Arte defalar

4,141 views
3,995 views

Published on

0 Comments
2 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
4,141
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
4
Actions
Shares
0
Downloads
329
Comments
0
Likes
2
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Arte defalar

  1. 1. A ARTE DE FALAR EM PÚBLICO. NOÇÕES BÁSICAS EMÍDIO BRASILEIRO
  2. 2. CONTROLAR O MEDO DE FALAR EM PÚBLICO <ul><li>Quando o medo aparecer, encare-o normalmente; </li></ul><ul><li>Controle seu nervosismo; </li></ul><ul><li>Tenha uma postura correta; </li></ul><ul><li>Antes de pensar como, saiba o que falar; </li></ul><ul><li>Evite o pessimismo; </li></ul>
  3. 3. CONTROLAR O MEDO DE FALAR EM PÚBLICO <ul><li>Não adquira vícios (botões de paletó, bolsos, lápis, giz, folha de papel, fio do microfone não poderão oferecer-lhe segurança); </li></ul><ul><li>Chame sua voz com a respiração, respirando profundamente); </li></ul><ul><li>A prática irá proporcionar-lhe o reflexo. </li></ul>
  4. 4. ELOQÜÊNCIA <ul><li>Consiste em se conceber a idéia clara, expressá-la com a palavra e adequá-la ao auditório, dependendo esta última condição dos tempos, das pessoas, dos lugares e das coisas. É também a arte de convencer. </li></ul>
  5. 5. O ORADOR ELOQÜENTE POSSUI : <ul><li>* RIQUEZA DE CONTEÚDO ou CONHECIMENTO DO ASSUNTO: Alcançada no estudo metódico da Matéria e na preparação antecipada da palestra. </li></ul><ul><li>CLAREZA: De conteúdo e pronúncia. As frases devem ser proferidas com clareza, correção e sobretudo com naturalidade. A idéia se torna clara quando pode ser reduzida a uma frase simples. Um método de clareza é exprimir em voz alta o pensamento para sentir se está claro ou obscuro. </li></ul>
  6. 6. O ORADOR ELOQÜENTE POSSUI : <ul><li>* NATURALIDADE: Não se deve perder a naturalidades, a qual é superior a técnica. </li></ul><ul><li> * OBJETIVIDADE ou SÍNTESE: Ou concisão. O orador deve dizer tudo quanto necessário sem ser por demais resumido, sacrificando a compreensão de sua mensagem, nem ignorar o controle do tempo de exposição. </li></ul>
  7. 7. O ORADOR ELOQÜENTE POSSUI : <ul><ul><li>* CRIATIVIDADE: Assemelha-se em muitos pontos à essência da inspiração. É o exercício da criação própria de argumentos e ilustrações, tornando a preleção interessante e original. </li></ul></ul>
  8. 8. O ORADOR ELOQÜENTE POSSUI : <ul><li>* VERSATILIDADE: Bom repertório temático. Capacidade de falar com segurança sobre diversos assuntos e de compor palestras sobre um mesmo tema, com enfoques e argumentações diferentes. </li></ul>
  9. 9. O ORADOR ELOQÜENTE POSSUI : <ul><li>MEMÓRIA: O orador precisa recorrer à memória para recordar as idéias e ordena-las enquanto fala. Para lembrar-se das palavras apropriadas para dar forma a seus pensamentos e transmitir a sua mensagem. Caso sinta a necessidade deve ter ao alcance das mãos e dos olhos uma pequena folha com o roteiro de sua palestra, com a enumeração dos dados que queira usar como ilustração de seus comentários . </li></ul>
  10. 10. O ORADOR ELOQÜENTE POSSUI : HABILIDADE: Capacidade suficiente para perceber o nível de compreensão intelectual ou o grau de sensibilidade emocional de seus ouvintes, bem como as suas intenções naquele momento.
  11. 11. O ORADOR ELOQÜENTE POSSUI : <ul><li>INSPIRAÇÃO: É a forma como o orador cria e produz o seu discurso; a soma das energias para encontrar a melhor idéia, modificando e substituindo a mensagem preparada com antecedência, pelas circunstâncias que o cercam, ao sabor das emoções emanadas do ambiente. </li></ul>
