Your SlideShare is downloading. ×
Anais SIF 2011 - 8º Seminário Internacional de Farmácia
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×

Introducing the official SlideShare app

Stunning, full-screen experience for iPhone and Android

Text the download link to your phone

Standard text messaging rates apply

Anais SIF 2011 - 8º Seminário Internacional de Farmácia

2,087
views

Published on

Anais do SIF 2011 - 8º Seminário Internacional de Farmácia realizado pelo Instituto Racine em Portugal e Espanha de 10 a 19 de outubro de 2011

Anais do SIF 2011 - 8º Seminário Internacional de Farmácia realizado pelo Instituto Racine em Portugal e Espanha de 10 a 19 de outubro de 2011

Published in: Education

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
2,087
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
13
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. Realização:SIF 2011 - 8º Seminário Internacional de Farmácia / Instituto Racine 1
  • 2. EditorialNo ano de 2002, ao iniciar os cursos de pós-graduação, o Instituto Racine optou por umdesenho educacional que agregasse diferentes atividades e permitisse a formaçãointegral dos alunos, ou seja, seu desenvolvimento técnico, científico, pessoal e social.Os Seminários Internacionais, como atividade optativa dos cursos de pós-graduação,são resultados desta proposta.Após um período de estudo e amplas discussões, definimos que o programa ideal paraestes Seminários Internacionais deveria sustentar-se sobre um tripé:- Ganho de conhecimento técnico e científico - conferências e visitas técnicas- Intercâmbio de experiências internacionais e nacionais e projeção profissional -relacionamento e troca de experiências com instituições de ensino e entidadeseuropéias e entre profissionais europeus e brasileiros participantes do Seminário,provenientes de várias regiões do Brasil.- Crescimento cultural - viagens e visitas culturais. Assim, foram estabelecidos acordos de cooperação com universidades européias,inicialmente Portugal e depois Espanha. A eleição desses dois países deveu-se à suagrande influência em nossa cultura e à facilidade que os alunos teriam com o idioma.A concretização em 2003 do 1º Seminário Internacional demonstrou-nos que osesforços foram bem conduzidos e contamos com a aprovação unânime dosparticipantes. Hoje, após todos esses anos realizando esta atividade, estamos certosde que foi uma decisão acertada.Percebemos que os alunos retornam do Seminário mais enriquecidos e com suasvisões acerca do exercício profissional mais alargadas, com o conhecimento técnico ecientífico ampliado e o senso crítico mais apurado. Com certeza, suas competênciaspessoais, sociais e profissionais são desenvolvidas e este é, como instituiçãoformadora, o grande objetivo do Instituto Racine.Nessa edição do SIF inovamos novamente e ampliamos a interação com aUniversidade de Coimbra inserindo a apresentação de trabalhos na forma oral e naforma de pôsteres. Foram selecionados 3 trabalhos brasileiros e 3 trabalhosportugueses para apresentação oral e seis trabalhos brasileiros e nove trabalhosportugueses para apresentação em pôster. Todos esses 21 trabalhos constam dosanais do evento que marcam mais uma iniciativa do Instituto Racine em prol dodesenvolvimento técnico-científico da farmácia luso-brasileira.Nilce Barbosa, Farmacêutica e Presidente do Instituto Racine.SIF 2011 - 8º Seminário Internacional de Farmácia / Instituto Racine 2
  • 3. Comissão Organizadora André Policastro Kelly Monteiro Ricardo Negreiros Ana Paula de Almeida Comissão Científica Maria Denise Funchal Witzel (Coordenadora) Nilce Barbosa Sérgio Slan Comissão de Avaliação de Pôsteres Luiz Carlos da Silva (Coordenador)SIF 2011 - 8º Seminário Internacional de Farmácia / Instituto Racine 3
  • 4. ParticipantesSIF 2011 - 8º Seminário Internacional de Farmácia / Instituto Racine 4
  • 5. SIF 2011 - 8º Seminário Internacional de Farmácia / Instituto Racine 5
  • 6. SIF 2011 - 8º Seminário Internacional de Farmácia / Instituto Racine 6
  • 7. Programação Científica SIF 2011 - SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE FARMÁCIAESPANHAUNIVERSIDADE DE GRANADADia 10/10/11 (Segunda-feira)9h15 - 9h30 Recepción: Facultad de Farmacia, Universidad de Granada - Campus Universitario de Cartuja Sesión de apertura: Dr. D. Luis Recalde Manrique, Decano de la Faculdad de Farmacia, Universidad de Granada. Dr. D Fernando Martinéz Martinéz, Director del Master en Atencion Farmaceutica Universidad de Granada Dra.D Maria José Faus Dáder, Directora del Grupo de Investigación en Atención Farmacéutica.Universidad de Granada Dr D. Sérgio Slan Zarwar, Director del Departamento de Gestión del Ambiente Educativo.Instituto Racine9h30h - 10h30 Conferencia: Las características del Sistema de Salud Español. Mª Dolores Cabezas Lopez. Profesora del Departamento de Historia y Legislación Farmacéutica.10h30 - 11h Intervalo11h - 12h Conferencia: Bases conceptuales de la Atención Farmacéutica .Situación actual en España. Dra.D Maria José Faus Dáder.. Directora del Grupo de Investigación en Atención Farmacéutica. Universidad de Granada.12h - 13h Conferencia: Evaluación del impacto de servicios cognitivos farmacéuticos. Dr. D Fernando Martinéz Martinéz, Director del Master en Atencion Farmaceutica Universidad de Granada13h - 14h Conferencia: La comunicación paciente-médico-farmacéutico en diferentes niveles asistenciales. Dr. D Victoria Garcia Cardenas. Grupo de Investigación en Atención Farmacéutica. Universidad de Granada14h - 16h30 Almuerzo17h Visita al Colégio Oficial de Farmacéuticos de GranadaSIF 2011 - 8º Seminário Internacional de Farmácia / Instituto Racine 7
  • 8. Dia 11/10/11 (Terça-feira)9h30 - 10h30 Conferencia: La Formulación Magistral en la práctica profesional: adaptación de formas farmacéuticas a situaciones clínicas especiales en el ámbito comunitario y hospitalario. Dra D Adolfina Ruiz Departamento de Tecnología Farmacéutica de la Facultad de Farmacia ,Universidad de Granada.10h30 - 11h Intervalo11h - 14h Relato de experiencias de investigación en formulación magistral, hospitalaria y comunitaria en España. Dra D Adolfina Ruiz, Departamento de Farmacia y Tecnología Farmacéutica de la Facultad de Farmacia y Dr D. Miguel Angel Calleja Grupo de Investigación en Atención Farmacéutica.14h - 17h Almuerzo17h - 18h30 Experiencias profesionales en servicios farmacéuticos Dr D Emilio García18h30 - 20h Relato de experiencias de investigación en formulación magistral, hospitalaria y comunitaria en España Dra D Beatriz Clares Departamento de Farmacia y Tecnología Farmacéutica de la Facultad de Farmacia ,Universidad de GranadaDia 12/10/11 (Quarta-feira) - Dia Libre en GranadaDia 13/10/11 (Quinta-feira)9h - 11h Curso: Servicios cognitivos dirigidos a pacientes: Parte 2: Seguimiento Farmacoterapéutico Dr D Daniel Sabater , Grupo de Investigación en Atención Farmacêutica11h - 11h30 Intervalo11h30 - 14h Curso: Servicios cognitivos dirigidos a pacientes: Parte 1: Dispensación e Indicación farmacéutica Dra. D. Pilar García y Dra D Ana Ocaña, Grupo de Investigación en Atención Farmacéutica14h - 17h Almuerzo17h - 19h30 Palestra: Adaptación del Método Dáder de Seguimento Farmacoterapéutico a pacientes hospitalizados y Visita a la Unidad de Farmacia del Hospital Virgen de las Nieves Dr D. Miguel Angel Calleja, Grupo de Investigación en Atención Farmacéutica.SIF 2011 - 8º Seminário Internacional de Farmácia / Instituto Racine 8
  • 9. 17h - 19h30 Visita Distribuidora de Medicamentos19h30 - 20h Finalización de las actividades y entrega de los certificados.UNIVERSIDADE DE SEVILHADia 14/10/11 (Sexta-feira)9h - 9h15 Recepción: D. José Manuel Vega Pérez. Decano de la Facultad de Farmacia de la Universidad de Sevilla Dña. Mercedes Fernández Arévalo. Vicedecana de Estudiantes, Relaciones Institucionales y Desarrollo del EEES Dña Concepción Pérez Guerrero. Profesora del Departamento de Farmacología. Responsable del GI Farmacoterapia y Atención Farmacéutica Facultad de Farmacia de la Universidad de Sevilla Dr. Sérgio Slan Zarwar, Director del Departamento de Gestión del Ambiente Educativo del Instituto Racine9h30 - 10h15 Conferencia: La farmacia hospitalaria en España: realidad y perspectivas: Dra Mª Victoria Gil10h30 - 11h15 Conferencia: La farmacia comunitaria en España: realidad y perspectivas: Dr. Ignacio Gavilán Reche11h30 - 12h Intervalo12h15 - 13h15h Conferencia: Atención Farmacéutica como Innovación: Dr. Manuel Machuca González13h30 - 15h Almuerzo15h - 19h Visitas: 1. Unidad de Avaliación Integral de la Farmacoterapia 2. Farmacia Comunitária 3. Hospital Virgen Del RocioDia 15/10/11 (Sábado)7h30 Saída para Coimbra - Com passagem por Monsarraz e ÉvoraSIF 2011 - 8º Seminário Internacional de Farmácia / Instituto Racine 9
