Your SlideShare is downloading. ×
PBX IP - Custo ou Investimento
PBX IP - Custo ou Investimento
PBX IP - Custo ou Investimento
PBX IP - Custo ou Investimento
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

PBX IP - Custo ou Investimento

240

Published on

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
240
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
4
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. PBX IP - Custo x InvestimentoReside ainda uma certa confusão referente aos significados daquilo que é “VoIP”,“Telefonia IP” e “PBX IP”. Boa parte desta confusão foi disseminada pela “onda VoIP”,pelo menos esta primeira que já passou, prometendo uma redução revolucionária noscustos de telefonia, aquela que não foi entregue, deixando em seu rastro umasensação rançosa de coisa ultrapassada e promessa não cumprida, terminando porlegar ao mercado muita confusão acerca da aplicabilidade do IP nas comunicações,principalmente no que diz respeito ao uso da Telefonia IP de forma profissional eefetiva.De certa forma ficou consolidada para uma parcela do mercado, compreendido pelospotenciais usuários da tecnologia IP aplicada à telefonia, que a adoção de telefonia IPreduz-se a aquisição de tecnologia pela tecnologia, mais um modismo. Já o quepercebemos neste momento do mercado é um movimento de amadurecimento, ondesomente agora está se tornando mais evidente para as empresas quais são de fato asaplicações que de fato representam um benefício real e efetivo. Se fosse de outraforma, estaríamos de fato lidando apenas com um modismo.Em geral, quando pensamos na adoção de uma nova tecnologia tendemos a estimarque os altos custos envolvidos terminarão por impor uma grande restrição, ouinviabilizar uma mudança de patamar tecnológico, sendo preferível manter atecnologia já existente ou mesmo realizar pequenos upgrades e adaptações quepropiciem uma sobrevida daquela tecnologia já instalada, em outras palavras, “tirarleite da pedra”.Contudo, manter equipamentos e tecnologias já obsoletos, ainda que mantidosfuncionais, pode esconder custos e riscos excessivos que podem não ser devidamentecomputados, quando o custo associado à manutenção de um equipamento antigopermanece esquecido, derivado do “costume” de se arcar com ele. Muitas vezes, umcontrato de manutenção de um sistema já ultrapassado pode superar até mesmo ocusto de aquisição de um sistema totalmente novo.Não é porque simplesmente nos acostumamos com a inércia de gastos recorrentes, ouo “costume” determinado pela resistência a mudanças que deixamos de ter custosdesnecessários ou que poderiam ser reduzidos. Estes custos, por terem se tornadocostumeiros, agragam-se ao “budget”, e muitas vezes simplesmente não sãocomputados. É pensamento corrente de que é melhor não mexer naquilo que estáfuncionando, contanto que não constitua um custo excessivo e possa ainda sermantido.
  • 2. Por outro lado, “adquirir tecnologia pela tecnologia”nunca é a melhor opção, podendoaté mesmo representar um risco de ruptura operacional e trazer sérios prejuízos.Muitas vezes os custos decorrentes da implementação da “tecnologia pela tecnologia”acarretam, de fato, um aumento de custos e o investimento acaba não trazendo oretorno esperado, contribuindo simplesmente para aumentar os custos de suporte emanutenção, inserir um elemento adicional de instabilidade e novos riscos e aindadrenar recursos. Em geral, tais prejuízos são decorrentes do mau uso do sistema, suasubutilização, ou devido a equívocos de concepção e configuração.Muitas implementações pecam simplesmente pelo fato de não terem sido precedidaspor um estudo amplo de usos e recursos da tecnologia, incluindo aqueles decorrentesda potencialização do uso dos espaços físicos e pessoas e outros ainda decorrentes deaumento proveniente de ganhos de produtividade.Para facilitar estas avaliações de Retorno de Investimento, vamos apresentar algunsexemplos de redução de custos que podem ser obtidos com a adoção de novastecnologias, desde que devidamente calculados. Em geral, muitos dos ganhos sãoobtidos na alteração da forma como a empresa está estruturada e como o corpo defuncionários pode ser redistribuído. A seguir, vamos apresentar três cenários,exemplos de como a tecnologia IP, aplicada à telefonia e, no seu sentido mais amplo,comunicação unificada, pode render benefícios significativos para a corporação.Evidentemente, uma primeira análise de custos e benefícios deve passar pelo customensal de manutenção do sistema atual comparado ao de um novo sistema. Se o seusistema é coberto por um contrato de manutenção, suporte e locação, é simplescalcular estes custos quando se requer a comparação com o fornecimento de um novoequipamento por meio de leasing ou locação com contrato de manutenção e suporte.Esta comparação muitas vezes revela grandes surpresas.Outro custo a ser considerado na planilha é aquele de realizar os Upgrades necessáriospara manter o sistema em conformidade com as necessidades atuais. As adaptaçõesnecessárias muitas vezes requerem o acoplamento de acessórios que podem tornar osistema instável e muitas vezes vulnerável a falhas provenientes de problemas decompatibilidade entre diversos itens que vão sendo acrescentados apenas para mantero uso conforme. Tendo repassado estes itens, vamos a alguns usos e recursos quepodem representar grande fator de economia:Exemplo #1 Utilização da Mobilidade ao extremo.Além de ser uma necessidade das empresas, a mobilidade também implica emtrabalho remoto. Longe de ser um modismo, além de conferir agilidade e benefíciospara os funcionários, que podem ser revertidos em melhorias no desempenho destesmesmos funcionários, o trabalho em Home Office tem se constituído em granderedutor de custos para as empresas.
