Your SlideShare is downloading. ×
Anais da 20ª Semana Racine - Congresso de Farmácia
Anais da 20ª Semana Racine - Congresso de Farmácia
Anais da 20ª Semana Racine - Congresso de Farmácia
Anais da 20ª Semana Racine - Congresso de Farmácia
Anais da 20ª Semana Racine - Congresso de Farmácia
Anais da 20ª Semana Racine - Congresso de Farmácia
Anais da 20ª Semana Racine - Congresso de Farmácia
Anais da 20ª Semana Racine - Congresso de Farmácia
Anais da 20ª Semana Racine - Congresso de Farmácia
Anais da 20ª Semana Racine - Congresso de Farmácia
Anais da 20ª Semana Racine - Congresso de Farmácia
Anais da 20ª Semana Racine - Congresso de Farmácia
Anais da 20ª Semana Racine - Congresso de Farmácia
Anais da 20ª Semana Racine - Congresso de Farmácia
Anais da 20ª Semana Racine - Congresso de Farmácia
Anais da 20ª Semana Racine - Congresso de Farmácia
Anais da 20ª Semana Racine - Congresso de Farmácia
Anais da 20ª Semana Racine - Congresso de Farmácia
Anais da 20ª Semana Racine - Congresso de Farmácia
Anais da 20ª Semana Racine - Congresso de Farmácia
Anais da 20ª Semana Racine - Congresso de Farmácia
Anais da 20ª Semana Racine - Congresso de Farmácia
Anais da 20ª Semana Racine - Congresso de Farmácia
Anais da 20ª Semana Racine - Congresso de Farmácia
Anais da 20ª Semana Racine - Congresso de Farmácia
Anais da 20ª Semana Racine - Congresso de Farmácia
Anais da 20ª Semana Racine - Congresso de Farmácia
Anais da 20ª Semana Racine - Congresso de Farmácia
Anais da 20ª Semana Racine - Congresso de Farmácia
Anais da 20ª Semana Racine - Congresso de Farmácia
Anais da 20ª Semana Racine - Congresso de Farmácia
Anais da 20ª Semana Racine - Congresso de Farmácia
Anais da 20ª Semana Racine - Congresso de Farmácia
Anais da 20ª Semana Racine - Congresso de Farmácia
Anais da 20ª Semana Racine - Congresso de Farmácia
Anais da 20ª Semana Racine - Congresso de Farmácia
Anais da 20ª Semana Racine - Congresso de Farmácia
Anais da 20ª Semana Racine - Congresso de Farmácia
Anais da 20ª Semana Racine - Congresso de Farmácia
Anais da 20ª Semana Racine - Congresso de Farmácia
Anais da 20ª Semana Racine - Congresso de Farmácia
Anais da 20ª Semana Racine - Congresso de Farmácia
Anais da 20ª Semana Racine - Congresso de Farmácia
Anais da 20ª Semana Racine - Congresso de Farmácia
Anais da 20ª Semana Racine - Congresso de Farmácia
Anais da 20ª Semana Racine - Congresso de Farmácia
Anais da 20ª Semana Racine - Congresso de Farmácia
Anais da 20ª Semana Racine - Congresso de Farmácia
Anais da 20ª Semana Racine - Congresso de Farmácia
Anais da 20ª Semana Racine - Congresso de Farmácia
Anais da 20ª Semana Racine - Congresso de Farmácia
Anais da 20ª Semana Racine - Congresso de Farmácia
Anais da 20ª Semana Racine - Congresso de Farmácia
Anais da 20ª Semana Racine - Congresso de Farmácia
Anais da 20ª Semana Racine - Congresso de Farmácia
Anais da 20ª Semana Racine - Congresso de Farmácia
Anais da 20ª Semana Racine - Congresso de Farmácia
Anais da 20ª Semana Racine - Congresso de Farmácia
Anais da 20ª Semana Racine - Congresso de Farmácia
Anais da 20ª Semana Racine - Congresso de Farmácia
Anais da 20ª Semana Racine - Congresso de Farmácia
Anais da 20ª Semana Racine - Congresso de Farmácia
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Anais da 20ª Semana Racine - Congresso de Farmácia

6,965

Published on

Published in: Education
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
6,965
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
40
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  1. 1º a 3 de Julho de 2010 São Paulo (SP) - Brasil Anais da 20ª Semana Racine - Congresso de Farmácia São Paulo 2010
  2. 08:00-17:00 EXPO CENTER NORTE HALL DE EXPOSIÇÃO ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA P001 [330] AVALIAÇÃO DO NÍVEL DE INFORMAÇÃO DO PACIENTE SOBRE O MEDICAMENTO PRESCRITO EM QUATRO UNIDADES BÁSICAS DE SAÚDE DA CIDADE DE DIADEMA, SÃO PAULO. LIVIA SAYURI AKIYAMA; JULIANA SAYURI SATO; GISELE TAKAHASHI TOMAZELLA; SOLANGE APARECIDA NAPPO. UNIFESP, SAO PAULO, SP, BRASIL. Palavras-chave: avaliação; informação; prescrição Resumo: Introdução e objetivos: De acordo com a Organização Mundial da Saúde, 50% de todos os medicamentos prescritos são dispensados ou usados inadequadamente. No Brasil, indicadores sócio-econômicos como analfabetismo, dificuldade de acesso à saúde e pobreza podem ser fatores agravantes do quadro de predisposição à auto-medicação. À falta de informação sobre o medicamento utilizado, podem ser relacionados a negligência médica e farmacêutica em informar o paciente. Assim, avaliou-se em relação aos pacientes que freqüentam a rede básica de saúde da cidade de Diadema, SP, o nível de informação a respeito da medicação a ele prescrita e analisou-se o risco potencial à saúde originário desses resultados. Metodologia: Foram selecionadas 4 UBSs da cidade de Diadema, respeitando-se localização e condições sócio-econômicas de cada região. Em cada uma das UBs foram entrevistados 250 pacientes recrutados aleatoriamente em horários e dias diferentes durante o ato de dispensação do medicamento. A entrevista abordou os conhecimentos absorvidos por esses pacientes em relação a: a administração correta do medicamento, motivo da prescrição, reações adversas, interações medicamentosas, importância de cumprir o tratamento corretamente e advertências. Resultados e conclusão: Houve uma maior presença feminina, com a faixa etária prevalente entre os 20 e 40 anos de idade e com escolaridade baixa. Com relação ao nível de informação sobre o medicamento, a maioria sabia o motivo correto da prescrição, o nome do medicamento a ser utilizado e como utilizá-lo e grande parte afirmou não alterar a posologia porém, uma grande parcela desconhecia os efeitos colaterais, advertências e a possibilidade de interações medicamentosas. Apesar dessa população ter um conhecimento razoável do medicamento utilizado quando comparada a outros locais, informações básicas e indispensáveis para o uso correto do medicamento não eram desconhecidas. A falta de atenção farmacêutica nas UBSs foi detectada e pode estar diretamente associada a esse conhecimento deficiente. Auxílio financeiro: Fapesp;CNPq. P002 [335] ATIVIDADE FARMACÊUTICA NA ATENÇÃO BÁSICA À SAÚDE EM COLATINA – ESPÍRITO SANTO. TATIANA TONINI1; JOSILENE ERLACHER WERNECK MACHADO FALK2. 1,2.UNESC, COLATINA, ES, BRASIL. Palavras-chave: farmacêutico; assistência farmacêutica; atenção básica Resumo: O Farmacêutico é um profissional muito versátil, dotado de conhecimentos técnicos que o torna capaz de atuar em muitas áreas, dentre elas, a produção e a dispensação de medicamentos. No campo da Saúde Pública, tem ainda uma inclusão pouco expressiva, se concretizando por meio da Assistência e Atenção Farmacêutica. Este trabalho tem como objetivo diagnosticar a atividade farmacêutica na Atenção Básica à Saúde no município de Colatina-ES, enfatizando as possíveis ações junto as Estratégias de Saúde da Família - ESF. Assim, foi realizada uma pesquisa de campo, qualitativa, no período de janeiro a junho de 2009, através de entrevistas junto aos 12 coordenadores das Equipes de Saúde da Família e aos 6 Farmacêuticos que servem a esta municipalidade. Dos coordenadores das ESF entrevistados, 44% afirmaram que a maior dificuldade em relação à terapia medicamentosa é o conhecimento farmacológico, uma vez que 54% das dispensações dos medicamentos são realizadas por auxiliares de enfermagem e 46% pelo enfermeiro. Embora concordem que a presença do farmacêutico é necessária, 85% demonstraram não conhecer as reais competências e habilidades do
  3. farmacêutico e 58% assegurou que não lhes falta nenhum profissional na equipe multidisciplinar. A maioria dos coordenadores (84%) assumiu que problemas relacionados ao uso de medicamentos, tais como reações adversas/efeitos colaterais, interações medicamentosas e alimentares, duplicidade de fármacos, utilização inadequada, dente outros, são observados nos pacientes acompanhados por suas equipes. Todos os farmacêuticos concordam com a necessidade deste profissional na equipe de ESF e reconhecem a importância da atuação de um farmacêutico junto à equipe de Saúde da família de Colatina, pois este profissional está apto a acompanhar o tratamento farmacológico dos pacientes, identificando e prevenindo os problemas relacionados aos medicamentos, além de outros benefícios como a redução da automedicação, a realização do seguimento farmacoterapêutico, a avaliação das prescrições e a educação em saúde. A atividade farmacêutica praticada na rede pública de Colatina baseia-se em bons propósitos, os medicamentos prescritos são ofertados à população, à medida que se encontram na farmácia básica, porém, até o momento, não se alcançou o caráter de Atenção Farmacêutica, ou seja, o ciclo da Assistência Farmacêutica ainda não se concluiu; as ações de prevenção primária e promoção da saúde relacionada aos medicamentos estão deficientes, pois o farmacêutico municipal de Colatina não atua nas equipes de Estratégia de Saúde da Família. A inserção do farmacêutico na Equipe de Saúde da Família dará continuidade à evolução do SUS, oferecendo garantia da qualidade de vida a população e firmando uma gestão de qualidade. P003 [343] A IMPORTÂNCIA DA DEFINIÇÃO DE CRITÉRIOS NA FARMÁCIA CLÍNICA DA UTI NO HOSPITAL A. C. CAMARGO. EVELYN ELIAS GIOLLO; ADRIANA BAPTISTA DA CRUZ LÖFFEL; FERNANDA PERAZZO VAZ; ELIANA GUADALUPE MORGANTI DO LAGO; ADRIANA CONCURUTO; ALINE REZENDE; ANA PAULA GONÇALVES RODRIGUES; EDNA AKEMI KATO TANAKA; REGINA ATTIÊ; PEDRO CARUSO. HOSPITAL A. C. CAMARGO, SAO PAULO, SP, BRASIL; HOSPITAL A. C. CAMARGO, SÃO PAULO, SP, BRASIL. Palavras-chave: farmácia clínica; critério de análise de prescrição médica; equipe multidisciplinar Resumo: Hospital A.C.Camargo Rua Professor Antonio Prudente, 211 - CEP 01509-900 - Liberdade - São Paulo (SP). e-mail: farmaciaclinica@accamargo.org.br 1Farmacêutico; 2Médico Intensivista. Área de conhecimento: Farmácia Clínica, UTI, critério de análise de prescrição médica e equipe multidisciplinar. Introdução: O enfoque da Farmácia Clínica é a garantia do uso de medicamentos de forma segura e efetiva. O Farmacêutico Clínico cada vez mais tem o dever de aplicar seus conhecimentos técnicos e científicos de forma a contribuir com a excelência no atendimento prestado aos pacientes em cuidados intensivos junto à equipe multidisciplinar. Método: Analisadas prescrições médicas de pacientes da Unidade de Terapia Intensiva no período de março a junho de 2009 para determinar o perfil clínico das prescrições. A partir desses dados, foram estabelecidos critérios de análise de prescrição médica: (A) pacientes em uso de drogas de alto risco, (B) posologia, (C) via de administração, (D) incompatibilidade entre antimicrobianos, (E) interações medicamentosas entre drogas de alto risco e demais drogas prescritas e (F) interação droga x nutriente. Resultados: Durante o período de determinação do perfil clínico, a análise farmacêutica da prescrição médica atingia 45% (março), 56% (abril), 49% (maio) e 68% (junho) do total de prescrições da UTI. No mesmo ano, após a implantação dos critérios de análise estabelecidos, foi constatado aumento do número de prescrições médicas analisadas pelo Farmacêutico com obtenção de 62% (julho), 89% (agosto), 91% (setembro) e 96% (outubro) do total de prescrições realizadas na UTI. Discussão e Conclusão: Observou-se que a definição dos critérios de análise de prescrição médica foi de extrema relevância para atuação do Farmacêutico Clínico na Equipe Multidisciplinar da UTI com a
  4. ampliação da assistência farmacêutica visando à segurança na terapêutica do paciente e garantia de um tratamento efetivo. P004 [353] CRITÉRIO DE BEERS: AVALIAÇÃO DE PRESCRIÇÕES PARA PACIENTES RENAIS CRÔNICOS AMBULATORIAIS. SÍLVIA STORPIRTIS1; ADRIANA OLIVEIRA SUMI2; ANA LUIZA PEREIRA MOREIRA MORI3; EGÍDIO LIMA DÓREA4; GELBA ALMEIDA PINTO5. 1,2,3,4,5.USP, SAO PAULO, SP, BRASIL; 3.USP, SÃO PAULO, SP, BRASIL. Palavras-chave: seguimento farmacoterapêutico; educação farmacêutica; farmacovigilância Resumo: INTRODUÇÃO Estima-se que 1,4 milhões de brasileiros, principalmente acima de 60 anos, apresentem disfunção renal crônica. A doença renal crônica (DRC), cuja incidência aproxima-se a 8% ao ano, é um grave problema de saúde pública e exige o uso de polifarmácia (mais de três medicamentos simultaneamente). A polifarmácia eleva o risco de uso de medicamentos potencialmente inapropriados (MPI), que podem trazer graves conseqüências para o estado de saúde do paciente, bem como para o sistema de saúde. O Critério de Beers foi publicado pela primeira vez em 1991, atualizado em 2003, e consiste de uma lista consensual de MPI para avaliar qualidade e segurança no uso de medicamentos em idosos. O objetivo deste trabalho foi avaliar prescrições médicas de pacientes renais crônicos ambulatoriais do HU-USP, utilizando-se o Critério de Beers, visando ao aprimoramento da prática da Atenção Farmacêutica adotada neste hospital. METODOLOGIA Realizou-se estudo retrospectivo avaliando-se as prescrições de 90 pacientes renais crônicos atendidos pelo farmacêutico no Ambulatório de Doença Renal Crônica do HU-USP entre 09/2007 e 11/2009, utilizando-se o Critério de Beers. RESULTADOS Dentre os 90 pacientes triados, 52 (57,7%) apresentaram idade igual ou superior a 65 anos e 9 (17,3.%) apresentaram prescrição de um MPI para idosos, sendo que um desses pacientes apresentou 03 MPI na mesma prescrição. Os MPI para idosos encontrados em prescrições neste estudo foram sulfato ferroso, amiodarona, clonidina, doxazosina, nitrofurantoina e clopidogrel. O MPI para idosos mais prescrito foi o sulfato ferroso (36,4%), cuja inadequação depende da dose, que foi superada em 04 prescrições. As freqüências dos demais MPI encontrados foram: amiodarona (18,2%), clonidina (18,2%), doxazozina (9,1%), nitrofurantoina (9,1%) e clopidogrel (9,1%). CONCLUSÃO A utilização de critérios de segurança para uso de medicamentos que alertem sobre o potencial erro em prescrições deve ser incorporada à rotina de atendimento a pacientes principalmente idosos, que utilizam polifarmácia e estão, portanto, sujeitos a maior risco de eventos adversos a medicamentos. P005 [355] USO DE MEDICAMENTOS EM GESTANTES ATENDIDAS NO SERVIÇO PÚBLICO DO MUNICÍPIO DE GURUPI, TOCANTINS. FERNANDO PEREIRA BESERRA1; SABRINA GUIMARÃES PAIVA2; SARA FALCÃO DE SOUZA3; KARIN ANNE MARGARIDI GONÇALVES4; MEIMEI MALHEIROS SANTANA5; SAMANTHA PORTO DA SILVA LOPES6; ANA KALYNE VERÍSSIMO GOMES7; DAYSLÂNNE DE ARAÚJO AZEVEDO8. 1,2,3,4,5,6,7,8.UNIRG, GURUPI, TO, BRASIL; 3.UNIRG, GURUPI, TO, BRASIL; 6.UNIRG, GURUPI, TO, BRASIL. Palavras-chave: gravidez; medicamentos; automedicação Resumo: USO DE MEDICAMENTOS EM GESTANTES ATENDIDAS NO SERVIÇO PÚBLICO DO MUNICÍPIO DE GURUPI, TOCANTINS BESERRA,FERNANDO PEREIRA1; AZEVEDO, DAYSLÂNNE DE ARAÚJO1; SANTANA, MEIMEI MALHEIROS1; LOPES, SAMANTHA PORTO DA SILVA1; GOMES, ANA KALYNE VERÍSSIMO1; PAIVA, SABRINA GUIMARÃES1; SOUZA, SARA FALCÃO1; GONÇALVES, KARIN ANNE MARGARIDI1 1 - Centro Universitário Unirg
  5. O uso de medicamentos na gestação merece especial atenção pelos riscos potenciais ao feto em desenvolvimento, devendo ser, por princípio, evitado. Mesmo diante das orientações e recomendações de uma atitude cautelosa no uso dos medicamentos na gravidez é importante ressaltar as conseqüências que podem ser geradas, principalmente através da automedicação. Objetivou-se com este estudo, avaliar o uso dos medicamentos durante a gestação, levando em consideração os riscos/benefícios para a saúde do binômio mãe/feto. Foram realizadas entrevistas individuais e formulários semi-estruturados aplicados em 74 gestantes, entre o primeiro e o terceiro trimestre de gra¬videz, que se apresentam para consulta pré- natal no serviço de Obstetrícia da Policlínica Dr. Luiz Santos Filho. Foi observado o uso de 44 especialidades farmacêuticas durante a gestação, incluindo diferentes medicamentos alopáticos, plantas medicinais e medicamentos fitoterápicos. Destacam-se em ordem decrescente os medicamentos mais citados pelas gestantes: sulfato ferroso 72 (22,2%), ácido fólico 66 (20,3%), paracetamol 49 (15,1%), butilescopolamina 19 (5,8%), cefalexina e metronidazol 17 (5,2%). Entre as gestantes, 23 (31,1%) relataram a utilização de plantas medicinais, sendo a erva-cidreira a mais citada 16 (45,7%), seguida do capim-santo 6 (17,1%), erva-doce 5 (14,3%) e Valeriane (Valeriana officinalis L.) 1 (2,86%) na forma de fitoterápico. Dos medicamentos isentos de prescrição médica, destacam-se o paracetamol e a dipirona. 50 (67,6%) gestantes disseram não concordar com a automedicação, enquanto 24 (32,4%) gestantes concordaram. Considerando os resultados obtidos, é possível afirmar que há uma grande falta de conhecimento em relação aos efeitos nocivos que estes medicamentos podem causar na mãe e/ou no feto, sendo necessário planejar intervenções educativas dirigidas a gestantes e atividades de educação continuada para profissionais de saúde. P006 [366] AUTOMEDICAÇÃO: PREVALÊNCIA E FATORES RELACIONADOS NA CIDADE DE RIBEIRÃO PRETO, SP. ROSIANE CHIAROTI1; NATHÁLIA MEDEIROS REBELLO2; CAROLINA BARALDI ARAUJO RESTINI3. 1,2,3.UNAERP, RIBEIRAO PRETO, SP, BRASIL; 3.UNAERP, RIBEIRÃO PRETO, SP, BRASIL. Palavras-chave: automedicação; assistência farmacêutica; problemas relacionados a medicamentos Resumo: AUTOMEDICAÇÃO: PREVALÊNCIA E FATORES RELACIONADOS NA CIDADE DE RIBEIRÃO PRETO, SP CHIAROTI, R. 1; REBELLO, N.M. 2; RESTINI, C.B.A.3 1Graduada em Ciências Farmacêuticas pela Universidade de Ribeirão Preto (rosichiaroti@yahoo.com.br) 2Aprimoranda em farmácia hospitalar da divisão de assistência farmacêutica do hospital das clínicas 3Professora Doutora da Universidade de Ribeirão Preto Automedicação decorre do uso de medicamentos sem prescrição médica, na qual o próprio paciente decide qual medicamento utilizar. Inclui-se nesta designação genérica a prescrição (ou orientação) de medicamentos por pessoas não habilitadas. A prática acarreta prejuízos com potenciais riscos: reações de hipersensibilidade, utilização de dosagem insuficiente ou excessiva, enfermidades iatrogênicas moderadas e graves, alteração do padrão evolutivo de doenças, más-formações fetais, mascaramento ou agravamento da doença de base, dependência do medicamento, quadros futuros de resistência à ação dos fármacos, além de gastos públicos e privados desnecessários. Dados epidemiológicos evidenciam que tais riscos não são acreditados pela população usuária. Sendo assim, reconhece-se a necessidade de informação acerca da razão risco/benefício do emprego de medicamentos e automedicação. Da cadeia multidisciplinar que culmina com o tratamento medicamentoso, o farmacêutico é o profissional com o qual a população tem fácil acesso para a busca de orientações. Atuação farmacêutica nos processos que caracterizam a efetividade da Assistência Farmacêutica representa estratégia na reestruturação do tratamento farmacoterapêutico. Estudos epidemiológicos que visam dimensionar a motivação do consumo na forma de automedicação são ferramentas viáveis para avaliar a realidade da população e sua relação com o medicamento. O presente trabalho tem por objetivo investigar perfil e índice de amostra representativa de dois diferentes locais da população no município de Ribeirão Preto, SP, centro da cidade e em drogaria situada a zona leste, quanto à prática de automedicação. Para tanto foi formulado questionário que avalia fatores relacionados à prática da
  6. automedicação. O estudo foi protocolado junto ao Sistema Nacional de Informações sobre Pesquisas Envolvendo seres Humanos - SISNEP (0071.0.274.000-09) e em seguida submetido ao Comitê de Ética em Pesquisa Humana da Universidade de Ribeirão Preto (UNAERP) e aprovado (083/09). A análise dos resultados revelou que no período de um ano anterior a data da pesquisa, na drogaria 77,4±7,4% e no centro 77,3±7,8% dos entrevistados recorreu à automedicação, mostrando que esta é uma prática prevalente entre as duas populações que apresentaram aspectos socioeconômicos diferentes e que daqueles que utilizam medicamentos de uso contínuo apenas 15,0±9,0 apresentou potencialidade para interação medicamentosa com a automedicação, além de que na drogaria 50,8±8,7% dos entrevistados e 50,5±8,9% no centro não requisitou o farmacêutico no momento da compra de qualquer tipo de medicamento. De modo geral, os resultados apontam lacunas que devem ser preenchidas para obtenção da efetiva assistência farmacêutica no sentido de reduzir os problemas relacionados aos medicamentos (PRM) e solidificar a farmacoterapia racional. P007 [368] IMPACTOS DA RESOLUÇÃO RDC 44/09 NO AUXÍLIO À REDUÇÃO DA AUTOMEDICAÇÃO EM FARMÁCIAS E DROGARIAS. TALES DE MIRANDA COELHO1; LEONARDO HANSEN LARANJA2; PAULA FERNANDA SIRINEU3. 1,2,3.SUPREMA, JUIZ DE FORA, MG, BRASIL; 3.SUPREMA, JUIZ DE FORA, MG, BRASIL. Palavras-chave: uso racional de medicamentos; automedicação; rdc 44/09 Resumo: Os medicamentos são amplamente usados em vários tipos de terapias. Segundo dados da Organização Mundial da Saúde em 50% dos casos são utilizados erroneamente, sendo uma das formas a automedicação, que se destaca entre os índices do Sistema Nacional de Informações Tóxico- Farmacológicas como maior causa de intoxicação e morte. Face ao exposto, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA), para fins de prevenção e promoção à saúde, elaborou a resolução RDC nº 44/09, onde, pelo artigo 41, obriga a presença de frases de advertência sobre a automedicação ("Medicamentos podem causar efeitos indesejados. Evite a automedicação: informe-se com o farmacêutico") em lugares visíveis nas drogarias. Possui também lista de medicamentos isentos de prescrição que poderão permanecer ao alcance dos usuários para obtenção por meio de auto-serviço em farmácias e drogarias (IN no 10/09). O prazo para as farmácias e drogarias se adequarem a nova Lei era até o dia 17 de fevereiro de 2010, totalizando seis meses para adequação; caso contrário, estarão sujeitas à multa. O objetivo da pesquisa foi diagnosticar a situação das drogarias na cidade de Juiz de Fora, MG, em relação às duas exigências supracitadas desta resolução. Foram visitadas 20 drogarias em quatro bairros distintos e feita uma análise observacional do espaço, onde verificamos o cumprimento dos dois itens (art.41 e IN 10/09 da RDC 44/09). Tais visitas foram feitas antes do prazo de adequação e após o mesmo, compreendendo uma análise em novembro de 2009 e em abril de 2010. Antes e após prazo de adequação, nenhuma drogaria estava de acordo com tal Resolução no quesito frase de advertência. Já em relação aos medicamentos de comércio fora do balcão, 40% não cumpriam antes do prazo de adequação caindo para 30% após este, observando comercialização de medicamentos não autorizados pela resolução, principalmente analgésicos e antipiréticos. É necessária uma maior atenção das autoridades responsáveis pela fiscalização destes estabelecimentos, assim como um trabalho de conscientização dos responsáveis sobre a importância da adequação à legislação e como esta reflete na prevenção e promoção à saúde da população. Essa reflexão influencia o uso racional de medicamentos e melhora a qualidade de vida dos usuários, contribuindo para minimizar o ato da automedicação, uma vez que se tende evitar o comércio de medicamentos para fins de auto-serviço e sensibiliza os indivíduos com a informação em local visível sobre os riscos de se automedicar. P008 [369] VALORES PRESSÓRICOS ELEVADOS EM INDIVÍDUOS NÃO HIPERTENSOS: PERFIL DE RISCO. DIEGO CARNEIRO RAMOS1; HIRTAMÁRIA MEDEIROS CORDEIRO2. 1,2.FARMÁCIA SANARE, FEIRA DE SANTANA, BA, BRASIL. Palavras-chave: hipertensão arterial; fatores de risco; diagnóstico da hipertensão Resumo:
  7. A Hipertensão Arterial é o principal fator de risco para as doenças cardiovasculares e está diretamente ligada a 40% das mortes por acidente vascular encefálico e 25% das mortes por doença arterial coronariana. No Brasil, estima-se em 17 milhões de portadores de Hipertensão Arterial, cerca de 35% da população com mais de 40 anos. A carga de doenças representada pela morbimortalidade devida à doença é muito alta e por isso a Hipertensão Arterial é um problema grave de saúde pública no Brasil e no mundo. Um dos principais desafios a ser enfrentado é a demora em obter o diagnóstico, já que a Hipertensão Arterial é geralmente assintomática. Com o objetivo de pesquisar o perfil de pessoas que não eram diagnosticadas como hipertensas, mas que após submissão à aferição de pressão arterial apresentavam valores acima dos normais fez-se este estudo, que ocorreu a partir de um serviço prestado por uma farmácia de manipulação de Feira de Santana no qual foi ofertada, em espaço montado em praça pública, a aferição gratuita de pressão arterial de indivíduos, hipertensos ou não, que se dirigiram a esse serviço. A medida da pressão arterial seguiu as recomendações da V Diretrizes Brasileiras de Hipertensão Arterial. A cada dois pacientes acolhidos um respondia a um formulário com questões relevantes à Hipertensão e somente os formulários respondidos pelos indivíduos que relatavam não serem hipertensos, mas que apresentavam índices pressóricos altos, foram submetidos à análise. Durante a pesquisa observou-se que do total de indivíduos que alegavam não serem hipertensos 53% estavam no momento com valores pressóricos altos. Dessa população específica, 76% tinham antecedentes familiares de hipertensão; 62% estavam fora do peso saudável; 55% eram sedentários; 74% sofriam de algum grau de estresse e 42% não faziam visita médica a mais de um ano. É percebível, portanto, que há uma grande faixa da população em fatores de risco positivos para a hipertensão, com grau significativo de possibilidade de serem hipertensas, mas que ainda não possuem o diagnóstico da enfermidade. P009 [371] SUPLEMENTOS NUTRICIONAIS PARA MUSCULAÇÃO: UM PERIGO PARA A SAÚDE DE PORTADORES DE DIABETES MELLITUS. PAULA FERNANDA SIRINEU1; LEONARDO HANSEN LARANJA2; TALES DE MIRANDA COELHO3; MARCOS SACRAMENTO SILVA4. 1,2,3.SUPREMA, JUIZ DE FORA, MG, BRASIL; 3.SUPREMA, JUIZ DE FORA, MG, BRASIL; 4.UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA, JUIZ DE FORA, MG, BRASIL. Palavras-chave: diabetes mellitus; suplementos nutricionais; rotulagem Resumo: Atualmente, as propagandas promovem a aparência física como responsável pela felicidade e sucesso, formando uma ilusão de bem-estar. Para adquirir o físico tão desejado, indivíduos tendem a consumir suplementos nutricionais que auxiliam, a curto prazo, o processo de aquisição de uma boa forma física, porém estes acabam sendo consumidos em doses muito acima da recomendável, o que gera preocupação. O escopo deste trabalho foi analisar a presença das frases de advertência nos rótulos de suplementos nutricionais indicados para os indivíduos portadores de Diabetes Mellitus, segundo a legislação vigente, assim como a composição nutricional dos mesmos. Os suplementos foram adquiridos no comercio de Juiz de Fora e analisados os rótulos de 45 deles. Para análise usamos como referência a Portaria nº 222, de 24 de março de 1998, item 9.1.2.2.(que preconiza para o uso: "Crianças, gestantes, idosos e portadores de qualquer enfermidade devem consultar o médico e ou nutricionista"), e Portaria nº 29, de 13 de Janeiro de 1998, itens 8.2.4 e 8.2.7. (que obriga a existência das frases: “Diabéticos: contém mono e/ou dissacarídio" e "Consumir preferencialmente sob orientação nutricional ou médica”.). Em relação ao item da Portaria nº 222 88,88% dos rótulos encontram-se em conformidade, e o mesmo ocorre com somente 4,44% em relação ao item 8.2.7 da Portaria nº 29 . Dos produtos que possuem açúcares e derivados, 70% não se encontram em conformidade ao item 8.2.4 da mesma legislação. O carboidrato está presente na maioria dos suplementos, sendo que 44,4% da amostra total apresentou monossacarídeos e dissacarídeos como componentes: Frutose, Glicose (Dextose), Polidextrose e Malttodextrina e desta forma, a falta de orientação torna-se potencialmente perigosa para atletas portadores de Diabetes Mellitus, se agravando quando o rótulo não possui as frases de advertência. As frases de advertência além de ser um alerta ao consumidor facilitam a escolha do produto e o sensibiliza quanto aos riscos do consumo do mesmo. A utilização deste produto deve ser acompanhada por profissional especializado em saúde e não deve ultrapassar a dose indicada, caso contrário, poderá agravar o quadro diabético ou estimular o início da doença em indivíduos saudáveis. P010 [372] FARMÁCIAS E DROGARIAS COMO LOCAIS DE PROMOÇÃO À SAÚDE.
