Treinamentos
MOD TIVB-01Módulo VoIP Fundamentos
Módulo 01 – MODTIVB-01  Objetivo do Curso  Este curso tem como objetivo proporcionar uma introdução aos fundamentos VoIP. ...
1. VoIPO VoIP sigla que deriva do inglês “Voice Over IP”, tecnologia que permite adigitalização e codificação de voz em pa...
Alguns elementos motivadores possuem bastante peso quando pensamos emmigrar para uma solução VoIP:Ligações de Longa distâ...
Como o VoIP funciona?Existem muitas definições de como o VoIP opera, porém existem poucosdocumentos que explicam como o Vo...
Principais Questões sobre o VoIPQualidade da VozComo o protocolo IP foi criado para transportar dados sem preocupação com ...
O controle da qualidade de voz pode ser implementado de diversas formas, etudo começa pelo roteador de acesso, e o seu dev...
InteroperabilidadeEm um ambiente de rede pública, produtos de diferentes fabricantes precisamoperar uns com os outros se p...
SegurançaQuando tratamos de uma grande rede como a internet, a segurança que hoje fazparte de nosso mundo de dados, deve s...
No caso de redes de telefonia interna de grandes corporações, a segurança econtrole de qualidade pode ser mais facilmente ...
Integração com a Telefonia PúblicaEnquanto o mundo da Telefonia VoIP amadurece, temos que agir em funçãotambém da telefoni...
EscalabilidadeOs desenvolvedores trabalham incessantemente para proporcionar dispositivos eaumento de capacidade que igual...
Operação VoIPO processo como o VoIP trabalha é extremamente simples:Primeiramente, a voz é digitalizada utilizando-se um A...
Para ter uma comunicação VoIP temos os seguintes passos:1. A voz humana é convertida em sinais digitais (bits).2. Os bits ...
2. DefiniçõesCODECS (Codificador/Decodificador)Depois do processo de digitalização da voz em dados, precisamos converteres...
Padrões de CodecsITU-T G.711 (PCM – Pulse Code Modulation)G.723 (MP-MLQ speech coding at 6,3(5,3) kbit/s rate)G.726-16 ...
É importante lembrar que nem todos os codecs são gratuitos, o G.729 e o G.723,por exemplo, devem ser licenciados para a ut...
3. ProtocolosProtocolos de Comunicação e SinalizaçãoRTPRTCPSDPSIPH.323MGCP
Protocolo de TransporteRTP (Real-Time Protocol)RTCP (Real-Time Control Protocol)
O VoIP não utiliza TCP para trafegar os dados e sim UDP sobre IP.O UDP, por não ser um protocolo orientado a conexões, não...
O Protocolo RTPO RFC 1889 intitulado “A Transport Protocol for Real-Time Applications” defineum protocolo que fornece um s...
O RTP (transporte de dados) tem as seguintes características:É executado fim-a-fim;Transporta dados em tempo real: Strea...
O cabeçalho RTPO cabeçalho RTP é exibido abaixo:
Um exemplo de uso do RTP é visto na RFC 1889 (pg 5), onde ele é utilizadopara efetivação de uma conferência de áudio em mu...
O cabeçalho RTP indica o tipo de codificação de áudio (PCM, ADPCM, MP3)que está contida no pacote, a fim de que os partici...
O Protocolo RTCPO protocolo RTCP (RTP Control Protocol) tem por objetivo fornecer feedbacksobre a qualidade de serviço na ...
Para contribuir com o protocolo RTP o RTCP utiliza os seguintes cinco tiposde pacotes detalhados:SR (Sender Report) - cont...
H.323H.323 é uma das recomendações da ITU Telecommunication StandardizationSector (ITU-T) que se encontra na sessão H que ...
O H.323 foi o primeiro padrão VoIP à adotar os padrões IETF (InternetEngineering Task Force) e RTP para transporte de áudi...
O Protocolo SIPSIP (Session Initiation Protocol - Protocolo de Inicio de Sessão) inscrito naRFC 3261 é um protocolo basead...