  • 10. PORTUGALUNIVERSIDADE DE COIMBRADia 15/10/11 (Sábado)Check in no Hotel Oslo - CoimbraDias 16/10/11 (Domingo)Dia Livre em CoimbraDia 17/10/10 (segunda-feira)9h - 9h15 Recepção na Faculdade de Farmácia da Universidade de Coimbra Sessão de abertura: Prof. Doutor Amílcar Falcão - Director da Faculdade Prof. Doutor João José de Sousa - CEF - Centro de Estudos Farmacêuticos Sr. Sérgio Slan Zarwar - Director do Departamento de Gestão do Ambiente Educacional - Instituto Racine9h15 - 10h15 Conferência: Características do Serviço Nacional de Saúde Português. Sua sustentabilidade Prof. Doutor Fernando Regateiro Presidente do Conselho de Administração dos Hospitais da Universidade de Coimbra Professor da Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra10h15 - 11h Intervalo e visita ao Pólo das Ciências da Saúde11h - 13h Mesa-redonda: A farmácia comunitária e hospitalar em Portugal: situação atual e perspectivas Moderadora: Prof. Doutora Margarida Caramona Faculdade de Farmácia de Coimbra CEF Palestrantes: Dra Aida Batista Presidente da Associação Portuguesa de Farmacêuticos Hospitalares Dr. Nuno Augusto Associação Nacional das Farmácias (ANF)13h - 14h30 Almoço15h - 17h Visita guiada a parte Monumental da Universidade de Coimbra17h30 - 18h30 Visita a Distribuidora de MedicamentosSIF 2011 - 8º Seminário Internacional de Farmácia / Instituto Racine 10
  • 11. Dia 18/10/11 (Terça-feira)9h - 11h Palestra: Medicamentos de liberação modificada: considerações farmacotécnicas e clínicas Moderador: Prof. Doutor João Carlos Canotilho Faculdade de Farmácia de Coimbra CEF Palestrantes: Prof. Doutor Prof. Doutor João José de Sousa Faculdade de Farmácia de Coimbra CEF Prof. Doutor Francisco Veiga Faculdade de Farmácia de Coimbra CEF11h00 - 11h30 Intervalo11h30 - 13h30 Mesa-Redonda: Intervenção Farmacêutica em Transtornos Menores. Moderadora: Profª Dra. Isabel Vitória Figueiredo Faculdade de Farmácia de Coimbra CEF Palestrantes: Profª. Dra. Margarida Castel-Branco Faculdade de Farmácia de Coimbra CEF Dra Manuela Teixeira Universidade Lusófona de Lisboa Farmacêutica Comunitária13h30 - 14h30 Almoço14h30 - 18h30 Curso de Manipulação Clínica Prof. Doutor Maurício Barbosa Faculdade de Farmácia do Porto Mestre Henrique Santos Sociedade Portuguesa de Cuidados Farmacêuticos Mestre Paula Iglésias Sociedade Portuguesa de Cuidados FarmacêuticosDia 19/10/11 (Quarta-feira)9h - 10h30 Relato de Experiências de investigação clínica e tecnológica em farmácia hospitalar, magistral e comunitária em Portugal e no Brasil Moderadoras: Profª. Dra. Ana Cristina Rama, Profª Dra. Margarida Castel-Branco, Profª. MSc Maria Denise Funchal Witzel Comunicações orais no máximo de 15 minutos das diferentes áreas de conhecimento.10h30 - 11h IntervaloSIF 2011 - 8º Seminário Internacional de Farmácia / Instituto Racine 11
  • 12. 11h - 13h Palestra: Interações Fármaco-Alimentos Prof. Doutor Fernando Ramos Faculdade de Farmácia de Coimbra CEF13h Encerramento das atividades, entrega dos certificados.13h - 14h30 Almoço15h - 18h Prestação de Serviços Farmacêuticos em Farmácia Comunitária - Um exemplo em Portugal - Visita à Farmácia Saúde na Figueira da Foz Coordenação: Profª Dra. Isabel Vitória Figueiredo FACULDADE DE FARMÁCIA FACULDADE DE FARMÁCIA UNIVERSIDADE DE GRANADA UNIVERSIDADE DE SEVILHA FACULDADE DE FARMÁCIA - UNIVERSIDADE DE COIMBRASIF 2011 - 8º Seminário Internacional de Farmácia / Instituto Racine 12
  • 13. RESUMO DOS TRABALHOS APRESENTADOS TRABALHOS DO BRASIL APRESENTAÇÃO ORALRECONCILIAÇÃO MEDICAMENTOSA: FARMÁCIA CLÍNICA NA UNIDADE DE EMERGÊNCIAPEDROSO, PÂMELA RODRIGUES¹‚²1 Especializanda do Curso de Pós-Graduação em Farmácia Hospitalar e Farmácia Clínica - InstitutoRacine.2 Farmacêutica do Instituto Nacional de Traumatologia e OrtopediaIntrodução: A reconciliação medicamentosa é um processo padronizado para identificar o nome domedicamento, dose, via de administração, forma farmacêutica e posologia, cujo objetivo é evitardivergências entre os medicamentos já utilizados e as prescrições realizadas durante a internação. Seuprincipal benefício é prevenir eventos adversos em todas as interfaces do cuidado ao paciente, sendoelas: admissão, transferência e alta. Objetivo: O objetivo deste trabalho foi levantar as divergênciasrelacionadas a medicamentos presentes nas anamneses dos médicos e enfermeiros para justificar aimplementação de um protocolo de reconciliação. Método: Trata-se de um estudo observacionalanalítico transversal realizado na unidade de emergência de um hospital privado de médio porte situadona cidade do Rio de Janeiro. Foram analisadas fichas de anamnese e prescrições dos pacientesatendidos e/ou internados no período de setembro de 2009 a março de 2010. Para fins de coleta dedados foram desenvolvidos uma lista para acompanhar as anamneses e um formulário de reconciliaçãopara quantificar divergências entre os medicamentos já utilizados e as prescrições realizadas naadmissão. Trabalho submetido ao Comitê de Ética em Pesquisa através do registro de número 383.Resultados: Foram analisadas 6 anamneses de enfermagem (27%) e 16 médicas (73%) para verificarse haviam sido coletadas informações sobre o (s) medicamento (s) que o paciente fazia uso, dose,posologia, via, forma farmacêutica, alergia, medicamentos trazidos de casa, administrados antes dainternação e os de uso irregular. O percentual de conformidade foi de 25% para uma, entre 26-50% paratrês e acima de 70% para duas das anamneses da equipe de enfermagem e 25% para quatro, entre 26-50% para oito e entre 51-70% para quatro da equipe médica. Foram acompanhados 23 registrosutilizando o formulário de reconciliação, sendo realizadas duas análises: 1) Avaliação da evidência doregistro de medicamentos, observando-se a inclusão de 18 pacientes com apenas 30% apresentandoregistro. 2) Avaliação dos medicamentos em uso e que foram descontinuados, observando-se a inclusãode 10 pacientes em que todos tiveram medicamentos descontinuados sem o motivo registrado.Conclusão: O trabalho aponta para a existência de divergência durante a anamnese médica e deenfermagem em relação aos medicamentos prescritos e utilizados pelo paciente na sua admissão o quejustifica a criação de um protocolo de reconciliação de medicamentos. A partir deste estudo, ofarmacêutico clínico foi incorporado à equipe de cuidado do paciente para implementar a prática dareconciliação medicamentosa na unidade de emergência.Categoria: Trabalho acadêmico (pós-graduação em Farmácia Hospitalar e Farmácia Clínica - InstitutoRacine)Modalidade: Farmácia HospitalarE-MAIL PARA CONTATO: pedrosopam@hotmail.comSIF 2011 - 8º Seminário Internacional de Farmácia / Instituto Racine 13
  • 14. SISTEMATIZAÇÃO DO SEGUIMENTO FARMACOTERAPEUTICO A PACIENTES EM CHOQUESÉPTICOAZEVEDO, MARIA FERNANDA SALOMÃO; SIQUEIRA, JORGE AUGUSTO, MORENO, GRAZIELABAUPTISTA; CARVALHO, DEBORA CECILIA MANTOVANI FAUSTINOHospital Sírio Libanês- São Paulo - BrasilO choque séptico ainda persiste como importante causa de mortalidade em Unidades de TerapiaIntensiva, apesar das extensas pesquisas nos últimos anos. O manejo clínico envolve múltiplasestratégias terapêuticas, variando de polifarmácia a terapias de suporte clínico. Considerando acomplexidade do tratamento, diversos estudos demonstram que as intervenções do farmacêutico clínicopodem ser benéficas ao desfecho do paciente. Os objetivos desse trabalho foram sistematizar oseguimento farmacoterapêutico (SFT) através do desenvolvimento de uma ferramenta composta delinhas temporais da terapia prescrita e um plano de cuidado focado às recomendações atuais dotratamento de choque séptico e avaliar a aplicabilidade desta ferramenta para auxiliar a tomada dedecisão das intervenções farmacêuticas (IF). Desenvolveu uma ferramenta com linha temporal querelaciona os antimicrobianos prescritos com os resultados das culturas e dos antibiogramas, uso e dosedos medicamentos vasoativos, corticóides, sedativos e analgésicos com as intercorrências no período dautilização. O plano de cuidado desenvolvido é composto de monitoramento das interaçõesmedicamentosas, intervenções farmacêuticas, evolução e desfecho clínico. O farmacêutico aplicou essaferramenta e observou a evolução clínica do paciente com análise crítica de alguns pontosrecomendados nos atuais protocolos de tratamento de choque séptico como profilaxia de úlcera gástricae de tromboembolismo venoso (TEV), utilização de expansor plasmático e necessidade de diálise. Osexames laboratoriais foram verificados diariamente, principalmente os de Lactato, Procalcitonina,Proteína C Ativada, Creatinina e Uréia. Durante 60 dias avaliou-se a viabilidade dessa ferramenta. Nesseperíodo foram acompanhados 19 pacientes, dos quais 11 pacientes reverteram o quadro de choqueséptico e 9 pacientes não reverteram. As intervenções farmacêuticas aceitas foram: 15 de correção dedose por disfunção renal; 7 de monitoramento de Reações Adversas; 5 de adequação ao protocolo deprofilaxia de TEV; 5 de indicação terapêutica; 2 de monitoramento de interações medicamentosas; 3 deadequação de diluições para tipo de acesso do paciente; 2 de duplicidade terapêutica dosantimicrobianos e 1 de otimização do aprazamento prescrito. O SFT focado às recomendações atuais dotratamento de choque séptico foi sistematizado através da ferramenta desenvolvida. Esta mostrou seraplicável, pois ilustrou quando era o melhor momento de realizar a IF, auxiliando as tomadas de decisãopara intervenção na terapia prescrita.E-MAIL PARA CONTATO: mafersalomao@hotmail.comA PRÁTICA PROFISSIONAL FARMACÊUTICA EM FARMÁCIAS COM ÊNFASE NA FILOSOFIA DAATENÇÃO FARMACÊUTICA - RESULTADOS PARCIAISMACHADO, DANUTA ANTUNES1,2; NEVES, LUCIANA LIMA VERDAN1,2; SANTOS, RAFAEL CAIRÊ DEOLIVEIRA1,2; SANTANA, GLADYS MARQUES2,3; QUEVEDO, MICHELE PEIXOTO2,4; TAKAHASHI,PATRÍCIA SAYURI KATAYOSE2,5.1 Especializandos