  8. LEONARDO HANSEN LARANJA1; TALES DE MIRANDA COELHO2; PAULA FERNANDA SIRINEU3; MONIKE GOMES CARVALHO4. 1,2,3,4.SUPREMA, JUIZ DE FORA, MG, BRASIL; 3.SUPREMA, JUIZ DE FORA, MG, BRASIL; 4.SUPREMA, JUIZ DE FORA, MG, BRASIL. Palavras-chave: boas práticas farmacêuticas; farmácias e drogarias; rdc 44/09 Resumo: Drogaria é um estabelecimento que possui limitação de atividades embora ocorra dispensa e comércio de medicamentos, insumos farmacêuticos e correlatos, onde não abriga atividades de manipulação de medicamentos. Atualmente, vários produtos são comercializados nesses estabelecimentos, servindo de atrativo e seduzindo o paciente em adquirir medicamento que não necessita. Desse modo, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária(ANVISA) instituiu a nova resolução RDC nº44/09, a qual estabelece condições mínimas para cumprimento das Boas Práticas Farmacêuticas. Em sua Instrução Normativa - IN 09/09, fornece relação de produtos permitidos para dispensação e comercialização em farmácias e drogarias. O objetivo da pesquisa foi diagnosticar a adequação das drogarias na cidade de Juiz de Fora, MG, perante RDC 44/09. Vinte drogarias foram visitadas em dois momentos: o primeiro antes do prazo de adequação, e o segundo após o seu término. Lançamos mão de um instrumento elaborado a partir da legislação, contendo 22 itens considerados de comercialização ilegal nas drogarias e que foram distribuídos em cinco classes, a saber:I)Alimentos, bebidas;II)Foto, vídeo ou eletroeletrônico;III)Vestuário;IV)Produtos sazonais; V) Utilidades. Na primeira visita apenas cinco drogarias (25%) apresentavam conformidade perante a resolução. Produtos da classe I foram encontrados em 50% da amostra, assim como os da classe II. Produtos das classes III e V estiveram presentes em 10 % da amostra. As drogarias comercializavam chicletes, balas, loteria local, palmilha, meias, nécessaire, piercing, saboneteira, casinha de passarinho, recarga de celular, pilhas e baterias. Já na segunda visita, sete drogarias (35%) apresentaram-se em conformidade. Produtos classe I, foram encontrados em 25% dos estabelecimentos. Produtos classe II, em 35% da amostra. Classes III e V foram diagnosticados em 15% das drogarias e produtos de utilidade em 10%. Verificou-se permanência do comércio de recarga de celular, pilhas e baterias. Produtos como, bonés, “mata-baratas”, benjamim “T”, cloro e brinquedos foram encontrados, não comercializados na primeira visita.Produtos da classe IV não foram encontrados em nenhum momento da pesquisa. Foi possível perceber notável negligência dos estabelecimentos e até mesmo ínfimo impacto da Legislação. Esta ainda encontra diversas barreiras de aceitação e várias críticas, sabendo-se da existência de liminares que prolongam o prazo para adequação. Em 05 de maio de 2010, o Supremo Tribunal de Justiça liberou a venda de produtos de conveniência nas farmácias, dificultando a ANVISA em exigir o cumprimento da RDC44/09. Cabe ressaltar que drogarias são estabelecimentos diferenciados e por isso, ambientes que não devem ser banalizados com produtos não relacionados ao seu objetivo. Transgredi-lo constitui violação do princípio da legalidade e exige ação exemplar da autoridade sanitária. P011 [373] APLICAÇÃO DA ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA NA ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA. ELTON APOLINÁRIO DA SILVA1; GILMAR ARAUJO JUNIOR2; MIRIAM CRISTIANE MEDEIROS3; TATIANA ARAUJO ALECRIM4. 1,2,3,4.UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE REPÚBLICA- SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE DE SÃO PAULO/ ASSOCIAÇÃO SAÚDE DA F, SÃO PAULO, SP, BRASIL; 3.UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE REPÚBLICA- SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE DE SÃO PAULO/ ASSOCIAÇÃO SAÚDE DA F, SÃO PAULO, SP, BRASIL; 4.UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE REPÚBLICA- SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE DE SÃO PAULO/ ASSOCIAÇÃO SAÚDE DA F, SÃO PAULO, SP, BRASIL. Palavras-chave: assistência farmacêutica; estratégia saúde da família; integração Resumo: APLICAÇÃO DA ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA NA ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA DA SILVA, ELTON APOLINÁRIO ARAUJO JUNIOR, GILMAR MEDEIROS, MIRIAM CRISTIANE ALECRIM, TATIANA ARAUJO
  9. Unidade Básica de Saúde República- Secretaria Municipal da Saúde de São Paulo/ Associação Saúde da Família A Estratégia de Saúde da Família (ESF) constitui-se na principal política nacional para garantir os princípios de equidade de acesso e integralidade do cuidado do Sistema Único de Saúde (SUS) no Brasil. A ESF trabalha com equipes multiprofissionais que operam em unidades territoriais definidas, acompanhando longitudinalmente uma população adstrita. Essas características favorecem a qualificação do cuidado oferecido pelos profissionais, através da integração de saberes, e a participação ativa dos usuários utilizando, por exemplo, a educação em saúde como instrumento. Nesse contexto, a assistência farmacêutica integra um dos saberes que devem qualificar o cuidado na ESF e contribuir, através da educação em saúde, para a co-responsabilização dos usuários pela sua saúde. Esse trabalho visa relatar a experiência de integração da assistência farmacêutica no cotidiano de uma unidade de saúde da ESF. Metodologia: A equipe de farmácia integrou-se ao trabalho das equipes de saúde da família através da participação regular em reuniões para discutir casos e estratégias de trabalho e da realização de visitas domiciliares à população cadastrada. Essa participação em reuniões e visitas permitiu identificar problemas relacionados ao uso inadequado de medicações e discutir com profissionais e usuários soluções pontuais para esses problemas. Além disso, a equipe de farmácia passou a realizar grupos regulares de educação em saúde para a população com enfoque no uso racional das medicações. Resultados: a integração da assistência farmacêutica no trabalho da ESF permitiu qualificar o cuidado oferecido e envolver mais ativamente os usuários no uso racional de sua medicação. Além disso, o conhecimento do cotidiano de trabalho das equipes e das condições de vida da população permitiu adequar o processo de dispensação de medicamentos à realidade do território de atuação da farmácia. Conclusão: a integração da assistência farmacêutica na ESF pode contribuir para atingir os princípios de equidade de acesso e integralidade do cuidado do SUS. P012 [375] TERAPIA ASSISTIDA PARA PACIENTES EM SITUAÇÃO DE RUA NA ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA. ELTON APOLINÁRIO DA SILVA1; LEON GARCIA2; GILMAR ARAUJO JUNIOR3; MIRIAM CRISTIANE MEDEIROS4. 1,3,4.UNIDADE BÁSICA DE SÁUDE REPÚBLICA- SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE DE SÃO PAULO/ ASOCIAÇÃO SAÚDE DA FA, SÃO PAULO, SP, BRASIL; 2.ASOCIAÇÃO SAÚDE DA FAMÍLIA, SÃO PAULO, SP, BRASIL; 3.UNIDADE BÁSICA DE SÁUDE REPÚBLICA- SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE DE SÃO PAULO/ ASOCIAÇÃO SAÚDE DA FA, SÃO PAULO, SP, BRASIL; 4.UNIDADE BÁSICA DE SÁUDE REPÚBLICA- SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE DE SÃO PAULO/ ASOCIAÇÃO SAÚDE DA FA, SÃO PAULO, SP, BRASIL. Palavras-chave: população em situação de rua; terapia assistida; vínculo Resumo: TERAPIA ASSISTIDA PARA PACIENTES EM SITUAÇÃO DE RUA NA ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA DA SILVA, ELTON APOLINARIO GARCIA, LEON ARAUJO JUNIOR, GILMAR MEDEIROS, MIRIAM CRISTIANE Unidade Básica de Sáude República- Secretaria Municipal da Saúde de São Paulo/ Asociação Saúde da Família Introdução: O último censo da população de rua do município de São Paulo contou aproximadamente 13 mil pessoas vivendo nas ruas. Estudos demonstram que a população de rua têm alta prevalência de
  10. transtornos mentais, doenças sexualmente transmissíveis e outras doenças infecciosas. A Estratégia de Saúde da Família vem sendo utilizada em São Paulo para facilitar o acesso dessa população aos serviços de saúde e melhorar a continuidade do cuidado que recebem. Um dos obstáculos encontrados para a continuidade dos tratamentos, entretanto, é a dificuldade dos pacientes de rua em armazenar e tomar suas medicações adequadamente. Esse trabalho tem por objetivo relatar as estratégias utilizadas pela equipe de farmácia de uma Unidade de Saúde da Família (USF) para promover o uso racional das medicações por pacientes em situação de rua ao mesmo tempo reforçando seu vínculo com a USF. Metodologia: Diante dessa problemática, idealizamos a Terapia Medicamentosa Assistida (TMA) na qual o usuário podia optar em deixar suas medicações sob a responsabilidade da farmácia e retira-las de forma fracionada (diariamente, semanalmente, ou quinzenalmente). O sistema foi aprimorado e cada caso passou a ser discutido pela equipe de farmácia com a equipe de saúde da família responsável pelo paciente. Buscou-se adequar a terapia à rotina do paciente visando evitar perdas e aumentar a adesão ao tratamento. Resultados: A TMA foi iniciada para 45 pacientes. 15 pacientes estão com a sua TMA em andamento e 7 já concluíram seu tratamento com sucesso. Grande parte dos pacientes comparece à farmácia da UBS em intervalos de até uma semana. As categorias medicamentosas mais utilizadas são os psicotrópicos, os complementos vitamínicos (prescritos para abusadores crônicos de álcool), os antibióticos e os anti- helmínticos. Conclusão: A TMA aumentou a aderência dos pacientes de rua aos tratamentos e seu vínculo com os serviços de saúde, ainda que permaneçam dificuldades devido a grande mobilidade dessa população. P013 [380] PERFIL DOS CLIENTES DE UMA FARMÁCIA DE MANIPULAÇÃO SOBRE A OSTEOPOROSE. ALICE ALMEIDA SOUZA1; ADRIANE JANE FRANCO2; NELSON AMARANTE GOMES3; SARAH GOMES FELICIO CUNHA4. 1,2,3,4.UNIVIÇOSA, VIÇOSA, MG, BRASIL; 2.UNIVIÇOSA, VIÇOSA, MG, BRASIL; 3.UNIVIÇOSA, VIÇOSA, MG, BRASIL; 4.UNIVIÇOSA, VIÇOSA, MG, BRASIL. Palavras-chave: osteoporose; farmacêutico; atenção farmacêutica Resumo: Introdução Define-se a osteoporose como uma doença esquelética sistêmica, caracterizada por uma diminuição da massa óssea, com consequente aumento da fragilidade óssea e maior suscetibilidade às fraturas. A osteoporose em função dos seus efeitos devastadores na saúde física e psicossocial é considerada uma importante questão de saúde pública mundial devido a sua alta prevalência. Causa invalidez pelas deformidades e incapacidades dos indivíduos afetados, além de contribuir com a demora no tratamento das fraturas decorrentes. O tratamento inicial da osteoporose é feito através da suplementação de vitamina D e cálcio. Em geral o cálcio e a vitamina D são associados aos bifosfonatos que atuam diretamente sobre os osteoclastos, diminuindo o número e a atividade osteoclástica; e indiretamente sobre os osteoblastos, aumentando a formação óssea. O objetivo do estudo foi avaliar o conhecimento e interesse dos clientes que fazem uso dos medicamentos alendronato de sódio e carbonato de cálcio, de uma farmácia de manipulação privada, a respeito da osteoporose, visando contribuir para a elaboração de projetos de atenção farmacêutica que levem informações sobre a osteoporose e propiciem a redução das conseqüências de um diagnóstico tardio. Métodos Pesquisa de campo quantitativa, realizada através de uma entrevista previamente estruturada, no período de 15/02 a 05/03 de 2010, com clientes usuários dos medicamentos alendronato de sódio e carbonato de cálcio, selecionados a partir do banco de dados do programa de uma farmácia de manipulação privada da cidade de Viçosa, MG. Resultados As entrevistas foram realizadas com 122 clientes, usuários dos medicamentos alendronato de sódio e carbonato de cálcio sendo os dados apresentados na figura 1. Dos entrevistados, 92,6% são mulheres, e
  11. apenas 33% afirmaram conhecer a respeito da osteoporose. Dos entrevistados 86%demonstraram interesse por informações a respeito da osteoporose. Outros dados foram obtidos a partir do questionário, como, 9% apresentam dificuldade de locomoção devido a fraturas decorrentes da osteoporose e 3,3% dos entrevistados afirmaram não ter a doença. Conclusões A osteoporose é considerada uma questão de saúde pública mundial devido a sua alta prevalência e em função dos efeitos devastadores na saúde física. Acomete na maioria mulheres o que corrobora com os estudos anteriores. Uma pequena parcela dos entrevistados afirma saber a respeito da osteoporose e existe um grande interesse por maiores informações, já que a falta dessas, levam ao diagnostico tardio e suas consequências incapacitantes. P014 [381] O USO INDISCRIMINADO DE ANABOLIZANTES E A RESPONSABILIDADE FARMACÊUTICA. ALICE ALMEIDA SOUZA1; ADRIANE JANE FRANCO2; NELSON AMARANTE GOMES3; SARAH GOMES FELICIO CUNHA4. 1,2,3,4.UNIVIÇOSA, VIÇOSA, MG, BRASIL; 2.UNIVIÇOSA, VIÇOSA, MG, BRASIL; 3.UNIVIÇOSA, VIÇOSA, MG, BRASIL; 4.UNIVIÇOSA, VIÇOSA, MG, BRASIL. Palavras-chave: anabolizantes; responsabilidade farmaceutica; jovens Resumo: Introdução A valorização do corpo vem crescendo nos meios de comunicação, o que contribui para que um número crescente de jovens envolva-se com o uso de esteróides anabolizantes, muitas vezes receitados por amigos sem nenhum conhecimento na área. Esses medicamentos muitas vezes são comprados em farmácias, sem exigência de receita médica, apesar da tarja vermelha “venda sob prescrição médica” com obrigatoriedade de retenção de receita, já que essas substâncias pertencem à lista C5 da portaria 344/98 SMS/MS. O uso clínico dos anabolizantes consiste na reposição da testosterona nos casos, que por algum motivo patológico, tenham ocorrido um déficit, além de possuir a propriedade de aumentar os músculos e, por esse motivo, são muito procurados pelos jovens. O uso estético não é médico, portanto, é ilegal e acarreta problemas à saúde. Este estudo visa contribuir para a elaboração de projetos de prevenção do uso indiscriminado e redução dos efeitos nocivos decorrentes do seu uso, através da dispensação responsável com atuação do farmacêutico. Métodos Foi realizado um estudo descritivo de natureza quali-quantitativa com jovens escolhidos aleatoriamente das cidades de Viçosa e Ponte Nova, entre os meses janeiro e março de 2010, esses responderam um questionário, composto de 16 perguntas, que avaliam o grau de conhecimento a respeito dos anabolizantes, se fazem ou fizeram uso dessas substâncias e como adquiriram esses medicamentos. Resultados A pesquisa foi realizada com 30 jovens, sendo que 84% na faixa etária de 18 a 25 anos e os dados encontrados podemos observar na figura 1. Dos entrevistados 84% afirmaram saber o que são os anabolizantes, e apenas 40% afirmam conhecer os seus efeitos adversos. Os que afirmaram utilizar anabolizantes totalizam 20%, e destes 100% afirmaram não ter precisado de receita médica para comprá-los e 57% compraram em drogarias, demonstrando o descaso do profissional farmacêutico na dispensação desses medicamentos e na observância da legislação vigente. Conclusão Concluímos que uma parcela dos entrevistados faz uso de esteróides anabolizantes sem prescrição médica e que ocorre uma venda indiscriminada dos anabolizantes, o que demonstra um descaso das autoridades e profissionais da saúde, principalmente a falta de compromisso do profissional farmacêutico com relação à dispensação de medicamentos. P015
  12. [384] AVALIAÇÃO DA DESCONTINUIDADE DO TRATAMENTO DA HIPERTENSÃO EM UMA UNIDADE DO ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA EM DUQUE DE CAXIAS, RJ. ANNYELLE FERNANDA GONÇALVES1; GISELE IRUME CIRINO2; MARIO JORGE SOBREIRA3. 1,2,3.UNIGRANRIO, DUQUE DE CAXIAS, RJ, BRASIL; 2.UNIGRANRIO, DUQUE DE CAXIAS, RJ, BRASIL; 3.UNIGRANRIO, DUQUE DE CAXIAS, RJ, BRASIL. Palavras-chave: hipertensão arterial sistêmica; fatores de risco; adesão Resumo: Hipertensão Arterial é definida como pressão arterial sistólica maior ou igual a 140 mmHg e uma pressão arterial diastólica maior ou igual a 90mmHg, sendo a causa modificável mais importante para a morbidade e a mortalidade cardiovascular. A probabilidade de incidência da HAS é influenciada por condições multicausais que, além de aspectos como sexo, raça, idade, hereditariedade – que certamente não podem sofrer intervenção – podem ser determinadas também por alguns fatores plenamente modificáveis, como sobrepeso, ingestão excessiva de sal, sedentarismo, consumo de álcool, tabagismo, condições socioeconômicas, dentre outras. O tratamento da HAS exige a participação ativa do hipertenso, no sentido de modificar alguns hábitos de vida prejudiciais à saúde e assimilar outros que beneficiem sua condição de saúde. A doença exige tratamento contínuo e controle durante toda a vida e a baixa adesão ao seu tratamento representa um importante problema de saúde pública. O objetivo principal deste trabalho foi o de analisar o perfil dos pacientes e fatores associados a não adesão ao tratamento da hipertensão arterial sistêmica em pessoas atendidas no Estratégia Saúde da Família em Vila Maria Helena, Duque de Caxias – RJ, considerando o acesso aos medicamentos por indivíduos hipertensos cadastrados. Foi realizado um inquérito domiciliar, que obteve o perfil auto-referido pelos pacientes hipertensos abordando características constitucionais dos indivíduos, aspectos socioeconômicos e hábitos de vida. Foram entrevistadas 100 pessoas, com predomínio do sexo feminino (57%) e idade entre 50 e 59 anos (30%). Foi encontrada correlação positiva da HA com raça, faixa etária e IMC. A prevalência de adesão ao tratamento foi de 48%. Dos entrevistados, 44% conseguem os medicamentos prescritos gratuitamente 1 vez ao mês, sendo o principal local de dispensação o Posto de Saúde do ESF (31%). Como forma de controlar a hipertensão, a dieta e a redução da ingestão de sal foram os mais citados, com 57% e 53% respectivamente. Como benefícios do tratamento observados pelos entrevistados foram relatados, principalmente, melhoria da qualidade de vida (24%) e não apresentar os sintomas da doença (30%). Menos de 15% dos pacientes referiram à indisponibilidade de medicamentos nos locais de dispensação, mostrando a não correlação entre disponibilidade dos medicamentos anti-hipertensivos e adesão ao tratamento. Assim, a facilidade de acesso do paciente aos serviços de saúde e a disponibilidade de medicamentos, apesar de serem fatores facilitadores da adesão ao tratamento, não se mostraram decisivos nesta situação. P016 [389] A IMPORTANCIA DA INTERVENÇÃO FARMACEUTICA NO PROCESSO DE ARMAZENAMENTO DE MEDICAMENTOS E AUTOMEDICAÇAO EM UMA COMUNIDADE ATENDIDA PELO ESF. CAMILA DOS SANTOS TATAGIBA. UNIGRANRIO, DUQUE DE CAXIAS, RJ, BRASIL. Palavras-chave: automedicação; armazenamento de medicamentos; intervenção farmaceutica Resumo: A inserção do profissional Farmacêutico no ESF incorpora ações positivas, beneficiando a equipe e os usuários. Com um esclarecimento mais adequado do uso correto dos medicamentos e sua importância, os pacientes se sentem mais seguros e acolhidos. O objetivo principal desta pesquisa é avaliar os efeitos da intervenção farmacêutica no processo de armazenamento e automedicação em domicílios atendidos pelo ESF em uma comunidade do município de Duque de Caxias. A coleta de dados foi realizada em três etapas: na primeira foi realizada entrevista com um questionário estruturado objetivando identificar a prática de automedicação e de armazenamento de medicamentos nas residências visitadas; a segunda etapa contou com a entrega de dois folhetos explicativos: um sobre automedicação e outro sobre armazenamento de medicamentos. Este material além da escrita contou com imagens ilustrativas para auxiliar os indivíduos analfabetos; na terceira etapa os indivíduos foram revisitados e re-entrevistados
  13. através do uso de um questionário semi-estruturado para verificar se os indivíduos mudaram os seus hábitos e se foi válida a intervenção farmacêutica realizada. Foram visitadas 50 residências nas quais se procurou entrevistar o responsável pela guarda dos medicamentos. Os entrevistados eram de uma população bastante carente e a maioria não tinha uma instrução correta sobre como armazenar os medicamentos de maneira segura e muitos não sabiam os riscos da automedicação. Na primeira visita muitas coisas equivocadas foram encontradas. Na segunda visita às residências foi observado que os hábitos de muitas pessoas mudaram para melhor, muitos evitaram ao máximo a prática da automedicação comprando novos medicamentos somente com a prescrição médica e os indivíduos também procuraram locais mais apropriados para o armazenamento de seus medicamentos. Além disso, os entrevistados perceberam com essa intervenção como é importante a inserção do profissional farmacêutico no ESF para que informações sobre armazenamento de medicamentos e automedicação sejam repassadas de maneira segura e pelo profissional mais adequado. P017 [396] A IMPORTANCIA DO FARMACÊUTICO HOSPITALAR NA ATENÇÃO AO PACIENTE EM TRATAMENTO DE OSTEOPOROSE GRAVE. NATÁLIA REGINA PEREIRA1; MARCELE LIMA GONÇALVES2; ISABELA AZEVEDO MOTA3; MICHELLE ARAUJO MAGALHAES4; ISABELA LAUDARES MARQUES5; ZILDA SANTANA GONSALVES6. 1,2,3,4,5.UFF, RIO DE JANEIRO, RJ, BRASIL; 2.UFF, RIO DE JANEIRO, RJ, BRASIL; 3.UFF, RIO DE JANEIRO, RJ, BRASIL; 4.UFF, RIO DE JANEIRO, RJ, BRASIL; 5.UFF, RIO DE JANEIRO, RJ, BRASIL; 6.INTO, RIO DE JANEIRO, RJ, BRASIL. Palavras-chave: assistência farmacêutica; osteoporose; uso racional Resumo: Introdução: A osteoporose é caracterizada por diminuição global da massa óssea, com desorganização da microarquitetura trabecular e aumento da suscetibilidade a fraturas. É a doença metabólica mais comum e a principal causa de fraturas por fragilidade esquelética, pelo que é mundialmente considerada um dos principais problemas de saúde pública, devido a repercussões individuais (mortalidade, morbidade, incapacidade funcional) e sociais (diminuição da força de trabalho, aumento do risco de institucionalização, ônus econômico). A prática da assistência farmacêutica é um elemento fundamental para garantir o sucesso da farmacoterapia. Neste contexto, o objetivo do trabalho é prestar assistência farmacêutica e orientar os pacientes com osteoporose grave, visando maior adesão ao tratamento e o uso racional do medicamento. Métodos: O estudo constituiu na abordagem retrospectiva, utilizando-se dados do Livro de Registros do Consultório Farmacêutico de um hospital especializado em traumatologia e ortopedia entre o período de 2007 a 2009. Durante o atendimento aos pacientes do Programa de Osteoporose Grave, o paciente é orientado pelo farmacêutico quanto ao uso correto dos medicamentos que está recebendo, assim como orientações sobre a participação e seguimento no programa. Resultados: Durante a dispensação é fornecido um folheto explicativo contendo orientações alimentares, a importância de exercícios físicos regulares com acompanhamento médico e informações sobre os medicamentos dispensados. Dentre elas incluem-se explicações sobre o armazenamento, sobre o uso dos medicamentos e seus benefícios na terapia, bem como as reações desagradáveis que podem surgir. O número de consultas farmacêuticas foi crescente de 2007 a 2009, com números de 598, 1280 e 2080 respectivamente. Conclusão: Os resultados sugerem um aumento do número de paciente ao programa e, conseqüentemente, da assistência prestada. Desta forma, o farmacêutico tem papel importante na promoção do uso racional e na recuperação da saúde do paciente. A adoção do Livro de Registro de Consulta Farmacêutica garantiu uma melhor coleta de dados. A perspectiva futura é fazer um acompanhamento farmacoterapêutico mais profundo durante todo o período de tratamento dos pacientes cadastrados no programa a fim de melhorar a adesão, promover o uso racional e consequentemente, prevenir problemas relacionados a medicamentos. P018 [413] MONITORAMENTO DA PROPAGANDA DE MEDICAMENTOS DIRIGIDA A PROFISSIONAIS DE SAÚDE NA CIDADE DE ANÁPOLIS. FRANCINE PAZINI1; BRUNNA GARCIA LOBO2; ANA LÚCIA TEIXEIRA DE CARVALHO ZAMPIERI3.
  14. 1,2,3.CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ANÁPOLIS, ANÁPOLIS, GO, BRASIL; 2.CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ANÁPOLIS, ANÁPOLIS, GO, BRASIL; 3.CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ANÁPOLIS, ANÁPOLIS, GO, BRASIL. Palavras-chave: prescrição; legislação sanitária; promoção em saúde Resumo: MONITORAMENTO DA PROPAGANDA DE MEDICAMENTOS DIRIGIDA A PROFISSIONAIS DE SAÚDE NA CIDADE DE ANÁPOLIS LOBO, BRUNNA GARCIA1; PAZINI, FRANCINE2; ZAMPIERI, ANA LÚCIA TEIXEIRA DE CARVALHO*2 1 Graduanda do curso de Farmácia do Centro Universitário de Anápolis -GO. 2 Professoras Adjuntas do Curso de Farmácia do Centro Universitário de Anápolis-GO. *Autor para correspondência: e-mail: analucia.zampieri@terra.com.br Resumo: A propaganda de medicamentos é uma ferramenta utilizada pela indústria farmacêutica com o objetivo de divulgar conhecimentos e/ou promover adesão a princípios, idéias ou teorias, visando exercer influência sobre o público, estimulando a compra e o consumo indiscriminado de medicamentos. O presente trabalho teve como objetivo identificar o teor das mensagens descritas em panfletos direcionados aos profissionais de saúde (médicos, odontólogos e farmacêuticos) frente às legislações vigentes. Foram coletadas peças publicitárias entre março e julho de 2009, em Anápolis, Goiás, e avaliadas empregando metodologia quali-quantitativa. As peças foram analisadas com enfoque na RDC nº 96/2008. Os resultados demonstraram que os medicamentos mais anunciados foram antibióticos, anti-hipertensivos e antialérgicos. Das 132 peças publicitárias analisadas 87% apresentaram entre 1 a 5 infrações, de acordo com a RDC nº 96 (2008). As infrações foram indução ao uso indiscriminado de medicamentos, ausência da data de impressão, ausência de destaque das contra indicações e interações medicamentosas; informações que não expressavam rigor na sua veracidade, informações que poderiam causar erro/confusão e estimular diagnósticos ao público em geral, ausência de referências nas tabelas extraídas de estudos clínicos; presença de imagens e mensagens dirigidas a crianças ou adolescentes, ausência de número de registro na ANVISA e incentivo à venda. Os resultados obtidos no presente estudo demonstraram que o monitoramento das propagandas de medicamentos deve ocorrer de maneira regulatória. A maioria das propagandas analisadas tendeu a superestimar a qualidade do produto mostrando apenas o seu lado benéfico, mas omitindo os aspectos negativos. Torna-se notória a necessidade de modificar o conceito de comércio medicamentoso para uma avaliação criteriosa e regulamentada deste segmento, aliado à política educacional nas indústrias farmacêuticas, considerando os riscos gerados à população em geral. Dessa forma seria possível assegurar informações claras e verdadeiras, para que a população vivencie realmente o uso racional de medicamentos. Financiamento: FUNADESP (Fundação Nacional de Desenvolvimento do Ensino Superior Particular) P019 [414] A PROPAGANDA DE MEDICAMENTOS NA CIDADE DE ANÁPOLIS E OS RISCOS GERADOS À POPULAÇÃO. FRANCINE PAZINI1; CÁSSIA KÊNIA GARCIA2; ANA LÚCIA TEIXEIRA DE CARVALHO ZAMPIERI3. 1,2,3.CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ANÁPOLIS, ANÁPOLIS, GO, BRASIL; 2.CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ANÁPOLIS, ANÁPOLIS, GO, BRASIL; 3.CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ANÁPOLIS, ANÁPOLIS, GO, BRASIL. Palavras-chave: prescrição; legislação sanitária; indústria farmacêutica Resumo: A PROPAGANDA DE MEDICAMENTOS NA CIDADE DE ANÁPOLIS E OS RISCOS GERADOS À POPULAÇÃO GARCIA, CÁSSIA KÊNIA1; PAZINI, FRANCINE2; ZAMPIERI, ANA LÚCIA TEIXEIRA DE CARVALHO*2
  15. 1 Graduanda do curso de Farmácia do Centro Universitário de Anápolis -GO. 2 Professoras Adjuntas do Curso de Farmácia do Centro Universitário de Anápolis-GO. *Autor para correspondência: e-mail: analucia.zampieri@terra.com.br RESUMO: O uso de medicamentos como recurso terapêutico evoluiu no decorrer da história da humanidade. O apelo ao consumo indiscriminado e a estratégia de relacionar o medicamento ao bem-estar e saúde é uma das características da sociedade moderna, que influenciada pela propaganda realizada pela indústria farmacêutica pode acarretar no seu uso irracional. O objetivo desse trabalho foi monitorar a qualidade de peças publicitárias de medicamentos, na cidade de Anápolis, dirigidas à população em geral, com a finalidade de verificar o conteúdo das peças frente à legislação em vigor. Foram coletadas 79 peças publicitárias no período de março a julho de 2009, em Anápolis, Goiás e avaliadas empregando metodologia quali-quantitativa. As peças foram analisadas com enfoque na RDC nº 96/2008. Dentre as peças analisadas 58 referiam-se a medicamentos de venda livre e 21 de venda sob prescrição médica. As classes farmacológicas mais evidenciadas nas propagandas foram os vitamínicos com 38 peças, seguidos dos analgésicos com 17, antibióticos com 16 e relaxantes musculares com 10. Todas as peças publicitárias analisadas apresentaram algum tipo de infração da legislação vigente como, ausência da indicação, estímulo ao uso indiscriminado do medicamento, presença de celebridades nas peças incentivando ao consumo do produto anunciado, uso de frases no imperativo estimulando o consumo, posologia e contra- indicações ilegíveis, dentre outras. Os resultados desse trabalho apontam para a relevância da monitoração da propaganda de medicamentos para a saúde da população. Ao evidenciar que as leis não são cumpridas devido à quantidade de infrações cometidas, demonstra-se a importância da promoção da saúde e uso racional de medicamentos junto à população em geral, bem como da política educacional nas indústrias farmacêuticas, aliado ao monitoramento da publicidade de medicamentos, a qual deve ocorrer de maneira regulatória. Financiamento: FUNADESP (Fundação Nacional de Desenvolvimento do Ensino Superior Particular) P020 [416] CARACTERIZAÇÃO CLÍNICA E EPIDEMIOLÓGICA DE PACIENTES HIPERTENSOS DO MUNICÍPIO DE BALSAS-MA. CAMILA MENDES COSTA1; OMAR KHAYYAM DUARTE DO NASCIMENTO MORAES2; MICHELLE MENEZES MACHADO3; RÔLZELE ROBSON MARQUES4; WALDELINYE BARROS FERREIRA5. 1,2,3,4,5.UFMA, SAO LUIS, MA, BRASIL; 2.UFMA, SAO LUIS, MA, BRASIL; 3.UFMA, SAO LUIS, MA, BRASIL; 4.UFMA, SAO LUIS, MA, BRASIL; 5.UFMA, SAO LUIS, MA, BRASIL. Palavras-chave: hipertensão arterial; saúde da família; balsas-ma Resumo: COSTA, CAMILA MENDES1; MORAES, OMAR KHAYYAM DUARTE DO NASCIMENTO2; MACHADO, MICHELLE MENEZES3; MARQUES, RÔLZELE ROBSON3; FERREIRA, WALDELINYE BARROS3. 1-Farmacêutica-Bioquímica. 2-Docente do curso de Farmácia da Universidade Federal do Maranhão; 3- Acadêmicos do curso de Farmácia da Universidade Federal do Maranhão. INTRODUÇÃO: A hipertensão é uma enfermidade vascular caracterizada por pressão arterial permanentemente elevada. Um estudo epidemiológico realizado em 2006, revelou que 23,8% da população da capital maranhense era hipertensa. Essa pesquisa objetivou estudar os aspectos clínicos, epidemiológicos e terapêuticos de um grupo de pacientes hipertensos assistidos por uma equipe de saúde da família do município de Balsas - MA. MÉTODOS: Trata-se de uma pesquisa do tipo descritiva, de abordagem quantitativa. A população amostral constituiu-se dos clientes hipertensos cadastrados e assistidos pela equipe 2 de Saúde da Família do município de Balsas - MA do Centro de Diagnóstico Domingos Holanda que, de acordo com os dados do Sistema de Informação da Atenção Básica (SIAB), somam um total de 129 hipertensos. Desse total, avaliou-se 106 pacientes. Foram analisados sexo, faixa etária, tabagismo, atividade física regular e dieta. RESULTADOS: Verificou-se a prevalência da hipertensão em pacientes do sexo feminino (75,5%) sobre os do sexo masculino (24,5%). Observou-se que a hipertensão predominou em grupos etários com idade
  16. acima de 60 anos (62,3%). A idade avançada é considerada um fator de risco para o aparecimento da HA. Com relação ao tabagismo, prevaleceram os pacientes que não faziam seu uso (94,3%). Aspecto positivo, tendo em vista que a nicotina é prejudicial ao organismo, pois promove a liberação de catecolaminas, que aumentam a pressão arterial. A maioria dos pacientes (77,3%) não pratica atividades físicas regulares. Estudos relatam que o sedentarismo é um importante fator de risco, já estando bem estabelecida a ocorrência de maior taxa de eventos cardiovasculares e de mortalidade em indivíduos com baixo nível de condicionamento físico. Com relação ao tipo de alimentação, 90,6% relataram fazer uso da dieta hipossódica. Estudos mostram que o aumento da pressão arterial está presente nas populações com maior ingestão de sal. CONCLUSÃO: Os hipertensos, no referido município, são em sua maioria mulheres, possuem idade acima de 60 anos, não fazem o uso do tabaco, não praticam exercícios físicos regulares e possuem uma dieta hipossódica. O estudo permitiu uma auto-avaliação do trabalho desenvolvido com grupos de hipertensos e análise das estratégias em saúde adotadas. P021 [419] A IMPORTÂNCIA DA PRESENÇA DO FARMACÊUTICO EM FARMÁCIAS COMERCIAIS PARA CLIENTES DE SÃO LUÍS-MA. CAMILA MENDES COSTA1; OMAR KHAYYAM DUARTE DO NASCIMENTO MORAES2; RÔLZELE ROBSON MARQUES3; MICHELLE MENEZES MACHADO4; WALDELINYE BARROS FERREIRA5. 1,2,3,4,5.UFMA, SAO LUIS, MA, BRASIL; 2.UFMA, SAO LUIS, MA, BRASIL; 3.UFMA, SAO LUIS, MA, BRASIL; 4.UFMA, SAO LUIS, MA, BRASIL; 5.UFMA, SAO LUIS, MA, BRASIL. Palavras-chave: atenção farmacêutica; farmácia comercial; automedicação Resumo: COSTA, CAMILA MENDES1; MORAES, OMAR KHAYYAM DUARTE DO NASCIMENTO2; MACHADO, MICHELLE MENEZES3; MARQUES, RÔLZELE ROBSON3; FERREIRA, WALDELINYE BARROS3. 1- Farmacêutica-Bioquímica. 2-Docente do curso de Farmácia da Universidade Federal do Maranhão; 3- Acadêmicos do curso de Farmácia da Universidade Federal do Maranhão. INTRODUÇÃO: A Atenção Farmacêutica é uma prática centrada no paciente, que envolve também outros profissionais na busca da promoção da saúde e prevenção de doenças. O farmacêutico é capaz de orientar o paciente e atuar como agente sanitário de acesso fácil para a população e suas funções não se limitam à dispensação, devendo abranger um ato profissional muito mais amplo, em que deve expor todo seu conhecimento especializado. Este trabalho possui como objetivo avaliar o conhecimento dos usuários de farmácias comerciais sobre a prática da Atenção Farmacêutica. MÉTODOS: Os dados foram obtidos através da aplicação de questionários a pacientes/clientes de três farmácias comerciais distribuídas em bairros distintos na cidade de São Luís-MA. Os questionários foram entregues pelos pesquisadores individual e aleatoriamente durante o mês de Janeiro de 2010, sem interferência destes. RESULTADOS: Foram distribuídos 240 questionários à pacientes/clientes, onde 215 foram devolvidos aos pesquisadores. Destes, 62% dos pacientes/clientes afirmaram que ao chegarem à farmácia procuram ser atendidos por balconistas e apenas 35% pelo farmacêutico; 86% reconhecem que preferem esclarecer suas dúvidas quanto ao uso de medicamentos com o farmacêutico; 49% praticam a automedicação; 89% sabiam que a função do farmacêutico é orientar e educar o paciente quanto ao uso correto de medicamentos; 75% afirmaram saber o significado do termo “Atenção Farmacêutica”, entretanto apenas 33% souberam definir corretamente. CONCLUSÃO: Observamos que a maioria do grupo em estudo reconhece a importância da presença do farmacêutico nas farmácias. Entretanto, cabe a este profissional ampliar a visão da sociedade em geral quanto à sua função, assumindo seu verdadeiro papel na atenção à saúde, contemplando ações que envolvam a promoção, proteção e recuperação da saúde, garantindo o acesso da população aos medicamentos e ao seu uso racional, sempre através da atenção farmacêutica. P022 [425] ESTUDO DE PRESCRIÇÕES MÉDICAS DE MEDICAMENTOS PSICOTROPICOS EM UMA DROGARIA DE CAMPO GRANDE – MS.
