comunicação institucional e comunicação mercadológica. Essa atividade parte do princípio de que se deve trabalhar integradamente todas as 4 áreas das organizações que lidam diretamente com os públicos, tais como: jornalismo, produção editorial, publicidade e propaganda, relações públicas, entre outras. Desse modo, serão alcançados resultados positivos nas ações comunicativas empreendidas pelas organizações. Percebe-se portanto a relevância da aplicabilidade de um trabalho de comunicação integrada numa organização. Tal atividade pode ser entendida como um trabalho unificado dos profissionais de diversas áreas das organizações, realizado sinergicamente, em que cada profissional desenvolve sua função, porém todos com objetivos em comum, tendo em vista, sobretudo, os públicos a serem atingidos. Com efeito, cabe a cada área da comunicação social (relações públicas,jornalismo e publicidade e propaganda) administrar seus processos comunicacionaisdentro de uma assessoria de comunicação social, mas também tendo aptidões àsoutras funções de outras áreas para saber como funcionam todos os processos. Diferentemente deste contexto Bueno (2009, p. 49) destaca: vamos ser mais precisos: quando nos referimos à comunicação integrada, não queremos apenas dizer que as atividades de comunicação se tangenciam numa organização, mas que elas se integram umbilicalmente ao processo de gestão, de planejamento, de marketing e obedecem a uma política e diretrizes comuns. A comunicação se integra não na superfície, não é uma questão de epiderme, mas de DNA, de cultura. É para valer mesmo.
  • 28 Para o autor a comunicação integrada não se concretiza, uma vez que namaioria das organizações, todas as suas áreas trabalham isoladamente: na maioria dos casos, em nossas organizações ( pelo menos na maioria que conhecemos por aqui), nem ao menos a comunicação interna e a externa estão articuladas e são tratadas com planos, ações e estratégias que se diferenciam bastante e muitas vezes se antagonizam. Além disso, ainda se cultiva na Comunicação Empresarial uma rejeição profunda às atividades de marketing e vendas, como se fosse possível (e razoável) separar o institucional do mercadológico. (BUENO, 2009, p. 49) Apesar do exposto pelo pesquisador, ainda é possível acreditar em umprocesso que congregue as áreas da comunicação social, para que exista umtrabalho em conjunto e os resultados produzidos para a organização sejam eficazes,como é demonstrado no pensamento de Palmerston et.al (2007, p. 5 – 6): para que a comunicação integrada atinja a eficácia é necessário principalmente o conhecimento de cada habilitação por parte dos profissionais. É preciso também, respeito, pois só assim cada um terá liberdade para opinar e compartilhar as funções exercidas pelos demais profissionais envolvidos.Diante desse quadro, o mais importante para se desenvolver a comunicação integrada é ter a consciência que todos estão atuando para atingir um objetivo comum, que é atender a organização para a qual trabalham da melhor forma possível. É encontrar um equilíbrio, ter respeito pelo profissional de cada área, conhecimento das especificidades de cada um e acreditar que, no dia - a -dia da empresa, todos vão desenvolver atividades diversificadas de acordo com a necessidade da organização. Insere-se, neste sentido, o profissional de relações públicas habilitado paratrabalhar com a comunicação integrada e as respectivas competências paradesenvolver de forma adequada o relacionamento público - organização. Segundo Kunsch (2003, p.185): as relações públicas,graças ao papel que lhes cabe de lidar com públicos multiplicadores e ao planejamento que essa função exige,têm muito a contribuir para a eficácia da comunicação integrada nas organizações, justamente por sua capacidade de se dirigir diretamente a vários segmentos de públicos, usando comunicação específica. Dentro das finalidades do profissional de relações públicas, Kopplin eFerraretto (2001, p. 14) destacam: a área de RP, portanto, vai se preocupar com a criação, planejamento e execução de programas de integração interna e externa. Assim, coordena desde festividades para funcionários ou cumprimentos a eles por aniversários, casamentos e dias especiais, como o da secretária, até atividades de cunho social, esportivo ou cultural, concursos, participação de organização em eventos, cerimonial e protocolo, elaboração de peças
  • 29 institucionais em conjunto com os setores AI e PP ou envio de mensagens (telegramas, ofícios, convites) a pessoas ou entidades relacionadas com a instituição. Os relações públicas terão, ainda, as responsabilidades de realizar pesquisas para conhecer opiniões, hábitos e atitudes dos públicos; manter cadastros atualizados dos vários segmentos de interesse para a instituição, além de referências históricas do próprio assessorado; e participar na definição de estratégias globais de comunicação. Ainda sobre o papel dos profissionais de relações públicas como assessor,Simões (1980, p. 2 e 3 grifo nosso), apresenta as funções da seguinte maneira: Funções: Pesquisa, Planejamento, Assessoramento, Execução, Coordenação e Avaliação. Tarefas: Em Pesquisa: Realiza e/ou manda realizar por empresas especializadas em sondagem de opinião, pesquisas de opinião e atitudes sobre a imagem, o conceito e a credibilidade da organização; Coleta informações através da imprensa escrita, falada e televisionada; Identifica e caracteriza os públicos (grupos que afetam os objetivos da empresa); Realiza pesquisa de leitura e leitura e leiturabilidade; Realiza pesquisa de hemerografia; Coleta sugestões solicitações e queixas; Analisa e interpreta os dados das pesquisas; Experimenta novos métodos e técnicas de Relações Públicas. Com isto, é imprescindível pensar que a pesquisa notadamenteidentifica e abre caminho para a implementação de novas ações interna eexternamente nas organizações, pois trabalha com informações fornecidaspelo próprio público de interesse. Em Planejamento: Elabora o planejamento de Relações Públicas, constituído de objetivos, estratégia, tarefas, cronogramas e orçamento;Elabora programas de Relações Públicas;Seleciona métodos e técnicas de Relações Públicas. O planejamento, como o próprio nome já diz,vai estruturar de formalinear e cronológica as ações nas Organizações, através de um plano deRelações Públicas bem elaborado. Em Assessoria: Fornece pareceres, apresenta alternativas e recomenda atividades à decisão da Direção sobre: estratégia e políticas de Relações Públicas; políticas de propaganda institucional; política de mecenato (doações), motivação dos recursos humanos e política de responsabilidade social;Assiste à Direção e qualquer elemento de organização em todas as oportunidades de representação da empresa.
  • 30 Com base no planejamento elaborado pelo profissional de relaçõespúblicas, será possível propor uma ação de assessoria contribuindo com aempresa externa e internamente. Em Execução: Cria, redige, produz e distribui informações específicas do seu setor, tanto para a imprensa, como para outros públicos específicos;Supervisiona a criação e a produção de folhetos, cartazes, quadros de avisos, mostras, audiovisuais, filmes, relatórios e outras peças;Organiza e realiza atos culturais, como, congressos, conferências, seminários, encontros, etc.;Organiza e realiza atos sociais como, aniversários, jantares, coquetéis;Organiza e realiza eventos especiais, como, inaugurações, comemorações, visitas, open-house, viagens;Dirige o cerimonial;Redige discursos, mensagens etc;Organiza e assiste entrevistas individuais e/ou coletivas com a imprensa ou outros grupos;Visita líderes de opinião;Representa a empresa em atos públicos;Supervisiona o arquivo de públicos, de imprensa, fotográfico, clichês, fotolitos, discos, documentação etc;Administra material, pessoal e verba do seu setor;Informa à Direção de todos os problemas de Relações Públicas em potencial, recomendando soluções (10% do seu tempo); Emite e responde correspondência. No que se refere à execução, o profissional de relações públicas possuium misto de diversificadas funções que vão desde a organização de eventosdo mais diversos gêneros, até a gestão da comunicação. Em Coordenação: Coordena as políticas e atividades das filiais e dos setores (departamento) da organização. Como já dito anteriormente, cabe às relações públicas se destacaremcom função de gestor da política comunicacional da organização, pois esteprofissional possui habilidades para dinamizar as relações com os diversospúblicos-alvo, ou seja, o target da organização. Em Avaliação: Avalia os resultados dos planejamentos, programas, métodos e técnicas, orientando as reformulações ou esforços necessários. Como todo bom profissional, os relações públicas desenvolvem ações quesão monitoradas e avaliadas, para que seja possível identificar quais foram osresultados favoráveis e os pontos que poderão ser melhorados na próxima ação aser desenvolvida. Este profissional tem primordial função dentro da comunicação integrada,uma vez que, na condição de gestor da comunicação e multiplicador de
  • 31relacionamentos, possui facilidade para lidar com a comunicação e seus diversossegmentos dentro e fora das organizações. De acordo com Palmerston et.al. (2007, p. 7): o relações-públicas está apto para a criação de estratégias que assegurem uma imagem positiva a organizações de qualquer porte ou natureza, seja em relação ao seu quadro funcional ou à comunidade em geral. O profissional tem como atribuição planejar, a comunicação de forma sistematizada, estabelecendo elos entre os públicos e os objetivos organizacionais. A essência da atividade é a conscientização, democratização e difusão de informações em esfera mais ampla, de forma a contribuir para a imagem da organização que representa. A leitura de cenários futuros, a preocupação com a cultura e a identidade das organizações, a cidadania corporativa, o planejamento de ações são perspectivas que permeiam a ação do profissional de relações públicas. Dessa forma, o profissional de relações públicas, utilizando – se dacomunicação integrada e de sua capacidade de gerir bons relacionamentos poderápropor ações de assessoria no que tange à utilização da comunicação no contextoda Paróquia São Paulo Apóstolo de Agudos. A seguir apresenta-se a trajetória dainstituição estudada.
  • 32 Capítulo 2Comunicação e religião:caracterizando a Paróquia São PauloApóstolo de Agudos
  • 33CAPÍTULO 2 – COMUNICAÇÃO E RELIGIÃO: CARACTERIZANDO A PARÓQUIASÃO PAULO APÓSTOLO DE AGUDOS Neste capítulo abordam-se os principais aspectos referentes à comunicaçãona Igreja Católica, destacando a Paróquia São Paulo Apóstolo de Agudos.2.1 TRAJETÓRIA E PRINCIPAIS ASPECTOS DA COMUNICAÇÃO NA IGREJACATÓLICA Pode-se notar primeiramente que, em termos de comunicação religiosa, há nafigura de Jesus Cristo o pioneirismo, pois Ele é considerado o maior comunicador dahistória com suas pregações e ideais que culminou no cristianismo. a comunicação tem sido um grande alicerce na história de nossa igreja. Grande parte de nossa doutrina foi passada da comunicação dos apóstolos para os seus seguidores, e continua sendo assim até hoje. Podemos pegar logo no inicio da vida da Igreja, livro de Atos dos Apóstolos temos o discurso de São Pedro para mais de 3.000 pessoas, convertendo-as assim a fé cristã vários pagãos. Esse foi apenas o pontapé inicial da comunicação na vida de nossa igreja. (A COMUNICAÇÃO..., c2010) Deste modo, a comunicação dentro do sistema religioso envolve diferentesaspectos humanos, principalmente quando se trata da Igreja Católica, que possuicomo requisito primordial, propagar seus ideais, utilizando estratégias paraaproximação com os fiéis. De acordo com Pirolo (2009, p. 2): a comunicação, para a Igreja Católica, não é só um meio para a propagação de suas mensagens. O objetivo, em sua utilização, está na comunhão dos princípios católicos e na aproximação do clero, detentor do conhecimento teológico, com os fiéis, leigos. Esta atenção da Igreja para 3 com a área comunicacional está registrada no decreto Inter Mirifica , que aborda principalmente o direito dela em utilizar os meios de comunicação para cumprir sua finalidade de propagar e firmar o Reino de Deus, visando o estabelecimento de novos caminhos de comunicação para a transmissão de informações e compartilhamento de idéias. Com este princípio, pode-se destacar que a Igreja Católica tem relação diretacom os meios de comunicação social e necessita utilizá-los para manter3 Inter Mirifica – Trata-se de uma decreto do Varticano sobre os meios de comunicação social . Disponível em: < http://www.vatican.va/archive/hist_councils/ii_vatican_council/documents/vat- ii_decree_19631204_inter-mirifica_po.html>. Acesso em: 22 Ago 2010.
  • 34aproximação com seu público, já que sempre foi uma Instituição com carátercomunicacional, como citado no início do capítulo, pois possui um ícone (JesusCristo), que é reconhecido no mundo todo. Em contrapartida a estes pressupostos, a trajetória da comunicação na IgrejaCatólica se deparou com barreiras, muitas vezes, quando se tratava de falta derecursos disponíveis para o setor. Segundo Pessinatti (1998, p.53): a igreja Católica, que foi a grande propagadora da comunicação escrita, e que foi,desde o Sacro Império,a detentora exclusiva dos meios de comunicação,encontra-se hoje despreparada diante dos desafios propostos pela era da informação. Era perceptível a precariedade dos meios de comunicação neste setor queproduzia informações com falta de recursos e investimentos. Assim como refletePessinati (1998, p.53): mesmo após a publicação e do estímulo provocado pelo documento 4 Communio et Progressio ,do Papa Paulo VI,os meios da Igreja(jornais,rádio TV)incomunicaram. Falam para si mesmos, além da falta de recursos técnicos e atualização jornalística. Estas indagações permitem refletir com base no pensamento de Dias (2001,p.181): a presença da Igreja nos meios de comunicação e a guerra pela audiência deixa no ar a indagação: é possível evangelizar a partir dos meios de comunicação?Como interpretar o mandato do fundador do cristianismo expresso no Evangelho como “Ide pelo mundo inteiro e anunciai a Boa Notícia a todos os povos” (Mc 16,15)? Pode-se então, complementar com o posicionamento de Beltrami (apudPESSINATTI, 1998, p. 239), ao tratar da dificuldade sentida pela Igreja Católica emtermos de comunicação: essa dificuldade pode ser constatada no contraste entre aquilo que a Igreja deseja comunicar, como instituição, e o que os profissionais e empresários da grande mídia desejam comunicar como cidadãos.A Igreja precisa rever seu papel em relação ao Estado; sua autonomia precisaria ser mais explicitada.Contudo, a Igreja encontrará o caminho para superar essa dificuldade de se mostrar para a cidade no investimento direto no setor.4 Communio et Progressio: Trata-se de uma instrução pastoral sobre os meios de comunicação social publicada por mandato do concílio ecumênico II do Vaticano.
  • 35 Por outro lado, além dos problemas que existiam na comunicação religiosa,surgiram e ainda estão surgindo conceitos e proposições de evangelização por meiodas novas mídias, o que transporta a um caminho de perspectivas para este cenário,assim como é demonstrado no pensamento de Pirolo (2009, p. 2): 5 a carta apostólica O Rápido Desenvolvimento exprime o desafio da Igreja de evangelizar em meio a um mundo rico de potencialidades comunicativas. A instituição tem o desafio de equilibrar seu conhecimento tradicional, milenar, com as exigências do mundo moderno: dinâmico, simples e veloz. Cabe a Igreja tomar isso como uma missão para o terceiro milênio, atuando de forma ética e moral no compartilhamento e no desenvolvimento da informação, promovendo, então, uma formação cristã que fomente a vida em comunidade. Dentro deste contexto, é possível citar a organização de grupos de interessee profissionais da área, na chamada Pastoral da Comunicação6 que desenvolveações de comunicação para a Igreja Católica com a participação de jornalistas,relações públicas, publicitários e demais leigos interessados no assunto. De acordo com Beltrami (1998, p. 238), a Pastoral da Comunicação deve agirem três direções: “nos meios, incidindo sobre os profissionais da comunicação;através dos meios, preocupando – se com a linguagem e o uso dos meios; e diantedos meios, promovendo uma permanente leitura crítica da comunicação”. Partindo desta pastoral e de suas ações, todo o ano comemora-se o DiaMundial das Comunicações Sociais e, a cada comemoração é definido um tema aser trabalhado. Com isso, para o 44º Dia Mundial das Comunicações comemorado no dia 16de Maio do ano de 2010, a Igreja Católica propôs o seguinte tema: ”O sacerdote e apastoral no mundo digital: os novos media ao serviço da Palavra”7. A proposta tinhao intuito de refletir sobre a divulgação de Jesus Cristo por meio das novas redessociais e, mostrar ao homem que é possível evangelizar com a comunicação.5 O Rápido Desenvolvimento: trata-se de uma carta apostólica apresentada ao sumo pontífice João Paulo II em 21 de Fevereiro de 2005, que contém a intervenção de D. John Patrick Foley e D. Renato Boccardo.6 [...]É a pastoral do ser e estar em comunhão com a comunidade. É a pastoral da acolhida, da participação, das inter-relações humanas, da organização solidária e do planejamento democrático do uso de recursos e instrumentos que facilitem o intercâmbio de informações e de manifestações das pessoas no interior da comunidade ou da comunidade para o mundo que o rodeia. É a pastoral da valorização das expressões da cultura humana. Disponível em < http://www.cnbbco.org.br/pastoral_comunicacao_detalhe.php?id_pastoral=1> Acesso em: 11 mar 2010.7 Extraído da mensagem completa do Papa Bento XVI para o 44º Dia Mundial das Comunicações. Está disponível no site < http: //www.cnbb.org.br/site/comissoes-episcopais/comunicacao-social/setor-comunicacao- social/1298-mensagem-do-papa-bento-xvi-para-o-44o-dia-mundial-das-comunicacoes>. Acesso em: 11 mar 2010.
