Your SlideShare is downloading. ×
0
Práticas e modelos de A.A. das BE-DREN-T93ªSessãoTarefa 1<br />Objectivos:<br /><ul><li>Entender as ligações do processo d...
Perspectivar a gestão da informação e processo de comunicação com a escola/agrupamento
Perceber o papel e a necessidade de liderança por parte do professor coordenador</li></ul>Isabel Maria Sousa Alves<br />No...
Apresentação do modelo de Auto-Avaliação da Biblioteca Escolar ao Conselho Pedagógico<br />                               ...
O papel da auto-avaliação da BE<br />Vários estudos internacionais feitos mostram que as bibliotecas escolares podem contr...
O processo e o necessário envolvimento da escola/agrupamento<br />É importante que cada escola tenha  conhecimento do impa...
A auto-avaliação na BE<br />Estão envolvidos no processo:<br />Coordenador da BE e equipa da BE<br />Departamentos/Docente...
Como avaliar?<br />Esta avaliação é qualitativa, orientada para uma análise dos processos e dos resultados, numa perspecti...
Como planear a avaliação?<br />A avaliação refere-se a um período de quatro  anos e está organizada em quatro domínios, um...
C . Projectos, Parcerias e Actividades Livres e de Abertura à Comunidade<br />C.1 Apoio  a actividades livres, extra-curri...
A escolha do domínio a avaliar em cada ano deve ser sugerida pelo professor bibliotecário, a partir das áreas problemática...
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Tarefa 3

147

Published on

Published in: Technology
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
147
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
1
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Transcript of "Tarefa 3"

