FARMABR 2012Qualidade, Evidência Científica e Racionalidade na Cadeia de Medicamentos:Foco na Segurança do Usuário de Prod...
experiência do paciente com o uso de medicamentos é fundamental.É exatamente com este sentido que a racionalidade no uso d...
Trabalhos Científicos - PôsteresA Comissão Avaliadora de Trabalhos Científicos saúda os participantes dosCongressos do FAR...
Instituto Racine - Diretoria Executiva                         Arnivaldo Dias                         Marco Quintão       ...
Es. Graziela Luppi                   Es. Maria Fernanda Salomão               Es. Maristela Ferreira Catão Carvalho       ...
Programação Científica22ª Semana Racine - Congresso de Farmácia05/Julho/2012 (Quinta-feira)Congresso                    Ge...
9h às 17h          Sólidas, Líquidas e Semi-Sólidas (Teórico/Prático)                   Área Temática: Farmácia Magistral ...
Área Temática: Gestão em Varejo Farmacêutico                    Local: Expo Center Norte                    Farmacoterapia...
15h às 16h       Brasil: Realidade e Perspectivas - Um Estudo de Caso com 500                 Farmácias Brasileiras       ...
PCare 2012 - 2º Congresso Brasileiro de Farmacêuticos Clínicos05/Julho/2012 (Quinta-feira)Curso 01          Uso de Medicam...
CONBRAF - Congresso Brasileiro de Assistência Farmacêutica05/Julho/2012 (Quinta-feira)Curso 01                  Avaliação ...
RESUMO DOS TRABALHOS APRESENTADOS                   22ª Semana Racine - Congresso de FarmáciaSR 01 - ASPECTOS FARMACOLÓGIC...
uma inflamação no fígado causada pelo vírus da hepatite C (VHC) transmitida através decontato com sangue contaminado. Essa...
por 20 dias ou 5 mg Sb5+/kg/dia por 30 dias, contínuos ou de forma intermitente, intramuscular.Forma Mucosa (LM): 20 mg Sb...
apresentados permite verificar que alterações fisiológicas e presença de patologias crônicasnos idosos, são fatores colabo...
DAD. Compararam-se os valores das dosagens laboratoriais no início do SF e ao final domesmo. Avaliou-se 24 pacientes com i...
Os suplementos alimentares são caracterizados como gêneros alimentícios que são usadospara complementar o regime alimentar...
SR 13 - DISPONIBILIDADE COMERCIAL DE MEDICAMENTOS EM DIFERENTES REGIÕESSOCIAIS DE SANTOS SPSANTOS, ANA VICTÓRIA ANDRADE DO...
com antibióticos em algum membro da sua família, tendo a maioria relatado conhecer os riscosdesta prática. Quanto às reaçõ...
tratamento dos diabéticos da Estratégia Saúde da Família (ESF) de uma cidade de MinasGerais. METÓDO: Foi realizada uma pes...
1 Universidade Estadual Paulista - Câmpus de Araraquara - Faculdade de CiênciasFarmacêuticasIntrodução: A AFEP - Atenção F...
notificadas serem consideradas pontuais, por suspensão de determinado fabricante ou atémesmo por falta de retorno do forne...
formulação até que a sua atividade química e biológica não seja menor que um nível pré-determinado de potência rotulada e ...
ZAMPROGNO, TATIANA TONINI*; GIMENEZ, ANA CLÁUDIA MARCELINOCentro Universitário do Espírito Santo - UNESCA utilização de pl...
(LSA)/0,762 (PCA)/0,823 (PSA). Após centrifugação: todos homogêneos. Aspectomacroscópico e ciclo de 12 dias: todos normais...
Confira os Anais do FARMABR 2012
Confira os Anais do FARMABR 2012
Confira os Anais do FARMABR 2012
Confira os Anais do FARMABR 2012
Confira os Anais do FARMABR 2012
Confira os Anais do FARMABR 2012
Confira os Anais do FARMABR 2012
Confira os Anais do FARMABR 2012
Confira os Anais do FARMABR 2012
Confira os Anais do FARMABR 2012
Confira os Anais do FARMABR 2012
Confira os Anais do FARMABR 2012
Confira os Anais do FARMABR 2012
Confira os Anais do FARMABR 2012
Confira os Anais do FARMABR 2012
Confira os Anais do FARMABR 2012
Confira os Anais do FARMABR 2012
Confira os Anais do FARMABR 2012
Confira os Anais do FARMABR 2012
Confira os Anais do FARMABR 2012
Confira os Anais do FARMABR 2012
Confira os Anais do FARMABR 2012
Confira os Anais do FARMABR 2012
Confira os Anais do FARMABR 2012
Confira os Anais do FARMABR 2012
Confira os Anais do FARMABR 2012
Confira os Anais do FARMABR 2012
Confira os Anais do FARMABR 2012
Confira os Anais do FARMABR 2012
Confira os Anais do FARMABR 2012
Confira os Anais do FARMABR 2012
Confira os Anais do FARMABR 2012
Confira os Anais do FARMABR 2012
Confira os Anais do FARMABR 2012
Confira os Anais do FARMABR 2012
Confira os Anais do FARMABR 2012
Confira os Anais do FARMABR 2012
Confira os Anais do FARMABR 2012
Confira os Anais do FARMABR 2012
Confira os Anais do FARMABR 2012
Confira os Anais do FARMABR 2012
Confira os Anais do FARMABR 2012
Confira os Anais do FARMABR 2012
Confira os Anais do FARMABR 2012
Confira os Anais do FARMABR 2012
Confira os Anais do FARMABR 2012
Confira os Anais do FARMABR 2012
Confira os Anais do FARMABR 2012
Confira os Anais do FARMABR 2012
Confira os Anais do FARMABR 2012
Confira os Anais do FARMABR 2012
Confira os Anais do FARMABR 2012
Confira os Anais do FARMABR 2012
Confira os Anais do FARMABR 2012
Confira os Anais do FARMABR 2012
Confira os Anais do FARMABR 2012
Confira os Anais do FARMABR 2012
Confira os Anais do FARMABR 2012
Confira os Anais do FARMABR 2012
Confira os Anais do FARMABR 2012
Confira os Anais do FARMABR 2012
Confira os Anais do FARMABR 2012
Confira os Anais do FARMABR 2012
Confira os Anais do FARMABR 2012
Confira os Anais do FARMABR 2012
Confira os Anais do FARMABR 2012
Confira os Anais do FARMABR 2012
Confira os Anais do FARMABR 2012
Confira os Anais do FARMABR 2012
Confira os Anais do FARMABR 2012
Confira os Anais do FARMABR 2012
Confira os Anais do FARMABR 2012
Confira os Anais do FARMABR 2012
Confira os Anais do FARMABR 2012
Confira os Anais do FARMABR 2012
Confira os Anais do FARMABR 2012
Confira os Anais do FARMABR 2012
Confira os Anais do FARMABR 2012
Confira os Anais do FARMABR 2012
Confira os Anais do FARMABR 2012
Confira os Anais do FARMABR 2012
Confira os Anais do FARMABR 2012
Confira os Anais do FARMABR 2012
Confira os Anais do FARMABR 2012
Confira os Anais do FARMABR 2012
Confira os Anais do FARMABR 2012
Confira os Anais do FARMABR 2012
Confira os Anais do FARMABR 2012
Confira os Anais do FARMABR 2012
Confira os Anais do FARMABR 2012
Confira os Anais do FARMABR 2012
Confira os Anais do FARMABR 2012
Confira os Anais do FARMABR 2012
Confira os Anais do FARMABR 2012
Confira os Anais do FARMABR 2012
Confira os Anais do FARMABR 2012
Confira os Anais do FARMABR 2012
Confira os Anais do FARMABR 2012
Confira os Anais do FARMABR 2012
Confira os Anais do FARMABR 2012
Confira os Anais do FARMABR 2012
Confira os Anais do FARMABR 2012
Confira os Anais do FARMABR 2012
Confira os Anais do FARMABR 2012
Confira os Anais do FARMABR 2012
Confira os Anais do FARMABR 2012
Confira os Anais do FARMABR 2012
Confira os Anais do FARMABR 2012
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Confira os Anais do FARMABR 2012

5,168

Published on

Published in: Health & Medicine
0 Comments
2 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
5,168
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
36
Comments
0
Likes
2
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Confira os Anais do FARMABR 2012

  1. 1. FARMABR 2012Qualidade, Evidência Científica e Racionalidade na Cadeia de Medicamentos:Foco na Segurança do Usuário de Produtos e ServiçosDesde sua criação, em 1948, a Organização Mundial da Saúde considera omedicamento um insumo essencial à resolutividade das ações de saúde. Seusavanços tecnológicos, nos últimos 50 anos, mudaram marcadamente a prática médica,aumentaram a esperança de vida dos indivíduos e melhoraram, sobremaneira, suaqualidade. Todos sabemos que não é ele o único motor nos resultados em saúde, masé, seguramente, o de maior visibilidade.Inserida no seio de todos e quaisquer sistemas sanitários, a cadeia de medicamentosé complexa e multifacetada. Nela encontramos um número expressivo de atores, entreprofissionais, empresas, órgãos e instituições, que, pela importância e pelo riscoenvolvidos em suas atividades, se constituíram em estruturas referência emexcelência em seus setores de origem.A intrincada inter-relação entre esses atores faz com que uma abordagem que seestenda da investigação ao processo de uso dos medicamentos seja benéfica e, nestesentido, ao reunir três congressos em um único evento denominado FARMABR 2012,o Instituto Racine pretende atender com mais qualidade a dinâmica desta cadeia,contemplando as vertentes: científica, técnica, tecnológica, administrativa, regulatória,logística, comercial e sociocultural.Assim, à tradicional Semana Racine - Congresso de Farmácia, em sua 22ª edição,somam-se o PCare 2012 - 2º Congresso Brasileiro de Farmacêuticos Clínicos e oCONBRAF - Congresso Brasileiro de Assistência Farmacêutica, que nasce sob osauspícios do Departamento de Assistência Farmacêutica e Insumos Estratégicos daSecretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos do Ministério da Saúde, aquem agradecemos a confiança desta tarefa de consolidar um congresso científicoanual sobre o tema.Sendo a tríade qualidade, evidência científica e racionalidade de importância capitalpara a cadeia de medicamentos, as Comissões Científicas desenharam asprogramações dos congressos sob um tema central único - Qualidade, EvidênciaCientífica e Racionalidade na Cadeia de Medicamentos: Foco na Segurança doUsuário de Produtos e Serviços.A qualidade é condição primeira para que os medicamentos possam serdisponibilizados à população e tanto o setor produtivo quanto o regulatório semobilizam continuamente no sentido de sua garantia.A evidência científica, também conhecida como evidência clínica externa, é aquelaproveniente da pesquisa clínica sistemática e relevante, realizada sob condiçõescontroladas e publicada na literatura médica, com o intuito de demonstrar a eficácia ea segurança dos medicamentos disponibilizados no mercado para o tratamento dasenfermidades. Cuidados em saúde não devem ser baseados apenas na opinião ou naexperiência clínica individual e, neste sentido, a evidência científica externa, utilizadacomo guia e adaptada às circunstâncias de cada paciente individualmente, promoveescolhas mais seguras e mais próximas da obtenção de melhores resultados.Contudo, medicamentos de qualidade e selecionados com base na melhor evidênciacientífica - para que se alcance a efetividade e a segurança dos medicamentos emcondições reais de uso disponível - podem ou não produzir, na prática, os melhoresresultados em saúde em um paciente individual e, neste sentido, a valorização daprática clínica individual, também chamada de evidência clínica interna, e da própria