  • 36 Desta forma, insere-se o pensamento de Jesus (2010, p. 3), que faz mençãoà Internet como forte aliada à comunicação religiosa: [...] utilizada adequadamente, pode incrementar a propagação da mensagem da Igreja,além de ser um instrumental extremamente útil para que os públicos internos que trabalham como lideranças sejam informados e instruídos em suas ações. Sendo assim, é notório justificar que apesar dos meios de comunicação paraa religião estarem ligados à trajetórias históricas não favoráveis, muito tem sidorealizado para mudar este cenário, seja por intermédio das Pastorais daComunicação ou pela evangelização com as novas mídias. Atividades que tendem atrazer benefício para este segmento e um avanço para inserir as ações dasassessorias de comunicação, prestando serviços a comunicação religiosa que talvezseja o futuro setor em expansão.2.2 A PARÓQUIA SÃO PAULO APÓSTOLO DE AGUDOS2.2.1 Histórico e situação atual A Paróquia São Paulo Apóstolo de Agudos iniciou suas atividades em 3 deJulho de 1898,quando se formalizou a transcrição da Portaria de criação da novaparóquia. Segundo Marco e Silva (1998, p. 17 e 18), o fundador da cidade de Agudos,Faustino Ribeiro da Silva foi o responsável pela doação das terras para a construçãoda primeira capela: em certidão fornecida pelo Escrivão de Paz e Oficial de Registro Civis da vila do Espírito Santo, João Pedro de Oliveira, datada de 11 de maio de 1894 (portanto a escritura da doação foi antes dessa data), consta que, no Livro 19, fls. 37 verso e 38, deu – se a escritura de doação de Faustino e sua mulher ao Apóstolo São Paulo, de umas terras na Fazenda Bom Sucesso, no valor de três contos de réis, e do seguinte teor: “principiando a divisa, do mesmo terreno doado pelo veio d’água de uma morada pertencente aos doadores do lado nascente e continuando até preencher o número de alqueires e frações que resultarão da divisão dos trezentos mil contos de réis de legítima de conformidade do valor atribuído a cada alqueire no inventário referido e sua avaliação, divisas que serão marcadas de acordo com a autoridade eclesiástica”. Desta forma constituiu – se então a primeira capela na cidade de Agudos, quetornou – se paróquia através da transcrição da Portaria, que foi lida e certificada na
  • 37primeira missa paroquial pelo primeiro pároco: Padre Xavier Arella. Padre Xavier Arella deu inicio à construção da Igreja Matriz, que em algunsaspectos, ainda é a estrutura que se tem hoje. Esta construção iniciou – se com aajuda de figuras notáveis da cidade: Sr. Arcângelo Napoleone e Sr. Arsênio DeConti. Em 9 de Dezembro de 1909, o primeiro Bispo Diocesano de Botucatu8 DomLúcio Antunes de Souza empossou o segundo pároco: Padre Manoel Nascimento deOliveira. A Paróquia São Paulo Apóstolo ainda não tinha um templo completo queatendesse a população da época. A construção foi realizada aos poucos, de acordocom os recursos disponíveis. Em 8 de Setembro de 1910, Pe. Manoel Nascimento de Oliveira fez a bençãono interior do templo ainda inacabado. Marco e Silva (1998, p. 46) descrevem o ato solene da seguinte forma: esse ato solene foi celebrado às 10 horas da mencionada data – festa da Imaculada Conceição de Nossa Senhora -, pelo 1º Bispo de Botucatu ( Dom Lúcio Antunes de Souza) a cuja diocese se vincula nossa paróquia ,tendo paraninfado o ato o Cel. Delfino Alexandrino de Oliveira Machado, o Cel. Antônio José Leite e Sra., Joaquim Cintra de Paula e Sra., Cel. Virgílio Rocha, e as Sras. Maria das Dores Cintra, Maria da Penha G. de Paula, Mariana Machado e Sebastiana Morato Leite. Entre os anos de 1910 a 1920 a instituição passou por algumas dificuldades,principalmente na gestão de Frei Domingos de Rieri (1914 e 1915) que encontrou aIgreja somente rebocada e, desta forma, concluiu a sua construção. Ainda de acordo com Marco e Silva (1998, p. 47): a Igreja concluída era pequena, compreendendo a nave e o presbitério, sem as abas laterais( depois das colunas internas), que foram construídas posteriormente, sendo sua profundidade bem menor que a da atual Matriz (em outra reforma a nave englobou o presbitério, e este teve nova construção). Mesmo com todos os empecilhos, a Paróquia São Paulo Apóstolo conseguiuem 27 de Janeiro de 1917 a sua inauguração definitiva, com a estrutura totalmentereformada. Também neste período, durante a administração do Cônego JoséGorgam, foi construído a calçada em frente à Paróquia.8 A Paróquia São Paulo Apóstolo pertencia, inicialmente, à Diocese de Botucatu. Somente em 1964, com a criação da Diocese de Bauru, Agudos passou a pertencer a ela.
  • 38 Já entre os anos de 1920 a 1930 um fato importante que marca esta trajetóriafoi em 25 de Janeiro de 1922, data em que aconteceu a benção da imagem de SãoPaulo Apóstolo no tamanho natural. Também neste período assume a instituição o Padre João Batista de Aquino.Segundo Marco e Silva (1998, p. 51) o novo padre possuía as seguintes funções: [...] O novo vigário assume a Paróquia [...] para permanecer entre nós por 14 anos e um mês, e empreender um grandioso trabalho de reorganização paroquial, dando nova orientação ao catecismo (maio de 1925) e criando Irmandades, dentre as quais, a União de Moços Católicos (23/05/1925), o Apostolado da Oração (06/06/1925), Pia União das Filhas de Maria (30-05- 1926) e a Liga do Menino Jesus (15/08/1926). Padre Aquino, como era chamado, foi responsável por grandes realizações nacidade de Agudos, como a criação da 1ª Escola Paroquial, do Jardim de Infância“Dom Carlos”. Também esteve ligado à inauguração do Colégio N. Sra. do SagradoCoração, hoje mantido pela instituição Preve Objetivo. Na próxima década (1930 a 1940) ainda administrando a instituição, Pe.Aquino promoveu a reforma da Paróquia aumentando o prédio nas laterais. Após a gestão de Pe. Aquino, entre os anos de 1940 a 1950 , destaca-se apresença dos frades franciscanos em Agudos para a construção do Seminário SantoAntonio9. Instituição que fez e ainda faz parte da história da Paróquia São PauloApóstolo. Já na década de 1960, a Paróquia passa por outra ampliação, sendoconstruído um Salão Paroquial e o início da cobertura do altar- mor nos fundos daIgreja. Também neste período foi celebrada a primeira missa em português e aParóquia passa a pertencer à recém – criada Diocese de Bauru. O ano de 1970 foi marcado pela morte do Monsenhor José Maria da SilvaPaes, o que culminou com o início da administração paroquial feita pelos fradesfranciscanos, tendo à sua frente Frei Paulo Back, até que fosse designado um novovigário. No final de Novembro do mesmo ano é empossado o 17º vigário, frei IvoTheiss, que promoveu diversos movimentos paroquiais, com a finalidade de9 O seminário Santo Antônio, localizado na cidade de Agudos, SP, é uma casa de acolhimento e cultivo vocacional para adolescentes e jovens, com até 20 anos de idade, e que estejam para iniciar a primeira ou segunda série do Ensino Médio, e que busquem um aprofundamento na vida de fé, um amadurecimento pessoal e queiram conhecer a vida franciscana mais de perto, com vistas a abraçar esta forma de vida. Disponível em: <http://www.franciscanos.org.br/agudos/ missao/>. Acesso em: 03 Maio 2010.
  • 39melhorar a dinâmica das ações da Igreja. Dentre suas ações, ressalta-se a pinturaexterna da Matriz, a instituição do sistema de carnês na arrecadação de dízimo emodernização da paróquia com o sistema de som disponível na época. Ainda na década de 1970, Frei Ernesto Kramer inicia sua administração àfrente da Matriz como o 18º vigário. Gestão que ficou conhecida como umaadministração enérgica, mas muito proveitosa, pois o vigário realizou diversas obrasde reestruturação da Paróquia e iniciou um plano de criação de CentrosComunitários Paroquiais na periferia de Agudos, conseguindo a doação de áreaspara a construção destes. Em 1978 assume a Paróquia frei Câncio Lino Berri, que presidiu a Comissãodiretiva das solenidades comemorativas do octogésimo aniversário da criação daParóquia São Paulo Apóstolo. No final da década de 1970, frei Marino Prim é empossado Pároco e adequouseu trabalho “[...] às determinações das Conferências de Puebla e Medellin, quepregam uma Teologia voltada para os pobres.” (MARCO E SILVA, 1998, p. 61) Partindo destes ideais, frei Marino iniciou a construção de CentrosComunitários e trabalhou nas pastorais da Catequese, Família, Dízimo, Batismo,Juventude e Vocacional e reintroduziu o trabalho dos acólitos nos serviçosreligiosos. Entre os anos de 1980 a 1990 aconteceu a instituição dos cinco primeirosMinistros Eucarísticos da Paróquia. No ano de 1989, frei José Bertoldi assume a administração paroquial,procurando desenvolver um trabalho Pastoral em Agudos, o qual possibilitou ainstauração das Missões Redentoristas. Criou também a Escola de Evangelizaçãoda Vila Vienense e fundou a Cúria de Legionários Nossa Senhora da Misericórdia. Na década de 1990, a paróquia comemorou a chegada do novo milênio e o seucentenário nas administrações de frei Luiz Flavio Adami Loureiro e frei FranciscoAugusto Orth. Para estas festividades a instituição passou por uma nova reforma, rebaixandoo teto para melhorar a acústica, trocando o piso, o telhado, fiação e a iluminação doprédio. Após a gestão de frei Francisco, no ano de 2003 assume a Paróquia freiAdemir Sanquetti, OFM (Ordem dos Franciscanos Menores) que é o atual pároco. Frei Ademir é conhecido em toda a cidade de Agudos por ter uma grande
  • 40afinidade com o público e facilidade para conseguir agregar novos fiéis à Paróquia. Além de todos estes atributos, Frei Ademir implantou algumas ações decomunicação dentro da Paróquia, reestruturando o informativo interno mensal,Timoneiro, modernizando o sistema de projeção de cantos e avisos com o datashow e firmando parceria com a rádio 87,9 FM de Agudos para a transmissão daSanta Missa ao vivo. Desta forma, a Paróquia São Paulo Apóstolo é uma instituição que possui umhistórico marcado por mudanças e fatos que permitiram tornar-se um dos pontosturísticos da cidade de Agudos, além de ser referência como uma das poucasparóquias na Diocese de Bauru que possui uma Pastoral da Comunicação ativa emtodos os processos, mantendo contato direto com todas as comunidades queenvolvem a paróquia (no total são seis) e também reestruturando os instrumentos decomunicação, que, entre eles, o informativo mensal Timoneiro possui destaque, porfazer parte há 33 anos da história de todos os paroquianos.2.2.2 Estrutura organizacional e administrativa De acordo com Nunes (2007, p. 2): a estrutura organizacional deve ser delineada de acordo com os objetivos e estratégias estabelecidos, ou seja, a estrutura organizacional é uma ferramenta básica para alcançar as situações almejadas pela empresa, é o instrumento básico para concretização do processo organizacional. Compreende-se, portanto, como estrutura organizacional, a forma deestabelecimento de funções, por meio de planejamento, controle, organização edireção. A Paróquia São Paulo Apóstolo, por tratar-se de uma Instituição de caráterreligioso tem sua estrutura baseada nas normas propostas pela Diocese10 para aqual presta contas, no caso a Diocese do Divino Espírito Santo de Bauru. Assim, antes da administração paroquial, existem as normas propostas peloBispo que devem ser seguidas pelas Paróquias que compõem a Diocese. O bispo10 Diocese - Em algumas formas de cristianismo, uma Diocese (do grego antigo διοίκησις, dióikessis, pelo latim dioecēsis) é uma unidade territorial administrada por um bispo. É também referida como um bispado, Área Episcopal ou Sede episcopal (como na Igreja Metodista). Disponível em: < http://curiosidadescatolicas.blogspot.com/2010/07/o-que-e-uma-diocese.html>. Acesso em: 22 Ago 2010.
  • 41por sua vez, conta com o auxílio de um ecônomo diocesano que é escolhido paracoordenar as atividades contábeis de todas as paróquias, e também de umchanceler que se responsabiliza por toda a documentação existente, bem como dasatas de posses de párocos, entre outras informações. Após, vem a administração paroquial comandada pelo pároco e pelo CAP(Conselho Administrativo Paroquial) que possui os seguintes membros: o pároco, otesoureiro paroquial e o coordenador do CPP (Conselho das Pastorais Paroquiais).No caso da Paróquia São Paulo, o CAP também é composto pelos tesoureiros dasseis comunidades pertencentes a ela. Para auxiliar as atividades do CAP há o CPP que é o Conselho das PastoraisParoquiais, composto pelos coordenadores de todas as pastorais ( batismo, crisma,catequese, entre outros), conforme apresentado no organograma abaixo:Figura 5 – Organograma administrativo da Paróquia São Paulo Apóstolo
  • 422.2.3 Diretrizes da Organização Para Andion e Fava (2010, p. 7): o monitoramento ambiental fornece elementos essenciais para que o gestor determine o rumo a ser seguido pela organização. Este rumo é explicitado através das diretrizes organizacionais formadas pela missão, pela visão e pelos objetivos da empresa. A Paróquia São Paulo não possuía suas diretrizes definidas. Desta forma, apesquisadora, com o propósito de desenvolver as funções de assessoria, propôs oseguinte: Missão: Anunciar a Boa Nova a todos os paroquianos, despertando o amorpela Igreja Católica e suas obras. Visão: Ser referência como Paróquia em toda a Diocese de Bauru,divulgando suas ações para todos. Valores: integridade, respeito, vivência no Evangelho, fé, fraternidade ecomprometimento.2.2.4 Identificação dos públicos estratégicos Para definir os tipos de públicos que fazem parte de uma Organização, épreciso entender, primeiramente, este conceito e qual a sua contribuição para oestudo estratégico. De acordo com França (2005, p.1): quando emprego o termo “públicos”, estou dizendo, da mesma forma, que compõe também as “partes interessadas” do negócio, acrescentando, porém, que, além poder identificá-los, tenho condições de analisar, pela conceituação lógica, todos os componentes da interação empresa/públicos para determinar o compartilhamento nas decisões, definir os interesses e o comportamento das partes e as formas de comunicação produtiva entre elas, para garantir maior segurança e sucesso no sistema da governança corporativa. Desta forma, pode-se dizer então que a Paróquia São Paulo Apóstolo possuitrês segmentos de públicos diferentes que compõem todo a sua estrutura e,participam ativamente ou não das atividades desenvolvidas pela Instituição.
  • 432.2.4.1 Comunidade (segmentada por faixas etárias) A Paróquia São Paulo Apóstolo é composta, na sua maioria, pela comunidadeque são todas as pessoas que participam das missas, encontros de espiritualidade,horas santas e momentos de louvor. Este público não possui um vínculo, além daparticipação nestes eventos, com a Paróquia. A comunidade é segmentada por faixas etárias, pois existem atividadesespecíficas para cada tipo de idade, conforme apresentado abaixo: A) Crianças De modo geral, as crianças que participam da Paróquia, fazem parte dasaulas de catequese e também dos encontros de coroinhas11. Para este público éoferecido um tratamento diferenciado dos demais, em relação à músicas e missas. A Paróquia São Paulo Apóstolo destina a missa do Domingo às 9h para ascrianças, principalmente as que já estão participando da catequese. Nesta missasempre há encenações, danças e músicas voltadas para elas. B) Jovens Os jovens, em sua maioria, estão engajados em movimentos como a Pastoraldo Crisma e o Grupo de Jovens, conforme será apresentado no decorrer desteestudo. Os demais jovens, apenas participam de algumas atividades, principalmentenos domingos à noite, pois são celebrações que possuem cantos mais animados. Em relação a este público há uma certa dificuldade em conseguir com quepermaneçam em toda a programação da Paróquia, pois não oferece atrativos paraeste segmento.11 Coroinhas são crianças que, após estudo e treinamento, auxiliam o Sacerdote durante a celebração das missas. De modo geral o termo coroinha é utilizado pelas mulheres e, para os homens e designado o termo acólitos.
