Tudo sobre Câncer do Colo do Útero
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Tudo sobre Câncer do Colo do Útero

on

  • 9,331 views

 

Statistics

Views

Total Views
9,331
Views on SlideShare
9,324
Embed Views
7

Actions

Likes
3
Downloads
241
Comments
0

1 Embed 7

http://www.oncoguia.com.br 7

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

Tudo sobre Câncer do Colo do Útero Tudo sobre Câncer do Colo do Útero Presentation Transcript

  • Câncer do Colo do Útero
  • O que é o câncer do colo do útero?O câncer do colo de útero e a consequência do aparecimento de células anormais queadequirem a capacidade de se dividir e invadir outros tecidos. Estas células anormais sãoconsequência, na maioria das vezes, de uma infecção viral crônica com o virus HPV.Segundo estimativas do INCA, em 2012 serão diagnosticados 17.540 novos casos no Brasil.O câncer do colo do útero, quando detectado precocemente, é altamente curável.Lamentavelmente, em nosso país ainda são frequentes as mortes por câncer de colo deútero, o que denota um diagnostico e tratamento tardios.
  • SintomasQuando inicialmente as células do colo uterino (também conhecido como cervix) setornam cancerosas, raramente ocorrem quaisquer sinais de alerta. No entanto, com aprogressão e crescimento do tumor, podem ocorrer os seguintes sintomas:- Corrimento vaginal anormal- Sangramento vaginal entre os períodos menstruais- Sangramento vaginal após a menopausa- Sangramento ou dor durante a relação sexual
  • Causa do câncer do colo do útero: HPVO Papilomavírus humano (HPV) é um grande grupo de vírus. Cerca de 40 tipos podeminfectar as áreas genitais e oral, e alguns têm alto risco de provocar câncer cervical, câncerde canal anal e câncer na cavidade oral. Não é a simples exposição ao virus que determinao futuro aparecimento do câncer,já que a maior parte da população é exposta aos virus,mas somente poucos acabam evoluindo com lesões pre-cancerosas ou cancerosas. Se ainfecção se torna crônica, pode causar alterações nas células do colo do útero, com atransformação destas células em células cancerosas. A nível mundial, mais de 90% doscânceres do colo uterino são causados ​pela infecção por HPV. Dentre os diversos tipos deHPV, o HPV 16 e 18 são os que mais frequentemente causam câncer.
  • Sintomas do HPVAs infecções por HPV geralmente não têm sintomas. Alguns dos vírus HPV podem causarverrugas genitais, mas estas não são os mesmos tipos associados ao câncer do colouterino. É importante mencionar que as verrugas genitais não irão se transformar emcâncer, mesmo se não forem tratadas. Os tipos cancerigenos de HPV podem permanecerno organismo durante anos , sem causar sintomas.
  • Quem tem risco de desenvolver o câncer?HPV é tão comum que a maioria das pessoas que já tiveram relações sexuais - homens emulheres – têm o terão o vírus em algum momento da vida. Já que o HPV podepermanecer sem se manifestar, é possível propagar o virus com facilidade entre parceirossexuais. Vale mencionar que a infecção também ocorre em contato genital-oral.Os preservativos reduzem significativamente o risco de contaminação pelo HPV, mas nãoprotegem totalmente contra o vírus. HPV também está associado a outros tipos de câncercomo de vulva, vagina, pênis, câncer de canal anal e de cavidade oral, em ambos os sexos.
  • Como o HPV causa o câncer do colo do úteroSe um dos tipos do HPV permanece no organismo, pode provocar alterações nas célulasnormais do colo uterino. Estas mudanças pré-cancerosas não significam que você temcâncer. Mas com o tempo, as células, agora anormais, podem dar lugar a célulascancerosas. Uma vez que o câncer aparece, ele tende a se espalhar pelo colo do útero epelas áreas vizinhas. O tempo que leva entre a infecção pelo HPV e o desenvolvimento docâncer costuma ser superior a 15-20 anos. É por isso que há ampla oportunidade para adetecção e o tratamento precoce.
  • Fatores de risco-Infecção por PapilomavírusVírus Humano (HPV) e o Herpesvírus Tipo II (HSV)-Fatores sociais (baixa condição sócio-econômica)-Falta de higiene íntima- Uso prolongado de contraceptivos orais-Início da atividade sexual precoce- Multiplos parceiros sexuais-Tabagismo, diretamente relacionado com o número de cigarros
  • Detecção Precoce: Teste de PapanicolauO Papanicolau, também chamado de esfregaço cérvico-vaginal consiste no raspado do colouterino com uma espátula para coleta de material (células) que é colocado em uma lâminade vidro. Este material recebe uma preparação especial e é analisado por um médicopatologista que elabora o laudo do teste. O Papanicolau pode revelar anormalidades,muitas vezes antes de o câncer se estabelecer. Todas as mulheres devem começar a fazer oteste até três anos depois de se tornarem sexualmente ativas.O Papanicolau detecta a presença de lesões em até 80% das vezes que ela está presente.O Papanicolau é um método de rastreamento, também chamado de prevençãosecundária.
  • Que devo fazer se o teste de Papanicolaou é anormal?Se o resultado do teste mostra uma anormalidade, poderá ser necessário repetir oPapanicolau. O seu médico poderá solicitar uma colposcopia, que é exame com aintrodução de uma lente de aumento que permite identificar (visualizar) com precisão olocal e a extensão da doença; ou poderá solicitar uma biópsia para obter uma amostra eobservar melhor as alterações no tecido do colo do útero. Se as células anormais são pré-cancerosas, elas podem ser removidas ou queimadas.
