Tabela D3 5ª Tarefa

528 views

Published on

Published in: Travel, Technology
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
528
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
3
Actions
Shares
0
Downloads
14
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Tabela D3 5ª Tarefa

  1. 1. Práticas e modelos de Auto-Avaliação das BE’s-DREN-T9 O MODELO DE AUTO-AVALIAÇÃO DAS BIBLIOTECAS ESCOLARES: METODOLOGIAS DE OPERACIONALIZAÇÃO (PARTE II) DOMÍNIO/SUBDOMÍNIO D.GESTÃO DA BE D.3. GESTÃO DA COLECÇÃO/INFORMAÇÃO Dezembro de 09 Isabel Maria Sousa Alves Página 1
  2. 2. Práticas e modelos de Auto-Avaliação das BE’s-DREN-T9 DOMÍNIO D-GESTÃO DA BE Subdomínio D3- Gestão da Colecção/da Informação Evidências extraídas dos Instrumentos de recolha de Indicadores Factores críticos de Sucesso Instrumentos a integrar no evidências sugeridos Modelo de Auto-Avaliação D.3.1 Planeamento/gestão da A política documental Documentação que define o A BE define e apresenta no colecção de acordo com a encontra-se definida para a desenvolvimento da colecção: Conselho Pedagógico os inventariação das necessidades escola/agrupamento. Politica de Desenvolvimento critérios que orientam a curriculares e dos utilizadores da A política documental da Colecção. Política de Desenvolvimento escola/agrupamento materializa-se num processo Regulamento Interno. da Colecção. integrado e contínuo de A BE possui um plano que rege avaliação da colecção ou critérios para a aquisição colecções da escola, na diversificada de documentos e inventariação de necessidades para “abate” daqueles cuja e na sua actualização utilidade já está ultrapassada sistemática. ou que se encontram em mau A política de desenvolvimento estado. da colecção está formalizada e foi submetida ao parecer do conselho pedagógico, definindo um conjunto de normas para a selecção desbaste, aquisição, Registo de A BE analisa os documentos organização e circulação dos relatórios/planificações. estruturantes da escola (PE,…) recursos de informação. para inventariar as A escola/agrupamento necessidades de reforço da participa na definição dessa colecção. política que é aprovada pelos órgãos de direcção, administração e gestão Isabel Maria Sousa Alves Página 2
  3. 3. Práticas e modelos de Auto-Avaliação das BE’s-DREN-T9 (conselho geral, director, conselho pedagógico, conselho administrativo). Análise da colecção (CK2). A BE recolhe e analisa as As práticas de avaliação, de sugestões de aquisição das desbaste, de selecção e diferentes estruturas da aquisição de documentação escola (professores/alunos), são realizadas de acordo com de forma a adquirir as obras as orientações definidas. sugeridas. As necessidades de informação, decorrentes do projecto educativo, de projectos em desenvolvimento e dos perfis curriculares dos diferentes anos/matérias são inventariadas. A documentação existente em cada BE/ escola e as necessidades ao nível do agrupamento são avaliadas e existe uma gestão integrada que promove a circulação da documentação. A rede partilhada de documentação pode envolver outras bibliotecas a nível local e a BM. Os órgãos de administração e gestão atribuem anualmente uma verba para actualização da documentação. Isabel Maria Sousa Alves Página 3
  4. 4. Práticas e modelos de Auto-Avaliação das BE’s-DREN-T9 DOMÍNIO D-GESTÃO DA BE Subdomínio D3- Gestão da Colecção/da Informação Evidências extraídas dos Instrumentos de recolha de Indicadores Factores críticos de Sucesso Instrumentos a integrar no evidências sugeridos Modelo de Auto-Avaliação D.3.2 Adequação dos livros e de A colecção é equilibrada em Resultados da avaliação da A BE identifica os pontos outros recursos de informação quantidade, entre suportes colecção. fracos da colecção, a fim de (no local e online) às (impresso e não impresso) e reforçar as áreas com mais necessidades curriculares e aos entre as diferentes áreas carências. interesses dos utilizadores na (recreativa e relacionada com escola/agrupamento. o currículo) garantindo condições de acesso e uso de todos os utilizadores. Estatísticas de empréstimo. Determinada percentagem de utilizadores requisitam livros Os livros e outros recursos de para leitura domiciliária. informação são adequados à faixa etária, à curiosidade intelectual e aos interesses dos utilizadores. Os livros e outros recursos de Registo de requisições pelos Determinada percentagem de informação respondem às departamentos/docentes. professores requisitam necessidades do currículo material/recursos para a sala nacional, do projecto de aula. educativo e dos projectos curriculares de turma. Isabel Maria Sousa Alves Página 4
