Biblioteca Escolar - Contexto e recurso de aprendizagem

  • 274 views
Uploaded on

Momento (in)formativo na BE do CE de Alquerubim

Momento (in)formativo na BE do CE de Alquerubim

More in: Education
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
No Downloads

Views

Total Views
274
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0

Actions

Shares
Downloads
16
Comments
0
Likes
1

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. BIBLIOTECA ESCOLARCONTEXTO E RECURSO DE APRENDIZAGEM Alquerubim, 12 de novembro de 2012 Isabel Nina isabel.nina@mail-rbe.org
  • 2. Objetivos1. Relembrar a missão, a organização e o funcionamento da biblioteca escolar (BE).i. Promover a utilização da BE como um contexto e um recurso de aprendizagem;ii. Evidenciar a importância e o contributo da BE na promoção da leitura e das literacias;iii. Apoiar o desenvolvimento curricular;iv. Fomentar a articulação curricular e trabalho colaborativo com e na BE;v. Partilhar práticas de utilização da BE.
  • 3. EnquadramentoDomínio AA. 1 Articulação curricular da biblioteca escolar com as estruturas decoordenação e supervisão pedagógica e com os docentes PORTUGAL. Ministério da Educação. Gabinete da Rede Bibliotecas Escolares. (2011). Modelo de avaliação da biblioteca escolar. Lisboa: RBE, 19.
  • 4. Era uma vez … …uma bibliotecahttp://bealquerubim.blogs.sapo.pt/?skip=10
  • 5. Era uma vez … …uma biblioteca
  • 6. Missão da BEA biblioteca escolar proporciona informação e ideias fundamentaispara sermos bem sucedidos na sociedade atual, baseada nainformação e no conhecimento. A biblioteca escolar desenvolve nosalunos competências para a aprendizagem ao longo da vida eestimula a imaginação, permitindo-lhes tornarem-se cidadãosresponsáveis. IFLA. UNESCO. (1999) Manifesto da Biblioteca Escolar. [Em linha]. Disponível em: http://archive.ifla.org/VII/s11/pubs/portug.pdf [Consult. 11 novembro 2012].
  • 7. Missão da BEO recurso à biblioteca escolar, tanto em articulação com o trabalhoda sala de aula como livremente utilizada pelos alunos, integra-senuma prática inclusiva, que fomenta a autonomia e a disponibilidadepara a aprendizagem ao longo da vida. PORTUGAL. Ministério da Educação. Direção-Geral de Inovação e Desenvolvimento Curricular. (2009). Programas de Português do Ensino Básico. Lisboa: DGIDC, 152.
  • 8. Missão da BE“As capacidades apreendidas pelo estudante através da bibliotecadotam a criança com os meios que lhe possibilitam adaptar-se a umavariedade de situações e possibilitam a educação permanente aolongo da vida, mesmo em situações adversas.” INTERNATIONAL ASSOCIATION OF SCHOOL LIBRARIANSHIP. (1993). Declaração Política da IASL sobre Bibliotecas Escolares.“A biblioteca escolar desenvolve nos estudantes competências para aaprendizagem ao longo da vida.” INTERNATIONAL FEDERATION OF LIBRARIAN ASSOCIATION. (1999). Manifesto da Biblioteca Escolar.
  • 9. Missão da BE“[E]studos [internacionais] mostram […], de forma inequívoca, que asbibliotecas escolares podem contribuir positivamente para o ensinoe a aprendizagem, podendo estabelecer-se uma relação entre aqualidade do trabalho da e com a BE e os resultados escolares dosalunos.” PORTUGAL. Ministério da Educação. Gabinete da Rede Bibliotecas Escolares. (2011). Modelo de avaliação da biblioteca escolar. Lisboa: RBE, 9-10
  • 10. Missão da BE Funções da BE de acordo com aDECLARAÇÃO POLÍTICA DA IASL SOBRE BIBLIOTECAS ESCOLARES
