4 SessãO
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Like this? Share it with your network

Share

4 SessãO

on

  • 562 views

 

Statistics

Views

Total Views
562
Views on SlideShare
562
Embed Views
0

Actions

Likes
0
Downloads
4
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

4 SessãO Document Transcript

  • 1. Modelo de Auto-Avaliação das Bibliotecas Escolares Isabel da Conceição Teixeira 2009
  • 2. Página 2 de 8 Modelo de Auto-Avaliação das Bibliotecas Escolares Metodologias de Operacionalização PLANO DE AVALIAÇÃO O DOMÍNIO ESCOLHIDO: B – LEITURA E LITERACIA INDICADOR DE PROCESSO: B1 – Trabalho da BE ao serviço da promoção da leitura INDICADOR DE IMPACTO: B.3- Impacto do trabalho da BE nas atitudes e competências dos alunos, no âmbito da leitura e das literacias. PROBLEMA/ DIAGNÓSTICO A BE tem que tornar-se o centro da escola, em torno do qual se desenvolve o currículo e a aprendizagem. Deve ser um agente de mudança e de progresso. Constituindo-se como um centro de recursos e de informação diversa, deve caminhar no sentido de formar leitores assíduos, competentes, capazes de aceder à informação em diferentes suportes, seleccioná-la, compreendê-la e transformá-la em conhecimento mobilizável, é esta a definição da competência leitora. Por esta razão e também por se adequar a um dos objectivos definidos no Projecto Educativo, escolhemos o domínio B. Leitura e Literacias. Escolhemos subdomínio B.1 como indicador de processo pois incide sobre as actividades que têm sido desenvolvidas no que se refere à promoção da leitura, ponto de partida para o desenvolvimento de atitudes, comportamentos e competências em ambientes digitais e não – digitais, aspecto este que tem sido muito valorizado na biblioteca escolar onde exerço funções. O Plano Nacional de Leitura surge como uma Formanda: Isabel da Conceição Teixeira
  • 3. Página 3 de 8 mais-valia orientada a nível nacional, mas foi adequado à realidade da nossa escola e valorizado por muitos professores envolvidos no PNL. Escolhemos também o subdomínio B.3, indicador de impacto que irá verificar até que ponto o trabalho desenvolvido tem dado resultados no desenvolvimento das competências de leitura dos alunos. Aqui os instrumentos de recolha de evidências são fundamentais e quanto mais diversificados melhor poderão reunir evidências que assegurem uma avaliação correcta. IDENTIFICAÇÃO DO OBJECTO DE AVALIAÇÃO A Biblioteca Escolar tem desenvolvido um trabalho contínuo no domínio da leitura e literacia, procurando contribuir na promoção do sucesso escolar e educativo dos alunos, de acordo com o recomendado no Projecto Educativo. Um dos investimentos tem sido a execução do Plano Nacional de Leitura, em parceria com as escolas do 1º ciclo e o Departamento de Línguas. Tem ainda vindo a empenhar-se num trabalho colaborativo com professores curriculares das diversas áreas curriculares disciplinares e não disciplinares, fomentando hábitos de leitura e investigação. Assim sendo, neste primeiro ano, desta jovem biblioteca, parece-nos importante (a mim e à equipa educativa) validar o Domínio - B Leitura e Literacia e os Subdomínios B1 e B3. TIPO DE AVALIAÇÃO DE MEDIDA A EMPREENDER Serão aplicados métodos quantitativos de medida que permitam determinar a frequência, utilização e conhecimento que os utilizadores têm da BE (inputs e outputs da BE). Por outro lado, pretende-se fazer uma avaliação mais qualitativa da formação destes utentes através de uma abordagem de resultados e impactos (outcomes). “ O modelo de auto-avaliação das bibliotecas escolares procurou orientar-se sobretudo segundo uma filosofia de avaliação baseada em outcomes e de natureza essencialmente qualitativa…” (texto da sessão, pág.2) Formanda: Isabel da Conceição Teixeira
  • 4. Página 4 de 8 MÉTODOS E INSTRUMENTOS A UTILIZAR B. Leitura e Literacia Indicadores Factores críticos de sucesso Recolha de evidências B.1 Trabalho da - A BE disponibiliza uma colecção variada e -Projecto Educativo do Agrupamento BE ao serviço da adequada ao gosto e interesse dos -Plano de actividades da BE/CRE promoção da utilizadores. leitura -Estatísticas de requisição - A BE desenvolve, de forma sistemática, actividades no âmbito da promoção da -Estatísticas de utilização informal da BE. leitura. -Estatísticas de utilização da BE para actividades - A BE organiza sessões de leitura, de de leitura extensiva em sala de aula. reconto ou outras que associem diferentes formas de leitura, de escrita ou de -Registos de Projectos desenvolvidos no âmbito comunicação com o objectivo de promover o da promoção da leitura. gosto pela leitura. -Questionário aos professores (QD2). - A BE incentiva a leitura informativa -Questionário aos alunos (QA2). direccionada a actividades formativas nas áreas curriculares disciplinares e não - Outros instrumentos de recolha de informação: disciplinares. actas, participação em concursos, sugestões de leitura (livro do mês,---) blogue da BE, etc.. - A BE promove eventos culturais que aproximem os alunos dos livros ou de outros materiais/ambientes e incentivem o gosto pela leitura. - A BE facilita e orienta a leitura em ambientes digitais, através da indicação de sites, motores de busca e no próprio blogue da BE. - A BE procura estar informada relativamente às linhas de orientação e actividades propostas pelo PNL e organiza com os docentes grelhas das obras de leitura extensiva em sala de aula. Formanda: Isabel da Conceição Teixeira