  2. 2. experiência do paciente com o uso de medicamentos é fundamental.É exatamente com este sentido que a racionalidade no uso de medicamentos serátratada na 22ª Semana Racine, no PCare 2012 e no CONBRAF. Com a lógica deconsiderar os aspectos científicos, clínicos, humanísticos e fármaco-econômicos,como condicionantes dos resultados da farmacoterapia.Como a prática profissional focada na segurança do paciente está diretamenterelacionada à prestação de serviços qualificados, que possam contribuir tanto paramedir os resultados obtidos com o uso racional de medicamentos de qualidade quantopara detectar, prevenir, minimizar, manejar e solucionar os problemas que possamsurgir ao longo dos tratamentos instituídos, a Comissão Científica dos congressos quecompõem o FARMABR 2012, à qual expressamos nossos sinceros agradecimentos,procurou focar o conjunto da programação na segurança dos usuários de produtos ede serviços, deixando claro que ambos devem caminhar juntos quando o objetivo finalé a obtenção dos melhores resultados possíveis em saúde com o uso demedicamentos.Se, por um lado, a programação científica é um sinalizador de caminhos, espera-setambém que os trabalhos científicos a serem apresentados, dentro dos temaspropostos nos congressos, reflitam a lógica anteriormente descrita e apontemexperiências exitosas que possam ser multiplicadas em todo o País. Estamos certosde que os trabalhos inscritos no FARMABR 2012, que serão avaliados por umalaboriosa comissão, sob a responsabilidade do Major-farmacêutico Dr. Luiz Carlos daSilva, conseguirão evidenciar os esforços dos profissionais farmacêuticos eminserirem-se, com qualidade, nesta complexa cadeia dos medicamentos. Registramos,antecipadamente, os nossos elogios e agradecimentos aos autores e à ComissãoAvaliadora dos Trabalhos.Pensar, elaborar e realizar a 22ª Semana Racine - Congresso de Farmácia, o PCare2012 - 2º Congresso Brasileiro de Farmacêuticos Clínicos e o CONBRAF - CongressoBrasileiro de Assistência Farmacêutica, com a envergadura com que eles se colocampara a comunidade farmacêutica, somente é possível mediante um gigantesco esilencioso trabalho coletivo que envolve centenas de pessoas, entre colaboradores,palestrantes e entidades apoiadoras, de todo o Brasil.Iniciamos este texto argüindo sobre a importância dos medicamentos para ahumanidade e assim queremos finalizá-lo, registrando o compromisso do InstitutoRacine, que, desde 1991, tem demandado esforços para manter este espaço deencontro nacional, com finalidade de marcar presença política, melhorar a qualidade eincentivar a reflexão dos farmacêuticos acerca de seu papel na cadeia sanitária, emum genuíno exercício de respeito à profissão.Que o FARMABR 2012 cumpra seu papel, que inspire a todos e a todas ao progresso,impregnando-nos com um inconformismo positivo, na busca por soluções e saídasconcretas para vencer a distância que ainda separa a realidade que temos daquelaque devemos vislumbrar com otimismo e firmeza.Sejam todos bem-vindos ao FARMABR 2012!Nilce Barbosa é farmacêutica e presidente do Instituto RacineMaria Denise Funchal Witzel é farmacêutica e gerente acadêmica do InstitutoRacine
  3. 3. Trabalhos Científicos - PôsteresA Comissão Avaliadora de Trabalhos Científicos saúda os participantes dosCongressos do FARMABR 2012. Nesta edição, com a integração da 22ª SemanaRacine - Congresso de Farmácia, do PCare 2012 - Congresso Brasileiro deFarmacêuticos Clínicos e do CONBRAF - Congresso Brasileiro de AssistênciaFarmacêutica, recebemos 202 resumos para avaliação, que, após um longo processode avaliação, realizado pelos 33 membros da Comissão Avaliadora, resultaram noaceite de 189 trabalhos para apresentação na forma de pôster.Estão expostos, no local indicado para a exposição de pôsteres, 42 trabalhos da 22ªSemana Racine, 102 trabalhos do PCare e 45 trabalhos do CONBRAF. Todos ospôsteres aceitos devem ficar pelo menos por um dia expostos.Os trabalhos foram divididos nas categorias de trabalhos acadêmicos de graduação,trabalhos acadêmicos de pós-graduação e trabalhos de profissionais em cada um doscongressos que compõem o FARMABR 2012.Foi introduzida mais uma inovação nos eventos promovidos pelo Instituto Racine: aapresentação oral de trabalhos selecionados pela Comissão Avaliadora. Assim, todosos dias há a apresentação oral de 9 trabalhos no horário de almoço, das 13h30 às14h30. As apresentações orais ocorrem nos auditórios Santana 3 (PCare), Vila Maria(CONBRAF) e Casa Verde (22ª Semana Racine).Dessa forma, concitamos os participantes a visitarem os painéis com os pôsteres e aassistirem as apresentações orais, que traduzem as atividades farmacêuticas queestão sendo desenvolvidas em todo o Brasil pelos farmacêuticos.Por fim, no dia 7 de julho (sábado), às 16h00, ocorre a cerimônia de entrega dosprêmios aos autores dos trabalhos vencedores nas três categorias dos 3 Congressosque compõem o FARMABR 2012 e do prêmio principal Maria Aparecida PourchetCampos e da Academia Nacional de Farmacêuticos.Desejo a todos um excelente Congresso.MSc. Luiz Carlos da Silva é farmacêutico e Coordenador da Comissão Avaliadorade Trabalhos Científicos do FARMABR 2012
  4. 4. Instituto Racine - Diretoria Executiva Arnivaldo Dias Marco Quintão Nilce Barbosa Sergio Slan FARMABR 2012 - Comissão Organizadora André Policastro Carla Pedriali Leandro Rodrigues Mara Carvalho Marisa Negreiros Natasha Raggio Nilton Santos Ricardo Negreiros FARMABR 2012 - Comissões Científicas - Presidente MSc. Denise Funchal Witzel 22ª Semana Racine - Congresso de Farmácia Presidente de Honra Prof. Dr. Gilberto Luiz Pozetti Comissão Científica MSc. Anderson de Oliveira Ferreira MSc. Cláudio de Jesus Ribeiro MSc. Francielly Grassi Es. Ana Paula Callejo de Souza Dr. Anibal de Freitas Santos Junior Dr. Daniel Rossi de Campos MSc. Paulo Roberto Boff Es. Antonio Geraldo Ribeiro dos Santos Júnior Es. Bruna Malagoli Martino Es. Clayton Mangini Es. Gerson Appel Es. José Vanilton de Almeida Es. Kleber Fernandes Es. Nilce Cardoso Barbosa Es. Paula Renata Aparecida Nigro Rivera Carazzatto Es. Sérgio Slan Zarwar MSc. Gustavo Alves dos Santos Es. Marli Menezes Es. Rochéli Moreira Seixas Escher Es. Tatiana Rocha SantanaPCare 2012 - 2º Congresso Brasileiro de Farmacêuticos Clínicos Presidentes de Honra Profª. Dra. Lúcia de Araújo Costa Beisl Noblat MSc. Tarcísio José Palhano Profª. Dra. Ivonete Batista de Araújo Comissão Científica MSc. Patrícia Sayuri Takahashi Dr. Divaldo de Lyra Júnior Dra. Djenane Ramalho de Oliveira Dra. Silvia Storpirtis Es. Daniela Vieira Baldini Batista
  5. 5. Es. Graziela Luppi Es. Maria Fernanda Salomão Es. Maristela Ferreira Catão Carvalho Es. Fátima Regina Assunção MSc. Mônica Cristina Santos Ricci CONBRAF - Congresso Brasileiro de Assistência Farmacêutica Presidente de Honra MSc. José Miguel do Nascimento Júnior Comissão Científica MSc. Dirce Cruz Marques MSc. Marco Aurélio Pereira Dr. José Ruben de Alcântara Bonfim Dra. Lia Lusitana Cardoso de Castro Dra. Sônia Lucena Cipriano MSc. Karen Sarmento Costa MSc. Dirceu Brás Aparecido Barbano MSc. Sandra Aparecida JeremiasFARMABR 2012 - Comissão Avaliadora de Trabalhos Científicos - Presidente MSc. Luiz Carlos da Silva Comissão Avaliadora de Trabalhos Científicos Prof. Dr. Acácio Alves De Souza Lima Filho MSc. Airton Jose Petris Profa. Dra. Ana Alice dos Santos Dias Prof. Dr. Anibal de Freitas Santos Jr. Profa. Dra. Carolina Baraldi Restini MSc. Caroline Junckes da Silva MSc. Cláudio de Jesus Ribeiro Es. Clayton Mangini Prof. Dr. Daniel Rossi De Campos Prof. Dr. Diogo Pilger MSc. Dirce Cruz Marques MSc. Elaine Lazzaroni Moraes Prof. Dr. Gilberto Luiz Pozetti Profª. Dra. Gladys Marques Santana MSc. Gustavo Alves Andrade dos Santos MSc. Janaína Fernanda Packer Profª. Dra. Julieta Mieko Ueta Profª. Dra. Karina Santos Gomes Es. Kleber Fernandes Profª. Dra. Luciane Cruz Lopes Prof. Dr. Luiz Carlos Marques Luiz MSc. Luiz Carlos da Silva MSc. Maely Peçanha Favero Retto MSc. Maria Eugênia C. Cury MSc. Mariana Martins Gonzaga do Nascimento MSc. Raniéri Carvalho Camuzi MSc. Said Gonçalves C. Fonseca MSc. Sandra Aparecia Jeremias Profª. Dra. Sibila Roberta Marques Grallert Profª. Dra. Silvana Nair Leite Contesine MSc. Tania Maria Lemos Mouço MSc. Thaisa Amorim Nogueira MSc. Verônica de Franco Rennó
  6. 6. Programação Científica22ª Semana Racine - Congresso de Farmácia05/Julho/2012 (Quinta-feira)Congresso Gestão de Produtos para a Saúde: Foco na Resolução nº 549/CFFCurso 01 de 08/20119h às 13h30 Área Temática: Gestão em Farmácia Hospitalar Local: Expo Center Norte Planejamento Tributário em Farmácias e Drogarias: Adequação àsCurso 02 Exigências Legais9h às 13h30 Área Temática: Gestão em Varejo Farmacêutico Local: Expo Center Norte Radiofarmácia: Produção, Controle e Garantia de QualidadeCurso 03 Área Temática: Farmacologia/Farmacoterapia/Toxicologia/Pesquisa9h às 18h Clínica Local: Expo Center Norte Abordagem Nutracêutica do Envelhecimento: O Que Você PrecisaCurso 04 Saber9h às 13h30 Área Temática: Farmácia MagistralSérie: O que Você Local: Expo Center NortePrecisa Saber Planejamento de Ações de Gestão com Base em Resultados dosConferência 01 Indicadores de Atividades da Farmácia Hospitalar15h às 17h Área Temática: Gestão em Farmácia Hospitalar Local: Expo Center Norte Impacto das Fusões e Aquisições no Varejo FarmacêuticoMesa-Redonda 01 Área Temática: Gestão em Varejo Farmacêutico15h às 17h Local: Expo Center Norte Manejo Seguro da Dor em Diversos Níveis de Atendimento à Saúde: Hospital, Ambulatório e DomicílioPainel 01 Área Temática: Farmacologia/Farmacoterapia/Toxicologia/Pesquisa15h às 17h Clínica Local: Expo Center Norte Explorando Nichos de Mercado: Pediatria, Geriatria, Odontologia ePainel 02 Veterinária15h às 18h30 Área Temática: Farmácia Magistral Local: Expo Center Norte Atuação de Operadores Logísticos Farmacêuticos na CadeiaPalestra 01 Hospitalar17h30 às 18h30 Área Temática: Gestão em Farmácia Hospitalar Local: Expo Center Norte Evolução dos Serviços Farmacêuticos como Diferencial noPalestra 02 Negócio17h30 às 18h30 Área Temática: Gestão em Varejo Farmacêutico Local: Expo Center Norte Farmacoterapia da Hiperplasia Prostática Benigna: Em Que Situações É Possível Ter Expectativa de EfetividadePalestra 03 Área Temática: Farmacologia/Farmacoterapia/Toxicologia/Pesquisa17h30 às 18h30 Clínica Local: Expo Center NorteCursos Extra Fundamentos e Processos de Logística FarmacêuticaCurso A Área Temática: Logística Farmacêutica/Atacado9h às 18h Local: Expo Center Norte Manipulação de Produtos Farmacêuticos e Dermocosméticos paraCurso B o Tratamento de Melasma e Alopécia9h às 18h Área Temática: Farmácia Magistral Local: Expo Center NorteCurso C Solução de Problemas Farmacotécnicos Comuns em Formulações
  7. 7. 9h às 17h Sólidas, Líquidas e Semi-Sólidas (Teórico/Prático) Área Temática: Farmácia Magistral Local: Instituto Racine Metodologias Analíticas para o Controle de Qualidade Físico- Químico de Matérias-Primas na Farmácia de Acordo com a RDC nºCurso D 67/2007 (Parte 1 - Teoria)9h às 17h Área Temática: Farmácia Magistral Local: Instituto Racine06/Julho/2012 (Sexta-feira)Congresso Modais de Transporte Aplicados à Saúde HumanaCurso 05 Área Temática: Logística Farmacêutica/Atacado9h às 13h30 Local: Expo Center Norte Gestão de Pessoas em Farmácia Hospitalar: Recrutamento, Seleção, Treinamento, Integração, Avaliação de Desempenho eCurso 06 Plano de Carreira9h às 13h30 Área Temática: Gestão em Farmácia Hospitalar Local: Expo Center Norte Promoção no Ponto de Venda (PDV) para Produtos de Compra porCurso 07 Impulso: Legislação, Merchandising e Exibitécnica9h às 13h30 Área Temática: Gestão em Varejo Farmacêutico Local: Expo Center Norte Manejo de Intoxicações por Medicamentos: Apresentação e Discussão de CasosCurso 08 Área Temática: Farmacologia/Farmacoterapia/Toxicologia/Pesquisa9h às 13h30 Clínica Local: Expo Center Norte Dermatologia: Casos Clínicos e Soluções MagistraisCurso 09 Área Temática: Farmácia Magistral9h às 13h30 Local: Expo Center Norte Você, Diretor FarmacêuticoConferência 02 Área Temática: Gestão em Varejo Farmacêutico15h às 17h Local: Expo Center Norte Medicamentos Antiobesidade: Visão Científica dos AspectosConferência 03 Farmacoterapêuticos e Regulatórios15h às 17h Área Temática: Farmácia Magistral Local: Expo Center Norte Contracepção de Emergência Sob a Ótica da Regulamentação e Uso: Experiências no Brasil e no ExteriorMesa-Redonda 02 Área Temática: Farmacologia/Farmacoterapia/Toxicologia/Pesquisa15h às 17h Clínica Local: Expo Center Norte Desafios da Atuação do Profissional Farmacêutico em LogísticaPainel 03 Área Temática: Logística Farmacêutica/Atacado15h às 17h Local: Expo Center Norte Impacto do Processo de Acreditação na Gestão da FarmáciaPainel 04 Hospitalar: O Antes e O Depois15h às 17h Área Temática: Gestão em Farmácia Hospitalar Local: Expo Center Norte Logística como Estratégia de Negócio para a Otimização daPalestra 04 Tomada de Decisões Empresariais17h30 às 18h30 Área Temática: Logística Farmacêutica/Atacado Local: Expo Center Norte Aplicabilidade da Farmacoeconomia na Tomada de DecisõesPalestra 05 sobre Padronização de Medicamentos e Produtos para a Saúde17h30 às 18h30 Área Temática: Gestão em Farmácia Hospitalar Local: Expo Center Norte PBM - Gerenciamento de Benefícios de Medicamentos -Palestra 06 Modelos Existentes, Processo de Implantação e17h30 às 18h30 Competências Profissionais Necessárias à sua Condução com Rentabilidade para a Farmácia