  • 11. Missão da BEPAPEL DA BIBLIOTECA ESCOLAR (ROSS TODD)
  • 12. O contexto da inevitável mudança… Tagxedo – Creator http://www.tagxedo.com/app.html
  • 13. O contexto da inevitável mudança…
  • 14. Biblioteca EscolarCONTEXTO, OPORTUNIDADE, RECURSO DE APOIO À APRENDIZAGEM “Enquanto contexto promotor de cultura a escola deverá criar oportunidades de aprendizagem através de um conjunto de ações que possibilitem a todos os alunos o acesso a bens culturais.” PORTUGAL. Ministério da Educação. Direção-Geral de Inovação e Desenvolvimento Curricular. (2009). Programas de Português do Ensino Básico. Lisboa: DGIDC, 67.
  • 15. Biblioteca EscolarCONTEXTO, OPORTUNIDADE, RECURSO DE APOIO À APRENDIZAGEM “A organização do trabalho pedagógico deve considerar e apoiar-se num conjunto de recursos que permitam o desenvolvimento articulado das diferentes competências. Destacam-se aqui, pela sua particular relevância, a referência a instrumentos de apoio à aprendizagem, à biblioteca escolar e à utilização das tecnologias de informação e comunicação.” PORTUGAL. Ministério da Educação. Direção-Geral de Inovação e Desenvolvimento Curricular. (2009). Programas de Português do Ensino Básico. Lisboa: DGIDC, 151.
  • 16. O contributo da BE na promoção da leitura“[Espera-se] que [as BEs] desempenhem um papel relevante no querespeita à promoção da leitura, resultando em mais e melhoresleitores.” PORTUGAL. Ministério da Educação. Direção-Geral de Inovação e Desenvolvimento Curricular. (2009). Programas de Português do Ensino Básico. Lisboa: DGIDC, 67.
  • 17. O contributo da BE na promoção da leitura “Fazer mais e melhores leitores, leitores analíticos, leitores utilizadores de bibliotecas e de outros equipamentos culturais, leitores consumidores de livros, mas também leitores digitais competentes, criativos, capazes de utilizar os diferentes suportes de escrita e leitura, as novas técnicas de reprodução e disseminação da informação, de forma eficaz e crítica, dominando a literacia digital, traduzida no uso competente das tecnologias e, ainda no desenvolvimento da consciência social, é exatamente aqui que se inscrevem os grandes desafios colocados às bibliotecas.” CALÇADA, Teresa. (2010, setembro). Mudanças que refletem novas necessidades. Noesis, 82, 33.
  • 18. O contributo da BE na promoção das literacias “Outra área onde se espera que a biblioteca – como a escola em geral – desempenhe um papel relevante é a da implementação do uso das TIC, tendo em vista a criação de hábitos de pesquisa e o desenvolvimento de competências que permitam a todos aceder à informação em diferentes suportes e linguagens. No que respeita ao acesso à Internet, os alunos terão de aprender, desde cedo, regras básicas de segurança e de comportamento ético, principalmente no que diz respeito às questões de autoria da informação.” PORTUGAL. Ministério da Educação. Direção-Geral de Inovação e Desenvolvimento Curricular. (2009). Programas de Português do Ensino Básico. Lisboa: DGIDC, 67.
  • 19. A atitude perante a biblioteca escolar…“O valor não é algo intrínseco às coisas mas tem sobretudo a vercom a experiência e benefícios que dela se retira: se é importante aexistência de uma BE agradável e bem apetrechada, a esse fatodeve estar associada uma utilização consequente nos váriosdomínios que caraterizam a missão da BE, capaz de produzirresultados que contribuam de forma efetiva para os objetivos daescola em que se insere.” PORTUGAL. Ministério da Educação. Gabinete da Rede Bibliotecas Escolares. (2011). Modelo de avaliação da biblioteca escolar. Lisboa: RBE, 11.…a BE também é uma atitude