  • 5. Página 5 de 8 B3. Impacto do - Os alunos usam a biblioteca para ler de - Estatísticas de utilização da BE para actividades trabalho da BE forma recreativa, para se informar ou para de leitura. nas atitudes e realizar trabalhos escolares. - Estatísticas de requisição domiciliária. competências dos - Os alunos, de acordo com o seu nível de alunos, no âmbito - Observação da utilização da BE (O3 e O4). escolaridade, manifestam progressos nas da leitura e das competências de leitura, lendo mais e com - Trabalhos realizados pelos alunos. literacias maior profundidade. - Análise diacrónica das avaliações dos alunos. - Os alunos desenvolvem trabalhos onde interagem com equipamentos e ambientes - Questionário aos professores (QD2). informacionais variados, manifestando - Questionário aos alunos (QA2). progressos nas suas competências no âmbito da leitura e das literacias. - Os alunos participam activamente em diferentes actividades associadas à promoção da leitura. INTERVENIENTES NO PROCESSO DE AUTO-AVALIAÇÃO Coordenador da BE/CRE e Equipa da BE/CRE Director Conselho Pedagógico Professores Funcionários Alunos Encarregados de Educação Formanda: Isabel da Conceição Teixeira
  • 6. Página 6 de 8 CALENDARIZAÇÃO: 2º e 3º Períodos A recolha de informação será diária para certas rotinas, será esporádica, no caso de actividades igualmente esporádicas e será uma vez por período, no caso dos inquéritos. PLANIFICAÇÃO DA RECOLHA E TRATAMENTO DE DADOS A metodologia de trabalho encontra-se definida no Modelo de auto-avaliação das Bibliotecas Escolares e pressupõe: Definir os factores críticos de sucesso para os indicadores, as actividades que evidenciam sucesso e são valorizadas na avaliação. As evidências comprovam a prática efectiva das acções e permitem com rigor e a exactidão formular juízos de valor / avaliação, sobre o impacto obtido no desenvolvimento das competências exigidas. Deverão estar articuladas a propostas concretas de melhoria face ao que ficou comprovado. Face às evidências estabeleceremos o nível de desempenho da biblioteca configurado numa escala de um a quatro. Para atingir cada um destes níveis será necessário preencher todos os descritores referidos nesse nível, à excepção de um. Conclui-se com a formulação de acções que visem a melhoria contínua onde se verificou haver mais debilidades é este o objectivo fundamental da auto-avaliação. A recolha de evidências será feita pelas professoras bibliotecárias e a sua equipa, os professores colaboradores e a técnica operacional, no início do 2º Período. Os recursos materiais serão as folhas de questionário, as folhas de registo de entrada, de requisição domiciliária, de satisfação, as folhas de registo de reclamação, as fichas de inscrição nas várias actividades usadas pelos alunos e professores, as grelhas de observação, o blogue e os comentários aí realizados. Formanda: Isabel da Conceição Teixeira
  • 7. Página 7 de 8 A definição de amostragens / Inquéritos será de 20% do universo dos professores, 10% do universo dos alunos e 5% dos pais e encarregados de educação A análise crítica e o tratamento dos dados terá um 1º momento de tratamento e análise dos dados será feito em Abril e o 2º em Junho. ANÁLISE E COMUNICAÇÃO DA INFORMAÇÃO Será elaborado um relatório no final do ano (início de Julho). A coordenadora reunirá com o órgão de gestão para ponderar a avaliação obtida e definir as acções de melhoria. As conclusões serão apresentadas num dos últimos Conselhos Pedagógicos do ano, através de um PowerPoint. A divulgação da avaliação e do plano estratégico serão igualmente divulgados ao Agrupamento. Finalmente elaborar-se-á a síntese para integrar o relatório da escola. LIMITAÇÕES  A equipa e a funcionária terão dificuldade em dar atenção às necessidades dos alunos e simultaneamente registar as observações solicitadas.  A sobrecarga de trabalho que a aplicação do modelo acarreta e a falta de tempo.  Dificuldade em envolver todos os intervenientes. LEVANTAMENTO DE NECESSIDADES Face às limitações apresentadas teria de haver um reforço dos recursos humanos. Estes necessitarão de horas para tornar mais eficaz a recolha de dados. Formanda: Isabel da Conceição Teixeira
  • 8. Página 8 de 8 BIBLIOGRAFIA - Gabinete da Rede de Bibliotecas Escolares. Modelo de Auto-Avaliação das Bibliotecas Escolares (12 de Novembro de 2009). - Texto da 4ª sessão: O Modelo de Auto-Avaliação das Bibliotecas Escolares: metodologias de operacionalização (Parte I). Formanda: Isabel da Conceição Teixeira