em Atenção Farmacêutica do Instituto Racine; 2 Grupo de Estudo e Pesquisa emAssistência Farmacêutica do Instituto Racine; 3 Grupo de Investigación en Farmacoterapia y AtenciónFarmacéutica (CTS 528) Universidad de Sevilla; 4 Assessoria Técnica de Saúde Mental Atenção Primáriaà Saúde (APS) Santa Marcelina; 5 Hospital Universitário da Universidade de São Paulo.Introdução. Nos últimos anos, têm sido identificadas muitas iniciativas de implantação da AtençãoFarmacêutica, inclusive no âmbito da farmácia comunitária, em várias regiões do Brasil. Apesar dosesforços que vem sendo empreendidos no sentido de vencer as barreiras e fomentar as mudançasnecessárias na prática profissional no ambiente das farmácias, estas alterações têm sido muito lentas.Os usuários continuam desconhecendo os serviços assistenciais que podem ser prestados pelofarmacêutico e os profissionais continuam, em seu conjunto, exercendo um papel inexpressivo dentro dosistema de saúde. Objetivo: Descrever o perfil dos farmacêuticos que atuam em farmácias públicas eprivadas, com relação a sua formação e atuação profissionais com ênfase em atividades relacionadas àfilosofia da atenção farmacêutica. Método: Estudo exploratório e descritivo submetido ao Comitê de Éticaem Pesquisa da Universidade do Norte do Paraná, realizado entre abril e agosto de 2011 durante cursose eventos promovidos pelo Instituto Racine em São Paulo, Brasil com farmacêuticos que exercematividades em drogarias, farmácias com ou sem manipulação, serviço público de saúde ou farmácias-SIF 2011 - 8º Seminário Internacional de Farmácia / Instituto Racine 14
  • 15. escola, que aceitaram participar do estudo mediante assinatura do termo de consentimento livre eesclarecido. Como instrumento de coleta de dados, foi utilizado um questionário auto-administrado comperguntas abertas e fechadas sobre as variáveis pesquisadas. Resultados: Dos farmacêuticos queresponderam o questionário (n=83) 66% eram do sexo feminino, com idade média de 32,9 ± 9,12 anos(48,2% tinha idade entre 21 e 30 anos), sendo a maioria procedente de São Paulo (39,8%) e os demais60,2 % de outros Estados, consideram-se satisfeitos a muito satisfeitos com seu trabalho (62,7%). Emgeral, apresentavam formação em “farmácia” e “generalista” (63,8%) entre 4 a 6 anos (56,6%) tendoconcluído ou cursando aprimoramento técnico em 85,5% dos casos. Os entrevistados atuam em:drogaria de rede (12%), drogaria independente (25,3%), farmácia com manipulação (30,1%), farmácia deunidade de básica de saúde (UBS) (28,9%), sendo que a localização destes estabelecimentos se divideentre bairro e centro de maneira equivalente (50%), e 56,6% alegam possuir um local reservado paraatendimento ao usuário. Com relação à prática de serviços, seguindo a lógica da atenção farmacêutica,68,7% relatam não realizar e dos que os realizam somente 33,7% dedicam a maior parte do tempo deseu trabalho ao atendimento ao usuário. Conclusão: Os resultados desta avaliação inicial demonstramque estes farmacêuticos, em sua maioria mulheres, jovens e com pouco tempo de formação e deatuação profissional, procuram manter-se atualizados buscando aprimoramento além da formaçãograduada. Trabalham em farmácias de UBS ou manipulação que apresentam locais reservados paraatender ao usuário, porém somente uma pequena parte realiza este atendimento. Algumas barreiras paraimplantação da atenção farmacêutica em drogarias e farmácias, como formação e local reservado paraatendimento, estão sendo vencidas, porém os farmacêuticos ainda disponibilizam maior parte do seutempo para atividades administrativas que o afastam de atividades assistenciais.E-MAIL PARA CONTATO: rafaelcaire@hotmail.comSIF 2011 - 8º Seminário Internacional de Farmácia / Instituto Racine 15
  • 16. APRESENTAÇÃO NA FORMA DE POSTERO USO DA ANÁLISE DE PRESCRIÇÃO COMO FERRAMENTA NA OTIMIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIAFARMACÊUTICA HOSPITALARPEREIRA, NATÁLIA REGINA DE SOUZA1; TEIXEIRA, NATÁLIA FARIA DAFLON1; SALVIANO,STEPHANY FONSECA1; SÁ, LILIANE CUNHA11Hospital de Clínicas NiteróiNo ambiente hospitalar, a assistência farmacêutica ocorre de maneira integrada pela equipemultidisciplinar desenvolvendo ações voltadas à seleção, programação, aquisição, distribuição,dispensação, acompanhamento e avaliação da utilização de medicamentos e insumos, na perspectiva daobtenção de uma farmacoterapia segura e racional. O farmacêutico é capacitado para aperfeiçoar aterapia medicamentosa pela prevenção, detecção e correção de problemas relacionados aosmedicamentos. A análise da prescrição é utilizada como uma ferramenta eficaz para garantir a qualidadeassistencial, além de auxiliar na redução dos custos hospitalares. O objetivo deste trabalho foi estudar adocumentação de análise técnica de prescrições de forma a verificar os problemas detectados, asintervenções realizadas, o índice de aceitação e de adesão às mesmas e discutir a importância desteinstrumento para a otimização da assistência farmacêutica hospitalar. Foi realizado um estudo descritivoda análise técnica das prescrições durante o período de Janeiro de 2011 à Agosto de 2011. Asprescrições selecionadas para a análise foram as pertencentes à pacientes idosos, nefropatas e comadministração de medicamento por sonda enteral internados no hospital durante o período de estudo. Osdados obtidos foram coletados de um formulário contendo itens relacionados à verificação da dosagem,posologia, forma farmacêutica, via de administração, aprazamento, interações medicamentosas epossíveis substituições de medicamentos não-padronizados. As análises e intervenções foramestratificadas, assim como os motivos da não aceitação e adesão às mesmas. Durante este período,foram internados, em média, 140 pacientes por dia, dos quais 50% estavam incluídos na população deestudo. Foram analisadas em média 58 (80%) prescrições por dia e realizadas 94 intervenções, dasquais a maioria estava relacionada à substituição de medicamentos não-padronizados (68%),administração de medicamentos pela via enteral (15%), e dosagem e/ou posologia (12%). Setenta e duas(76%) intervenções foram aceitas pelos médicos responsáveis e foi obtido 95% de adesão terapêutica. Oprincipal motivo de não adesão foi o uso contínuo do medicamento seguido da condição clínica dopaciente. Frente aos resultados apresentados foram realizadas palestras educativas sobre o planoseguro de medicamentos para o esclarecimento da equipe multidisciplinar sobre aprazamento,armazenamento, interação medicamentosa, preparo e administração de medicamentos. Além disso,foram elaboradas tabelas de diluição, estabilidade e incompatibilidade de medicamentos injetáveis;tabela de medicamentos que não devem ser administrados por sonda enteral e de formas farmacêuticasalternativas disponíveis. Também foi disponibilizado na rede interna do hospital o manual demedicamentos padronizados. Apesar de ser uma atividade recente na instituição, a análise dasprescrições está contribuindo para que a farmacoterapia tenha maior qualidade. Também foi possívelconcluir que as intervenções têm apresentado uma boa aceitação pela equipe multidisciplinar. Portanto,esta atividade será realizada de maneira contínua e estará incluída na rotina dos farmacêuticos, com amissão de otimizar a terapia medicamentosa dos pacientes, auxiliando a equipe clínica e prevenindoefeitos adversos e falhas terapêuticas.E-MAIL PARA CONTATO: nataliarspereira@gmail.comANÁLISE DA EFETIVIDADE DO TRATAMENTO HOMEOPÁTICO UTILIZANDO AUTO-ISOTERÁPICOEM ONICOMICOSE - ESTUDO DE CASOHAMERSKI, Mônica Minuzzi1; GRIEBELER, Susana Porsch2 ; ZARIF, Cristina Severo3Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões Campus Santo Ângelo - RSDESCRIÇÃO DO CASO: O presente estudo relatou o caso de uma paciente com onicomicose crônicanos pés, em que o tratamento alopático com os antifúngicos fluconazol, itraconazol e tioconazol nãoapresentou efeito. A escolha da paciente para a participação da pesquisa foi realizada pela médicacolaboradora através do exame clinico e laboratorial identificando o agente dermatófito Trichophytonmentagrophytes como o causador da enfermidade. AVALIAÇÃO: O acompanhamento da paciente foirealizado através de registros fotográficos no inicio, meio e fim do tratamento. Na avaliação inicial asunhas da paciente apresentavam um intenso acometimento, com descolamento da lâmina do leitoungueal proporcionando um espaço subungueal com aspecto de unha oca; coloração esbranquiçadaSIF 2011 - 8º Seminário Internacional de Farmácia / Instituto Racine 16