O SIP utiliza elementos chamados Proxy Servers que auxiliam as requisiçõesde roteamento para localizar, autenticar e autor...
O Protocolo SIP possui cinco funções para iniciar, estabelecer e terminarcomunicações Multimídia:Localização de usuário: ...
Os destinatários no SIP são representados com URI (Uniform ResourceIndicators) o qual tem o mesmo formato de um endereço e...
Requisições SIPINVITE (convidar) = Estabelece uma sessãoACK (confirmar) = Confirma o comando CONVIDARBYE (encerra) = Final...
SDP – Session Description ProtocolO SDP (Protocolo de Descrição de Sessão) é um protocolo que étransportado no corpo de um...
Respostas SIPOs requerimentos do SIP acionam respostas que constam das 6 classes aseguir:1xx = respostas de informações, t...
Fluxo SIPDescrição:Usuário A envia um INVITE (chama o usuário através deseu numero, ramal)Usuário B envia uma mensagem do ...
Registro de Usuário (REGISTER)                        REGISTER sip:192.168.1.10 SIP/2.0                        To: DISC-OS...
Observe que o usuário “Cacs” é o solicitante para o Servidor “192.168.1.10”:           To: DISC-OS<sip:Cacs@192.168.1.10> ...
Padrões SIP - IETF RFCsRFC3261        Core SIP specification – obsoletes RFC2543RFC2327        SDP – Session Description P...
4. Operadoras VoIPConhecendo as OperadorasExistem hoje muitas Operadoras VoIP, entre estas, existem as que sedestacam por ...
PSTN - Public switched Telephony NetworkRede de Telefonia Pública ComutadaA grande maioria dos telefones no mundo até hoje...
POTS - Plain Old Telephone Service LineA conexão residencial mais comum para PSTN no Brasil ainda é a linhaPOTS. Serviços ...
ISDN - Integrated Services Digital NetworkRede Digital de Serviços IntegradosISDN é uma rede toda digital que tem estado d...
Uma interface BRI tem 3 canais: 1 canal D e 2 canais B. Portanto, 2chamadas telefônicas podem estar em progresso por vez e...
Enquanto o T1 é uma linha com 24 canais, muito empregada nos USA, noBrasil empregamos o E1, com 30 canais digitais.Cada ca...
Fontes e Referências:http://www.itu.int/rec/T-REC-H.323/enhttp://www.gnugk.org/http://www.ietf.org/rfc/rfc3261.txthttp://s...
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Modtivb 01

482

Published on

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
482
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
6
Actions
Shares
0
Downloads
9
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Modtivb 01

  1. 1. Treinamentos
  2. 2. MOD TIVB-01Módulo VoIP Fundamentos
  3. 3. Módulo 01 – MODTIVB-01 Objetivo do Curso Este curso tem como objetivo proporcionar uma introdução aos fundamentos VoIP. Público Alvo Este módulo destina-se a profissionais interessados em implantações e administração de redes de Telefonia IP e que buscam conhecimentos introdutórios em tecnologia VoIP, e que necessitam consultar um glossário de informações inicial. Pré-requisitos Para este curso é necessário o conhecimento mínimo de Redes e Sistemas operacionais.
  4. 4. 1. VoIPO VoIP sigla que deriva do inglês “Voice Over IP”, tecnologia que permite adigitalização e codificação de voz em pacotes IP, utilizando para transmissão arede de comutação de pacotes IP ou Internet.Você provavelmente já se deparou com o VoIP em algum momento...Quando utilizando Skype, MSN ...Todas estas são aplicações que utilizam os protocolos da estrutura VoIP,integrando vídeo, texto e áudio (conferência).