  17. LICIANA MARA DURANTE1; MARIA LOURDES OSHIRO2. 1.UCDB, CAMPO GRANDE, MS, BRASIL; 2.SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE, CAMPO GRANDE, MS, BRASIL. Palavras-chave: dispensação; psicotrópicos; drogaria Resumo: Introdução: O uso de medicamentos psicotrópicos vem crescendo a cada ano. Fatores demográficos, sócio-econômicos e comportamentais, avanços no diagnóstico das doenças psiquiátricas, ampliação das indicações terapêuticas e o surgimento de novos medicamentos podem estar relacionados a este crescimento. O fato desses medicamentos serem utilizados com orientação médica não os isenta de problemas relacionados as medicamentos. O farmacêutico tem papel fundamental para minimizar esses problemas, pois ele é o ultimo profissional da saúde que orienta o paciente sobre a utilização da medicação. O objetivo desta pesquisa consiste em descrever a dispensação de medicamentos psicotrópicos em uma drogaria do município de Campo Grande-MS. Método: Estudo transversal descritivo, por meio de análise de prescrições de medicamentos sujeitos a controle especial de uma drogaria comunitária do município de Campo Grande, Mato Grosso do Sul, no período de setembro de 2009 a novembro de 2009. Resultados e Conclusão:: Foram analisadas 393 prescrições médicas onde observou que as mulheres foi superior ao de homens (65,4%). Os medicamentos foram classificados de acordo com o sistema de classificação Anatomical Therapeutic Chemical (ATC), sendo os antiepiléticos, antidepressivos e os ansiolíticos os mais prescritos. A sibutramina merece atenção especial, pois se observou que seu consumo aumentou a cada mês, um dos fatores que pode ser considerado como influência para este aumento seria a proximidade das festas de fim de ano. Dentre as especialidades médicas que mais prescreveram destacaram-se a ginecologia, psiquiatria e neurologia. Alguns medicamentos foram utilizados devido ao efeito adverso que possui, como por exemplo, a sulpirida, que consiste em um antipsicótico, mas que aumenta a produção de leite beneficiando mulheres que tenham uma baixa produção. Como as mulheres foram as maiores consumidoras de psicotrópicos devemos nos atentar para as interações destes medicamentos com os anticoncepcionais orais, pois algumas interações podem diminuir a eficácia dos anticoncepcionais orais como os anticonvulsivantes. Outras interações importantes são com os antibióticos, antiácidos, antiinflamatórios e antitérmicos, pois estes medicamentos são consumidos através da automedicação. Como o consumo de psicotrópicos vem aumentando a cada dia e associado ao hábito da população se automedicar verifica-se a importância do farmacêutico estar mais próximo da população fornecendo orientações sobre a utilização correta dos medicamentos auxiliando assim na melhoria da qualidade de vida dos usuários de medicamentos. P023 [429] ANÁLISE DE SITUAÇÃO PARA INÍCIO DE ATIVIDADES EM FARMÁCIA CLÍNICA EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA ADULTO. MARIA FERNANDA SALOMÃO DE AZEVEDO1; JORGE AUGUSTO SIQUEIRA2; CAMILA FREITAS NASCIMENTO3; LIDIANE TEMELLIS .4. 1.HOSPITAL SÍRIO LIBANÊS, SAO PAULO, SP, BRASIL; 2,3,4.HOSPITAL SIRIO LIBANES, SAO PAULO, SP, BRASIL; 3.HOSPITAL SIRIO LIBANES, SAO PAULO, SP, BRASIL; 4.HOSPITAL SIRIO LIBANES, SAO PAULO, SP, BRASIL. Palavras-chave: intervenção; farmacêutica; uti Resumo: Os pacientes admitidos em UTI estão em estados fisiopatológicos alterados e há um alto número de medicamentos prescritos durante o manejo terapêutico. Avaliação desses medicamentos pelo farmacêutico pode diminuir os eventos adversos aos pacientes. As ferramentas para tal são as intervenções farmacêuticas. A abordagem da farmácia clínica em UTI é documentada com benéfica ao paciente crítico, está associada à menor mortalidade, diminuição do tempo de internação e redução de gastos. O objetivo desse trabalho foi analisar o perfil da UTI adulta para desenvolver atividades de atenção farmacêutica e, com base nessa análise, selecionar um grupo específico e aplicar um método de acompanhamento farmacoterapêutico aos pacientes críticos. A metodologia empregada foi inserir o profissional farmacêutico na UTI para coletar dados do perfil da unidade e procurar nichos de atuação farmacêutica, no período de um mês. Os dados foram analisados e
  18. compilados e a partir destes aplicou o acompanhamento farmacoterapêutico baseado no método "pharmaceutical care", desenvolvido por Linda Strand et al. Nesse período avaliaram-se todas as prescrições médicas dos 40 leitos que compõem a UTI. O farmacêutico também participou diariamente de reuniões multidisciplinares sobre a evolução dos pacientes internados e visitas aos leitos específicos. Durante esse período, intervenções farmacêuticas foram realizadas quando necessário, e aplicou-se o acompanhamento farmacoterapêutico em 11 leitos da unidade. O resultado encontrado foi que a presença do farmacêutico na UTI, mesmo que por um período parcial ao longo do dia, promoveu a melhor integração à equipe multidisciplinar, permitiu um maior controle da prescrição e, foi possível intervir, evitando eventos adversos. As reuniões multidisciplinares e as visitas aos leitos permitiram que o farmacêutico tivesse conhecimento da situação clínica dos pacientes e das razões para as condutas terapêuticas. Nessa etapa, o profissional teve a liberdade de intervir antes da terapia ser prescrita, realizou 207 intervenções farmacêuticas em 73 pacientes em acompanhamento farmacoterapêutico. A análise de prontuários e das prescrições mostrou-se de grande importância para o seguimento farmacoterapêutico, por dar acesso aos dados do estado dos pacientes, como, dados laboratoriais, sedação, acesso venoso, ventilação mecânica, entre outros. Verificou-se que é necessário eleger um grupo específico de pacientes para o seguimento farmacoterapêutico, o qual escolheu os pacientes sépticos e anticoagulados. Nesses pacientes há uma maior possibilidade de intervenção farmacêutica por estarem hemodinamicamente instáveis, com focos infecciosos, inflamação sistêmica. A farmacoterapia engloba os antimicrobianos, vasopressores, sedativos, bloqueadores neuromusculares, entre outros, os quais necessitam de ajustes diários devido as condições clínicas do paciente. A presença do farmacêutico no setor integra o profissional à equipe e lhe dá ferramentas para desenvolver o raciocínio clínico. Facilita o fluxo de informações para tomada de decisões o que permite a intervenção antes da prescrição ser feita aumentando a segurança do paciente. A análise da totalidade das prescrições de UTI é importante, porém, para o seguimento farmacoterapêutico é necessário selecionar um grupo de pacientes. A opção por pacientes em quadro séptico e anticoagulados justifica-se pela condição clínica e pela ampla possibilidade de intervenção farmacêutica. P024 [435] ESTUDO DE MEDICAMENTOS HOMEOPÁTICOS DISPENSADOS EM UMA FARMÁCIA DO MUNICÍPIO DE VARGINHA-MG NO PERÍODO DE OUTUBRO E NOVEMBRO DE 2008 E 2009. LARA CRISTINA SILVA1; FÁBIA NATALIA AMARAL2; LUCIENE ALVES MOREIRA MARQUES3; VALÉRIA APARECIDA DOS SANTOS NOGUEIRA4. 1,2,3.UNIFAL-MG, ALFENAS, MG, BRASIL; 2,3,4.UNIFAL-MG, ALFENAS, MG, BRASIL; 3.UNIFAL-MG, ALFENAS, MG, BRASIL; 4.UNICAMP, PIRACICABA, SP, BRASIL. Palavras-chave: homeopatia; policrestos; prescrições Resumo: O presente trabalho trata-se de um estudo retrospectivo de medicamentos homeopáticos dispensados em uma farmácia do setor privado do município de Varginha – MG. Os dados foram coletados no período de 01 outubro a 30 de novembro de 2008 e 2009. Foram avaliadas todas as prescrições homeopáticas preparadas e dispensadas, independente do prescritor. Foram avaliados: os medicamentos mais solicitados pelos prescritores; as formas farmacêuticas mais prescritas e o gênero (sexo) dos pacientes. A análise dos dados foi realizada no software livre Bioestat, através do teste Qui-Quadrado, com nível de significância de 5%. Os resultados indicam que em outubro e novembro de 2008/2009 foram preparadas e dispensadas 1311 fórmulas homeopáticas. Neste período as formas farmacêuticas mais prescritas foram os glóbulos e as mulheres consumiram um pouco mais medicamentos homeopáticos (não estatisticamente significativo). Os medicamentos mais prescritos foram: Viscun album male; Pulsatilla nigricans; Ignatia amara; Belladona; Thuya occidentalis; Arnica montana; Chamomilla; Sulphur; Mercurius Solubilis; Phosphorus; Arsenicum álbum. Estes medicamentos sãodaclasse dos policrestos e semipolicrestos, medicamentos que atingem o maior número de sintomas nos experimentos clínicos em homens saudáveis e que são utilizados em um contexto geral, de acordo com os tipos constitucionais e personalizados dos pacientes, para tratamento de doenças crônicas ou em caráter preventivo. Não houve crescimento no número de prescrições homeopáticas dispensadas entre 2008 e 2009 e isto pode ser devido a vários fatores como a não visitação médica, a área pesquisada, período de pesquisa ou o não conhecimento da homeopatia pela população do município de Varginha.
  19. P025 [437] ESTUDO DO CONSUMO DE MEDICAMENTOS EM MONTES CLAROS – MINAS GERAIS. WALDEMAR DE PAULA JUNIOR1; GILSON FERNANDO MATIAS2; SINFRONIO MENDES NETO3. 1.CURSO DE FARMACIA DAS FACULDADES SANTO AGOSTINHO E UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MONTES CLAROS, MONTES CLAROS, MG, BRASIL; 2,3.CURSO DE FARMACIA DAS FACULDADES SANTO AGOSTINHO, MONTES CLAROS, MG, BRASIL; 3.CURSO DE FARMACIA DAS FACULDADES SANTO AGOSTINHO, MONTES CLAROS, MG, BRASIL. Palavras-chave: medicamentos; uso racional; orientação farmacêutica Resumo: Introdução: O consumo de medicamentos aumentou nos últimos anos. O farmacêutico avalia interações, posologia, armazenamento e parâmetros que interferem no efeito terapêutico. Conhecer o consumo de medicamentos possibilita avaliar problemas de saúde de uma população. Objetivo: Investigar o consumo de medicamentos em Montes Claros. Métodos: Este trabalho foi feito com dados obtidos de farmácias de Montes Claros em março, abril e maio de 2008 e referem-se aos medicamentos mais vendidos e agrupados conforme a classe medicamentosa, com discriminação mensal para os três grupos mais vendidos. Resultados: Os medicamentos analisados foram agrupados em analgésicos (27,6%), anticoncepcionais (23,3%), antibióticos (13,8%), antiinflamatórios (7,8%), antihelmínticos (5,2%), antidepressivos (4,6%), antihistamínicos (4,2%), antiepilépticos (3,4%), retinóides, anorexígenos, antieméticos, entopercentes, anticoagulantes e antivirais (< 3%). Os mais vendidos apresentaram venda de 24,3%, 26,3% e 21,9% em março, abril e maio, respectivamente para os anticoncepcionais. Analgésicos tiveram venda de março, abril e maio foi de 31,3%, 28,7% e 26,8%, respectivamente e a venda de antibióticos em março, abril e maio foi, respectivamente, de 11%, 11% e 19,9%. Discussão/Conclusão: Os medicamentos com maior índice de consumo foram os de venda livre, podendo ser justificado pela não necessidade de prescrição médica para esses medicamentos. O aumento do consumo de antibióticos em maio coincide com o início do frio, o que contribui para o aumento de infecções bacterianas. Os resultados obtidos podem representar um passo para estratégias de orientação sobre o uso racional de medicamentos. 01/06/2010 à 03/06/2010 08:00-17:00 EXPO CENTER NORTE HALL DE EXPOSIÇÃO EDUCAÇÃO FARMACÊUTICA P026 [417] VINTE ANOS DE FORMAÇÃO DO FARMACÊUTICO EM UMA UNIVERSIDADE DE SANTOS – SP. ELIZANGELA MARIA DOS ANJOS1; PAULA FERREIRA SANTOS2; PAULO ANGELO LORANDI3; THALLITA YARA COSTA4. 1,2,3,4.UNISANTOS- UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SANTOS, SANTOS, SP, BRASIL; 2,3.UNISANTOS- UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SANTOS, SANTOS, SP, BRASIL; 3.UNISANTOS- UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SANTOS, SANTOS, SP, BRASIL; 4.UNISANTOS- UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SANTOS, CUBATÃO, SP, BRASIL. Palavras-chave: ensino farmacêutico; currículo; farmacêutico Resumo:
  20. Introdução e objetivo. As Diretrizes Curriculares Nacionais do curso de Farmácia chamam atenção ao propor a integração do ensino ao SUS (Sistema Único de Saúde). O perfil profissional do farmacêutico passou a incorporar o componente humanístico e crítico, o que significa mudança no perfil eminentemente técnico. O objetivo do presente trabalho foi analisar a evolução na formação do perfil profissional do farmacêutico desenvolvido em uma universidade do Município de Santos nos últimos 20 anos. Metodologia. Realizou-se estudo de caso de uma universidade confessional, pioneira na cidade, com 17 turmas formadas. O estudo qualitativo baseou-se em análise documental dos Projetos Políticos Pedagógicos (PPP), instituídos a partir de 2002. As propostas pedagógicas anteriores a esse período foram estudadas por meio de entrevistas com professores da instituição considerados atores-chave, com ex- coordenadores e membros da comissão pedagógica do curso. Foram entrevistados farmacêuticos atuantes na profissão formados pela instituição. Aleatoriamente foram escolhidos para a pesquisa dois ex-alunos das turmas de 1991, 1996, 2001 e 2006, além de um aluno de 2008 e um concluinte de 2009. Resultados e conclusão. Foram estudados todos os PPP e entrevistados quatro professores e dez ex-alunos. As entrevistas feitas com os ex-alunos foram divididas em quatro categorias para análise. Os resultados demonstram evolução nas propostas de ensino e contribuição da universidade para formar um profissional em conformidade com o preconizado, porém considera–se que, o processo de aprendizagem conta pontos que abrangem a concepção de valores agregados ao indivíduo e o seu relacionamento com o corpo docente, que ainda apresenta características de tecnicismo. Duas disciplinas foram amplamente citadas, Farmacologia e Deontologia, como essenciais na formação do profissional farmacêutico. P027 [354] ATUALIZAÇÃO EM FOTOPROTETORES UVA/UVB UTILIZADOS NA FARMÁCIA MAGISTRAL. IZABEL CUNHA PITON1; MARINA RODRIGUEZ SANTAMARIA2. 1,2.FACULDADE METROPOLITANA DE CURITIBA - CAPACITARE, CURITIBA, PR, BRASIL; 2,3.FACULDADE METROPOLITANA DE CURITIBA - CAPACITARE, CURITIBA, PR, BRASIL. Palavras-chave: fotoproteção; uva; amplo espectro Resumo: Os filtros solares são substâncias que, quando adicionadas aos produtos para proteção solar, tem a finalidade de filtrar raios ultravioletas visando proteger a pele de efeitos danosos. Geralmente estas substâncias são combinadas para garantir um efeito mais amplo. Testes em animais foram feitos e comprovou-se a eficácia no retardamento da indução de carcino¬mas e melanomas por exposição crônica. Em seres humanos, além de evitar queimaduras e fotoenve¬lhecimento, os fotoprotetores, bloqueiam a imunossupressão provocada pela RUV e diminuem a expressão de proteína p53 diretamente ligada a danos ao DNA celular. Os ativos fotoprotetores disponíveis no mercado já possuem amplo espectro, fotoestabilidade, eficácia, segurança, sensorial e qualidade compatíveis com a fotoproteção adequada. De acordo com as normas da Comunidade Européia o ideal é que a fotoproteção UVA seja 1/3 da fotoproteção UVB. Outro parâmetro é o padrão australiano, o qual é a área necessária quando a proteção UVB/UVA alcançar 90% de proteção em um comprimento de onda mínimo de 320nm. Esta atualização visa abordar os fotoprotetores de ultima geração e assim obter uma maior confiabilidade entre farmácia, médico e consumidor. O ethilhexil triazone é um filtro UVB. A natureza polar deste filtro proporciona boa afinidade com a queratina da pele, de modo que as formulações contendo esse ingrediente são particularmente resistentes à água. Outra característica é se manter praticamente intacto mesmo quando exposto à radiação intensa além de não penetrar na pele e inibir a fotocariogênese pela sua ação protetora ao diminuir a imunossupressão induzida pela radiação UVB. Os próximos filtros possuem fotoproteção que abrangem UVA longo, são foto estáveis e possuem padrão australiano em baixas concentrações. Possuem efeitos sinérgicos quando associados com outros filtros UVA/UVB. O Diethylamino Hydroxybenzoyl Hexyl Benzoate tem seu diferencial quando trata-se de radicais livres, diminuindo a geração dos mesmos. Já o Methylene Bis-Benzotriazolyl Tetramethylphenol (Tinosorb M) e o Bis-Ethylhexymetoxyphenyl Triazine (Tinosorb S) possuem fotoproteção UVA e UVB, o primeiro devido a sua ação como filtro físico e químico e o segundo devido a assimetria no seu centro triazina. Existe sim uma nova geração de filtros solares bem mais eficientes oferecendo alta proteção UVA/UVB. Poucos produtos do mercado cosmético latino-americano fornecem esta proteção adequada. Os consumidores devem ser orientados a fazerem uso de fotoprotetores contendo amplo espectro de proteção, além de respeitar as orientações corretas em relação ao modo de usar. P028
  21. [385] ABORDAGEM TRANSDISCIPLINAR NO PROCESSO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL DA SAÚDE: ATENÇÃO FARMACÊUTICA, NUTRIÇÃO AMBULATORIAL E REABILITAÇÃO. CRISITANO RICARDO SANTOS1; ELIANA MARIA VARISE2; ANA ALICE SANTOS DIAS3; FERNANDA BORGES CARLUCIO4. 1,2,3.UNIVERSIDADE NOVE DE JULHO - UNINOVE, SAO PAULO, SP, BRASIL; 2,3.UNIVERSIDADE NOVE DE JULHO - UNINOVE, SÃO PAULO, SP, BRASIL; 3.UNIVERSIDADE NOVE DE JULHO - UNINOVE, SÃO PAULO, SP, BRASIL; 4.UNIVERSIDADE NOVE DE JULLHO - UNINOVE, SÃO PAULO, SP, BRASIL. Palavras-chave: transdisciplinaridade; educação; reabilitação Resumo: A abordagem da competência ao profissional da saúde é amplamente mencionada na literatura, com uma interface entre o conteúdo teórico desenvolvido em sala de aula e em grupo de estudos tal como o do conhecimento prático, junto aos programas de estágio. Com a execução do projeto Atitude Plena, frente a necessidade gerada de pacientes neurologicamente afetados, estabelecemos junto aos alunos dos cursos de graduação em Farmácia e Bioquímica, Nutricão e Fisioterapia uma série de desafios, com finalidade de desenvolver competências técnicas e humanas nos aspectos éticos e técnicos, e ampliar a complexidade dos questionamentos voltados para cada paciente e cuidador. Objetivo: Comparar o desempenho, complexidade e comportamento profissional gerado pelo aluno durante as diferentes facetas do estágio nas Clínicas Integradas de Saúde da Universidade Nove de Julho – UNINOVE, através do modelo transdisciplinar construído no Projeto Atitude Plena. Metodologia: Foram comparados os comportamentos dos alunos, dos que fazem estágio e participam do Atitude Plena, em contato com o paciente, nos preparativos e na discussão de caso e nas fases de avaliação, replica e acompanhamento deste paciente e cuidados, no total foram avaliados 35 alunos. Resultados: 73% dos estagiários da Farmácia Universitária mencionaram conteúdos dos outros cursos participantes do projeto, sendo 82% destes alunos mencionaram integração com nutrição, 73% mencionaram fisioterapia, as demais disciplinas temos: 54% piscologia, 27% odontologia e enfermagem, 18% para serviço social e arquitetura. Os alunos da fisioterapia demonstraram em três meses de acompanhamento (evolução de 50% para 80%), que a aderência e o comprometimento com os atendimentos aos pacientes e cuidadores, aumentam na mesma proporção em que há o estreitamento nas relações profissionais entre outras modalidades. Os encontros semanais amplia o emprego dos termos técnicos aplicados, comulmente por uma determinada área, universaliza e direciona a comunicação para um dialeto articulador de objetivos e metas voltados para uma finalidade única: beneficiar a reabilitação da população atendida. P029 [388] ADESÃO DOS ALUNOS DO CURSO DE FARMÁCIA ÀS DISCIPLINAS. VANESSA CRISTINA RESCIA1; CRISITANO RICARDO SANTOS2. 1.UNIVERSIDADE BANDEIRANTE DE SÃO PAULO, SÃO PAULO, SP, BRASIL; 2.UNIVERSIDADE NOVE DE JULHO, SÃO PAULO, SP, BRASIL. Palavras-chave: adesão; farmácia; disciplinas Resumo: A formação do curso de Farmácia no Brasil passou por algumas mudanças desde a sua criação até a Resolução CNE/CES n° 02 de 19/02/2002, passando de uma formação voltada para a produção e controle de medicamentos, depois por outras áreas de atuação como Análises Clínicas e Alimentos, até a formação generalista dos dias de hoje. Além das mudanças pelas quais passou ou curso de Farmácia, tivemos um aumento grande no número de instituições que ministram esse curso no país e, por conseqüência, um crescimento do acesso a esse curso. O objetivo deste estudo foi avaliar o perfil sócio-econômico dos alunos do curso de Farmácia, bem como a adesão ou não dos alunos ao currículo atual do curso e a partir daí, discutir, do ponto de vista educacional, o que está por trás dessa adesão ou não adesão a determinadas disciplinas curriculares correlacionando a base escolar (ensino fundamental e médio) desses alunos. A pesquisa foi realizada em algumas instituições do Estado de São Paulo que possuem o curso de graduação em Farmácia com alunos voluntários de todos os períodos ou séries. Após analise estatística conclui-se que a maioria dos entrevistados eram do sexo feminino (60 %), a maior parte deles moram na periferia (zonas mais pobres). A formação escolar básica (ensino fundamental e médio) foi feita em escolas públicas pela maioria, e uma parcela deles fizeram supletivo. A maior dificuldade em disciplina é
  22. Química Orgânica e a mais fácil Deontologia. A maior parte dos entrevistados pretende trabalhar na área industrial. 01/06/2010 à 03/06/2010 08:00-17:00 EXPO CENTER NORTE HALL DE EXPOSIÇÃO FARMACOTÉCNICA P030 [345] EMPREGO DO EXCIPIENTE SEMI-SÓLIDO NA MANIPULAÇÃO DE CÁPSULAS CONTENDO MELOXICAM. MARCO AURÉLIO LAMOLHA1; LEILA ALVES DE SENNA2; LORENA SEBERINO MARQUES3; FÁBIO STEIDL FREIRE DE OLIVEIRA4. 1,2,3,4.UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU, SAO PAULO, SP, BRASIL; 2.UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU, SAO PAULO, SP, BRASIL; 3.UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU, SAO PAULO, SP, BRASIL; 4.UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU, SAO PAULO, SP, BRASIL. Palavras-chave: meloxicam; polietilenoglicol; excipiente semi-sólido Resumo: Introdução: Recentemente, foi proposta uma metodologia para a seleção de excipientes para a manipulação de cápsulas gelatinosas duras, segundo a qual fármacos de classe IV do Sistema de Classificação Biofarmacêutica deveriam ser manipulados com excipiente semi-sólido, ou líquido não- aquoso, de forma a garantir taxas adequadas de dissolução e absorção. O presente trabalho tem por objetivo verificar as vantagens ou benefícios da utilização de um excipiente semi-sólido constituído por misturas de polietilenoglicois- PEGs na eficiência de dissolução de formulações de cápsulas contendo 15mg de meloxicam. Métodos: Cápsulas contendo 15mg de meloxicam foram manipuladas com diferentes composições de PEGs na proporção de 1:15 (p/p); (A) PEG 400/4000 (1:1), (B) PEG 6000, (C) PEG 1500 e com excipiente sólido (D) constituído por: laurilsulfato de sódio (1%), glicolato de amido sódico (4%), dióxido de silício coloidal (0,2%), lactose (75%) e celulose microcristalina 101 (qsp 100%). As cápsulas foram avaliadas quanto à variação de peso e eficiência de dissolução (%ED), a partir dos perfis de dissolução construídos no intervalo de 0 a 45 minutos. Os valores de eficiência de dissolução das formulações manipuladas e do produto referência contendo 15mg de meloxicam comprimidos foram estatisticamente comparados através de ANOVA fator único, teste F para variâncias e teste T de Student para variância agrupada. Resultados: A formulação (B) contendo PEG 1500 apresentou o melhor resultado (%ED=64,92), sendo estatisticamente superior (p= 4,71x10-5) ao excipiente sólido tradicional (%ED =34,30) e semelhante (p= 0,3617) ao produto referência para meloxican (%ED = 61,28). Conclusão: A partir dos resultados obtidos comprovou-se que o excipiente semi-sólido à base de PEG incrementa a eficiência de dissolução de formulações de cápsulas contendo meloxicam. P031 [433] AVALIAÇÃO E COMPARAÇÃO DE METODOLOGIAS PARA DETERMINAÇÃO DE DENSIDADE DE PÓS. MARCO AURÉLIO LAMOLHA1; SHEILA RODRIGUES2; CRISTIANE APARECIDA DA SILVA3; PAULO CESAR DE LIMA4; FLÁVIO ANTÔNIO CARILLO5. 1.UNIV. SÃO JUDAS TADEU, SAO PAULO, SP, BRASIL; 2,3,4,5.FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS - FMU, SÃO PAULO, SP, BRASIL; 3.FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS - FMU, SÃO PAULO, SP, BRASIL; 4.FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS - FMU, SÃO PAULO, SP, BRASIL; 5.FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS - FMU, SÃO PAULO, SP, BRASIL.
  23. Palavras-chave: densidade ; indice de compressibilidade; encapsulação Resumo: Introdução: A etapa de escolha do tamanho ideal da cápsula gelatinosa dura para comportar um ou mais ativos no processo de encapsulação está diretamente relacionada com a densidade aparente de cada um dos insumos a serem encapsulados. Alimentar os softwares que calculam as quantidades dos componentes das formulações e escolhem o tamanho da cápsula com os valores das densidades aparentes reais é a chave do sucesso para a padronização do processo de manipulação de cápsulas. Neste trabalho foram avaliadas três diferentes técnicas para a determinação da densidade de pós e comparadas com base na facilidade e rapidez de execução, praticidade, quantidade de material necessário para a realização dos ensaios e o parâmetro índice de compressibilidade (% IC), obtido a partir das densidades aparente e compactada, com o objetivo de verificar se os três métodos conduziam a resultados semelhantes e se os métodos apresentavam precisão, quando realizados por diferentes manipuladores. Métodos: Três técnicas diferentes foram padronizadas e avaliadas para determinação de densidade de pós: - Método da proveta, método da cápsula e o método do densímetro. Quatro tipos de insumos farmacêuticos com diferentes densidades e características de fluxo (captopril, cáscara sagrada, furosemida e paracetamol) foram submetidos às três metodologias, em triplicata, realizados por três manipuladores diferentes. O parâmetro índice de compressibilidade, que informa sobre a capacidade de fluxo e compressibilidade dos pós, foi calculado conforme critérios da Farmacopéia Americana e seus valores foram avaliados e comparados estatisticamente, através de ANOVA fator único. Resultados: Os índices de compressibilidade obtidos pelos diferentes métodos demonstraram que o captopril e a cáscara sagrada apresentaram características de fluxo de boas a fracas, enquanto a furosemida e o paracetamol apresentaram características de fracas e muito pobres. Quanto à facilidade e rapidez de execução, o método da cápsula demonstrou ser o melhor, entretanto, a limpeza da encapsuladora torna a tarefa pouco prática. Quanto à praticidade, o método do densímetro demonstrou ser o mais adequado à rotina de uma farmácia magistral, sobretudo quando a sua limpeza for realizada com o auxílio de ar comprimido. Conclusão: Com base nos resultados dos índices de compressibilidade obtidos, somente a cáscara sagrada apresentou resultados estatisticamente semelhantes (p= 0,450541) nos três métodos avaliados. Baseado nos mesmos índices, os métodos do densímetro e da cápsula conduziram a resultados estatisticamente semelhantes, quando realizados por diferentes manipuladores, independente da característica do material. P032 [356] DESENVOLVIMENTO DE SABONETE GLICERINADO DE CALENDULA OFFICINALIS L A PARTIR DE RESIDUO DE ÓLEO VEGETAL COMESTÍVEL. KARIME HAUQUI TONIN. UNIVALI, ITAJAI, SC, BRASIL. Palavras-chave: reciclagem; sabonete; calendula officinalis l Resumo: DESENVOLVIMENTO DE SABONETE GLICERINADO DE Calendula officinalis L A PARTIR DE RESÍDUO DE ÓLEO VEGETAL COMESTÍVEL PIRES, MARILEN1, TONIN, KARIME HAUQUI1 1Universidade do Vale do Itajaí, Centro de Ciências da Saúde, Curso de Farmácia, Departamento de Cosmetologia O setor de cosméticos assumiu considerável importância para a economia brasileira, devido à alta demanda do país pelos produtos de higiene pessoal, perfumaria e cosméticos. Um mercado crescente que necessita adequar-se a realidade ambiental onde a questão do lixo está se tornando um dos problemas mais graves da atualidade. Assim, a reciclagem tornou-se uma forma muito atrativa de gerenciamento de resíduos, e com uma visão de sustentabilidade ambiental, transformar resíduos em insumos, tornou-se o grande desafio da sociedade moderna. No intuito de minimizar o impacto do descarte de resíduos no meio ambiente e na saúde humana, o objetivo desta pesquisa foi desenvolver um sabonete glicerinado em barra a partir do ROVC (resíduo de óleo vegetal comestível). Quanto às metodologias empregadas, iniciaram-se pela caracterização do óleo até a transformação do mesmo em insumo para sabonete através da purificação preconizada por Solomons (1996) e Miler (1998), adaptadas. Realizou-se a caracterização físico química do ROVC através de ensaios que determinaram o índice de iodo, índice de acidez, índice de peróxidos, pH, características organolépticas e índice de saponificação. A partir desta caracterização desenvolveu-se uma massa base utilizando como insumo principal o ROVC e outras gorduras de origem vegetal formando um produto intermediário 76,25% de óleo vegetal.Desenvolveu-se a partir desta massa
  24. base a formulação do sabonete glicerinado, com a incorporação da Calendula officinalis L, como ativo, na forma de óleo essencial e pétalas. Assim, realizou-se o estudo de estabilidade acelerada do sabonete desenvolvido nos tempos zero, 7, 15, 30, 60 e 90 dias, em diferentes condições de armazenamento: temperatura ambiente, estufa, geladeira e luz solar. Durante todo o período de análise, observou-se as alterações quanto aos caracteres organolépticos como cor, odor, aspecto, teste de “mush” e “jelly”, aspereza, granizo, teste de rachaduras, teste de performance sensorial após uso excessivo, e verificou-se que os mesmos mantiveram-se inalterados e quanto as análises físico-químicas, nas diversas condições, verificou-se que o pH médio foi de 7,73 (± 0,12) e índice de espuma manteve-se entre 0,741- 0,782(±0,049). Desta forma, através das metodologias empregadas, o sabonete desenvolvido manteve-se estável durante 90 dias. Como produto final, o sabonete glicerinado de calêndula a base de ROVC atendeu perfeitamente as tendências do mercado cosméticos sustentáveis, possibilitando a incorporação de triglicerídeos de ácidos graxos, reduzindo o uso de agentes químicos e mantendo o respeito pela biodiversidade. Não obstante, buscou-se adotar uma política favorável ao mercado de produtos ecológicos, demonstrando que isto é possível, que as necessidades do homem moderno podem ser conciliadas com o uso de recursos naturais renováveis e que a ecologia, tem que ser encarada como fator de cidadania. P033 [421] PREPARAÇÃO E AVALIAÇÃO DE CÁPSULAS REVESTIDAS COM EUDRAGIT® L100 CONTENDO NAPROXENO. ANDRESSA CAMILA SILVA1; MÜLLER LESSA ASSUNÇÃO2; ANA LÚCIA TEIXEIRA DE CARVALHO ZAMPIERI3. 1,2.UNIEVANGELICA, ANÁPOLIS, GO, BRASIL; 2,3,4,5.UNIEVANGELICA, ANAPOLIS, GO, BRASIL; 3.UNIEVANGÉLICA, ANÁPOLIS, GO, BRASIL. Palavras-chave: cápsulas; gastroresistência; eudragit l100 Resumo: PREPARAÇÃO DE CÁPSULAS REVESTIDAS COM EUDRAGIT L100 CONTENDO NAPROXENO SILVA, ANDRESSA CAMILA1; ASSUNÇÃO, MÜLLER LESSA1; ZAMPIERI, ANA LÚCIA TEIXEIRA DE CARVALHO2 1Graduandos do curso de Farmácia do Centro Universitário de Anápolis-Go 2Professora adjunta do curso de Farmácia do Centro Universitário de Anápolis-Go Resumo: As cápsulas resistentes ao suco gástrico são frequentemente usadas com diversos propósitos, como por exemplo, quando há necessidade de proteção de fármacos instáveis em meio ácido; o fármaco produz náuseas ou vômito ao ser liberado no estômago; o fármaco é irritante à mucosa gástrica. Uma alternativa farmacotécnica para obtenção na farmácia magistral de cápsulas gastroresistentes é o recobrimento destas com filmes específicos. Essas cápsulas devem resistir, sem alteração, à ação do suco gástrico, mas desagragar-se rapidamente no suco intestinal. O objetivo deste trabalho foi produzir cápsulas gastroresistentes contendo naproxeno revestidas com o filme Eudragit L100 e avaliar o desempenho destas através de testes de controle. A pesquisa foi laboratorial, sendo as cápsulas manipuladas com 250mg de naproxeno e divididas em diferentes grupos. Cada grupo foi revestido pelo método de imersão com soluções de revestimento contendo Eudragit L100 (5, 7, 10 e 13%) e PEG 400 (1,9; 2,7 e 3,5%). Foram realizados testes de variação de peso e dissolução das cápsulas (USP) para obtenção da fórmula ótima. Para dissolução foram utilizados os meios gástrico (MGS) e entérico simulados (MES) (USP). As cápsulas revestidas com Eudragit L100 5%, 7% e 10% não atenderam ao preconizado pela USP e se dissolveram em MGS. Entretanto, as formulações preparadas nas concetrações de 13% de Eudragit L100 e 3,5% de PEG 400 apresentaram resultados satisfatórios tanto na fase ácida como alcalina. Dessa forma, foi possível concluir que a rigorosa conduta no processo de produção e a perícia do manipulador, aliados à adequada concentração do material de revestimento foram imprescindíveis para a obtenção de formas gastroresistentes eficazes. P034 [379] AVALIAÇÃO DE FORMULAÇÕES TÓPICAS PARA O TRATAMENTO DA ACNE.