  5. 5. Práticas e modelos de Auto-Avaliação das BE’s-DREN-T9 Questionários a docentes Determinada percentagem de A selecção dos fundos (QD3). professores classificam documentais tem em conta adequação da colecção às necessidades identificadas necessidades pessoais de junto dos departamentos documentação e ao trabalho curriculares e utilizadores, de pedagógico com os alunos, a acordo com os critérios actualidade do fundo definidos no documento documental e diversidade da Política de desenvolvimento da colecção nas áreas temáticas e colecção. suportes. Os recursos documentais são anualmente actualizados, Questionários a alunos (QA4). Determinada percentagem de respondendo em termos de alunos refere e avalia os qualidade, diversidade recursos existentes na BE e a relevância às necessidades dos forma como responderam aos utilizadores. seus interesses e necessidades. Livro/caixa de sugestões/ A BE disponibiliza locais onde reclamações. os utilizadores podem apresentar sugestões relativas a novas aquisições /críticas à colecção existente. Isabel Maria Sousa Alves Página 5
  6. 6. Práticas e modelos de Auto-Avaliação das BE’s-DREN-T9 DOMÍNIO D-GESTÃO DA BE Subdomínio D3- Gestão da Colecção/da Informação Evidências extraídas dos Instrumentos de recolha de Indicadores Factores críticos de Sucesso Instrumentos a integrar no evidências sugeridos Modelo de Auto-Avaliação D.3.3 Uso da colecção pelos A BE assegura a circulação de utilizadores da fundos documentais em todo escola/agrupamento. o agrupamento. Estatísticas de empréstimo. Análise da percentagem de utilizadores que recorrem ao empréstimo domiciliário. A BE implementa o empréstimo domiciliário e os fundos documentais são suficientes para as necessidades dos utilizadores. Trabalhos realizados na A BE produz instrumentos, biblioteca ou em colaboração que fomentam o acesso e o com a BE no contexto do uso uso da informação. A BE realiza um trabalho de da informação. A circulação de documentação valorização e motivação para o entre a BE da escola – sede e valor e uso da documentação as escolas do agrupamento. nas práticas de ensino e A BE organiza visitas guiadas aprendizagem. com os utilizadores para explicar a organização da informação. A BE forma para o uso e A BE produziu um guião de integração da informação nas utilizador e um guião de actividades diárias e de pesquisa destinado aos alunos aprendizagem. da escola. Isabel Maria Sousa Alves Página 6
  7. 7. Práticas e modelos de Auto-Avaliação das BE’s-DREN-T9 Os alunos procuram recursos documentais para se Questionário a docentes Determinada percentagem de recrearem ou para trabalho (QD3). professores requisitam escolar. documentos para a sala de aula/aulas de substituição / aulas de apoio/ projectos Os docentes recorrem à (clubes, núcleos de estudo,..) documentação para sua actividade lectiva e incentivam a sua utilização, apresentando propostas de trabalho conducentes ao seu uso. Questionário a alunos (QA4). Determinada percentagem de alunos requisitam obras para consulta na BE e para A BE produz instrumentos de empréstimo domiciliário. apoio ao uso da colecção e desenvolve competências de pesquisa nos utilizadores. Análise da colecção (CK2). A BE analisa com regularidade o uso da sua colecção e actua de acordo com as necessidades. Isabel Maria Sousa Alves Página 7
  8. 8. Práticas e modelos de Auto-Avaliação das BE’s-DREN-T9 DOMÍNIO D-GESTÃO DA BE Subdomínio D3- Gestão da Colecção/da Informação Evidências extraídas dos Instrumentos de recolha de Indicadores Factores críticos de Sucesso Instrumentos a integrar no evidências sugeridos Modelo de Auto-Avaliação D.3.4 Organização da informação. A informação está organizada Registos/relatórios do O fundo documental está de Informatização da colecção. segundo linguagens programa de gestão acordo com a CDU. normalizadas (na catalogação, bibliográfica. classificação e indexação) que garantam um eficaz Nível de tratamento e de A BE utiliza o programa recuperação da informação. organização da informação. Porbase para organizar a sua colecção e grande parte do Está implementado um seu fundo documental já está sistema de questão catalogado informaticamente. bibliográfico automatizado A BE organiza a informação de que permite a simplificação de acordo com o sistema de um conjunto de processos classificação normalizado. inerentes ao circuito do documento e à sua difusão e Existência de catálogos A BE permite aos alunos a pesquisa da informação. informatizados online. pesquisa automatizada do catálogo em todos Os utilizadores recuperam a computadores da BE. informação manualmente ou através da consulta Análise da colecção (CK2). A BE analisa com regularidade automatizada do catálogo. a organização da sua colecção e faz a respectiva actualização, O catálogo é pesquisável tendo em vista o online e associa recursos desenvolvimento do fundo digitais. documental. Isabel Maria Sousa Alves Página 8