  • 44 C) Adultos Os adultos fazem parte da grande maioria da comunidade. Em sua totalidade,participam apenas das missas e colaboram com os eventos da Paróquia, outroscolaboram com o Dízimo12. Este tipo de público, muitas vezes, participa somente de atos solenes, comobatizados, primeira comunhão e casamentos. Salvo uma parcela que é compostapelas lideranças da Paróquia que será mencionado no decorrer deste estudo. D) Idosos Os idosos participam também das celebrações e alguns dos movimentos quea Paróquia proporciona para este segmento, como grupos de oração e encontrosdurante a semana. Este tipo de público é mais visto durante as celebrações que acontecemdurante a semana. A maioria tem o hábito de se posicionar nos bancos localizados àfrente da Igreja, por ser um lugar de fácil acesso e locomoção.2.2.4.2 Lideranças Este público é caracterizado por possuir algum tipo de vínculo com a Paróquiae prestar contas de suas ações para a comunidade. O grupo é composto por líderes que coordenam a administram os setores (nototal são 6) que compõem a Paróquia e suas pastorais e movimentos13. Dentre aspastorais e movimentos, pode-se citar: Pastoral do Batismo, Pastoral da Catequese,Pastoral do Crisma, Pastoral Familiar, Pastoral da Solidariedade, Pastoral daJuventude, Pastoral da Acolhida, Pastoral da Comunicação, Pastoral dos Coroinhas,Pastoral da Saúde, Pastoral da Criança, Pastoral das Capelinha e Pastoral dosMECES (Ministros Extra-ordinários da Comunhão Eucarística).12 A palavra dízimo significa a décima parte. [...] A Bíblia pede estes dez por cento. Deus exige com firmeza esta doação para a comunidade. A Igreja Católica, no Brasil, vendo as necessidades do povo, pede que cada um dê de acordo com seu coração, de acordo com sua consciência. Disponível em:< http://dizimo2forania.net/o-que-e-dizimo/> Acesso em: 29 Ago 2010.13 Pastorais e movimentos são grupos organizados de pessoas que destinam suas atividades com o objetivo de promover a dignidade, renovar a comunidade e construir uma sociedade mais justa e solidária.
  • 45 As lideranças são responsáveis por zelar pela imagem da Paróquia e divulgá-la para todos, de acordo com as atividades de sua Pastoral. Todo mês é realizada uma reunião com estas lideranças para discussão edefinição de propostas de melhoria nas comunidades e pastorais, eventos a seremdesenvolvidos e resultados obtidos com estas ações no mês anterior. A esta reunião dá-se o nome da CPP (Conselho das Pastorais Paroquiais),onde são expostos os trabalhos realizados durante o mês e também o queacontecerá a curto prazo. Todos os presentes podem opinar e sugerir novas ideias.2.2.4.3 Grupos A Paróquia São Paulo possui grande participação de grupos de diferentessegmentos, que realizam diversas ações para toda a comunidade. A) RCC A este grupo dá-se o nome de Renovação Carismática Católica, que écomposto por pessoas de ideais Católicos e que possuem como principal objetivo,difundir a Palavra, por meio do Espírito Santo e de seus dons14·. Na Paróquia São Paulo Apóstolo este público é bem representado, porrealizar encontros de espiritualidades, Cercos de Jericó15·, além de conseguir trazero jovem para a Igreja. B) Legião de Maria A Legião de Maria é uma associação de Católicos que prega contra aspotências do mal e são coordenados pelos ideais de Maria Imaculada (uma dasdesignações dadas a Nossa Senhora).14 Os dons do Espírito Santo são como “receptores” aptos a captar os impulsos do Espírito mediante os quais o cristão se encaminha para a perfeição em estilo novo ou com a eficácia que o próprio Deus lhe confere. Possibilitam ao cristão ter a intuição profunda do significado das verdades reveladas por Deus assim como de cada criatura. Proporcionam também tomadas de atitude que nem a razão natural nem as virtudes humanas, sujeitas sempre a hesitações e falhas, conseguiriam indicar ou efetivar. Disponível em: <http://www.cleofas.com.br/virtual/texto.php? doc=ESTEVAO &id=deb0008>. Acesso em: 29 Ago 2010.15 Cerco de Jericó: são grupos de pessoas que se revezam durante sete dias para a oração do Rosário 24 horas. Nestes sete dias também são realizadas celebrações especiais.
  • 46 Os membros da Legião possuem a tarefa de permanecer em oraçãoconstante, além de cooperar com todos os outros legionários. Na Paróquia São Paulo, a Legião de Maria é um grupo ativo e participante,sempre cumprindo a proposta de suas ideias principais. C) OFS A OFS, Ordem Franciscana Secular, é uma organização da Igreja Católicaque possui a finalidade de reunir fiéis leigos. É chamada também de Ordem Terceira, por fazer parte da doutrinafranciscana que possui também a Ordem Primeira (dos frades menores) e a OrdemSegunda (das pobres damas). A OFS é aberta para todos que buscam viver o Evangelho como irmãos eirmãs. Na Paróquia São Paulo, a Ordem Franciscana Secular é composta pormembros ativos que participam de todas as ações da Igreja, além de possuirtambém ligação com o Seminário Santo Antônio, auxiliando nas vocaçõessacerdotais. D) Apostolado da Oração (AO) – Sagrado Coração de Jesus(1) O Apostolado da Oração é designado por uma associação de fieis leigos que,com a devoção ao Sagrado Coração de Jesus, são unidos em orações e aooferecimento diário de si mesmos e o sacrifício eucarístico. Este grupo se reúne toda primeira sexta-feira de cada mês para umacelebração especial, recomendada pela Igreja como sinal de amor. Na Paróquia São Paulo, o AO possui grande adesão da comunidade e realizadiversos eventos, principalmente na comemoração do Sagrado Coração de Jesus nomês de Maio. E) SAPSA – Sociedade Amigos dos Pobres de Santo Antônio O SAPSA trata-se de uma entidade acolhida pela Paróquia São PauloApóstolo.
  • 47 Nesta entidade são oferecidos cursos básicos de culinária e bordados para aspessoas menos favorecidas social e economicamente.2.2.5 Instrumentos de comunicação da Paróquia São Paulo Apóstolo2.2.5.1 Timoneiro O Timoneiro trata – se do boletim informativo interno mensal da Paróquia SãoPaulo Apóstolo e é o veículo de comunicação que consegue chegar a todos os fiéis,por meio dos agentes do Dízimo16. O informativo começou a ser veiculado na administração paroquial de FreiErnesto Kramer, que foi o principal motivador desta iniciativa. Desta forma, no mês de Fevereiro do ano de 1977, a Paróquia publicou o seuprimeiro informativo que recebeu o nome de Timoneiro. por que este nome? Vejam, é bem simples: Assim como Cristo disse diante de Pilatos: “O meu Reino não é deste mundo”, assim também nós, que queremos pertencer e construir o Seu Reino, não somos deste mundo, mas estamos navegando neste oceano do mundo. Embora não somos deste oceano, queremos chegar ao porto seguro que é Deus. Qualquer navio no oceano não é entregue à vontade das ondas e do vento; é dirigido por um homem que sabe levar o navio, apesar das ondas e do vento, para o porto seguro. E este homem se chama Timoneiro, porque ele segura o timão do navio. (TIMONEIRO. Agudos, v.1, n.1, fevereiro 1977, 4p). Foi então neste principio que, Frei Ernesto Kramer instituiu a comunicaçãopara aproximação com os fiéis. No seu início e até aproximadamente a década de 80, o Timoneiro eraconstituído por 4 páginas (metade de uma folha de sulfite) datilografadas e asnotícias não eram divididas em tópicos, mas em pequenas chamadas com um únicotexto. Naquela época, a produção do informativo ficava a cargo do pároco: nãohavia colaboradores interessados em participar da elaboração deste veículo. Em data não especificada, mas já na década de 90, a professora de LínguaPortuguesa e participante ativa da Paróquia, Maria Helena Lovisi assume a Pastoralda Comunicação Paroquial e inicia a reestruturação no informativo que, agora passa16 Trata - se de pessoas capacitadas que, mensalmente, percorrem as casas de sua vizinhança recolhendo o Dízimo dos fiéis.
  • 48a ser colorido e impresso em gráfica. Ainda assim, o Timoneiro era elaborado em 4páginas (metade de uma folha de sulfite), mas naquela oportunidade contava comdiversas participações dos membros das comunidades que enviavam informaçõesde eventos e ações solidárias. Com a entrada da nova Pastoral da Comunicação no ano de 2008, as açõesde comunicação da Paróquia passam a ser modificadas e modernizadas. Assim, nomês de Julho de 2009 o Timoneiro passou por uma nova reestruturação, agora com4 páginas no tamanho A4 e impressão em papel couché, conforme encontra-se noanexo - A. O informativo tem a colaboração das seis comunidades que compõem aParóquia, por meio de membros – chave que fornecem os subsídios necessáriospara a divulgação de sua comunidade, o que resulta em um composto de notícias,divulgações e resultados de ações que chegam a todos os fiéis de maneiraindistinta, como mostra a figura abaixo:Figura 6 – Capa e contracapa do Timoneiro de Setembro de 2010. Com isso, a Paróquia São Paulo Apóstolo vem utilizando da comunicaçãoescrita para atingir seu target e, desta forma, aproximar – se e criar um vínculo comeste público.2.2.5.2 Perfil no Orkut De acordo com Santana (2010, p.2):
  • 49 é a partir do comunicar-se e relacionar-se com semelhantes que o homem constrói-se enquanto ser social, agrupando-se e constituindo comunidades, redes, sociedades. Neste sentido, a humanidade tem sido conceituada, definida e percebida historicamente pela maneira como ela representa-se. Destarte, é importante pensar como estes sujeitos sociais se organizam e representam-se na contemporaneidade, frente ao fomento das Tecnologias da Informação e Comunicação – TIC, bem como do surgimento de uma cultura digital. Foi com estes ideais e pensamentos que a Paróquia São Paulo introduziu emsuas ferramentas de comunicação, o Perfil no Orkut para criar uma interação com osparoquianos que fazem uso desta rede social. Hoje, o perfil é atualizado com fotos e textos, sempre que acontece algumevento na Paróquia e já conta com 129 adeptos. Este tipo de interação mostra que, além de entender a importância dacomunicação escrita, a Paróquia também se preocupa com as novas tendências dasredes sociais, como ferramenta de comunicação eficiente.2.2.5.3 Blog Conforme o pensamento de Ferreira (2008, p. 24): inicialmente, os blogs foram criados para ser diários virtuais, uma brincadeira de adolescente. No entanto, no período da história em que vivemos a situação está bastante diferente. Os diários eletrônicos evoluíram de tal forma que estão sendo usados como fonte de informação, como fonte de renda e, em muitos casos, são usados pelos profissionais de comunicação como uma extensão dos jornais. Mediante esta afirmação, o blog é uma das recentes ferramentas deinteração, criada pela Paróquia São Paulo Apóstolo. O objetivo de construir este espaço é o de interagir com os internautas quefrequentam a Paróquia, dando a oportunidade de todos opinarem por meio decríticas, elogios e sugestões para melhorias. A instituição pretende colocar dois posts por semana, sempre atualizando aosDomingos.2.2.5.4 Postagem de vídeos no youtube com o evangelho da semana Para Serrano (2010, p.14):
  • 50 o YouTube representa uma memória individual e coletiva da humanidade, os acontecimentos pessoais são armazenados como documentos digitais e disponibilizados na rede, a possibilidade de compartilhamento entre vários indivíduos aumentam o potencial de inteligência coletiva dos grupos que apresentam como ponto em comum o interesse por determinado conteúdo. Com este pensamento e, conforme orientação mediante ao tema do 44º Diadas Comunicações Sociais17, a Paróquia São Paulo Apóstolo pretende inovar suasredes sociais ainda mais. Deste modo, como projeto em fase de preparação, a instituição postarávídeos na rede social youtube semanalmente. Nestes vídeos, de curta duração, opároco interage com os internautas, falando sobre o Evangelho18 da semana. Este tipo de prática já é costume na Ordem Franciscana, que possui perfil noyoutube (http://www.youtube.com/user/tvfranciscanos) com postagem de diversasinformações. Durante o desenvolvimento deste trabalho de conclusão de curso, ainstituição pesquisada optou por iniciar suas postagens em Janeiro de 2011. Considerando o contexto e realidade da Paróquia escolhida para estudodesenvolveu-se ações de pesquisa com a participação de líderes e paroquianosconforme capítulo 3.17 Ver capítulo 2 no item 2.1 a explicação sobre o 44º Dia das Comunicações Sociais18 São as "boas novas" do Reino de Deus e da salvação pela fé em Jesus Cristo (particularmente associada a mensagem contida nos quatro evangelhos: Mateus, Marcos, Lucas e João). Disponível em: < http://logoshp.6te.net/crisev.htm>. Acesso em: 05 Set 2010.
  • 51 Capítulo 3Ações de assessoria desenvolvidas naParóquia São Paulo Apóstolo deAgudos
  • 52CAPÍTULO 3 – AÇÕES DE ASSESSORIA DESENVOLVIDAS NA PARÓQUIA SÃOPAULO APÓSTOLO DE AGUDOS Neste capítulo estão destacadas as ações de assessorias desenvolvidas naprática, tendo como objeto de estudo a Paróquia São Paulo Apóstolo de Agudos. Dado o propósito do estudo optou-se por desenvolver duas pesquisas decaráter qualitativo e, com base nos resultados, apresentar uma proposta deassessoria de comunicação à instituição estudada .3.1 DIAGNÓSTICO DOS INSTRUMENTOS DE COMUNICAÇÃO UTILIZADOS PELA PARÓQUIA SÃO PAULO APÓSTOLO DE AGUDOS De acordo com Kunsch (2003, p. 277): “A pesquisa constitui um pré-requisitopara o planejamento das relações públicas nas organizações”, o que define estaatividade como fator primordial para a tomada de decisões, conforme é demonstradono seguinte pensamento: refletir a opinião publica para a administração, a fim de que esta a leve em consideração quando tiver de formular políticas básicas que venham a redundar na melhoria da mesma; proporcionar ao publico uma oportunidade de aquilatar uma organização e expor o seus motivos de satisfação ou desagrado; testar a informação que está fornecendo ao público, a fim de conhecer a maneira em que a mesma lhe está sendo transmitida; estimular o moral e o trabalho de equipe dos empregados, proporcionando-lhes comunicações satisfatórias com a companhia; orientar o programa de relações públicas na determinação de seus objetivos, estratégia e eficácia; provocar nos empregados sugestões que conduzam a melhores condições de trabalho, maior eficiência e aumento de produção; determinar, e trazer à consciência da administração, seus problemas de relações publicas; reduzir [...] as impressões nebulosas da opinião pública em face do “gosto” e do “não gosto” específicos; auxiliar a administração a evitar equívocos no trato com o público; revelar razoes da indiferença pública e como superá-la; substituir palpites por fatos no trato com o público; e revelar maneiras de melhorar o tipo e a qualidade do serviço prestado ao público. (CANFIELD 1970, p. 484 apud KUNSCH 2003, p. 279 – 280). Tomando como base o exposto no primeiro semestre do ano de 2010 foidesenvolvida uma pesquisa com oito paroquianos, sendo duas pessoaspesquisadas de cada faixa etária (crianças, jovens, adultos e idosos). Nesta pesquisa foram considerados assuntos referentes aos veículos decomunicação da Paróquia São Paulo Apóstolo e seu nível de abrangência.
  • 533.1.1 Justificativa O conhecimento das opiniões dos paroquianos das diferentes faixas etárias:criança, jovem, adulto e idoso é essencial para identificar os instrumentos decomunicação disponíveis na Paróquia São Paulo Apóstolo e quais seus benefíciospara a comunidade, para análise e reestruturação comunicacional a partir da opiniãodo público em questão. Este processo foi realizado por meio de coleta de informações de caráterqualitativo, com oito paroquianos. O intuito foi o de selecionar uma amostra deindivíduos ligados às ações da instituição e, assim, identificar o conhecimento quepossuem sobre os veículos de comunicação. Isto posto, é importante destacar que há diversos itens que devem serreestruturados nos veículos de comunicação paroquiais, seja para viabilizar acompreensão sobre a comunicação e a religião, identificando seus benefícios e oque ainda pode ser reestruturado para facilitar o relacionamento entre igreja eparoquiano.3.1.2 Objetivos • Identificar quais os públicos, segmentados por faixa etária, que fazem parte da Paróquia São Paulo Apóstolo; • Verificar quais as percepções destes públicos quanto à utilização de ferramentas de aproximação Igreja - fiel; • Analisar os resultados, de forma a gerar definições claras e objetivas para a proposição da proposta de assessoria;3.1.3 Metodologia A pesquisa foi realizada de acordo com os critérios pré – determinados. Emseguida, foi elaborado um roteiro contendo 10 questões abordando aspectosquantitativos e qualitativos, conforme modelo no apêndice A. Após esta etapa, foram selecionados oito paroquianos (criança, jovem, adultoe idoso), para que a pesquisa pudesse ser concretizada.