  25. SONIA CARINE COVA COSTA1; CAMILA MARTINS MONTENEGRO2; CARLA RODRIGUES CARDOSO3. 1,2,3.UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA, FEIRA DE SANTANA, BA, BRASIL; 2,3,4,5.UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA, FEIRA DE SANTANA, BA, BRASIL; 3.UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA, FEIRA DE SANTANA, BA, BRASIL. Palavras-chave: avaliação; formulaçôes; acne Resumo: A acne é uma afecção inflamatória crônica e polimorfa do folículo pilosebáceo, apresentando alta prevalência, atingindo 80% da população entre 11 e 30 anos de idade. Classifica-se em Graus I, II, III, IV e V, com presença ou não de quadro inflamatório. O tratamento da acne pode ser tópico e/ou sistêmico. No tratamento tópico podem ser empregados ativos que: inibem a secreção do sebo; possuem ação comedolítica ou queratolítica; reduzem a proliferação bacteriana; reduzem a oleosidade; inibem a inflamação; inibem a enzima 5-α-redutase. A seleção do tratamento e a escolha do ativo dependerão da pele do paciente, do tipo e da gravidade de acne que ele apresenta. Formulações tópicas magistrais têm sido muito indicadas para o tratamento da acne, devido à vantagem do tratamento ser realizado de acordo com as necessidades especificas dos pacientes, além de um menor custo. Neste contexto, o objetivo do presente trabalho foi avaliar a composição das formulações tópicas para o tratamento da acne aviadas em cinco farmácias de manipulação da cidade de Feira de Santana- BA, no período de maio de 2009. Foram avaliados os ativos mais utilizados nas formulações, as formas farmacêuticas mais empregadas, verificando associações, concentração dos ativos e possíveis incompatibilidades nas formulações. Os dados foram obtidos através das informações contidas na ordem de manipulação. Foram avaliadas um total de 402 formulações. Na análise dos dados, verificou-se que o ácido retinóico foi o ativo mais empregado nas formulações. As formas farmacêuticas mais prescritas foram o gel (39,1%) e o creme (29,6%). Avaliando cada uma das formulações, pode-se perceber uma variedade de ativos antiacnéicos empregados, sendo que 31% continham associações de dois ou mais ativos. O ácido retinóico, clindamicina e adapaleno foram os 3 ativos mais freqüentemente associados. A combinação de ativos antiacnéicos é comum, já que a maioria dos medicamentos não age em todos os quatro fatores patogênicos da acne. A avaliação das faixas de concentração de alguns ativos, indicou valores acima das adequações às concentrações usuais. O adapaleno, na concentração 0,3%, foi um dos ativos que apresentou concentração acima da usual (0,1%). Na maioria das formulações, as associações entre os ativos não apresentaram incompatibilidades, sendo verificadas incompatibilidades em apenas 1,74% do total analisado. Em 6 formulações as incompatibilidades eram referentes ao pH da formulação e o pH de estabilidade dos ativos, e 1 formulação apresentou incompatibilidade relacionada à forma farmacêutica e o ativo. Assim, 98,26% das formulações avaliadas apresentaram-se corretas quanto aos aspectos relacionados à concentração, à associação dos ativos e veículos utilizados nas formulações, apresentando- se seguras à utilização dos pacientes no tratamento da acne. P035 [390] ABORDAGEM DO POLIMORFISMO NA VALIDAÇÃO DE LIMPEZA: ANÁLISE CRÍTICA DAS FORMAS A,B,C DO MEBENDAZOL. CRISITANO RICARDO SANTOS1; FRANCISCO OLIVEIRA MORAIS2. 1.UNIVERSIDADE NOVE DE JULHO - UNINOVE, SAO PAULO, SP, BRASIL; 2.UNIVERSIDADE BANDEIRANTE DE SÃO PAULO - UNIBAN, SÃO BERNARDO DO CAMPO, SP, BRASIL. Palavras-chave: polimorfismo; validação; mebendazol Resumo: A validação de limpeza é um processo utilizado para assegurar que os procedimentos de sanitização de equipamento, que efetivamente removam os resíduos existentes até um nível de aceitação pré- determinado, garante que após a limpeza dos equipamentos, o próximo produto fabricado não contenha nenhuma substancia do produto anterior, não havendo possibilidade de contaminação cruzada. Polimorfismo é caracterizado como a capacidade de um fármaco existir em mais de uma forma cristalográfica. O farmaco mebendazol, apresenta-se em três formas polimorfas: A, B e C, onde C é a farmaceuticamente favorável, sendo praticamente insolúvel em água e sua forma B, apresenta toxicidade considerável. Objetivo: Relatar a validação de limpeza, limites e métodos analíticos, onde a influência de solventes comulmente utilizados no processo de limpeza podem promover mudanças conformacionais moleculares, e o modelo aplicado, o mebendazol que apresenta-se em formas polimorfas A, B e C e sua
  26. toxicidade de acordo com a forma polimórfica. Metodologia: Foram observados métodos de fabricação e de limpeza possíveis para o fabrico de sólidos, levando em consideração as alterações conformacionais da molécula do mebendazol na presença de solventes possivelmente aplicados. Resultados: A aplicação de solventes, tais como o isopropanol e cloroformio, que alteram a forma cristalográfica do mebendazol devem ser evitadas, tanto no processo de fabricação quanto no processo de limpeza. Impossibilidades técnicas podem ser destacadas frente a baixa concentração do resíduo de limpeza, porém deve-se destacar a aplicação dos calculos de concentração de resíduo frente a toxicidade de cada forma polimorfa, sugerindo-se trabalho de concentração de amostra para melhorar a linearidade no doseamento da forma polimorfa. As técnicas recomendadas para análise de polimorfos são difratometria de pós por raios-X, calorimetria diferencial, espectroscopia de infravermelho com tomada de forrier, ressonância magnética neclear, espectroscopia de massa. Portanto, é sugerido que na elaboração de um protocolo de validação seja tomada a devida importância da análise a ser executada, pois pode não ser detectado o polimorfo, podendo este ser potenciamente tóxico como no caso do polimorfo B do mebendazol. P036 [378] AVALIAÇÃO DE FORMULAÇÕES DE XAMPUS CONTENDO ATIVOS NATURAIS. SONIA CARINE COVA COSTA1; ROSANA SANTANA SOUZA2; FERNANDA CAROLINA SOUSA FONSECA3; LORENA RIBEIRO ANDRADE4; VIVIAN UMBELINO MIRANDA MACEDO5; CARLA RODRIGUES CARDOSO6. 1,2,3,4,5,6.UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA, FEIRA DE SANTANA, BA, BRASIL; 2.UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA, FEIRA DE SANTANA, BA, BRASIL; 3.UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA, FEIRA DE SANTANA, BA, BRASIL; 4.UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA, FEIRA DE SANTANA, BA, BRASIL; 5.UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA, FEIRA DE SANTANA, BA, BRASIL; 6.UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA, FEIRA DE SANTANA, BA, BRASIL. Palavras-chave: formulaçôes; xampu; ativos naturais Resumo: A utilização de plantas medicinais vem se tornando uma alternativa importante para o melhor acesso da população aos cuidados com a saúde, mostrando-se uma opção interessante também devido à sua viabilidade econômica. Neste contexto, como ciência, a fitocosmetologia preocupa-se em estudar biomoléculas de origem vegetal na formulação e produção de produtos cosméticos. Sabe-se que hoje o Brasil é o terceiro país que mais consome produtos relacionados aos cuidados com a estética, e vem crescendo a uma média de 11% ao ano. Um dos principais produtos cosméticos, no qual é empregado extrato de plantas, são os xampus. Sendo assim, o objetivo do trabalho foi avaliar as formulações de xampus contendo ativos naturais, existentes no mercado de Feira de Santana, Bahia, provenientes de diferentes estabelecimentos e marcas comerciais, a fim de se observar e analisar a correlação entre indicações do produto com os extratos naturais contidos nas formulações. Foram avaliadas 20 formulações de xampus no período de dezembro de 2009 a janeiro de 2010. As formulações foram submetidas à análise dos principais constituintes como, tensoativos, ativos naturais e conservantes. Os componentes foram avaliados quanto à indicação, incompatibilidade e incidência nas formulações, sendo que estes parâmetros foram comparados com as especificações descritas na literatura científica. Foram encontradas 9 marcas diferentes nas 20 formulações avaliadas, codificadas de A a I. Observou-se a presença de 33 ativos naturais, 6 conservantes, e 7 tensoativos. 50% das formulações estudadas apresentaram no mínimo dois ativos naturais em sua composição, sendo que a associação mais comum entre as observadas refere-se ás formulações anti-queda que continham extratos de Pilocarpus pennatifolus, Rosamarinus officinalis e Quillaia saponaria. Observou-se também que a maioria das formulações (74%) empregou corretamente os ativos naturais não sendo observada incompatibilidade farmacêutica. Os 26% das formulações restantes apresentaram discrepância no que se refere à indicação do princípio ativo natural, descrição na literatura científica e ausência da nomenclatura científica correta. Sendo assim, pode-se concluir que os xampus contendo ativos naturais comercializados em Feira de Santana, apresentam em sua maioria, uma correlação entre sua indicação e o extrato natural empregado nas formulações P037
  27. [408] DESENVOLVIMENTO DE UMA LOÇÃO FOTOPROTETORA, AVALIAÇÃO DA ESTABILIDADE E DETERMINAÇÃO IN VITRO DO FPS. MORGANNA RESSE MELO1; ANA PAULA NASCENTES DE DEUS FONSECA SIQUEIRA2. 1,2.CENTRO UNIVERSITÁRIO DE PATOS DE MINAS, PATOS DE MINAS, MG, BRASIL; 2.CENTRO UNIVERSITÁRIO DE PATOS DE MINAS, PATOS DE MINAS, MG, BRASIL. Palavras-chave: emulsão; foto protetor; estabilidade Resumo: DESENVOLVIMENTO DE UMA LOÇÃO FOTOPROTETORA, AVALIAÇÃO DA ESTABILIDADE E DETERMINAÇÃO IN VITRO DO FPS MELO, MORGANNA RESSE DE. SIQUEIRA, ANA PAULA NASCENTES DE DEUS FONSECA Centro Universitário de Patos de Minas - UNIPAM A radiação ultravioleta é a que interessa em foto proteção já que seus raios são os causadores de 99% dos efeitos da luz solar sobre a pele. A exposição excessiva a esta luz pode acarretar foto envelhecimento, queimaduras, eritema e câncer de pele. Os foto protetores contêm ativos denominados filtros solares capazes de absorver, refletir e/ou dispersar a radiação ultravioleta. Dada a grande importância deste produto para saúde pública, a gerência do UNIPAM solicitou à Farmácia UNIPAM a manipulação de foto protetor para distribuir aos funcionários que trabalham sob exposição direta à luz solar. Pretende-se assim desenvolver uma loção com proteção UVA e UVB, realizar testes de estabilidade preliminar e acelerada e determinar o Fator de Proteção Solar in vitro. Uma emulsão com proteção UVA e UVB foi proposta baseando-se em dados da literatura. A estabilidade física da emulsão foi avaliada pelo teste de centrifugação. A formulação teste será submetida aos ensaios de estabilidade preliminar e acelerada descritos no Guia de Estabilidade de Produtos Cosméticos da ANVISA. Serão avaliados caracteres organolépticos, pH, viscosidade, separação de fases e espalhabilidade. O FPS será determinado pelo método espectrofotométrico desenvolvido por Mansur et al. (1986). Como a associação de filtros inorgânicos e orgânicos mostra sinergismo na eficácia da proteção solar, selecionou-se como ativos o filtro inorgânico dióxido de titânio e os filtros orgânicos, avobenzona e dietilamino hidrobenzoilhexibenzoato (UVA) e octil triazona e metilbenzidileno cânfora (UVB), todos de ampla eficácia e estabilidade reconhecida. A vitamina E foi utilizada devido a sua ação antioxidante que impede a fotolesão e reduz o fotoenvelhecimento. O veículo proposto foi uma emulsão água em óleo que favorece a resistência à água além de aumentar o FPS. Escolheu-se trabalhar com emulsionantes não iônicos que são de baixa toxicidade e irritabilidade. Como emulsionantes primários selecionou-se um com alto (álcool cetoestearílico etoxilado) e um com baixo (álcool oleílico etoxilado) valor de EHL, já que esta mistura fornece maior estabilidade. Para determinação das concentrações dos emulgentes foi preparada uma série de emulsões com proporções diferentes dos emulsionantes. O álcool cetoestearílico 30/70 foi utilizado como emulsionante auxiliar. A escolha dos emolientes foi baseada na capacidade de solubilizarem os filtros e, assim, aumentar a eficácia do produto. A resistência à água foi favorecida pelos silicones DC 200/350 e DC 593. Após 24 horas de preparo as emulsões foram submetidas ao teste de centrifugação e observou-se separação de fases. Propôs-se adição de hidroxietilcelulose que favoreceu a estabilidade de formulações fotoprotetoras em outros trabalhos. Não observou-se separação de fases após o teste de centrifugação.Auxílio financeiro: PIBIC/UNIPAM P038 [349] PREPARAÇÃO E AVALIAÇÃO DE NOVOS NANOSISTEMAS A BASE DE SILICATOS LAMELARES PARA A TERAPIA DE NEOPLASIAS SISTÊMICAS. JAQUELINE CORREIA VILLAÇA MENEZES1; CAROLINA GONÇALVES PUPE2; CIDE BRÍZIO DANTAS3; TEREZA CRISTINA DOS SANTOS4; LUCIO MENDES CABRAL5. 1.UNIVERSIDADE ESTÁCIO, RIO DE JANEIRO, RJ, BRASIL; 2,3,5.UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO, RIO DE JANEIRO, RJ, BRASIL; 3.UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO, RIO DE JANEIRO, RJ, BRASIL; 4.FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ, RIO DE JANEIRO, RJ, BRASIL; 5.UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO, RIO DE JANEIRO, RJ, BRASIL. Palavras-chave: neoplasias; nanosistemas; nanotecnologia
  28. Resumo: PREPARAÇÃO E AVALIAÇÃO DE NOVOS NANOSISTEMAS A BASE DE SILICATOS LAMELARES PARA A TERAPIA DE NEOPLASIAS SISTÊMICAS MENEZES, JAQUELINE CORREIA VILLAÇA1,2; PUPE, CAROL GONÇALVES1; DANTAS, CIDE BRÍZIO1; SANTOS, TEREZA CRISTINA2; CABRAL, LUCIO MENDES1 1 – Laboratório de Tecnologia Industrial Farmacêutica – Departamento de Medicamentos – Faculdade de Farmácia – UFRJ 2 - Instituto de Tecnologia em Fármacos – Farmanguinhos- Fundação Oswaldo Cruz Segundo dados da OMS, em 2007, o câncer acarretou em 7,9 milhões de mortes, equivalente a aproximadamente 13% das mortes relatadas. Os cânceres de pulmão, estômago, fígado, cólon e de mama são as maiores causas de óbitos por ano. Aplicando o conceito de nanotecnologia na área farmacêutica, serão produzidos nanosistemas compostos por argila sódica - AS - (Bentonita) e argilas organofílicas (Viscogel B8 - VB8, S4 - VS4 e S7 - VS7) contendo moléculas do fármaco (5-FU ou DXZ) ou de polímeros (SC ou PQH), a serem depositados exclusivamente no órgão alvo. O Sulfato de Condroitina (SC) é um biopolímero que atua na interrupção da angiogênese dos tumores; o 5-Fluorouracila (5-FU) é um análogo do uracil, derivado das pirimidinas, e exerce efeito citotóxico inibindo a timidilato sintetase; e a Doxazosina, que é um derivado da quinazolina, atua na inibição do receptor α-1-adrenérgico induzindo apoptose das células cancerígenas da próstata. Objetiva-se avaliar o resultado da inserção dos fármacos 5- FU e DXZ e dos polímeros SC e PQH, como agentes de compatibilização, tanto no processo de intercalação como na potencial atividade antineoplásica do novo nanosistema terapêutico. A metodologia aplicada à produção de nanosistemas foi a técnica de solução. Os nanosistemas de SC e PQH foram produzidos em três diferentes proporções, SC / PQH:AS / VB8 (1:2, 1:1 e 2:1 [p/p]), e deixados sob agitação magnética em diferentes tempos reacionais (15 min., 30 min., 45 min., 1h, 24h, 48h e 72h). Enquanto, os nanosistemas de 5-FU e DXZ foram realizados em três proporções diferentes 5-FU / DXZ:AS (60%, 80% e 100%), baseado na capacidade de troca catiônica da AS, e deixados sob agitação magnética em 3 tempos reacionais (18h, 24h e 48h). Os solventes utilizados para as reações realizadas com AS e VB8 foram, respectivamente, a água destilada e o diclorometano. Todos os estudos de intercalação foram realizados sob as condições descritas acima com e sem pré-intumescimento da AS. As amostras foram submetidas à caracterização através de análise em difração de raios-X, análise de espectroscopia de infravermelho com transformada de Fourier (FTIR), análise calorimétrica de varredura diferencial (ACVD), análise termogravimétrica (ATG) e microscopia eletrônica de transmissão (MET). Os resultados obtidos indicaram que não houve a intercalação do SC nas lamelas da AS. Por outro lado, os resultados gerados a partir dos estudos de intercalação do 5-FU, DXZ e PQH, e do PQH nas lamelas da VB8, foram satisfatórios, evidenciando o processo de intercalação. Espera-se obter com os resultados aqui desenvolvidos uma otimização de materiais poliméricos, visando a aplicação industrial farmacêutica e em diferentes seguimentos industriais. Auxílio Financeiro: CNPq (PIBIC) P039 [424] ANÁLISE DA ESTABILIDADE DE UMA FORMULAÇÃO SEMI-SÓLIDA HIDROFÍLICA. ANA LÚCIA TEIXEIRA DE CARVALHO ZAMPIERI1; MIRELLA LUIZ QUEIROZ2. 1,2.UNIEVANGELICA, ANAPOLIS, GO, BRASIL; 2,3,5.UNIEVANGELICA, ANAPOLIS, GO, BRASIL. Palavras-chave: carbopol 940; gel; estabilidade Resumo: ANÁLISE DA ESTABILIDADE DE UMA FORMULAÇÃO SEMI-SÓLIDA HIDROFÍLICA QUEIROZ, MIRELLA LUIZ1; ZAMPIERI, ANA LÚCIA TEIXEIRA DE CARVALHO*2 1 Graduanda do curso de Farmácia do Centro Universitário de Anápolis -GO. 2 Professora Adjunta do Curso de Farmácia do Centro Universitário de Anápolis-GO. *Autor para correspondência: e-mail: analucia.zampieri@terra.com.br RESUMO: A forma farmacêutica gel, atualmente empregada como base galênica, tem grande e crescente importância nas áreas cosmética e farmacêutica. O polímero Carbopol® 940 é comumente utilizado na
  29. atividade magistral, na forma de estoque mínimo, ou seja, preparações oficiais presentes em Formulários Oficiais reconhecidos pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA). Nessa perspectiva, o objetivo desta pesquisa foi produzir e avaliar a estabilidade do gel de Carbopol® 940 preparado a 2,0% através de testes de controle físico-químicos: peso teórico, pH, viscosidade e características organolépticas. Para este estudo, amostras em duplicata foram preparadas e estocadas em recipiente plástico, em prateleira (temperatura ambiente) e avaliadas em várias etapas, ou seja, tempo zero, 15, 30 e 90 dias. Os resultados demonstraram constância quanto aos caracteres organolépticos, como: odor característico, cor límpida, homogênea, brilho, transparência e boa espalhabilidade. Não houve variação significativa de pH e peso médio nos lotes analisados. A viscosidade foi >100 Pascal (Pa.s) para todas as amostras. Foi possível concluir que as amostras analisadas mantiveram-se estáveis por todo o período de armazenamento, sendo, portanto, a formulação, método de preparo e recipiente plástico utilizado, recomendados na atividade magistral. P040 [329] MANIPULAÇÃO DE FORMA FARMACÊUTICA LÍQUIDA DO ENALAPRIL PARA USO PEDIÁTRICO. JULIANA TALHATE TALHATE1; LAILLA CRISTINA LIMA MARIOTE2. 1,2.UNESC, COLATINA, ES, BRASIL; 2,3,5.UNESC, COLATINA, ES, BRASIL. Palavras-chave: suspensão; forma farmacêutica; enalapril Resumo: MANIPULAÇÃO DE FORMA FARMACÊUTICA LÍQUIDA DO ENALAPRIL PARA USO PEDIÁTRICO TALHATE, JULIANA. MARIOTE, LAILLA CRISTINA LIMA Centro Universitário do Espírito Santo - UNESC A hipertensão arterial é caracterizada como uma doença crônica, de caráter multifatorial, onde os níveis tensionais de pressão arterial estão elevados, sendo, portanto, um problema de saúde pública em todo o mundo. Como tem atingido cada vez mais um grande número de crianças, visto que este é um público pouco estudado para esta patologia, a necessidade de encontrar uma forma farmacêutica adequada se faz muito necessária. Este trabalho tem como principal objetivo estudar a suspensão do enalapril para uso pediátrico, indicada para quadros de hipertensão infantil. As formulações apresentadas são sugestões de associações para uma melhor aderência ao tratamento, devido à melhora do gosto, cor e cheiro da formulação, de acordo com a prescrição médica. Estas informações são junções, após observações em livros, revistas e artigos científicos especializados e que apresentavam formulações do enalapril. Percebe-se a carência da área de manipulação de materiais técnicos-científicos para o desenvolvimento para este tipo de formulações. Em todas as formulações foi empregado o maleato de enalapril, apresentado sob forma de suspensão. O enalapril é da classe terapêutica de inibição da enzima conversora de angiotensina, mais conhecidos como inibidores da ECA, um potente anti-hipertensivo. Além de agentes floculantes e suspensores, comuns à formulações de suspensões, foi adicionado às formulações essências de banana, cereja e morango para melhora do paladar e consequentemente, aderência à farmacoterapia. De acordo com as pesquisas realizadas na literatura, especificamente em artigos e sites científicos, revistas e jornais eletrônicos, podemos afirmar que a manipulação de suspensões do enalapril para uso pediátrico é de grande importância para eficácia e principalmente adesão terapêutica. Diante de todas as informações mencionadas, percebe-se então a necessidade da manipulação de formas farmacêuticas líquidas do enalapril para uso pediátrico, na hipertensão infantil, sendo este o principal objetivo para melhoria da qualidade de vida das crianças portadora desta patologia. P041 [392] AVALIAÇÃO DE NÃO CONFORMIDADES EM SOLUÇÕES DE INFUSÃO DE MEDICAMENTOS POTENCIALMENTE PERIGOSOS. ALLAN CARNEIRO DE SOUZA1; CAROLINA ESPER FERREIRA2; ANA HELENA ARANDA DE SOUZA3; ELISÂNGELA INÊS GONÇALVES4; MICHELE LÚCIA DE AGUIAR MITSUYASU5; FLÁVIA VALÉRIA DOS SANTOS ALMEIDA6. 1,2.UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE, NITEROI, RJ, BRASIL; 2,3,5.UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE, NITEROI, RJ, BRASIL; 3,4,5,6.INSTITUTO NACIONAL DE CARDIOLOGIA, RIO DE JANEIRO, RJ, BRASIL; 4.INSTITUTO NACIONAL DE CARDIOLOGIA, RIO DE JANEIRO, RJ,
  30. BRASIL; 5.INSTITUTO NACIONAL DE CARDIOLOGIA, RIO DE JANEIRO, RJ, BRASIL; 6.INSTITUTO NACIONAL DE CARDIOLOGIA, RIO DE JANEIRO, RJ, BRASIL. Palavras-chave: medicamentos potencialmente perigosos; erros de medicação; soluções de infusão Resumo: Introdução: Medicamentos Potencialmente Perigosos (MPP’s) são definidos pelo Institute for Safe Medication Paratices- ISMP como aqueles que apresentam maior potencial de provocar lesão grave nos pacientes quando ocorre falha no seu processo de utilização. Esta característica de alto risco torna prioritária a adoção de medidas de planejamento para redução e prevenção de erros, destacando o acesso à informação segura e rápida sobre os medicamentos. Este estudo tem por objetivo avaliar as informações disponíveis nos protocolos de preparo de soluções de infusão de MPP’s em duas unidades de terapia intensiva de um hospital sentinela de referência em cardiologia. Métodos: Foram analisadas todas as soluções padronizadas de infusão de MPP's descritas nos guias de preparo nos aspectos de compatibilidade com diluente e envase, estabilidade e as informações disponíveis, utilizando como referência as seguintes fontes de informação: Handbook on Injectable Drugs (Trissel, 15th ed), base de dados Micromedex, United States Pharmacopeia Drug Information – USP DI e a bula do fabricante. De acordo com a lista atualizada do ISMP 2008, foram considerados MPP's as apresentações injetáveis de: alteplase, amiodarona, cloreto de potássio, cloreto de sódio hipertônico, dexmedetomidina, dobutamina, dopamina, epinefrina, esmolol, estreptoquinase, fenitoína, fentanil, heparina, insulina regular, lidocaína, midazolam, milrinona, nitroglicerina, nitroprusseto, norepinefrina, propofol e tirofiban. Resultados: Foram analisadas 44 soluções de infusão padronizadas referentes a 22 MPP’s, sendo detectadas 28 não conformidades em 22 soluções de infusão. As não conformidades observadas foram: 1) uso de diluente não recomendado, como por exemplo, soro fisiológico para amiodarona e norepinefrina em 6,8% (3/44); 2) incompatibilidade física com envase de PVC, para as soluções de amiodarona, nitroglicerina e insulina em 13,6% (6/44); 3) ausência de informação sobre indicação exclusiva de administração por via central ou via periférica de grosso calibre em 34,1% (15/44); 4) informação errada de concentração final para as soluções de esmolol, dobutamina e fentanil em 6,8% (3/44); 5) a única informação disponível de estabilidade estava equivocada e referia-se à solução de Estreptoquinase, que representou 2,3% (1/44). Adicionalmente, os guias de orientação analisados eram diferentes e divergentes nas informações para um mesmo medicamento, continham apresentações farmacêuticas não padronizadas e ausência de MPP’s padronizados. Conclusão: Estes resultados demonstraram que na prática de preparo e administração de medicamentos de forma descentralizada, as informações adotadas foram obtidas de fontes diversas, desconhecidas, sem que houvesse uma revisão e validação destes protocolos pelo serviço de farmácia do hospital. P042 [434] ESTUDO DAS INTERVENÇÕES FARMACÊUTICAS NA MANIPULAÇÃO MAGISTRAL NUMA FARMÁCIA PAULISTA, DE JUNHO A NOVEMBRO DE 2009. LARA CRISTINA SILVA1; PRISCILA APARECIDA COELHO2; LUCIENE ALVES MOREIRA MARQUES3; VALÉRIA APARECIDA DOS SANTOS NOGUEIRA4. 1,2.UNIFAL-MG, ALFENAS, MG, BRASIL; 2,3,5.UNIFAL-MG, ALFENAS, MG, BRASIL; 3.UNIFAL, ALFENAS, MG, BRASIL; 4.UNICAMP, PIRACICABA, SP, BRASIL. Palavras-chave: manipulação; intervenção farmacêutica; farmacoterapia Resumo: A ‘manipulação e dispensação clínica de medicamentos’ foi um conceito introduzido pelo grupo de Investigação em Cuidados Farmacêuticos de Portugal (GICUF) que propôs um método para desenvolver a Atenção Farmacêutica em Farmácias Magistrais. Esta prática farmacêutica integrada visa a obtenção de medicamentos manipulados seguros e efetivos e leva em consideração o perfil fisiopatológico específico de cada paciente, obtido através de uma entrevista clínica, e a disponibilização desses medicamentos acompanhada pela informação necessária ao seu uso correto. O método compreende as fases de: recepção do paciente, avaliação farmacêutica da prescrição, fase de estudo, intervenção farmacêutica, manipulação, dispensação clínica e seguimento farmacoterapêutico. Sendo assim, o objetivo deste trabalho foi verificar as intervenções farmacêuticas realizadas na manipulação de medicamentos em uma farmácia magistral do estado de São Paulo. Foi realizado um estudo retrospectivo para avaliar as ordens de manipulação no
  31. período de junho a novembro de 2009. A coleta dos dados foi feita por meio da análise diária das ordens de manipulação. Foram analisadas 18.691 ordens de manipulação e verificou-se que não há em nenhuma delas, dados sobre o perfil dos pacientes como: alergias, doenças congênitas, doenças crônicas, tipo de pele, capacidade de deglutição, presença de intolerância, etc; dados que seriam importantes para a manipulação de medicamentos mais seguros e efetivos. As intervenções farmacêuticas identificadas foram a respeito da cor da cápsula (62%), cápsula dobrada (21%), uso de corantes, aromatizantes e flavorizantes (9,1%), resolução de incompatibilidades (3,1%), orientações sobre homeopatia e florais (2,6%) e cápsulas revestidas (1,4%). Pode-se observar que pouca importância foi dada ao perfil do paciente que solicita o preparo de uma formulação. Se as intervenções incluíssem também o perfil do paciente poderia haver ganhos na adesão, efetividade e segurança do tratamento. As formulações foram preparadas quase sempre de forma padronizada e as intervenções realizadas foram de caráter meramente farmacotécnico. P043 [361] ASSEPSIA DE AMPOLAS E FRASCO AMPOLAS NA ONCOLOGIA. ALINE DE CAMARGO BILITARDO ABIB. CENTRO ONCOLOGICO DE MOGI DAS CRUZES, MOGI DAS CRUZES, SP, BRASIL. Palavras-chave: assepsia; higienização; oncologica Resumo: INTRODUÇÃO: A organização Mundial da Saúde define reação adversa como qualquer efeito indesejável ou prejudicial ao paciente, dadas a uma dose normal e tolerada por qualquer indivíduo. Na oncologia as drogas antineplásicas por afetarem também células normais, causam graves reações adversas, sendo que algumas delas podem ser minimizadas por ação de outras drogas aplicadas antes e após a quimioterapia. A toxicidade hematológica é uma das toxicidades dos antineoplásicos e está relacionada a leucopenia, plaquetopenia e anemia. A leucopenia é a mais séria forma de mielodepressão, e isto leva a diminuição da imunidade celular e humoral desencadeando uma maior susceptibilidade as infecções por parte do paciente. Por conta principalmente desta reação, é que todos os procedimentos realizados na farmácia são cuidadosamente elaborados e executados a fim de evitar qualquer dano ao paciente. Este trabalho tem por objetivo descrever as técnicas de higienização das ampolas utilizadas na manipulação dos quimioterápicos no Centro Oncologico de Mogi das Cruzes. MÉTODOS: As ampolas foram higienizadas única e exclusivamente com álcool a 70% com auxilio de gaze estéril. Uma vez por mês um frasco - ampola sem o “ flipp off” era encaminhado até a sala de manipulação sem que fosse realizado o processo de higienização. No interior da sala de manipulação, o farmacêutico realizava o swab da parte superior do frasco e colocava em um meio de cultura próprio para crescimento de bactérias e fungos. Este mesmo frasco era então higienizado com gase estéril e álcool a 70%. Após a higienização, era feita coleta com swab e este colocado em meio de cultura. As amostras eram enviadas para laboratório devidamente acondicionado. RESULTADOS: Os resultados podem ser vistos no gráfico abaixo, onde verifica –se um número elevado das UFC para bactérias no caso de ampolas não higienizadas, enquanto que para ampolas higienizadas, este número reduziu. 01/06/2010 à 03/06/2010 08:00-17:00 EXPO CENTER NORTE HALL DE EXPOSIÇÃO FARMACOVIGILÂNCIA P044 [367] ANÁLISE MICROBIOLÓGICA DE JALECOS USADOS POR ESTUDANTES DE FARMÁCIA DE CIDADE DO SUL DE MINAS GERAIS.