  8. 8. Área Temática: Gestão em Varejo Farmacêutico Local: Expo Center Norte Farmacoterapia da Síndrome Metabólica na Infância e na AdolescênciaPalestra 07 Área Temática: Farmacologia/Farmacoterapia/Toxicologia/Pesquisa17h30 às 18h30 Clínica Local: Expo Center Norte Polímeros Formadores de Géis: Características Químicas ePalestra 08 Aplicações em Farmácia Magistral17h30 às 18h30 Área Temática: Farmácia Magistral Local: Expo Center NorteCursos Extra Metodologias Analíticas para o Controle de Qualidade Físico- Químico de Matérias-Primas na Farmácia de Acordo com a RDC nºCurso D 67/2007 (Parte 2 - Prática)9h às 17h Área Temática: Farmácia Magistral Local: Instituto Racine Prevenção de Erros e Acidentes com Medicamentos: Foco nosCurso E Processos Críticos da Manipulação de Produtos9h às 18h Área Temática: Farmácia Magistral Local: Expo Center Norte Prática Magistral em Formulações Sólidas (Pós e Cápsulas) eCurso F Semi-Sólidas (Cremes, Pomadas e Géis) (Parte 1 - Teoria)9h às 17h Área Temática: Farmácia Magistral Local: Instituto Racine07/Julho/2012 (Sábado)Congresso Qualificação Térmica de Embalagens: Ferramenta para a ValidaçãoCurso 10 do Transporte de Produtos na Cadeia de Frio9h às 13h30 Área Temática: Logística Farmacêutica/Atacado Local: Expo Center Norte Utilização Estratégica de Web Sites, E-Commerce e Mídias SociaisCurso 11 como Incremento de Vendas9h às 13h30 Área Temática: Gestão em Varejo Farmacêutico Local: Expo Center Norte Opções Terapêuticas para Microorganismos Multirresistentes: Abordagens AtuaisCurso 12 Área Temática: Farmacologia/Farmacoterapia/Toxicologia/Pesquisa9h às 13h30 Clínica Local: Expo Center NorteCurso 13 Terapia de Reposição Hormonal Bioidêntica: O Que Você Precisa9h às 13h30 SaberSérie: O Que Você Área Temática: Farmácia MagistralPrecisa Saber Local: Expo Center NorteCurso 14 Novos Insumos à Base de Silicone Aplicados em Formulações9h às 13h30 Magistrais: O Que Você Precisa SaberSérie: O Que Você Área Temática: Farmácia MagistralPrecisa Saber Local: Expo Center Norte Aplicação da Curva ABC e XYZ para a Resolução de Problemas deWorkshop 01 Gestão de Materiais: Relato de Casos09h00 às 13h30 Área Temática: Gestão em Farmácia Hospitalar Local: Expo Center Norte Logística Aplicada à Saúde Animal e Distribuição de VacinasPalestra 09 Área Temática: Logística Farmacêutica/Atacado15h às 16h Local: Expo Center Norte Farmacêutico Hospitalar como Gestor: Requisitos para o ExercícioPalestra 10 Efetivo e Eficiente desta Função15h às 16h Área Temática: Gestão em Farmácia Hospitalar Local: Expo Center NortePalestra 11 Panorama da Gestão do Varejo Farmacêutico Independente no
  9. 9. 15h às 16h Brasil: Realidade e Perspectivas - Um Estudo de Caso com 500 Farmácias Brasileiras Área Temática: Gestão em Varejo Farmacêutico Local: Expo Center Norte Glaucoma Secundário a Medicamentos: Prevenção, Detecção e ManejoPalestra 12 Área Temática: Farmacologia/Farmacoterapia/Toxicologia/Pesquisa15h às 16h Clínica Local: Expo Center Norte Incompatibilidade de Excipientes em Formulações FarmacêuticasPalestra 13 Sólidas15h às 16h Área Temática: Farmácia Magistral Local: Expo Center Norte Tensoativos Utilizados em Formulações de Shampoos ePalestra 14 Condicionadores: O Que Há de Novo15h às 16h Área Temática: Farmácia Magistral Local: Expo Center Norte Valor Agregado ao Produto Magistral. Do Que Estamos Falando?Palestra 15 Área Temática: Farmácia Magistral16h30 às 17h30 Local: Expo Center NorteCurso Extra Prática Magistral em Formulações Sólidas (Pós e Cápsulas) eCurso F Semi-Sólidas (Cremes, Pomadas e Géis) (Parte 2 - Prática)9h às 17h Área Temática: Farmácia Magistral Local: Instituto Racine
  10. 10. PCare 2012 - 2º Congresso Brasileiro de Farmacêuticos Clínicos05/Julho/2012 (Quinta-feira)Curso 01 Uso de Medicamentos em Pacientes com Insuficiência Hepática:9h às 13h30 Cuidados e PrecauçõesCurso 02 Interferência do Uso de Medicamentos na Evolução de Feridas: Impacto9h às 18h da Intervenção do Farmacêutico ClínicoPainel 01 Resultados em Saúde com a Prática da Atenção Farmacêutica: Clínicos,15h às 17h Humanísticos e EconômicosPalestra 01 Barreiras de Segurança na Utilização de Medicamentos Potencialmente17h30 às 18h30 Perigosos06/Julho/2012 (Sexta-feira)Curso 03 Gestão da Qualidade de Serviços Farmacêuticos Clínicos Prestados a9h às 13h30 PacientesWorkshop 01 Como Elaborar Documentação Clínica Farmacêutica: Registro em9h às 13h30 Prontuário e Carta de Encaminhamento FarmacêuticoComo FazerConferência 01 Tomada de Decisões Farmacoterapêuticas: Considerando a15h às 17h Racionalidade do PacienteMesa-Redonda 01 Conceitos de Assistência, Atenção e Cuidado na Área Farmacêutica e na15h às 17h Área da SaúdePalestra 02 Intervenções Farmacêuticas em Insulinoterapia a Partir de Realização de17h30 às 18h30 Seguimento FarmacoterapêuticoPalestra 03 Prescrição Eletrônica como Oportunidade para a Redução de Erros de17h30 às 18h30 Medicação07/Julho/2012 (Sábado)Curso 04 Prevenção de Risco de Lesão Renal: Novos Critérios de Abordagem9h às 13h30Workshop 02 Monitorização de Risco com o Uso de Novos Anticoagulantes Orais e9h às 13h30 Antiagregantes Plaquetários: Como FazerComo FazerPalestra 04 Base de Dados Seguras para Apoiar as Decisões da Prática Clínica15h às 16h FarmacêuticaPalestra 05 Atuação do Farmacêutico em Transplante de Medula Óssea15h às 16h
  11. 11. CONBRAF - Congresso Brasileiro de Assistência Farmacêutica05/Julho/2012 (Quinta-feira)Curso 01 Avaliação de Tecnologias em Saúde9h às 18hPainel 01 Experiências de Implantação do Sistema Nacional de Gestão da9h às 13h30 Assistência Farmacêutica no SUS (HÓRUS)Conferência 01 Assistência Farmacêutica no Contexto das Redes de Atenção à Saúde:15h às 17h Proposta de Integração entre Acesso, Informação e Prestação de ServiçosPalestra 01 Indicadores da Qualidade da Assistência Farmacêutica na Atenção17h30 às 18h30 Básica06/Julho/2012 (Sexta-feira)Curso 02 Bases Conceituais e Técnicas para a Seleção, Prescrição e Aquisição de9h às 13h30 Fitoterápicos no SUSWorkshop 01 Ferramentas de Apoio à Prescrição de Medicamentos: o Uso Racional da9h às 13h30 Evidência CientíficaOficina 01 Construindo uma Proposta de Implantação do Sistema Hórus em15h às 18h30 Serviços Municipais de SaúdeMesa-Redonda 01 Ciência, Tecnologia e Inovação no SUS: uma Agenda Estratégica15h às 17hPalestra 02 A Lei 12401/2011 e a Criação da Comissão Nacional de Incorporação de17h30 às 18h30 Tecnologia no SUS (CONITEC)07/Julho/2012 (Sábado)Painel 02 Experiências de Êxito no Âmbito do Ciclo da Assistência Farmacêutica:9h às 13h30 Escolha, Aquisição, Logística e Estruturação de Serviços de FarmáciaPainel 03 Estratégias de Capacitação de Recursos Humanos para a Assistência9h às 13h30 Farmacêutica no SUSConferência 02 Novos Marcos Regulatórios da Assistência Farmacêutica no SUS15h às 17hPalestra 03 Importância da Difusão de Centros de Informação de Medicamentos no15h às 16h SUSPalestra 04 Insulinas Análogas: Existe Justificativa para seu Uso Corrente?16h30 às 17h30
  12. 12. RESUMO DOS TRABALHOS APRESENTADOS 22ª Semana Racine - Congresso de FarmáciaSR 01 - ASPECTOS FARMACOLÓGICOS DO IDOSO E O USO DE MEDICAMENTOSINADEQUADOSMASCARENHAS, GEYSA DONÁRIA DE MIRANDA1; SILVA, KELLE OLIVEIRA2 FARIA,LUCIANA AMARAL DE2 SILVA, PATRÍCIA AZEVEDO DA11Discente do Curso de Farmácia da Faculdade Independente do Nordeste2Farmacêutica, Docente do Curso de Farmácia da Faculdade Independente do NordesteCom o envelhecimento, algumas mudanças nas funções fisiológicas devem ser consideradas,pois podem interferir nos mecanismos homeostáticos do idoso e em sua resposta orgânica,diminuindo a capacidade de reserva, defesa e adaptação, tornando-o mais vulnerável aestímulos traumáticos, infecciosos ou psicológicos. Por isso, as doenças se desencadeiammais facilmente, além de interferir na atividade dos medicamentos. Neste contexto, os objetivosdeste trabalho foram caracterizar as alterações fisiológicas provocadas pelo envelhecimentohumano, avaliar as alterações farmacocinéticas e farmacodinâmicas sofridas pelos idosos, edescrever os fármacos inadequados para esse grupo populacional. Entre os meses de janeiroe fevereiro de 2012, foram analisados 43 artigos selecionados nas bases de dados Scielo eLilacs e indexados por descritores previamente determinados. A partir das análises, ficouevidenciado que o envelhecimento humano provoca o declínio funcional em vários órgãos esistemas, como alterações cardiovasculares, metabólicas, respiratórias, na pele, no sistemadigestivo, ósseo neurológico, genitourinário e muscular. Os idosos possuem maiorprobabilidade de apresentar reações adversas a medicamentos devido às alteraçõesfarmacocinéticas e dinâmicas. As alterações farmacocinéticas ocorrem na capacidade deabsorção intestinal, depuração renal dos fármacos, redução do fluxo plasmático hepático,alteração do volume de distribuição dos fármacos, e na concentração de albumina sérica eaumento da gordura corporal. E as alterações farmacodinâmicas relacionam-se ao número dereceptores e à capacidade de ligação a eles, bem como a diminuição dos mecanismoshomeostáticos que modifica a sensibilidade aos fármacos. Dentre os medicamentosconsiderados impróprios para o consumo por idosos, destacam-se os benzodiazepínicos delonga ação empregados como agentes sedativos, tal como Diazepam, que podem causarsedação durante o dia e aumento do risco de quedas e fraturas ósseas. A Amitriptilina, umantidepressivo tricíclico, além de gerar hipotensão ortostática, possui efeitos anticolinérgicosmais intensos e pouco tolerados por pacientes idosos. O hipoglicemiante Clorpropamidaapresenta meia-vida longa podendo causar hipoglicemia prolongada. Anti-hipertensivos como aMetildopa podem causar bradicardia e exacerbar depressão em pacientes idosos. A Hioscina,um antiespasmódico, é pouco tolerada por idosos, levando a efeitos adversos anticolinérgicos,além de sua efetividade nas doses toleradas ser questionável. Conclui-se que as alteraçõesfisiológicas ocorridas em pessoas idosas implicam também em alterações farmacocinéticas efarmacodinâmicas que devem ser consideradas pelos profissionais de saúde, para que possaser evitado o uso de fármacos inadequados e que a farmacoterapia possa trazer benefícios àsaúde e à qualidade de vida do idoso.E-MAIL PARA CONTATO: patyads@hotmail.comSR 02 - ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA AOS PORTADORES DE HEPATITE C DOHOSPITAL DE CLÍNICAS GASPAR VIANNAALVARES, ALCIR1; PORFÍRIO, ROSEANE2; TRAVASSOS, AMÉLIA2; SMITH, DANIELA2;HABER, CLAÚDIA2; DOS SANTOS, MARINA2.1-Estudante do Curso de Farmácia-Bolsista da Fundação Hospital de Clínicas Gaspar Vianna2-Farmacêutica - Servidora Pública da Fundação Hospital de Clínicas Gaspar ViannaIntrodução: Atualmente estima-se que 170 milhões (3%) dos indivíduos no mundo estãoinfectados pelo vírus da hepatite C, sendo três milhões de pessoas só no Brasil. A hepatite C é