  • 54 Estabelecidos os contatos, a pesquisa aconteceu no mês de Maio de 2010 efoi realizada nos domicílios de cada pessoa pesquisada. Para a abordagem foramutilizados um gravador e uma folha contendo as perguntas estabelecidas Os resultados foram disponibilizados com as informações obtidas, emquadros para melhor visualização. Estando os quadros prontos com a análise das questões propostas, foipossível estabelecer uma relação dos meios de comunicação da instituiçãopesquisada e sua influência. Fato este que possibilitará a viabilização de umaproposta de assessoria.3.1.4 Apresentação dos resultados A) Caracterização dos entrevistados Tipo de Veículo Quantidade de preferência Jornais 4 TV 7 Rádio 3 Internet 6 Revista 2Tabela1 – Utilização de veículos de comunicação para informaçãoGráfico 1 - Utilização de veículos de comunicação para informação
  • 55 Mediante a análise do tipo de veículo de comunicação que os oitoentrevistados possuem preferência para manterem – se informados, a maioriaafirmou que utiliza a televisão como fonte de informação, seguida da internet e dosjornais e por último o rádio e as revistas. Este resultado mostra que, a televisão ainda é o veículo de comunicação queatinge a população de forma massiva, independente da faixa etária, pois agregainformações para todos os públicos, tanto de entretenimento, cultura, educação elazer. Fato este que vem ao encontro do pensamento de Rezende (1989, p. 8, apud,SANTOS, 2000, p. 1) a tevê pode ser vista por vários ângulos: como um fenômenosociológico, um gênero artístico, uma prestação de serviços, um instrumento técnicoou um eletrodoméstico. Cada uma dessas formas implica uma leitura. Os demais meios citados (jornais, rádio, internet e revista), possuem tambémrepercussão entre os entrevistados, como é o caso da internet, que também é muitoutilizada por ser um veículo de comunicação que disponibiliza informações paratodos os públicos de forma rápida e eficiente. Esta concepção é fortemente marcada pelo pensamento de Jesus (2010, p.3):[...] utilizada adequadamente, pode incrementar a propagaçãoda mensagemextremamente útil para que os públicos internos que trabalham como liderançassejam informados e instruidos em suas ações. Nota-se, desta forma, que a Paróquia São Paulo Apóstolo busca investirnesta área, com o propósito de conseguir aprimorar esta ferramenta em seubeneficio. Tempo de frequência Quantidade de pessoas De 5 a 10 anos 2 Mais de 10 anos 6Tabela 2 – Tempo que frequenta a Paróquia São Paulo Apóstolo
  • 56Gráfico 2 - Tempo que frequenta a Paróquia São Paulo Apóstolo A maioria dos entrevistados (6) frequenta a Paróquia São Paulo Apóstolo hámais de 10 anos, somente dois possuem menos tempo de participação por setratarem de crianças. Com este resultado é possível inferir que, como se tratam de pessoas quepossuem sua trajetória de vida ligada às atividades da paróquia, tem totalconhecimento e opinião formada sobre os veículos de comunicação da instituição. No caso das crianças entrevistadas, também é possível considerar a mesmasituação, pois como possuem idade entre 8 e 9 anos, participam da comunidadedesde que nasceram, logo conhecem também os veículos de comunicação e podemopinar de acordo com sua concepção. Participação Quantidade de pessoas Sim 6 Não 2Tabela 3 – Participação em pastorais e movimentos da Paróquia
  • 57Gráfico 3 - Participação em pastorais e movimentos da Paróquia A maioria dos entrevistados tem participação ativa na paróquia e faz parte dediversas pastorais. Diante disso, pode-se inferir que estão engajados em todas asações da paróquia, mesmo aqueles que não possuem participação ativa, vão àsmissas e sabem o que está acontecendo em todos os segmentos. Este resultado remete ao pensamento de Pirolo (2009, p.2), em que apesquisadora afirma que: 19 a carta apostólica O Rápido Desenvolvimento exprime o desafio da Igreja de evangelizar em meio a um mundo rico de potencialidades comunicativas. A instituição tem o desafio de equilibrar seu conhecimento tradicional, milenar, com as exigências do mundo moderno: dinâmico, simples e veloz. cabe a Igreja tomar isso como uma missão para o terceiro milênio, atuando de forma ética e moral no compartilhamento e no desenvolvimento da informação, promovendo, então, uma formação cristã que fomente a vida em comunidade. Mediante o exposto, é possível afirmar que a instituição pesquisada possuigrande aceitação por parte do público, o que mostra seu êxito em passar pelodesafio primordial que é o de, primeiramente, evangelizar.19 O Rápido Desenvolvimento: trata-se de uma carta apostólica apresentada ao sumo pontífice João Paulo II em 21 de Fevereiro de 2005, que contém a intervenção de D. John Patrick Foley e D. Renato Boccardo.
  • 58Pastorais/ movimentos Quantidade de pessoas Pastoral da Comunicação 1 Pastoral da Catequese 4 Pastoral dos Coroinhas 3Pastoral da Campanha da Fraternidade 1 Pastoral das capelinhas 1 Pastoral do Dízimo 1 Pastoral dos Ministros (Meces) 1 OFS (Ordem Franciscana Secular) 1Tabela 4 – Pastorais e movimentos de participaçãoGráfico 4 - Pastorais e movimentos de participação Os entrevistados participam de pastorais como a catequese (quatroentrevistados) e como coroinhas (dois dos entrevistados), por tratarem – se depastorais que necessitam de um grande número de pessoas para desempenhar asatividades de educar na fé (catequese) e servir ao Altar (coroinhas). É importante mencionar que as pastorais e movimentos citados, são osprimordiais da Igreja, ou seja, são necessários para o bom andamento dasatividades de qualquer Paróquia e, pode-se considerar que cada um dos
  • 59entrevistados participa destas pastorais, exceto dois que mencionaram não fazerparte destas atividades na Paróquia. Este resultado também reflete a comunicação, especificamente as relaçõespúblicas, como grande aliada da Igreja, pois consegue manter o relacionamentoadequado com seu público, fazendo com que ele participe de suas ações. Esta afirmação é embasada no pensamento de Pirolo (2009, p. 2): a comunicação, para a Igreja Católica, não é só um meio para a propagação de suas mensagens. O objetivo, em sua utilização, está na comunhão dos princípios católicos e na aproximação do clero, detentor do conhecimento teológico, com os fiéis, leigos. Esta atenção da Igreja para 20 com a área comunicacional está registrada no decreto Inter Mirifica , que aborda principalmente o direito dela em utilizar os meios de comunicação para cumprir sua finalidade de propagar e firmar o Reino de Deus, visando o estabelecimento de novos caminhos de comunicação para a transmissão de informações e compartilhamento de idéias. Com isso, nota –se que a participação do público em pastorais deve-se aofato de que a comunicação religiosa trabalha em prol da propagação do Reino deDeus. B) Aspectos qualitativos – percepção e análise dos instrumentos de comunicação utilizados pela Paróquia São Paulo Apóstolo. Conhecimento Quantidade de pessoas Sim 8 Não 0Tabela 5 - Conhecimento sobre os meios de comunicação utilizados pela Paróquia20 Inter Mirifica – Trata-se de uma decreto do Varticano sobre os meios de comunicação social . Disponível em: < http://www.vatican.va/archive/hist_councils/ii_vatican_council/documents/vat- ii_decree_19631204_inter-mirifica_po.html>. Acesso em: 22 Ago 2010.
  • 60Gráfico 5 - Conhecimento sobre os meios de comunicação utilizados pela Paróquia Todos os entrevistados conhecem os veículos de comunicação da Paróquia.Isto pode significar que, de certa forma, a comunicação da Paróquia São PauloApóstolo está ganhando repercussão. Esta concepção vem ao encontro do seguinte pensamento que faz jus àcomunicação como aliada da religião: a comunicação tem sido um grande alicerce na história de nossa igreja. Grande parte de nossa doutrina foi passada da comunicação dos apóstolos para os seus seguidores, e continua sendo assim até hoje. Podemos pegar logo no inicio da vida da Igreja, livro de Atos dos Apóstolos temos o discurso de São Pedro para mais de 3.000 pessoas, convertendo-as assim a fé cristã vários pagãos. Esse foi apenas o pontapé inicial da comunicação na vida de nossa igreja. (A COMUNICAÇÃO..., c 2010) Considerando o exposto, pode-se dizer que a Paróquia São Paulo Apóstolopossui veículos de comunicação que propagam os ensinamentos católicos edivulgam suas ações. Meio de comunicação Quantidade de pessoas Timoneiro 8 Datashow 3 Cartazes/ folders informativos 2 Transmissão da Santa Missa pelo rádio 3 / Programas Católicos na 87, 9 FM Avisos Paroquiais 4
  • 61 Perfil no Orkut 1 Tabela 6 - Meios de comunicação conhecidosGráfico 6 – Meios de comunicação conhecidos Pelas respostas apresentadas, os entrevistados conhecem o principal meiode comunicação da Paróquia São Paulo Apóstolo: o Timoneiro. Apontaram também outros meios de destaque e que fazem parte dasinovações em comunicação desde o ano de 2008: datashow, cartazes e foldersinformativos, bem como a transmissão da Santa Missa pela 87, 9 FM. Não menos importante, os avisos paroquiais, o perfil no orkut e a transmissãode programas católicos pelo rádio, foram lembrados apenas uma vez. Diante disto, destaca-se o pensamento de Pessinatti (1998, p. 53): a igreja Católica, que foi a grande propagadora da comunicação escrita, e que foi,desde o Sacro Império,a detentora exclusiva dos meios de comunicação,encontra-se hoje despreparada diante dos desafios propostos pela era da informação. Desta forma, estes são alguns dos veículos que necessitam dereestruturação, pois eles também podem passar as informações da paróquia eabranger outros públicos, como a internet que poderá agregar uma grandequantidade de jovens, o que discorda do pensamento do autor acima, pois acomunicação religiosa possui informação e ferramentas para ingressar e se manterna era da informação.
  • 62 Está bom, mas acho que precisa ter coisas voltadas para as crianças, como jogos na Internet e no Timoneiro. Precisa também que a Paróquia nos Participante 1 informe sobre os Santos, acho importante(Criança – 9 anos – Sexo Feminino) que tenha uma explicação sobre a história de duas Nossa Senhora por mês. Gosto muito dos meios de comunicação da paróquia, pois eles informam bem, mas Participante 2 acredito que ainda precisa mudar muito. (Criança – 8 anos – Sexo As crianças estão ficando de lado. Masculino) Não tenho o hábito de ler os informativos, Participante 3 mas acho que as igrejas propõem isso(Jovem – 15 anos – Sexo Feminino) para os fiéis saberem o que se passa e terem mais informações. São muito eficientes, pois possuem todas Participante 4 as informações que necessitamos saber (Jovem – 18 anos – Sexo da paróquia, além de nos passar sobre o Masculino) que aconteceu como é o caso do Timoneiro. Apesar de atender as necessidades, a mídia eletrônica deve ser um pouco mais Participante 5 explorada, visando atingir em especial ao (Adulto – 45 anos – Sexo público jovem. Isso poderá ser feito Masculino) através da criação de um site moderno, interativo e com bons conteúdos. São muito bons, pois nos passam as informações sobre o que está acontecendo
  • 63 Participante 6 na Paróquia e também nos informam(Adulto – 30 anos – Sexo Feminino) sobre os eventos que aconteceram, sempre com muitas fotos, no caso do Timoneiro, para ilustrar os belíssimos momentos da Paróquia. Leio e gosto de saber das atividades da Paróquia, mas o que temos ainda não é suficiente, pois é preciso ainda investir em evangelização, ou seja, utilizar os veículos Participante 7 de comunicação para que as pessoas(Idoso – 70 anos – Sexo Feminino) possam se aprofundar nos estudos. Um exemplo disto é a Liturgia que é rica e possui um conteúdo imenso para ser estudo e interpretado. Tenho bastante contato com o Timoneiro, pois todo mês o recebo em minha casa. Ele é muito bom e me mantém informado Participante 8 de todas as coisas, mas ainda falta muita(Idoso – 65 anos – Sexo Masculino) coisa nele, pois por nossa Igreja ser franciscana, acho que precisa divulgar um pouco mais este assunto.Quadro 1 - Concepção sobre os meios de comunicação da Paróquia São PauloApóstolo No que se refere aos meios de comunicação da Paróquia São PauloApóstolo, todos os entrevistados sentem - se satisfeitos com o material que a Igrejapossui, mas têm a concepção de que é necessário algumas mudanças paracompletar a eficiência destes veículos de comunicação. Observa-se que as crianças possuem a opinião de mudanças para a partelúdica (jogos e brincadeiras). Já os jovens, adultos e idosos citam a importância,principalmente do Timoneiro, sugerindo novas ideias como a interação com a mídiaeletrônica (participante 5), o investimento na evangelização(participante 7) e tambéma divulgação da doutrina franciscana ( participante 8).
  • 64 Estes resultados vem ao encontro do pensamento de Pirolo (2009, p.2): a comunicação, para a Igreja Católica, não é só um meio para a propagação de suas mensagens. O objetivo, em sua utilização, está na comunhão dos princípios católicos e na aproximação do clero, detentor do conhecimento teológico, com os fiéis, leigos.Esta atenção da Igreja para com a área comunicacional está registrada no decreto Inter Mirifica, que aborda principalmente o direito dela em utilizar os meios de comunicação para cumprir sua finalidade de propagar e firmar o Reino de Deus, visando o estabelecimento de novos caminhos de comunicação para a transmissão de informações e compartilhamento de idéias. Desta forma é possível inferir que os meios de comunicação da Paróquia SãoPaulo Apóstolo necessitam de reestruturação e inovação, principalmente em termosde internet e o advento das novas redes sociais. Participante 1 Eles informam, mas faltam jogos para nós(Criança – 9 anos – Sexo Feminino) crianças. Eles informam sobre tudo que vai Participante 2 acontecer na Paróquia, mas as atividades (Criança – 8 anos – Sexo que as crianças podem participar e os Masculino) eventos de criança não são divulgados. Participante 3 Cumprem o papel de informar os cristãos(Jovem – 15 anos – Sexo Feminino) sobre o que acontece na Paróquia Eles possuem o papel de informar e Participante 4 divulgar as ações da Igreja para todos. Isto(Jovem – 18 anos – Sexo Masculino é fundamental, uma vez que muitas pessoas pensam que a comunicação para a Igreja é brincadeira. Um dos principais objetivos dos veículos de comunicação da Paróquia é noticiar os eventos que irão ocorrer cujo objetivo será obter maior número de participantes. Participante 5 Publicar também eventos passados, (Adulto – 45 anos – Sexo motivando às pessoas que neles
  • 65 Masculino) participaram. Acho fundamental que os meios de comunicação da Paróquia procurem homenagear as pessoas em aniversários ou em datas especiais, valorizando a sua participação na comunidade. Possuem um papel importante de informar os paroquianos sobre os que está Participante 6 acontecendo na Paróquia, pois é(Adulto – 30 anos – Sexo Feminino) necessário que exista este retorno para todos nós. Participante 7 São eficazes. O que temos é o começo,(Idoso – 70 anos – Sexo Feminino) mas que já estão ajudando muito. Tem papel fundamental de informar as pessoas, pois muitos esquecem o que é Participante 8 dito nas missas. Com algo impresso é(Idoso – 65 anos – Sexo Masculino) sempre bom para podermos olhar sempre.Quadro 2 - Papel / função dos veículos de comunicação da Paróquia São PauloApóstolo Dentre todos os entrevistados, o papel/função dos veículos de comunicaçãoda Paróquia São Paulo Apóstolo possui o objetivo de informar, por meio dadivulgação de eventos e também do feedback destas festividades, mantendo aspessoas mais motivadas Destaca-se o posicionamento do participante 5, ao dizer que seria necessáriohomenagear os paroquianos em aniversários ou datas especiais, o que remete amanter uma bom relacionamento paróquia – paroquiano. Ainda é importante mencionar que os entrevistados destacam a importânciado material impresso, como é demonstrado pelo participante 8, afirmando que é defundamental importância para que todos os eventos da paróquia fiquem registrados. Estas concepções discordam do pensamento de Pessinatti (1998, p.53):
  • 66 a igreja Católica, que foi a grande propagadora da comunicação escrita, e que foi,desde o Sacro Império,a detentora exclusiva dos meios de comunicação,encontra-se hoje despreparada diante dos desafios propostos pela era da informação. Diante do exposto, nota - se que a Igreja ainda deve manter os métodostradicionais, que vem desde o Sacro Império, por exemplo, pois é necessário manteruma boa comunicação escrita na era da informação. Participante 1 Fico sabendo pelos avisos durantes as(Criança – 9 anos – Sexo Feminino) missas, pois o Timoneiro eu não leio muito. Participante 2 Em todas as missas, eu sempre escuto (Criança – 8 anos – Sexo bem os avisos e eles me ajudam a saber Masculino) de tudo o que vai acontecer. Participante 3 Os avisos são o que eu mais presto(Jovem – 15 anos – Sexo Feminino) atenção e fico sabendo. Os avisos ainda são um pouco confusos, mas ajudam a nos informar sobre os Participante 4 acontecimentos. Acredito que poderia(Jovem – 18 anos – Sexo Masculino melhorar um pouco e também que estes avisos ficassem exibidos no datashow no começo e no final das missas. Fico sabendo dos eventos e informações por meio dos avisos e da leitura do informativo mensal. Participante 5 Em minha opinião, os avisos durante as (Adulto – 45 anos – Sexo missas deveriam ser inseridos no projetor Masculino) multimídia, pois quando há uma grande quantidade de avisos, nem sempre o público tem facilidade de assimilar as notícias. Todo o mês recebo um exemplar do Participante 6 Timoneiro em minha casa e sempre(Adulto – 30 anos – Sexo Feminino) acompanho a agenda dos eventos, até
  • 67 para me programar melhor. Fico sabendo através do informativo Participante 7 mensal e durante as missas através dos(Idoso – 70 anos – Sexo Feminino) avisos. Além de ficar sabendo, repasso as informações para as outras pessoas, ajudando a distribuir o Timoneiro. O Timoneiro possui uma agenda muito bem detalhada de tudo que vai acontecer Participante 8 na paróquia durante o mês, além de(Idoso – 65 anos – Sexo Masculino) destacar em quadros coloridos, os eventos maiores, como os dias dos padroeiros de cada comunidade.Quadro 3 - Como chegam as informações e divulgações dos eventos Diante das concepções apresentadas pelos entrevistados, nota – se que háuma divisão em relação à maneira como as divulgações são apresentadas. Seis dosentrevistados ficam informados através dos Avisos Paroquiais durante as missas. Já dois dos entrevistados falam da importância do Timoneiro para manter – seinformado. É importante destacar o posicionamento dos participantes 4 e 5 ao mencionarque os avisos poderiam ser inseridos no projetor multimídia. Esta concepção vem ao encontro da hipótese de que a comunicação religiosatem ganhado espaço, uma vez que a Igreja Católica está trabalhando em prol deuma comunicação moderna com novas tecnologias. Com isso, pode-se inferir que as novas tecnologias têm merecido destaque nocampo religioso, pois também auxiliam na evangelização. Participante 1 Os avisos, porque já ficamos sabendo das(Criança – 9 anos – Sexo Feminino) informações nas missas. Participante 2 Os avisos durante as missas, porque é (Criança – 8 anos – Sexo mais rápido e é passado na hora da missa Masculino) que eu sempre vou. O Timoneiro, pois permite que as pessoas Participante 3 possam levar as informações da paróquia
  • 68(Jovem – 15 anos – Sexo Feminino) para as suas casas e consultá-las na hora que quiserem. Participante 4 O Timoneiro, pois ele consegue atingir a (Jovem – 18 anos – Sexo todos os paroquianos. Mesmo aqueles que Masculino) não possuem em casa, conseguem adquirir um exemplar na Igreja. Participante 5 Atualmente a comunicação escrita tem (Adulto – 45 anos – Sexo melhor resultado. Masculino) O Timoneiro, pois possui grande Participante 6 abrangência de público e contém todas as(Adulto – 30 anos – Sexo Feminino) informações necessárias para um paroquiano. Participante 7 Timoneiro, pois é bem favorável e traz(Idoso – 70 anos – Sexo Feminino) todas as informações para que possamos integrar e participar em comunidade. Participante 8 O Timoneiro, pois é muito explicativo e nos(Idoso – 65 anos – Sexo Masculino) da a possibilidade de sempre lembrar do que vai acontecer.Quadro 4 - Meio de comunicação / resultado favorável A grande maioria dos entrevistados (jovem, adulto e idoso), menciona que oTimoneiro é o meio de comunicação mais eficaz para a Paróquia São PauloApóstolo. Já as crianças são unânimes ao afirmar que os Avisos Paroquiais sãomelhores e produz um bom resultado, até pelo fato do Timoneiro não possuiratrativos para esta faixa etária. Estes pensamentos vem ao encontro da hipótese de que as assessorias decomunicação trabalham de forma a concretizar o que hoje é chamado decomunicação integrada, pois com uma comunicação integrada e eficaz, serápossível atender a todos os públicos.