  • 17. evoluindo a amarelada e não homegênea; superfície áspera, opaca e espessada. INTERVENÇÃO:Analisou-se então a efetividade de um tratamento não convencional utilizando um medicamentohomeopático auto-isoterápico preparado a partir da unha infectada da paciente, segundo a FarmacopéiaHomeopática Brasileira na escala centesimal e pelo método Hahnemanniano, administrado na 30 CH emdose terapêutica oral de 5 gotas duas vezes por dia pelo período de 4 meses. CONCLUSÕES: Após operíodo de tratamento, a paciente evidenciou melhoras clínicas significativas nas lesões ungueais,apresentando unhas mais lisas, brilhantes, uniformes e com aderência da lâmina ao leito ungueal,comprovando a efetividade da terapia com auto-nosódios em onicomicose. Esse fato favorece a buscapor novas pesquisas na área de isoterapia, a fim de verificar sua eficácia também frente a outrasdoenças de pele. O presente trabalho esta de acordo com as normas da resolução 196/96 e foi aprovadopelo Comitê de Ética e Pesquisa conforme Nº CAAE: 0007.0.282.000-10.E-MAIL PARA CONTATO: cristina.zarif@gmail.comAVALIAÇÃO DA EFETIVIDADE DA Thuya occidentalis NA FORMA FARMACÊUTICA POMADA NOTRATAMENTO DE PAPILOMATOSE BOVINANATHIELE HELGUEIRA ELY1; SUSANA GRIEBELER PORSCH2; CRISTINA ZARIF SEVERO3; MÁRCIOFONSECA DO AMARAL41 Acadêmica do Curso de Farmácia da Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões;2 Farmacêutica, Professora do Curso de Farmácia da Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai edas Missões; 3Farmacêutica Homeopata; 4Médico Veterinário Homeopata.DESCRIÇÃO DO CASO: A papilomatose bovina é uma enfermidade tumoral benigna, causada por umvírus de natureza fibroepitelial, caracterizada por alterações na pele e nas mucosas, conhecidaspopularmente como verrugas. Trata-se de uma doença onde ocorre o crescimento excessivo das célulasbasais do epitélio cutâneo, causada por um vírus DNA. Os animais participantes deste estudoapresentavam quadro grave de papilomatose bovina. As primeiras lesões surgiram cinco meses antes daintervenção homeopática, e ao passar do tempo aumentaram de tamanho, mudando seu aspecto epassando a interferir no comportamento dos animais. O objetivo deste estudo foi avaliar a efetividade deuma pomada tópica à base de Thuya occidentalis no tratamento da papilomatose bovina. AVALIAÇÃO: Opresente trabalho foi aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa com Animais da Universidade RegionalIntegrada do Alto Uruguai e das Missões, Campus de Santo Ângelo, sob registro nº. 146-4/PPa/09. Osanimais foram selecionados por um Médico Veterinário, em uma propriedade de rebanho leiteiro. Trata-se de duas terneiras mestiças das raças Jersey e Holandesa, que apresentavam quadro grave depapilomatose. Ambas não tiveram tratamento tópico ou sistêmico anteriormente. Os animaisselecionados foram avaliados inicialmente, no decorrer do estudo e no final do período de dois mesespelo Médico Veterinário. As lesões apresentadas pelos animais eram grandes, secas, sem sangramento,mas que vinham aumentando gradativamente. Não havia comprometimento no desenvolvimento ecomportamento dos animais. INTERVENÇÃO: A pomada tópica utilizada neste estudo foi preparada nolaboratório de Farmacotécnica Homeopática do curso de Farmácia da Universidade Regional Integradado Alto Uruguai e das Missões. O medicamento homeopático foi manipulado utilizando uma base parapomada Chemygel®, tintura de Thuya occidentalis incorporada a 10% nesta base e butilhidroxitolueno,como antioxidante, acrescentado à formulação na proporção de 0,05%. O produto tópico foi aplicado umavez ao dia, durante dois meses sobre as regiões acometidas pelas lesões. Após um mês de tratamentoverificou-se um agravamento dos sintomas com aumento das lesões, surgimento de lesões úmidas,sanguinolentas, com aspecto de couve-flor e odor fétido em ambos os animais. Também houve alteraçãocomportamental nos animais, mostrando estarem assustados e deprimidos. Os sintomas foramreconhecidos como agravação normal do tratamento homeopático, sendo que o produto tópico teve suautilização continuada nos dois animais. CONCLUSÃO: Após dois meses de utilização da pomada tópica,os animais apresentaram melhora, as lesões reduziram de tamanho, secaram e por fim acabaram caindohavendo total remissão das lesões. No presente estudo obteve-se sucesso no tratamento dapapilomatose bovina com uma pomada homeopática à base de Thuya occidentalis, aplicada uma vez aodia durante sessenta dias, mostrando a eficácia do tratamento homeopático nesta enfermidade.E-MAIL PARA CONTATO: cristina.zarif@gmail.comSIF 2011 - 8º Seminário Internacional de Farmácia / Instituto Racine 17
  • 18. O QUE PENSAM OS ACADÊMICOS DE FARMÁCIA SOBRE A FUNÇÃO DE GERENTEFARMACÊUTICO?MATTOS, FERNANDO GASPAR1, DINIZ, MAYRA SANTOS2, MACHADO, MARIA AUGUSTA SOARES31 e 3: Instituto Brasileiro de Mercado de Capitais - Rio de Janeiro: IBMEC; 2: Drogarias TamoioIntrodução: acadêmicos de Farmácia, que participaram de um Congresso no Rio de Janeiro,apresentaram sua visão a respeito da perspectiva de atuarem como gerente farmacêutico em redesvarejistas. O resultado permitiu traçar um perfil sobre como esses futuros profissionais encaram essaatividade tão importante para a Assistência Farmacêutica. Objetivo: avaliar a percepção dos acadêmicosde Farmácia quanto à perspectiva de atuarem como gerente farmacêutico no setor varejistafarmacêutico. Métodos: realizou-se pesquisa quantitativa com uma amostra de 62 acadêmicos. Utilizou-se um questionário de 22 perguntas com escala de Likert com o objetivo de avaliar a percepção deacadêmicos sobre aspectos críticos do papel do gerente farmacêutico. Um teste não paramétrico foirealizado para confirmar a homogeneidade da amostra pesquisada. Resultados: 42% dos acadêmicosde Farmácia pesquisados responderam que pretendem atuar no varejo farmacêutico e 36% responderamque talvez atuem. 34% dos pesquisados afirmaram que pretendem se tornar gerente farmacêutico eoutros 45% afirmaram que talvez pretendam ocupar essa posição. 67% dos acadêmicos pesquisadosconcordam plenamente com a afirmativa de que a posição de gerente farmacêutico pode colaborar deforma positiva para uma melhor assistência farmacêutica ao consumidor final. 16% dos acadêmicospesquisados concordam plenamente com a percepção de que a figura do gerente farmacêutico comouma mudança cultural no varejo farmacêutico e outros 37% concordaram parcialmente com essaafirmativa. 87% dos entrevistados eram do sexo feminino o que representará uma relevante mudança deperfil nas lideranças varejistas nos próximos 5 a 10 anos. Este trabalho aponta uma demanda entre osacadêmicos por capacitação em gestão de pessoas, uma vez que 66,% dos respondentes concordaramplenamente com a necessidade de capacitação em Liderança para uma melhor atividade de gerênciafarmacêutica.. Além disso, 39% dos respondentes concordaram plenamente que as Universidades nãoos preparam para os desafios inerentes ao varejo farmacêutico e 38% concordaram parcialmente comessa afirmativa. Finalmente, 27% dos respondentes concordaram plenamente com a afirmativa de queainda há preconceito dos empresários frente ao gerente farmacêutico e 32% concordaram parcialmentecom essa afirmativa. . Conclusão: A atuação do farmacêutico como gerente varejista é vista de formapositiva pelos acadêmicos de Farmácia, constituindo-se numa tendência que afetará diretamente noambiente corporativo das redes de farmácia e na qualidade da Assistência Farmacêutica a ser oferecidaa população nos próximos anos.E-MAIL PARA CONTATO: maysdiniz@yahoo.com.brIMPLEMENTAÇÃO DE CENTRO DE INFORMAÇÃO DE MEDICAMENTOS EM UNIDADES AFILIADASDE UMA ORGANIZAÇÃO SOCIAL DE SAÚDEABU JAMRA, ANA PAULA; VALENTA, MÁRCIO; VITA, DANIELA PRISCILA MOREIRASPDM - Associação Paulista para o Desenvolvimento da MedicinaIntrodução: A informação em saúde vem sendo incorporada como instrumento institucional estratégico eproprietário em gestão, por ser essencial nos processos de tomada de decisão e de aplicação adequadade recursos. O CIM é uma unidade operacional que proporciona informação técnica e cientifica sobremedicamentos. A Organização Social de Saúde (O.S.S) responsável por este trabalho administra 35Unidades Afiliadas, que anteriormente a 2008, apresentavam histórico de questionamento cujasinformações não eram centralizadas. Objetivo: Entendendo se a necessidade de padronizações, registroe coleta de dados, a partir de 2008 foi elaborado o projeto do CIM, para servir como suporte e referênciapara todas as demais, centralizados e padronizados as informações. Método: No planejamento daimplementação do CIM foi realizado uma amostragem entre os Hospitais Afiliados com objetivo de seestabelecer um fluxograma de trabalho e definir as demandas necessárias para execução. Inicialmentepensou-se apenas na criação de um CIM Central, localizado em um Hospital. Contudo, com o andamentodo projeto e a divulgação do trabalho, verificou-se a necessidade de estabelecer Centros de InformaçõesDescentralizados (CIM Local) localizadas nas Unidades Afiliadas, mas seguindo as orientações ediretrizes do CIM Central. O CIM Central é composto for um Farmacêutico e um Assistente Técnico, quesão subordinados diretamente à Gerência Coorporativa de Farmácia e Superintendência da O.S.S .Alémdisso, todas as Unidades Afiliadas implementaram o CIM Local, subordinado ao CIM Central. Em cadaCIM Local há a presença de um Farmacêutico Responsável por responder os questionamentos de menorSIF 2011 - 8º Seminário Internacional de Farmácia / Instituto Racine 18