  • 20. SABER PARA DAR A CONHECER CONHECER PARA FAZER SABER FAZER PARA SER Rede de Bibliotecas Escolares
  • 21. Wordle - Beautiful Word Clouds http://www.wordle.net/
  • 22. A organização da biblioteca escolarhttp://www.rbe.min-edu.pt/np4/file/111/978_972_96059_2_5.pdf http://www.rbe.min-edu.pt/np4/file/118/12.pdf http://www.rbe.min-edu.pt/np4/file/36/gestao_be_v2.pdf
  • 23. A organização da biblioteca escolar Zonas funcionais
  • 24. A organização da biblioteca escolar Zonas funcionais http://www.rbe.min-edu.pt/np4/file/111/978_972_96059_2_5.pdf
  • 25. A organização e funcionamento da biblioteca escolar… organizar para usar• ZONAS FUNCIONAIS DA BE – o seu conhecimento permite a divisão da turma em pequenos grupos.• ORGANIZAÇÃO DOS DOCUMENTOS – o seu conhecimento permite orientar os alunos na pesquisa de informação e seleção de leituras.• NORMAS DE FUNCIONAMENTO – o seu conhecimento permite a apropriação das regras por todos (guia de utilizador).
  • 26. A partilha de (outras) práticas… (In)Formar para Usar UM EVENTUAL PONTO DE PARTIDA …O AMBIENTE DIGITAL• Blogue da BE Alquerubim• Moodle da BE do AE Marquês de Marialva• Organização da Biblioteca: Classificação Decimal Universal (CDU) • “Os livros e a CDU” • “CDU treino”• Guia de UtilizadorPara saber + sobre a CDU
  • 27. A partilha de (outras) práticas… (In)Formar para Usar UM EVENTUAL PONTO DE PARTIDA …O AMBIENTE DIGITAL http://www.rbe.min-edu.pt/si/pubjson/downAct.jsp?i=1278
  • 28. A partilha de (outras) práticas… (In)Formar para Usar UM EVENTUAL PONTO DE PARTIDA …O AMBIENTE DIGITAL http://www.rbe.min-edu.pt/si/pubjson/downAct.jsp?i=1278
  • 29. A partilha de (outras) práticas… (In)Formar para Usar UM EVENTUAL PONTO DE PARTIDA …O AMBIENTE DIGITAL http://www.rbe.min-edu.pt/np4/atividades/?data=&tipo=Outra&txt=forma%C3%A7%C3%A3o+de+utilizador&x=0&y=0
  • 30. A partilha de (outras) práticas… (In)Formar para Usar UM EVENTUAL PONTO DE PARTIDA …O AMBIENTE DIGITAL• Blogue da EB de Albergaria-a-Velha - Cais da escrita• Wiki da BE da EB2 de Carregal do Sal – Guia de recursos educativos• Blogue dos Jardins-de-Infância do AE de Silgueiros- Silgueiritos• Blogue “O ninho dos livros” – BEs das EB1s e JIs do Agrupamento Vertical de S. Lourenço - Ermesinde
  • 31. A partilha de (outras) práticas… (In)Formar para Usar http://www.rbe.min-edu.pt/np4/112.html
  • 32. As bibliotecas escolares do AE de AAV 3 Professoras BE Bibliotecárias (PBs) EBI S.João BE de Loure BE1 EB de AAV Alquerubim ES/3 BE … AAV SEDE
  • 33. A realidade da biblioteca escolar Domínios de ação Serviço de bibliotecaA. Apoio ao desenvolvimento curricular A.1 Articulação curricular da BE com as estruturas de coordenação e Circulação de fundos supervisão pedagógica e com os docentes A.2 Promoção das literacias da Partilha de práticas informação, tecnológica e digitalB. Leitura e literacia Ambientes digitaisC. Projetos, parcerias e atividadeslivres e de abertura à comunidadeD. Gestão da biblioteca escolar