  5. 5. Alguns elementos motivadores possuem bastante peso quando pensamos emmigrar para uma solução VoIP:Ligações de Longa distância com custo de ligação localIntegração de Voz e Dados em uma única redeDemanda por comunicação MultimídiaIntegração das comunicações da empresa sob um estrutura física e lógicaunificadaGerenciamento unificadoAdministração integrada da Telefonia e da Rede LocalDomínio das aplicações, regras e direitos de usuáriosAmpliação dos usos da telefonia e maior flexibilidade, mobilidade e eficiência nacomunicação dentro e fora da empresa
  6. 6. Como o VoIP funciona?Existem muitas definições de como o VoIP opera, porém existem poucosdocumentos que explicam como o VoIP deve ser implementado, de forma segurae garantindo a Qualidade de Serviço.Isto acontece por não existir qualquer capítulo de “introdução ao VoIP,” e muitosprofissionais acabam tendo pouco tempo para se dedicar ao estudo conceitual, oque acaba acarretando em um serviço errático e às vezes deficiente, motivo peloqual até hoje muitas empresas não confiam nos serviços de VoIP.
  7. 7. Principais Questões sobre o VoIPQualidade da VozComo o protocolo IP foi criado para transportar dados sem preocupação com o“tempo real”, este protocolo não oferece uma garantia inerente de qualidade deserviço, apenas o “serviço de melhor esforço” (best effort services).Atualmente aceita-se que a qualidade da telefonia IP em ligações entrantes esaintes para o mundo exterior possua uma qualidade “entre” o celular e a linhafísica, embora seja possível, tecnicamente, que esta qualidade até mesmosupere a da linha física.Como o IP não foi desenhado para transportar voz, foi preciso desenvolver outrosprotocolos e mecanismos que pudessem garantir a qualidade da voz.
  8. 8. O controle da qualidade de voz pode ser implementado de diversas formas, etudo começa pelo roteador de acesso, e o seu devido “tuning” de QoS.A rigor, podemos gerenciar a qualidade do serviço até a Operadora, caso existaum link dedicado até ela, ou por meio de um sistema de gerenciamento quecalcule as perdas e variações.A qualidade do link e a efetividade de banda, bem como sua velocidade, além docontrole de QoS oferecem garantia até a borda, deixando todo o resto a cargo dogerenciamento efetivo. Porém, quando entregamos os pacotes à “Grande Rede”,diretamente, perde-se este controle e não haveria como garantir a qualidade. Aintegração e projeto com a Operadora podem ser feitos de várias formas, mas nofinal, será tudo uma questão de custo/benefício.
  9. 9. InteroperabilidadeEm um ambiente de rede pública, produtos de diferentes fabricantes precisamoperar uns com os outros se pretendermos que a utilização de VoIP seja factívelentre os usuários.Para que haja interoperabilidade, é necessário a existência de padrões, entreestes os mais comuns hoje são o H.323 e o SIP, sendo este último o maisempregado nos serviços prestados por Operadoras de VoIP.O SIP é um protocolo aberto, e que será abordado mais à frente.
  10. 10. SegurançaQuando tratamos de uma grande rede como a internet, a segurança que hoje fazparte de nosso mundo de dados, deve ser também considerada para esse mundoVoIP.Imagine os pacotes de voz trafegando através da Internet livremente, e quepodem ser interceptados por alguém mal intencionado. Não é muito difícilremontar estes pacotes e regenerar a conversação. Alguns programinhas atéfazem isto automaticamente...Portanto, em uma rede livre, em tese, os pacotes estão sujeitos à “escuta”.
  11. 11. No caso de redes de telefonia interna de grandes corporações, a segurança econtrole de qualidade pode ser mais facilmente obtido, empregando-se acessoVPN.É possível controlar o acesso de usuários remotos e externos também através deVPNs.No caso de Service Providers, ou Grandes Redes de Telefonia, podem serempregados dispositivos denominados SBC s, Session Border Controlers, quetambém podem resolver questões como o NAT Traversal.
  12. 12. Integração com a Telefonia PúblicaEnquanto o mundo da Telefonia VoIP amadurece, temos que agir em funçãotambém da telefonia antiga, ou legada, onde por um bom tempo ainda seremosobrigados a integrar ambas tecnologias para prover o Serviço Tradicional deTelefonia e integrar o mundo VoIP de baixo custo em ligações de longa distância.Esta é a Telefonia IP híbrida, quando se faz o uso de tecnologias e equipamentosque interagem, integram e permutam entre os mundos da Telefonia tradicional,legada, e o mundo novo e constantemente em mutação, da Telefonia IP.