  32. ÍTALO ANTÔNIO FERNANDES1; IVANA APARECIDA SILVEIRA2; DÉBORAH BRAGA RESENDE3; KARLA MIRANDA FIGUEIREDO4. 1,2,3,4.CENTRO UNIVERSITÁRIO DE LAVRAS, LAVRAS, MG, BRASIL; 2,3,5.CENTRO UNIVERSITÁRIO DE LAVRAS, LAVRAS, MG, BRASIL; 3.CENTRO UNIVERSITÁRIO DE LAVRAS, LAVRAS, MG, BRASIL; 4.CENTRO UNIVERSITÁRIO DE LAVRAS, LAVRAS, MG, BRASIL. Palavras-chave: jaleco; microrganismos; contaminação Resumo: ANÁLISE MICROBIOLÓGICA DE JALECOS USADOS POR ESTUDANTES DE FARMÁCIA DE CIDADE DO SUL DE MINAS GERAIS FERNANDES, ÍTALO ANTÔNIO; SILVEIRA, IVANA APARECIDA DA; RESENDE, DÉBORAH BRAGA; FIGUEIREDO, KARLA DE MIRANDA; Unilavras – Centro Universitário de Lavras. Rua Padre Jose Poggel, 506. Centenário, Lavras, MG. 37200.000 Instituições de referência em Biossegurança recomendam a utilização de jalecos como proteção contra acidentes e redução de riscos de transmissão de microrganismos. O seu uso, por alunos e profissionais da saúde em locais públicos, evidenciou-o como difusor de microrganismos patogênicos. Face ao exposto, o objetivo deste trabalho foi verificar o índice de contaminação microbiológica dos jalecos, de dois grupos de 15 estudantes definidos de acordo com a forma de utilização dos jalecos, em uma instituição de ensino superior do sul de Minas Gerais. O primeiro grupo foi representado por aqueles que utilizavam o jaleco de forma indiscriminada. O segundo grupo recebeu procedimentos de utilização e manutenção específicos do jaleco, como uso exclusivo nos laboratórios; lavagem e armazenamento. O trabalho foi realizado após ser aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa da Instituição conforme resolução 196/96 CNS. As amostras foram obtidas através de esfregaços utilizando swabs em quatro regiões distintas do jaleco (gola, bolso, frontal e punho). Foram realizadas três coletas para cada grupo e em períodos distintos. As amostras foram inoculadas em placas de Petri contendo meio de cultivo TSA (Tryptic Soy Agar) para contagem de bactérias aeróbicas totais expressas em Unidades Formadoras de Colônias (UFC). Após a incubação em estufa a temperatura de 37°C por um período de 24-48 horas, as colônias obtidas foram isoladas e observadas em microscópio empregando-se a técnica de coloração GRAM. A contagem de colônias mostrou uma evidente diferença entre os dois grupos estudados, sendo que o primeiro grupo apresentou um grande número de amostras com valores superiores a 300 UFC e o segundo apresentou em sua maioria valores inferiores a 10 UFC. Das colônias isoladas e coradas do primeiro grupo obteve-se uma prevalência de 56,21% de cocos GRAM positivos, seguidos de 27,45% de bastonetes GRAM positivos, 11,11% de leveduras, 3,92% de bastonetes GRAM negativos e 1,31% de cocobacilos GRAM positivos. No segundo grupo obteve-se uma prevalência de 62,07% de cocos GRAM positivos, seguidos de 31,04% de bastonetes GRAM positivos, 5,17% de bastonetes GRAM negativos, 1,72% de cocobacilos GRAM positivos e ausência de leveduras. Diante dos resultados pode-se concluir que a carga microbiana encontrada nos jalecos é diretamente proporcional aos cuidados de uso. Dessa forma, deve-se ter uma maior atenção a este Equipamento de Proteção Individual, evitando-se assim a veiculação de microrganismos. Apoio Financeiro: CNPQ P045 [364] IMPLANTAÇÃO DO SERVIÇO DE FARMACOVIGILÂNCIA EM HOSPITAL PRIVADO DE SALVADOR-BA. LARISSA ARAUJO ALMEIDA OLIVEIRA1; KISE CARVALHO GUIMARAES2; LAIRE DELLANI DAMASCENO FERREIRA3; PRISCILA OLIVEIRA BASTOS4. 1,2.INSTITUTO CÁRDIO PULMONAR, SALVADOR, BA, BRASIL; 2,3,5.INSTITUTO CÁRDIO PULMONAR, SALVADOR, BA, BRASIL; 3,4.INSTITUTO CARDIO PULMONAR, SALVADOR, BA, BRASIL; 4.INSTITUTO CARDIO PULMONAR, SALVADOR, BA, BRASIL. Palavras-chave: farmacovigilancia; reação adversa ao medicamento; segurança Resumo: Os medicamentos são usados no tratamento e profilaxia de enfermidades, estando eles relacionados com a melhoria da qualidade e aumento da expectativa de vida da população. Entretanto, a ocorrência de reação adversa ao medicamento (RAM) é inerente ao uso do fármaco, sendo de extrema importância a sua vigilância para garantir a segurança do paciente. Este trabalho tem como objetivo relatar a experiência de implantação do Serviço de Farmacovigilância em um Hospital privado de Salvador. Foram utilizadas três
  33. formas de identificação para notificação de RAM: 1) busca ativa, com avaliação diária pelo farmacêutico do prontuário de cada paciente internado nas Unidades de Terapias Intensivas Geral e Cardíaca, analisando evolução médica e de enfermagem, prescrição e exames laboratoriais; 2) notificação voluntária, que foi incentivada através da divulgação do Serviço em todas as unidades do Hospital; 3) busca diária de medicamentos traçadores utilizados para o tratamento de algumas RAMs, como anti- histamínicos, por exemplo, em todas as unidades, incluindo a emergência. Ao final de cada mês, é gerado um indicador com o perfil das RAMs na Instituição e alimentado um banco de dados interno de acordo com os sistemas fisiológicos. Nos meses de fevereiro a abril/2010, foram feitas 36 notificações, sendo que apenas uma (3%) foi voluntária. Ambas as UTIs foram responsáveis por um maior número de notificação de RAM (28% cada) e este fato relaciona-se com a prevalência da busca ativa sobre a notificação voluntária que ocorre apenas nestas unidades. A faixa etária dos pacientes que apresentaram a RAM de maior freqüência foi aquela com mais de 65 anos e o sexo feminino apresentou uma taxa maior que o masculino, 56% versus 44%, respectivamente. A maioria dos pacientes era portadora de hipertensão (50%) e diabetes (25%) e 53% deles possuíam mais de oito medicamentos em sua prescrição, representando fatores de risco para desenvolver RAM ou outros eventos relacionados com interações medicamentosas. A classe terapêutica responsável pelo maior número de notificações foi a de antibióticos (24%), seguida de diuréticos (11%), antiarrítmicos (11%) e AINES (8%). Em relação aos medicamentos, amiodarona e furosemida foram os mais notificados (22%), seguidos por ciprofloxacino (8%) e enoxaparina (5%). Ainda há sinais de resistência dos profissionais de saúde em relação à prática da Farmacovigilância, mas, neste período de implantação, os resultados demonstram a importância de investimentos na monitoração adequada do uso de medicamentos, visando e contribuindo para a melhoria da qualidade da saúde prestada aos pacientes P046 [395] IMPACTO DA VALIDAÇÃO FARMACÊUTICA NA PREVENÇÃO DE ERROS DE PRESCRIÇÃO EM SISTEMA ELETRÔNICO. ROSEANNE MARQUES BRASIL1; SIDNEY SOUTO ZOELLNER2; ALEXANDRE BALDEZ DE BARROS3; MARCUS VENICIUS TOSCANO DE BRITTO4; MICHELE LÚCIA DE AGUIAR MITSUYASU5; FLÁVIA VALÉRIA DOS SANTOS ALMEIDA6. 1,2.UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE, NITEROI, RJ, BRASIL; 2,3,5.UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE, NITEROI, RJ, BRASIL; 3,4,5,6.INSTITUTO NACIONAL DE CARDIOLOGIA, RIO DE JANEIRO, RJ, BRASIL; 4.INSTITUTO NACIONAL DE CARDIOLOGIA, RIO DE JANEIRO, RJ, BRASIL; 5.INSTITUTO NACIONAL DE CARDIOLOGIA, RIO DE JANEIRO, RJ, BRASIL; 6.INSTITUTO NACIONAL DE CARDIOLOGIA, RIO DE JANEIRO, RJ, BRASIL. Palavras-chave: erros de medicação; prescrição eletrônica; validação farmacêutica Resumo: Introdução: O sistema eletrônico de prescrição representa um grande avanço nas estratégias criadas para minimizar a ocorrência de erros de medicação em ambiente hospitalar pois elimina a ilegibilidade, reconhecida como uma de suas principais causas. O presente estudo tem por objetivo avaliar o impacto da validação farmacêutica da prescrição eletrônica na prevenção de erros de medicação. Métodos: Estudo prospectivo de validação e intervenção farmacêutica nos erros de prescrição detectados no período de 22/02/10 a 23/03/2010. A validação consiste na análise efetuada pelo farmacêutico de aspectos relacionados à dose, incompatibilidade, diluentes, racionalidade da prescrição antes do processo de dispensação. Os erros foram classificados conforme Dean et al (2000) em: a) erros de decisão - relacionados ao conhecimento do prescritor – como, por exemplo, erros de dose, diluente incompatível, frequência, via de administração, indicação e b) erros de redação - relacionados ao processo de elaboração da prescrição - como prescrição incompleta, ambígua e com duplicidade. Os erros detectados foram checados pelo farmacêutico junto ao prescritor através de contato telefônico, sendo considerada intervenção aceita quando a prescrição foi refeita adotando a correção sugerida. Resultados: Foram validadas 5215 prescrições eletrônicas e detectada uma incidência de 0,5% (29/5215) de erros de prescrição, sendo 65,5% (19/29) erros de decisão e 34,5% (10/29) erros de redação. O contato com prescritor foi estabelecido em 72,4% (21/29) dos erros detectados e gerada correção em 61,9% (13/21). Os erros de decisão observados foram: via de administração 24,1%, diluente inadequado 17,2%, sobredose 13,8%, freqüência 6,8% e indicação 3,5%; e os erros de redação: prescrição ambígüa 20,7%, incompleta 10,4% e com duplicidade 3,5%. As intervenções farmacêuticas contribuíram para redução da
  34. incidência de erros de 0,5% para 0,3%. Conclusão: A detecção de erros de redação em sistema eletrônico demonstrou que prescrições irracionais também podem ser geradas nesta nova forma de prescrever e que a validação farmacêutica contribuiu como mais etapa de segurança dentro do sistema de utilização de medicamentos no ambiente hospitalar. P047 [423] ABORDAGEM DA COMERCIALIZAÇÃO DE MEDICAMENTOS ANOREXÍGENOS EM FARMÁCIAS COMERCIAIS DE SÃO LUÍS-MA. MILENA LIMA DE OLIVEIRA1; CAMILA MENDES COSTA2; KLEYSON RICARDO CASTRO DE SOUSA3. 1,2.UFMA, SAO LUÍS, MA, BRASIL; 2,3,5.UFMA, SAO LUIS, MA, BRASIL; 3.UFBA, BRASÍLIA, DF, BRASIL. Palavras-chave: anorexígenos; vigilância sanitária; comercialização Resumo: OLIVEIRA, MILENA LIMA DE1; COSTA, CAMILA MENDES; SOUSA1; KLEYSON RICARDO CASTRO DE2. 1-Farmacêuticas pela Universidade Federal do Maranhão; 2-Farmacêutico pela Universidade Federal da Bahia. Introdução: Os brasileiros são os maiores consumidores de anorexígenos do mundo. Mesmo sendo uma medicação de uso autorizado, sabe-se que a prescrição ilegal é comum e lucrativa e muitas farmácias vendem sem receita apropriada e por um preço abusivo. Este trabalho objetiva abordar a comercialização de medicamentos anorexígenos em farmácias comerciais da cidade de São Luís (MA), no período de julho a dezembro de 2009. Métodos: Foram consultadas as notificações de receita B2 segundo a legislação vigente, de onde foram coletados: sexo do paciente; os principais medicamentos anorexígenos anfetamínicos prescritos e a especialidade do prescritor. Além disso, mediante as observações feitas no livro eletrônico adotado pela rede, foi coletada a quantidade de saída dos medicamentos anorexígenos não-anfetamínicos (à base de sibutramina) que foram comercializados, no período de julho a dezembro de 2009. Resultados: Observou-se que 80% dos consumidores de fármacos anorexígenos anfetamínicos são do sexo feminino. Apesar da queda na comercialização de anorexígenos anfetamínicos, a dispensação de medicamentos cujo princípio ativo é a sibutramina, anorexígeno não-anfetamínico, foi bastante evidente no período estudado. De acordo com as notificações analisadas, a maioria dos prescritores são endocrinologistas, seguidos dos cirurgiões plásticos. Conclusão: É necessário direcionar ações regulatórias e preventivas para o público feminino, pois o padrão de beleza que cultua extremamente corpos magros é mais intenso entre as mulheres. A menor saída dos anfetamínicos pode ser atribuída às novas normas impostas ao modelo de prescrição de anorexígenos anfetamínicos, dadas pela ANVISA com a RDC n° 58/07. Observou-se uma espécie de migração das prescrições de anfetamínicos para não-anfetamínicos, sugerindo apenas uma permuta dos tipos anorexígenos usados. Além disso, o uso desses medicamentos, mesmo sob orientação médica, pode estar ocorrendo de maneira inadequada, pois a literatura especializada recomenda que a prescrição desses fármacos deva ser acompanhada por especialistas no assunto. O sucesso das estratégias apontadas envolve mecanismos de monitoramento de consumo e de fortalecimento da promoção do uso racional desses medicamentos. Isso requer uma ação coletiva, envolvendo a participação dos conselhos profissionais das categorias médica e farmacêutica, da vigilância sanitária e dos estabelecimentos de ensino superior. Ressalta-se, recentemente, o maior rigor determinado pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária na venda de sibutramina, aspirando-se a uma redução no consumo de medicamentos dessa classe. 01/06/2010 à 03/06/2010 08:00-17:00 EXPO CENTER NORTE
  35. HALL DE EXPOSIÇÃO FARMÁCIA HOSPITALAR P048 [409] ADULTS AND ELDERLY: DEMOGRAPHIC AND CLINICAL PROFILE, PHARMACOTHERAPY AND FREQUENCY OF POTENTIAL DRUG INTERACTIONS. DANIELA OLIVEIRA DE MELO1; SÍLVIA STORPIRTIS2; ELIANE RIBEIRO3. 1,2,3.UNIVERSITY HOSPITAL OF UNIVERSITY OF SÃO PAULO (HU-USP); FACULTY OF PHARMACEUTICAL SCIENCES OF OF UN, SAO PAULO, SP, BRASIL; 2,3,5.UNIVERSITY HOSPITAL OF UNIVERSITY OF SÃO PAULO (HU- USP); FACULTY OF PHARMACEUTICAL SCIENCES OF OF UN, SÃO PAULO, SP, BRASIL; 3.UNIVERSITY HOSPITAL OF UNIVERSITY OF SÃO PAULO (HU- USP); FACULTY OF PHARMACEUTICAL SCIENCES OF OF UN, SÃO PAULO, SP, BRASIL. Palavras-chave: elderly; drug interactions; internal medicine unit Resumo: The aging population and consequent increase in the number of comorbidities and prescribed drugs is essential commitment of health professionals in reducing adverse drug events. The study objective was to compare adults (18-59 years) and elderly (60 years or older) admitted to the internal medicine unit of the University Hospital of the USP regarding the demographic and clinical profile, pharmacotherapy and frequency of potential drug interactions (PDI). Were extracted from medical records data about the hospitalization, identification and clinical status of patients hospitalized at the clinic between March and August 2006. Collected is still the main diagnosis in the discharge summary and the time of admission. The drugs prescribed and administered were obtained from medical prescriptions to analyze the occurrence of potential drug interactions and classification, using the database Micromedex DrugReax® monographs. A total of 5666 prescriptions were analyzed of 647 patients, 316 (48.8%) were elderly. The mean age was 56.7 ± 19.8 years and mean duration of hospitalization 10.7 ± 9.4 days. The most frequent diagnoses were pneumonia (138, 21.3%) and acute myocardial infarction (57, 8.8%). The prevalence of hypertension (HBP) and diabetes mellitus (DM) was 39.6% and 18.7% respectively. The average number of drugs per prescription was 5.7 ± 2.9. In the comparison between adults and the elderly, there was significant difference in length of stay (9.7 ± 9.1 and 11.6 ± 9.6 days), gender and prevalence of diseases of the circulatory system (31.2%) and as a higher prevalence of hypertension (51.9%). For DM, there was no difference between groups. The profile of the drug therapy used was similar between adults and elderly with the main differences in the higher frequency of prescription of drugs for treatment of cardiovascular diseases (19.0%) and lower frequency of prescription of drugs that prolong the QT interval (9.0% 6.8% among adults and the elderly). For the analysis of PDI were considered only the prescriptions with two or more prescribed drugs (5336), the frequency of PDI on the requirements of elderly patients (64.6%) was higher than that observed among adults (50.6%) p <0.0001. Among elderly patients, both the frequency (30.9%) and the number of serious and well documented PDI by prescription (0.68 ± 0.9) were higher than those observed for the orders of adult patients (21.3% and 0.61 ± 1.0, respectively). The elderly patient has 1.29 times higher chance of exposure to serious and well documented PDI. Thus characterized the importance of monitoring pharmacotherapeutic the elderly due to the greater number of drugs prescribed and chance to PDI. P049 [410] CLASSIFICATION OF POTENTIAL DRUG INTERACTIONS SECOND MANAGEMENT STRATEGIES. DANIELA OLIVEIRA DE MELO1; SÍLVIA STORPIRTIS2; ELIANE RIBEIRO3. 1,2,3.UNIVERSITY HOSPITAL OF UNIVERSITY OF SÃO PAULO (HU-USP); FACULTY OF PHARMACEUTICAL SCIENCES OF OF UN, SAO PAULO, SP, BRASIL; 2,3,5.UNIVERSITY HOSPITAL OF UNIVERSITY OF SÃO PAULO (HU- USP); FACULTY OF PHARMACEUTICAL SCIENCES OF OF UN, SÃO PAULO, SP, BRASIL; 3.UNIVERSITY HOSPITAL OF UNIVERSITY OF SÃO PAULO (HU- USP); FACULTY OF PHARMACEUTICAL SCIENCES OF OF UN, SÃO PAULO, SP, BRASIL. Palavras-chave: drug interactions; drug adverse events; clinical pharmacy
  36. Resumo: Studies on potential drug interactions (PDI) are of fundamental importance since the monitoring of signs and symptoms and dose adjustment of drugs involved can reduce the frequency of adverse drug events significantly. This study examines the potential drug interactions identified second mechanism likely risk of adverse events, severity and management in order to develop objective criteria for classifying these according to PDI management strategies. The drugs prescribed and administered were obtained from medical prescriptions to analyze the occurrence of potential drug interactions and classification, using the database Micromedex DrugReax® monographs. 5336 prescriptions were analyzed and identified 9951 IMP. The average number of drugs per prescription was 6.2 ± 2.3 and the frequency of prescriptions containing one or more IMP was 58.0% (3097). Considering the risk, severity, probable mechanism and the mechanism suggested by the database Micromedex DrugReax® classification system was developed according to management strategy: monitor signs and symptoms, 3966 (40.1%), dose adjustment, 3194 (32.3%), suspend or replace one of the drugs, 694 (7.0%), use with caution, 483 (4.9% ) while, 474 (4.8%); prevent / monitor signs and symptoms, 379 (3.8%), avoid / space the time of administration, 189 (1.9%), avoid / dose adjustment, 150 (1.5%); avoid / higher doses, 101 (1.0%); observing therapeutic response, 43 (0.4%), space the timing of administration, 43 (0.4%) and others, 178 (1.8%). The classification of management strategies allow a quick reference to support clinical decisions in particular highlights the need for integration of the multidisciplinary team to monitor the patient or the dosage of drugs to prevent that PDI result in adverse drug events. P050 [397] MONITORAMENTO GLICÊMICO NO PÓS-TRANSPLANTE RENAL EM PACIENTES HOSPITALIZADOS. ISABELA MIGUEZ ALMEIDA1; ANDRESSA SEIXAS M. LEITE2; LÍGIA MARIA C. OLIVEIRA3. 1,2,3.HOSPITAL DO RIM E HIPERTENSÃO, SAO PAULO, SP, BRASIL; 2,3,5.HOSPITAL DO RIM E HIPERTENSÃO, SÃO PAULO, SP, BRASIL; 3.HOSPITAL DO RIM E HIPERTENSÃO, SÃO PAULO, SP, BRASIL. Palavras-chave: atenção farmacêutica; transplante renal; diabetes Resumo: MONITORAMENTO GLICÊMICO NO PÓS-TRANSPLANTE RENAL EM PACIENTES HOSPITALIZADOS ISABELA MIGUEZ DE ALMEIDA, ANDRESSA SEIXAS DE MOURA LEITE, LÍGIA MARIA CUNHA OLIVEIRA Hospital do Rim e Hipertensão Introdução: A aparição e persistência da hiperglicemia após o transplante, durante a internação hospitalar, em pacientes que não possuíam histórico de diabetes é denominada New-onset Diabetes. Esse estado provoca um impacto negativo no enxerto a longo prazo e no quadro clínico do paciente. Existem fatores que predispõem ao desenvolvimento do New-onset Diabetes, tais como idade, peso, etnia, histórico familiar entre outros. Esses fatores associados ao estresse cirúrgico e ao uso de medicamentos imunossupressores provocam efeitos no metabolismo favorecendo o aumento ou desenvolvimento de hiperglicemia. Métodos: Para pacientes sem histórico de glicemia foram determinados dias da semana específicos (terças-feiras, quintas-feiras e sábados) para dosagem de glicemia de jejum e de dextro pós-prandial. Essas medidas permitem determinar o perfil glicêmico do paciente. Pacientes diagnosticados com New- onset Diabetes foram orientados pela equipe farmacêutica quanto ao automonitoramento glicêmico e condutas para o controle do diabetes. Para pacientes com histórico de diabetes anterior ao transplante renal utilizou-se insulina NPH a critério médico e a correção da glicemia foi realizada com insulina regular de acordo com sliding scale. Resultados: Em relação aos pacientes acompanhados receptores de transplante renal sem histórico de diabetes 26% apresentaram hiperglicemia durante a primeira internação. Destes, 33% tiveram o diagnóstico de diabetes. Em relação aos pacientes transplantados renais com histórico de diabetes aqueles que fizeram uso do sliding scale apresentaram melhor controle glicêmico quando comparados aos pacientes sem o escalonamento da insulina.
  37. Conclusão: O monitoramento da glicemia durante a internação hospitalar de pacientes receptores de transplante renal sem histórico de diabetes permitiu identificar precocemente quadros hiperglicêmicos e apontar pacientes em potencial para o desenvolvimento de New-onset Diabetes. Com a confirmação do diagnóstico foi possível orientar estes pacientes quanto ao conhecimento e manejo da nova patologia. Para os pacientes com histórico de diabetes, além de orientá-los, foi possível manter os níveis glicêmicos dentro de valores aceitáveis em uma maior parte do tempo da internação hospitalar. P051 [398] CRITÉRIOS DE SELEÇÃO DE MEDICAMENTOS EM HOSPITAIS PÚBLICOS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO. GRASIELLE OLIVIA DOS SANTOS BRITO1; EDVALDO HIGINO DE LIMA JUNIOR2. 1,2.FACULDADE BEZERRA DE ARAÚJO, RIO DE JANEIRO, RJ, BRASIL; 2,3,5.FACULDADE BEZERRA DE ARAÚJO, RIO DE JANEIRO, RJ, BRASIL. Palavras-chave: farmácia hospitalar; padronização de medicamentos; comissão de farmácia e terapêutica Resumo: Introdução: O estudo tem por objetivo Identificar os processos de seleção de medicamentos em farmácias de hospitais públicos situados no Estado do RJ. Métodos: Trata-se de uma pesquisa descritiva exploratória, realizada através de estudo de campo, com abordagem qualiquantitativa. O instrumento para coleta dos dados foi um questionário semi-estruturado com perguntas abertas e fechadas. Os sujeitos foram sete farmacêuticos de diferentes hospitais. Resultados: Entre os hospitais, 6 são gerais e 1especializado. Todos possuem farmacêuticos durante todo o horário de funcionamento, e utilizam padronização de medicamentos. 43% possuem Comissão de Farmácia e Terapêutica (CFT), tendo farmacêutico como membro efetivo. Dos que não possuem CFT, dois seguem a padronização da Secretaria Estadual de Saúde do RJ. Em outro existe a colaboração de farmacêuticos, médicos e enfermeiros, representantes da farmácia, CCIH e Direção Clínica, e outro apenas os farmacêuticos elaboram a padronização. 72% realizam a revisão da padronização anualmente. Os critérios de seleção mais citados foram: Eficácia, Segurança, única substancia ativa no medicamento e baixo custo. Das instituições citadas apenas uma não utiliza formulário para solicitação de inclusão/exclusão de medicamentos à padronização. Quatro entrevistados declaram verificar os dados epidemiológicos para incluir/excluir um fármaco na padronização. Os meios de divulgação da padronização citados foram: Lista no posto de enfermagem, boletim de atualização, comunicação individual e uso da intranet. Em dois casos a padronização não se encontra disponível para os profissionais da instituição e não são divulgadas as alterações. Os documentos citados como exigidos aos fornecedores para a compra dos medicamentos foram: Licença de funcionamento, Comprovação de regularidade para o Conselho de Farmácia, Laudos de qualidade dos medicamentos, Autorização da ANVISA e Certificado de boas práticas de fabricação. Apenas um Hospital declarou não solicitar nenhum tipo de documento. Apesar de parte dos farmacêuticos não atuarem em CFT no hospital, estes desenvolvem as atividades definidas pela resolução n° 449/06. Onde existe CFT a principal dificuldade para padronização é a falta de disponibilidade da equipe para reuniões. A resistência da equipe médica foi citada por dois entrevistados. Conclusão: A seleção de medicamentos está sendo utilizada pelos hospitais citados. Tais hospitais utilizam diferentes critérios para fundamentar a escolha dos medicamentos da padronização. Entretanto, apesar de ocorrer à presença do farmacêutico durante todo o horário de funcionamento dos hospitais, percebeu-se que a maior parte destes não possuem (CFT) implementadas. Sugere-se uma maior divulgação da lista de padronização e da importância da seleção de medicamentos para o hospital e incentivo aos profissionais a participarem do processo de seleção dos medicamentos. P052 [407] POTENTIAL DRUG INTERACTIONS IN ORDERS FOR INTERNAL MEDICINE UNIT OF UNIVERSITY. DANIELA OLIVEIRA DE MELO1; SÍLVIA STORPIRTIS2; ELIANE RIBEIRO3. 1,2,3.UNIVERSITY HOSPITAL OF UNIVERSITY OF SÃO PAULO (HU-USP); FACULTY OF PHARMACEUTICAL SCIENCES OF OF UN, SAO PAULO, SP, BRASIL; 2,3,5.UNIVERSITY HOSPITAL OF UNIVERSITY OF SÃO PAULO (HU- USP); FACULTY OF PHARMACEUTICAL SCIENCES OF OF UN, SÃO PAULO, SP, BRASIL; 3.UNIVERSITY HOSPITAL OF UNIVERSITY OF SÃO PAULO (HU-
  38. USP); FACULTY OF PHARMACEUTICAL SCIENCES OF OF UN, SÃO PAULO, SP, BRASIL. Palavras-chave: drug interactions; adverse drug events; internal medicine unit Resumo: The potential drug interactions (PDI), their characteristics and related factors are of fundamental importance because their management is the chance to reduce the frequency of adverse drug events preventable type. The study objectives were to identify the drugs prescribed and administered to patients admitted to the internal medicine unit of the University Hospital of the USP, analysis of the prescriptions in relation to the occurrence of potential drug interactions. The drugs prescribed and administered were obtained from medical prescriptions (as nursing) to analyze the occurrence of potential drug interactions and classification, using the database MicromedexÒ DrugReaxÒ. monographs. Descriptive statistics and multivariate logistic regression were used in analysis of the data. A total of 5336 prescriptions were analyzed and the average number of prescription drugs by 6.2 ± 2.3. The frequency of prescriptions containing one or more PDI was 58.0% (3097) and frequency of IMP serious and well documented, 26.5% (2637). It was observed a significant association with the IMP identified in the study: age (p <0.001), length of stay (p <0.001), cardiovascular (p = 0.0059) and number of drugs (p <0.001). Both hypertension as diabetes mellitus were risk factors for the occurrence of IMP, with odds 4.93 and 2.79 times higher prescription with IMP, respectively. IMP of 9951 observed, 2637 (26.5%) were serious and well documented. There was an association between the number of IMP severe and patients aged more than 60 years (p = 0.0007, 1.29 times higher chance). The frequency of severe PDI and PDI were higher than those found in other Brazilian studies and international studies, which can be explained partly by the "repetition" of prescription drugs throughout the hospital although they were only the drugs actually administered, reducing the number of drugs per prescription described in the study. Factors associated with the occurrence of IMP is related to the phenomenon of population aging demonstrating the need for drug therapy follow these patients. P053 [394] TRATAMENTO DA DOENÇA PULMONAR OBSTRUTIVA CRÔNICA EM HOSPITAL UNIVERSITÁRIO: ATUAÇÃO DO FARMACÊUTICO. NATHÁLIA MEDEIROS REBELLO1; ROSIANE CHIAROTI2; CAROLINA BARALDI ARAUJO RESTINI3. 1.HCFMRP-USP, RIBEIRAO PRETO, SP, BRASIL; 2,3.UNAERP, RIBEIRÃO PRETO, SP, BRASIL; 3.UNAERP, RIBEIRÃO PRETO, SP, BRASIL. Palavras-chave: dpoc; tratamento inalatório; agonistas beta-2 adrenérgico Resumo: A Doença Pulmonar Obtrutiva Crônica - DPOC é considerada dentre as pneumopatias preocupante devido à associação ao tabagismo e aos índices de mortalidade que tendem a afetar cada vez mais a população afetada, representada majoritariamente por indivíduos adultos (quinta década). Apesar de o prognóstico ser complicado, DPOC é uma doença que pode ser prevenida e tratada. O fator pulmonar, caracterizado por limitação do fluxo aéreo, geralmente é progressivo e está associado a respostas inflamatórias anormais dos pulmões à inalação de partículas ou gases tóxicos. Estes efeitos fisiopatológicos são revertidos farmacologicamente com o uso inalatório de broncodilatadores (agonistas beta-2 adrenérgico e/ou antagonistas dos receptores muscarínicos). Os fármacos a serem inalados são viabilizados por dispositivos de mediana complexidade para alguns pacientes. Neste sentido, o trabalho teve por objetivo delinear o perfil dos pacientes com este diagnóstico e relacionar o tratamento farmacoterapêutico ao processo evolutivo, fatores de risco. Espera-se traçar perspectivas sobre as atividades desempenhadas pelo farmacêutico neste contexto. Foram avaliados os prontuários de 309 pacientes assistidos pelo Serviço de Pneumologia do Hospital Electro Bonini da Universidade de Ribeirão Preto (UNAERP) entre os meses de janeiro a junho de 2009 sendo inclusos 61 pacientes com hipótese diagnóstica DPOC. Dentre a população inclusa no estudo, a maioria (75,41±10,81%) pertence ao gênero masculino e apenas 24,59±10,81% ao gênero feminino. Em contrapartida, 100% das mulheres tinham histórico de exposição tabágica. A classe terapêutica mais utilizada foi a dos agonistas beta-2 adrenérgico e a estratégia terapêutica mais adotada foi o uso de salbutamol e formoterol. Foi observada falta de adesão ao tratamento em 21,31±10,27% da população total. A prevalência maior nos homens sugere a maior exposição aos fatores de risco deste gênero, embora na população feminina, todas as representantes são ou haviam sido tabagistas. O farmacêutico não participa diretamente no fluxo assistencial à esses pacientes.
  39. P054 [382] TENDÊNCIAS NA UTILIZAÇÃO DE ANTIMICROBIANOS EM HOSPITAL PRIVADO. ERICKA MIRANDA MESQUITA1; DAVID KARLOS MIRANDA MESQUITA2; THWEICYKA PINHEIRO WAKIYAMA3. 1.UNICEUMA, SAO LUIS, MA, BRASIL; 2,3.UFMA, SÃO LUÍS, MA, BRASIL; 3.UFMA, SÃO LUÍS, MA, BRASIL. Palavras-chave: consumo; antimicrobianos; antibioticoterapia Resumo: INTRODUÇÃO. Uma das principais preocupações mundiais quanto ao uso racional de medicamentos está relacionada à utilização de antimicrobianos. Desde sua descoberta, a comunidade científica acreditou que a batalha contra as bactérias estava vencida, porém, a utilização indiscriminada e sem critérios precisos aliados ao aumento da resistência bacteriana tem dificultado a erradicação e o controle das diversas infecções, além de contribuir para o aumento dos custos hospitalares. Pesquisas científicas realizadas nos EUA demonstraram que 50% do uso de antimicrobianos é inadequado. No Brasil, um estudo realizado no Hospital Universitário do Rio de Janeiro (UFRJ) demonstrou 100% de inadequação no uso dessa classe de medicamentos na profilaxia de cirurgias. Apesar das bases que fundamentam seu uso racional terem sido amplamente discutidas e enfatizadas na literatura, ainda são detectadas preocupantes situações de mau uso. Paralelamente, parece não haver aceitação adequada das políticas de comissões de controle de infecção e de farmácia e terapêutica em hospitais. Assim, torna-se necessário estabelecer mecanismos de vigilância sobre o uso de antimicrobianos. O presente trabalho avaliou o consumo de antimicrobianos injetáveis em pacientes hospitalizados em um hospital da rede privada do município de São Luís/MA no período de novembro de 2009 a maio de 2010, visando descrever as tendências do consumo de antimicrobianos neste local. MÉTODOS. Realiza estudo epidemiológico descritivo, retrospectivo, documental e quantitativo a partir de informações obtidas na base de dados do Sistema Informatizado de um hospital privado do município de São Luís/MA. As classes de antibióticos estudadas foram as Cefalosporinas, Carbapenêmicos, Imidazólicos, Glicopeptídeos, Aminoglicosídeos e as Penicilinas. RESULTADOS. Revela que a classe de antimicrobianos mais utilizada foi a Cefalosporina, com 51,98% dos registros. Em seguida, encontram-se as Quinolonas, com 14,45%. Os Carbapenêmicos, Imidazólicos e os Glicopeptídeos apresentaram valores percentuais próximos, com, respectivamente, 9,92%, 8,60% e 7,73% das saídas registradas. As classes que apresentam menor saída foram os Aminoglicosídeos e as Penicilinas, apresentando 4,63% e 2,69%. CONCLUSÕES. Os resultados demonstram que a antibioticoterapia é iniciada na maior parte dos casos com antibióticos de amplo espectro, visto que as Cefalosporinas apresentaram mais de 50% das prescrições na maioria dos casos. P055 [357] ALTA HOSPITALAR: UM ENFOQUE FARMACÊUTICO. LIETE DE FÁTIMA GOUVEIA MARQUES1; IZABEL CRISTINA FURTADO2; LUCIANA CRISTINA REIS DI MONACO3; GIANE SANTANA ALVES OLIVEIRA4. 1,2,3,4.INSTITUTO RACINE, SÃO PAULO, SP, BRASIL; 2,3.INSTITUTO RACINE, SÃO PAULO, SP, BRASIL; 3.INSTITUTO RACINE, SÃO PAULO, SP, BRASIL; 4.INSTITUTO RACINE, SÃO PAULO, SP, BRASIL. Palavras-chave: alta hospitalar; orientação ao paciente; atenção farmacêutica Resumo: ALTA HOSPITALAR: UM ENFOQUE FARMACÊUTICO MARQUES, LIETE DE FÁTIMA GOUVEIA; FURTADO, IZABEL CRISTINA; REIS-DI MONACO, LUCIANA CRISTINA; OLIVEIRA, GIANE SANTANA ALVES. Pós-graduação em Atenção Farmacêutica – Instituto Racine. São Paulo. Após alta hospitalar, os pacientes são especialmente vulneráveis a riscos devido ao despreparo para o auto-cuidado em casa e à falta de continuidade do atendimento. Esses problemas podem causar eventos adversos relacionados a medicamentos e aumento da utilização de serviços de saúde. Estudos demonstram que a atuação de farmacêuticos na alta hospitalar reduz as discrepâncias entre os regimes farmacoterapêuticos pré e pós-hospitalização, as taxas de eventos adversos relacionados a medicamentos,
  40. e a necessidade de readmissão hospitalar e de atendimento em serviços de urgência. Os objetivos deste trabalho são promover discussão e reflexão sobre o papel do farmacêutico na alta hospitalar, e fornecer informações que colaborem para o desenvolvimento e consolidação desta importante função assistencial. Foi realizada revisão de literatura por meio de acesso às bases eletrônicas de dados do Pubmed, Medline, Scielo e Google Acadêmico, bem como pesquisa em teses, dissertações e livros relacionados ao tema. As informações coletadas permitem abordar as oportunidades de atuação do farmacêutico junto ao paciente em alta hospitalar, especificamente quanto à reconciliação de medicação, orientação ao paciente, elaboração do plano de alta hospitalar, e seguimento do paciente após hospitalização, além das barreiras e fatores facilitadores para a atuação do farmacêutico na alta hospitalar. O trabalho demonstra que, por meio da participação em diversas atividades, o farmacêutico pode contribuir com a prevenção e resolução de problemas relacionados ao uso de medicamentos e, assim, compartilhar, com os pacientes e demais membros da equipe de saúde, a responsabilidade pelos resultados farmacoterapêuticos após alta hospitalar, em sintonia com os princípios da atenção farmacêutica. P056 [344] ATUAÇÃO MULTIDISCIPLINAR PARA GARANTIA DA SEGURANÇA DE FÁRMACOS TERMOLÁBEIS NO HOSPITAL A.C.CAMARGO. IVONE SANTIAGO LOPES; REGINA ATTIÊ; ADRIANA BAPTISTA DA CRUZ LÖFFEL; EDNA AKEMI KATO TANAKA; ELIANA GUADALUPE MORGANTI DO LAGO; BRUNO ANDRADE COSTA; RENATA CRISTINA ZANETTI DELLA BETTA CHIAROTI; EDERSON QUEIROZ ANGELO; MARIA DAS GRAÇAS MATSUBARA; LAÉRCIO DERENZO. HOSPITAL A. C. CAMARGO, SAO PAULO, SP, BRASIL; HOSPITAL A. C. CAMARGO, SAO PAULO, SP, BRASIL; HOSPITAL A. C. CAMARGO, SAO PAULO, SP, BRASIL; HOSPITAL A. C. CAMARGO, SAO PAULO, SP, BRASIL; HOSPITAL A. C. CAMARGO, SAO PAULO, SP, BRASIL; HOSPITAL A. C. CAMARGO, SAO PAULO, SP, BRASIL; HOSPITAL A. C. CAMARGO, SAO PAULO, SP, BRASIL; HOSPITAL A. C. CAMARGO, SAO PAULO, SP, BRASIL. Palavras-chave: medicamentos termolábeis ; equipe multidisciplinar ; processo logístico Resumo: Introdução: Atualmente os medicamentos termolábeis representam 10% do arsenal terapêutico padronizado no Hospital A. C. Camargo e é imprescindível manter a qualidade e segurança dessa categoria de produtos farmacêuticos em todas as etapas da cadeia logística - desde o recebimento na Instituição até a administração nos pacientes - de forma a contribuir com o sucesso da terapêutica medicamentosa. Método: No período de janeiro a fevereiro de 2009, as equipes de Farmácia, Enfermagem e Central de Recebimentos se reuniram e analisaram criticamente o fluxo da rede do frio para implantações de melhorias no processo logístico. Resultados: Em março de 2009 foram implantadas as seguintes melhorias: utilização de termômetro infravermelho para aferição de temperatura dos medicamentos no ato da entrega pelo fornecedor tecnicamente homologado, emissão de parecer pelo Farmacêutico, o qual é acionado no caso de entregas com temperaturas fora da faixa preconizada entre 2ºC e 8ºC, disponibilização de refrigeradores projetados para armazenamento de medicamentos e equipados com termômetros digitais, sistema de alarme e acionamento via telefone celular às equipes de Engenharia Clínica e Farmacêuticos para situações de intercorrências na estabilização das temperaturas definidas para os mesmos, identificação de fácil visualização para dispensação com etiquetas de “termolábeis”, viabilização de caixas térmicas para o transporte da Farmácia até as Unidades de Internação, Unidades de Terapia Intensiva e Centro Cirúrgico, além do controle diário das temperaturas dos refrigeradores dos Postos de Enfermagem pelo Enfermeiro da Unidade. Conclusão: O planejamento logístico multidisciplinar adequado e os investimentos hospitalares realizados na Rede do Frio são de relevância significativa para a garantia da estabilidade dos fármacos termolábeis com foco na excelência da farmacoterapêutica.
