SIAD

1,172 views
1,071 views

Published on

Published in: Health & Medicine
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
1,172
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
51
Actions
Shares
0
Downloads
11
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

SIAD

  1. 1. SIAB MANUAL DO SISTEMA DEINFORMAÇÃO DE ATENÇÃO BÁSICA
  2. 2. Secretaria de Políticas de SaúdeDepartamento de Atenção Básica 0$18$/ 2 6,67(0$ (,1)250$d®2 ( $7(1d®2 %É6,&$ Brasília-DF Agosto 2000
  3. 3. ‹ 1998 - Ministério da SaúdeÉ permitida a reprodução parcial ou total, desde que citada a fonte.Tiragem: 6.000 exemplares3ª reimpressão: agosto de 2000Ministério da SaúdeSecretaria de Políticas de Saúde - SPSDepartamento de Atenção Básica - DABSecretaria Executiva - SEDepartamento de Informática do Sistema Único de Saúde - DATASUSEsplanada dos Ministérios , Bloco G, sala 715CEP: 70.058-900 - Brasília - DFTelefones: (61) 315-2185 / 226-2693Fax: (61) 226-4340HPDLO: cosac@saude.gov.brImpresso no Brasil/Printed in Brazil)LFKD 7pFQLFD(ODERUDomR:Caetano Impallari - DATASUS/RJEdneusa Mendes Nascimento - COSACIeda Maria Cabral da Costa – SES/SPJorge José Santos Pereira Solla - ISC/UFBAJúlia de Figueiredo Coelho - DATASUS/RJMaria Beatriz Pragana Dantas - NESC/UFPBMaria Guadalupe Medina - ISC/UFBARosana Aquino Guimarães Pereira - ISC/UFBARevisão ortográfica: Bárbara PellegriniEditado na Coordenação de Processo Editorial - Editora/CGDI/SAA/SE/MSSIA Trecho 4, Lotes 540/610Fones: 233-1774 / 233-2020 Fax: 233-9558Cep.: 71.200-040 / Brasília-DF SIAB: manual do sistema de informação de atenção básica / Secretaria de Assistência à Saúde, Coordenação de Saúde da Comunidade. _______. Brasília: Ministério da Saúde, 1998. 98p. ISBN 85-334-0162-0 1. Saúde Pública - Manuais. I. Secretaria de Assistência à Saúde. III. Brasil. Ministério da Saúde.
  4. 4. 680È5,2APRESENTAÇÃO 5CONCEITOS BÁSICOS 6PROCEDIMENTOS BÁSICOS 7INSTRUMENTOS 8UTILIZAÇÃO DOS INSTRUMENTOS 8INSTRUÇÕES PARA PREENCHIMENTO DAS FICHAS DE 10COLETA DE DADOSFICHA A 10FICHA B-GES 22FICHA B-HA 25FICHA B-DIA 28FICHA B-TB 30FICHA B-HAN 32FICHA C 34FICHA D 37INSTRUÇÕES PARA PREENCHIMENTO DOS RELATÓRIOS 45DE CONSOLIDAÇÃO DOS DADOSRELATÓRIO SSA2 45RELATÓRIO SSA4 54RELATÓRIO PMA2 55RELATÓRIO PMA4 58RELATÓRIO A1 60RELATÓRIO A2 62RELATÓRIO A3 66RELATÓRIO A4 66REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 67ANEXOS 68
  5. 5. $35(6(17$d­2 2 3URJUDPD GH 6D~GH GD )DPtOLD IRL LGHDOL]DGR SDUD DSUR[LPDU RV VHUYLoRV GH VD~GH GDSRSXODomR 3DUD FXPSULU R SULQFtSLR FRQVWLWXFLRQDO GR (VWDGR GH JDUDQWLU DR FLGDGmR VHX GLUHLWRGH UHFHEHU DWHQomR LQWHJUDO j VD~GH FRP SULRULGDGH SDUD DV DWLYLGDGHV SUHYHQWLYDV PDV VHPSUHMXt]R GRV VHUYLoRV DVVLVWHQFLDLV H SDUD SHUPLWLU TXH RV UHVSRQViYHLV SHOD RIHUWD GRVVHUYLoRV GH VD~GH RV JHVWRUHV GR 686 DSURIXQGHP R FRQKHFLPHQWR VREUH DTXHOHV D TXHPGHYHP VHUYLU PLO DJHQWHV FRPXQLWiULRV GHYLGDPHQWH WUHLQDGRV Mi YLVLWDP FRP UHJXODULGDGH GRPLFtOLRV HP WRGR R SDtV $Wp R ILP GH HVWH Q~PHUR GXSOLFDUi IRUPDQGR XPYHUGDGHLUR EDWDOKmR GD VD~GH 3DUD FRPSOHPHQWDU R WUDEDOKR GRV DJHQWHV R 0LQLVWpULR GD6D~GH FULRX R 3URJUDPD GH 6D~GH QD )DPtOLD HP 8P WUDEDOKR GR SRUWH GR TXH p IHLWR SHOR 3URJUDPD GH 6D~GH QD )DPtOLD WHP JHUDGRXPD TXDQWLGDGH VLJQLILFDWLYD GH GDGRV RP R FUHVFLPHQWR GR Q~PHUR GH HTXLSHV HFRQVHTHQWHPHQWH GDV IDPtOLDV DFRPSDQKDGDV R PDWHULDO UHFROKLGR H DUTXLYDGRPDQXDOPHQWH Mi VH GHPRQVWUDYD LQVXILFLHQWH SDUD R DSURYHLWDPHQWR