  13. 13. EscalabilidadeOs desenvolvedores trabalham incessantemente para proporcionar dispositivos eaumento de capacidade que iguale ou supere a Telefonia Convencional.Uma rede VoIP, ou Telefonia IP, possui uma escalabilidade inerente muito maior eflexível para o aumento em grandes proporções que a telefonia analógica, vistoque toda a infraestrutura de redes disponível, assim como Wireless, pode serempregada em uma única rede IP.
  14. 14. Operação VoIPO processo como o VoIP trabalha é extremamente simples:Primeiramente, a voz é digitalizada utilizando-se um ADC (Analog to DigitalConverter), e em seguida este sinal digital é empacotado e transmitido via meios,normalmente o IP, já utilizados para trafegar dados (internet por exemplo). Aochegar à ponta receptora, o processo é feito de forma reversa, agora seutilizando um DAC (Digital to Analog Converter) para converter o sinal digital emanalógico.Em resumo, no VoIP digitaliza-se a voz em pacotes de dados, transmite-se ereconverte-se em voz novamente em seu destino.A imagem abaixo exemplifica este processo:Voz (origem) -> ADC -> Internet -> DAC -> Voz (destino)
  15. 15. Para ter uma comunicação VoIP temos os seguintes passos:1. A voz humana é convertida em sinais digitais (bits).2. Os bits são ordenados e codificados segundo uma compressão ideal para a transmissão (Codecs), e transformados em pacotes UDP, sob o protocolo IP.3. Os pacotes de voz inseridos em pacotes de dados UDP são priorizados e tratados segundo o RTP (Real-time Protocol), do IP.4. Utiliza-se um protocolo de sinalização sobre o IP (SIP, H.323 ou MGCP, por exemplo), que é quem controla cada conexão (ligação).5. No destino, os pacotes são desempacotados, os dados são extraídos e convertidos em sinais de voz analógicos - nossos ouvidos serão sempre “analógicos”, lembre-se, novamente.
  16. 16. 2. DefiniçõesCODECS (Codificador/Decodificador)Depois do processo de digitalização da voz em dados, precisamos converteresses pacotes em um formato padrão para que seja rapidamente transmitido,para isto utilizamos os chamados CODECs (Codificador-Decodificador).Os Codecs são algoritmos que codificam e comprimem um fluxo de dados digitalderivado da voz humana.A ideia é permitir a transmissão da conversação original com a máximacompressão de dados e a mínima perda de fidelidade. Por este motivo, existemvários tipos de CODECs que são empregados de acordo com a infraestrutura detransmissão de dados disponível.
  17. 17. Padrões de CodecsITU-T G.711 (PCM – Pulse Code Modulation)G.723 (MP-MLQ speech coding at 6,3(5,3) kbit/s rate)G.726-16 (ADPCM speech coding at 16 kbit/s rate)G.726-32 (ADPCM speech coding at 32 kbit/s rate)G.726-24 (ADPCM speech coding at 24 kbit/s rate)G.729a (CS-ACELP speech coding at 8 kbit/s rate) (preferred)G.711a (PCM audio coding standard, 8 kHz sample rate, 8 bits, 64 kbit/s datarate)G.711u (PCM audio coding standard, 8 kHz sample rate, 8 bits, 64 kbit/s datarate)
  18. 18. É importante lembrar que nem todos os codecs são gratuitos, o G.729 e o G.723,por exemplo, devem ser licenciados para a utilização.O Consumo de banda é um fator que deve ser levado em consideração, pois umcodec como o G.729, por exemplo, consome em média 30 kbps, apenas para opayload (carga de voz), além deste consumo existe ainda o consumo em relaçãoao trafego de rede, onde este é encapsulado usando cabeçalhos de rede, motivopelo qual consideramos 45Kbps em média como a reserva de banda necessáriapara cada canal de voz ativo.