  • 34. Funcionamento da biblioteca escolar• A definição de um horário de utilização da BE em contexto curricular • O empréstimo domiciliário (desenvolve competências de leitura e pode promover o envolvimento dos Pais/EE); • A inclusão dos recursos documentais nos projetos curriculares de turma; • A integração das atividades de leitura nas práticas pedagógicas (PNL); • A leitura pelo simples prazer de ler; • A pesquisa, seleção e organização da informação (literacia da informação); • A integração curricular das TIC. A progressiva autonomia na utilização da BE O trabalho colaborativo com e na BE (planificação articulada)
  • 35. PORTUGAL. Ministério da Educação e Ciência. Gabinete da Rede Bibliotecas Escolares. Portal RBE: Para uma gestão integrada da biblioteca escolar do agrupam Trabalhar de forma colaborativa com e na BE Responsabilidade do docente Operacionalização Os docentes integram as atividades nas planificações • Planificar, de forma cooperativa, no departamento curriculares, no PCT e no PAA. curricular, as atividades articuladas com a BE. […] • Programar deslocações da turma à biblioteca, inseridas no âmbito da leitura, do desenvolvimento curricular ou do trabalho de projeto. •Solicitar o contributo do PB para a produção de materiais de apoio às atividades a desenvolver com a BE. • Usar a BE no âmbito das atividades das AEC. […] [...] Os docentes colaboram com o PB na produção de • Criar momentos de planificação de trabalho colaborativo materiais didáticos, guiões de pesquisa, orientadores de (presenciais ou com recursos a ambientes de digitais) de leitura e outros materiais formativos e de apoio às partilha de necessidades, materiais e boas práticas entre atividades o PB e os docentes. A formação dos docentes e AO nos domínios da • Colaborar com o PB na identificação das necessidades organização/gestão das bibliotecas, leitura e literacias é de formação nas diferentes áreas de trabalho. indispensável ao bom funcionamento da BE • Participar nas sessões de formação (in)formais (presenciais e/ou em linha) promovidas pelos centros de formação de professores, SABE ou outros parceiros. • Investir na auto-formação, recorrendo á literatura especializada disponível nos sítios da RBE, PNL, outros. PORTUGAL. Ministério da Educação e Ciência. Gabinete da Rede Bibliotecas Escolares. Portal RBE: Para uma gestão integrada da biblioteca escolar do agrupamento: orientações. [Em linha]. Disponível em http://www.rbe.min-edu.pt/np4/36.html [Consult. 11 novembro 2012].
  • 36. Manual escolar“Cultiva-se [nos Programas de Português do Ensino Básico] umaarquitetura de programas em que o professor possa orientar-se comfacilidade, entendendo os instrumentos curriculares como recursosfundamentais para a prática de ensino; pretende-se deste modoreposicionar os manuais escolares no seu papel deverdadeiros auxiliares pedagógicos. Sendo instrumentos detrabalho muito importantes, os manuais não devem sobrepor-seaos programas, como com alguma frequência se verifica; para quenão aconteça uma tal sobreposição, é necessário que o professorcultive uma relação ativa com estes programas, colocados naprimeira linha do seu labor pedagógico.” Programas de Português do Ensino Básico, 2009:8-9
  • 37. A biblioteca escolar Contexto e recurso de aprendizagem“Todos os sistemas de educação devem […] ser estimulados a alargar os contextos de aprendizagem à biblioteca escolar não os reduzindo ao professor e aos manuais.” INTERNATIONAL ASSOCIATION OF SCHOOL LIBRARIANSHIP. (1993). Declaração Política da IASL sobre Bibliotecas Escolares.
  • 38. "Quanto ao futuro, o que vos cabe não é prevê-lo, mas possibilitá-lo.’’ Antoine de Saint Exupéry