  • 693.1.5 Considerações sobre a pesquisa De acordo com o levantamento e análise das informações por meio dapesquisa com os oito entrevistados foi possível constatar que a Paróquia São PauloApóstolo de Agudos possui bons veículos de comunicação, mas que precisam serreestruturados para atender a todos os públicos. Pode-se verificar que nem todos os participantes estão engajados nas açõesda paróquia, mas possuem visão geral e tem conhecimento sobre seus veículos decomunicação. Pode-se perceber que a comunicação religiosa vem ganhando repercussãoentre os fiéis que estão se preocupando em manterem – se cada vez maisinformados e atualizados. Talvez ainda falta a reestruturação de alguns veículospara atender todos os interesses. Ressalta-se, portanto, a necessidade de atuação do profissional decomunicação, em especial, o Relações Públicas, capaz de lidar com a comunicaçãono contexto da Igreja Católica, especificamente a Paróquia São Paulo Apóstolo deAgudos, desenvolvendo ações que permitam trabalhar com os diferentesinstrumentos e linguagens que atendam ao repertório e interesse dos paroquianos.3.2 PESQUISA QUALITATIVA (LÍDERES E COORDENADORES) Para esta pesquisa, foram selecionados dez paroquianos pertencentes aospúblicos relacionados neste estudo. Para tanto, optou-se pela busca de informaçõescom as lideranças e os grupos de interesse da Paróquia São Paulo Apóstolo deAgudos.3.2.1 Justificativa Para desenvolver ações de assessoria de comunicação para a Paróquia SãoPaulo Apóstolo foi necessário conhecer a opinião de suas lideranças e de seusgrupos de interesse sobre a comunicação interna e externa, o fluxo de comunicaçãoe os ideais da PasCom (Pastoral da Comunicação). Este processo foi realizado por meio da coleta de informações com dezparoquianos que exercem algum tipo de liderança ou faz parte de algum grupo de
  • 70interesse. O objetivo foi de selecionar pessoas engajadas nas ações da Paróquiaque tenham conhecimento para poder opinar e dar suas sugestões para acomunicação da instituição. Isto posto, é importante destacar que, de acordo com a análise feita nasrespostas de cada entrevistado, ficou notório que existem algumas mudanças aserem feitas a curto, médio e longo prazo. Tais mudanças permitirão a viabilizaçãodo fluxo de comunicação dentro e fora da Paróquia São Paulo Apóstolo.3.2.2 Objetivos • Identificar os problemas de comunicação existentes na instituição propondo ações para amenizá-los; • Buscar informações junto aos entrevistados com o propósito de apresentar uma proposta de assessoria de comunicação; • Analisar o resultado da pesquisa e elaborar proposta de assessoria de comunicação.3.2.3 Metodologia Mediante os critérios estabelecidos para a realização da pesquisa (pessoasque exercem liderança e função de coordenação nos grupos), foi elaborado umroteiro contendo 12 questões de caráter qualitativo, conforme modelo no apêndice B. Após esta definição foram selecionados dez paroquianos, sendo quatrorepresentantes da liderança (coordenadores do CAP e do CPP e coordenadores dascomunidades) e seis representantes dos grupos (RCC, Legião de Maria, OFS e AO). Estabelecidos os contatos, a pesquisa aconteceu de 2/10 a 10/10 e foirealizada nos domicílios de cada pessoa pesquisada. Para a abordagem foramutilizados um gravador e uma folha contendo as perguntas estabelecidas Os resultados foram disponibilizados com as informações dispostas emquadros, para melhor visualização. Estando os quadros prontos com a análise das questões propostas, foipossível avaliar criteriosamente as informações, possibilitando apresentar umaproposta de assessoria de comunicação.
  • 713.2.4 Apresentação dos resultados A) Caracterização dos entrevistados Grupo Idade Coordenação 60 Coordenação 22 Coordenação 51 CPP 41 CAP 48 OFS 81 Apostolado 65 RCC 47 RCC 47 Legião de Maria 72 Tabela 7 – Idade dos entrevistados Todos os entrevistados já são adultos, ou seja, maior de idade, devido ao fatode que, de acordo com as normas vigentes na Diocese, todas as lideranças edemais membros devem possuir mais de 18 anos para fazer parte de algum grupo. Outro ponto importante são os grupos: OFS, AO e Legião de Maria que, nasua maioria, são formados por pessoas da terceira idade. Grupo Sexo Coordenação F Coordenação F Coordenação M CPP F CAP F OFS F Apostolado F RCC F RCC M Legião de Maria F Tabela 8 – Sexo dos entrevistados Dos dez entrevistados, oito são mulheres e dois são homens. Isto se deve aofato de que na Paróquia São Paulo Apóstolo a maioria das lideranças responsáveispelos grupos são constituídas por mulheres.
  • 72 Grupo Tempo de Frequência Coordenação desde a infância Coordenação desde a adolescência Coordenação desde a infância CPP desde a infância CAP desde a infância OFS desde a idade adulta Apostolado desde a idade adulta RCC desde a adolescência RCC desde a adolescência Legião de Maria desde a idade adulta Tabela 9 - Tempo que frequenta a Paróquia A maioria dos entrevistados frequenta a Paróquia desde a infância, ou seja,participou da maioria das atividades da Instituição e conhece bem a sua história. Jáos demais dividem seu ingresso nas ações da Paróquia entre a adolescência e afase adulta, mas também possuem conhecimento sobre todos os aspectos quedizem respeito à Igreja. B) Aspectos qualitativos Todo o tipo de informação em relação aos Participante 1 grupos que existem na Paróquia (dia, (Grupo: CPP) horário e como ele funciona), para que mais pessoas possam participar e saber que eles existem As informações para os paroquianos são Participante 2 obtidas pelo Timoneiro, pois é um meio de (Grupo: CAP) comunicação muito válido. Neste informativo podemos adquirir todas as informações sobre a nossa Paróquia. Participante 3 Tudo o que envolve a Paróquia, como as(Grupo:Coordenador de comunidade) festividades, ou seja, tudo o que é inerente a ela. Participante 4 Acredito que tudo que envolve a Paróquia(Grupo:Coordenador de comunidade) e as participações em grupos e nas Missas, pois sem religião nós não somos nada. Participante 5 Acredito que sejam todas as coisas que(Grupo:Coordenador de comunidade) dizem respeito à Paróquia e o seu valor histórico. Participante 6 Acredito que os avisos dados durante as (Grupo: OFS) missas são de interesse dos paroquianos, porém ainda são muito vagos.
  • 73 Participante 7 Tudo que é relacionado com a Igreja (Grupo: RCC) Tudo o que acontece na Paróquia deve ser Participante 8 considerado como interesse de todos, ou (Grupo: RCC) seja, passar as informações para que todos fiquem cientes do que está acontecendo. Primeiramente as pessoas devem ser bem Participante 9 acolhidas na Igreja para depois poderem (Grupo: AO) adquirir as informações necessárias, pois é neste ponto que ela se sente motivada em querer saber cada vez mais. Participante 10 Acredito de tudo que se passa dentro da (Grupo: Legião de Maria) Igreja é de nosso interesse. Desde a parte de evangelização até as atividades das pastorais.Quadro 5 – Tipo de informação que é de interesse das pessoas que frenquentam aParóquia Diante da questão proposta, a maioria dos entrevistados menciona que asinformações de interesse dos paroquianos são todas aquelas que envolvem aParóquia em si, ou seja, informações sobre a Instituição e o que ela oferece comopropõe o Participante 1. Já o Participante 2 menciona a importância do principal veículo decomunicação da Paróquia: o Timoneiro. Estas afirmações vem ao encontro do pensamento de Pirolo (2009, p. 2): a comunicação, para a Igreja Católica, não é só um meio para a propagação de suas mensagens. O objetivo, em sua utilização, está na comunhão dos princípios católicos e na aproximação do clero, detentor do conhecimento teológico, com os fiéis, leigos.Esta atenção da Igreja para com a área 21 comunicacional está registrada no decreto Inter Mirifica , que aborda principalmente o direito dela em utilizar os meios de comunicação para cumprir sua finalidade de propagar e firmar o Reino de Deus, visando o estabelecimento de novos caminhos de comunicação para a transmissão de informações e compartilhamento de idéias. É importante também mencionar o manifestado pelo participante 6 no que serefere aos chamados; “Avisos Paroquiais” que são dados durantes as celebrações.De acordo com o pensamento do participante, estas informações são vagas e nãoatingem o público esperado.21 Inter Mirifica – Trata-se de uma decreto do Vaticano sobre os meios de comunicação social. Disponível em: < http://www.vatican.va/archive/hist_councils/ii_vatican_council/documents/vat- ii_decree_19631204_inter-mirifica_po.html>. Acesso em: 22 Ago 2010.
  • 74 Com isso, pode-se entender que a comunicação é base fundamental para osprocessos religiosos e também para modificá-los, ou seja, todas as informações quedizem respeito à uma instituição religiosa, no caso a Paróquia São Paulo Apóstolo. Nossa Paróquia é privilegiada em relação Participante 1 aos meios de comunicação. Temos o (Grupo: CPP) Timoneiro que foi reestruturado recentemente, o espaço na imprensa local, a rádio comunitária que com a reestruturação na administração passou a ter um caráter mais evangelizador. Quando existe a necessidade para alguns eventos, temos o carro de som nas ruas. Participante 2 Hoje temos o Timoneiro e os avisos (Grupo: CAP) paroquiais na Igreja. Nós temos o Timoneiro e os avisos Participante 3 paroquiais e também quando tem uma(Grupo:Coordenador de comunidade) festividade existe a preocupação em contratar um veiculo de som para que todas as pessoas sejam informadas. As informações são transmitidas pelas Participante 4 missas, pela rádio e pelo Timoneiro. Isto é(Grupo:Coordenador de comunidade) muito bom para nos mantermos informados. Hoje nós possuímos a secretaria Participante 5 paroquial, o orkut da paróquia, os avisos(Grupo:Coordenador de comunidade) paroquiais e o Timoneiro que são utilizados para viabilizar o contato entre a paróquia e os paroquianos. Participante 6 Aqui em nossa Paróquia temos os avisos (Grupo: OFS) paroquiais e o Timoneiro que são utilizados para transmitir as informações aos paroquianos. Participante 7 Atualmente temos a rádio, o Timoneiro, o (Grupo: RCC) mural da Paróquia e os serviços de som de rua quando há uma festividade. Na Paróquia temos a rádio, o mural de Participante 8 fotos, o Timoneiro e os avisos paroquiais (Grupo: RCC) que são os veículos utilizados atualmente que nos deixam a par de todos os acontecimentos da Paróquia. Participante 9 As informações hoje são distribuídas no (Grupo: AO) Timoneiro, nas reuniões, a rádio e tudo o que movimenta as pessoas Participante 10 Temos a rádio e o Timoneiro que facilitam (Grupo: Legião de Maria) o fluxo e informações da Igreja. Além dos comentaristas nas missas que tem o seu papel de transmitir as informações.Quadro 6 – Modo de transmissão das informações e meios utilizados atualmente
  • 75 Diante da questão proposta, a maioria dos entrevistados mencionou osveículos de comunicação mais importantes da Paróquia: Timoneiro, programas nãorádio, carro de som e os avisos paroquiais. Alguns participantes como 1, 5 e 10 citaram outros meios de comunicaçãoque são considerados mídias de suporte da Paróquia: espaço na imprensa local,orkut, mural de fotos e mensagens e informações divulgadas pelos comentaristasnas missas. Pelo exposto, pode-se afirmar que a Assessoria de Comunicação da Paróquiaestá conseguindo atingir seu objetivo que é o de divulgar as ações da Instituição. O manifestado pelos entrevistados vem ao encontro do pensamento deKunsch (2003, p.185), no que se refere ao papel dos Relações Públicas nasOrganizações: as relações públicas,graças ao papel que lhes cabe de lidar com públicos multiplicadores e ao planejamento que essa função exige,têm muito a contribuir para a eficácia da comunicação integrada nas organizações, justamente por sua capacidade de se dirigir diretamente a vários segmentos de públicos, usando comunicação específica. Sendo assim, cabe ao profissional de Relações Públicas o papel degerenciador de relacionamentos e divulgador das ações de comunicação, utilizando-se da comunicação integrada. Os veículos são bem utilizados, mas Participante 1 devíamos explorá-los um pouco mais. (Grupo: CPP) Acredito que se as comunidades e as pastorais passassem as informações, conseguiríamos divulgar ainda mais. Participante 2 O Timoneiro foi reformulado e teve uma (Grupo: CAP) inovação muito grande com aceitação favorável pelas pessoas. Já os avisos precisam ser reformulados, pois são compostos por muita informação e a maioria das pessoas que participam das missas não prestam atenção. Participante 3 São bem utilizados, pois mesmo estando (Grupo:Coordenador de comunidade) em nossas casas podemos ter acesso a tudo que a Paróquia nos oferece. Participante 4 São excelentes.