  19. 19. 3. ProtocolosProtocolos de Comunicação e SinalizaçãoRTPRTCPSDPSIPH.323MGCP
  20. 20. Protocolo de TransporteRTP (Real-Time Protocol)RTCP (Real-Time Control Protocol)
  21. 21. O VoIP não utiliza TCP para trafegar os dados e sim UDP sobre IP.O UDP, por não ser um protocolo orientado a conexões, não faz controle sobre aordem de entrega dos pacotes ou confirmações do mesmo.A ideia é converter, encapsular e encaminhar o pacote em tempo real.O Protocolo RTP resolve estes problemas permitindo que o receptor coloque ospacotes na ordem correta e não espere muito tempo pelos pacotes que podemter sido perdidos ou que levem muito tempo a chegar.Não é necessário que o fluxo venha na mais alta velocidade, pois todo pacoteprecisa vir mesmo é um de cada vez, de forma contínua, ordenada e em temporeal, com a mínima perda. É mais uma questão de controle e gerenciamento doque velocidade.
  22. 22. O Protocolo RTPO RFC 1889 intitulado “A Transport Protocol for Real-Time Applications” defineum protocolo que fornece um serviço de transporte de dados com característicasde tempo real, dentre os quais são exemplos o áudio e vídeo interativo.O RTP tem dois componentes:O próprio RTP, responsável pela transferência de dados;Um protocolo de controle (RTCP – RTP Control Protocol), responsável pelamonitoração da Qualidade de Serviço e pelo envio de informação sobre osparticipantes numa sessão;
  23. 23. O RTP (transporte de dados) tem as seguintes características:É executado fim-a-fim;Transporta dados em tempo real: Streaming, InterativosNão opera com confiabilidade de entrega;Inclui as seguintes funções:Timestamping (para compensação do jitter em pacotes do mesmo stream)Numeração sequencial (para detecção de perdas e reordenação)Identificação do tipo de payload (para descrever o tipo de codificação usado nopayload)Identificação da fonte (em sessões multicast)
  24. 24. O cabeçalho RTPO cabeçalho RTP é exibido abaixo:
  25. 25. Um exemplo de uso do RTP é visto na RFC 1889 (pg 5), onde ele é utilizadopara efetivação de uma conferência de áudio em multicast.No início são alocadas duas portas UDP (uma para dados RTP e outra paracontrole RTCP) e um endereço IP multicast.Essa informação é transmitida para todos os participantes.A aplicação utilizada pelos participantes envia o áudio em pequenosfragmentos de 20ms de duração, cada um deles com um cabeçalho RTP, queé transmitido via UDP na porta especificada anteriormente.
  26. 26. O cabeçalho RTP indica o tipo de codificação de áudio (PCM, ADPCM, MP3)que está contida no pacote, a fim de que os participantes possam trocar acodificação para permitir a entrada de um novo participante que estáconectado através de uma linha lenta.Para pacotes que chegam em ordem trocada, o número de seqüência ajudana reorganização da informação.Já para atrasos variáveis na rede, a informação de timestamp vai ajudar oreceptor a dimensionar o buffer de recepção, a fim de evitar truncamentos naconversa.
  27. 27. O Protocolo RTCPO protocolo RTCP (RTP Control Protocol) tem por objetivo fornecer feedbacksobre a qualidade de serviço na distribuição de dados RTP, e consegue issoatravés de transmissões periódicas de pacotes de controle a todosparticipantes da sessão RTP.Suas funções são:Feedback sobre a Qualidade de ServiçoSincronização entre meiosIdentificação dos participantes na sessãoControle da sessão
  28. 28. Para contribuir com o protocolo RTP o RTCP utiliza os seguintes cinco tiposde pacotes detalhados:SR (Sender Report) - contém um relatório de envio e recebimento de pacotesRTP por participantes ativosRR (Receiver Report) - contém um relatório de recebimento de pacotes RTPpor participantes que não são fontes ativasSDES (Source Description Items)pacote descritivo do participante e inclui a informação do seu CNAME.BYE - Indica a saída deste participante da comunicaçãoAPP - Contém funções específicas da aplicação
  29. 29. H.323H.323 é uma das recomendações da ITU Telecommunication StandardizationSector (ITU-T) que se encontra na sessão H que define "SistemasAudiovisuais e Multimídia".As recomendações do H.323 que definem o protocolo que prove sessões decomunicação audiovisuais em qualquer rede baseada em pacotes.Sua implementação se estende a equipamentos de voz e videoconferência,utilizado com diversas aplicações em tempo real e é estendido também àsempresas e provedores de serviços do mundo todo com seus serviços de voze vídeo sobre redes IP.É um protocolo mais antigo e robusto, muito empregado nas redes detelefonia interna das empresas.