  12. 12. O ORADOR ELOQÜENTE POSSUI : <ul><li>ENTUSIASMO: Deve falar com convicção, acreditando firmemente naquilo que irá proferir porque, se agir em contrário, como irá então convencer seus ouvintes se ele mesmo se mostra desmotivado? </li></ul>
  13. 13. O ORADOR ELOQÜENTE POSSUI : <ul><ul><li>DETERMINAÇÃO </li></ul></ul><ul><ul><li>É necessário estar acompanhado (a) da determinação para ultrapassar os obstáculos (desânimo, dúvidas quanto a arte de falar) e ter forças para dar seqüência ao trabalho da oratória. </li></ul></ul>
  14. 14. O ORADOR ELOQÜENTE POSSUI : TEATRALIZAÇÃO: O orador deve, sem exageros, ser uma espécie de ator, guardadas as devidas proporções, modulando a voz, gesticulando convenientemente, correndo os olhos pelo salão ou auditório e mesmo para aqueles que estejam sentados à mesa a seu lado, de modo a convencer o público com seus argumentos, expostos de modo encadeado e bem coordenado.
  15. 15. O ORADOR ELOQÜENTE POSSUI : <ul><li>      SIMPATIA: Sem evidentemente cair nas posturas grotescas nem artificiais, deverá despertar desde o primeiro momento a simpatia do auditório, se preciso contando algum caso gozado, alguma piada decente, algum dito chistoso para a descontração dos ouvintes, mantendo sempre o recinto com seriedade (que não é sinônimo de sizudez, de semblante fechado, de cara amarrada) de que o ambiente se reveste. </li></ul>
  16. 16. O ORADOR ELOQÜENTE POSSUI : <ul><li>      VOZ RITMADA: O orador deve apresentar uma voz ritmada, de tal forma que não fale tão depressa nem muito devagar, de modo enfadonho, causando desinteresse. Não se deve deixar a voz cair no final de cada frase, nem levanta-la em todo o fim de frase ou período. Enfatizar as sentenças de maior importância, variar o tom e a INTENSIDADE DA VOZ, ajudando os ouvintes a entender melhor, o que acaba evitando a monotonia. Verificar também a RESPIRAÇÃO e DICÇÃO. </li></ul>
  17. 17. O ORADOR ELOQÜENTE POSSUI : <ul><li>VOCABULÁRIO SIMPLES: Mas sem ser pobre demais. Preciso, para não dar margem a dúvidas. Sem floreios literários, para ser entendido por todos de modo que alguém, dotado de menor cabedal cultural, não saia do recinto sem entender nada do que ouviu. É necessário o desenvolvimento permanente do vocabulário. </li></ul>
  18. 18. PREPARAÇÃO <ul><li>A preparação constitui atitude de responsabilidade, indispensável ao bom orador. O expositor que não prepara pode ser um excelente improvisador, ter verbo fácil e rara inteligência, além de razoável conhecimento do tema, mas representa árvore a produzir dez frutos, quando poderia gerar mil. </li></ul>
  19. 19. PREPARAÇÃO IMPROVISAÇÃO <ul><li>Improvisar é falar aquilo que já se tem por muito bem pensado. Só improvisa quem tenha conhecimentos sobre o assunto. Achar o que é preciso dizer é o mesmo que já ter dito o que vai dizer. E preparar é alicerçar-se para eventuais improvisos, e improvisar é falar sobre o que já se preparou. Por isso, a preparação é imprescindível. Como preparar e proferir uma palestra: </li></ul><ul><li>  </li></ul>
  20. 20. COMO PREPARAR E PROFERIR UMA PALESTRA <ul><li>ESCOLHER O TEMA: Caso já não tenha sido determinado. O expositor deve evitar abordagem de assuntos que desconheça ou do quais lhe falte experiência. O expositor responsável apenas abordará um tema difícil, em relação às suas possibilidades, se dispuser de tempo suficiente para pesquisá-lo e preparar sua alocução. </li></ul>