  • O que são captura híbrida e hibridização molecular?
São métodos que pesquisam se existe material genético do HPV dentro das células doorganismo humano. Em caso do resultado ser positivo, isto significa que o organismoentrou em contato com o HPV , mas não é possível predizer quem irá desenvolver lesões. Acaptura híbrida é o teste mais utilizado na prática clínica e permite identificar dois gruposde vírus (de baixo e alto risco oncogênico), além da carga viral.
  • BiópsiaA biópsia envolve a remoção de tecido do colo do útero para exame em um laboratório.Um médico patologista irá analisar a amostra de tecido em busca de alterações, célulaspré-cancerosas e células cancerosas. O diagnóstico da doença será emitido pelopatologista.
  • Estágios do câncer de colo do úteroEstágio 0: as células cancerígenas são encontradas apenas na superfície do colo do útero.Cânceres mais invasivos são separados em quatro estágios. Estágio I: quando o câncer nãose espalhou para além do colo do útero. Estágio II significa que o tumor se espalhou para aparte superior da vagina. Estágio III: se estende para a parte inferior da vagina e acometeestruturas vizinhas. Estágio IV: o tumor atingiu a bexiga ou o reto, ou células cancerosas seespalharam para outras partes do corpo (metástases).
  • Tratamento: CirurgiaSe o câncer não progrediu ultrapassando o Estagio II, a cirurgia geralmente érecomendada, com intuito de remover qualquer tecido que possa conter célulascancerosas. Normalmente, isso envolve uma histerectomia, a remoção do colo do útero edo útero, bem como alguns dos tecidos circundantes. O cirurgião também pode removeras trompas de Falópio, ovários, e os gânglios linfáticos perto do tumor.
  • Tratamento: RadioterapiaA Radioterapia externa utiliza raios-X de alta energia para matar as células cancerosas. Elatambém pode ajudar a destruir as células cancerígenas remanescentes após a cirurgia.A Radiação interna ou braquiterapia, utiliza material radioativo que é inserido no fundo davagina, encostado no colo de útero. Mulheres com câncer do colo do útero sãofrequentemente tratadas com uma combinação de radioterapia e quimioterapia. Os efeitoscolaterais podem incluir anemia, cansaço, malestar geral, náuseas, vômitos e diarréia.
  • Tratamento: QuimioterapiaQuimioterapia é uma modalidade de tratamento chamado de sistêmico (a medicação seespalha por todo o corpo), e consiste em medicamentos que matam células cancerosas ,mas lamentavelmente também matam células normais, levando a efeitos colaterais.Quando o câncer do colo do útero se espalhou para órgãos distantes, a quimioterapiapode ser a opção de tratamento principal. Dependendo do tipo de medicamentos e dasdoses, os efeitos colaterais podem incluir fadiga, perda de cabelo, náuseas, vômitos eperda de apetite.
  • Enfrentando meu tratamentoOs tratamentos podem fazer com que você fique cansada e podem diminuir o seu apetite.É importante consumir uma qauntidade suficiente de calorias para manter um pesoestável. Converse com seu médico sobre a possibilidade de fazer um acompanhamentocom um nutricionista, para obter dicas sobre alimentação e nutrição durante o tratamento.Manter-se ativo também é importante. Exercício leve pode aumentar a sua energia,reduzindo náuseas e estresse. Consulte com seu médico para saber quais atividades são asmais adequadas para você.
  • Câncer do colo do útero e FertilidadeO tratamento para o câncer de colo do útero muitas vezes envolve a retirada do útero epode também envolver a remoção dos ovários, descartando assim a possibilidade de umafutura gravidez. No entanto, se o câncer é diagnosticado precocemente, pode ser feita umatentativa de tratamento menos agressivo e que possa permitir uma potencial gravidezsubsequente. Um procedimento chamado de traquelectomia pode remover o colo doútero e parte da vagina, deixando a maioria do útero intacto.
  • Prevenção do câncer do colo do úteroA principal forma de prevenção é a detecção precoce através do Papanicolau.Idealmente, toda relação sexual deveria ocorrer com uma proteção de barreira, evitandoassim a contaminação e infecçãopelo HPV.Vacinas já estão disponíveis contra os dois tipos de HPV mais frequentemente associadosao câncer cervical. Para ambos os tipos, se requerem três doses ao longo de um períodode seis meses.Estudos sugerem que as vacinas são eficazes na prevenção de infecções crônicas com osdois tipos de HPV que causam 70% dos cânceres cervicais.
  • Quem deve receber a vacina contra o HPV?As vacinas só são utilizadas para prevenir, e não tratar, a infecção pelo HPV.Elas são mais eficazes se administradas antes que o indivíduo se torne sexualmente ativo.A indicação atual da vacina é para a população feminina de 9 a 26 anos.A Organização Mundial da Saúde recomenda que a vacinação rotineira contra HPV sejaincluída nos programas nacionais de imunização, incluindo nisto a vacinação de meninos ehomens, já que estes são transmissores do virus, embora raramente sejam afetados porcâncer (de pênis)