  30. 30. O H.323 foi o primeiro padrão VoIP à adotar os padrões IETF (InternetEngineering Task Force) e RTP para transporte de áudio e vídeo via redes IP;Outras recomendações estão juntas ao H.323: H.225.0, H.245, H.246, H.283,H.341, H.450 Series, H.460 Series, e H.500 SeriesAs entidades H.323 podem se comunicar através de conexão ponto a ponto,sobre um único segmento de rede, ou em uma internetwork com múltiplossegmentos e topologias complexas.Em H.323, pode se utilizar Gatekeepers, que são serviços de tradução deendereços e provem controle de admissão. Um exemplo de Gatekeeper quepode ser encontrado é o GNUGK, open source e bastante utilizado por muitasorganizações.
  31. 31. O Protocolo SIPSIP (Session Initiation Protocol - Protocolo de Inicio de Sessão) inscrito naRFC 3261 é um protocolo baseado em texto, similar ao HTTP e o SMTP.O SIP é um protocolo “leve” da camada de aplicação, criado para iniciar,modificar e terminar sessões com um ou mais participantes.Suas sessões incluem chamadas telefônicas via internet, distribuiçãomultimídia e conferências.
  32. 32. O SIP utiliza elementos chamados Proxy Servers que auxiliam as requisiçõesde roteamento para localizar, autenticar e autorizar serviços aos usuários,implementação de políticas de roteamento de chamadas, e proverfuncionalidades aos usuários.O SIP também prove uma função de registro que permite aos usuáriosenviarem suas localizações por uso de um servidor proxy.O protocolo SIP roda no topo de diversos protocolos de transporte.
  33. 33. O Protocolo SIP possui cinco funções para iniciar, estabelecer e terminarcomunicações Multimídia:Localização de usuário: determinação do endereço a ser usado para acomunicação.Disponibilidade do usuário: determinação da disponibilidade dointerlocutor de entrar na comunicação;Capacidades do usuário: determinação da mídia e parâmetros a serusados;Estabelecimento da chamada (call setup): estabelecimento dosparâmetros de chamada entre participantes (quem faz e quem recebe).Gerenciamento de Sessão: inclui transferência e término de chamadas,modificação dos parâmetros da sessão.
  34. 34. Os destinatários no SIP são representados com URI (Uniform ResourceIndicators) o qual tem o mesmo formato de um endereço e-mail.Isto implica a utilização de um Domain Name Services (DNS) para mapearnomes de hosts e domínios para endereços IP.Componentes do SIPUser AgentsClients – Make requestsServers – Accept requestsServer typesRedirect ServerProxy ServerRegistar ServerLocation Server
  35. 35. Requisições SIPINVITE (convidar) = Estabelece uma sessãoACK (confirmar) = Confirma o comando CONVIDARBYE (encerra) = Finaliza uma sessãoCANCEL (cancelar) = Cancela a sessão ainda não respondidaREGISTER (registro) = Informa a localização do usuário (nome do usuário,IP)OPTIONS (opções) = Informa a capacidade e disponibilidade dos telefonesde chamada e recebimento SIP
  36. 36. SDP – Session Description ProtocolO SDP (Protocolo de Descrição de Sessão) é um protocolo que étransportado no corpo de uma mensagem SIP.O SDP é o encarregado de descrever as sessões.
