• Share
  • Email
  • Embed
  • Like
  • Save
  • Private Content
Esclarecimento de dúvidas
 

Esclarecimento de dúvidas

on

  • 340 views

 

Statistics

Views

Total Views
340
Views on SlideShare
330
Embed Views
10

Actions

Likes
0
Downloads
2
Comments
0

1 Embed 10

http://sebentadefilosofia.wordpress.com 10

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft Word

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    Esclarecimento de dúvidas Esclarecimento de dúvidas Document Transcript

    • O que defende o indeterminismo? Que um acontecimento é uma consequência provável – mas não inevitável – de causas anteriores. Assim, na perspetiva indeterminista dizer que um acontecimento tem uma causa não implica que aquele seja um efeito inevitável desta. Acontecem então devido a quê? À intervenção do acaso. Ora se a ação livre resultasse da intervenção do acaso, não poderíamos dizer que derivou das nossas deliberações, que foi obra da nossa vontade. Uma ação livre sem agente que seja o seu autor não faria sentido. Não há opção quando o acaso decide as coisas. O que defende o libertista? Que as nossas ações resultam das nossas deliberações e conforme o que deliberamos assim optamos por um curso de ação em vez de outro. Por outras palavras, agimos de uma maneira mas poderíamos, caso o quiséssemos, agir de modo diferente. O determinista moderado também defende que as nossas ações são livres – apesar de também determinadas. Contudo, uma coisa é dizer que resultam de um processo deliberativo e outra que resultam de causas internas como as crenças e os desejos do agente. Com efeito, neste caso resultam da nossa maneira de ser – que é determinada pelo meio e por factores genéticos e hereditários – e dizer que poderíamos fazer uma coisa em vez de outra parece implicar que teríamos de ter outra personalidade. O que é o determinismo? O determinismo é a teoria filosófica segundo a qual todos os acontecimentos do mundo fazem parte de uma cadeia causal sendo cada um o desfecho necessário de acontecimentos anteriores. Todos os acontecimentos estão submetidos a leis causais ou naturais. O mundo é uma rede de causas e efeitos podendo um acontecimento ser efeito de uma causa e causa de outro efeito. Constitui–se assim uma sequência causal necessária a que nada escapa. Quando se caracteriza o determinismo mediante a fórmula «Tudo tem uma causa» afirma – se que «Todos os acontecimentos do mundo são efeitos de causas anteriores». Por isso, o que agora acontece resulta necessariamente do que antes aconteceu. O que defende o determinista radical? O determinismo radical nega que as nossas ações sejam livres. As nossas ações são o resultado inevitável de causas anteriores pelo que é ilusão pensar que ao deliberar e decidir temos realmente várias alternativas. O determinista radical defende que a educaçaõ recebida e o património genético herdado são, em vez do agente, a origem última da ação. Logo, não há livre-arbítrio. Só haveria liberdade se o agente tivesse a última palavra e essa pertence, contudo, aos factores do seu passado que ele não controla.
    • Qual é a diferença entre o determinista moderado e o radical? O que, segundo o determinismo moderado, distingue ações livres de ações não - livres é a natureza das causas que estão na sua origem: as ações livres têm causas internas ou psicológicas (desejos, crenças) ao passo que as ações não-livres têm causas externas. Vemos aqui a diferença entre o determinista moderado e o radical. Este considera que uma ação livre seria uma ação sem qualquer causa (o que não admite por não ser cientificamente credível ou respeitável). O determinista moderado concebe a liberdade de outro modo: livre é a ação que tem como causa os desejos e crenças de um indivíduo, isto é, uma ação cuja causa não são forças externas ao agente. Assim se alguém, apontando-me uma pistola à cabeça, me força a assaltar a casa do meu vizinho, a causa imediata da ação é externa. A ação é realizada por mim, mas a sua origem não está em mim. Trata - se de uma ação compelida, contrária aos meus desejos (não quero assaltar a casa do vizinho) e às minhas crenças (considero errado ou perigoso roubar). Tipos de Valores: 1) Espirituais 1. VALORES ÉTICOS: os que dizem respeito às normas ou critérios de conduta moral, e cujo suporte é constituído por algo de real. Exemplos: Solidariedade, Honestidade, Verdade, Lealdade, Bondade, Altruísmo. etc. 2. VALORES ESTÉTICOS: os que dizem respeito à expressão e cujo suporte é constituído por algo de irreal (aparência). Exemplo: Harmonia, Belo, Feio, Sublime, Trágico. 3. VALORES RELIGIOSOS: os que dizem respeito à relação do homem com a transcendência. Exemplos: Sagrado, Pureza, Santidade, Perfeição. 4. VALORES POLÍTICOS: Justiça, Igualdade, Imparcialidade, Cidadania, Liberdade. 5. VALORES LÓGICOS: 1) Função do conhecimento: (o saber, a posse da verdade )2) Conteúdo do conhecimento (conceitos verdadeiro-falso). 2) SENSÍVEIS 6. Os valores do agradável e do prazer: abragem não só todas as sensações de prazer e satisfação, como tudo aquilo que é apto aprovocá-las (vestuário, comida, bebidas, etc.). 7. Os Valores vitais ou da vida: são aqueles valores de que é portadora a vida (Bios). Cabem aqui o vigor vital, a força, a saúde, etc. 8. Os Valores de utilidade (económicos): dizem respeito a tudo aquilo que serve para a satisfação das nossas necessidades da vida (comida, vestuário, habitação, etc.) e ainda aos instrumentos que servem para a criação destes bens.