  21. 21. COMO PREPARAR E PROFERIR UMA PALESTRA <ul><li>PESQUISAR NA BIBLIOGRAFIA DISPONÍVEL: Selecionando textos e páginas. </li></ul><ul><li>ESTUDAR METODICAMENTE AS PÁGINAS OU LIVROS ESCOLHIDOS: Selecionando as idéias que podem servir para a palestra. </li></ul>
  22. 22. COMO PREPARAR E PROFERIR UMA PALESTRA <ul><li>FORMULAR A IDÉIA MÃE: Definindo a abordagem que o tema receberá na exposição. </li></ul><ul><li>ESBOÇAR OU ESCREVER A PALESTRA: Prevendo INTRODUÇÃO, DESENVOLVIMENTO E CONCLUSÃO, tendo em vista a finalidade de cada uma dessas partes. </li></ul>
  23. 23. COMO PREPARAR E PROFERIR UMA PALESTRA <ul><li>CONCLUSÃO: Na conclusão é recomendável alguns destes recursos: Levantar uma reflexão, fazer uma citação, apelar para a ação, provocar o arrebatamento, aludir a ocasião, contar um fato histórico. </li></ul>
  24. 24. O ORADOR E A ATENÇÃO PARA: <ul><li>A EXPRESSÃO CORPORAL: A naturalidade do gesto: Posição das pernas, os movimentos das mãos, posição da cabeça, comunicação do semblante . </li></ul><ul><li>CONHECER O PÚBLICO QUE IRÁ OUVI-LO: Idade, sexo, níveis sociais e culturais, ambiente, acomodação e tamanho, expectativa, linha de pensamento e conhecimento do assunto. </li></ul>
  25. 25. O QUE O ORADOR NÃO DEVE FAZER <ul><li>Pedir desculpas ao auditório; contar piadas desinteressantes; fazer perguntas ao auditório; começar com palavras vazias, desprovidas de objetividade; firmar posição sobre assunto polêmico; usar chavões ou frases vulgares. </li></ul>
  26. 26. O QUE O ORADOR DEVE FAZER <ul><li>Aproveitar circunstâncias de lugar, de tempo e de pessoa; aludir à ocasião; fazer uma citação; dar uma informação que cause impacto no auditório; definir um termo, uma idéia, uma filosofia ou uma situação, cumprimentar o auditório (vocativo). </li></ul>
  27. 27. SÍNTESE <ul><li>1) Antes de iniciar sua apresentação, respire bem e procure deixar o corpo relaxado; </li></ul><ul><li>2) Pesquise, estude, enfim, prepare-se bem e com antecedência. É mais fácil ser convincente quando se domina o assunto; </li></ul><ul><li>3) Cumprimente a platéia; </li></ul>
  28. 28. SÍNTESE <ul><li>4)Transmita confiança aos seus ouvintes. Mostre firmeza e determinação. Fale com entusiasmo; </li></ul><ul><li>5) Não decore sua apresentação. Fale de forma espontânea; </li></ul><ul><li>6) Exponha o assunto de maneira clara e objetiva, sem repetições; </li></ul>
  29. 29. SÍNTESE <ul><ul><li>7) Ao elaborar sua apresentação, observe inicialmente o público que o assistirá. Escreva para ele e de acordo com ele; </li></ul></ul><ul><ul><li>8) Evite gírias, expressões vulgares, cacoetes e piadas; </li></ul></ul><ul><li>9) Não use termos que denotem intimidade com o público, tais como: meu coração, minha querida, dentre outros; </li></ul>
  30. 30. SÍNTESE <ul><li>10) Não perca a oportunidade de falar. A prática e o exercício é que lhe proporcionarão confiança. </li></ul>
  31. 31. BIBLIOGRAFIA <ul><li>BARBOSA, Osmar. A arte de falar em público. Rio de Janeiro: Tecnoprint, s.d. 296p. </li></ul><ul><li>BUENO, Silveira. A arte de falar em público. São Paulo: Revista dos Tribunais, 1933. 222p. </li></ul><ul><li>POLITO, Reinaldo. Como falar corretamente e sem inibições 92. Ed. São Paulo: Saraiva, 238 p. </li></ul>

×