  13. 13. uma inflamação no fígado causada pelo vírus da hepatite C (VHC) transmitida através decontato com sangue contaminado. Essa inflamação dependendo da intensidade e do tempopode levar à cirrose e evoluir para câncer de fígado Objetivo: Apresentar o perfil dos pacientesportadores de Hepatite C assistidos pelo programa do componente especializado daAssistência Farmacêutica na Fundação Pública Estadual Hospital de Clínicas Gaspar ViannaMétodos: O presente estudo utilizou para análise, 109 APAC’s (Atendimento paraProcedimento de Alta Complexidade) de pacientes cadastrados no programa no período de2007 a 2011 usando algumas variáveis como: gênero (Masculino e Feminino), faixa etária (<45e >45 anos), situação do tratamento (em curso, interrompido ou finalizado), genótipo do VHC(1a, 1b, 2 e 3) e terapia medicamentosa (interferon alfa e interferon peguilado, ambosassociados à ribavirina) Resultados e Conclusão: Neste trabalho constatamos que existem(48%) do gênero masculino e (52%) do gênero feminino, (79%) da população infectada, temmais de 45 anos, observamos um percentual de 68% de finalizações no tratamento, umaprevalência do genótipo 1 (72%) seguido do genótipo 3 (18%) e grande incidência na utilizaçãoda terapia medicamentosa de interferon peguilado 180 mg associado a ribavirina 1g (70%).Com a realização desta pesquisa verificamos o perfil dos pacientes portadores do vírus daHepatite C assistidos pelo Programa do Ministério da Saúde em tratamento na fundação.Apoio Financeiro: Fundação Pública Estadual Hospital de Clínicas Gaspar Vianna-FHCGVE-MAIL PARA CONTATO:marinanidia@gmail.comSR 04 - AVALIAÇÃO DA ADESÃO AO TRATAMENTO MEDICAMENTOSO E NÃOMEDICAMENTOSO DE PACIENTES HIPERTENSOS ATENDIDOS NO PSF GUARITÁ,ITAPERUNA-RJ.Bonadiman, RAPHAEL LAIBER*; Bonadiman, SaMUEL LAIBER*; SILVA, DENISEAPARECIDA*** Farmacêutico graduado pela Universidade Iguaçu, Campus V - Itaperuna, RJ.** Professora do Curso de Farmácia, UNIG-Campus V, Itaperuna/RJ,Foi realizada uma pesquisa durante os meses de agosto e setembro de 2010, com 108pacientes hipertensos atendidos no PSF (Programa Saúde da Família) Guaritá, localizado nobairro Vinhosa, no município de Itaperuna, estado do Rio de Janeiro. O objetivo do estudo foiverificar o grau de adesão ao tratamento medicamentoso e não medicamentoso nos quadrosde hipertensão arterial bem como avaliar os níveis pressóricos dos pacientes. Comometodologia foi utilizada uma pesquisa de natureza exploratória, descritiva e de caráterquantitativo. Os resultados indicaram que 63,9% dos pacientes não seguem dieta alimentarespecífica para hipertensão arterial e 75% dos pacientes não praticam exercícios físicos. Emrelação ao tratamento medicamentoso, o anti-hipertensivo mais utilizado foi a hidroclorotiazida,presente no tratamento de 63,9% dos pacientes avaliados, seguido do captopril (61,1% dospacientes), propranolol (27,8%), dentre outros prescritos para menos de 25% dos pacientes. Aavaliação da adesão ao tratamento medicamentoso indicou que 69,4% dos pacientesapresentam adesão plena, 17,6% relataram omissão de doses e apenas 13% relataram nãoadesão ao tratamento. Um total de 87,9% dos pacientes apresentou níveis pressóricos acimados limites de normalidade. De acordo com os resultados pode-se concluir que os pacientespossuem alta adesão ao tratamento farmacológico e baixa adesão ao tratamento nãofarmacológico, o que pode ser responsável pela dificuldade de controle dos níveis da pressãoarterial.E-MAIL PARA CONTATO: samucabonadi@hotmail.comSR 05 - AVALIAÇÃO DA ADESÃO DOS PACIENTES ENVOLVIDOS NO “ENSAIO CLÍNICOFASE III PARA LEISHMANIOSE TEGUMENTAR AMERICANA. EQUIVALÊNCIA ENTRE OESQUEMA PADRÃO E ALTERNATIVOS COM ANTIMONIATO DE MEGLUMINA”REIS, MONIQUE E NOVATO, MADELONInstituto de Pesquisa Clínica Evandro Chagas - Fundação Oswaldo Cruz - Laboratório deVigilância em LeishmaniosesO objetivo do presente estudo é avaliar a adesão dos pacientes com leishmaniose tegumentaramericana a diferentes tratamentos propostos no “Ensaio Clínico fase III para leishmaniosetegumentar americana. Equivalência entre o esquema padrão e alternativos com antimoniatode meglumina”, a saber: forma cutânea (LC): 20 mg de antimonial pentavalente (Sb5+)/kg/dia
  14. 14. por 20 dias ou 5 mg Sb5+/kg/dia por 30 dias, contínuos ou de forma intermitente, intramuscular.Forma Mucosa (LM): 20 mg Sb5+/kg/dia por 30 dias ou 5 mg Sb5+/kg/dia contínuos até a cura,intramuscular. Este monitoramento é importante para demonstrar as diferenças de adesãoentre os vários esquemas de tratamento, assim como para identificar critérios sócio-econômico-culturais que possam influenciar na adesão do paciente ao tratamento proposto. Sãofornecidas ampolas em número superior ao necessário para o esquema proposto, solicitando-se que o paciente retorne as ampolas não utilizadas, que serão contadas e anotadas. Opaciente também responde a um questionário padronizado para coletar dados sócio-econômico-culturais e do tratamento dos pacientes. Espera-se que esquemas terapêuticos comdoses contínuas tenham maior índice de abandono quando comparadas com dosesintermitentes, assim como os esquemas com altas doses em comparação com os de baixasdoses, e que sejam encontradas diferenças do nível de adesão relacionada às característicassócio-econômico-culturais. Preliminarmente, observamos que os pacientes com LC e LM sãopredominantemente homens, brancos, solteiros, LC com idade média de 41 anos, LM commédia de 55 anos, escolaridade baixa, coabitando com cerca de 3 membros da família, comrenda pessoal e familiar entre 1 e 5 salários mínimos, não fumantes, não fazem uso de drogasilícitas, com profissões variadas, vivendo principalmente na cidade do Rio de Janeiro e GrandeRio, onde foram infectados devido à moradia em áreas endêmicas para leishmaniose. Estespacientes procuram principalmente profissionais de saúde de nível superior para aplicação damedicação, e não são descuidados com relação ao horário das tomadas diárias domedicamento. O estudo está previsto para terminar em 2014.Agencia Financiadora: FAPERJE-MAIL PARA CONTATO: MONIQUERFONSECA@GMAIL.COMSR 07 - ORIENTAÇÃO FARMACÊUTICA QUANTO A OCORRÊNCIA DE POLIFARMÁCIAENTRE IDOSOSGUTEMBERG PASSOS DE SOUSA¹, JOSELIA MENDES LEAL MELO¹, ABRAHÃO DA SILVAGAMA FILHO¹, KARLA NAIR DE FREITAS MARQUES ALENCAR¹, MAURICELIA DOSSANTOS SILVA FREITAS¹, VIVIANNE RODRIGUES AMORIM².Centro de educação tecnológica de Teresina, departamento de farmácia, ¹graduando(a),²orientadora.Introdução: A orientação farmacêutica no atendimento aos idosos, que em sua maioriautilizam vários fármacos (caracterizando a polifarmácia), deve-se não só por sua fragilidade,como também em decorrência das doenças crônicas que os acometem. As variáveiscomumente associadas à elevada utilização de medicamentos nesta faixa etária são: sexo(principalmente o feminino), aumento da idade, viver sem companheiro, internação em clínicasgeriátricas, hospitalização, consulta a diferentes prescritores, automedicação, doenças crônico-degenerativas, uso de medicamentos para tratamento de reações adversas, erros deadministração, baixa percepção de saúde e baixa qualidade de vida, surgimento de novosmedicamentos, o fácil acesso a medicações e a baixa frequência de uso de recursos nãofarmacológicos. No que diz respeito ao gênero, enquanto as mulheres utilizam maisanalgésicos, antireumáticos e psicotrópicos, nos homens há maior uso de agentestrombolíticos, cardioterápicos e antiasmáticos. Outras investigações relataram diferenças degênero no uso de medicamentos prescritos e não prescritos com maior prevalência de usoentre mulheres em ambas as situações. O incremento das prescrições nessa faixa etária podelevar a duas situações quase idiossincráticas: a polifarmácia e a iatrogenia. No exercício diárioda farmácia, apesar da existência de rotinas institucionalizadas em relação às medicações,pode-se e deve-se interferir na forma como a assistência é realizada para que além de preveniras interações medicamentosas adversas possa-se assegurar uma prática contextualizada naciência e no cuidado ao usuário. Assim, o presente trabalho ao expor os motivos que levam apolifarmácia em idosos, chama a atenção para a necessidade de uma correta atençãofarmacêutica onde o farmacêutico toma para si a responsabilidade de gerenciar afarmacoterapia de seus usuários, ofertando a eles serviços farmacêuticos e colaborando nabusca da melhoria da qualidade de vida destes. Métodos: fundamentou-se na leitura seletiva,de periódicos e artigos científicos, entre 2005 a 2012, oriundos da base de dados CochraneLibrary, MEDLINE, SciELO, LILACS, PubMed e Google Acadêmico, sendo a busca realizadacom as seguintes palavras: “Polifarmácia”, “Idosos” e “Orientação Farmacêutica”. Resultados eDiscussão: de acordo com os dados apresentados, por haver maior incidência de agravos àsaúde em idosos, há também um aumento na prevalência de interações medicamentosasdesta faixa etária quando comparada a outras (13 a 82%). No entanto, uma correta orientaçãofarmacêutica pode reduzir em consideravelmente o risco de interações medicamentosas egarantir assim um efetivo tratamento farmacoterapêutico. Conclusão: A análise dos dados
  15. 15. apresentados permite verificar que alterações fisiológicas e presença de patologias crônicasnos idosos, são fatores colaboradores para a ocorrência da polifarmácia, nesse contexto aorientação farmacêutica se torna uma ferramenta eficaz na minimização dos riscos e melhoriana qualidade de vida dos usuários.E-MAIL PARA CONTATO: kilikina1984@hotmail.comSR 08 - PREVALÊNCIA DO USO DE CONTRACEPTIVOS DE EMERGÊNCIA DE UMAFARMÁCIA COMUNITÁRIA DE GOIÂNIA-GO.FILHO, JOSÉ TEÓFILO MOREIRA; CARMARGO, EMELY THAIS PREIRA BUENO DE; SILVA,BRUNO CÉSAR MENDONÇA; ALVES, LORENA RIBEIRO; SOUSA, SANDRA ALVES DESOUSA; GOMES, MARCELO DO NASCIMENTO.Curso de Farmácia; Faculdade Montes Belos - FMBO conhecimento sobre métodos contraceptivos podem contribuir para que os indivíduosescolham o método mais adequado ao seu comportamento sexual e às suas condições desaúde, bem como a aplicação correta do método escolhido. Assim, esse conhecimento deveestar relacionado à prevenção da gravidez indesejada, da mortalidade materna e de outrosagravos à saúde (BRASIL, 2005). Este trabalho tem como objetivo avaliar a prevalência, o perfile o conhecimento dos aquisitores quanto ao uso de Contraceptivos de Emergência (CE). Oreferido projeto trata-se de um estudo epidemiológico, quantitativo e transversal. Em que foiquisto coletar dados em um roteiro específico cujo incita várias questões, subsequentesrelativas ao tema proposto e tudo conforme a Resolução 196/96 do CNS. Foram entrevistadas56 pessoas verificando que, 62,50% são do sexo feminino e 37,50% são do sexo masculino,predomínio de faixa etária entre 21 a 30 anos, no qual mais de 50% dos entrevistados sedenominaram solteiros e com nível superior incompleto. Entre os entrevistados que adquiriramo CE, cerca de, 68% afirmaram obter informações de pessoas leigas sem conhecimentotécnico científico. Entretanto mesmo com a obtenção de informação de pessoas leigas, 51%dos entrevistados afirmaram usar de forma correta indicada na bula que é até 12 horas após arelação sexual, enquanto que, 25% fizeram o uso inadequado, o que poderia acarretar em umagravidez indesejada, 31,42% das mulheres disseram ultilizar o CE mesmo estando fazendo usodos anticoncepcionais colocando em risco a sua saúde. Verificou-se também que, cerca de,90% dos entrevistados disseram saber o que é CE, mas foi preciso mencionar que se tratavada “pílula do dia seguinte”. Verificando a este assunto que é notório uma lacuna existente entreo conhecimento e a prática exata da contracepção de emergência. Ademais podemos concluirque se faz necessário o desenvolvimento de ações que buscam informar a população quantoaos efeitos causados pelos contraceptivos de emergência.E-MAIL PARA CONTATO: tiofinho@hotmail.comSR 09 - SEGUIMENTO FARMACOTERAPÊUTICO EM PACIENTES COM DIABETESMELLITUS TIPO 2 EM TRATAMENTO COM METFORMINADRIES SAMUEL; SOARES BARBARA; ANDRADE FABIANA; PERASSOLO MAGDA.Instituto de Ciências da Saúde - Universidade Feevale, Novo Hamburgo, RS, BrasilO seguimento farmacoterapêutico (SF) vem demonstrando grande importância no aumento dasobrevida e da qualidade de vida de pacientes diabéticos, principalmente pelo surgimento dascomplicações relacionadas à doença e a um tratamento ineficaz. As dosagens laboratoriaisdestes pacientes podem apresentar mudanças significativas durante o período deacompanhamento. Assim sendo, este trabalho teve por objetivo avaliar a influência doseguimento farmacoterapêutico sob os parâmetros laboratoriais de pacientes com diabetesmellitus do tipo 2 (DM2). Realizou-se um estudo, aprovado pelo Comitê de Ética e Pesquisa daUniversidade Feevale, sob protocolo nº 2.02.01.07.608, com pacientes portadores de DM2 emmonoterapia com metformina para o tratamento do diabete, que participaram de um SF por umperíodo de quatro meses, com encontros mensais. O controle glicêmico e o perfil lipídico foramavaliados através das dosagens de glicose de jejum, colesterol e triglicerídeos pelo métodoenzimático colorimétrico, a glico-hemoglobina, por cromatografia líquida de alta eficiência(CLAE). Parâmetros de estresse oxidativo foram avaliados através da atividade da enzimasuperóxido dismutase (SOD) pelo método de inibição da auto-oxidação da adrenalina e osníveis de malondialdeído (MDA) por cromatografia líquida de alta eficiência com detecção porarranjo de diodos (CLAE-DAD). A determinação de metformina plasmática foi obtida por CLAE-