  • 19. complexidade, coletar informações e enviar dados ao CIM Central. A Equipe multidisciplinar encaminhaao questionamento ao CIM Local, através de impressos padronizados ou outras mídias. Por sua vez, oCIM Local, em questões de média de alta complexidade, envia estes questionamentos ao CIM Central.Como estratégia de divulgação de informações e do serviço, foi criado um grupo de e- mails onde estãoatualmente cadastrados 507 profissionais, de diversos segmentos (técnicos, administrativos e outros)vinculados ou não a O.S.S. As informações veiculadas foram preparadas em forma de Boletins Mensais(divulgação do trabalho que está sendo executado nas Afiliadas pelos integrantes da Farmácia edivulgação dos questionamento respondidos) e Informativos (informações semanais veiculadas na mídiae atualização de legislação). Resultado: No ano de 2010 o CIM Central respondeu 75 questionamentosde média à alta complexidade. O total de questionamento de baixa complexidade, respondidas pelo CIMLocal, somaram 8.966. Destas, 5,5% representam respostas ao Corpo Clínico, 26,3% respondidas àEnfermagem, 60,3% aos pacientes e 7,9% aos colaboradores da Farmácia. Conclusão: Portanto, osresultados indicam que a implementação do CIM Central e do CIM Local foram essenciais para prestaçãode informações rápidas e seguras, principalmente aos usuários de medicamentos, que representam amaior parcela dos questionamentos respondidos.E-MAIL PARA CONTATO: anapaula.abujamra@gmail.comAS INTERVENÇÕES FARMACÊUTICAS PARA O MANEJO DE EVENTOS ADVERSOSRELACIONADOS AO TRATAMENTO ANTI-RETROVIRALFERRAZ, NATÁLIA PONTE E AZEVEDO, MARIA FERNANDA SALOMÃO.A terapia anti-retroviral (TARV) altamente ativa tem promovido melhorias na qualidade de vida dopaciente acometido pela Síndrome de Imunodeficiência Adquirida (SIDA), porém apresentam eventosadversos incapacitantes. As intervenções farmacêuticas em conjunto com a equipe de saúde podemcontribuir para o manejo de tais eventos. O objetivo do trabalho foi catalogar os principais eventosadversos relacionados aos medicamentos TARV distribuídos gratuitamente pelo Ministério da Saúde doBrasil e discutir seus manejos. A metodologia foi através de levantamento artigos científicos publicadosdurante o período 1986 a 2010 nas bases de dados Lilacs, Medscape e Scholar, com as seguintespalavras chaves: Recomendações da Terapia anti-retroviral em Adulto, Crianças e AdolescentesInfectados pelo HIV, adesão à medicação; cooperação do paciente; Síndrome ImunodeficiênciaAdquirida; terapia anti-retroviral de alta atividade. Na literatura foram encontrados eventosgastrointestinais incluem anorexia, náuseas, vômitos, diarréia, pancreatite e hepatotoxicidade. O manejodesses eventos está em recomendações dietéticas como controle de ingestão de lipídeos, nessa açãoevidencia ações com outros profissionais, como o nutricionista. Os eventos dermatológicos incluemeritema maculopapular, prurido, rash., o manejo inclui titulação de dose dos medicamentos. Os eventosmetabólicos abrangem distúrbios de lipídios e de glicose, como a síndrome de lipodistrofia. Os eventosmetabólicos com riscos cardiovasculares, a recomendação inicial é a prática de exercício físico edietética, porém se houver a necessidade de tratamento farmacológico, o farmacêutico pode sugerirmedicamentos com menor potencial de interações medicamentosas. Em relação ao sistema músculoesquelético o evento adverso mais presente é a miopatia. Os eventos adversos neurológicos incluemtontura, cefaléia, insônia, pesadelos, depressão, agitação, irritabilidade, despersonalização, alucinações,dificuldade em concentração, ansiedade, depressão e idéia suicidas, e o sistema nervoso periférico queincluem a neuropatia periférica. Os eventos renais são frequentemente associados a toxicidade daterapia anti-retroviral ou por medicamentos nefrotóxicos como os antimicrobianos usados para tratamentodas infecções oportunistas e o manejo é a correção de dose dos medicamentos. Conhecer os manejosdos eventos adversos e aplicá-los corretamente implica na significância clínica das intervençõesfarmacêuticas e, consequentemente, pode melhora da qualidade de vida do paciente e a adesão aotratamento.E-MAIL PARA CONTATO: mafersalomao@hotmail.comSIF 2011 - 8º Seminário Internacional de Farmácia / Instituto Racine 19
  • 20. RESUMO DOS TRABALHOS APRESENTADOS TRABALHOS DE PORTUGAL APRESENTAÇÃO ORALA INTERVENÇÃO DO FARMACÊUTICO NA ADESÃO À TERAPÊUTICA EM DOENTES IDOSOS EMFARMÁCIA COMUNITÁRIAMOSCA, CAROLINA*(1,4); CASTEL-BRANCO, MARIA MARGARIDA; RAMA, ANA CRISTINA (1,2,3);CARAMONA, MARGARIDA(1,2); FIGUEIREDO ISABEL VITÓRIA(1,2)1Grupo de Farmacologia e Cuidados Farmacêuticos - Faculdade de Farmácia, Universidade de Coimbra2Centro de Estudos Farmacêuticos (CEF), 3Serviços Farmacêuticos, Hospitais da Universidade deCoimbra, 4Farmácia Central Sabugal *Estudante de Doutoramento em Ciências FarmacêuticasIntrodução: A não adesão à terapêutica, verificada em doentes idosos com patologias crónicas,incentiva a implementação de ações de intervenção e acompanhamento farmacêutico na farmáciacomunitária. O objetivo do trabalho foi verificar se a intervenção farmacêutica contribui para a adesão àterapêutica em doentes idosos.Métodos: Foram constituídos 2 grupos com doentes idosos, autónomos, medicados com pelo menos 3medicamentos para patologias crónicas, sujeitos à determinação mensal, durante 4 meses, do colesteroltotal (COL T), colesterol-LDL (LDL-c), colesterol-HDL (HDL-c), triglicerídeos (TG), glicémia (GLI), pressãoarterial sistólica (PAS), pressão arterial diastólica (PAD) e risco cardiovascular (RCV) e à análise daadesão à terapêutica com eventual utilização de estratégias de memória, sendo apenas um dos grupossujeitos à preparação terapêutica semanal em “blisters pack”, com aconselhamento farmacêutico. Aadesão à prescrição médica foi observada por meio de um auto-relato, do acompanhamento dosdoentes, pela contagem semanal dos medicamentos não administrados e evolução dos resultados.Resultados: Foram estudados 54 doentes com idades entre 65-90 anos, sendo 67% mulheres e onúmero médio de medicamentos consumidos por idoso de 7,5±4,5. As percentagens da adesão àprescrição médica, através da escala de auto-relato da adesão (Morisky), no início e final da realizaçãodo estudo foram de 70% e 89%, sendo a diferença estatisticamente significativa (p=0,002). Em todos osparâmetros determinados foi calculada a diferença entre os dois momentos de avaliação (inicial e final) everificou-se que a diferença dos valores medianos obtidos foi estatisticamente significativa para a GLI (-8mg/ml, p=0,003), HDL-c (+1 mg/ml, p=0,040), PAD (-3,5 mmHg, p=0,020), PAS (-7 mmHg, p<0,001) eRCV (0,7%, p<0,001). Considerando a influência do tempo, foram avaliadas as evoluções dos diversosparâmetros ao longo dos 4 meses do estudo e verificou-se que cada aumento de um mês de tempo levoua uma diminuição de 5,243 mg/dl da glicose, 1,054 mmHg da PAD, 2,620 mmHg da PAS e 0,256% doRCV em média, sendo estatisticamente significativo. Pela evolução dos valores médios dasdeterminações de COL T, LDL-c, TG, PAD e RCV verificou-se que os resultados foram em médiasuperiores num idoso que tenha tido acompanhamento farmacêutico, uma vez que, nestes idosos,partimos com valores iniciais bastante superiores, do que num idoso sem acompanhamento damedicação. Os resultados do HDL-c foram, em média, inferiores num idoso com acompanhamentofarmacêutico. Relativamente à GLI a evolução temporal média foi diferente nos 2 grupos, existindo umainteração significativa entre os grupos e o tempo. Conclusão: O objetivo deste estudo foi alcançado -dos resultados obtidos concluímos que a intervenção farmacêutica contribuiu para promover a adesão àterapêutica prescrita.E-MAIL PARA CONTATO: carolina.mosca@gmail.comSIF 2011 - 8º Seminário Internacional de Farmácia / Instituto Racine 20
  • 21. OS MEDICAMENTOS NOS IDOSOS HIPERTENSOS ACOMPANHADOS NA FARMÁCIACOMUNITÁRIASILVA, ESPERANÇA*1,3; OLIVEIROS, BARBARA4; PONCIANO, EMANUEL4: FIGUEIREDO, ISABELVITORIA2,3; CARAMONA, MARIA MARGARIDA2,31 Farmácia Rocha, Coimbra2 Grupo de Farmacologia e Cuidados Farmacêuticos - Faculdade de Farmácia da Universidade deCoimbra.3 Centro de Estudos Farmacêuticos (CEF)4 IBILI - Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra.*Estudante de Doutoramento, Universidade de CoimbraOs idosos são os maiores consumidores de medicamentos, podendo o seu uso cuidadoso e racional sera chave do êxito para uma melhor qualidade de vida. No entanto a alta prevalência de diversas doençascrónicas concomitantemente no mesmo indivíduo leva muitas vezes a um risco de polifarmacoterapia,com as inerentes consequências nefastas, entre as quais se encontram a dificuldade de adesão aoesquema terapêutico e enormes encargos económicos para o doente, sistemas de saúde e sociedadeem geral. Objetivo: O presente trabalho pretendeu, numa amostra populacional de idosos hipertensos,verificar a quantidade de fármacos diários, avaliar a adesão à terapêutica e a qualidade de vidaresultantes da polifarmacoterapia. Métodos: Foi efectuado um estudo prospectivo em 1039 doenteshipertensos, com idade superior a 65 anos, recrutados nas farmácias comunitárias, e que responderam aum questionário de caracterização sócio-demográfica, farmacoterapêutica e clínica. Resultados: Osdoentes estavam medicados em média com 5,1 fármacos distintos, o que correspondia a umaadministração diária de 6,3 comprimidos por dia. Tanto o número de total de fármacos (7,5) como onúmero de comprimidos por dia (6,7) eram superiores no sexo feminino. A terapêutica anti-hipertensoraenvolvia em média dois tipos de fármacos. Nos outros grupos farmacológicos destacavam-se osantidislipidémicos (40,33%), os antiagregantes plaquetários (37,3%), (AAS (24,74%) e Clopidogrel(6,83%)), as benzodiazepinas (36,77%), os