  1. 1. Práticas e modelos de A.A. das BE-DREN-T93ªSessãoTarefa 1<br />Objectivos:<br /><ul><li>Entender as ligações do processo de auto-avaliação à escola
  2. 2. Perspectivar a gestão da informação e processo de comunicação com a escola/agrupamento
  3. 3. Perceber o papel e a necessidade de liderança por parte do professor coordenador</li></ul>Isabel Maria Sousa Alves<br />Novembro 2009 <br />
  4. 4. Apresentação do modelo de Auto-Avaliação da Biblioteca Escolar ao Conselho Pedagógico<br /> Agrupamento Vertical de Escolas de Briteiros<br />
  5. 5. O papel da auto-avaliação da BE<br />Vários estudos internacionais feitos mostram que as bibliotecas escolares podem contribuir de uma forma positiva no ensino e na aprendizagem, podendo-se estabelecer uma relação entre a qualidade do trabalho da e com a BE e os resultados escolares dos alunos.<br />Factores decisivos neste processo:<br />A colaboração entre o professor bibliotecário e os restantes docentes na identificação dos recursos e no desenvolvimento de actividades conjuntas orientadas para o sucesso dos alunos;<br />O fácil acesso e a qualidade dos serviços prestados;<br />A adequação da colecção e dos recursos tecnológicos;<br />
  6. 6. O processo e o necessário envolvimento da escola/agrupamento<br />É importante que cada escola tenha conhecimento do impacto que as actividades realizadas pela e com a biblioteca escolar têm no processo de ensino/aprendizagem, bem como do grau de eficiência e eficácia dos serviços prestados e de satisfação dos utilizadores da BE;<br />O modelo de auto-avaliação permitirá identificar as práticas que têm sucesso e que deverão continuar, assim como os pontos fracos a melhorar;<br />A auto-avaliação da biblioteca deve ser incorporada no processo de auto-avaliação da escola dada a sua relação estreita com a sua missão e objectivos.<br />
  7. 7. A auto-avaliação na BE<br />Estão envolvidos no processo:<br />Coordenador da BE e equipa da BE<br />Departamentos/Docentes/Alunos<br />Utilizadores da BE<br />Conselho Pedagógico<br />Direcção do Agrupamento<br />Onde se recolhem evidências:<br />No Plano Educativo do Agrupamento<br />No Plano Curricular do Agrupamento<br />No Plano Anual de Actividades<br />Registos diversos(actas de reuniões, relatos de actividades…)<br />Materiais elaborados pela BE ou em colaboração com esta<br />Estatísticas produzidas pelo sistema informático da BE<br />Trabalhos realizados pelos alunos<br />Instrumentos de recolha de informação tais como registos de observação, questionários e entrevistas <br />
  8. 8. Como avaliar?<br />Esta avaliação é qualitativa, orientada para uma análise dos processos e dos resultados, numa perspectiva formativa, permitindo identificar os pontos fracos a melhorar.<br />Pretende-se avaliar a qualidade e a eficácia da BE e não o desempenho individual do professor bibliotecário ou dos elementos da equipa.<br />Este processo de avaliação deve mobilizar toda a escola.<br />A sua aplicação deve ser exequível e facilmente integrável nas práticas de gestão da equipa da BE.<br />Este modelo adapta-se à realidade de cada escola e de cada BE. <br />
  9. 9. Como planear a avaliação?<br />A avaliação refere-se a um período de quatro anos e está organizada em quatro domínios, um domínio por ano (incluindo os respectivos subdomínios, perfis de desempenho e indicadores temáticos):<br />A. Apoio ao Desenvolvimento Curricular<br />A.1 Articulação curricular da BE com as estruturas de coordenação educativa e supervisão pedagógica e os docentes<br />A.2 Promoção das literacias da informação, tecnológica e digital<br />Leitura e Literacia<br />
  10. 10. C . Projectos, Parcerias e Actividades Livres e de Abertura à Comunidade<br />C.1 Apoio a actividades livres, extra-curriculares e de enriquecimento curricular<br />C.2 Projectos e Parcerias<br />D. Gestão da Biblioteca Escolar<br />D.1 Articulação da BE com a escola/ agrupamento. Acesso e serviços prestados pela BE.<br />D.2 Condições humanas e materiais para a prestação dos serviços<br />D.3 Gestão da colecção/da informação<br />
  11. 11. A escolha do domínio a avaliar em cada ano deve ser sugerida pelo professor bibliotecário, a partir das áreas problemáticas identificadas na escola/agrupamento e aprovada pelo Conselho Pedagógico e Direcção do Agrupamento.<br />Para cada indicador existem instrumentos de recolha de evidências para determinar:<br /><ul><li>O impacto que as práticas da BE têm nas aprendizagens dos alunos, nas suas atitudes, valores e competências.
  12. 12. Avaliar o trabalho colaborativo entre a BE e os professores.
  13. 13. Identificar as práticas que têm sucesso e os pontos fracos a melhorar.
  14. 14. Planificar o trabalho futuro.</li></ul>O relatório de auto-avaliação deve ser discutido e aprovado em Conselho Pedagógico , bem como o plano de melhoria que vier a ser delineado.<br />
  15. 15. Auto-Avaliação das Bibliotecas Escolares sucesso dos alunos<br />
  16. 16. Bibliografia <br /><ul><li>Disponívelemhttp://www.rbe.min-edu.pt/np4/?newsId=31&fileName=modelo_auto_avaliacao.pdf
  17. 17. Scott, Elspeth (2002) “How good is your school library resource centre? An introduction to performance measurement”. 68th IFLA Council and General Conference August. <http://www.ifla.org/IV/ifla68/papers/028-097e.pdf> [14/10/2009]</li></ul>  <br /><ul><li>Johnson, Doug (2005) “Getting the Most from Your School Library Media Program”, Principal. Jan/Feb 2005 <http://www.doug-johnson.com/dougwri/getting-the-most-from-your-school-library-media-program-1.html> [14/10/2009]
  18. 18. McNicol, Sarah (2004) “Incorporating library provision in school self-evaluation” Educational Review, 56(3),287-296(disponívelnaplataforma)</li></ul> <br />
  1. A particular slide catching your eye?

    Clipping is a handy way to collect important slides you want to go back to later.

×