  16. 16. DAD. Compararam-se os valores das dosagens laboratoriais no início do SF e ao final domesmo. Avaliou-se 24 pacientes com idade de 59 ± 9 anos e IMC de 29,8 ± 5,1 kg/m2. Ospacientes possuíam DM há 36 (1 - 240) meses e utilizavam metformina há 36 (1 - 180) mesesem uma dose diária de 1700 (500 - 2550) mg. Os níveis de SOD (6,90 vs. 8,13 U SOD/gproteína, P=0,674) não apresentaram alteração estatística após o SF, contudo, houve umapequena alteração nos níveis de glicemia (133 vs. 120 mg/dL, P=0,316), HbA1c (7,12 vs.6,40%, P=0,224), colesterol (194 vs. 189 mg/dL, P=0,869), triglicerídeos (162 vs. 144 mg/Dl,P=0,820) , LDL (113 vs. 117 mg/dL, P=0,361), diminuição significativa dos valores de MDA(3,37 vs. 2,40 µM, P=<0,001) e aumento da metformina plasmática (330 vs. 594 ng/mL,P=0,069). Desta maneira, a associação destes fatores pode ter colaborado para um resultadopositivo, sugerindo uma redução do estresse oxidativo nos pacientes após o acompanhamento.Relacionado a isto, pode estar o fato de que, após o SF, observou-se também um aumento nosníveis plasmáticos de metformina, sugerindo uma melhora no tratamento do DM. AuxílioFinanceiro: Universidade Feevale; CNPqE-MAIL PARA CONTATO: samuel.selbach@gmail.comSR 10 - USO DE MEDICAMENTOS EM TRANSTORNO DA COMPULSÃO ALIMENTARPERIÓDICA NO CENTRO DE ATENÇÃO PSICOSSOCIALOUTA, TATIANE MAYUMI FERREIRA1, OSHIRO, MARIA DE LOURDES2, RONDON,MARCOS JOSÉ CARDOSO31 Universidade Católica Dom Bosco 2 Universidade Católica Dom Bosco e Secretaria de Estadode Saúde/MS 3CAPS/Secretaria Municipal de Saúde Campo GrandeO transtorno da compulsão alimentar periódica (TCAP) é uma nova categoria de transtornoalimentar, caracterizado por episódios de compulsão alimentar recorrentes, ausência doscomportamentos compensatórios inadequados para evitar o ganho de peso. O uso demedicamentos para indivíduo obeso que apresenta comorbidade psiquiátrica com a associaçãode dietoterapia, psicoterapia torna-se essencial, nesse caso a utilização de antidepressivoscomo a fluoxetina, amitriptilina e a sertralina. Estima-se que a prevalência da obesidade empacientes psiquiátricos tratados farmacologicamente é 2 a 5 vezes maior do que na populaçãoem geral. O objetivo do trabalho foi verificar consumo de medicamentos em mulheres comTCAP do Centro de Atenção Psicossocial II (CAPS) em Campo Grande MS, medianteentrevista e análise de prontuário. O trabalho foi aprovado no CEP/UCDB 030/2010. Asmulheres pertencentes ao grupo com TCAP somavam 17, com faixa etária predominante acimade 45 anos, 70,5%. Foram inseridas no CAPS por traumas como separação, perda deparentes, outros problemas familiares, entre outros, porém associados a algum transtornomental. Em 100% delas foi verificado o excesso de peso corpóreo, sendo uma com cirurgiabariátrica. Todas estavam em tratamento no grupo TCAP no mínimo 3 meses. As mulheresapresentavam comorbidades, tais como: Depressão (100%), Hipertensão arterial (58,8%),Diabetes mellitus (11,8%), Hipotireoidismo (11,8%); faziam utilização de medicamentos paraTCAP: Fluoxetina (70,6%), Amitriptilina (41,2%), Sertralina (11,8%), Paroxetina (5,9%). Amaioria apresentava consumo de associações medicamentosas para comorbidades do SistemaNervoso, Sistema Cardiovascular, Sistema Endócrino, Sistema Músculo-esquelético e SistemaDigestório. A fluoxetina continua sendo a primeira opção disponível para pacientes tratados noCAPS em tratamento do TCAP. Os efeitos adversos mais relatados/observados eram azia,queimação estomacal e agitação. O uso de antidepressivos como a fluoxetina e sertralinademonstrou eficácia nesse grupo com TCAP porém necessita de mais estudos para resultadosterapêuticos conclusivos.E-MAIL PARA CONTATO: tatimayu@hotmail.comSR 11 - UTILIZAÇÃO DE SUPLEMENTO ALIMENTAR POR PRATICANTES DE EXERCÍCIOFÍSICO EM ACADEMIAS DE SANTARÉM-PALopes Monteiro Nayara1Sousa de Alvarenga Beatriz Suellen1Aguiar Carvalho Vanessa1MaestriPiloni Régis21 Acadêmicas do curso de Farmácia Generalista, VII semestre, do Instituto Esperança deEnsino Superior2 Orientador do projeto de pesquisa e docente do curso de Farmácia.
  17. 17. Os suplementos alimentares são caracterizados como gêneros alimentícios que são usadospara complementar o regime alimentar normal e que constituem fontes concentradas dedeterminados nutrientes. Eles têm sido usados de forma excessiva por praticantes demusculação como alternativa para melhorar o rendimento físico e ganhar massa muscular. Oobjetivo geral desta pesquisa foi avaliar o consumo de suplementos alimentares por praticantesde exercício físico e os específicos foram: identificar a classe de suplementos mais consumida;pesquisar os principais motivos que levaram ao consumo de suplementos alimentares;investigar se houve alguma orientação por profissionais da saúde para o uso de suplementos.O estudo realizado foi uma pesquisa de campo descritiva com abordagem quantitativa, nasacademias centrais do município de Santarém - PA. A amostra de estudo foram praticantes deexercício sem restrição de idade, os quais responderam um questionário com 12 questõesobjetivas, elaborado especificamente para este estudo. Antes da aplicação dos questionários adireção das academias recebeu um documento permitindo a realização da pesquisa noestabelecimento. No momento da aplicação do questionário foi entregue um folder para cadaparticipante com imagens de vários tipos de suplementos, para que os mesmos identificassemo(s) suplemento(s) utilizado(s) de forma correta. Todos os participantes da pesquisa assinaramo Termo de Consentimento Livre e Esclarecido, conforme as normas para realização depesquisa em seres humanos, Resolução 196/96. Foram entrevistadas 186 pessoas, sendoque 60% declara fazer o uso de suplementação e 70% dessas pessoas que fazem o uso desuplementos são do sexo masculino. De acordo com os resultados a classe de suplementoalimentar mais utilizada são os repositores energéticos, sendo 41%. Quanto à razão do uso desuplemento alimentar, 55% alegaram consumir suplemento com o objetivo de aumentar amassa muscular e somente 13% tem acompanhamento de um profissional da saúde. A partirdesta pesquisa pode-se constatar que a maioria das pessoas que frequentam regularmenteacademias fazem o uso de suplementos e apenas uma pequena porcentagem tem umacompanhamento profissional. A categoria é Trabalho Acadêmico (graduação) e a modalidadeEducação Farmacêutica.E-MAIL PARA CONTATO: nessa_c_aguiar@hotmail.comSR 12 - VARIAÇÃO DE PREÇOS DE MEDICAMENTOS EM DIFERENTES REGIÕESSOCIAIS DE SANTOS SPSANTOS, ANA VICTÓRIA ANDRADE DOS; LORANDI, PAULO ANGELOUniversidade Católica de Santos, curso de FarmáciaNo Brasil, o preço dos medicamentos é tabelado pelo teto, mas é sabido que a indústriacontrola vários aspectos do mercado, estabelecendo os preços acima do custo de produção. Arelação entre o preço final do medicamento versus capacidade de compra dos estratos dasociedade é determinante, então alguns subterfúgios são criados para ampliar a margem denegociação realizada nas Unidades farmacêuticas (UF). Esse trabalho investigou a variação depreços para dez medicamentos da Rename - 2010, em cinco regiões sócio-econômicasdiferentes de Santos SP, estratificados segundo referencial teórico de Sposati. Estudou-se trêsanti-hipertensivos (carvedilol, espironolactona e metoprolol), dois antimicrobianos(claritromicina e clindamicina), um do programa anti-tabagismo (bupropiona), dois paratranstornos psiquiátricos (clomipramina e risperidona), um anti-inflamatório esteroidal(dexametasona) e um hormônio (levotiroxina sódica). Excluíram-se medicamentos da lista doprograma “Aqui tem Farmácia Popular”. Excluíram-se as redes de drogarias. Existem 539apresentações registradas (135 medicamentos de referência, 225 genéricos e 179 similares),mas apenas 513 foram analisados, distribuídos entre os dez estabelecimentos. Considerando-se os valores definidos na tabela da Anvisa (atualizada em 17/04), nas quatro UF dos bairrosmais inclusivos encontrou-se a maior variação de preço tanto para baixo (354) quanto paracima (132), além de 29 medicamentos sem alteração de preço. A majoração de preço é umaprática irregular e foi encontrada em todas as UF. Excluindo-se a claritromicina, os demaisprincípios ativos foram majorados em pelo menos um tipo de medicamento e em todas as UF.Mesmo nos estratos menos inclusivos, encontrou-se medicamentos majorados, em relação àtabela oficial, na ordem de 7%. Em apenas uma UF não houve sobrepreço em relação à tabela.O princípio ativo que teve a maior sobrevalorização (129%) foi a risperidona, para omedicamento de referência, o qual também apresentou o maior deságio em um similar (-86,4%). E foi o segundo em maior número de sobrepreço. Independentemente dos valores,ressalta-se a necessidade de maior fiscalização. É fato que o medicamento é tratado comobem de consumo e tem variações de preço conforme a condição do mercado.E-MAIL PARA CONTATO: anavictoriaandrade@hotmail.com