  • 76 (Grupo:Coordenador de comunidade) Tenho o hábito de escutar sempre a rádio, além de ler o Timoneiro. Vejo tudo isso como de grande valia. Participante 5 Os veículos são bons e tem (Grupo:Coordenador de comunidade) correspondido nossas expectativas enquanto paroquianos e também membros da liderança paroquial Alguns são válidos como é o caso do Participante 6 Timoneiro, pois as pessoas possuem o (Grupo: OFS) interesse de ler. Salvo algumas que não despertam o interesse por adquirir conhecimento pelo informativo, mas não podemos obrigar todos a lerem. Participante 7 São bons, pois por meio deles nós (Grupo: RCC) ficamos sabendo de tudo que acontece na Igreja Vejo como um benefício que nos Participante 8 mantêm informados. (Grupo: RCC) As informações estão sempre à nossa disposição, só cabe a cada um de nós ficar atentos para o que vai acontecer. Acho de extrema importância, pois as Participante 9 pessoas passam a se sentir atualizadas (Grupo: AO) na Igreja que faz parte do dia a dia de todos. Participante 10 São de extrema importância e atendem (Grupo: Legião de Maria) nossas expectativas.Quadro 7 – Avaliação da forma de utilização dos veículos Diante das proposições apresentadas, os entrevistados afirmam que osveículos de comunicação utilizados pela Paróquia atendem às expectativas e sãoúteis, pois os mantêm informados. Já alguns participantes fizeram observaçõesconsideráveis para este estudo. O participante 1 mencionou a forma de utilização dos veículos descrevendo aimportância de explorá-los um pouco mais e o participante 2 fez crítica aos avisosparoquiais,afirmando que eles são vagos e difíceis de serem assimilados pelosparoquianos. Mesma crítica é feita pelo participante 6 no Quadro 10. Com base nas opiniões apresentadas é importante inserir o seguintepensamento: a comunicação tem sido um grande alicerce na história de nossa igreja. Grande parte de nossa doutrina foi passada da comunicação dos apóstolos para os seus seguidores, e continua sendo assim até hoje. Podemos pegar logo no inicio da vida da Igreja, livro de Atos dos Apóstolos temos o
  • 77 discurso de São Pedro para mais de 3.000 pessoas, convertendo-as assim a fé cristã vários pagãos. Esse foi apenas o pontapé inicial da comunicação na vida de nossa igreja. (A COMUNICAÇÃO..., c 2010) Ainda assim, é necessário melhorar algumas ações da Paróquia no que dizrespeito à transmissão das informações por meio dos “Avisos Paroquiais”. Temos uma Assessora de Comunicação Participante 1 na paróquia que é responsável pela (Grupo: CPP) elaboração de tudo o que envolve comunicação. Por isso volto a afirmar que seria interessante que informações chegassem até a Assessoria de Comunicação, para que os veículos fossem mais explorados. Esta parte cabe a Pastoral da Participante 2 Comunicação. É ela que avalia e (Grupo: CAP) determina a melhor forma de passar as informações aos paroquianos Existe a Pastoral da Comunicação, pois é Participante 3 ela quem dissemina as informações para(Grupo:Coordenador de comunidade) todos os setores. Se não existisse esta pastoral, tudo ficaria mais difícil, pois nem todos teriam acesso à informação. Participante 4 Estas informações são de(Grupo:Coordenador de comunidade) responsabilidade da Assessoria de Comunicação da Paróquia e do Pároco. Participante 5 A este trabalho cabe a ação da Assessoria(Grupo:Coordenador de comunidade) de Comunicação (PasCom) que,de dois anos pra cá deu um upgrade. Participante 6 Cabe a Assessora de Comunicação da (Grupo: OFS) Paróquia, por meio da PasCom. Participante 7 Cabe à PasCom (Grupo: RCC) Participante 8 A Igreja possui uma pastoral própria para (Grupo: RCC) realizar este trabalho que é a PasCom. Participante 9 A responsabilidade cabe à PasCom, (Grupo: AO) sempre empenhada em divulgar suas ações para todos. Participante 10 Estas responsabilidades cabem à (Grupo: Legião de Maria) PasCom.Quadro 8 – Responsabilidade pelos veículos de comunicação Todos os entrevistados mencionaram que a responsabilidade pelasinformações e veículos de comunicação são da Assessoria de Comunicação /
  • 78PasCom da Paróquia. Exceto o participante 4 que também mencionou ser estaresponsabilidade do Pároco, juntamente com a comunicação. Desta maneira, nota-se que os entrevistados possuem conhecimento dopapel da Pastoral da Comunicação e afirmam que seu trabalho é compostobasicamente pelas ações de divulgação da Paróquia para os paroquianos e àsociedade em geral. Neste contexto acentua-se então o pensamento de Beltrami (1998, p. 238), nosobre as três direções de ação da PasCom: nos meios, incidindo sobre os profissionais da comunicação; através dos meios, preocupando – se com a linguagem e o uso dos meios; e diante dos meios, promovendo uma permanente leitura crítica da comunicação. A PasCom é uma pastoral que possui cara Participante 1 nova na Paróquia e nesta nova fase está (Grupo: CPP) bastante presente nos eventos, fotografando, fazendo entrevistas e etc. Por isso acho a atuação da pastoral excelente. A PasCom como já disse, teve uma Participante 2 inovação muito grande na Paróquia e (Grupo: CAP) conseguiu trazer para todas as comunidades uma certa integração no que diz respeito às informações, pois hoje as comunidades possuem acesso aos acontecimentos uma das outras. Ela ainda pode fazer mais coisas do que já é feito por meio de um trabalho entre coordenação paroquial e as comunidades. A PasCom funciona bem, vejo como Participante 3 exemplo a minha comunidade que sempre(Grupo:Coordenador de comunidade) é lembrada nos informativos, pois trabalhamos em parceria com a pastoral mandado todas as informações. A PasCom é muito importante,pois Participante 4 consegue fazer a cobertura de tudo o que(Grupo:Coordenador de comunidade) acontece, dos eventos e ações da Paróquia. Além de registrar tudo com fotografias e elaborar as matérias para o Timoneiro. A PasCom possui a atividade de Participante 5 elaboração das informações, como o(Grupo:Coordenador de comunidade) Timoneiro que foi alvo de grandes mudanças e revoluções, sendo bem aceito pelos paroquianos.
  • 79 Acho as atividades da PasCom de grande Participante 6 valia para a comunidade em geral, pois há (Grupo: OFS) o registro fotográfico e a divulgação de tudo que acontece na Paróquia, além da PasCom se preocupar sempre com tudo que é dito durante as celebrações, fazendo as correções necessárias. Participante 7 Após a introdução da PasCom na nossa (Grupo: RCC) Igreja, muitas coisas mudaram. Hoje os eventos são divulgados e registrados por esta pastoral que está presente fielmente nas ações da Paróquia. A PasCom foi criada para fazer acontecer Participante 8 a comunicação na Igreja. Na nossa (Grupo: RCC) Paróquia esta pastoral é responsável por registrar os eventos e possuir a preocupação em divulgar os resultados das ações para todos os paroquianos. Participante 9 Tudo o que é feito e que permite levar as (Grupo: AO) pessoas o que se passa dentro de cada comunidade. Participante 10 Cabe à pastoral a divulgação dos eventos, (Grupo: Legião de Maria) elaboração do Timoneiro,arquivo de fotos, entre outras.Quadro 9 – Avaliação criteriosa da Pascom e suas principais atividades Para a maioria dos entrevistados a PasCom possui atuação excelente naParóquia e integra as informações permitindo o acesso aos acontecimentos emtodas as comunidades conforme destacado pelos participantes 1 e 2. Os participantes 3, 4, 5 e 10 lembraram da importância do principalinformativo: o Timoneiro, ressaltando o seu papel na veiculação de informações edivulgação de todos os acontecimentos. Estas afirmações vem ao encontro do pensamento de Pirolo (2009, p. 2): 22 a carta apostólica O Rápido Desenvolvimento exprime o desafio da Igreja de evangelizar em meio a um mundo rico de potencialidades comunicativas. A instituição tem o desafio de equilibrar seu conhecimento tradicional, milenar, com as exigências do mundo moderno: dinâmico, simples e veloz. Cabe a Igreja tomar isso como uma missão para o terceiro milênio, atuando de forma ética e moral no compartilhamento e no desenvolvimento da informação, promovendo, então, uma formação cristã que fomente a vida em comunidade.22 O Rápido Desenvolvimento: trata-se de uma carta apostólica apresentada ao sumo pontífice João Paulo II em 21 de Fevereiro de 2005, que contém a intervenção de D. John Patrick Foley e D. Renato Boccardo.
  • 80 É importante também destacar o pensamento da participante 6, que dizrespeito à preocupação da PasCom com as informações veiculadas na Paróquia,principalmente nas celebrações. Hoje, a pastoral possui esta política, mas osmembros das lideranças, muitas vezes, não a respeitam. Participante 1 Para o conselho as informações chegam mais fáceis, pois tudo que acontece na (Grupo: CPP) Paróquia precisa ser aprovado por ele. Os eventos e as ações chegam até nós pela PasCom e, como coordenadora do Participante 2 CAP, procuro levar estas informações para (Grupo: CAP) as reuniões. Assim, todas as comunidades passam a obter acesso à informação e podem repassá-las a todos. Falando em comunidade, a PasCom participa de duas formas: nos informando Participante 3 por meio do Timoneiro e também nos(Grupo:Coordenador de comunidade) auxiliando para passar as nossas informações aos demais paroquianos. Participante 4 As informações chegam até nos pelo Timoneiro que atinge uma grande parcela(Grupo:Coordenador de comunidade) da comunidade. Participante 5 As informações chegam por meio das reuniões que há para as lideranças e o(Grupo:Coordenador de comunidade) próprio Timoneiro. Participante 6 Nós nos orientamos pelo Timoneiro, muito mais do que pelos outros veículos. (Grupo: OFS) A Paróquia tem a reunião mensal com as pastorais e os movimentos e nós da RCC Participante 7 temos um representante que é (Grupo: RCC) responsável por ir a estas reuniões e depois nos passar todas as informações de eventos e ações que acontecerão na Paróquia. As informações dos eventos e das ações da Paróquia chegam até nós por meio de Participante 8 nossas coordenações que se preocupam (Grupo: RCC) em nos passar todas as informações do que vai acontecer. As informações chegam até nós por meio do Timoneiro, pois sempre estamos Participante 9 acompanhado o informativo para não (Grupo: AO) perder nenhuma festividade.
  • 81 Participante 10 As informações chegam por meio do Timoneiro e de panfletos quando há uma (Grupo: Legião de Maria) festividade.Quadro 10 – Modo como as informações de ações e eventos da Paróquia chegamaté o grupo pesquisado Cinco dos entrevistados afirmam que se orientam pelo Timoneiro para saberdas informações de ações e eventos da Paróquia, o que nos permite expor opensamento de Wels (2004, p.7): [...] reafirma-se a necessidade de as organizações disporem de um programa efetivo de comunicação, que contemple tanto os processos internos, quanto externos, promovendo ações institucionais que construam pontes entre a administração e seus colaboradores, e entre a organização e a sociedade, esta representada pelos públicos vinculados[...]. Já os participantes 1 e 2 possuem uma outra visão sobre este aspecto, porestarem ligados aos conselhos da Paróquia (CAP e CPP). Nestes conselhos sãodecididos e aprovados qualquer evento ou ação de cada comunidade, por isso asinformações chegam primeiramente para estas pessoas. Outro ponto importante é o destacado pelos participantes 8 e 9 (membros daRCC) que afirmam que as informações chegam até eles por meio de seuscoordenadores que participam das reuniões dos conselhos. Diante do exposto, pode-se afirmar que as informações da Paróquiaconstituem-se por meio de uma rede e são dispostas pelo conselho, peloscoordenadores e por seu principal veículo: o Timoneiro. Acredito que a eficácia seja boa. O Timoneiro consegue abranger todos os Participante 1 dizimistas, ficando disponível na Igreja e (Grupo: CPP) na Secretaria da Paróquia para todos. A rádio também é um veículo muito importante, pois há muita divulgação para que mais pessoas ouçam. Assim, há um bom acesso a comunicação. Os veículos são úteis e podem melhorar cada vez mais. Acredito que a Participante 2 coordenação destes veículos possui a (Grupo: CAP) capacidade de expandir suas realizações, mas precisa do apoio de todas as comunidades. Os veículos respondem as expectativas, pois hoje possuímos diversos tipos de
  • 82 Participante 3 acesso à informação. Por exemplo: se uma pessoa não foi à missa, outras se(Grupo:Coordenador de comunidade) encarregam de passar os avisos a ela, além de todos possuírem o Timoneiro em casa para se manter informado. Os veículos de comunicação respondem a nossas expectativas. Antigamente a Participante 4 repercussão não era muito boa, pois as(Grupo:Coordenador de comunidade) pessoas pouco comentavam. Já hoje há uma grande aceitação das pessoas que passaram a comentar mais. Participante 5 São úteis e eficazes, o trabalho vem sendo muito bem desenvolvido e gerando(Grupo:Coordenador de comunidade) resultados positivos em nossa Paróquia. Acredito que seja importante a veiculação das informações da Paróquia, pois Participante 6 percebemos que as pessoas têm interesse (Grupo: OFS) em saber do que está acontecendo. Além disso, como agente do dízimo também, acho muito válido o cartão para o aniversariante do mês, pois isto é uma forma de deixar as pessoas motivadas. Os veículos são úteis e respondem as nossas expectativas, mas acredito que seria necessário ampliar o olhar para as Participante 7 pessoas que vem de fora deste âmbito religioso e, muitas vezes, não entendem o (Grupo: RCC) que é colocado nos informativos. Por isso acho que poderia existir uma explicação maior. São úteis pois hoje conseguimos perceber a diferença antes e depois da PasCom, Participante 8 mas ainda acredito que a pastoral possui a (Grupo: RCC) capacidade de melhorar cada vez mais. Participante 9 São bem úteis, pois nos permitem saber de tudo o que está acontecendo. A (Grupo: AO) comunidade sente-se informada. Participante 10 Estes veículos são ótimos, pois desperta o interesse das pessoas e as deixam sempre (Grupo: Legião de Maria) informadas.Quadro 11 – Eficácia e utilidade dos veículos de comunicação da PasCom Todos os entrevistados deixam claro que os veículos de comunicação daParóquia atendem às expectativas e são eficazes. Ainda assim, é importante destacar algumas observações feitas pelosparticipantes, como o 2 que mencionou a participação das comunidades, ou seja,