antidiabéticos orais (19,63%) e os vasodilatadores coronários(8,57%). Determinou-se não haver adesão à terapêutica em apenas 9,59% dos doentes, utilizandométodos indiretos. A Qualidade de vida apresentou valores elevados na dimensão emocional, física ediária. Conclusão: pode objetivar-se o conceito de polifarmacoterapia nesta amostra populacional deidosos hipertensos. Observa-se ainda uma elevada adesão à terapêutica apesar de algum esquecimentodas tomas. O farmacêutico deve assumir responsabilidade na cedência dos medicamentos e actuarcomo promotor do uso racional da farmacoterapia, com o objetivo de obter resultados terapêuticos comimpacto na saúde e na qualidade de vida do doente. Por estas razões é também relevante considerar acontribuição do farmacêutico para a optimização da terapêutica e para a sustentabilidade do sistemanacional de saúde.E-MAIL PARA CONTATO: Espsilva@hotmail.comPROCEDIMENTO OPERATIVO NORMALIZADO DE GESTÃO HOSPITALAR DE ERROS DEMEDICAÇÃO, NA VERTENTE DE IDENTIFICAÇÃO, COMUNICAÇÃO E ANÁLISEPEREIRA, TERESA SIMÕES1; RAMA, ANA CRISTINA2,31 Serviços Farmacêuticos, Hospital Distrital da Figueira da Foz, EPE; 2 Grupo de Farmacologia eCuidados Farmacêuticos, Faculdade de Farmácia, Universidade de Coimbra; 3 Centro de EstudosFarmacêuticos, Coimbra;Introdução: O manual de Padrões de Acreditação da Joint Commission International para hospitais (JCI,2007), engloba a norma Gestão e Utilização de Medicamentos onde se estabelece que “os erros demedicação (EM) são comunicados através de um procedimento e dentro do prazo estabelecido pelainstituição” e a norma Melhoria da Qualidade e Segurança do Doente referindo que “a instituição utilizaum processo predefinido para identificar e analisar eventos de quase falha (QF)”. Objectivo: Elaborar umprocedimento operativo normalizado para estudo e prevenção de erros de medicação, na vertente deidentificação, comunicação e análise. Métodos: Pesquisa bibliográfica na Medline/PubMed e sítioscreditados; Na criação do procedimento, os itens e etapas do processo para montagem final dodocumento, adoptam-se os da JCI; A concepção do item Análise dos Dados tem como base o ExploringIncidents - Improving Safety um guia para a Root Cause Analysis da National Patient Safety Agency(2005/2009); O formato da apresentação final do procedimento é da autoria do hospital. Resultados: Oprocedimento operativo normalizado criado para o estudo e prevenção de erros de medicação, nasdiversas vertentes, envolveu a concepção e apresentação das seguintes ferramentas adequadas a cadaetapa do processo: Etapas - 1. Identificação das etapas do circuito do medicamento e profissionaisSIF 2011 - 8º Seminário Internacional de Farmácia / Instituto Racine 21
  • 22. envolvidos; 2. Identificação do tipo de EM ou QF; 3. Categorização dos erros de medicação segundo agravidade; 4. Comunicação de EM e QF - impressos de notificação voluntária para profissionais de saúdee para os SF; 5. Análise dos dados obtidos - Esquemas representativos da abordagem ao processosegundo a RCA; Esquema do processo de análise dos incidentes e melhoria da segurança; Identificaçãodo tipo de informação a recolher; Diagramas elaborados: de sequência no tempo; de causa-efeito; emapeamento da informação; Diagrama em espinha de peixe com os principais factores contributivos e asua classificação; 6. Síntese do Processo - fluxograma geral. Conclusão: As ferramentas elaboradasvão permitir pôr em prática o procedimento elaborado.E-MAIL PARA CONTATO:acrama@mail.telepac.ptSIF 2011 - 8º Seminário Internacional de Farmácia / Instituto Racine 22
  • 23. APRESENTAÇÃO NA FORMA DE POSTERACOMPANHAMENTO FARMACOTERAPÊUTICO EM FARMÁCIA COMUNITÁRIA: CASO CLÍNICODE UM IDOSO POLIMEDICADOBRANCO, SARA1*; MOSCA, CAROLINA1,2; CARAMONA, MARGARIDA1,2; CASTEL-BRANCO,MARGARIDA1,2; FIGUEIREDO, ISABEL VITÓRIA1,21 Grupo de Farmacologia e Cuidados Farmacêuticos, Faculdade de Farmácia, Universidade de Coimbra2 Centro de Estudos Farmacêuticos (CEF), Coimbra*Aluna do Mestrado Integrado em Ciências FarmacêuticasO recurso à farmacoterapia tem como grande objetivo alcançar resultados positivos que, efectivamente,conduzam a uma melhoria da qualidade de vida. Contudo, nem sempre o processo de utilização demedicamentos é acompanhado destes resultados para a saúde do doente, uma vez que com frequênciaocorrerem falhas na farmacoterapia. O objetivo principal deste trabalho foi demonstrar a necessidadeeminente de promover uma prática clínica centrada no doente, materializando a verdadeira concepção doconceito “pharmaceutical care”, onde o Acompanhamento Farmacoterapêutico se exprime comoexpoente máximo, e onde farmacêutico intrinsecamente se eleva como o profissional mais dotado ecompetente para o concretizar. A metodologia utilizada consistiu na obtenção, no contexto real de umafarmácia comunitária, do perfil farmacoterapêutico de um idoso polimedicado, R.A., de 80 anos de idade,e avaliação do seu estado de situação, a fim de detectar possíveis PRM e prevenir/resolver osResultados Negativos associados à Medicação (RNM). Doente hipertenso e cardíaco, fumador nopassado, R.A. foi operado há 4 anos, altura em que lhe foi colocado um pacemaker. Em consequênciadas constantes crises de “falta de ar”, foi sujeito a um novo internamento hospitalar, sendo actualmenteseguido em cardiologia e pneumologia. Apresenta o seguinte registo farmacoterapêutico: furosemida40mg (½ ao pequeno almoço, à 2ª, 4ª e 6ª feira), lercanidipina 10mg (1+0+0), mononitrato de isossorbido50mg (1+0+0), digoxina 0,125mg (0+1+0), varfarina 5mg (0+0+1), sinvastatina 20mg (0+0+1),bioflavonóides 500mg (1+0+1), fluticasona 250µg/dose + salmeterol 50µg/dose (1+0+1), brometo detiotrópio 0,0225mg (1+0+0), hidrogenofosfato de cálcio 600mg + colecalciferol 500U.I. (0+0+1),tansulosina 0,4mg (0+0+1), domperidona 10mg (1+1+1), pantoprazol 40mg (1+0+0) e cianocobalamina1mg/1ml (1x/mês). Em Fevereiro de 2011 dirige-se à farmácia e revela que está “muito preocupado coma sua saúde”, pois “não se sente nada bem”, e associa este mal-estar à tensão arterial, que “ultimamentetem andado muito descontrolada” (PAS ≥ 140 mmHg e PAD < 90 mmHg). As crises de “falta de ar” sãouma constante, acompanhadas de tosse produtiva persistente, sobretudo de noite. Sente os “ossosfracos” e um “enorme cansaço” que o limita nas suas actividades. As suas pernas estão visivelmenteinchadas e com uma coloração escurecida. O farmacêutico constata que com frequência o doente nãoadere à terapêutica nem cumpre o esquema posológico proposto. É sugerido ao doente a integraçãonum programa de acompanhamento farmacoterapêutico, com o objetivo de alcançar resultadosconcretos que melhorem a sua qualidade de vida. Foram identificados 4 PRM fundamentais (nãoconhece/não respeita as precauções com a utilização do medicamento; incumprimento/falta de adesão;interacção medicamentosa; probabilidade de efeitos adversos) que estão na origem da inefetividade einsegurança da terapêutica (RNM). Após delineamento do plano de educação e monitorização para asaúde, o doente compreendeu a necessidade da utilização correcta e regular da medicação, bem comoda adoção de um estilo de vida saudável. Indubitavelmente, o acompanhamento farmacoterapêuticorepresenta uma prática clínica altamente diferenciada, de enorme impacto no controlo da doença e namelhoria da qualidade de vida. Centrando-se no doente, maximiza o benefício da farmacoterapia,minimizando a morbi-mortalidade relacionada com medicamentos.E-MAIL PARA CONTATO: saraa_branco@hotmail.comAVALIAÇÃO DO RISCO CARDIOVASCULAR NA FARMÁCIA COMUNITÁRIA COMO PRECURSORDE UM SERVIÇO DIFERENCIADOOLIVEIRA, NÉLIO1; MASCARENHAS, ANABELA1; CABRAL, ANA1,2; POETA, RICARDO1; CARAMONA,MARGARIDA2,3; FIGUEIREDO, ISABEL VITÓRIA2,3; CASTEL-BRANCO, MARGARIDA2,31 Farmácia Saúde, Figueira da Foz; 2Grupo de Farmacologia e Cuidados Farmacêuticos, Faculdade deFarmácia, Universidade de Coimbra; 3 Centro de Estudos Farmacêuticos, CoimbraIntrodução: Em todo o mundo, a doença cardiovascular é a principal causa de incapacidade e morteprematura. Objectivos: Pretendeu-se com este trabalho identificar factores de risco cardiovascular naamostra em estudo, para poder intervir nos factores de risco modificáveis ao nível da prevenção primáriae secundária, na farmácia comunitária. Métodos: A identificação de factores de risco cardiovascular foiSIF 2011 - 8º Seminário Internacional de Farmácia / Instituto Racine 23