  41. P057 [350] AVALIAÇÃO DA TROMBOPROFILAXIA EM UM HOSPITAL DE GRANDE PORTE DE NITERÓI. LETICIA LIMA DIAS MOREIRA FERREIRA1; LILIANE CUNHA DE SÁ2; PAULO CÉSAR SANTOS DIAS3; ZAIRA COELHO ALVES FILHA4. 1.HOSP. CLINICAS NITEROI, NITEROI, RJ, BRASIL; 2,3,4.HOSP. CLÍNICAS DE NITEROI, NITEROI, RJ, BRASIL; 3.HOSP. CLÍNICAS DE NITEROI, NITEROI, RJ, BRASIL; 4.HOSP. CLÍNICAS DE NITEROI, NITEROI, RJ, BRASIL. Palavras-chave: tromboembolismo; profilaxia; hospital Resumo: AVALIAÇÃO DA TROMBOPROFILAXIA EM UM HOSPITAL DE GRANDE PORTE DE NITERÓI LIMA DIAS MOREIRA FERREIRA, LETÍCIA; CUNHA DE SÁ, LILIANE; SANTOS DIAS, PAULO CÉSAR; COELHO ALVES FILHA, ZAIRA O tromboembolismo é provocado pela obstrução da circulação por coágulos que se formam no local ou que são liberados de um trombo em outro local do corpo. Inclui a trombose venosa profunda, trombose associada a cateteres venosos centrais e sua complicação mais grave que é a embolia pulmonar. É uma doença com importante causa de morbimortalidade na população em geral, de alta recorrência e ainda muito comum principalmente pelo desconhecimento de técnicas adequadas de profilaxia. Representa um número elevado entre pacientes internados em hospitais, uma vez que muitos possuem algum fator de risco para o desenvolvimento do tromboembolismo. O objetivo do presente estudo foi avaliar, retrospectivamente, a adequação da profilaxia farmacológica ou não de pacientes internados em um hospital de grande porte na cidade de Niterói. Foram analisados aleatoriamente, 154 prontuários do período de dezembro de 2009 a abril de 2010, buscando informações sobre o histórico de internação do paciente clínico, ou se cirúrgico, qual a cirurgia, uma vez que a própria cirurgia pode apresentar risco para o desenvolvimento da doença, observando-se se apresentavam fatores de risco ou contra indicações farmacológicas para definir se estavam adequadamente protegidos da doença. Entre os pacientes avaliados, 41 eram pacientes clínicos, sendo 68% do sexo masculino e 32% feminino, com idade média de 50,7 anos (18 a 94 anos) e tempo de internação médio de 17,4 dias (1 a 210 dias) e destes 68% apresentavam mobilidade reduzida, 34% possuíam pelo menos um fator de risco adicional e menos de 5% apresentaram alguma contra-indicação farmacológica. Neste grupo de pacientes, a tromboprofilaxia estava indicada para 63% e 85% destes estavam conformes e dos 37% em que não se aplicava a profilaxia, 57% estavam conformes. No grupo de pacientes cirúrgicos foram avaliados 113 prontuários, sendo que a idade média encontrada foi de 39 anos (15 a 75 anos), com tempo médio de internação de 2,04 dias (1 a 17 dias), e a duração média das cirurgias de 80,56 minutos (15 a 330 minutos). Neste grupo 35% apresentaram algum fator de risco adicional e menos de 10% estavam contra-indicados farmacologicamente. 81% dos pacientes que realizaram cirurgias no grupo avaliado possuíam indicação para a profilaxia, estando em conformidade 79% deles, e dos 19% em que não se aplicava a profilaxia 97 % estavam conformes. Os pacientes hospitalizados clínicos ou cirúrgicos apresentam elevado índice de indicação à profilaxia tromboembólica, estando na maioria dos casos com a mesma prescrita, seja farmacológica ou mecânica. Ainda existem pacientes em risco de desenvolver o tromboembolismo e que não estavam sendo protegidos. Buscando-se adequar 100% dos pacientes internados no hospital iniciou-se a preparação de um protocolo específico para a avaliação do risco nos pacientes. P058 [337] PROTOCOLO PARA O USO DE ALBUMINA HUMANA COMO FERRAMENTA PARA A RACIONALIZAÇÃO DE SEU CONSUMO. RODRIGO PRIMO DE SOUSA1; DIOGO CORRÊA NEVES2; PRISCILA BARRETO PESSANHA3; PAMELLA DE SOUZA ALVES4; LAYLA MOTTA DO AMARAL RIBEIRO GOMES5. 1,2,3,4,5.HOSPITAL GERAL DR. BEDA, CAMPOS DOS GOYTACAZES, RJ, BRASIL; 2,3,4.HOSPITAL GERAL DR. BEDA, CAMPOS DOS GOYTACAZES, RJ, BRASIL; 3.HOSPITAL GERAL DR. BEDA, CAMPOS DOS GOYTACAZES, RJ, BRASIL; 4.HOSPITAL GERAL DR. BEDA, CAMPOS DOS GOYTACAZES, RJ, BRASIL; 5.HOSPITAL GERAL DR. BEDA, CAMPOS DOS GOYTACAZES, RJ, BRASIL.
  42. Palavras-chave: albumina; protocolo de uso; racionalização do consumo de drogas Resumo: INTRODUÇÃO: A albumina humana vem sendo utilizada na prática clínica há mais de 50 anos, porém o seu uso ainda é muito controverso, levando a discussões que originaram várias publicações científicas em periódicos sobre o tema, discutindo inclusive, os custos relacionados ao seu uso indevido. A partir de estudos mais recentes, que avaliaram desfechos mais significativos com relação à mortalidade dos pacientes tratados, obteve-se maior clareza com ralação ao seu uso. Os objetivos deste trabalho foram elaborar um protocolo para a utilização de albumina humana no Hospital Geral Dr. Beda, baseado nas indicações preconizadas pelas diretrizes da RDC 115 da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) de 2004, bem como avaliar o seu impacto direto no consumo deste produto. MÉTODOS: Elaborar e implantar um protocolo para a utilização de albumina baseado na RDC 115 da ANVISA, na forma de um formulário de requisição/justificativa e posteriormente levantar no banco de dados do Hospital Geral Dr. Beda o consumo mensal de albumina humana antes e após sua implantação. RESULTADOS: O protocolo, bem como, o formulário de requisição/justificativa para o uso de albumina humana foi elaborado em conjunto com a direção clínica do hospital e começou a ser utilizado em Maio de 2009, sendo obrigatória a sua apresentação, devidamente preenchido pelo médico prescritor, para que o serviço de farmácia liberasse a albumina humana para o tratamento dos pacientes. O consumo médio de Albumina Humana levantado no período de Janeiro a Abril de 2009 foi de 311,5 frascos/mês. Após a adoção do protocolo para utilização de albumina o consumo médio passou a ser de 85 frascos/mês para o período de Maio/2009 a Abril/2010; demonstrando uma redução de 72,71% no consumo de albumina humana no hospital. CONCLUSÃO: A adoção de um protocolo para a utilização de albumina humana pelo hospital mostrou ser uma ferramenta bastante eficaz para a racionalização de seu uso, trazendo uma significativa redução no seu consumo, e conseqüentemente, tendo reflexos diretos na diminuição dos custos hospitalares. P059 [406] RISCOS DE INTERAÇÕES MEDICAMENTOSAS EM PRESCRIÇÕES DE UM HOSPITAL PÚBLICO. REBEKA ALVES CARIBÉ1; VERÔNICA CRISTINA FONSECA DA SILVA2. 1.HOSPITAL PEDIÁTRICO MARIA CRAVO GAMA, RECIFE, PE, BRASIL; 2.HOSPITAL GETÚLIO VARGAS, RECIFE, PE, BRASIL. Palavras-chave: interação medicamentosa; prescrição médica; pediatria Resumo: Introdução: Na atualidade as interações medicamentosas representam um dos temas mais importantes na pratica clínica dos profissionais de saúde, sendo descrita quando um fármaco exerce ação sobre outro, alterando as propriedades farmacocinéticas e farmacodinâmicas. Em alguns casos, as interações medicamentosas podem potencializar seus efeitos terapêuticos, ocorrendo este fenômeno, podemos utilizar para otimizar o tratamento do paciente. Entretanto, algumas interações medicamentosas podem ser prejudiciais para os pacientes comprometendo o êxito da intervenção farmacológica. Nesse sentido, faz-se necessário um acompanhamento criterioso do uso de medicamentos tendo o farmacêutico papel primordial na vigilância do uso correto dos medicamentos. Objetivo: Identificar os riscos de interações das diversas classes farmacológicas contidas nas prescrições dos pacientes pediátricos internados. Metodologia: Estudo descritivo-exploratório e retrospectivo, com abordagem quantitativa de hospital pediátrico que possui 50 leitos. A coleta de dados foi realizada com base nas prescrições médicas durante o período de abril a maio de 2009. Os resultados foram analisados com auxílio do Programa Microsoft Excel. Resultados: Foram analisadas 90 prescrições médicas, destas apenas 22% apresentavam risco de interações medicamentosas. Dentre as interações detectadas as que apresentavam maior frequência foram: gentamicina + ampicilina (50%), gentamicina + hidrocortisona (15%), dipirona+ hidrocortisona (30%) e cefalotina + dipirona (4%) e outras (1%). A média de medicamentos prescritos foi de 2,5 medicamentos para cada prescrição. Conclusão: De acordo com os resultados, pode-se afirmar que as prescrições apresentaram relativamente baixo risco de interações medicamentosas sugerindo que o cumprimento dos protocolos terapêuticos existentes na literatura por parte do corpo clínico racionaliza o uso de medicamentos na instituição, bem como a atuação do farmacêutico na equipe multidisciplinar contribui para o êxito da farmacoterapia e conseqüentemente para o bem-estar dos pacientes. P060
  43. [403] ESTUDO PILOTO DO USO DE MIDAZOLAM EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSINA NUM HOSPITAL DE REFERÊNCIA. REBEKA ALVES CARIBÉ1; ANA FLÁVIA FERRAZ DE SÁ2. 1.UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO, RECIFE, PE, BRASIL; 2.HOSPITAL INFANTIL MARIA LUCINDA, RECIFE, PE, BRASIL. Palavras-chave: midazolam; interação medicamentosa; farmácia clínica Resumo: Introdução: O Midazolam é derivado de 1,4 benzodiazepina, de formula química C18H13ClFN3, à semelhança do diazepam, faz parte da classe dos benzodiazepínico, largamente utilizado no Brasil. O seu principal mecanismo de ação é nos receptores gabarérgicos aumentando a permeabilidade neuronal aos íons cloretos, colocando a célula em um estado de hiperpolarização, tendo indicações terapêutica como hipnótico, ansiolítico, anticonvulsivante e miorrelaxante. Além disso, seus efeitos são dependentes da dose administrada, da via de administração e da união simultânea com outros fármacos. Por esse fato, faz- se pertinente o estudo detalhado e específico desse importante fármaco em unidade de terapia intensiva. Objetivo: Analisar o uso de midazolam na unidade de terapia intensiva do Hospital Infantil Maria Lucinda, Recife, Pernambuco, durante o período de abril a maio de 2010. Metodologia: Estudo descritivo-exploratório e retrospectivo, em um hospital que possui 10 leitos na unidade de terapia intensiva. A coleta de dados foi realizada com base nas prescrições médicas com analise das seguintes informações: interações com outros farmácos, posologia e média de medicamentos por prescrição. Resultados: Foram analisadas 20 prescrições que continham midazolam, destas 87,7% apresentavam interações medicamentosas. Dentre as interações detectadas as que apresentavam maior importância foram: midazolam + fentanil (78,7%) e midazolam + metoclopramida (64,7%) indicando que muitas vezes foram encontradas mais de uma interação por prescrição. No que diz respeito à quantidade diária de midazolam utilizada pelos pacientes foram de 50 mg, 100 mg, 150 mg e 300 mg correspondendo 42,9%, 7,1%, 35,7% e 14%, respectivamente. A média de medicamentos prescritos foi de 7,8 medicamentos para cada prescrição. Conclusão: Os resultados demonstrados confirmam a real necessidade da presença do farmacêutico clínico na unidade de terapia intensiva como uma ferramenta valiosa para identificar e evitar possíveis problemas relacionados com medicamentos (PRMs). Nesse sentido, esse estudo piloto guiará as futuras ações de monitoramento e maior interatividade com o corpo clínico com o intuito de otimizar a farmacoterapia dos pacientes. P061 [404] ESTUDO DO USO DE CEFTRIAXONA EM UM HOSPITAL DA REGIÃO METROPOLITANA DO RECIFE- PERNAMBUCO. REBEKA ALVES CARIBÉ1; GEANE RODRIGUES CHAVES2. 1,2.HOSPITAL PEDIÁTRICO MARIA CRAVO GAMA, RECIFE, PE, BRASIL; 2.HOSPITAL PEDIÁTRICO MARIA CRAVO GAMA, RECIFE, PE, BRASIL. Palavras-chave: ceftriaxona; ccih; uso correto de antimicrobianos Resumo: Introdução: Os antimicrobianos é a classe de medicamentos mais utilizados no âmbito hospitalar devido ao seu uso indiscriminado surgiram várias cepas multiressistentes de diversos microorganismos. A ceftriaxona é largamente utilizada sendo classificada como uma cefalosporina de terceira geração que apresenta um amplo espectro de ação contra as bactérias gram negativas e gram positivas. A literatura cientifica preconiza o seu uso principalmente para o tratamento de infecões urinárias, respiratórias, de pele e tecidos moles e amigdalites, porém não apresenta atividade contra infecções causadas por enterococos e estafilococos meticilina resistentes. Por este fato, faz-se pertinente o estudo detalhado e especifico desse fármaco em unidades hospitalares pediátricas. Objetivo: Analisar o uso de ceftriaxona em pacientes internados no Hospital Pediátrico Maria Cravo Gama durante o ano de 2009, Metodologia: Estudo descritivo-exploratório e retrospectivo, com abordagem quantitativa de um hospital pediátrico que possui 50 leitos. A coleta de dados foi realizada com base nas prescrições médicas e dos relatórios mensais da CCIH, as seguintes informações foram consolidadas: quantidade consumida, segurança da dose administrada e informações sobre diluição e administração. Os resultados foram analisados com auxílio do Programa Microsoft Excel. Resultados: Foram analisadas 2.288 requisições de antimicrobianos, destas as cefalosporinas representaram a segunda maior classe prescrita (34,5%). Dessa totalidade, aproximadamente 26,61% das prescrições continham ceftriaxona, isto significa que 210 crianças utilizaram esse antimicrobiano. No que diz respeito ao uso seguro das ceftriaxona, cerca de 100 % das prescrições estavam na faixa segura de dose de acordo com a relação dose / peso corpóreo. Como
  44. também, aproximadamente 85% das prescrições continham informações referentes à reconstituição e administração deste antibiótico. Conclusão: De acordo com os indicadores avaliados, a ceftriaxona está sendo usada de forma racional na unidade, porém as informações sobre diluição e administração devem ser monitoradas com a finalidade de evitar erros e desperdícios do referido fármaco na instituição. Vale salientar que a farmácia e a CCIH são importantes no planejamento de estratégias para a promoção do uso racional dos antimicrobianos. 01/06/2010 à 03/06/2010 08:00-17:00 EXPO CENTER NORTE HALL DE EXPOSIÇÃO GESTÃO FARMACÊUTICA P062 [386] AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE TRANSPORTE PARA A ENTREGA DE MEDICAMENTOS EM TODO O TERRITÓRIO NACIONAL. SONJA HELENA MADEIRA MACEDO1; SAULO DE CARVALHO JUNIOR2; EGBERTO GOMES FRANCO3. 1,2,3.FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO DE SÃO PAULO-FAPI, SÃO PAULO, SP, BRASIL; 2.FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO DE SÃO PAULO-FAPI, SÃO PAULO, SP, BRASIL; 3.FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO DE SÃO PAULO- FAPI, SÃO PAULO, SP, BRASIL. Palavras-chave: tranporte de medicamentos; logística farmacêutica; modelos de transporte Resumo: Introdução Os termos conceituais em logística inseridos no segmento farmacêutico é algo recente, devido principalmente aos avanços da regulamentação sanitária sobre as atividades de distribuição de medicamentos. Logística Farmacêutica consiste no planejamento, implementação, controle eficiente e eficaz do fluxo de distribuição, dos custos, controle das informações, das etapas de armazenamento e transporte de produtos farmacêuticos até a venda ou fornecimento ao usuário final, garantindo a integridade, segurança e eficácia de seu uso. Ampliar o acesso da população a medicamentos tem sido um dos grandes desafios impostos ao poder público brasileiro, considerando entre outros aspectos as dificuldades de acesso a algumas regiões e os riscos inerentes à qualidade do medicamento, que afetam a entrega de medicamentos no território nacional. Sendo assim, o objetivo principal deste trabalho é apresentar as opções de modelos de transporte utilizados nas atividades logísticas ofertadas no mercado nacional, como modelo estratégico para garantir o acesso da população brasileira ao medicamento no âmbito público e privado. Métodos Foi realizado levantamento das transportadoras de carga farmacêutica do Brasil, inclusive os Correios, utilizando dados das seguintes fontes: Agência Nacional de Vigilância Sanitária, revistas do segmento logístico e dados de entidades do segmento, seguido de análise quantitativa considerando os seguintes aspectos: área de abrangência geográfica, total de frota de veículos, perfil das operações de transporte e regularidade sanitária. Resultados Tendo em vista a localização dos principais centros produtores de medicamentos na região sudeste e centro-oeste, os modelos pesquisados permitem classificar a oferta de serviços de transporte por regiões, tais como: distribuição nacional, distribuição regional e distribuição estadual. As operações de distribuição de medicamentos envolvem o fracionamento da carga com predominância de empresas distribuidoras e centros de distribuição públicos em todos os Estados Brasileiros. Conclusão O transporte de medicamentos no Brasil é caracterizado pela presença de operações de multimodalidade, o que faz com que o medicamento percorra vários prestadores de serviços até a chegada ao usuário final.
  45. Diante desta realidade, faz-se necessária a implantação de um sistema de gestão da qualidade nas transportadoras, de forma a permitir a minimização dos riscos à qualidade do produto farmacêutico e entrega ao usuário final no prazo necessário. P063 [376] DESENVOLVIMENTO DE UMA METODOLOGIA PARA GESTÃO DE QUALIDADE NO SERVIÇO DE ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA. MARISTELA FERREIRA CATÃO CARVALHO1; GRAZIELA LUPPI2. 1.INSTITUTO PAULISTA DE GERIATRIA E GERONTOLOGIA, SÃO PAULO, SP, BRASIL; 2.FREQÜÊNCIA MÊS DE MAIO 2010, SÃO PAULO, SP, BRASIL. Palavras-chave: assistência farmacêutica; qualidade; gestão Resumo: A gestão da qualidade consiste numa estratégia de administração orientada a criar consciência da qualidade em todos os processos organizacionais. É referida como "total", uma vez que o seu objetivo é a implicação não apenas de todos os escalões de uma organização, mas também da organização estendida, ou seja, seus fornecedores, distribuidores e demais parceiros de negócios. Compõe-se de diversos estágios, como por exemplo, o planejamento, a organização, o controle e a liderança. A gestão aumenta a produtividade; reduz os custos internos; melhora a imagem e os processos de modo contínuo; possibilita acesso mais fácil a novos mercados. Objetivo: Proporcionar qualidade no serviço prestado pela Assistência Farmacêutica em um ambulatório de especialidade ao idoso. Metodologia: No gerenciamento da Assistência Farmacêutica do IPGG, desde 2008, tem sido aplicadas ferramentas de gestão de qualidade, adotado estilo de liderança situacional e promovido ações de motivação para o funcionário. As ferramentas de gestão se referem a: Gráfico de Pareto, Diagrama de Causa Efeito (Diagrama de Ishikawa), Histograma, Verificação e Fluxograma. Foi escolhido um tipo de liderança e metodologias para promover motivação dos funcionários. Para avaliar o nível de qualidade do serviço de Assistência Farmacêutica, foi realizada a pesquisa de satisfação (usuário e funcionário), no primeiro trimestre de 2010, com questionário de auto-preenchimento, o grau de satisfação foi classificado em três pontuações, de acordo com a nota atribuída à Farmácia sendo: de 0 a 3: ruím, 4 a 6: regular, 7 a 10 ótimo. Resultado: Em relação ao gráfico de Pareto, foi aplicado a Curva ABC e a XYZ, que indicou quais medicamentos de maior gasto e os primordiais para o atendimento. No diagrama de Ishikawa, detectaram-se quais eram as causas para a falta de medicamento, e a partir das causas foram desenvolvidas ações para a resolução do problema. Quanto ao histograma, foram desenvolvidos indicadores a fim de proporcionar valores que permitam acompanhar e analisar o serviço de assistência farmacêutica ao longo do tempo, como gasto de medicamento por indivíduo, prescrição por medicamento genérico, entre outros. A verificação se refere ao planejamento estratégico, acompanhado por meio de planilha. O fluxograma se refere ao Procedimento Operacional Padrão, no qual os funcionários foram treinados a desempenhar o serviço conforme o procedimento. A liderança foi modulada de acordo com a situação variando entre autocrática, democrática e liberal. Quanto à motivação, foram desenvolvidos cursos de treinamentos e capacitação, além da confraternização entre a equipe. A pesquisa de satisfação do usuário ao serviço da Farmácia foi classificada como ótima, sendo 100% de satisfação pelos funcionários e 93% pelos pacientes. Conclusão: A qualidade da Assistência Farmacêutica foi atingida, visto que os usuários mostraram alto grau de satisfação. Portanto, as ferramentas para gestão, assim como o estilo de liderança são fundamentais para obter a qualidade de um serviço. P064 [362] IMPORTÂNCIA DA FARMACOECONOMIA EM ONCOLOGIA. ALINE DE CAMARGO BILITARDO ABIB. CENTRO ONCOLOGICO DE MOGI DAS CRUZES, MOGI DAS CRUZES, SP, BRASIL. Palavras-chave: farmacoeconomia; oncologia; medicamentos Resumo: INTRODUÇÃO: Os gastos com medicamentos no Brasil e no mundo vem se tornando uma ameaça à sustentabilidade do sistema público de saúde. Este aumento esta relacionado a diversos fatores como, aumento da expectativa de vida, novos fármacos, dinamismo epidemiológico e uso inadequado dos medicamentos, ou seja irracionalidade do uso de medicamentos seja por auto medicação ou mesmo pelo profissional. Dentro de uma Unidade de saúde, dentre vários outros papeis do farmacêutico, esta o de promover o uso racional de medicamentos bem como aliar custo a qualidade, e tudo isto pode ser feito
  46. através da padronização de medicamentos, que deverá ser feita por toda a equipe multidisciplinar incluindo gestores e assim foi feito no Centro Oncológico de Mogi das Cruzes com a padronização de medicamentos e laboratórios. MÉTODOS: Ao longo de um ano, fizemos uma cotação mensal. Foram realizadas as compras aliando preço e qualidade. Somente laboratórios devidamente credenciados junto a empresa poderiam participar desta cotação. Foram realizados estudos de farmacotécnica verificando também a qualidade deste medicamento durante sua manipulação. Em paralelo fizemos também um trabalho na aquisição de soros em um período de novembro de 2007 até novembro de 2008. RESULSTADOS: Verificamos através do gráfico abaixo, uma redução significante dos valores dos produtos adquiridos entre os meses de março de 2009 e março de 2010, lembrando que a qualidade dos medicamentos foi mantida. O medicamento gencitabina 1g e oxaliplatina 100mg tiveram uma redução importante, sendo que os demais medicamentos tiveram leve redução. Isto nos mostra que um trabalho de cotação bem como uma padronização dos medicamentos nos permite conseguir um custo menor para produtos de qualidade .Em relação aos soros verificamos também uma queda significante nos valores, o que é de muita importância para a instituição em virtude de que grande parte nos medicamentos devem ser infundidos. 01/06/2010 à 03/06/2010 08:00-17:00 EXPO CENTER NORTE HALL DE EXPOSIÇÃO OUTROS P065 [346] MÉTODO IODATIMÉTRICO PARA ANÁLISE DE TEOR E UNIFORMIDADE DE CONTEÚDO DE CAPTOPRIL 20MG CÁPSULAS: UMA ALTERNATIVA PARA O MONITORAMENTO MAGISTRAL. MARCO AURÉLIO LAMOLHA1; LEILA ALVES DE SENNA2; SHEILA RODRIGUES3; RAFAEL DA SILVA SANTOS4. 1,2.UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU, SAO PAULO, SP, BRASIL; 2.UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU, SÃO PAULO, SP, BRASIL; 3,4.FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS-FMU, SÃO PAULO, SP, BRASIL; 4.FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS-FMU, SÃO PAULO, SP, BRASIL. Palavras-chave: captopril; iodatimetria; monitoramento magistral Resumo: Introdução: Em função das novas exigências sanitárias estabelecidas pela RDC 67/2007, atualizada pela RDC 87/2008, as farmácias magistrais deverão monitorar os processos de manipulação de formas sólidas, através da realização de análises de determinação de peso, teor e uniformidade de conteúdo, em preparações cuja unidade farmacotécnica contenha fármacos em quantidades inferiores a 25mg. Em função do alto custo relacionado á terceirização destas análises, o presente trabalho tem como objetivo apresentar um método volumétrico oficial, devidamente verificado, como alternativa para realização do monitoramento de cápsulas contendo 20mg de captopril, na própria farmácia. Métodos: Para a determinação da uniformidade de conteúdo, a metodologia da Farmacopéia Brasileira 4ª ed. (2001) foi adaptada com o objetivo de conseguir dosar quantidades de captopril na ordem de 20 mg. Para tanto, utilizou-se uma solução de iodato de potássio com concentração 10 vezes menor (0,0015M). Foram verificados os parâmetros; linearidade e range, precisão (repetibilidade e precisão intermediária), exatidão. Para verificar a aplicabilidade do método cápsulas contendo 20mg de captopril e 75mg de celulose microcristalina foram manipuladas e avaliadas quanto à uniformidade de conteúdo. Resultados: A metodologia proposta para o monitoramento do processo, linearizada pelo métodos dos mínimos quadrados, cuja equação representativa é Y= 0,4616x + 0,7674 (r2=0,9994), apresentou linearidade precisão e exatidão, dentro do intervalo de 15,0 a 26,0 mg de captopril.