  18. 18. SR 13 - DISPONIBILIDADE COMERCIAL DE MEDICAMENTOS EM DIFERENTES REGIÕESSOCIAIS DE SANTOS SPSANTOS, ANA VICTÓRIA ANDRADE DOS; LORANDI, PAULO ANGELOUniversidade Católica de Santos, curso de FarmáciaMedicamentos adequados, disponíveis no sistema público e privado, fazem parte do acessointegral à saúde. O acesso no sistema privado está condicionado à disponibilidade comercial ea capacidade de compra do usuário. No Brasil, o preço dos medicamentos é tabelado pelo tetoe o valor final determinado por leis de mercado. O Estado propõe os genéricos, com ênfase nosmedicamentos essenciais, como política de controle do mercado. Há de se investigar aqualidade do acesso aos medicamentos. No sistema privado de Santos SP, em cinco regiõessócio-econômicas diferentes, analisou-se a disponibilidade comercial de dez medicamentos daRename - 2010: três anti-hipertensivos (carvedilol, espironolactona e metoprolol), doisantimicrobianos (claritromicina e clindamicina), um do programa anti-tabagismo (bupropiona),dois para transtornos psiquiátricos (clomipramina e risperidona), um anti-inflamatório esteroidal(dexametasona) e um hormônio (levotiroxina sódica). Excluiu-se medicamentos da lista doprograma “Aqui tem Farmácia Popular”. Considerou-se todas as especialidades farmacêuticasdisponíveis para cada princípio ativo: o de referência em todas as formulações, os genéricoscorrespondentes e os similares. Um mesmo princípio ativo apresentou mais de uma formulaçãocomo referência. Cada laboratório do mesmo genérico foi contabilizado individualmente. Aestratificação dos bairros foi feita pelo referencial teórico de Sposati, distribuídos em ordemdecrescente de inclusão. Os estabelecimentos foram escolhidos pela lista telefônica.Excluíram-se as redes de drogarias. Para os dez princípios ativos, existem 539 apresentaçõesregistradas (135 medicamentos de referência, 225 genéricos e 179 similares). Doisestabelecimentos, dos bairros dos estratos mais inclusivos, apresentaram 37% de todas asespecialidades possíveis e os demais abaixo de 19%. Só em dois estabelecimentos foramencontrados todos os princípios ativos. O carvedilol referência não estava disponível emnenhum estabelecimento e a levotiroxina estava presente em todos. Os demais medicamentosde referência foram encontrados na seguinte ordem (número de estabelecimentos):dexametasona (7), espironolactona (5), clomipramina (4), metoprolol (3), claritromicina (2),clindamicina (2), bupropiona (2) e risperidona (1). Os bairros de melhor condição sócio-econômica abrigam estabelecimentos farmacêuticos que oferecem mais oportunidades deescolha ao usuário. Auxílio financeiro: Pibic, CNPqE-MAIL PARA CONTATO: anavictoriaandrade@hotmail.comSR 14 - PERFIL DA UTILIZAÇÃO DE ANTIBIÓTICOS NO BAIRRO DO CARANAZAL,SANTARÉM-PA, NO PERÍODO DE JANEIRO A JULHO DE 2011ISABELE DE AZEVEDO PORTELA; ELIENE DOS SANTOS FARIAS LIRA; MARIA MARYAGUIAR CUNHA; MÔNICA TATIANE LIMA PINHEIRO; JUAREZ DE SOUZA; ANA CAMILASENAIntrodução: Antibióticos são medicamentos usados no combate ao crescimento bacteriano,sendo prescritos nos casos de infecções. A indicação terapêutica dos antibióticos ainda é umaquestão confusa para grande maioria da população, que não reconhece a diferença e acabautilizando em processos inflamatórios. Referencial teórico: A utilização desses medicamentosvem ocorrendo de forma exagerada e muitas vezes inadequada, ou pelo desconhecimento daindicação, ou pelo uso incorreto, ou até mesmo pela prescrição inadequada. Esta prática podelevar à resistência bacteriana, dificultando o tratamento das infecções. Objetivo: Diante dasituação, realizou-se um estudo sobre essa classe terapêutica, no Bairro do Caranazallocalizado no município de Santarém-Pará, que teve como objetivo traçar o perfil do uso dosantibióticos na população do bairro. Metodologia: Para a realização desta pesquisa foramaplicados questionários a 149 moradores do bairro, na faixa etária acima de 15 anos.Resultados: Do total de participantes da pesquisa 78,5% afirmaram saber o que é umantibiótico, mas apenas 73,5% acertaram o seu conceito, ainda do total de participantes, 72,5%usaram antibióticos prescritos pelo médico, sendo a maior parte pertencente ao grupo dos βlactâmicos (57,3%), seguido pelas quinolonas (19,4%) e macrolídeos (18,2%). A grandemaioria (77,8%) afirmou completar o tratamento até o fim, o restante utilizou o medicamentopor dois dias ou pararam de usar quando melhoraram. O uso de medicamentos sem prescriçãomédica ainda é freqüente já que do total de participantes da pesquisa 12,1% aindaconseguiram adquirir antibiótico sem o receituário médico, e 21,5% realizou automedicação
  19. 19. com antibióticos em algum membro da sua família, tendo a maioria relatado conhecer os riscosdesta prática. Quanto às reações adversas 11,4% dos participantes citaram ter sofrido dor noestômago, mal estar e alergia ao ingerir antibióticos, a maioria ocorrendo em indivíduos jovens(15 a 25 anos) (41,2%). A maior parte dos participantes mostrou-se a favor do controle davenda dos antibacterianos. Dos 65,1% que concordou 63,9% acreditam que este controle podeevitar a automedicação, os que não concordaram com a legislação (34,9%) afirmaram que onúmero de médicos é insuficiente para a demanda de pacientes. Conclusão: Podemosconsiderar então que o uso de antibióticos é muito freqüente na população, nesse sentido, é defundamental importância a presença do profissional farmacêutico em todos os locais dedispensação desses medicamentos, para que possam orientar a população quanto ànecessidade do uso racional dos mesmos.E-MAIL PARA CONTATO: portela_bel@hotmail.comSR 15 - FATORES QUE INFLUENCIAM O TRATAMENTO ANTI-HIPERTENSIVO EM UMAESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIAOLIVEIRA, JUVANIR ANTÔNIO DE1; SOUZA, SIMONE FERNANDES DE1; SOUZA,EMANUELLE FERREIRA DE2; PEREIRA, ANA LÍGIA DE SOUZA2; FERRARI, FERNANDACRISTINA2; FONTES, RENATA APARECIDA2.1Acadêmicos - Faculdade Vértice Univértix - 2 Docentes - Faculdade Vértice - UnivértixINTRODUÇÃO: A Hipertensão Arterial Sistêmica (HAS) está entre patologias crônicas nãotransmissíveis mais importantes. Esta é considerada como principal fator de risco para odesenvolvimento de doença do aparelho cardiovascular e insuficiência renal. A adesão àterapêutica anti-hipertensiva merece atenção, pois poderia evitar muitas dessas complicações.O objetivo deste estudo foi identificar os fatores que podem interferir no tratamento anti-hipertensivo em um grupo de hipertensos de uma Estratégia Saúde da Família (ESF) de ummunicípio de Minas Gerais. MÉTODO: Trata-se de uma pesquisa descritiva com abordagemquantitativa. Os dados foram coletados através de um questionário por meio de entrevistas compacientes que fazem parte do grupo de hipertensos de uma Estratégia de Saúde da Família(ESF). RESULTADOS: Dentre os 31 pacientes hipertensos, 67,7 % eram do gênero feminino e68 % possuem o ensino fundamental incompleto. 80,6 % não faziam atividade física; 22,6 %consomem alimentos ricos em sal e gordura, 12,9 % fumantes. 19,4 % referiram excesso epeso ou obesidade, 12,9 % utilizam bebidas alcoólicas com frequência. Quanto à medicação,58% utilizam de 2 a 3 medicamentos por dia. Sobre a dificuldade de tomar os medicamentos deacordo com a posologia indicada pelo médico, 87,1% disseram não ter dificuldade e 12,9 %disseram que esquecem. Além disso, 93,5% dos hipertensos declararam que depois quecomeçaram a participar do grupo de hipertensos a grande maioria das dúvidas em relação àutilização de medicamentos e ao tratamento da doença tem sido esclarecidas contribuindo paramelhor utilização dos medicamentos. CONCLUSÃO: Apenas a distribuição gratuita damedicação não é suficiente para garantir a adesão ao tratamento, principalmente devido aosfatores relatados pela população referida neste trabalho. Existe a necessidade de politicaspúblicas educativas para a conscientização do paciente da necessidade de modificar o estilode vida, além de entender e conhecer o tratamento medicamentoso.E-MAIL PARA CONTATO: nandacrisferrari@yahoo.com.brSR 16 - TRATAMENTO MEDICAMENTOSO E EXERCÍCIO FÍSICO PARA O CONTROLE DODIABETES MELLITUSMIRANDA, RITA DE CÁSSIA DOS SANTOS1; NASCIMENTO, KELLY APARECIDA DO2;PEREIRA, ANA LÍGIA DE SOUZA2; SILVEIRA, GLEICIELLY SANTOS2; FERRARI,FERNANDA CRISTINA2; FONTES, RENATA APARECIDA2.1Acadêmica - Faculdade Vértice Univértix - 2Docentes - Faculdade Vértice - UnivértixINTRODUÇÃO: O Diabetes Mellitus (DM) é um distúrbio do metabolismo de carboidratos queapresenta, entre outras manifestações, a hiperglicemia contínua ou intermitente. O DM tipo 1tem como causa primária a destruição autoimune das células beta pancreáticas, responsáveispela produção de insulina, ao passo que a causa do DM tipo 2 é a resistência das células àinsulina. Na linha de frente do tratamento do DM estão os hipoglicemiantes orais, mas a dietaadequada e a prática de exercícios físicos tem sido recomendados para que o diabéticomantenha glicemia normal. O objetivo deste trabalho foi verificar fatores relacionados ao
  20. 20. tratamento dos diabéticos da Estratégia Saúde da Família (ESF) de uma cidade de MinasGerais. METÓDO: Foi realizada uma pesquisa descritiva de abordagem quantitativa com 32participantes cadastrados em um grupo de pacientes diabéticos no programa de ESF de AbreCampo, no interior de Minas Gerais. Os participantes responderam a um questionáriopreviamente padronizado. RESULTADOS: 31,3% dos diabéticos são do tipo 1 e 62,5% do tipo2 e a maior parte dos investigados referiram ser acometidos pela doença a mais de três anos(59,3%). Para o tratamento da DM 53% da população referida declarou fazer uso dehipoglicemiantes orais e/ou uso de insulina. Apenas 21,8% dos investigados disseram realizaruma alimentação saudável para ajudar no controle da doença e 50% destes apresentamfatores de risco para o desenvolvimento e progressão da doença (obesidade, hereditariedade esedentarismo). A partir do cálculo do Índice de Massa Corpórea (IMC) foi detectado que maisde 70% apresentam sobrepeso e obesidade. E foi detectado que mais de 90% da populaçãoinvestigada estão pouco ativos ou sedentários, o que contribui para maior complicação dotratamento. CONCLUSÃO: São necessárias intervenções para estimular a prática de hábitossaudáveis por indivíduos diabéticos a fim de aumentar a sobrevida e o sucesso do tratamentofarmacoterapêutico.E-MAIL PARA CONTATO: nandacrisferrari@yahoo.com.brSR 17 - FARMACÊUTICO GERENTE E/OU ASSISTÊNCIA AO PACIENTE. REAÇÃOADVERSA?PRADO1,2, FERNANDO ANDRE REZENDE; CERQUEIRA2, WENDELL TORRES.1 Gestão de Resíduos / Departamento de Patologia Clínica, Instituto Fernandes Figueira,Fundação Oswaldo Cruz, Rio de Janeiro, RJ.2 Sindicato dos Farmacêuticos do Estado do Rio de Janeiro, Rua da Lapa, 120 salas 603/605 -Centro, Rio de Janeiro, RJ.Descrição do caso: O presente trabalho visa colaborar com os profissionais farmacêuticos nadecisão de assumir a gerência comercial do estabelecimento, sem que haja solução decontinuidade nas suas atividades de responsabilidade técnica e assistência farmacêutica. Visaestabelecer os atores nas relações empregado/empregador, considerando a farmácia umestabelecimento de atenção primária, como também um estabelecimento comercial. Visaainda, gerar o debate da comunidade farmacêutica a respeito desse novo perfil profissional.Avaliação: O estudo foi baseado nos relatos de caso dos profissionais farmacêuticos, assimcomo na experiência profissional de alguns membros do sindicato, no período entre 2009 e2011. Intervenção: Os resultados obtidos evidenciam que o farmacêutico tem condição plenade orientar os funcionários, e os clientes/pacientes através de um atendimento diferenciado,mais humano. O planejamento das atividades diárias é o ponto de partida para esse sucesso.A criação de procedimentos operacionais, agenda institucional, correio eletrônico dentre outrosrecursos eletrônicos, aceleram esse processo. Além disso, a necessidade do cumprimento dedispositivos legais, tais como mapas de controle, SNGPC, PGRSS, corroboram a visão danecessidade do farmacêutico gerente como elo fundamental entre a empresa, a equipe de loja,e os clientes/pacientes. Verificou-se assim, que não há incompatibilidade nasatividades/atribuições em relação a gerência e a assistência farmacêutica, há apenas o agregarde mais um aspecto desconhecido de alguns profissionais das redes dos grandes centros, masque é uma tarefa rotineira para os proprietários de estabelecimentos de pequeno porte, emespecial, daqueles das cidades do interior.Conclusões: O desafio da mudança de paradigma profissional começa pela atitude dofarmacêutico. A existência de grade curricular atualizada com as necessidades do mercado detrabalho, pode ampliar a visão do farmacêutico. A universidade deve ampliar o escopo dessasatividades, sem que se perca o horizonte acadêmico. O estreitar de laços entre a universidadee as entidades de classes favorece esse processo. Existe hoje uma grande demanda pelodesenvolvimento da habilidade de gestor, tornando o farmacêutico um profissional mais apto. Omercado necessita que o farmacêutico agregue a gestão comercial ao perfil do profissionalinteressado na promoção saúde.E-MAIL PARA CONTATO: farprado@fiocruz.brSR 18 - INTERVENÇÕES EDUCATIVAS REALIZADAS PELA AFEP A JOVENS DE UMAESTRATÉGIA DA SAÚDE DA FAMÍLIAAGUIAR DE ALMEIDA, LARISSA1; OLIVEIRA MAGALHÃES, NATHÁLIA1; HARUMI GOLIN,RAISSA1; SAYURI SATO, NATÁLIA1; Farache FILHO, Adalberto1; MASTROIANNI, PATRICIA1