  • 24. feita através de recolha de informação pessoal e de determinação de parâmetros antropométricos,hemodinâmicos e bioquímicos em três freguesias do distrito de Coimbra. Para selecção da amostraforam considerados voluntários de ambos os sexos com idades compreendidas entre os 30 e os 80 anos.Para estudo do Risco Cardiovascular apenas foram considerados indíviduos dos 40 aos 65 anos. Foramexcluídas do estudo grávidas, mães a amamentar e pessoas com diagnóstico prévio de doençacardiovascular. Os dados obtidos foram tratados estatisticamente recorrendo ao programa SPSS 17.0(Statistical Package for the Social Sciences). Resultados: Estudou-se uma população de 127 pessoas,sendo 64,57 % do sexo feminino e 35,43 % do sexo masculino. Na amostra verifica-se que 78,74 % dapopulação tem peso acima do normal, existindo 38,00 % de obesos. 55,91 % dos indivíduos afirma nãopraticar exercício físico e 92,9 % dos indivíduos negou ter hábitos tabágicos. Verifica-se que 79,53 % dosindivíduos apresenta valores de pressão arterial acima dos limites considerados normais. Destes, 66,34% estão tratados farmacologicamente, mas apenas 14,93 % dos que tomam medicação cumprem osobjectivos terapêuticos. Constata-se que a prevalência de hipertensão arterial na amostra se devesobretudo a um aumento da pressão arterial sistólica. 69,30 % dos indivíduos tem valores decolesterolémia total considerados normais. Conclusão: Em relação à diabetes existe, no geral, umcontrolo terapêutico adequado. Relativamente à pressão arterial e à dislipidémia parece ainda existir umlongo caminho a percorrer até se conseguir controlar estes factores de risco. Muito importante serátambém a insistência no cumprimento da prescrição por parte do utente.O estudo do risco cardiovascularpermite interligar a análise dos parâmetros bioquímicos, o aconselhamento nutricional e a promoção deestilos de vida saudáveis dos utentes. O farmacêutico pode assim oferecer um serviço diferenciado nafarmácia comunitária.E-MAIL PARA CONTATO: nelyus@sapo.ptIDENTIFICAÇÃO DE RESULTADOS NEGATIVOS DA MEDICAÇÃO EM DOENTES COM VALORESLABORATORIAIS DE HIPO- E HIPERCALIÉMIACRUZ, SÍLVIA; 1; CABRAL, ANA CABRAL1; CASTEL-BRANCO, MARGARIDA1,2; CARAMONA,MARGARIDA1,2; FIGUEIREDO, ISABEL VITÓRIA1,2; RAMA, ANA CRISTINA1,2,31 Grupo de Farmacologia e Cuidados Farmacêuticos, Faculdade de Farmácia, Universidade de Coimbra,Portugal; 2Centro de Estudos Farmacêuticos, Coimbra, Portugal; 3Serviços Farmacêuticos, Hospitais daUniversidade de Coimbra, E.P.E.(HUC), Coimbra, Portugal.Objectivo: Análise retrospectiva do perfil de prescrição de doentes internados nos HUC, comvalores séricos de hipo- e hipercaliémia, como resultados negativos associados à medicação(RNMs). Estudo piloto de uma amostra de quatro doentes. Métodos: A população foi retirada dopool de doentes com doseamento sérico/urinário de potássio de Janeiro a Outubro de 2008 einternados em Cirurgia, Medicina, Cardiologia e Transplantação Renal, num total de 19.873análises. Destas, foram retiradas 409 com valores de hipocaliémia ([K +] sérico <3,5mmol/L - 217doentes) e hipercaliémia ([K +] sérico >5,3mmol/L - 84 doentes) do total de 3.056 efectuadas no sangue .Os doentes foram agrupados de acordo com a creatininémia, tendo como referência os valores de[creatinina] sérica <0,66mg/dL e [creatinina] sérica >1,09mg/dL adoptados pelo hospital. Os dados foramcruzados com o perfil de prescrição à data do resultado analítico. A avaliação da segurança visoudetectar reacções adversas e interacções medicamentosas e da necessidade/efectividade referiu-se àutilização da suplementação de potássio, face aos valores do ionograma. O estudo envolvefarmacêuticos de patologia clínica e hospitalares, médicos e elementos da Comissão de Farmácia eTerapêutica. Foi seleccionada uma amostra de quatros doentes para estudo piloto do método detratamento de dados a ser aplicado a toda a amostra. Resultados: Na análise total dos dadosverificou-se que a hipo- e hipercaliémia corresponderam a 13,4% das análises laboratoriais totais(3.056), das quais 75% revelam hipocaliémia (307), confirmando assim os dados epidemiológicosinternacionais. Na análise dos 4 doentes foram identificados possíveis RNMs relacionados com:segurança, devido a efeitos adversos ou interacções medicamentosas que podem resultar em hipoou hipercaliémia; efectividade, foi identificada uma possível inefectividade do cloreto de potássio;necessidade, justificando-se a suplementação de potássio para tratar a hipocaliémia.Discussão/Conclusão: O estudo permitiu concluir que a medicação pode originar RNMs de hipo-ou hipercaliémia em doentes internados, sendo relevantes estes estudos na gestão de risco. Omodelo adoptado neste estudo piloto servirá para a análise da restante amostra e para delinearprocedimentos de gestão de risco de RNMs associados à homeostase do potássio.E-MAIL PARA CONTATO: acrama@mail.telepac.ptSIF 2011 - 8º Seminário Internacional de Farmácia / Instituto Racine 24
  • 25. INTERVENÇÃO FARMACÊUTICA NA DETECÇÃO PRECOCE DA DOENÇA PULMONAROBSTRUTIVA CRÓNICAMASCARENHAS, ANABELA1; CABRAL, ANA1,2; POETA, RICARDO1; CASTEL-BRANCO,MARGARIDA2,3; FIGUEIREDO, ISABEL VITÓRIA2,3; CARAMONA, MARGARIDA2,31 Farmácia Saúde, Figueira da Foz; 2Grupo de Farmacologia e Cuidados Farmacêuticos, Faculdade deFarmácia, Universidade de Coimbra; 3Centro de Estudos Farmacêuticos, CoimbraIntrodução: As doenças respiratórias foram desvalorizadas e consideradas de menor importânciadurante vários anos, porque todas as atenções estavam voltadas para os problemas cardiovasculares,resultando assim um elevado crescimento da Doença Pulmonar Obstrutiva Crónica (DPOC). Objectivos:Pretendeu-se detectar precocemente sinais de alarme em indivíduos após a realização de umaespirometria. Em função dos resultados que se obtiveram fora dos padrões normais, os doentes foramencaminhados para o médico, para que mais precocemente e num estadio mais ligeiro da doença,pudessem começar a ser tratados. Metodologia: O estudo realizou-se em 4 locais diferentes no Distritode Coimbra. A população em estudo apresentava pelo menos 3 destes critérios: idade> 40 anos (> 35anos, se fumador); fumador ou ex-fumador; ter expectoração ou “catarro na maior parte dos dias”; tertosse na maior parte dos dias; cansar-se com mais facilidade do que as outras pessoas da sua idade. Asespirometrias foram realizadas com um aparelho Vitalograph Compact, seguindo os requisitosnecessários. Os resultados foram avaliados no momento e os que se obtiveram fora dos padrõesnormais foram incluídos numa fase de estudo, para depois serem enviados ao médico com o respectivorelatório da farmácia. Os doentes polimedicados foram encaminhados, para as consultas deacompanhamento farmacoterapêutico na farmácia. Resultados: Aderiram ao estudo 127 utentes, dosquais 104 obedeceram ao mínimo de 3 critérios de inclusão. 54% eram do sexo feminino e 46% do sexomasculino. 44,2% dos individuos eram fumadores. Foram encaminhados ao médico 12,5% dos doentescom Índice de Tiffeneau abaixo dos 70%, dos quais 96,15% eram assintomáticos, característicafrequente da DPOC ligeira. Conclusão: Na DPOC, o papel do farmacêutico comunitário na educação doutente acerca da sua doença é essencial, face à proximidade com o mesmo. Um dos principaisobjectivos é conseguir que coopere com o tratamento e reduza a ansiedade perante a doença. Aidentificação precoce de sinais de um estadio ligeiro, que normalmente é assintomático, pode levar aotratamento antecipado desse doente por parte do médico, com melhoria significativa da sua qualidade devida.E-MAIL PARA CONTATO: anabelamascarenhas@sapo.ptINTERVENÇÃO FARMACÊUTICA NUM PROJECTO DE REESTRUTURAÇÃO E REQUALIFICAÇÃODO SECTOR AMBULATÓRIO NUM HOSPITAL UNIVERSITÁRIOPROENÇA, MARIA MANUEL 1; RAMA, ANA CRISTINA 1,21 Serviços Farmacêuticos, Hospital Distrital da Figueira da Foz, EPE; 2Grupo de Farmacologia e CuidadosFarmacêuticos, Faculdade de Farmácia, Universidade de Coimbra; 3Centro de Estudos Farmacêuticos,CoimbraIntrodução: A redução dos períodos de internamento e a qualidade de vida acrescida dos doentestransfere, para o regime de ambulatório, os períodos de convalescença. Como tal, a importância dadispensa de medicamentos tem vindo a ser reforçada, exigindo, cuidados farmacêuticos continuados.Objetivo: Apresentar o processo de implementação e o resultado final do Projecto de Reestruturação eRequalificação do Sector Ambulatório dos Serviços Farmacêuticos dos Hospitais da Universidade deCoimbra, E.P.E. Métodos: Revisão bibliográfica e da legislação; Identificação de problemas estruturaisdo exercício profissional - Descrição dos tipos de intervenção farmacêutica; identificação dasnecessidades estruturais e conjunturais; determinação dos meios e recursos, humanos e tecnológicos,para implementação de um programa de atendimento personalizado e dos procedimentos subjacentes àimplementação de um sistema semi-automático de armazenamento e dispensa de medicamentos;monitorização das diferentes fases de implementação; identificação do impacto previsto. Resultados:Em 2010 o sector ambulatório apresentou como indicadores de actividade: 8340 doentes atendidos(média de 250/dia), encargos financeiros 44,6M€ (60,6% do total de medicamentos). Baseados nosprincípios preconizados nas Boas Práticas Farmacêuticas e imbuídos de uma “cultura de segurança”diferenciámos a intervenção farmacêutica a três níveis: 1. Acessibilidade ao medicamento, escolha dolocal de atendimento dos doentes e determinação de soluções para a cedência. 2. Estruturas físicas efuncionais, requalificação e reestruturação das instalações existentes, privilegiando a privacidade epersonalização do atendimento. 3. Processos de atuação, incorporando as inovações e oportunidadesSIF 2011 - 8º Seminário Internacional de Farmácia / Instituto Racine 25