  • 83para que os veículos tenham sempre êxito é necessário o trabalho integrado entretodos. Esta afirmação vem ao encontro do pensamento de Borges et. al. (2010, p.3 -4): a comunicação integrada é a estruturação da comunicação nas organizações que congrega dois vértices: comunicação institucional e comunicação mercadológica. Essa atividade parte do princípio de que se deve trabalhar integradamente todas as 4 áreas das organizações que lidam diretamente com os públicos, tais como: jornalismo, produção editorial, publicidade e propaganda, relações públicas, entre outras. Desse modo, serão alcançados resultados positivos nas ações comunicativas empreendidas pelas organizações. Percebe-se portanto a relevância da aplicabilidade de um trabalho de comunicação integrada numa organização. Tal atividade pode ser entendida como um trabalho unificado dos profissionais de diversas áreas das organizações, realizado sinergicamente, em que cada profissional desenvolve sua função, porém todos com objetivos em comum, tendo em vista, sobretudo, os públicos a serem atingidos. Conforme o exposto nota-se que é necessário trabalhar com a comunicaçãointegrada, unificando todas as comunidades para trabalhar com uma só finalidade:divulgar a Paróquia São Paulo Apóstolo. Já o participante 6 destaca a importância de lembrar dos aniversariantes domês, como forma de motivação. Esta atividade é típica da Paróquia há alguns anose é de responsabilidade da Pastoral do Dízimo. Outro ponto importante é a visão do participante 8, que completa afirmandosobre a necessidade de ampliar o olhar, ou seja, é necessário que todas asdivulgações sejam mais explicativas para abranger também as pessoas que nãofazem parte da Paróquia. Este posicionamento converge com o pensamento de Beltrami (apudPESSINATTI, 1998, p. 239) que assim se manifesta: essa dificuldade pode ser constatada no contraste entre aquilo que a Igreja deseja comunicar, como instituição, e o que os profissionais e empresários da grande mídia desejam comunicar como cidadãos.A Igreja precisa rever seu papel em relação ao Estado; sua autonomia precisaria ser mais explicitada.Contudo, a Igreja encontrará o caminho para superar essa dificuldade de se mostrar para a cidade no investimento direto no setor. Com isso, observa-se que são necessárias integração e formação para queas ações e divulgações sejam repercutidas da melhor maneira possível. A comunicação é de suma importância, por Participante 1 isso é sempre necessário implementar a (Grupo: CPP) PasCom, dar subsídios e condições de
  • 84 trabalho O que ajudaria muito é que 100% das informações chegassem até a pastoral. Participante 2 Ainda falta a comunicação entre as (Grupo: CAP) pessoas e entre as comunidades. É necessário que exista a união entre todos. Participante 3 Falta entrosamento entre as comunidades.(Grupo:Coordenador de comunidade) Seria necessário haver mais comunicação e mais união. Participante 4 Ainda falta comunicação entre as(Grupo:Coordenador de comunidade) comunidades, pois quando há um evento em uma delas, são poucas as pessoas que participam. Vejo a necessidade de investir ainda mais Participante 5 nas mídias sociais, como por exemplo(Grupo:Coordenador de comunidade) criando um MSN para que a Paróquia interaja com as pessoas. Isto seria mais uma forma de contato, até mesmo para os coordenadores. Ainda falta a participação do Pároco em Participante 6 determinados momentos da Paróquia, pois (Grupo: OFS) ele como Pastor deve ter a preocupação em chamar as pessoas para dentro da Igreja e também de movimentar algumas ações que acontecem. Participante 7 Faltam mais interações entre as pastorais. (Grupo: RCC) Cada um deve conhecer um pouco mais do outro. Devemos entender que o trabalho de um depende do trabalho do outro. Acredito que as informações poderiam ser Participante 8 um pouco mais completas, pois quem está (Grupo: RCC) no meio pode compreender com menos palavras. Já quem não tem o conhecimento precisa ter em mãos uma informação um pouco mais detalhada. Participante 9 Acredito que as comunidades e as (Grupo: AO) pastorais estão bem entrosadas, pois isto auxilia na comunicação. Não vejo uma falha na comunicação. Participante 10 Vejo que a Igreja não carece de (Grupo: Legião de Maria) informações, pois sempre podemos ter acesso a tudo e a todos. Não acredito que falte comunicação.Quadro 12 – O que falta em termos de comunicação na Igreja Com relação à possíveis falhas de comunicação da Paróquia, a maioria dosentrevistados afirma que ainda existe falta de comunicação, entrosamento e união
  • 85entre as comunidades e também entre as pastorais. Com exceção da participante 6que afirmou faltar participação do pároco em diversas ações da Paróquia. É importante destacar o pensamento do participante 1 quando mencionasobre as informações da Paróquia. O participante ressalta a importância de quecheguem 100% das informações para a PasCom. Estas indagações convergem com o pensamento de Bueno (2009, p. 49): vamos ser mais precisos: quando nos referimos à comunicação integrada, não queremos apenas dizer que as atividades de comunicação se tangenciam numa organização, mas que elas se integram umbilicalmente ao processo de gestão, de planejamento, de marketing e obedecem a uma política e diretrizes comuns. A comunicação se integra não na superfície, não é uma questão de epiderme, mas de DNA, de cultura. É para valer mesmo. Outro ponto que merece destaque é o pensamento do participante 5 queafirma ser importante a utilização das redes sociais. Desta maneira considera-se que é necessário trabalhar em prol de umacomunicação integrada, eficaz e excelente entre as comunidades e as pastorais,pois só assim a PasCom conseguirá obter as informações em sua totalidade. • Responsabilidade (cobertura dos Participante 1 eventos e sempre “ligado” no que está (Grupo: CPP) acontecendo); • Vontade e conhecimento; • Confiabilidade. Participante 2 Inovação, pois permitiu à Paróquia um (Grupo: CAP) crescimento em termos de comunicação. Acredito que este seria o ponto principal. • Divulgação dos eventos; Participante 3 • Eficácia dos veículos de comunicação;(Grupo:Coordenador de comunidade) • Timoneiro como veículo principal que abrange grande parte dos paroquianos. Participante 4 • Registro fotográfico;(Grupo:Coordenador de comunidade) • Programação mensal do Timoneiro; • Mensagem do Pároco no Timoneiro. • Timoneiro e seu upgrade; Participante 5 • Ingresso nas redes sociais (ex: orkut,(Grupo:Coordenador de comunidade) blog). Participante 6 • Pastoral presente na comunidade; (Grupo: OFS) • Registro fotográfico. Participante 7 Esforço, pois a Pastoral ainda caminha (Grupo: RCC) devagar, mas possui a garra necessária para continuar. • Disposição desta Pastoral em servir a
  • 86 Participante 8 Igreja; (Grupo: RCC) • Meio de evangelização; • Resultado favorável do trabalho com as comunidades melhor informadas. Participante 9 • Divulgação (fotos, murais) (Grupo: AO) Participante 10 • Divulgação; (Grupo: Legião de Maria) • Registro fotográfico.Quadro 13 – Três pontos fortes da PasCom A maioria dos entrevistados destacou como pontos fortes a inovação, acobertura dos eventos pela PasCom e o avanço do Timoneiro que permitiu divulgaras comunidades ainda mais. Estas afirmações vem ao encontro do pensamento de Sonnwend (apudANDRADE, 1994, p.40) no que diz respeito às atividades das assessorias decomunicação: [...] tradicionalmente o conceito de assessoria é de auxílio à linha, sem interferência de comando. Aos componentes da assessoria cabe colher dados, estudar, planejar, propor soluções, estabelecer programas, métodos, normas, integrar idéias, patentear as necessidades da empresa, estabelecer-lhe a estratégia. Quando duas ou mais pessoas trabalham juntas, esclarece Louis Allen, distinguem-se quem toma decisões diretamente relacionadas à consecução dos resultados finais e quem provê de conselho e serviço para tomar aquelas decisões. É importante mencionar o destacado pelo participante 5 no que diz respeitoao ingresso da Paróquia nas redes sociais (orkut, blog etc). Este destaque converge com o pensamento de Jesus (2010, p. 3), no que dizrespeito à internet como forte aliada da comunicação religiosa: [...] utilizada adequadamente, pode incrementar a propagação da mensagem da Igreja,além de ser um instrumental extremamente útil para que os públicos internos que trabalham como lideranças sejam informados e instruídos em suas ações. Face ao exposto, pode-se dizer que é de primordial importância as ações daPasCom dentro da Paróquia , com o propósito de estabelecer meios para oplanejamento, estruturação e divulgação das ações de comunicação. A PasCom não possui efetividade nos setores, ou seja, não são todos os que Participante 1 possuem membros-chave para coletar as
  • 87 (Grupo: CPP) informações e passá-las para a coordenação paroquial. Participante 2 Não vejo pontos fracos, pois possuímos uma comunicação que chegou inovando e (Grupo: CAP) viabilizando ações. • Ainda falta um pouco de assistência da PasCom na cobertura dos Participante 3 eventos,acredito que devido ao fato da(Grupo:Coordenador de comunidade) Pastoral ser composta por um só membro.; • Comunicação entre as comunidades. Participante 4 Muitas vezes falta comunicação entre a comunidade e a assessoria de(Grupo:Coordenador de comunidade) comunicação. Acredito ser este o único ponto fraco. Participante 5 Não vejo ponto fraco, pois a PasCom possui hoje uma trajetória que não deixa a(Grupo:Coordenador de comunidade) desejar. Participante 6 Não vejo pontos fracos, somente em relação à ênfase que o Pároco poderia dar (Grupo: OFS) nas festividades da Paróquia, conforme disse anteriormente A PasCom em si não possui pontos fracos, pois quando a Igreja suscita um Participante 7 trabalho, movimento ou pastoral há uma (Grupo: RCC) boa visão em relação ao que é proposto. Ainda acredito que precisa ser melhorada a formação das pessoas que exercem algum tipo de palestra para Igreja. Deve existir um preparo para falar em público Participante 8 Fragilidade da Pastoral que ainda não alcança sua proposta principal. Isto seria (Grupo: RCC) ainda uma deficiência, mas que vai diminuindo com o tempo Participante 9 Não vejo ponto fraco, pois não existe nada a desejar. Tudo caminha certo dentro do (Grupo: AO) possível. Participante 10 Algumas pessoas reclamam que a PasCom não faz o registro fotográfico dos (Grupo: Legião de Maria) paroquianos que participam da celebração nos fundos da Igreja.Quadro 14 – Pontos fracos da PasCom Com exceção dos participantes 2 e 9, que afirmam que a PasCom nãopossui pontos fracos, os demais apresentam observações em relação ao queprecisa ser melhorado.
  • 88 Os participantes 1 e 8 afirmam que a comunicação não é efetiva, pois aindaexiste uma fragilidade, até pelo fato de faltar membros- chave nas comunidades quedirecionem as informações para a coordenação paroquial. Já o participante 6 volta a mencionar o papel do pároco, que poderiaincentivar mais os paroquianos dando ênfase às festividades da Paróquia. Outro ponto que é importante ser destacado é o mencionado pelo participante7, sobre a formação de pessoas que exercem alguma função dentro da Igreja, como:leituras, formações e palestras. Estas afirmações vem ao encontro do pensamento de Amaral (2003, p.59,apud WELS, 2004, p.5) que menciona a mudança de atitude do profissional derelações públicas em relação ao público: as relações públicas mudaram da atitude de ‘o público que se dane’ ou ‘que o público seja enganado’, preponderantemente no século XIX, para ‘que o público seja compreendido’[...] Desta forma, é possível considerar que a coordenação da PasCom, por serde um profissional de Relações Públicas, deve estar atenta aos interesses dospúblicos com o público e direcionar ações que visem melhorar a comunicação. A PasCom já possui grande autonomia e Participante 1 voz ativa na Paróquia, seria necessário (Grupo: CPP) que as comunidades atendessem o pedido da pastoral em agregar novos membros para a efetivação do trabalho A PasCom está caminhado, pois iniciou seu trabalho a pouco tempo. Podemos destacar que a pastoral já buscou melhorar Participante 2 muitas coisas, como o painel colocado à (Grupo: CAP) frente da Paróquia com as informações de missas e expediente da secretaria paroquial. Isto foi uma comunicação visual de grande valia, pois facilitou diversos processos dentro e fora da Igreja. Assim, ela veio sanar esta dificuldade que tínhamos. A principal ação seria promover um maior Participante 3 entrosamento entre as comunidades.(Grupo:Coordenador de comunidade) Poderíamos elaborar uma celebração mensal para todas as comunidades, ou uma formação para as lideranças. Acredito que seria importante uma maior Participante 4 divulgação. A pastoral poderia manter
  • 89(Grupo:Coordenador de comunidade) contato com as comunidades para sempre ter em mãos as informações de que necessita. Participante 5 Divulgando a PasCom e convidando mais(Grupo:Coordenador de comunidade) pessoas para fazer parte da pastoral. Participante 6 Poderia ser viabilizado o relacionamento (Grupo: OFS) do Pároco com a comunidade. Além de melhorar também os avisos que são muito vagos. Participante 7 Trazer mais informações para as pessoas, (Grupo: RCC) ou seja, ações formadoras mesmo que não atinja a todos mas que viabilizem o fluxo. Participante 8 A Pastoral poderia ter um número maior de (Grupo: RCC) membros para estar mais presentes nas comunidades, para que seja possível a cobertura de tudo que acontece na Igreja. Participante 9 Não vejo mais ações para viabilizar devido (Grupo: AO) ao fato de que a pastoral já possui uma trajetória favorável e tende a crescer ainda mais. Participante 10 Acredito que a PasCom poderia fazer uma (Grupo: Legião de Maria) formação para as pessoas que realizam leituras nas celebrações.Quadro 15 – Ações para viabilização do fluxo de comunicação da pastoral Os participantes destacaram que a PasCom é uma atividade recente daParóquia, por isso ainda está caminhando rumo ao êxito. O participante 3 destacou como ação a ser desenvolvida, uma celebraçãomensal entre comunidades e lideranças para melhorar a comunicação e aintegração. Já as participantes 4 e 6 mencionam a importância da relação PasCom –comunidade, afirmando, como é o caso da participante 4, que a PasCom devemanter contato com as comunidades sempre. O participante 6 retoma a necessidade de reformulação dos Avisos Paroquiaisque ainda são vagos. No que diz respeito à estrutura da PasCom, o participante 7 acredita que aPastoral funcionaria melhor com um número maior de membros e o participante 10fala sobre a formação para as pessoas que exercem alguma função dentro da Igreja. As respostas dos participantes vem ao encontro do pensamento de Beltrami(1998, p. 238) no que diz respeito às três direções de ação da pastoral:
  • 90 nos meios, incidindo sobre os profissionais da comunicação; através dos meios, preocupando – se com a linguagem e o uso dos meios; e diante dos meios, promovendo uma permanente leitura crítica da comunicação. Face ao exposto, é possível inferir que são necessárias algumas mudançasem relação a comunicação na Paróquia São Paulo Apóstolo. Outros comentários apresentados pelos entrevistados. Alguns participantes (1, 2, 6,7 e 8) manifestaram suas opiniões em relação àcomunicação, afirmando que o trabalho da PasCom vem atingindo às expectativas esendo bem elaborado destacando que ainda é necessário algumas mudanças paraviabilizar as ações de divulgação da Paróquia, considerando o rápido avanço dastecnologias que também são utilizadas como meio de evangelização. Outro ponto destacado pelos participantes foi a interação que deve existirentre todas as pastorais e movimentos da Paróquia com a finalidade de trabalhar emunidade para que todas as ações possam se concretizar da melhor maneirapossível. Nota-se, portanto que os entrevistados possuem ideias caracterizadas comomelhoria para viabilização entre o processo: paróquia – comunicação – paroquiano.3.2.5 Considerações sobre a pesquisa Mediante o levantamento e análise das informações por meio da pesquisaefetuada com dez entrevistados foi possível constatar que a Paróquia São PauloApóstolo de Agudos tem um bom fluxo de comunicação, porém ainda existemalguns ruídos. Todos os participantes mostraram-se engajados com as ações da instituição,dando opiniões consideráveis para este estudo. Pode-se notar que a difusão da PasCom (Pastoral da Comunicação) e suasatividades é reconhecida e notada pelos paroquianos, o que é de grande valia paraa proposição de melhorias na comunicação. Ressalta-se, portanto, a necessidade de implementação de ações decomunicação integrando uma proposta de assessoria de comunicação com o intuitode viabilizar, cada vez mais, o principal objetivo da comunicação religiosa - que é ode evangelizar utilizando todos os canais de relacionamento possíveis.