  21. 21. 1 Universidade Estadual Paulista - Câmpus de Araraquara - Faculdade de CiênciasFarmacêuticasIntrodução: A AFEP - Atenção Farmacêutica Estudantil Permanente - é uma entidadevinculada à Faculdade de Ciências Farmacêuticas - Unesp Araraquara em parceria com a ESF- Estratégia Saúde da Família - das Hortências. A AFEP tem como metas acompanhamentofarmacoterapêutico de pacientes polimedicados, organiza feiras sobre saúde no bairro eintervenções educativas aos jovens adolescentes, por meio do Cine AFEP. O Cine AFEP é umevento realizado na UNESP duas vezes ao ano pelos alunos de graduação o qual consisteem apresentar e fomentar temas de saúde coletiva relacionados aos problemas de jovens de12 a 16 anos. Objetivos: Promover discussão sobre a problemática de gravidez naadolescência cujo tema foi considerado uma necessidade pela equipe da ESF. Métodos: Foiproposta a discussão do tema Gravidez na adolescência a 25 jovens por meio de apresentaçãode um filme - Juno que relata a problemática da gravidez na adolescência e seguida de umaaula sobre métodos contraceptivos e posterior discussão em grupo sobre o tema e seucontexto familiar e social. A fim de avaliar o impacto da intervenção proposta foi elaborado umquestionário a ser respondido antes e depois do filme. O primeiro questionário abordavaperguntas sobre métodos contraceptivos e apoio familiar, e o segundo questionário sobre suapercepção de gravidez na adolescência e suas consequências e como este fato interferiria emsua vida. Resultados: 21 jovens responderam os questionários. No primeiro questionário 10sabiam o que era anticoncepcional, 2 pílula do dia seguinte, 21 camisinha e 15 aborto. Dozehavia aprendido estas informações na escola, 4 com os pais, 3 na mídia e 2 com os amigos. E17 tinham o apoio dos pais. Já no segundo questionário, todos os jovens acharam que gravidezna adolescência seria um problema e caso ocorresse com algum deles nenhum iria tentar oaborto e iriam pedir ajuda principalmente aos pais, mas para que isso não ocorresse 17respondeu camisinha, 9 anticoncepcional oral, 5 pílula do dia seguinte. Conclusão: Após asintevenções percebeu-se que a opinião dos jovens mudou: “Agora que vimos o filme sabemoso quanto é difícil ter um filho na nossa idade, ter tanta responsabilidade e uma vida nas mãos”.A maioria foi a favor do uso da camisinha e anticoncepcional oral, porém o uso da pílula do diaseguinte não foi bem aceito. Dados demonstram que intervenções educativas por meio defilmes e discussões permitem reflexões e agrega conhecimentos relacionados à saúdepodendo ser uma ferramenta efetiva para promoção a saúde. Apoio: Proex.E-MAIL PARA CONTATO: lari.almeida01@gmail.comSR 19 - TECNOVIGILÂNCIA COMO FERRAMENTA PARA A REDUÇÃO DE CUSTOSHOSPITALARESAutores: SOUZA, VANESSA KASUBECK; SOUZA, DAMARIS DE LIMA; TERUEL, BRUNASANTOS; CONCEIÇÃO, VANESSA DE ANDRADEInstituição: Hospital BandeirantesA Tecnovigilância é um conjunto de ações com objetivo de promover medidas de segurança àsaúde da população através do acompanhamento de notificação relacionadas a queixastécnicas e eventos adversos de produtos em fase de pós comercialização.1 A prática deTecnovigilância garante a compreensão quantitativa e qualitativa de produtos para saúde e demedicamentos que apresentaram algum tipo de problema, envolvendo a segurança e a eficáciadestes.1 O processamento de dados, segundo rotinas técnicas pré-estabelecidas que envolvamindicadores, permite a rastreabilidade de perdas financeiras evitadas e, consequentemente, aredução de custos ao hospital.2 Além da importância da Tecnovigilância em aspectos queenvolvam medidas de proteção e segurança à saúde, essa prática influencia nos aspectoseconômicos. Um bom planejamento, monitoramento e investigação das notificaçõesproporcionam medidas necessárias para evitar perdas financeiras.1 Objetivo: Demonstrar aimportância do processo de Tecnovigilância para proporcionar resultados econômicos efetivos.Método: Trata-se de um estudo retrospectivo de análise das notificações espontâneasencaminhadas ao serviço de Tecnovigilância, entre janeiro de 2011 a março de 2012, em umhospital filantrópico da região central de São Paulo. Após análise dessas notificações, osprodutos que apresentaram queixa técnica ou desvios de qualidade foram contabilizados eprecificados, para comparação e compreensão dos valores reembolsados. Resultados: Noperíodo do estudo foram notificadas 82 ocorrências, que somaram o valor de R$ 22.526,49 emprodutos segregados por queixa técnica ou desvio de qualidade. Através do contato com osfornecedores, o serviço de Tecnovigilância obteve o reembolso de 97% desses itens, o querepresenta R$ 21.766,13, a perda financeira foi de R$ 760,36, devido algumas ocorrências
  22. 22. notificadas serem consideradas pontuais, por suspensão de determinado fabricante ou atémesmo por falta de retorno do fornecedor. Conclusão: Os resultados demonstram que além daimportância da atuação do farmacêutico juntamente ao corpo clínico, esse profissional tambémpode auxiliar em processos econômicos relacionados à Tecnovigilância, garantindo asegurança do paciente, através da qualidade de produtos para a saúde, monitoramento deocorrências para redução de perda financeira, visando eficiência na economia dos custos, econtribuindo para uma gestão econômica sustentável.E-MAIL PARA CONTATO: kasu@ig.com.brSR 20 - FARMÁCIAS MAGISTRAIS NO DISTRITO FEDERAL: EVOLUÇÃO DO SETOR NOPERÍODO DE 2000 A 2010OLIVEIRA FILHO, JOSÉ BATISTA DE2; LUSTOSA, FERNANDA LAÍSA FERREIRA3;GODINHO, MARÍLIA GABRIELA3; TAVEIRA, RODRIGO ABRÃO VELOSO2; NAVES, JANETHOLIVEIRA SILVA1Instituição: 1. Professora UnB; 2. Aluno pós-graduação UnB; 3. Aluna graduação UnB.Introdução: As farmácias magistrais possuem um papel complementar às indústrias e sãomuito importantes quando manipulam produtos que não apresentam formulação industrializadaem concentrações ou formas adequadas a pacientes cujo estado clínico particular exige umamedicação que foge à padronização. O DF apresenta o maior PIB per capita do Brasil econcentra 93,16% deste no segmento de serviços. O presente trabalho tem por objetivo avaliaro setor farmacêutico de varejo no DF, nos aspectos de distribuição geográfica e densidade defarmácias, aberturas e fechamentos no período de 2000 a 2010 e o tipo de proprietário.Métodos: Realizou-se um Estudo Transversal Descritivo, do tipo Levantamento de Dados. Asinformações sobre o setor farmacêutico de varejo foram obtidas do Banco de Dados do sistemainformatizado do CRF-DF. Para determinação da densidade de farmácias por habitantes foramutilizados Dados Populacionais do Censo de 2000 e 2010, realizado pelo IBGE. Resultados: Ototal de farmácias passou de 34 estabelecimentos em 2000 para 72 em 2010. Apenas 12 das30 Regiões Administrativas (RA) do DF têm farmácias. As RAs com maior nº de farmácias noDF são Brasília e Taguatinga com 44 e 11 farmácias, apresentando taxas de crescimento nesteperíodo de 76 e 83%, respectivamente. A maior taxa de crescimento do nº de farmáciasocorreu na RA do Gama que passou de 1 a 4 farmácias em 2010. Os picos de abertura defarmácias ocorreram nos anos de 2004, 2007, 2008 e 2010, sendo maior em 2008. A RABrasília possui o maior nº de farmácias em atividade e o maior nº dessas lojas abertas duranteo período, 20 farmácias. As taxas totais de abertura de farmácias para o DF foram maiores queas de fechamento para o mesmo período. Porém nos anos de 2002, 2003, 2006 e 2009, o nºde fechamento foi superior ao de abertura e em 2007 e 2008 o nº de farmácias fechadas eabertas foi igual. Em Brasília no ano 2000 tínhamos 1 farmácia para cada 7.936 habitantes e,no ano de 2010, esta razão passou a 1/4.769; Ceilândia 1/344.039 em 2000 e 1/134.243 em2010; Gama 1/130.580, 2000 e 1/33.930, 2010; Guará 1/115.385, 2000 e 1/142.833, 2010 e emTaguatinga 1/40.595 em 2000 e 1/32.823 em 2010. Entre as farmácias, 43% são depropriedade exclusiva de farmacêuticos; 40% são sociedades entre farmacêuticos e leigos; e17% são de propriedade de leigos. Conclusão: Na presente pesquisa verificou-se que naúltima década houve crescimento de 112% no nº de farmácias magistrais no DF que são, emsua maioria, de propriedade de farmacêuticos. Houve mais aberturas do que fechamentos deestabelecimentos no período avaliado. O nº de farmácias é maior nas RAs de maior poderaquisitivo e nas de menor poder aquisitivo não há farmácias, podendo ser locais para expansãodo setor. Auxílio financeiro: CNPQ / PNIC.E-MAIL PARA CONTATO: jbfarma@gmail.comSR 21 - ESTUDO DA ESTABILIDADE PRELIMINAR DO SABONETE LÍQUIDO BASEPRODUZIDO NA FARMÁCIA-ENSINO DA UNIARARAS.GUIZZO, PEDRO LUIS; SPATTI, MARINA CECÍLIA; BREDDA, THAIS CRISTINA CUBBA;MALAFATTI, LUSIANE; MARTINI, PAULA CRESSONI; NAVARRO, FERNANDA FLORES.Fundação Hermínio Ometto- UNIARARAS.Sabonetes líquidos são responsáveis pela limpeza e higienização das mãos e/ou parte docorpo de local de aplicação e sua aceitação pelo público tem aumentado atualmente. Aestabilidade consiste em ser o período a partir da data de fabricação e empacotamento da
  23. 23. formulação até que a sua atividade química e biológica não seja menor que um nível pré-determinado de potência rotulada e suas propriedades físicas não tenham mudadoapreciavelmente e de forma deletéria. Este trabalho teve como objetivo o estudo daestabilidade preliminar do sabonete líquido base produzido na farmácia-ensino daUNIARARAS. Foram analisadas características físicas (cor e odor) e características físico-químicas (densidade, viscosidade e pH) mediante quatro temperaturas diferente: ambiente (25± 2ºC); geladeira (8 ± 2ºC); estufa (34 ± 2ºC) e luz através de técnicas farmacopéicas e nãofarmacopéicas. Não foram observadas modificações quanto a cor e odor; o valor de pHdiminuiu em todas as amostras, está alteração entretanto, manteve-se dentro dasespecificações para sabonetes líquidos (pH 5,5-6,5); houve aumento da viscosidade daamostra na geladeira e diminuição da viscosidade nos outros ambientes; quanto a densidadenão houve alteração significativa em todas as amostras. O estudo de estabilidade procuroudemonstrar a importância do correto armazenamento de bases farmacêuticas em diversascondições, porém ainda são necessários testes químicos, microbiológicos, toxicológicos esegurança de uso.E-MAIL PARA CONTATO: pedrolguizzo@msn.comSR 22 - ELABORAÇÃO DE GRANULADO EFERVESCENTE DE ESPINHEIRA SANTAUSANDO DESENHO FATORIALCUNHA-FILHO, MARCÍLIO1; GUSTMANN, PRICILA CASTILHO2; GARCIA, FELIPESANCHES2; LIMA, ELIANA MARTINS3; SÁ-BARRETO, LÍVIA CRISTINA LIRA21Faculdade de Ciências da Saúde, Universidade de Brasília (UnB), DF, Brasil; 2Instituto deCiências da Saúde, Universidade Federal do Mato Grosso (UFMT), MT, Brasil; 3Laboratório deNanotecnologia Farmacêutica e Sistemas de Liberação de Fármacos, Universidade Federal deGoiás (UFG), GO, Brasil.A Espinheira Santa (Maytenus ilicifolia) é uma planta de extenso uso popular em fitoterápicoscomercializados