Apresentação final
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Apresentação final

on

  • 421 views

 

Statistics

Views

Total Views
421
Views on SlideShare
290
Embed Views
131

Actions

Likes
0
Downloads
1
Comments
0

2 Embeds 131

http://beisabelpires.blogspot.pt 128
http://beisabelpires.blogspot.com 3

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

Apresentação final Apresentação final Presentation Transcript

  • LER OU NÃO LER…VAMOS LÁ VEROs livros didácticos Braille sua perspectiva evolutiva Formanda: Isabel Cristina Pires Ano Letivo 2011 /2012
  • RESUMO:Através deste artigo pretendemos abordar, numa óptica evolutiva, aimportância que o livro didáctico tem assumido ao longo dostempos e o seu papel junto dos alunos portadores de deficiênciavisual, na perspectiva de uma melhor compreensão da relevânciado livro Braille, tanto em contexto escolar como fora dele. Opresente estudo, baseia-se numa pesquisa documental e emobservações directas aos alunos que frequentam o primeiro ciclono Instituto Helen Keller.
  • INTRODUÇÃOO objectivo do presente estudo consistirá em lançar um olhar sobre aprática da leitura do cidadão invisual e dissecar uma perspectivaevolutiva do livro didáctico em Braille sendo ainda o principalinstrumento pedagógico. Segundo Silva (2006, p.55) “ O livro didácticosempre foi e continua a ser uma ferramenta primordial no ensino”.Apesar de todas as discussões em torno da validade dele comoinstrumento do processo de ensino aprendizagem, as escolas,especialmente as públicas, adoptam-no, na sua maioria como suportematriz para o ensino das disciplinas básicas, facto que demonstra que olivro didáctico foi e continua a ser um material educacional de crucialimportância para o exercício de aquisição do saber.
  • 1. A Inclusão da Pessoa Invisual no actual Sistema EducativoO processo de inclusão começa a fazer sentido para o deficientevisual, segundo (Lemos, 2003), quando lhe permite uma “participaçãoactiva junto a um grupo social”, ainda assim percebe-se que asaprendizagens da pessoa invisual dependem grandemente do seu“esforço” para optimizar as suas competências.Segundo, o Sistema Educativo Português exige-se que “as escolas dehoje sejam impulsionadoras e promotoras da inclusão de crianças comdeficiência e do sucesso educativo dos alunos com necessidadeseducativas especiais, assim como, conceber, produzir e distribuirmateriais didácticos de apoio à docência” (Portaria nº 360, 30 deMarço de 2007).
  • 2.Evolução Histórica do Livro Didáctico para Invisuais Séc. XVI - Realizaram-se os primeiros estudos através do tacto.1784- Foi desenvolvido um sistema de lcom letras comuns. Surge a primeiraescola de cegos em Paris. Leitura em relevo1812- Utilizando como método de aprendizagem o sistema “Valentin Hauy”.Consistia em traçar em revelo o alfabeto vulgar de forma que as letras fossempercebidas pelos dedos. Para a escrita de provas ortográficas serviam-se decaracteres móveis.Anos mais tarde Barbie desenvolve a escrita nocturna sem lápis e sem tinta.Inventou-se um pequeno instrumento através do qual, com auxílio de umestilete podiam gravar-se no papel símbolos sonográficos .Agora é possíveldecifrar mensagens no escuro, contando os pontos com os dedos.1825- Neste ano, surge o sistema Braille . Louis Braille criou uma convençãográfica atribuindo a cada símbolo um valor ortográfico e não fonético.
  • 1829 - Foi publicada a primeira edição do seu processo para escrita depalavras e música, por meio de pontos.1830 este sistema começou a ser implementado nas aulas para a escritade exercícios.Nos anos 30 inicia-se o processo de alfabetização, educação, criação deimprensas e bibliotecas para cegos.Entre 1840 e 1850, o braille afirma-se na música em que o texto literalaparece em caracteres ordinário em alto revelo e a música em notaçãobraille.Em 1944 a biblioteca conta já com uma sala de leitura e livros faladosprincipalmente livros didácticos de tinta ainda não transcritos para Braille.Hoje em dia os alunos recorrem preferencialmente a textos introduzidosno computador, que ouvem com recurso à voz sintética, ou servem-se deleituras em gravações de fita magnética (livros sonoros).
  • 3. Livros em novos formatos. Do livro acessível ao livro tecnológico “Quando quero ler, eu ouço. Pago a uma pessoa para gravar os livros em fitas e depois, quando sinto vontade, coloco-as para tocar”. (Oscar Niemeyer) A partir dos anos 90 são muitos os recursos no ensino de deficientesvisuais. Estima-se que “cerca de 180 milhões de pessoas tenham algumadeficiência entre as quais cerca de 50 milhões são cegas.” (http://www.jmonline.com.br/novo/?noticias,7,SA%DADE,11492, 2009 ) Hoje, existe uma diversidade de recursos vinculados à introdução denovas Tecnologias de Informação e Comunicação (TIC´s) como:Reglete e Punção, Sorobã, Livro Didáctico Adaptado, Livro Falado, LivrosDigitais em Texto, Livros Áudio, Livros no Formato DAISY, Sistema Dosvox,Virtual Vision, Software JAWS.