  37. 37. Respostas SIPOs requerimentos do SIP acionam respostas que constam das 6 classes aseguir:1xx = respostas de informações, tais como 180, que significa chamando2xx = respostas de confirmação, 200 OK3xx = respostas de redirecionamento4xx = comandos não realizados5xx = erros do servidor6xx = erros globais
  38. 38. Fluxo SIPDescrição:Usuário A envia um INVITE (chama o usuário através deseu numero, ramal)Usuário B envia uma mensagem do tipo 180, indicandoque o telefone está “chamando”. Em seguida o usuário Benvia uma mensagem do tipo 200 OK (estabelecendo acomunicação).Usuário A então envia uma mensagem ACK, confirmandoo estabelecimento da sessão.Enquanto os usuários falam, mensagens RTP sãotrafegadas.Quando o Usuário A desliga o telefone, ele envia umamensagem BYE para indicar para o outro lado que estáencerrando a sessão.
  39. 39. Registro de Usuário (REGISTER) REGISTER sip:192.168.1.10 SIP/2.0 To: DISC-OS<sip:Cacs@192.168.1.10> From: DISC-OS<sip:Cacs@192.168.1.10>;tag=463dc402 Via: SIP/2.0/UDP 192.168.1.12:8394;branch=z9hG4bK-d87543- 454378505-1--d87543-;rport Call-ID: 3b191c73ec28e928Ao lado é exibida uma CSeq: 2 REGISTERmensagem de pedido Contact: <sip:Cacs@192.168.1.12:8394> Expires: 3600de Registro ao Max-Forwards: 70Servidor SIP: Allow: INVITE, ACK, CANCEL, OPTIONS, BYE, REFER, NOTIFY, MESSAGE, SUBSCRIBE, INFO User-Agent: xTen Softphone Authorization: Digest username="Cacs",realm="asterisk",nonce="60d8b61a",uri="sip:192.1 68.1.10",response="51e648b2603e1e05e15ee980061eef78",algorithm=M D5 Content-Length: 0
  40. 40. Observe que o usuário “Cacs” é o solicitante para o Servidor “192.168.1.10”: To: DISC-OS<sip:Cacs@192.168.1.10> From: DISC-OS<sip:Cacs@192.168.1.10>;tag=463dc402Note que o pedido foi realizado da estação 192.168.1.12 através da porta8394: Contact: <sip:Cacs@192.168.1.12:8394>Mais a fundo, podemos também encontrar qual a plataforma que está sendoutilizada como Agente, neste caso um Softphone: User-Agent: xTen Softphone
  41. 41. Padrões SIP - IETF RFCsRFC3261 Core SIP specification – obsoletes RFC2543RFC2327 SDP – Session Description ProtocolRFC1889 RTP - Real-time Transport ProtocolRFC2326 RTSP - Real-Time Streaming ProtocolRFC3262 SIP PRACK method – reliability for 1XX messagesRFC3263 Locating SIP servers – SRV and NAPTRRFC3264 Offer/answer model for SDP use with SIPRFC3265 SIP event notification – SUBSCRIBE and NOTIFYRFC3266 IPv6 support in SDPRFC3311 SIP UPDATE method – eg. changing mediaRFC3325 Asserted identity in trusted networksRFC3361 Locating outbound SIP proxy with DHCPRFC3428 SIP extensions for Instant MessagingRFC3515 SIP REFER method – eg. call transfer
  42. 42. 4. Operadoras VoIPConhecendo as OperadorasExistem hoje muitas Operadoras VoIP, entre estas, existem as que sedestacam por suas qualidades e serviços e principalmente por sua licença deOperação.As operadoras que prestam serviços estáveis precisam ser devidamentelicenciadas e certificadas para prover este tipo de serviço. Para tanto, elasdevem receber uma licença SCM da Anatel.Muitas das operadoras contam já com uma enorme quantidade de POPs(Pontos de Presença), o que traz facilidades para os usuários em relação aoscustos de ligação.