  • 3. Para tanto, basta calcular o custo representado pela redução de espaço físiconecessário para acomodar um percentual considerável de funcionários que agorapassa a ser flutuante, ao invés de ser fixo dentro da empresa. Tomemos, por exemploe como base, o cálculo de espaço físico necessário para acomodar 300 funcionários,cada qual requerendo uma baia e espaço de circulação, demandando pelo menos 3metros quadrados. Supondo que de uma hora para outra tornemos 20% da força detrabalho flutuante, a economia de espaço obtida passa a ser de 180 metrosquadrados. Ora, não é difícil calcular que uma tal economia possa chegar a algo comoR$ 7.000,00 por mês, ou R$ 84 mil por ano, sem contar com outros benefícios.Para que tal sistema funcione, a telefonia da empresa deve, pelo menos, estarpreparada para dar suporte a esta força de trabalho remota. Isto somente é possívelpor meio de um PBX IP com UC (Unified Communications).O custo do leasing, ou aluguel de um sistema deste tipo, em bases mensais, pode serapenas uma fração deste custo. Por outro lado, implementar um sistema de rodízio emHome Office de grupos significativos de funcionários somente é viável quando se adotaum sistema de telefonia IP, capaz de acomodar clientes remotos.Exemplo # 2 Uso do Gateway de Celular inteligente SIP.A utilização de gateways de celular interligados a troncos analógicos de PBX´s ébastante antiga e de uso freqüente. Contudo, esta utilização é posta sempre emcheque quando se trata da qualidade das ligações. A natureza da operação, isto é,PABX interligado via porta analógica ao gateway de celular analógico, que por sua vezredisca para o celular contribui para uma lentidão excessiva do sistema, ao rediscar etambém para uma qualidade da ligação muitas vezes discutível. Em grande parte dasocasiões abandona-se o sistema.A alternativa, quando se pretende obter uma melhor qualidade, é empregar gatewaysde celular digitais. Em geral, as opções digitais estavam restritas ao ISDN e utilização debastidores carregados de interfaces de celular, caríssimos e de difícil configuração,inacessíveis aos clientes corporativos de pequeno e médio porte.Recentemente, alternativas aos bastidores e aos gateways analógicos tornaram-sedisponíveis, sobretudo pela possibilidade de utilizar gateways SIP, que podem serinterligados ao PBX IP via tronco SIP. Desta forma, não é mais necessário utilizar oISDN, bastando usar o tronco SIP, o que é mais barato. A inteligência embutida nogateway permite também utilizar o acesso a bases de dados de portabilidade.Um sistema assim construído pode propiciar uma redução nas contas de celular daordem de 40% ou mais na conta telefônica, se bem gerenciado. Novamente, aeconomia mensal propiciada apenas por esta aplicação pode justificar todo oinvestimento realizado em um sistema completo.
  • 4. Exemplo # 3 Redes de Centrais.É a interligação através de VPN de centrais de agências, filiais e de localidades remotasà agência da matriz. Redes de Centrais propiciam uma substancial economia emrelação a sistemas MPLS propostos para a interligação remota, empregando métodosmuito menos custosos para fazê-lo. Uma rede de centrais com 05 ou mais centraispode propiciar uma economia operacional capaz de compensar a aquisição de todo osistema, incluindo matriz e filiais, apenas eliminando o custo e onerosos serviçosespecializados de conexão, tais como o MPLS.Otimização dos Custos: Locação e Leasing Operacional.No atual momento da economia brasileira, francamente pró-financiamento, a idéia deadquirir um equipamento através de um contrato de locação ou leasing operacionalpode se revelar bastante interessante. Quando se considera o custo de aquisição deum equipamento de grande porte o custo inicial de aquisição até pode ser consideradoelevado, à primeira vista. Porém, quando consideramos a possibilidade de parcelaresta aquisição em 36 meses, seja via leasing, seja via contrato de locação, o customensal se torna uma fração que pode ser comparada com as reduções de custoapuradas mensalmente.Comparando as reduções de custo mês a mês que podem ser obtidas através daaquisição desta nova tecnologia, sem ainda sequer levar em conta o ganho deprodutividade proporcionado por uma nova tecnologia, em geral é muito fácil e diretoperceber que as vantagens financeiras são mais do que evidentes. Nem sempre é tãofácil perceber isto quando se avalia apenas o valor de aquisição.As taxas de juros praticadas atualmente no mercado pelas instituições financeirastornam extremamente interessante realizar a aquisição parcelada, ao contrário do queocorria há poucos anos atrás. Claro, como todos sabemos, toda operação parceladaembute os juros, de forma explícita ou implícita. Porém, em um momento em que aremuneração do capital é muito baixa e o custo de captação também é baixo, adecisão de investimento em tal contexto passa a ser bastante interessante.A IP10 possui relacionamentos e convênios com instituições financeiras especializadasem locação e leasing de equipamentos de tecnologia, e que podem proporcionarplanos de locação ou leasing extremamente vantajosos. Por fim, podemos dizer complena certeza que o momento atual da economia é francamente pró-investimento, enão há melhor investimento do que aperfeiçoar os recursos de uma empresa.Consulte-nos !

×