  47. Conclusão: A metodologia volumétrica avaliada demonstrou ser de fácil realização, passível de aplicação na realidade de farmácias magistrais que possuam um laboratório de controle equipado para a realização de análises volumétricas. Não necessitando grandes investimentos com a aquisição de instrumentação analítica sofisticada. P066 [340] AVALIAÇÃO COMPARATIVA DA QUALIDADE DE COMPRIMIDOS DE PREDNISONA COMERCIALIZADOS NO BRASIL. FREDERICO VELASCO COSTA SANGUEDO. UNESA, CAMPOS DOS GOYTACAZES, RJ, BRASIL. Palavras-chave: qualidade; comprimidos; prednisona Resumo: O objetivo deste trabalho foi avaliar a qualidade de comprimidos de prednisona 20 mg comercializados no Brasil, provenientes de três indústrias farmacêuticas identificadas como A, B e C. Além disso, realizar a constante monitoração dos parâmetros farmacopéicos em vista da defesa da saúde pública e acesso da população a medicamentos com segurança e eficácia asseguradas. A prednisona é um glicocorticóide sintético utilizado no tratamento de diversos distúrbios inflamatórios, hematológicos, alérgicos e também apresenta ação imunossupressora. A indústria A representou o medicamento genérico e os comprimidos das indústrias B e C representaram os medicamentos similares. Os comprimidos foram avaliados visando estabelecer a caracterização das suas propriedades mecânicas, bem como fornecer um prognóstico da biodisponibilidade do fármaco através de ensaios in vitro de dissolução. A identificação e quantificação do fármaco foram realizadas por espectrofotometria de absorção no ultravioleta a 239 nm. As amostras dos medicamentos foram avaliadas em relação ao peso médio (uniformidade de peso das unidades), dureza (resistência do comprimido ao esmagamento), friabilidade (resistência do comprimido ao rolamento), doseamento (teor de fármaco nos comprimidos) e dissolução (teor do fármaco liberado no meio de dissolução) a partir da forma farmacêutica, conforme a metodologia descrita pela Farmacopéia Brasileira 4. ª edição. As análises foram realizadas em duplicata para os medicamentos das três indústrias. De acordo com os resultados, todos os produtos avaliados foram aprovados nos testes. Os testes físicos demonstraram resultados satisfatórios para as indústrias avaliadas. Os testes de doseamento verificaram que o teor do fármaco foi maior do que o limite mínimo e inferior ao máximo preconizado pela Farmacopéia Brasileira. O ensaio de dissolução permitiu observar que o medicamento genérico foi aquele com maior liberação do fármaco para o meio de dissolução se comparado aos demais. Dessa forma, pode- se avaliar que as exigências legais a respeito dos critérios de qualidade estão sendo cumpridas pelas indústrias farmacêuticas fabricantes de comprimidos de prednisona 20 mg no Brasil. P067 [422] ESTUDO ETNOFARMACOLOGICO E MACROSCÓPIA DOS ÓRGÃOS DE CAMUNDONGOS TRATADOS COM LAMINARIA SACCHARINA. FLÁVIA PAULINO SANTOS1; EVANDRO VALENTIM SILVA2; JOÃO GOMES PONTES NETO3; WELLIGTON SOUTO FONTES JÚNIOR4; MAYARA PEREIRA SOUZA5; GIANE GUEDES SOUSA6; FALBA RAMOS ANJOS7; RITA DE CÁSSIA XAVIER CARVALHO8; IVONE ANTONIA SOUZA9; GEORGE CHAVES JIMENEZ10; JOSÉ FERREIRA SILVA NETO11. 1,2,3,4,5,6,7,9.UFPE, RECIFE, PE, BRASIL; 2.UFPE, RECIFE, PE, BRASIL; 3,4.UFPE, RECIFE, PE, BRASIL; 4.UFPE, RECIFE, PE, BRASIL; 5.UFPE, RECIFE, PE, BRASIL; 6.UFPE, RECIFE, PE, BRASIL; 7.UFPE, RECIFE, PE, BRASIL; 8.UPE, RECIFE, PE, BRASIL; 9.UFPE, RECIFE, PE, BRASIL; 10,11.UFRPE, RECIFE, PE, BRASIL. Palavras-chave: laminaria saccharina; morfologia; toxicidade Resumo: RESUMO Introdução: A Laminaria consiste num gênero de algas pardas que vêm atraído a atenção de pesquisadores por serem fonte de várias substâncias com propriedades importantes, de valor especial tem-se o ácido algínico subjacente a fabricação de alginato e fucoidanos. Numerosos estudos têm mostrado que fucoidanos exibem uma grande variedade de atividades biológicas, dentre estes se destaca a atividade
  48. anti-tumoral, antiinflamatória e anti-viral, a interferência na angiogênese e estimulação na proliferação de fibroblastos. Podem ainda atuar como inibidores das vias alternativa e clássica do complemento (PEREIRA, 1999; BERTEAU, 2003; MOURAO, 2004; KUZNETSOVA, 2004). O presente estudo objetivou avaliar os efeitos dos metabólitos secundários, assim como analisar macroscopicamente os órgãos de camundongos tratados com extrato aquoso da Laminaria intestinalis, uma alga encontrada no mesolitoral Pernambuco. Metodologia: As algas foram coletas nos períodos de estiagem e chuvoso, de 2009, no litoral de Pernambuco, durante o período da manhã, na maré baixa. As amostras foram processadas e estocadas para preparação do extrato. Foram utilizados camundongos machos albinos Swiss (Mus musculus), com aproximadamente 60 dias de nascidos e peso entre 25 e 30g. Resultados: Os animais tratados com extrato aquoso (EA) de L. saccharina com doses acima de 1000mg/kg/ip apresentaram os seguintes efeitos: movimentos circulares, marcha em monobloco, contorções, reação de fuga, postura estática, postura em garra, distensão abdominal, saltos, inversão de marcha, cauda em chicote, sinais pré-convulsivos, tremores grosseiros, ereção de cauda, movimento rápido, refluxo, torpor, e em alguns períodos os animais não respondiam aos estímulos sonoros. No exame de anatomia macroscópica foram observadas alterações em órgão vitais, tais como alteração na coloração do coração, pulmão e fígado hemorrágico, rim edemaciado com hilo escuro, testículos e tecido adiposo edemaciado. Após 24de experimento os animais ainda encontravam-se reativos, durante o período de quarentena (14 dias) 40% dos animais do grupo tratado morreram e foi visualizada uma grande quantidade de excreções fecais em comparação com o grupo controle. Conclusão: A Laminaria saccharina parece atuar de maneira dose-dependente, uma vez que os animais apresentavam respostas mais intensas. Somani et al. (1981), Klassen & Doull’s (2001) mencionam que as respostas de uma substância no organismo pode envolver a dose ou concentração, a via, o agente químico, a exposição e a sua interação no metabolismo, o que pode acarretar em dano na morfologia dos tecidos atingidos. Alguns compostos químicos são metabolizados em produtos reativos que se ligam às macromoléculas celulares (DAVIS & REASOR, 2005). Uma das possibilidades que tenham levando os animais a óbito seja o efeito cumulativo do extrato, que em sua composição possivelmente tenha efeito tóxico (CAVILL, 1983, PAUL & FENICAL, 1986). Serão realizados estudos posteriores para melhor caracterizar tais alterações, com o emprego de técnicas histológicas dos órgãos vitais como coração, pulmão, baço, fígado, rim, e testículos na tentativa de elucidar os eventos descritos na anatomia macroscópica. P068 [365] ESTÉVIA E SACAROSE: UM ESTUDO COMPARATIVO COM ASPARTAME EM RATOS WISTAR. DÉBORAH BRAGA RESENDE1; PATRÍCIA FÁTIMA PEREIRA GOULART2; ÍTALO ANTÔNIO FERNANDES3; ROSEANE EVANGELISTA OLIVEIRA4; SIMONE MARIANA RODRIGUES5; JULIANO SILVA ROCHA6; TATIANA ABREU REIS7. 1,2,3,5,7.CENTRO UNIVERSITÁRIO DE LAVRAS, LAVRAS, MG, BRASIL; 2.CENTRO UNIVERSITÁRIO DE LAVRAS, LAVRAS, MG, BRASIL; 3,4.CENTRO UNIVERSITÁRIO DE LAVRAS, LAVRAS, MG, BRASIL; 4,6.UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS, LAVRAS, MG, BRASIL; 5.CENTRO UNIVERSITÁRIO DE LAVRAS, LAVRAS, MG, BRASIL; 6.UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS, LAVRAS, MG, BRASIL; 7.CENTRO UNIVERSITÁRIO DE LAVRAS, LAVRAS, MG, BRASIL. Palavras-chave: estévia; sacarose; aspartame Resumo: ESTÉVIA E SACAROSE: UM ESTUDO COMPARATIVO COM ASPARTAME EM RATOS WISTAR RESENDE, DÉBORAH BRAGA1; GOULART, PATRICIA DE FÁTIMA PEREIRA1; FERNANDES, ÍTALO ANTÔNIO1; OLIVEIRA, ROSEANE MARIA EVANGELISTA DE2; RODRIGUES, SIMONE MARIANA1; ROCHA, JULIANO SILVA2; REIS, TATIANA ABREU1 1- Unilavras – Centro Universitário de Lavras. Rua Padre Jose Poggel, 506. Centenário, Lavras, MG. 37200.000 2- Universidade Federal de Lavras. Lavras, MG. 37200.000 Os adoçantes dietéticos são, em sua maioria, compostos a partir de substâncias não calóricas, naturais ou sintéticas, conhecidas como edulcorantes. O aspartame é um éster metílico de dois aminoácidos, a fenilalanina e o ácido glutâmico. O seu perfil de doçura é o que mais se aproxima da sacarose. Em
  49. estudos com ratos, o aspartame induz comprovadamente, efeitos carcinogênicos. Atualmente, no Brasil e em outros países, existe um grande interesse na pesquisa, plantio, industrialização, comercialização de Stevia rebaudiana, isto devido aos seus princípios edulcorantes. Estes princípios edulcorantes contêm os glicosídeos que são não-tóxicos, não-mutagênicos e de baixo valor calórico. Sendo a estévia um adoçante natural, comprovado em estudos recentes que não possui propriedades teratogênicas e cancerígenas, espera-se com esta pesquisa reafirmar suas propriedades naturais, garantindo aos consumidores maior segurança no que se refere ao seu consumo e melhorando a qualidade de vida dos consumidores de adoçantes. O objetivo deste trabalho foi realizar um estudo comparativo utilizando estévia, sacarose e aspartame, no ganho de peso de ratos Wistar. Foram utilizados 24 ratos Wistar machos, com aproximadamente 100g e recém desmamados utilizando sacarose e aspartame, comparando-os com a estévia. Os animais foram acondicionados em gaiolas metabólicas individuais, dispostas uma ao lado da outra em prateleiras fixas à parede e mantidos em ambiente controlado com ciclo claro-escuro de 12 horas a 23°C e 55% de umidade. Os animais tiveram acesso à ração e água potável ad libitum. As concentrações de aspartame foram: 2%, 4% e 6 %. E em valor de 4% foram ministradas às concentrações de sacarose e estévia. As análises de ganho de peso foram feitas semanalmente, pesando os animais individualmente em uma balança digital e também o controle da quantidade de comida ingerida diariamente. A média de peso calculada para o grupo aspartame 2%, 4% e 6% foi de, respectivamente, 136,25g, 143,125g e 140,625g; estévia 4% foi de 136,125g e sacarose 4% foi de 142g. No grupo controle a média de peso foi 120,875g. Os resultados foram analisados estatisticamente pelo teste Scott-Knott, mas pode-se concluir que não houve diferença significativa no ganho de peso dos animais alimentados com açúcar e com o aspartame. Apoio financeiro: CNPq e FAPEMIG. P069 [411] ESTUDO ETNOFARMACOLÓGICO E MACROSCÓPIA DOS ÓRGÃOS DE CAMUNDONGOS TRATADOS COM CORALINA OFFICINALIS. FLÁVIA PAULINO SANTOS1; EVANDRO VALENTIM SILVA2; JOÃO GOMES PONTES NETO3; MAYARA PEREIRA SOUZA4; JOSÉ FERREIRA SILVA NETO5; SÉRGIO ANTÔNIO SANTOS6; GEORGE CHAVES JIMENEZ7; JÉSSICA ESTER OLIVEIRA8; FALBA RAMOS ANJOS9; RITA DE CÁSSIA XAVIER CARVALHO10; IVONE ANTONIA SOUZA11. 1,2,3,4,6,8,9,11.UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO, RECIFE, PE, BRASIL; 2.UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO, RECIFE, PE, BRASIL; 3,4.UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO, RECIFE, PE, BRASIL; 4,6.UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO, RECIFE, PE, BRASIL; 5,7.UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO, RECIFE, PE, BRASIL; 6.UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO, RECIFE, PE, BRASIL; 7.UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO, RECIFE, PE, BRASIL; 8.UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO, RECIFE, PE, BRASIL; 9.UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO, RECIFE, PE, BRASIL; 10.UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO, RECIFE, PE, BRASIL. Palavras-chave: etnofarmacologia; corallina officinalis; morfologia Resumo: RESUMO Introdução: As algas vermelhas são produtoras de metabólitos secundários biologicamente ativos, cuja principal característica é a síntese de substâncias halogenadas (TEIXEIRA, 1991). Desempenham um importante papel na ecologia dos recifes de coral e servem de alimento para diversas espécies marinhas. Corallinas são algas rodófitas pertencentes à família Corallinaceae e a ordem Corallinales, caracterizadas por possuírem coloração de intensidade variável e por estarem amplamente distribuídos em águas marinhas de todo o mundo, onde muitas vezes cobrem quase 100% de substratos rochosos ou podem crescer destacadas em águas rasas e se acumularem para formar grandes “areias de coral” (BLUNDEN, BINNS & PERKS, 1975). O presente estudo objetivou avaliar a ecotoxicologia dos metabólitos secundários presentes no extrato aquoso da Coralina officinalis encontrada no mesolitoral de Pernambuco, bem como analisar macroscopicamente os órgãos dos camundongos albinos Swiss Mus musculus. Métodos: Foram utilizados camundongos machos albinos Swiss (Mus musculus), com aproximadamente 60 dias de nascidos e peso entre 25 e 35g, provenientes do Biotério Departamento de
  50. Antibióticos do Centro de Ciências Biológicas da Universidade Federal de Pernambuco, com as doses de 50 a 2000 mg/kg pela via intraperitoneal para a avaliação da toxicidade do extrato aquoso. Resultados e conclusão: Nas doses de 25 a 500 mg/kg/ip foi evidenciado os seguintes comportamentos: refluxo, contorções, tremores grosseiros, lacrimejamento, taquicardia, movimentos de lateralidade, aumento da libido, excreção fecal e torpor. Durante o período de quarentena (14 dias) não houve registro de óbito. Na dose de 750 mg/kg/ip as respostas foram semelhantes as anteriores, no entanto foi observado o aumento acentuado da libido. Foi registrado óbito de 50% dos animais após 72h da realização do experimento. Na análise macroscópica da dose de 500 mg/kg/ip foi evidenciado bexiga cheia de urina, testículos hipertrofiados com vasodilatação, rins hipertrofiados e isquêmicos, pulmões isquêmicos de coloração esbranquiçada. Com a dose de 750 mg/kg/ip, os rins se apresentaram edemaciados com pontos hemorrágicos e com alteração da coloração no coração, fígado e baço. O extrato apresentou efeitos que ora estimulavam e deprimiam o sistema nervoso central, uma vez que ao cessar os efeitos estimulantes os animais apresentaram sonolência o que posterior mente os levaram ao estado de torpor. Possivelmente este efeito esteja relacionado com a dose, exposição e com o composto presente no extrato. Posteriormente será dado continuidade ao estudo, visando a melhor caracterização desses eventos. P070 [415] CARACTERIZAÇÃO DA AÇÃO BIOLÓGICA DE ANIMAIS TRATADOS COM EXTRATO AQUOSO DE SARGASSUM SARGASSO. FLÁVIA PAULINO SANTOS1; EVANDRO VALENTIM SILVA2; JOÃO GOMES PONTES NETO3; MAYARA PEREIRA SOUZA4; SUELLEN FERREIRA OLIVEIRA5; HÉBERTE SANTANA ARRUDA6; PRISCILA ARAGÃO SILVA7; FALBA RAMOS ANJOS8; GEORGE CHAVES JIMENEZ9; RITA DE CÁSSIA XAVIER CARVALHO10; IVONE ANTONIA SOUZA11. 1,2,3,4,5,6,7,8,11.UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO, RECIFE, PE, BRASIL; 2.UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO, RECIFE, PE, BRASIL; 3,4.UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO, RECIFE, PE, BRASIL; 4,6.UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO, RECIFE, PE, BRASIL; 5,7.UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO, RECIFE, PE, BRASIL; 6.UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO, RECIFE, PE, BRASIL; 7.UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO, RECIFE, PE, BRASIL; 8.UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO, RECIFE, PE, BRASIL; 9.UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO, RECIFE, PE, BRASIL; 10.UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO, RECIFE, PE, BRASIL. Palavras-chave: sargassum sargasso; macroalga; efeitos biológicos Resumo: RESUMO Introdução: Sargassum é uma macroalga ecologicamente dominante, de ambientes tropicais a subtropicais, que devido as suas propriedades químicas e valores nutricionais, com uma gama de atividade bioativas, tais como os fucoidanos (KOO et al., 1995), ácidos graxos poliinsaturados (BANAIMOON, 1992), esteróis (HARVEY & KENNICUTT, 1992). Diversos estudos relatam suas ações farmacológicas, como por exemplo, anti-tumoral (NODA et al, 1989), antibacteriana (FEBLES et al, 1995), e antiinflamatória significativa sugerindo possível interação na liberação ou síntese de mediadores distintos, como a serotonina, cininas e prostaglandinas. O presente estudo objetivou avaliar os efeitos toxicológicos dos metabólitos secundários, bem como analisar macroscopicamente os órgãos de camundongos tratados com o extrato aquoso de Sargassum sargasso encontrada no litoral Pernambucano. Metodologia: Foram utilizados camundongos machos albinos Swiss (Mus musculus), com aproximadamente 60 dias de nascidos e peso entre 25 e 35g, provenientes do Biotério do Departamento de Antibióticos do Centro de Ciências Biológicas da Universidade Federal de Pernambuco. Resultados: Foram testadas doses crescentes (25 a 2000 mg/kg) por via intraperitoneal para avaliação da toxicidade. No estudo toxicológico foram observados comportamentos distintos conforme a dose. Entre 25 a 250 mg/kg foi observado: contorção abdominal, lacrimejamento, diurese, espasmos, ptose. Nas doses de 500 a 1000 mg/kg foi evidenciado refluxo, contorções abdominais, espasmos, tremores grosseiros, lacrimejamento, taquicardia, postura estática, movimentos de lateralidade, distensão abdominal. Com 2000 mg/kg houve o aumento da libido e a prostração. A realização da analise macroscópica permitiu visualizar os danos causados a órgãos vitais, como o colapso das alças intestinais, fígado isquêmico, rins muito hipertrofiado, pulmões hemorrágicos. Apresentando mortalidade de 50% da população com a dose
  51. de 1000 mg/kg/ip e 80% da população com a dose de 2000 mg/kg/ip. Conclusão: O extrato apresentou efeitos estimulantes e depressores do sistema nervoso central, com danos nos órgãos vitais sugerindo que possivelmente esta alga modifique o metabolismo tecidual ou celular, podendo até levar os animais a óbito. Esta alga será melhor caracterizada em estudos futuros. P071 [436] PERFIL DAS FORMAS FARMACÊUTICAS MAIS DISPENSADAS NUMA FARMÁCIA MAGISTRAL DO RIO DE JANEIRO. TALITA SILVA LIMA1; FABIO LUIZ COSTA DE SOUZA2; LUCIANA FERREIRA COLLI3. 1,2,3.UNIVERSIDADE DO GRANDE RIO, DUQUE DE CAXIAS, RJ, BRASIL; 2.UNIVERSIDADE DO GRANDE RIO, DUQUE DE CAXIAS, RJ, BRASIL; 3,4.UNIVERSIDADE DO GRANDE RIO, DUQUE DE CAXIAS, RJ, BRASIL. Palavras-chave: farmácia magistral; formas farmacêuticas; cápsulas Resumo: As Farmácias Magistrais apresentam um vertiginoso crescimento no Brasil e em algumas outras regiões do mundo. Em vista de proporcionarem personalização da terapêutica, versatilidade posológica, resgate de medicamentos descontinuados pela indústria farmacêutica, viabilização de associação entre fármacos, etc. Através de uma revisão de literatura abordando o segmento magistral, nas bases de dados Pubmed, Bireme, Medline, Scielo e Biblioteca Virtual do Ministério da Saúde nos últimos onze anos, o presente trabalho revelou que pouco se pesquisa sobre esse setor. Diante da necessidade de contribuir para com as publicações a respeito das farmácias magistrais brasileiras, realizou-se um estudo retrospectivo a partir da análise de 282 relatórios de caixa coletados através de visitas periódicas a uma farmácia magistral situada na zona norte do estado do Rio de Janeiro, durante todo o período de 2009. Onde o perfil das formas farmacêuticas mais dispensadas pôde ser tabulado em planilhas eletrônicas, e, esboçado na forma de gráficos. O resultado desse estudo indicou que as cápsulas correspondem à apresentação mais demandada àquela farmácia (71,80% do total), seguidos das apresentações em creme (13,38%), outros - xaropes, soluções e suspensões - (6,64%), loção (4,86%), xampu (2,20%) e unidades (1,11%). Posteriormente, comparou-se o perfil encontrado com outro demonstrando uma tendência percentual próxima, no estado do Paraná, assim como, relacionou-o com um estudo holandês que apresentou um resultado discrepante daquele aqui observado. Concluiu-se que a razão para as cápsulas serem as formas farmacêuticas mais dispensadas, foi o aumento de prescrições pela denominação comum brasileira após a entrada do medicamento genérico com a Lei n° 9.787 de 1999. P072 [370] AVALIAÇÃO DE FORMULAÇÕES “ANTI-AGE”. SONIA CARINE COVA COSTA1; CARINA ALVIM REIS SOUZA2; ERIKA DE JESUS SOUZA3; GENILDA LOBO DOS SANTOS4; CARLA RODRIGUES CARDOSO5. 1,2,3,4,5.UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA, FEIRA DE SANTANA, BA, BRASIL; 2.UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA, FEIRA DE SANTANA, BA, BRASIL; 3,4.UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA, FEIRA DE SANTANA, BA, BRASIL; 4.UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA, FEIRA DE SANTANA, BA, BRASIL; 5,7.UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA, FEIRA DE SANTANA, BA, BRASIL. Palavras-chave: anti-age; formulaçôes; avaliação Resumo: O envelhecimento resulta de alterações fisiológicas, morfológicas e bioquímicas que ocorrem no organismo pela perda de sua capacidade funcional ou de reservas, ou por meio da contínua exposição a agentes externos, como o sol, o vento e a baixa umidade. A busca pela jovialidade na sociedade atual é refletida na alta demanda por produtos que realçam a beleza e contribuem direta ou indiretamente para o antienvelhecimento, fazendo com que haja um investimento crescente no setor de cosméticos. Os produtos “anti-age” para o rosto e área dos olhos prometem reduzir rugas e linhas de expressão e assim melhorar a aparência e textura da pele. Neste contexto, o presente trabalho objetivou a análise de formulações de produtos “anti-age” para o rosto e área dos olhos, avaliando a predominância de ativos naturais e sintéticos e as associações entre os mesmos. Foi verificada a função dos ativos
  52. antienvelhecimento frente à indicação contida no rótulo de cada produto. Para tanto, comparou-se a função especificada no produto para cada princípio ativo com a sua ação dermatológica referenciada na literatura. Foram analisados 20 produtos “anti-age” comercializados em supermercados, farmácias e provenientes de consultoras de linhas de cosméticos, na cidade de Feira de Santana-Ba, no período de dezembro de 2009 a janeiro de 2010. Estes produtos pertenciam a 8 marcas distintas, sendo que 25% das formulações eram destinados para a área dos olhos e 75% para o rosto. Os ativos naturais estavam presentes em 70% das formulações, onde houve a prevalência do extrato de soja. 95% dos produtos apresentavam ativos sintéticos em sua composição, entre os quais predominou o tocoferol. Encontrou-se associações de ativos antienvelhecimento em 90 % das formulações. Além do ativo antienvelhecimento, observou-se que 70% das formulações pesquisadas apresentavam, no mínimo, um Fator de Proteção Solar (FPS). Entretanto 9,09% das formulações para uso diurno não apresentavam FPS, sendo este um fator preocupante uma vez que produtos “anti-age”, principalmente contendo despigmentantes, devem apresentar FPS. Observou-se que 65% das formulações continham despigmentantes, sendo o 1- metilidantoína-2-imida o mais comum, e todas apresentavam poder hidratante. Assim, todas as formulações avaliadas apresentaram-se corretas quanto à indicação contida no rótulo e à associação entre ativos e veículos utilizados. Vale destacar que as associações de ativos nas formulações aumentam a eficácia dos produtos “anti-age”, uma vez que agem por mecanismos diferenciados ou por sinergismo no combate às múltiplas causas do envelhecimento cutâneo P073 [374] ACREDITAÇÃO NA ATENÇÃO PRIMÁRIA EM SAÚDE COM FOCO NA ATENÇÃO FARMACÊUTICA. CRISITANO RICARDO SANTOS1; PRISCILA MARIA QUEIROZ2. 1,2.UNIVERSIDADE NOVE DE JULHO - UNINOVE, SAO PAULO, SP, BRASIL; 2.UNIVERSIDADE NOVE DE JULHO - UNINOVE, SÃO PAULO, SP, BRASIL. Palavras-chave: atenção farmacêutica; acreditação; qualidade Resumo: O programa de acreditação hospitalar no Brasil é a expressão concreta do esforço em prol da qualidade no processo de satisfação total das necessidades do cliente no setor da saúde, inclui a Assistência Farmacêutica (AsF) e Atenção Farmacêutica (AF). No entanto, alguns farmacêuticos inseridos na prestação de serviços em Unidades de Saúde, ainda desconhecem a aplicação real da AF, conforme estudo anterior, dados apresentados mostram que a falta de perfil pode estar relacionada à formação do farmacêutico onde não apresentaram contato satisfatório com o paciente e prática com medicamentos, indicando aí falhas na prestação do serviço. Com o objetivo de identificar dificuldades e ferramentas da qualidade que podem contribuir para melhorar o atendimento nas farmácias das UBS‘s num processo de Acreditação, e modelos de AF atualmente adotadas, o presente estudo questiona os caminhos da qualidade farmacêutica na AF. Na etapa de seleção de artigos houve dificuldade quanto a unir Acreditação à AF, visto que na área da saúde o setor mais envolvido é a enfermagem. Por apresentar melhorias nos demais setores da saúde e ainda não existir dados que comprovem o entendimento total dos farmacêuticos da Atenção Primária sobre a Acreditação, sugere-se a partir deste trabalho a coleta de dados junto a esses profissionais sobre o assunto, e posterior capacitação, para que possa existir uma efetiva aplicação das ferramentas da qualidade (5S, 5W2H1S, Seis Sigmas e PDCA) que direcionam para a meta. Associado ao trabalho em UBS, especificamente na Farmácia, pode refletir em um ambiente mais organizado, com profissionais capacitados e aptos no atendimento ao paciente e na distribuição de medicamentos e insumos garantidos pela AsF. Além disso, a AF quando aplicada pelos modelos existentes, em sistema de qualidade assegurada, eleva o grau de satisfação do paciente. Com o resultado desta pesquisa, conclui-se que os farmacêuticos da Atenção Primária em Saúde atuantes em UBS, não possuem informações básicas e práticas quanto a Acreditação na Farmácia, pela inexistência de artigos disponíveis. No entanto a AF possui modelos descritos e reconhecidos para a prática em equipe multidisciplinar, o que favorece o farmacêutico na terapia medicamentosa do paciente. Além disso, a inserção de ferramentas de qualidade a este setor gera maior aproveitamento dos recursos disponíveis e favorecendo a transdisciplinaridade. P074 [387] DESCARTE DE MEDICAMENTOS – UMA PROBLEMÁTICA AMBIENTAL E DE SAÚDE PÚBLICA. ALESSANDRA MARA DA SILVEIRA CAPPELARO1; VANESSA CRISTINA RESCIA2.
  53. 1.FARMADORO, SÃO PAULO, SP, BRASIL; 2.UNIBAN, OSASCO, SP, BRASIL. Palavras-chave: medicamentos; descarte; meio ambiente Resumo: Os medicamentos vencidos ou as sobras de medicamentos não utilizadas ao final do tratamento são descartados pela população no lixo comum. Isso trás sérios problemas às pessoas que precisam buscar sua sobrevivência nos conhecidos “lixões” acabam sendo vulneráveis à intoxicação medicamentosa. Pequenas doses de determinados medicamentos podem ser fatais às crianças pequenas e animais. Alguns compostos dos medicamentos (antibióticos) inibem a atividade de bactérias que vivem no meio ambiente o que pode acarretar na não degradação do lixo doméstico nos aterros sanitários e, além disso, levar a contaminação do solo e das águas. Diversas pesquisas realizadas comprovam que a água que consumimos possui traços de vários medicamentos, mesmo após o tratamento. A boa notícia é que estes valores encontrados ainda são muito baixos e insignificantes a saúde, porém se não atentarmos a esta contaminação, num futuro próximo teremos uma água com altos índices de medicamentos. O objetivo deste trabalho foi o de despertar a população para os riscos do descarte de medicamentos vencidos ou sobras no esgoto ou lixo doméstico, conscientizando sobre a importância de adotar uma atitude correta com relação ao meio ambiente e ao próximo incentivando a coleta seletiva e reciclagem do lixo. A metodologia utilizada neste trabalho foi uma revisão da literatura sobre o assunto; elaboração de material educativo e informativo para a população; alteração do PGRSS (Plano de Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde) e criação de postos de coleta de medicamentos vencidos e sobras de medicamentos; tratamento estatístico dos dados sobre o recebimento de medicamentos para descarte; substituição de sacolas plásticas por sacos de papel recicláveis, com cola atóxica a base de milho e tinta a base de água. Observou-se, no decorrer do programa, uma forte adesão por parte dos clientes da farmácia que coletavam medicamentos da vizinhança e seus familiares, pois estes estavam impossibilitados de levar ao posto de coleta devido a sua localização restrita. Notou-se através dos medicamentos recolhidos um grande numero de medicamentos de controle especial, bem como antibióticos e hormônios. Os medicamentos recebidos foram registrados em formulário próprio. Isso despertou outros pontos de pesquisas importantes como o que a população costuma manter em suas “farmácias domésticas”. A população se mostrou esclarecida e interessada quanto à necessidade da implantação de projetos que visem à proteção do meio ambiente e da saúde pública. A ampliação deste projeto e, conseqüentemente, o aumento do número de postos de coleta de medicamentos vencidos e sobras se faz necessária. P075 [358] AVALIAÇÃO DO PERFIL E MANEJO DO DIABETES MELLITUS NOS USUÁRIOS DO SUS ATENDIDOS PELO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA DA ESTÂNCIA TURÍSTICA DE PIRAJU-SP. ANA PAULA CURY FRANCISCO. ASSPE, ITAPEVA, SP, BRASIL. Palavras-chave: diabetes mellitus; programa de saúde da família; adesão à terapêutica Resumo: Autor: ANA PAULA CURY FRANCISCO Farmacêutica-Bioquímica, estudante do curso de pós-graduação em Farmacologia Clínica ASSPE. Instituições envolvidas: Consultoria e Assessoria Pedagógicas- Pós –Graduação Latu Sensu em Farmacologia Clínica, Itapeva –SP. Introdução: O Diabetes mellitus (DM) é um importante problema de saúde pública envolvendo altos custos no seu tratamento e suas complicações. A prevenção é eficaz e reduz o impacto desfavorável sobre morbimortalidade para os custos ao sistema de saúde. O Serviço Municipal de Assistência ao Paciente Diabético foi instalado dentro da rede básica de assistência à saúde do Município de Piraju(SP), com o apoio de uma equipe multiprofissional. . Objetivo: Caracterizar os diabéticos desta unidade quanto ao perfil sócio-econômico-cultural; saúde-doença; nível de informação e manejo da doença. Metodologia: Pacientes selecionados dentro deste PSF. Foram incluídos homens e mulheres diabéticas maiores de 18 anos, entrevistados nos meses de outubro e novembro de 2006. Resultados: Maioria (41-59 anos), sexo feminino, com escolaridade até 4 anos , renda familiar 1-2 SM e etnia branca. 10% com cifras pressóricas alteradas e 80% tem IMC>25, histórico familiar, idade>45, sedentarismo, uso de medicamentos hiperglicemiantes e o controle dos níveis glicêmicos (jejum e hemoglobina glicada). 70% dos pacientes tem nível insuficiente de informação básica sobre o medicamento. Conclusão: Há necessidade de se aprimorar os serviços para haver melhor controle dos diabéticos. PALAVRAS-CHAVE: Diabetes mellitus; Programa de Saúde da família; Adesão à Terapêutica; Cuidados Primários de Saúde.