  43. 43. PSTN - Public switched Telephony NetworkRede de Telefonia Pública ComutadaA grande maioria dos telefones no mundo até hoje são conectados atravésdesta vasta rede de comunicações propiciada por Grandes OperadorasGlobais e Nacionais de Telefonia, composta por circuitos otimizados, inclusiveIP, para a comunicação em tempo real, permitindo que qualquer telefonepossa ser encontrado.Todos os telefones desta rede são encontrados através da discagem denúmeros, o qual pode incluir código de pais, código de área e o númerotelefônico.As redes PSTN foram quase que integralmente digitalizadas, com exceção delocalidades muito remotas. Entretanto, principalmente no Brasil, a telefoniaanalógica mantém uma presença expressiva. Denominamos a antiga telefoniaanalógica como POTS.Todas as definições das PSTN são reguladas segundopadrões definidos pela ITU-T.
  44. 44. POTS - Plain Old Telephone Service LineA conexão residencial mais comum para PSTN no Brasil ainda é a linhaPOTS. Serviços de telefonia mais recentes fornecidos por Operadoras deBanda Larga não são POTS, ainda que o telefone de sua casa possa seranalógico.A linha POTS é constituída pela linha analógica, fornecida por um provedor detelefonia tradicional e provavelmente antigo.Cada linha POTS pode carregar apenas uma conversa por vez.Para pequenas instalações, linhas POTS são usualmente, e ainda, as demaior custo-benefício quando conectando diretamente para nosso ProvedorLocal (Local Exchange Carrier - LEC), um termo usado para referir-se àqualquer companhia provedora de serviço local.
  45. 45. ISDN - Integrated Services Digital NetworkRede Digital de Serviços IntegradosISDN é uma rede toda digital que tem estado disponível através de décadas.Este tipo de rede é disponível em duas principais versões:Basic Rate Interface (BRI)Primary Rate Interface (PRI)A ISDN divide a linha em múltiplos canais.Cada canal pode conter ou um pacote (Bearing, ou B-Channel - "Canal detransporte/Canal B") ou sinalização (Data, ou D-Channel - "Canal deDados/Canal D").
  46. 46. Uma interface BRI tem 3 canais: 1 canal D e 2 canais B. Portanto, 2chamadas telefônicas podem estar em progresso por vez em um único BRI.Uma interface PRI tem 24 canais: 1 canal D e 23 canais B, resultando em 23ligações simultâneas.A ISDN não é limitada apenas à voz. Cada canal pode carregar 64k de dados,isto se configurado com o LEC (Local Exchange Carrier).É pouco ofertada no Brasil atualmente como Serviço Público de Operadora deTelefonia para o consumidor/empresa cliente final. Porém é um protocolomuito usado ainda para interligar equipamentos de videoconferência eligação equipamento-equipamento de fabricantes distintos.
  47. 47. Enquanto o T1 é uma linha com 24 canais, muito empregada nos USA, noBrasil empregamos o E1, com 30 canais digitais.Cada canal pode conter uma chamada.No Brasil e Europa, o E1 é mais comum, e comporta 30 canais. O Brasilseguiu a Europa quanto à oferta de múltiplos canais em E1, aqui chamado deE1/R2 CAS, com ligeiras alterações no caso do padrão brasileiro, o que podelevar a incompatibilidades com hardware e software não adaptados ao padrãobrasileiro.O E1 é o serviço padrão de telefonia digital de múltiplos canais oferecidopelas operadoras brasileiras. É um protocolo simples que se tornou o padrãode tronco. Oferece o DDR (possibilidade de números PSTN mapeados emramais).
  48. 48. Fontes e Referências:http://www.itu.int/rec/T-REC-H.323/enhttp://www.gnugk.org/http://www.ietf.org/rfc/rfc3261.txthttp://sip.edu/ - MIT Sip Basicshttp://pt.wikipedia.org/wiki/T1http://pt.wikipedia.org/wiki/Multiplex*Building Telephony Systems with Asterisk (Livro)
  1. A particular slide catching your eye?

    Clipping is a handy way to collect important slides you want to go back to later.

×