  • 91 Capítulo 4Proposta de ações de relaçõespúblicas para a Paróquia São PauloApóstolo de Agudos
  • 92CAPÍTULO 4 - PROPOSTA DE AÇÕES DE RELAÇÕES PÚBLICAS PARA APARÓQUIA SÃO PAULO APÓSTOLO DE AGUDOS (ASSESSORIA DECOMUNICAÇÃO) De acordo com os resultados obtidos por meio do diagnóstico dosinstrumentos de comunicação e da pesquisa qualitativa realizada com a liderança eos grupos de interesse da instituição, foi possível elaborar três ações de relaçõespúblicas (assessoria de comunicação) que deverão ser executadas a curto, médio elongo prazo.4.1 AVISOS DA SEMANA (REFORMULAÇÃO DOS AVISOS PAROQUIAIS) –CURTO PRAZO a) público alvo Destina-se esta proposta a todos os paroquianos que participam dasatividades da Paróquia São Paulo, sejam eles pertencentes a alguma daslideranças, grupo de interesse ou não. b) Justificativa Mediante a apresentação dos resultados da pesquisa, conforme consta nocapítulo 3 deste estudo, verificou-se a necessidade de reformular os chamados“Avisos Paroquiais” que hoje são constituídos por muitas informações e, muitasvezes, são vagas. Desta forma, é imprescindível que estas informações sejam revisadas eapresentadas de maneira que todos tenham acesso e as assimilem. Sendo assim, propõe – se um novo modo de direcionar as informações paratodos os paroquianos, por meio de avisos mais curtos, claros e objetivos. c) Objetivos Viabilizar o fluxo de informações; Permitir o acesso das informações a todos os paroquianos; Dinamizar a forma como as informações chegam a todos. d) Estratégias Elaborar os avisos de forma impressa em papel comum para que todos os
  • 93comentaristas das missas possam ler durante as celebrações para os paroquianos. Estes avisos seguirão modelo proposto pela assessoria de comunicação,conforme segue abaixo: Avisos da Semana Semana - de a Dia (data) (dia da semana) Aviso Aviso Especial Neste item serão permitidas as divulgações de excursões e promoções que devem ser desenvolvidas a longo prazoFigura 7 – Modelo “Avisos da Semana” Os avisos também serão disponibilizados nos dois painéis informativos daIgreja que se localizam próximo à porta de entrada. e) Descrição de cada ação Ação 1 – Sensibilização Para a reformulação dos “Avisos Paroquiais” será necessário sensibilizar aslideranças sobre a forma de envio das informações, afirmando que deverão serclaras e objetivas e deverão ser veiculadas sempre uma semana antes ou na
  • 94mesma semana do evento ou ação, exceto as informações que necessitam deantecedência, como excursões e arrecadações diversas. Esta sensibilização poderá ser trabalhada em reunião do Conselho dePastorais Paroquiais (CPP), onde a assessora de comunicação explicará sobre anova dinâmica dos avisos. Ação 2 – Política dos Avisos Paroquiais Para que todos os avisos cheguem até a secretária paroquial em tempo hábil,é primordial que todas as lideranças direcionem as informações de cadacomunidade com, no máximo, dois dias de antecedência, antes do Sábado, dia dedistribuição dos impressos para as comunidades. Ação 3 – Painéis informativos Com o propósito de fixar as informações da Paróquia serão disponibilizadosnos painéis, que se localizam na entrada da Igreja, a impressão de todos osacontecimentos da semana. A manutenção das informações ficará a cargo daassessoria de comunicação.4.2 QUERO SER PASCOM – MÉDIO PRAZO a) público alvo Esta ação é destinada a todos os paroquianos que tenham interesse em fazerparte da Pastoral da Comunicação. b) Justificativa Toda pastoral tem necessidade de agregar o maior número possível depessoas que façam parte de suas atividades, pois para agir de forma integrada éimprescindível o trabalho em equipe. Desta forma, propõe-se uma campanha para que os paroquianos tenhaminteresse e façam parte da PasCom. É importante que as ações de comunicaçãopossuam cada vez mais adeptos e possam também despertar o interesse naspessoas que queiram seguir carreira como profissional de comunicação. Face ao exposto, considera-se que esta ação facilitará o fluxo dasinformações entre comunidade – paróquia e também funcionará como forma deengajamento e participação de muitas pessoas que desejam fazer parte de algumapastoral. c) Objetivos
  • 95 Permitir que todas as pessoas que fazem parte da Paróquia São Paulo Apóstolo desenvolvam atividades em uma Pastoral; Viabilizar o fluxo de informação entre comunidade – Paróquia; Permitir que as pessoas conheçam as áreas da comunicação e tenham interesse em seguir carreira como profissional de comunicação. d) Estratégias Elaborar uma campanha de aproximadamente 30 dias, com o seguinteslogan: “Quero ser PasCom” e abaixo deste slogan apresentar algumas informaçõessobre a pastoral e suas principais atividades. No Timoneiro deste mês serão colocados os contatos da pastoral para que aspessoas façam parte. Além destas ações, a assessora de comunicação percorrerá as comunidadesem missas específicas convidando os paroquianos e ficando disponível parainformações ao final das celebrações. e) Descrição de cada ação Ação 1 – Elaboração do cartaz de divulgação Serão elaborados alguns cartazes com o slogan: “Quero ser PasCom” emcores vibrantes e que chamem atenção como azul e laranja, conforme propostaabaixo:
  • 96Figura 8 – Modelo do cartaz “Quero ser PasCom” Ação 2 – Divulgação no Timoneiro Utilizar o veículo de maior veiculação da Paróquia para divulgar a Campanha.Será colocada a arte do cartaz no informativo e também uma pequena notaexplicativa. Ação 3 – Convite nas missas Em missas específicas durante o mês, a assessora de comunicaçãopercorrerá as comunidades fazendo convite para todos os presentes pessoalmente,com uma breve explicação do trabalho da pastoral.4.3 ENCONTRO DAS LIDERANÇAS PAROQUIAIS: “FAÇO PARTE DESSA REDEDE FÉ” a) público alvo Esta ação destina-se a todas as lideranças da Paróquia São Paulo Apóstolo,ou seja, os líderes de comunidades, grupos, pastorais e movimentos. b) Justificativa
  • 97 Possibilitar acesso à informação e integração desenvolvendo o trabalho emequipe, é primordial para manter lideranças motivadas e com capacidade deestimular sua equipe. Com este propósito será desenvolvido um encontro de integração e formaçãopara todas as lideranças que compõem a Paróquia São Paulo Apóstolo de Agudos,permitindo a troca de experiências entre todos. Este tipo de ação é extremamente importante para qualquer instituição, poismanter um líder informado e integrado é garantia de sucesso de uma equipe. Desta forma, compreende-se que o encontro para lideranças facilitará orelacionamento entre comunidades, pastorais, movimentos e grupos, posssibilitandoque todos se conheçam e entendam o trabalho do outro. c) Objetivos Permitir a integração e a formação das lideranças da Paróquia São Paulo Apóstolo; Desenvolver a prática do trabalho em equipe e o dever de cada um dentro desta iniciativa; Criar um espaço de interação entre todos para que a atividade de cada líder seja compreendida. d) Estratégias Reunir as lideranças em um dia do final de semana (sábado ou domingo)durante o período da manhã ou da tarde. Este período será dividido em atividadesque serão desenvolvidas pelos próprios participantes (lideranças). Dentre estas atividades destacam-se o conhecimento da atividade de cadalíder, a importância do trabalho em equipe, momento espiritual com o pároco e ahora da integração. e) Descrição de cada ação Ação 1 – Carta convite Após a definição de data e local do encontro, será elaborada uma cartaconvite para todas as lideranças e entregue pessoalmente. Nesta carta serásolicitada a confirmação da presença no encontro, conforme modelo apresentado aseguir:
  • 98Agudos, __ de _________ de 2011.A (ao)(Nome do líder)Assunto: ConvitePrezado (a) Senhor(a), A Paróquia São Paulo Apóstolo de Agudos, por meio de seu Pároco Frei AdemirSanquetti e de sua assessora de comunicação Isabela Gaspar, tem o prazer de convidá-lo (a)para o “I Encontro de Lideranças: Faço parte dessa rede de fé”, a ser realizado no_______________, localizado à ____________, no dia _____, às ______ Favor confirmar sua presença até o dia ____ pelos telefones: 9106-9063 com Isabelaou 3262-1237 com MarisaCordialmente,_______________________ _____________________Frei Ademir Sanquetti, OFM Isabela Gaspar Pároco Assessora de Comunicação Ação 2 – Pré – encontro Antecipadamente será elaborado, juntamente com o pároco, o cronograma doencontro para que todas as atividades propostas sejam realizadas em tempo hábil.Segue abaixo o cronograma: Duração Atividade Responsável (aprox.) Oração inicial e boas vindas Frei Ademir 15 minutos Proposta do encontro Frei Ademir 15 minutos Palestra: trabalho em equipe Isabela 40 minutos Dinâmica: conhecendo as atividades e as Isabela e Frei dificuldades dos meus colegas Ademir 30 minutos Vídeo sobre o trabalho em equipe Isabela 20 minutos Dinâmica 2: exercitando o trabalho em equipe Isabela 30 minutos Palavra do Pároco (momento de espiritualidade) Frei Ademir 30 minutos Isabela e Frei Coffeebreak Ademir Final Tabela 10 – Cronograma do encontro: “Faço parte dessa rede de fé”
  • 99 Ação 3 – Encontro de lideranças: “Faço parte dessa rede de fé”. No dia escolhido, de acordo com o calendário de 2011 da Paróquia São PauloApóstolo, será realizado o encontro para lideranças com o tema “Faço parte dessarede de fé”. Para este encontro serão desenvolvidas as atividades propostas nocronograma, dando espaço para promover a integração entre todos os presentes etambém dinamizar os relacionamentos, permitindo a troca de experiências entretodos. Considerando o exposto, destaca-se que inicialmente a proposta seráapresentada ao Pároco Frei Ademir Sanquetti para apreciação e posterioraprovação. Desta forma as ações poderão ser executadas a partir do ano de 2011.
  • 100 CONSIDERAÇÕES FINAIS A comunicação integrada é a nova tendência no que se refere em termos decomunicação para as organizações dos mais diversos tipos, pois une osprofissionais das áreas afins da comunicação (relações públicas, jornalismo epublicidade e propaganda) em um trabalho conjunto que são as assessorias decomunicação. As assessorias de comunicação são responsáveis por propor ações que irãoviabilizar a comunicação tanto interna, quanto externamente para todas asorganizações. Neste sentido, destaca-se a comunicação e a religião que cresce a cada diacom as novas percepções do mundo religioso em relação às novas tecnologias e oacesso da comunidade, em especial a Católica, às informações de interesse daIgreja. Isto posto, destaca-se que este trabalho foi muito importante para apesquisadora, pois como já existia um trabalho de assessoria de comunicação naParóquia São Paulo Apóstolo de Agudos, as pesquisas desenvolvidas e aspropostas de assessoria de comunicação permitiram responder à seguinteindagação, conforme mencionada no decorrer deste estudo: “É possível evangelizara partir dos meios de comunicação?”. Contudo, destaca-se que existem inúmeras possibilidades em expandir aevangelização nos meios de comunicação e utilizá-los como ferramentas capazesde disseminar os ideais da Igreja Católica para todos. Também foi possível verificar a situação dos meios de comunicação e dacomunicação em geral da Paróquia São Paulo Apóstolo de Agudos com as opiniõesdos paroquianos e desenvolver propostas de acordo com as suas sugestões demelhoria. Desta forma, destaca-se o papel do profissional de Relações Públicas comogerenciador da comunicação e dinamizador de relacionamentos, neste caso, orelacionamento paroquianos – Paróquia. Diante destas considerações, o que se espera é que as propostasapresentadas possam somar às ações de comunicação já desenvolvidas naParóquia São Paulo Apóstolo de Agudos e cumprir o seu papel de evangelizar.
  • 101 Com base no trabalho realizado, confirma-se ainda mais a paixão pelo temacomunicação e religião, sonho conquistado com muita luta e determinação.
  • 102 REFERÊNCIASA comunicação dentro da Igreja Católica. Disponível em:<www.dioceseleopoldina.com/banco/t182.pdf > Acesso em: 11 Abril 2010.ANDION, Maria C.; FAVA, Rubens. Planejamento Estratégico. Disponível em:<http://www.fae.edu/publicacoes/pdf/empresarial/3.pdf>. Acesso em: 22 ago.2010.ANDRADE, Cândido Teobaldo de S. Curso de Relações Públicas. São Paulo:Editora Atlas S.A.,1994.BUENO, Wilson da C. Comunicação Empresarial: políticas e estratégias. SãoPaulo: Saraiva, 2009.CURVELLO, João José Azevedo. Legitimação das Assessorias de Comunicaçãonas Organizações. In Assessoria de imprensa e relacionamento com a mídia: teoriae técnica. Atlas, 2002DIAS, Arlindo P. Domingão do Cristão: estratégias de comunicação da IgrejaCatólica. São Paulo: Salesiana, 2001.FERREIRA, Débora Branquinho. Blog como ferramenta de comunicaçãoempresarial. Disponível: <http://www.aberje.com.br/monografias/Monografiadebora.pdf>. Acesso em: 5 Set. 2010.FRANÇA, Fabio. Públicos em relações públicas. Disponível em:C:UserspcDesktopMonografiaBibliografia consultada - 2º Sem de 2010@@@RP-BAHIA @@@ PÚBLICOS EM RELAÇÕES PÚBLICAS - Fábio França.mht>.Acesso em: 29 Ago 2010.JESUS, Manoel. Igreja e Internet: uma nova mídia, um velho desafio. Disponívelem: < http://www.forumdaigrejacatolica.org.br/artigos/igreja_e_internet.pdf>. Acessoem: 11 Abril 2010.KOPPLIN, Elisa; FERRARETTO, Luiz A. Assessoria de Imprensa: teoria e prática.Porto Alegre: Sagra Luzzatto, 2001.KUNSCH, Margarida M.K. Planejamento de Relações Públicas na ComunicaçãoIntegrada. São Paulo: Summus, 2003.
  • 103MARCO, Fausto de; SILVA, Vera Lucia V. da. O centenário da Paróquia SãoPaulo Apóstolo de Agudos. Agudos, 1998.NUNES, Orlando A. Estrutura Organizacional. Disponível em:<http://www.webartigos.com/articles/2130/1/Estrutura-Organizacional/pagina1.html>.Acesso em: 22 ago. 2010.PALMERSTON, Virgínia et al. A prática da comunicação integrada nasorganizações. Disponível em: <http://ricardocampos.files.wordpress.com/2007/06/a-pratica-da-comunicacao-integrada-nas-organizacoes.pdf>. Acesso em: 15 ago.2010.PESSINATTI, Nivaldo L. Políticas de comunicação da Igreja Católica no Brasil.São Paulo: Vozes, 1997.PIROLO, Maria Amélia M. Comunicação religiosa, inserção e evangelização.Disponível em <http://www2.metodista.br/unesco/1_Eclesiocom%202009/Arquivos/Trabalhos/5Eclesiocom >. Acesso em: 11 Abril 2010.SANTANA, Camila Lima Santana e. Redes sociais na internet: potencializandointerações sociais. Disponível em: < http://www.hipertextus.net/volume1/ensaio-05-camila.pdf>. Acesso em: 5 Set. 2010.SERRANO, Paulo Henrique S.M. Cognição e interacionalidade através doYouTube. Disponível: <http://www.bocc.uff.br/pag/serrano-paulo-cognicao-interacionalidade-youtube.pdf>. Acesso em: 5 Set. 2010.TIMONEIRO. 1. ed. Agudos, 1977. 4 p.WELS, Ana M.C. Assessorias de comunicação social: panorama conceitual.Disponível em: < galaxy. intercom.org. br:8180/dspace/bitstream/1904/17575/R1366-1.pdf >. Acesso em: 24 fev 2010.
  • 104ANEXO
  • 105ANEXO A – Timoneiro Paróquia São Paulo Apóstolo de Agudos
  • 106Apêndices
  • 107APÊNDICE A – Roteiro de questões do diagnóstico dos instrumentos decomunicação utilizados pela Paróquia São Paulo Apóstolo de Agudos. Questionário de pesquisa Paróquia São Paulo Apóstolo de AgudosBloco 1 - Caracterização do entrevistado 1. Idade 2. Sexo 3. Quais veículos de comunicação, você utiliza para manter – se informado? ( ) jornais ( ) TV ( ) rádio ( ) internet ( ) outros: _________________ 4. Há quanto tempo freqüenta a paróquia? ( ) de 0 a 3 anos ( ) mais de 5 a 10 anos ( )mais de 3 a 5 anos ( ) mais de 10 anos 5. Participa ativamente na Paróquia? ( )sim ( ) não Em quais pastorais ou movimentos? ______________________________________________________________ ______________________________________________________________Bloco 2 – Aspectos qualitativos 6. Você conhece os meios de comunicação utilizados pela paróquia? ( ) sim ( ) não Quais? ______________________________________________________________ _____________________________________________________________ 7. Qual a sua opinião sobre os meios de comunicação utilizados na Paróquia São Paulo Apóstolo? ( ) atendem às necessidades dos paroquianos
  • 108 ( ) deixam a desejar em termos de informação ( )não tem o hábito de ler os informativos ( )outra opinião Justificativa:8. No seu modo de ver, qual é o papel/função dos veículos de comunicação que são utilizados pela paróquia? ( ) são eficazes e cumprem seu papel de informar ( ) não são eficazes e não possuem papel de informar os paroquianos ( ) não tem o hábito de ler os informativos Justificativa:9. Como as informações, bem como as divulgações de eventos da Paróquia chegam até você? ( ) através da leitura do informativo mensal ( ) por meio dos avisos durante as missas ( ) não costumo participar dos eventos Justificativa:10. Em sua opinião, dentre todos os meios citados, qual o que produz resultado favorável? Por quê?
  • 109APÊNDICE B – Carta convite e roteiro de questões da pesquisa qualitativa Carta Convite:Prezado(a) Senhor(a), Sou estudante do Curso de Comunicação Social – Habilitação em RelaçõesPúblicas – na Universidade do Sagrado Coração - e estou desenvolvendo um estudosobre a comunicação que vem sendo utilizada na Paróquia São Paulo Apóstolo. Como parte deste estudo pretendo realizar uma pesquisa com pessoas quetem se destacado nas diferentes atividades da Paróquia. Assim, dada a suaexperiência convido-a a participar de uma entrevista sobre o assunto mencionado. Agradeço pela sua participação e coloco-me à disposição para qualqueresclarecimento.Cordialmente,Isabela Gaspar Silva
  • 110 Roteiro de questões: Questionário – Pesquisa Qualitativa Paróquia São Paulo Apóstolo de Agudos Idade: Sexo: Público: Tempo que frequenta a paróquia:1. No seu modo de ver, que tipo de informação é de interesse das pessoas que frequentam a paróquia?2. Na sua opinião,como as informações têm sido transmitidas aos paroquianos? Que meios são utilizados atualmente?3. Como você avalia a forma de utilização desses veículos?4. Você sabe a quem cabe a responsabilidade pela elaboração desses veículos de comunicação? Poderia comentar?5. Você poderia avaliar criteriosamente as atividades da PasCom ? Fale um pouco sobre as principais.6. Como as informações de eventos e ações da Paróquia chegam até você e seu grupo? Comente.7. Gostaria que falasse agora sobre a eficácia e utilidade dos veículos de comunicação da Pastoral.8. Em sua opinião, o que ainda falta em termos de comunicação na Igreja?9. Destaque três pontos fortes da PasCom10. Destaque três pontos fracos da PasCom11. Quais ações, no seu modo de ver, poderiam ser viabilizadas para melhorar o fluxo de comunicação da pastoral?12. Gostaria de acrescentar outras informações sobre o que conversamos?