Oito categorias para produção de conteúdo audiovisual em

  • 148 views
Uploaded on

 

  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
    Be the first to like this
No Downloads

Views

Total Views
148
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1

Actions

Shares
Downloads
2
Comments
0
Likes
0

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. Oito Categorias para Produção de Conteúdo Audiovisual em Televisão Digital e Multiplataformas Alan César Belo Angeluci e Cosette Castro.
  • 2. O presente artigo propõe oito categorias de análise para produções digitais do audiovisual para televisão digital e multiplataformas. • São aspectos significativos que alteram de maneira das produções analógicas que passa para o modelo de produção digital interativa. Além da digitalização dos equipamentos, existe uma alteração nos conceitos e práticas de produção audiovisuais, não-linear, interativa e voltada para múltiplas plataformas.
  • 3. Brasil, vanguarda da implementação das novas tecnologias de radiodifusão na América Latina. • Sistema Brasileiro de Televisão Digital Terrestre (SBTVD-T): • Interatividade + projetos transdisciplinares + diálogo entre áreas = inovação na produção de conteúdo
  • 4. PRODUÇÃO DE CONTEÚDO AUDIOVISUAL DIGITAL: A EXPERIÊNCIA DO “ROTEIRO DO DIA” • É um dos projetos desenvolvidos pelas universidades brasileiras para a inovação da produção digital. • É a construção de um piloto de programa audiovisual interativo utilizando a Nested Context Language (NCL) a linguagem padrão do middleware Ginga. Middleware é uma camada de software posicionada entre o código das aplicações e a infra-estrutura de execuçã. Um middleware para aplicações de TV digital consiste de máquinas de execução das linguagens oferecidas, e bibliotecas de funções, que permitem o desenvolvimento rápido e fácil de aplicações. Ginga é o nome do middleware Recomendação ITU-T para serviços IPTV e do Sistema Nipo-Brasileiro de TV Digital Terrestre (ISDB-TB).
  • 5. As etapas de uma produção audiovisual são descritas por RODRIGUES (2002): • - Fase conceitual: • 1 – Roteiro • 2 – Projeto • 3 – Captação • - Fase operacional: • 4 – Preparação • 5 – Pré-produção • 6 – Filmagem • 7 – Finalização
  • 6. A não-linearidade nas narrativas audiovisuais • Conteúdos audiovisuais que rompem com a tradicional roteirização linear (início, desenvolvimento, clímax e desfecho). • Cria “módulos audiovisuais” (que tem sentido sozinhos e/ou relacionados a outros módulos). • O processo de digitalização transferiu a função criadora da montagem, que era restrita ao criador da obra para a audiência, em diversos níveis e a partir de recursos tecnológicos.
  • 7. fatores que criam a expressividade da imagem. Esses fatores são, em uma ordem que vai do estático ao dinâmico: • 1) os enquadramentos; • 2) os diversos tipos de planos; • 3) os ângulos de filmagem; • 4) os movimentos de câmera. A linguagem NCL atua como uma linguagem de objetos de mídia de vários tipos (áudio, vídeo, imagens, texto, etc.), relacionando-os no tempo e no espaço, criando uma apresentação hipermídia.
  • 8. Permite que a audiência altere o fluxo de conteúdo que está sendo assistido, em determinados momentos. • A Figura apresenta o programa “Roteiros do Dia” em execução. Em (a) a tela de abertura onde o telespectador deve escolher se deseja interagir ou não. Em (b) a vinheta do programa que ocorre logo após a tela inicial. Em (c) a apresentadora chama o telespectador para escolher o próximo passeio e as possibilidades de interação são mostradas na tela, enquanto a apresentadora explica como interagir. Em (d) outra possibilidade de escolha do próximo passeio.
  • 9. OITO CATEGORIAS DE ANÁLISE • 1) Interatividade – possibilidade de interatividade local, o evento interativo uma alternativa a audiência, e não uma imposição; • 2) Multiplataformas – a presença dos conteúdos em variadas plataformas (como celular ou no computador mediado pela internet), chamando a atenção para um novo desafio aos produtores de conteúdo: adaptar o • conteúdo às plataformas; • 3) Não-linearidade – a possibilidade de organizar conteúdos de áudio, vídeo e dados a partir das linguagens de programação do middleware • Ginga permite a criação de variadas histórias. É importante se atentar para a relação de sincronismo, caso contrário corre o risco de falhas de continuidade narrativa.
  • 10. • 4) Convergência entre mídias – As audiências cada vez mais acessando conteúdos pela internet, pelo celular, por dispositivos móveis. É preciso traçar estratégias de como um conteúdo pode ser apresentado, de diferentes formas, nas diversas mídias. • 5) Didática Televisiva – Diante das novidades, os produtores vão precisar informar da forma mais clara possível, sobre as possibilidades interativas que a audiência vai ter diante de cada conteúdo. • 6) Estética Televisiva - Ângulos, enquadramentos e planos das imagens, é fundamental um planejamento estético da relação entre os objetos de mídia, de forma que a tela não fique poluída e que haja nitidez das apresentações. • 7) Mobilidade - A adaptação dos conteúdos de TV também ocorre nos trens, ônibus e metrôs: mostram uma característica da TV Digital aberta brasileira: a mobilidade. É rompida a relação espaço-tempo – passa a acessar um conteúdo a partir de dispositivos móveis, e em vários lugares. 8) 8) Transdisciplinaridade da produção - O produtor de conteúdo digital interativo deve entender as funcionalidades do middleware Ginga, de suas linguagens como a NCL e as possibilidades de • interatividade. A chegada do programador, profissional da área de informática, deve trabalhar em conjunto com o editor de imagens, no processo de finalização. Uma terceira figura fundamental, o “designer de interface.