  9. 9. Práticas e modelos de Auto-Avaliação das BE’s-DREN-T9 DOMÍNIO D-GESTÃO DA BE Subdomínio D3- Gestão da Colecção/da Informação Evidências extraídas dos Instrumentos de recolha de Indicadores Factores críticos de Sucesso Instrumentos a integrar no evidências sugeridos Modelo de Auto-Avaliação D.3.5 Difusão da informação. A BE realiza actividades de Documentos/instrumentos A BE cria instrumentos de apresentação/exposição de produzidos em diferentes promoção da colecção e de livros e de outros recursos de formatos. divulgação de recursos de informação. informação: Listagens bibliográficas para suporte de actividades curriculares; A BE organiza e difunde Catálogos temáticos para listagens de recursos de apoio às actividades informação (documentos lectivas; impressos, recursos digitais e Guiões informativos; online) adequados a temáticas Actualização da sua diversas, de âmbito curricular página Web. ou associadas a determinado Concurso/quiz que projecto desafia a curiosidade acerca de um livro/filme. (em colaboração com professores do Departamento de A BE produz guias e tutoriais Línguas) sobre assuntos, autores ou outros. Isabel Maria Sousa Alves Página 9
  10. 10. Práticas e modelos de Auto-Avaliação das BE’s-DREN-T9 A BE cria instrumentos de promoção da colecção e de Análise da colecção (CK2). A BE analisa com divulgação de recursos de regularidade a difusão da informação: boletim informação e faz a sua informativo, newsletter, actualização, tendo em vista folhetos, guiões de leitura, o desenvolvimento do fundo biografias ou listas documental e difusão da bibliográficas de autores, informação. outros. A BE recorre a estratégias formativas e de interacção com os utilizadores através de webquest, testes, jogos ou outras ferramentas que desafiem a sua curiosidade acerca de um livro ou assunto. A BE usa a página Web e denominada segunda geração de serviços disponibilizados – blogs, wikis, o RSS, o YouTube – para difusão da informação. Isabel Maria Sousa Alves Página 10
  11. 11. Práticas e modelos de Auto-Avaliação das BE’s-DREN-T9 Análise dos instrumentos a utilizar: Questionários aos professores Recolha de informação sobre o acesso e uso dos materiais da BE. Constitui uma informação valiosa sobre o trabalho desenvolvido entre os diferentes departamentos e a equipa da BE, promovendo a articulação entre os mesmos. Importa saber se os recursos existentes na BE são de fácil acesso/uso e correspondem às Questionários aos alunos necessidades dos seus utilizadores. Permitem uma visão mais ampla e objectiva da gestão e utilização de recursos. Através destas Estatísticas de empréstimo podemos ter acesso ao número de livros lidos/requisitados de determinado autor/tema, o que domiciliário será tido em conta na altura da aquisição de mais livros, indo de encontro aos interesses/ gostos dos utilizadores. Instrumentos Registos/relatórios do programa de Acrescentam informação às estatísticas de empréstimo domiciliário. gestão bibliográfica Livro/caixa de São vistos como uma orientação de melhoria a nível da gestão da colecção e de recursos, de sugestões/reclamações serviços e novas aquisições. Registos de requisições pelos Estes permitem uma visão mais ampla do envolvimento dos diferentes departamentos na Departamentos/professores apresentação de sugestões para a aquisição de materiais para a BE, assim como a sua procura e uso dos mesmos. Regulamento Interno Documento onde é feito o registo da política documental e de orientações de actuação. Registos de requisições Para além do empréstimo domiciliário, todas as requisições que impliquem a utilização dos recursos em contexto de sala de aula, sejam eles livros ou outro tipo de recursos. Estes vão completar a informação recolhida nas outras estatísticas. Realização de relatórios São instrumentos de reflexão sobre o uso dos diferentes recursos e a necessidade de melhoria e /planificações seu reflexo nas aprendizagens. Isabel Maria Sousa Alves Página 11

×