no Brasil. Sua alta dose terapêutica obrigam os pacientes a fazer a ingestãodiária de um elevado número de cápsulas contendo extrato seco. O objetivo deste estudo foidesenvolver uma alternativa farmacotécnica viável para veiculação de extratos secos deEspinheira Santa, através do desenvolvimento de granulados efervescentes. Neste estudoutilizou-se um desenho experimental do tipo fatorial completo 23. Foram elaboradas 8formulações em escala de bancada (50g), contendo 50% de extrato seco de Espinheira Santa.Foram estudados três fatores experimentais: composição da mistura efervescente, % demistura efervescente no granulado e tamanho do granulado elaborado. Os granulados obtidosforam caracterizados quanto a sua granulometria (microscopia eletrônica de varredura etamisação ultrassônica); reologia (ângulo de repouso e compressibilidade) e tempo deefervescência. O extrato seco de Espinheira Santa apresentou resultados de fluxoextremamente deficientes, com valores de ângulo de repouso e compressibilidade de 54,4° (±3,9) e 37,3% (± 2,0) respectivamente, confirmando a elevada coesividade deste material. Já osgranulados efervescentes elaborados a partir dos extratos secos apresentaram bons resultadosquanto a sua reologia, com ângulos de repouso inferiores a 40° e compressibilidades menoresque 8%. Os tempos de efervescência também se situaram dentro dos limites farmacopêicos.Diferenças significativas foram observadas entre os granulados elaborados. A granulometriarevelou ser o fator mais importante sobre o tempo de efervescência dos granulados. Asformulações elaboradas com tamis de 2mm apresentaram tempos de efervescência próximos a120s, enquanto que os granulados extrusados no tamis de 1mm tiveram sua desintegração em80s. Em contrapartida os granulados com maior tamanho médio de partícula apresentaramfluxo superior devido a sua menor coesão e aderência, e ao seu formato mais regular,conforme dados de tamisação e microscopia eletrônica. As fotomicrografias revelam ainda umaspecto mais compacto dos granulados de 2mm, em oposição à elevada porosidade vista nosgranulados de 1mm, o que justifica a melhor umectação e rápida desintegração destes. Opercentual de mistura efervescente e a sua composição exercem apenas uma influênciasecundária nos fatores físicos e mecânicos avaliados. Pode-se concluir que a manipulação degranulados efervescentes de Espinheira Santa demonstrou ser uma alternativa promissoradevido à sua facilidade de elaboração e ao baixo custo de manipulação.E-MAIL PARA CONTATO: marciliofarm@hotmail.comSR 23 - CONTROLE DE QUALIDADE DO BOLDO-DO-CHILE (Peumus boldus molina)COMERCIALIZADO EM COLATINA - ES
  24. 24. ZAMPROGNO, TATIANA TONINI*; GIMENEZ, ANA CLÁUDIA MARCELINOCentro Universitário do Espírito Santo - UNESCA utilização de plantas para finalidades medicamentosas é milenar, bem como suacomercialização. Países desenvolvidos, como Alemanha e França, reconhecem oficialmente autilização de plantas para fins terapêuticos e possuem farmacopéias especializadas noassunto. No Brasil, um dos grandes problemas no mercado de fitoterápicos está relacionado aocontrole de qualidade. Fraudes e adulterações são muito comuns e ocorrem por diversosfatores, tais como a falta de conhecimento dos produtores e distribuidores e a fiscalizaçãodeficiente. Dentre as plantas medicinais mais utilizadas encontra-se o Boldo-do-Chile (Peumusboldus Molina) tendo ampla aplicação na medicina popular e científica, indicado para inúmerassituações, dentre elas problemas na vesícula biliar e fígado. Desse modo, este trabalho temcomo propósito avaliar a qualidade microbiana e a autenticidade do Boldo-do-Chile (Peumusboldus Molina) comercializado na forma de folha seca, no município de Colatina-ES. Paratanto, foram realizadas, em duplicata, análises organolépticas, macroscópicas, microscópicas ecromatográficas em três amostras comerciais de Peumus boldus Molina, adquiridas no mês dejunho de 2011, sob a forma de folha seca. A investigação também abrangeu a verificação dacontaminação microbiana das amostras, por meio da contagem quantitativa de bactériasaeróbias totais e fungos totais, além da análise qualitativa das bactérias patogênicasStaphylococcus aureus, Salmonella sp e Escherichia coli. Em relação à identificação osresultados obtidos evidenciaram que 100% das amostras apresentaram as características doPeumus boldus Molina descritas na Farmacopéia Brasileira (2010) e literaturas da área,exibindo o alcalóide boldina na análise cromatográfica. Nas análises microbianas, emboratodas as amostras tenham apresentando crescimento de fungos e 75% delas tenhamapresentado crescimento de bactérias aeróbias, a contagem se situou dentro do especificadopela Organização mundial de Saúde (1998) e em nenhuma delas houve crescimento dasbactérias patogênicas investigadas. Os resultados refletiram uma boa qualidade do Peumusboldus Molina nas amostras analisadas, uma vez que todas se enquadraram nos padrõespreconizados pelas literaturas especializadas na área. Apesar de sua intensa utilização,existem poucos estudos envolvendo Peumus boldus Molina, o que ressalta a necessidade darealização dos mesmos visando estabelecer parâmetros de qualidade e maior padronizaçãodesta planta medicinal.E-MAIL PARA CONTATO: tatytonini@hotmail.comSR 24 - AVALIAÇÃO DA ESTABILIDADE DE EMULSÕES CONTENDO KEFIR DE LEITESCHMIDT, TUANNY PRISCILA1; BARZOTTO, IONETE LÚCIA MILANI1; OLIVEIRA, SIMONEMARIA MENEGATTI11Curso de Farmácia - Universidade Estadual do Oeste do ParanáINTRODUÇÃO: O grão de Kefir é um conjunto de leveduras e bactérias que fermentam o leiteem temperatura ambiente, dando origem a um produto líquido e viscoso conhecido como Kefir.Trata-se de um alimento probiótico, seguro para o consumo humano, possuindo atividadeimunomoduladora, antibacteriana e antioxidante. Contudo, apesar de existirem estudosdemonstrando que o mesmo possui atividade clareadora para cloasmas e melasmas, ainda épouco empregado na área cosmética. O objetivo deste trabalho foi encontrar uma emulsãofísico-quimicamente estável para o princípio ativo Kefir obtido do leite e estabelecer seu prazode validade. MÉTODOS: O Kefir foi adicionado a dois tipos de emulsão: uma aniônica (cremeLanette N®) e uma não-iônica (creme Polawax®). Após o preparo, cada emulsão foi divididaem duas partes iguais, sendo que em uma delas foi feita a incorporação do kefir de leite a frionuma proporção de 10%. Assim, obtiveram-se quatro emulsões: não iônica com e sem o ativo;aniônica com e sem o ativo. Com base no Guia de Estabilidade de Produtos Cosméticos daAgência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA), os seguintes procedimentos, em triplicata,foram realizados para avaliar a emulsão: análise do pH, densidade, aspecto macroscópico(diariamente durante 90 dias) e análise de separação/sedimentação realizada em centrífuga a3000 RPM (Rotações Por Minuto). Para a verificação da estabilidade, foram realizados osseguintes testes físicos de estabilidade acelerada, por três meses: exposição à radiaçãoluminosa usando como fonte a luz solar; teste em estufa à temperatura de 45 ± 2º C; teste emgeladeira à temperatura de -5 ± 2º C. Ciclos de congelamento e descongelamento: ciclos de 24horas à 45 ± 2º C, e 24 horas à -5 ± 2º C, durante os primeiros 12 dias. RESULTADOS: médiado pH: 4,18 no Lanette N® com ativo (LCA)/7,11 no Lanette N® sem ativo (LSA)/4,14 noPolawax® com ativo (PCA)/5,92 no Polawax® sem ativo (PSA). Densidade: 0,785 (LCA)/0,906
  25. 25. (LSA)/0,762 (PCA)/0,823 (PSA). Após centrifugação: todos homogêneos. Aspectomacroscópico e ciclo de 12 dias: todos normais. Estabilidade de 90 dias à -5 ± 2º C: todosinalterados. À 45 ± 2º C: LCA e PCA: amarelados, espumosos, opacos e heterogêneos após 40dias. Exposição à luz em temperatura ambiente: LCA e PCA: amarelados, espumosos, opacose heterogêneos após 70 dias. LSA e PSA: inalterados. CONCLUSÃO: o princípio ativo teveboa incorporação, mas reduziu o pH e densidade das emulsões que só permaneceram estáveispor três meses à -5 ± 2º C e em temperatura ambiente, por 70 dias. Portanto, seu prazo devalidade deve ser de 60 dias nestas condições. Temperaturas acima de 45ºC devem serevitadas.E-MAIL PARA CONTATO: tuannyps@gmail.comSR 25 - AVALIAÇÃO DO FATOR DE PROTEÇÃO SOLAR DE PROTETORES SOLARESMANIPULADOS NO MUNICÍPIO DE CASCAVEL-PRFERREIRA, FABIANA SARI; OLIVEIRA, SIMONE MENEGATTI DE OLIVEIRA, BARZOTTO,IONETE LÚCIA MILANI.Universidade Estadual do Oeste do ParanáINTRODUÇÃO: O Brasil esta na maior parte localizado entre o Trópico de Capricórnio e oEquador e nesta área a intensidade dos raios solares são maiores. Os danos causados pelaradiação UV à saúde podem ser minimizados com o uso freqüente de protetores solares. Paradeterminar o fator de proteção solar (FPS) dos filtros solares, muitos métodos foramdesenvolvidos, sendo eles métodos in vivo e in vitro. Para ser feita a avaliação do fator deproteção solar por um método in vitro, pode ser feito a espectrofotometria na região UV. Deacordo com a Resolução RDC nº 237/2002, a determinação do Fator de Proteção Solar deveser realizada utilizando estritamente uma das seguintes normas: Metodologia FDA (Food andDrug Administration) (a variação dos valores de FPS não pode ser maior que 5%) ouMetolodogia COLIPA (a média do FPS obtido permitem uma variação de +20% e -20% emrelação ao FPS declarado. MÉTODOS: Foram adquiridas amostras de todas as farmáciasmagistrais do município de Cascavel que disponibilizaram formulações de protetores solaresFPS 15 em emulsão cremosa sem a adição de filtros físicos. Foi também analisado um protetorsolar FPS 15 emulsão industrializado para fins de comparação e controle. A determinação dofator de proteção solar foi feito por espectrofotometria no ultravioleta através do métododesenvolvido por Mansur (1986). Os dados resultantes da análise espectrofotométrica foramaplicados na seguinte fórmula para determinação do fator de proteção solar (FPS):FC.Σ(320/290).EE( ).I( ).Abs( ). Onde: EE (λ) = Efeito eritematogênico da radiação solar emcada λ; I (λ) = Intensidade da radiação solar em cada λ; Abs (λ) = Absorbância em cada λ; FC= Fator de correção (= 10) (MANSUR, et al., 1986). RESULTADOS: Relação de FPS médioobtido na análise: Farmácia A: 9,31 / Farmácia B: 7,54 / Farmácia C:3,16 / Farmácia D: 6,57 /Farmácia E: 24,63 / Farmácia F: 12,58 / Farmácia G: 5,12 / Farmácia H: 17,16 / Industrializado:16,43.CONCLUSÃO: De acordo com a análise dos resultados encontrados, cinco (62,50%)dos protetores analisados apresentaram FPS menor que a variação permitida pelas normas daCOLIPA, dois (25,00%) apresentaram FPS dentro das normas e um dos protetores (12,50%)apresentou FPS acima das mesmas normas. Portanto, segundo a norma da COLIPA, duasformulações analisadas foram aprovadas. Se considerarmos as normas do FDA, a qualconsidera variação de 5%, nenhuma das formulações foram aprovadas, incluindo aindustrializada. Auxílio financeiro: Fundação Araucária.E-MAIL PARA CONTATO: ionetebarzotto@msn.comSR 26 - DESENVOLVIMENTO DE MÉTODO INDICATIVO DE ESTABILIDADE PARAAVALIAR SUSPENSÕES ORAIS DE AMOXICILINAMARKMAN BLANCA ELENA ORTEGA, KOSCHTSCHAK MARIA REGINA WALTER, WUELIZABETH MEIHUE, MORAES PAULO SERGIO DAVID DE.Núcleo de Ensaios Físicos e Químicos em Medicamentos. Centro de Medicamentos,Cosméticos e Saneantes. Instituto Adolfo LutzAmoxicilina é um antibiótico betalactâmico, com excelente biodisponibilidade. Dentro daclasse, é de primeira escolha na indicação para infecções das vias aéreas superiores devido afacilidade em ser absorvida quando administrado oralmente e por apresentar estabilidadesignificativa em pH ácido. As propriedades das suspensões possibilitam a veiculação deste

×