  • 26. das tecnologias de informação, sobretudo na área da robótica hospitalar. Conclusão: Conseguiu-se aoptimização do espaço existente e a criação de oportunidades de melhoria assistencial. Asreformulações efectuadas melhoraram substancialmente as condições de trabalho e contribuíram parauma maior funcionalidade do sector, uma melhor acessibilidade dos doentes e uma melhor prestação decuidados farmacêuticos aos doentes.E-MAIL PARA CONTATO: acrama@mail.telepac.ptO CONSUMO DE MEDICAMENTOS PARA A DISFUNÇÃO ERÉCTIL NUMA FARMÁCIACOMUNITÁRIA DE COIMBRAFERNANDES, DIOGO1*; MOSCA, CAROLINA1; CARAMONA, MARGARIDA1,2; RAMA, ANA CRISTINA1,2;FIGUEIREDO, ISABEL VITÓRIA1,2; CASTEL-BRANCO, MARGARIDA1,21 Grupo de Farmacologia e Cuidados Farmacêuticos - Faculdade de Farmácia, Universidade de Coimbra2 Centro de Estudos Farmacêuticos (CEF)*Aluno do Mestrado Integrado em Ciências FarmacêuticasIntrodução: A disfunção eréctil é um problema de saúde cada vez mais prevalente, afectando homensde todas as idades. Cada vez mais homens tomam medicamentos para este problema, deslocando-se àfarmácia para a sua aquisição. Objectivo: Caracterização dos consumidores de medicamentos para adisfunção eréctil - grau de informação sobre os medicamentos, factores de risco para o aparecimento dadoença e aspectos económicos associados. Métodos: Questionário com 23 questões a que os utentesque adquiriram medicamentos para a disfunção eréctil entre 01.02.2001 e 07.05.2011 na FarmáciaGuarda Inglesa (Coimbra, Portugal) foram convidados a responder, tendo sido conseguida uma amostrade 49 indivíduos. Resultados: A maioria dos indivíduos situou-se na faixa etária 51-65 anos (n=29). Omedicamento mais consumido foi o Cialis® (tadalafil) 20 mg (n=16). A maioria dos utentes tomouconhecimento do medicamento através do médico (n=31). Apenas 4 indivíduos iam tomar o medicamentopela primeira vez. Alguns homens já experimentaram produtos naturais (n=2) ou outros medicamentos(n=8). As principais patologias associadas foram hipertensão (n=10), hipercolesterolémia (n=6) ediabetes (n=5). Mais de metade dos homens tomavam outros medicamentos (n=26), nomeadamenteanti-hipertensores (n=15). Os utentes afirmaram conhecer bem os efeitos adversos (n=42), emboraapenas 8 já tenham sentido algum desses efeitos. 24 utentes revelaram tomar o medicamento 1-2vezes/mês e 22 3-5 vezes/mês. O dia da semana de maior procura foi o sábado (n=14). Quase todosconsideraram o preço bastante elevado (n=41).Discussão/Conclusão: A idade dos utentes está de acordo com o esperado para a disfunção eréctil. Asdoenças associadas estão relacionadas com uma maior probabilidade de disfunção eréctil. São mais osindivíduos que assumem tomar outros medicamentos do que aqueles que dizem ter outras doenças, oque pode estar relacionado com o receio de não lhes ser prescrito o medicamento desejado. Não foramdetectadas interacções graves que motivassem a suspensão do tratamento e a utilização dosmedicamentos revelou-se segura para a maioria dos utentes. O elevado preço restringe a sua utilizaçãoem 13 indivíduos, levando mesmo vários utentes a comprarem embalagens de dosagem superior ànecessária para depois dividirem os comprimidos ao meio, prática que parece não afectar a suaefectividade. Embora o médico seja o profissional mais procurado para encontrar soluções para oproblema, o farmacêutico pode assumir um papel relevante no acompanhamento destes utentes, desde oaconselhamento de medidas não-farmacológicas ao esclarecimento de questões e à detecção deproblemas relacionados com estes medicamentos, prevenindo perdas de efectividade e/ou segurança.E-MAIL PARA CONTATO: diogofernandes@sapo.ptPROBLEMAS RELACIONADOS COM MEDICAMENTOS, DETECÇÃO E AVALIAÇÃO, IMPACTOPARA A SAÚDE DO DOENTEFIGUEIREDO-PINHO, CAPITOLINA1; CABRAL, ANA1,2; CASTEL-BRANCO, MARGARIDA2,3;CARAMONA, MARGARIDA2,3; FIGUEIREDO ISABEL VITÓRIA2,31 Farmácia Figueiredo, Coimbra;2Grupo de Farmacologia e Cuidados Farmacêuticos, Faculdade deFarmácia, Universidade de Coimbra;3Centro de Estudos Farmacêuticos, CoimbraIntrodução: A Dispensa Clínica de Medicamentos (DCM), parte integrante dos Cuidados Farmacêuticos,permite que o farmacêutico avalie o processo de uso da farmacoterapia possibilitando a detecção,avaliação e resolução de Problemas Relacionados com Medicamentos (PRM). A resolução de PRMpermite reduzir os Resultados Negativos Associados ao Medicamento (RNM) que são uma causaelevada de morbimortalidade associada ao uso do medicamento. Objectivos: Detecção de PRM,SIF 2011 - 8º Seminário Internacional de Farmácia / Instituto Racine 26
  • 27. avaliando o processo de uso da farmacoterapia durante a DCM; Avaliação dos PRM encontrados, etentativa da sua resolução; Impacto da resolução dos PRM na saúde do doente. Métodos: Trabalhodesenvolvido na Farmácia Figueiredo por um farmacêutico da equipa, três dias por semana, durante osmeses de Fevereiro a Abril de 2011. Para a detecção, avaliação, classificação e registo dos PRM foiutilizada a” Classificação de PRM de Lisboa (2008)” e respectivo formulário. Foram consultadas asseguintes fontes de informação: Histórico do doente, Resumo das Caracteristicas do Medicamento,CEDIME, Médico prescritor e Armazenista. Os dados obtidos foram tratados através do programainformático EXCEL. Resultados: Neste estudo foram avaliados 133 doentes, dos quais 61,7% do sexofeminino e 38,3% do sexo masculino. 75,8% encontrava-se na faixa etária dos 40 aos 90 anos. Foramdetectados e avaliados 159 PRM, sendo que destes 9% correspondiam a Medicamento não necessário,9% a Medicamento não adequado, 56% a Posologia não adequada e 26% a Falta de condições dodoente/sistema. Dos 159 PRM detectados 86,2% PRM foram resolvidos. Para a sua resolução foramrealizados 15 contactos telefónicos ao médico, 32 encaminhamentos ao médico com informação escrita,12 contactos aos armazenistas, 7 contactos ao CEDIME, 48 RCM foram consultados e 5 doentes foramencaminhados para Acompanahmento Farmacoterapêutico. Relativamente à origem dos PRM,considerou-se que 10,1% se deveram ao Doente/Cuidador, 62,8% ao Prescritor, 3,8% ao Farmacêutico,16,4% ao sistema e não se conseguiu classificar a origem de 6,9% dos PRM. Conclusão: A maior partedos PRM detectados foram resolvidos após intervenção farmacêutica. A sua resolução contribuiu paraevitar o aparecimento de RNM, para melhorar a saúde do doente e para reduzir a morbimortalidadeassociada ao uso dos medicamentos. Pode-se portanto concluir que no acto da DCM é possível ofarmacêutico contribuir efectivamente, na sua prática diária, para o uso racional do medicamento.E-MAIL PARA CONTATO: capipinho@netcabo.ptPROCEDIMENTOS OPERATIVOS NORMALIZADOS APLICADOS AO ACOMPNHAMENTOFARMACOTERAPÊUTICO DA SEGURANÇA DO USO DE MEDICAMENTOS EM GRÁVIDASCABRAL, ANA CABRAL1; RAMA, ANA CRISTINA1,2,4; CASTEL-BRANCO, MARGARIDA.1,2; TAVARES,FRANCISCO3; CARAMONA, MARGARIDA1,2; ALMEIDA SANTOS, TERESA3; FIGUEIREDO, ISABELVITÓRIA1,21Grupo de Farmacologia e Cuidados Farmacêuticos, Faculdade de Farmácia, Universidade de Coimbra;2Centro de Estudos Farmacêuticos, Coimbra; 3Unidade de Diagnóstico Pré-Natal, Serviço de ReproduçãoHumana, Hospitais da Universidade de Coimbra, E.P.E.; 4Serviços Farmacêuticos, Hospitais daUniversidade de Coimbra, E.P.E.Introdução: O efeito teratogénico depende de vários factores e nunca é observado em todos os fetos aele expostos. A área da segurança em teratologia carece de um serviço de informação que suporte adecisão dos profissionais. Objetivo: Estudo retrospectivo: Validar um questionário de recolha de dadosclínicos e medicamentosos numa amostra de grávidas; Criar normas e procedimentos de opções detratamento e de acompanhamento farmacoterapêutico e clínico; Desenvolver modelos de informação eeducação à grávida; Estudo prospectivo: Acompanhamento farmacoterapêutico de grávidas consultadasna Unidade de Diagnóstico Pré-Natal, dos Hospitais da Universidade de Coimbra, E.P.E.; Avaliação dautilidade e qualidade da informação cedida ao médico para suporte à decisão. Métodos: Estudoretrospectivo: caracterização das grávidas consultadas durante 5 anos (2005-2009), quanto à doença emedicamentos a que estiveram expostas e resultados clínicos no feto e recém-nascido até aos 3 dias deidade. Para a caracterização da situação clínica será utilizado um sistema multidimensional hierárquicode classificação e gestão de informação em saúde. Para a recolha de dados será utilizado e validado umquestionário criado para o efeito. Para o desenvolvimento de normas e procedimentos será efectuadauma revisão bibliográfica sistematizada e baseada na evidência. Estudo prospectivo: estudoobservacional de coorte e consistirá num programa de acompanhamento de todas as grávidas expostasa medicamentos. Para o registo sistemático da informação relevante respeitante à situação clínica dagrávida, à medicação utilizada e ao desenvolvimento fetal, recorrer-se-á ao questionário validado noestudo retrospectivo, que será arquivado no processo clínico e no serviço de informação, para posterioracompanhamento da situação clínica. Resultados: A análise crítica da literatura pesquisada e dosprocessos clínicos avaliados aumentará o poder da evidência científica sobre medicamentos e gravidez.Com este contributo espera-se conseguir reunir muita da informação dispersa, organizá-la por patologiase criar uma base de dados que permita que esta seja disponibilizada de forma sistematizada aosprofissionais de saúde que interagem directamente com a grávida, bem como às grávidas, numaperspectiva mais ampla de promoção da saúde e qualidade de vida.E-MAIL PARA CONTATO: anacgcabral@gmail.comSIF 2011 - 8º Seminário Internacional de Farmácia / Instituto Racine 27