  54. Projeto finananciado pela Empresa Ana Paula Cury Francisco EPP- Farmácia Drogacentro – Piraju- SP. 01/06/2010 à 03/06/2010 08:00-17:00 EXPO CENTER NORTE HALL DE EXPOSIÇÃO SEGUIMENTO FARMACOTERAPÊUTICO P076 [347] REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DE USUÁRIOS SOBRE O ATENDIMENTO DE UM SERVIÇO DE ACOMPANHAMENTO FARMACOTERAPÊUTICO. ANTÔNIO CARLOS SOTTO BARREIRO1; CLAUDIA TEREZA CARESATTO2; SELMA GOMES PEREIRA3; MICHELE PEIXOTO QUEVEDO4. 1,3.FARMAIS, ITANHAÉM, SP, BRASIL; 2.KLAIZEM, CAIEIRAS, SP, BRASIL; 3.FARMAIS, ITANHAÉM, SP, BRASIL; 4.HOSPITAL SANTA MARCELINA, SÃO PAULO, SP, BRASIL. Palavras-chave: acompanhamento farmacoterapêutico; representações sociais; assistência farmacêutica Resumo: Introdução – Segundo a Organização Mundial de Saúde, a missão da prática farmacêutica é prover medicamentos e outros produtos e serviços para a saúde e ajudar as pessoas a utilizá-los da melhor forma possível no sentido de melhorar os resultados em saúde. O acompanhamento farmacoterapêutico é um dos serviços farmacêuticos com potencial para contribuir neste sentido, em especial quando é estabelecido vínculo com o usuário de medicamentos e suas necessidades farmacoterapêuticas são atendidas através de um atendimento farmacêutico qualificado. Objetivo – Apresentar as representações sociais de usuários sobre o atendimento no serviço de acompanhamento farmacoterapêutico implantado no Consultório Farmacêutico Unisanta, pertencente à Faculdade de Farmácia da Universidade Santa Cecília em Santos/SP. Método - Pesquisa qualitativa, com utilização de análise de conteúdo segundo Bardin, desenvolvida por meio de entrevistas com 15 usuários do referido serviço, entre os meses de outubro e dezembro de 2009. Resultados - Os dados coletados e analisados permitiram que as representações sociais fossem divididas em três categorias que contemplaram a relação interpessoal, o papel do farmacêutico e os fatores que contribuem para a manutenção do serviço de acompanhamento farmacoterapêutico. Na categoria relação interpessoal, os usuários ressaltaram como pontos relevantes, o ato de escutar, o vínculo estabelecido entre profissionais e usuários, o “cuidado humanizado” e a satisfação advinda da melhora no quadro de saúde devido à participação nesse serviço. Quanto ao papel do farmacêutico, foi identificada a necessidade urgente do resgate de seu papel como profissional realmente inserido no contexto de saúde. Um segundo ponto apresentado foi a necessidade de uma melhor orientação dos farmacêuticos em relação ao uso dos medicamentos, interações, efeitos adversos e informação sobre as enfermidades. Nas falas dos usuários atendidos, também ficou clara a necessidade da capacitação profissional tanto técnica como humanística. Quanto aos fatores importantes para a manutenção desse serviço, foram citados o trabalho multidisciplinar, a necessidade da divulgação, tanto para a comunidade leiga quanto prescritora, o espaço físico, como parte integrante do processo de atendimento e a continuidade e expansão desse serviço, incluindo o acompanhamento farmacoterapêutico domiciliar, objetivando, entre outras coisas, a melhora da qualidade de vida dos usuários atendidos. Conclusões - As representações sociais apresentadas direcionaram para a importância da prestação do serviço de acompanhamento farmacoterapêutico enquanto mecanismo para auxílio da população em relação aos seus tratamentos e utilização de medicamentos, como ferramenta impulsionadora da re-profissionalização do farmacêutico e contribuição direta com o sistema de saúde. P077
  55. [338] EFEITO DA ATENÇÃO FARMACÊUTICA SOBRE A QUALIDADE DE VIDA DE IDOSOS COM HIPERTENSÃO NÃO CONTROLADA. PATRICIA MELO AGUIAR1; BLICIE JENNIFER BALISA-ROCHA2; GISELLE DE CARVALHO BRITO3; ALESSANDRA REZENDE MESQUITA4; DIVALDO PEREIRA LYRA JÚNIOR5. 1,2,3,4,5.UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE, ARACAJU, SE, BRASIL; 2.UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE, ARACAJU, SE, BRASIL; 3.UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE, ARACAJU, SE, BRASIL; 4.UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE, ARACAJU, SE, BRASIL; 5,7.UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE, ARACAJU, SE, BRASIL. Palavras-chave: hipertensão não controlada; atenção farmacêutica; qualidade de vida Resumo: EFEITO DA ATENÇÃO FARMACÊUTICA SOBRE A QUALIDADE DE VIDA DE IDOSOS COM HIPERTENSÃO NÃO CONTROLADA AGUIAR, PATRÍCIA MELO; BALISA-ROCHA, BLÍCIE JENNIFER; BRITO, GISELLE CARVALHO; MESQUITA, ALESSANDRA REZENDE; LYRA JÚNIOR, DIVALDO PEREIRA Laboratório de Ensino e Pesquisa em Farmácia Social, Universidade Federal de Sergipe, LEPFS-UFS, SE, Brasil Introdução: A Hipertensão Arterial Sistêmica (HAS) é uma doença crônica associada a prejuízo na Qualidade de Vida (QV), não somente pelo conhecimento do diagnóstico da doença, mas também pelos efeitos adversos dos agentes usados no tratamento anti-hipertensivo. Atualmente, os resultados da avaliação da QV contribuem para aprovar e definir tratamentos e avaliar custo/benefício do cuidado prestado. Desta forma, o presente estudo teve como objetivo avaliar o efeito da Atenção Farmacêutica sobre a QV de um grupo de idosos com HAS não controlada em farmácia comunitária. Métodos: Um ensaio clínico não controlado foi realizado em uma Farmácia Popular do Brasil de Aracaju-SE. Neste estudo foram selecionados 51 idosos portadores de HAS essencial, com idade entre 60 e 75 anos e de ambos os gêneros. O farmacêutico agendou consultas mensais, cada uma com duração de 40-60 min, durante um período de dez meses (fevereiro a novembro/2009). A QV foi mensurada por meio do instrumento genérico Medical Outcomes Studies 36 - item Short Form - SF-36® composto por oito domínios. Para cada domínio foi atribuído um escore com valores de 0 (mais comprometido) a 100 (nenhum comprometimento). Resultados: No total, 35 pacientes completaram o estudo. Estes apresentaram média de idade de 65,9 anos (DP = 4,8), com 57,1% do gênero masculino. Ao final do estudo, cerca de 60% dos idosos controlaram a pressão arterial (p<0,01) e houve redução média de -26,6 mmHg (p<0,01) na pressão arterial sistólica e -10,4 mmHg (p<0,01) na pressão arterial diastólica. Com relação à QV, verificou-se diferença significativa (p<0,001) em seis dos oito domínios analisados do instrumento SF-36®. Os melhores resultados (valor na linha de base vs valor no final do estudo) foram encontrados nos seguintes domínios: aspectos físicos (49,3 vs 78,6); estado geral da saúde (62,3 vs 80,5) e dor (58,4 vs 74,8). Por outro lado, os itens aspectos emocionais e aspectos sociais não apresentaram melhora significativa. Conclusão: Apesar do SF-36 ser o instrumento genérico mais utilizado para Atenção Farmacêutica, a ausência de um instrumento especificamente concebido para essa prática pode ser uma possível causa para a dificuldade em detectar melhora da QV em todos os domínios. Contudo, os resultados desta investigação poderão servir como um importante indicador de efetividade da Atenção Farmacêutica, consolidando essa nova área do conhecimento. Auxílio Financeiro: CAPES; CNPq; FAPITEC-SE P078 [393] IMPORTÂNCIA DA INTERVENÇÃO FARMACÊUTICA NA DEFINIÇÃO DA FARMACOTERAPIA DO PACIENTE: RELATO DE CASO. HÉLEN CARLA VIEIRA CAIXETA1; PIMENTEL LISBOA CAVALCANTI DIAS EVELINE2; GARCIA VIEIRA LUCIANE3. 1,2.UNIPAM, PATOS DE MINAS, MG, BRASIL; 2.UNIPAM, PATOS DE MINAS, MG, BRASIL; 3.FACULDADE DE PINDAMONHANGABA, PINDAMONHANGABA, SP, BRASIL. Palavras-chave: intervenção farmacêutica ; farmacoterapia; paciente
  56. Resumo: M.J.S.C., 71 anos, IMC 31 kg/m², usuária do Sistema Único de Saúde, foi atendida no setor de dispensação de medicamentos da Farmácia Universitária UNIPAM e relatou estar apresentando tosse seca persistente e pressão arterial descontrolada, mesmo usando de forma correta os medicamentos. Diante do exposto, foi oferecido e aceito pela paciente o Serviço de Seguimento Farmacoterapêutico. O acompanhamento seguiu as seguintes etapas: agendamento da primeira entrevista (26/03/2009), assinatura do TCLE, análise situacional, fase de estudo, identificação do RNM, fase de avaliação, plano de atuação e entrevistas sucessivas. Na primeira entrevista a paciente utilizava Hidroclorotiazida 25 mg (1-0-0), Propranolol 40 mg (1-0-1), Captopril 25 mg (1-0-1) e relatou ter utilizado Losartan, mas devido ao custo, solicitou ao médico que retirasse o medicamento, mesmo apresentando o efeito terapêutico esperado. Na primeira entrevista foi detectado o RNM de insegurança e possivelmente inefetividade, sendo encaminhada verbalmente ao médico. Após avaliação médica (31/03/09) o Captopril foi retirado, mantido Hidroclorotiazida 25 mg (1-0-0), Propranolol 40 mg (1-0-1) e inserido Losartan 50mg (1-0-0). A pressão arterial permaneceu controlada por alguns meses. Nos retornos sucessivos, foi verificada nova alteração da pressão arterial. Desta vez a paciente foi encaminhada ao médico com uma carta solicitando a reavaliação da farmacoterapia. Após avaliação médica (25/08/2009) foi retirado o Hidroclorotiazida, Propranolol, inserido Clortalidona 25mg (1-0-0), Atenolol 50mg (1-0-1), Anlodipina 5mg (1-0-1) e modificado a posologia do Losartan 50mg (1-0-1). Em entrevistas sucessivas a paciente relatou intenso inchaço nas pernas, coincidentemente após o uso do medicamento, sendo confirmado pelas medidas das circunferências dos membros inferiores. Por isso, foi encaminhada ao médico por meio de uma carta solicitando uma nova reavaliação da farmacoterapia (22/09/2009). Em sua avaliação o médico retirou a Clortalidona 25 mg, Anlondipina 5 mg, manteve o Atenolol 50 mg (1-0-1), Losartan 50 mg (1-0-1) e acrescentou a Hidroclorotiazida 25 mg (1-0-0) e Furosemida 40 mg (0-1-0). A paciente relatou ter tomado a Furosemida por apenas cinco dias. Atualmente a pressão arterial se mantém controlada com o Atenolol 50 mg (1-0-1), Losartan 50 mg (1-0-1) e Hidroclorotiazida 25 mg (1-0-0), havendo alteração brusca somente na fase em que seu marido sofreu um acidente e quando estava em uso de antiinflamatório para controle de dores na região cervical e ombros. Ao verificar a seqüência das reavaliações da farmacoterapia, constatamos que a conduta terapêutica mais viável inicialmente, seria aumentar a dose do Propranolol 40 mg e inserir o Losartan uma vez que a paciente já usou o medicamento, obteve um bom resultado e atualmente está padronizado no SUS. Contrastando a farmacoterapia inicial com a atual observa-se que não houve modificação de classes terapêuticas, o que nos leva a refletir que, se no primeiro momento tivesse sido realizada a intervenção farmacêutica com a proposta da alteração da dose do Propranolol e inserção do Losartan, a paciente não teria percorrido toda a seqüência relatada. Diante do exposto, fica demonstrada a importância e contribuição da intervenção farmacêutica na definição da farmacoterapia e melhoria da qualidade de vida do paciente. P079 [391] INFLUÊNCIA DA FARMÁCIA CLÍNICA NA ECONOMIA E NA CLÍNICA DE PACIENTES HIV POSITIVOS ATENDIDOS NO HOSPITAL LEITO DIA DO HOSPITAL DE CLÍNICAS DA UNICAMP. PATRICIA MORIEL1; RENATA CAVALCANTE CARNEVALE2; CAROLINE DE GODOI RESENDE COSTA3; ALINE TEOTONIO RODRIGUES4; MICHELE TAMI TANAKA5; PATRICIA ROMEIRO MURARI6; PRISCILA GAVA MAZZOLA7. 1,2,3,4,5,6,7.CURSO DE FARMÁCIA/FCM/UNICAMP, CAMPINAS, SP, BRASIL; 2.CURSO DE FARMÁCIA/FCM/UNICAMP, CAMPINAS, SP, BRASIL; 3.CURSO DE FARMÁCIA/FCM/UNICAMP, CAMPINAS, SP, BRASIL; 4.CURSO DE FARMÁCIA/FCM/UNICAMP, CAMPINAS, SP, BRASIL; 5,7.CURSO DE FARMÁCIA/FCM/UNICAMP, CAMPINAS, SP, BRASIL; 6.CURSO DE FARMÁCIA/FCM/UNICAMP, CAMPINAS, SP, BRASIL; 7.CURSO DE FARMÁCIA/FCM/UNICAMP, CAMPINAS, SP, BRASIL. Palavras-chave: hiv; farmacoeconomia; farmacoterapia Resumo: A Atenção Farmacêutica tem a finalidade fundamental de promover a farmacoterapia planejada, para encontrar os resultados definitivos que melhorem a qualidade de vida do paciente. Esta requer três funções distintas, que são: iniciação, monitoramento e administração da Atenção Farmacêutica. O objetivo deste trabalho é a melhoria a adesão ao tratamento medicamentoso, podendo, conseqüentemente racionalizar o uso de recursos em medicamentos e tratamentos de co-morbidades causadas pela baixa
  57. adesão, além de eliminar ou reduzir a sintomatologia do paciente, interromper ou retardar o processo patológico, prevenir demais enfermidades ou sintomatologia, demonstrando assim a importância do acompanhamento farmacoterapêutico no prognóstico, evolução e na farmacoeconomia. Foi realizado um estudo randomizado onde participaram 66 pacientes HIV positivos do Hospital Dia (HD) da UNICAMP. Os pacientes foram randomizados em dois grupos, o primeiro grupo (grupo I; n = 33) não foi atendido pelo profissional farmacêutico e o segundo grupo (grupo II; n = 33) foi atendido pelo profissional farmacêutico. O Método Dáder adaptado para a realidade do hospital (Segundo Consenso de Granada, 2002) foi empregado para avaliação e intervenção farmacoterapêutica. Os resultados dos exames laboratoriais (hemoglobina, CD4+ e Carga Viral) e o peso foram obtidos no prontuário dos pacientes. A análise estatística foi realizada utilizando o método One-way ANOVA (software StatPlus:mac LE). Os pacientes foram encaminhados para acompanhamento farmacoterapêutico devido à baixa adesão ao tratamento e/ou efeitos colaterais/IM importantes. A idade média dos pacientes do grupo I e II foi de 42,5 ± 7,1 e de 40,6 ± 9,5 respectivamente, e a porcentagem de homens foi de 56,5 % em ambos os grupos. Na consulta inicial foram levantados 5,8 ± 4,1 PRMs/paciente (total de 179). Foram propostas 140 intervenções, com uma média de 4,5 intervenções/paciente. Num total de 104 intervenções farmacêutico- paciente foram realizadas, das quais a maior porcentagem foi no modo e horário de administração (46,1 %); Após a intervenção farmacêutica, o número de PRMs diminuiu significativamente de 5,8 ± 4,1 para 2,8 ± 1,8 por paciente (F=14,0; Crit.F=4,0). Os pacientes do grupo I não apresentaram mudança de peso, hemoglobina e de linfócito CD4+, o grupo II teve um aumento médio de 2,0 Kg, 4,1 % na Hemoglobina e de 23% no CD4+. O grupo I teve um numero maior de consultas médicas (39.7%,), exames laboratoriais (30.8%) e 81 dias a mais de internação (20 para o grupo I e 101 para o grupo II). Portanto, os dados deste trabalho indicam que a intervenção farmacêutica reduziu significantemente a quantidade de PRMs e melhorou os resultados clínicos dos pacientes atendidos pelos farmacêuticos quando comparados ao grupo que não teve atendimento e ainda reduziu consideravelmente o custo deste pacientes para o serviço de saúde. P080 [412] PROPOSTA PARA IMPLANTAÇÃO DA ATENÇÃO FARMACÊUTICA NA FARMÁCIA ESCOLA DE UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR. FRANCINE PAZINI1; ROSILAINE ALVES LIMA2; ANA LÚCIA TEIXEIRA DE CARVALHO ZAMPIERI3. 1,2,3.CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ANÁPOLIS, ANÁPOLIS, GO, BRASIL; 2.CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ANÁPOLIS, ANÁPOLIS, GO, BRASIL; 3.CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ANÁPOLIS, ANÁPOLIS, GO, BRASIL. Palavras-chave: atenção farmacêutica; segmento farmacoterapêutico; assistência farmacêutica Resumo: PROPOSTA PARA IMPLANTAÇÃO DA ATENÇÃO FARMACÊUTICA NA FARMÁCIA ESCOLA DE UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR LIMA, ROSILAINE ALVES1; PAZINI, FRANCINE2; ZAMPIERI, ANA LÚCIA TEIXEIRA DE CARVALHO*2 1 Graduanda do curso de Farmácia do Centro Universitário de Anápolis -GO. 2 Professoras Adjuntas do Curso de Farmácia do Centro Universitário de Anápolis-GO. *Autor para correspondência: e-mail: analucia.zampieri@terra.com.br RESUMO: Desde 1990 a Atenção Farmacêutica vem sendo trabalhada e difundida, sendo um processo que envolve mudanças de filosofia e capacitação profissional no sentido de propiciar melhoria da qualidade de vida aos pacientes. Este trabalho descreve as etapas de organização e implantação da prática da Atenção Farmacêutica na Farmácia Escola de uma Instituição de Ensino Superior (IES) na cidade de Anápolis, Goiás. Considerando experiências bem sucedidas em outras Instituições, foi proposto um método adaptado, a partir do método Dáder de Seguimento Farmacoterapêutico, a fim direcionar, orientar e conscientizar os acadêmicos do curso de farmácia de sua importância clínica e social no contexto brasileiro. As etapas operacionais atendidas para a proposição do estudo foram: 1- o desenvolvimento de um fluxograma descrevendo as etapas diárias no setor de manipulação da farmácia escola da IES, demonstrando os momentos indicados para a oferta dos serviços de Assistência Farmacêutica, Intervenção ou Atenção Farmacêutica; 2- a elaboração de diretriz apresentando três pilares denominados
  58. de Entrevista Clínica, a fim de verificar se o medicamento está bem selecionado para o paciente, se há possibilidade de interação medicamentosa, se ocorreu possível descumprimento da terapêutica, e se a fórmula farmacêutica está de acordo com a necessidade do paciente; 3- proposta de triagem aos usuários de medicamentos, utilizando um fluxograma específico, o qual permitirá identificar no paciente a necessidade de Atendimento Farmacêutico; 4- proposta de aplicação de Seguimento Farmacoterapêutico, através de formulário próprio, com a finalidade de solucionar problemas reais ou potenciais advindos da utilização dos medicamentos magistrais produzidos pela farmácia escola da IES. Visto que a Atenção Farmacêutica já vêm sendo vivenciada com êxito em algumas Universidades Brasileiras, que acreditam na importância e necessidade dessa prática, o presente estudo proporcionará a Farmácia Escola dessa IES iniciar esse trabalho, tanto para sua aplicação em projetos de pesquisa como extensão, gerando o envolvimento do maior número possível de acadêmicos e conseqüentemente um maior número de pessoas a vivenciarem de forma efetiva a Atenção Farmacêutica. P081 [399] ACESSO E ADESÃO AO TRATAMENTO DO DIABETES EM UMA COMUNIDADE ASSISTIDA PELO SAÚDE DA FAMÍLIA. MARIA CAROLINA BALDANZA1; THAIANE REIS MARTINS2; MARIO JORGE SOBREIRA3. 1,2,3.UNIVERSIDADE DO GRANDE RIO, DUQUE DE CAXIAS, RJ, BRASIL; 2.UNIVERSIDADE DO GRANDE RIO, DUQUE DE CAXIAS, RJ, BRASIL; 3.UNIVERSIDADE DO GRANDE RIO, DUQUE DE CAXIAS, RJ, BRASIL. Palavras-chave: acesso ao medicamento; adesão ao tratamento; diabetes mellitus Resumo: O diabetes mellitus é uma doença crônico-degenerativa, derivada de um grupo de doenças metabólicas, caracterizada por uma hiperglicemia e associada a complicações, disfunções e insuficiência de vários órgãos. Este estudo objetivou avaliar primeiramente se o acesso ao medicamento hipoglicemiante afeta a adesão ao tratamento do paciente diabético, além de identificar o perfil epidemiológico desses pacientes e avaliar os fatores que favoreçam ou dificultem o acesso e a adesão ao medicamento em portadores de diabetes mellitus. A metodologia foi embasada em uma pesquisa do tipo quali-quantitativa, fundamentada num estudo de caso de caráter descritivo, envolvendo observação participante, análise documental e entrevista aberta com pacientes portadores de diabetes mellitus. O estudo foi realizado em uma comunidade assistida pelo Estratégia de Saúde da Família em Jardim Gramacho, no município de Duque de Caxias. A pesquisa foi aprovada pelo comitê de ética em pesquisa da Universidade do Grande Rio, e os participantes responderam a entrevista de forma voluntária após a assinatura do termo de consentimento livre e esclarecido. Foram entrevistados 85 pacientes cadastrados no programa Hiperdia e atendidos pelo Estratégia Saúde da Família. Houve uma maior prevalência de mulheres (77,7%) e sujeitos com idade superior a 60 anos (59,3%). Através das entrevistas e orientações realizadas, verificou-se que os pacientes dessa comunidade não têm adesão efetiva ao tratamento proposto, detendo baixo conhecimento acerca de seus medicamentos, doença e suas complicações. O principal motivo para baixa adesão estava relacionada a falta de orientação devida sobre a utilização correta dos medicamentos. O estudo identificou que grande parte dos entrevistados tinham acesso ao medicamento para o tratamento do diabetes mellitus (76,6%) nesta unidade. Desta forma, foi possível identificar que nesta comunidade não houve correlação entre acesso e adesão, reforçando a necessidade da presença mais efetiva dos profissionais de saúde, incluindo a atuação do farmacêutico. Acredita-se que a efetivação da Atenção Farmacêutica dentro do Estratégia de Saúde da Família, pode contribuir para uma maior adesão do paciente à terapia medicamentosa. P082 [426] ATENÇÃO FARMACÊUTICA AO PACIENTE HIPERTENSO EM FARMÁCIA COMUNITÁRIA NA CIDADE DE ANÁPOLIS, GOIÁS. ANA VITÓRIA MESQUITA FERREIRA1; ANA LÚCIA TEIXEIRA DE CARVALHO ZAMPIERI2. 1.UNIEVANGÉLICA, ANAPOLIS, GO, BRASIL; 2.UNIEVANÉLICA, ANAPOLIS, GO, BRASIL. Palavras-chave: atenção farmacêutica; hipertensão; farmácia comunitária Resumo:
  59. ATENÇÃO FARMACÊUTICA AO PACIENTE HIPERTENSO EM FARMÁCIA COMUNITÁRIA NA CIDADE DE ANÁPOLIS, GOIÁS FERREIRA, ANA VITÓRIA MESQUITA1; ZAMPIERI, ANA LÚCIA TEIXEIRA DE CARVALHO2* 1 Graduanda do curso de Farmácia do Centro Universitário de Anápolis -GO. 2 Professora Adjunta do Curso de Farmácia do Centro Universitário de Anápolis-GO. *Autor para correspondência: e-mail: analucia.zampieri@terra.com.br RESUMO: O presente artigo constitui-se num estudo transversal de caráter qualitativo, tendo como objetivo a implantação da Atenção Farmacêutica a pacientes hipertensos em uma farmácia comunitária da cidade de Anápolis-Goiás. Buscou-se, ainda, divulgar conhecimentos acerca da Atenção Farmacêutica, promover a melhoria da qualidade de vida dos indivíduos pesquisados, destacando os resultados positivos após implantação da Atenção Farmacêutica. Nesse contexto, realizou-se uma pesquisa de característica participativa, baseada no método Dáder de Seguimento Farmacológico. O estudo atendeu à Resolução nº 196/96 do Conselho Nacional de Saúde (CNS) sendo aplicado a 08 sujeitos adultos diagnosticados hipertensos. Desses, 07 apresentaram algum tipo de problema relacionado à saúde (PRM), sendo o PRM do tipo 1 e 2, com maior incidência. Como resultado das intervenções farmacêuticas realizadas foi observado que os níveis pressóricos foram controlados chegando à normalidade, bem como a melhora e/ou aumento da qualidade de vida dos sujeitos. Os resultados obtidos sugerem a ampliação de estudos direcionados à Atenção Farmacêutica, para que técnicas de avaliações e intervenções sejam aprimoradas, além do incentivo ao debate e prática dessa atividade no meio farmacêutico. P083 [428] INTERVENÇÕES REALIZADAS PELA FARMÁCIA DE UM HOSPITAL UNIVERSITÁRIO. ERICKA MIRANDA MESQUITA. UFMA, SAO LUIS, MA, BRASIL. Palavras-chave: intervençôes; erros de medicação; farmacoterapia Resumo: Introdução. Os erros na medicação são considerados eventos adversos ao medicamento passíveis de prevenção, podendo ou não causar dano ao paciente, com possibilidade de ocorrer em um ou vários momentos dentro do processo de medicação. Assim, discorrer acerca da utilização de medicamentos é uma das intervenções mais utilizadas no ambiente hospitalar, alguns estudos evidenciam a presença de erros no tratamento medicamentoso causando prejuízos aos pacientes que vão desde o não-recebimento do medicamento necessário até lesões e mortes. Os profissionais de saúde devem estar cientes e alertas para este fato e buscar, permanentemente, medidas de prevenção dos erros através de novos conhecimentos, condutas ou de estratégias que visem proteger a todos os envolvidos, principalmente o paciente. A elaboração e implementação de mecanismos de segurança voltados ao sistema de medicação podem prevenir, nos hospitais, os erros na medicação, melhorando o sistema e reduzindo custos. Este estudo teve como objetivo discorrer sobre tipos e causas de erros na medicação e sobre a importância de uma visão ampla do sistema de medicação dentro de um hospital, através da integração dos profissionais de saúde. Métodos. O estudo foi realizado no Hospital Universitário (HUPD) em São Luís (MA no período de outubro/2005 a setembro/2007. A coleta de dados foi feita através de estudo observacional onde foram analisaradas as prescrições de pacientes de ambos os sexos, faixa etária variável, que estiveram internados no hospital durante este período. Caso houvesse algum erro em alguma delas, os farmacêuticos interviam com o prescritor e/ou enfermagem, interferindo na dispensação, sugerindo a troca da medicação e até impedindo que a mesma fosse administrada no paciente. Toda intervenção realizada era relatada no livro de ocorrências da farmácia para registro. Resultados. Foram notificadas 250 ocorrências, dentre estas 160 foram referentes a não-dispensação do medicamento ou por falta de formulário específico ou por não ter o medicamento na farmácia naquele momento (pelo fato do mesmo não ser padronizado ou estar em falta) ou porque a eficácia terapêutica do medicamento não é compatível com o quadro que o paciente apresentava. Sessenta (60) ocorrências foram intervenções realizadas por farmacêuticos quanto à via de administração do medicamento, o diluente utilizado, posologia do fármaco, interação medicamentosa entre os medicamentos e até mesmo sugestão de troca de medicação por outra de baixo custo, melhor eficácia e melhor biodisponibilidade. Outras 30 ocorrências relacionavam-se a erro de diluição (15), erro de prescrição (10) e solicitação de informação sobre medicamento (5). Do total de intervenções, apenas 105 foram acatadas pelos prescritores e/ou enfermagem, as demais ou
  60. continuaram ocorrendo ou foram indeferidas, o que obrigava o prescritor a trocar a medicação solicitada. Conclusão. A presença de um farmacêutico na equipe de saúde de um hospital é imprescindível. Este profissional da saúde é responsável pelo uso racional dos medicamentos e pode contribuir fornecendo informações sobre a farmacocinética e farmacodinâmica, objetivando reduzir interações medicamentosas e a incidência de reações adversas a medicamentos na farmacoterapia de pacientes hospitalizados, implementando a qualidade de vida dos mesmos. P084 [383] UTILIZAÇÃO DE CEFALOSPORINAS INJETÁVEIS EM UM HOSPITAL PRIVADO DE SÃO LUÍS. ERICKA MIRANDA MESQUITA1; DAVID KARLOS MIRANDA MESQUITA2; THWEICYKA PINHEIRO WAKIYAMA3. 1.UNICEUMA, SAO LUIS, MA, BRASIL; 2,3.UFMA, SÃO LUÍS, MA, BRASIL; 3.UFMA, SÃO LUÍS, MA, BRASIL. Palavras-chave: cefalosporinas; geraçôes; antimicrobianos Resumo: INTRODUÇÃO. As cefalosporinas assemelham-se às penicilinas, do ponto de vista químico, no seu mecanismo de ação e toxicidade. As cefalosporinas são mais estáveis que as penicilinas contra muitas beta-lactamases bacterianas, portanto, apresentam habitualmente um espectro de atividade mais amplo. A produção em larga escala do núcleo comum (ácido 7-aminocefalosporâmico) permitiu a síntese de uma grande variedade de cefalosporinas com diversas propriedades. As cefalosporinas podem ser assim classificadas em quatro grandes grupos ou gerações, dependendo do espectro de atividade antimicrobiana. Os compostos de 1ª geração exibem melhor atividade contra microorganismos gram-positivos, enquanto os compostos de geração mais avançada exibem maior atividade contra aeróbios gram-negativos. O presente trabalho descreveu o consumo de alguns tipos de cefalosporinas injetáveis no período de novembro de 2009 a maio de 2010, visando estabelecer quais são as gerações mais utilizadas desta classe de antimicrobianos. MÉTODOS. Realiza estudo epidemiológico descritivo, retrospectivo, documental e quantitativo a partir de informações obtidas na base de dados do Sistema Informatizado de um hospital privado do município de São Luís/MA. As Cefalosporinas foram representadas pelas seguintes drogas, cujas variações são: 1ª geração (cefalotina, cefazolina); 2ª geração (cefoxitina); 3ª geração (ceftriaxona e ceftazidima); 4ª geração (cefepima). RESULTADOS. As cefalosporinas foram amplamente utilizadas nas clínicas e UTIs deste hospital, com destaque para as drogas de 1ª geração, que apresentaram 70,60% das prescrições, sendo 40% de cefazolina e 30,60% de cefalotina. Seguido pelas drogas de 3ª geração, com 26,06% das utilizações, sendo a maior parte de ceftriaxona (25,78%) e o restante de ceftazidima. A cefepima, droga de 4ª geração, representou 3% das prescrições, enquanto a cefoxitina, droga de 2ª geração, apresentou apenas 0,34% dos registros. CONCLUSÕES. Foi demonstrado que as gerações mais comumente prescritas desta classe de antimicrobianos são a 1ª e 3ª gerações, principalmente a cefazolina e a ceftriaxona, respectivamente. P085 [377] SEGUIMENTO FARMACOTERAPÊUTICO EM IDOSOS, ATENDIDOS EM UM AMBULATÓRIO DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO. GRAZIELA LUPPI1; MARISTELA FERREIRA CATÃO CARVALHO2. 1.INSTITUTO PAULISTA DE GERATRIA E GERONTOLOGIA, SÃO PAULO, SP, BRASIL; 2.INSTITUTO PAULISTA DE GERIATRIA E GERNTOLOGIA, SÃO PAULO, SP, BRASIL. Palavras-chave: atenção farmacêutica ; idoso; intervenção farmacêutica Resumo: A Atenção Farmacêutica visa identificar, prevenir e resolver todos os desvios que provocam o não alcance do objetivo terapêutico, avaliando os problemas de saúde dos pacientes a partir da perspectiva da necessidade, efetividade e segurança dos medicamentos. Os Resultados Negativos associados ao Medicamento (RNM) são ainda maiores em idosos, devido ao alto consumo de medicamentos. A fim de resolver os RNMs, faz-se as Intervenções Farmacêuticas (IF). Objetivo: Verificar a prevalência de RNM e Intervenções Farmacêuticas em idosos. Metodologia: Estudo transversal, com dados coletados em consulta de atenção farmacêutica em um ambulatório de especialidade ao idoso, do município de São Paulo. As informações foram obtidas a partir do registro de prontuário do paciente. O período de coleta foi de março e abril de 2010. Para a classificação dos Resultados Negativos associados ao Medicamento
  61. (RNM), e Intervenção Farmacêutica, foi utilizado o Terceiro Consenso de Granada. Todos os participantes assinaram o termo de consentimento livre e esclarecido. Resultado: O total de pacientes atendidos foi de 95 pacientes, sendo que, desses 55 obtiveram seguimento farmacoterapêutico e 6 alta da AF. Dos RNM encontrados, 51% foram referente a efetividade, seguido de 35,8% de necessidade e 13,2% de segurança. Das classificações de RNM a maior prevalência foi de inefetividade quantitativa (41,5%). Das IF, a maior prevalência foi referente à intervenção sobre a educação do paciente (71,6%), seguido da intervenção sobre a estratégia farmacológica (13,3%), e intervenção sobre a quantidade do medicamento (6,6%). Entre as intervenções, a principal, foi diminuir a não adesão involuntária do paciente (41,6%). Conclusão: Nesse estudo, o maior problema dos pacientes idosos se refere à não adesão, que tem como conseqüência a inefetividade farmacoterapêutica. Portanto, a fim de resolver esse RNM, o farmacêutico deve atuar na educação sobre o uso do medicamento, e reforçar a importância do uso racional de medicamentos nessa população. P086 [348] PERFIL FARMACOTERAPÊUTICO DOS PACIENTES ADULTOS EM INTERNAÇÃO DOMICILIAR NA PRONEP SÃO PAULO E O DESENVOLVIMENTO DA ATENÇÃO FARMACÊUTICA. VANESSA RABADAN RABADAN1; PATRICIA SOARES SILVA2; FRANCO ARMANDO CAVALIERE3. 1,2,3.PRONEP SÃO PAULO, SAO PAULO, SP, BRASIL; 2.PRONEP SÃO PAULO, SAO PAULO, SP, BRASIL; 3.PRONEP SÃO PAULO, SAO PAULO, SP, BRASIL. Palavras-chave: farmacoterapia; domiciliar; adulto Resumo: Atenção farmacêutica é definida como a provisão responsável da terapia medicamentosa com o propósito de melhorar a qualidade de vida do paciente. O acompanhamento farmacêutico, além de melhorar a adesão ao tratamento e diminuir erros na farmacoterapia, tem demonstrado significante redução de custos. Essa redução está associada à diminuição das interações medicamentosas e reações adversas que comumente levam ao aumento de morbidade e mortalidade. Muitos estudos, com resultados positivos em Atenção Farmacêutica, tiveram a elaboração de protocolos com foco principal no tratamento de doenças ou situações específicas, como por exemplo, acompanhamento de pacientes hipertensos ou com polifarmácia.Para realizar a análise do perfil farmacoterapêutico dos pacientes da Pronep São Paulo, foram selecionadas as prescrições médicas dos pacientes adultos em internação domiciliar que recebem 24 horas de atendimento de enfermagem. Dentro desses critérios de inclusão, foram analisadas 60 prescrições médicas durante uma semana no mês de fevereiro de 2009. Os medicamentos prescritos foram divididos em classes terapêuticas. Esse trabalho consistiu em levantamento e criação de banco de dados. Não foi realizada nenhuma entrevista com pacientes ou familiares e nem realizadas intervenções na farmacoterapia. Dos 60 pacientes analisados, 32 (53,3%) são do sexo masculino e 28 (46,7%) são do sexo feminino. O paciente mais novo analisado tinha 24 anos e o mais idoso tinha 101 anos, sendo que a faixa etária predominante é de 61 a 90 anos, englobando 56,7% do total de pacientes analisados. A análise das prescrições médicas totalizou 820 medicamentos, resultando em uma média de 13,6 medicamentos por paciente, o que caracteriza o uso de polifarmácia. O total de medicamentos foi distribuído nas seguintes classes terapêuticas: sistema digestório 23,3%; sistema nervoso 14,1%; analgesia 11,5%; sistema respiratório 10,6%; sistema cardiovascular 8,8%; pele e mucosas 7,4%; suplementos vitamínicos e eletrólitos 7,3%; hormônios 6,2%; sangue e hematologia 5,2%; antimicrobianos 2,9%; oftalmologia 1,3%, sistema genito-urinário 0,9% e anti-histamínicos 0,4%. Dos 23,3% dos medicamentos classificados dentro de sistema digestório, 28,3% são protetores gástricos que usualmente são prescritos a pacientes que fazem uso de polifarmácia. Dentro da classe de medicamentos prescritos para sistema nervoso (14,1%), 30% se tratam de anticonvulsivantes. Na classe de analgesia (11,5%) observamos um alto percentual de analgésicos e antipiréticos (63,8%), porém, na maior parte das prescrições, encontramos tais medicamentos com indicação de uso “somente quando necessário”. Através dessa análise, concluímos que é de suma importância o acompanhamento farmacêutico a esses pacientes, devido ao grande número de idosos que fazem uso de polifarmácia com alto risco de interações medicamentosas, como, por exemplo, os protetores gástricos e anticonvulsivantes. Além do acompanhamento clínico do paciente, a atenção farmacêutica possibilita a redução de custos, visto que reduz a morbidade evitando intercorrências e possíveis hospitalizações. P087
  62. [363] CLÍNICA DE ANTICOAGULAÇÃO: MONITORAMENTO FARMACOTERAPÊUTICO DO TRATAMENTO COM ANTICOAGULANTE ORAL. LARISSA ARAUJO ALMEIDA OLIVEIRA1; KISE CARVALHO GUIMARAES2; LAIRE DELLANI DAMASCENO FERREIRA3; PRISCILA OLIVEIRA BASTOS4. 1,2.INSTITUTO CÁRDIO PULMONAR, SALVADOR, BA, BRASIL; 2.INSTITUTO CÁRDIO PULMONAR, SALVADOR, BA, BRASIL; 3,4.INSTITUTO CARDIO PULMONAR, SALVADOR, BA, BRASIL; 4.INSTITUTO CARDIO PULMONAR, SALVADOR, BA, BRASIL. Palavras-chave: anticoagulante oral; seguimento farmacoterapêutico; segurança Resumo: Os anticoagulantes orais (ACO) são utilizados para prevenção ou tratamento de doenças vasculares tromboembólicas. O seu uso requer cuidados rigorosos da equipe de saúde e acompanhamento clínico e laboratorial, para evitar riscos de hemorragia e/ou trombose para os pacientes. Na Clínica de Anticoagulação (CA), implementada pelos Serviços de Cardiologia e Farmácia, o seguimento farmacoterapêutico é realizado pelo farmacêutico com o objetivo de manejar a terapia com ACO através do monitoramento do TP(Tempo de Protrombina)/RNI(Relação Normalizada Internacional), assim como orientar e educar os pacientes sobre aspectos relacionados à anticoagulação e procedimentos pré e pós operatório. A CA segue o seguinte fluxo: consulta inicial com médico, que determina o diagnóstico, RNI alvo e tempo de tratamento, e com o farmacêutico, o qual orienta sobre o funcionamento da clínica, as interações alimentares e medicamentosas. A consulta com o farmacêutico ocorre mensalmente, se o RNI estiver adequado, ou semanal, enquanto o RNI estiver fora da faixa terapêutica; já com o médico, a avaliação do tratamento ocorre a cada 90 dias. Todas as condutas e intervenções são registradas em prontuário eletrônico. Em um ano de funcionamento, a CA realizou 258 atendimentos farmacêuticos, sendo que 9% (n=25) representaram as admissões, 40% (n=103) consultas subseqüentes e 51% (130) teleconsultas. Entre os diagnósticos, os mais freqüentes foram 29% (n=7) Fibrilação Atrial e 29% (n=7) Trombose Venosa Profunda; 8% (n=2) Trombofilias; 8% (n=2) Cardioversão de FA; Angina Estável, Anomalia de Ebtein, AVC Embólico, Cardiopatia Congênita, Prótese Biológica e Trombo Embolismo Pulmonar significaram 4% (n=1) cada patologia. Do total de pacientes, 54% (n=13) estão ativos no seguimento, 13% (n=3) em fase de ajuste do RNI, 17% (n=4) abandonaram o acompanhamento, 8% (n=2) estão suspensos temporariamente e 8% (n=2) tiveram alta médica. Após o período inicial de ajuste do RNI, observou-se que 58% dos RNIs realizados estiveram dentro da faixa terapêutica. No início do tratamento, apenas 38% dos RNIs dos pacientes ativos eram estáveis, sendo que, atualmente, 77% dos exames dos pacientes ativos estão dentro da faixa terapêutica. Através do acompanhamento farmacoterapêutico, conclui-se que o sucesso do tratamento com ACO está relacionado com a conduta do farmacêutico ao prestar informações ao paciente e monitorar o uso do medicamento. Contudo, é importante que o paciente esteja consciente da necessidade do cumprimento adequado da terapia, para que os riscos de trombose ou hemorragia estejam sob controle, em benefício da própria saúde.  

×