GRV GDGRV FROHWDGRV 3RU HVWD UD]mR D HTXLSH GD 26$ RRUGHQDomR GH 6D~GH GD RPXQLGDGH GD6HFUHWDULD GH $VVLVWrQFLD j 6D~GH GR 0LQLVWpULR GD 6D~GH VROLFLWRX DR $7$686 RGHVHQYROYLPHQWR GH XP VLVWHPD HVSHFLDO SDUD JHUHQFLDPHQWR GDV LQIRUPDo}HV REWLGDV QDVYLVLWDV jV FRPXQLGDGHV 2 6,$% 6LVWHPD GH ,QIRUPDo}HV GH $WHQomR %iVLFD p D UHVSRVWD D HVVD GHPDQGD (OHSURGX] UHODWyULRV TXH DX[LOLDUmR DV SUySULDV HTXLSHV DV XQLGDGHV EiVLFDV GH VD~GH jV TXDLVHVWmR OLJDGDV H RV JHVWRUHV PXQLFLSDLV D DFRPSDQKDUHP R WUDEDOKR H DYDOLDUHP D VXDTXDOLGDGH 2V UHODWyULRV TXH R 6,$% HPLWH SHUPLWLUmR FRQKHFHU D UHDOLGDGH VyFLRVDQLWiULD GDSRSXODomR DFRPSDQKDGD DYDOLDU D DGHTXDomR GRV VHUYLoRV GH VD~GH RIHUHFLGRV H UHDGHTXiORV VHPSUH TXH QHFHVViULR H SRU ILP PHOKRUDU D TXDOLGDGH GRV VHUYLoRV GH VD~GH 2 6,$% DSURIXQGD H DSULPRUD SRQWRV IXQGDPHQWDLV GR 6,3$6 6LVWHPD GH ,QIRUPDomRGR 3$6 PDV PDQWpP D OyJLFD FHQWUDO GH VHX IXQFLRQDPHQWR TXH WHP FRPR UHIHUrQFLD XPDGHWHUPLQDGD EDVH SRSXODFLRQDO 2 6,$% DPSOLD R OHTXH GH LQIRUPDo}HV FRP QRYRVLQVWUXPHQWRV GH FROHWD H GH FRQVROLGDomR TXH SHUPLWLUmR VXD XWLOL]DomR SRU WRGD D HTXLSH GHVD~GH GD XQLGDGH EiVLFD
  6. 6. 21(,726 %È6,26 Para o correto preenchimento das fichas e relatórios que compõem o 6,$%, destacamosabaixo alguns conceitos necessários aos que manipularão este sistema de informação.0RGHOR GH $WHQomR - é o resultado da combinação de tecnologias empregadas paraassistência à saúde de uma dada população. O usuário do SIAB deverá identificar o modelo deatenção à saúde utilizado pelo município: • 3URJUDPD GH $JHQWHV RPXQLWiULRV GH 6D~GH 3$6
  7. 7. , • 3URJUDPD GH 6D~GH GD )DPtOLD 36)
  8. 8. ou • 2XWUR - Como RXWUR compreende-se qualquer modalidade de atenção básica diferente do modelo do PACS e do PSF (demanda espontânea, oferta programática, entre outros).)DPtOLD é o conjunto de pessoas ligadas por laços de parentesco, dependência doméstica ounormas de convivência que residem na mesma unidade domiciliar. Inclui empregado(a)doméstico(a) que reside no domicílio, pensionistas e agregados (BRASIL, 1988).RPLFtOLR designa o “local de moradia estruturalmente separado e independente, constituídopor um ou mais cômodos”. A separação fica caracterizada quando o local de moradia é limitadopor paredes (muros ou cercas, entre outros) e coberto por um teto que permita que seusmoradores se isolem e cujos residentes arcam com parte ou todas as suas despesas dealimentação ou moradia. Considera-se LQGHSHQGHQWH o local de moradia que tem acesso diretoe que permite a entrada e a saída de seus moradores sem a passagem por local de moradia deoutras pessoas. • Em casa de cômodos (cortiços), considera-se como um domicílio cada unidade residencial. • Também são considerados domicílios: prédio em construção, embarcação, carroça, vagão, tenda, gruta e outros locais que estejam servindo de moradia para a família (BRASIL, 1998).3HULGRPLFtOLR é o espaço externo próximo à casa e que inclui os seus anexos.$QH[RV é a unidade de construção, permanente ou não, peridomiciliar, que sirva de abrigopara animais ou para depósito, assim como todas as demais dependências externas noperidomicílio, contíguas à casa.0LFURiUHD - o espaço geográfico delimitado onde residem cerca de 400 a 750 pessoas ecorresponde à área de atuação de um agente comunitário de saúde (ACS).ÈUHD - o conjunto de microáreas sob a responsabilidade de uma equipe de saúde. Acomposição da HTXLSH GH VD~GH e as coberturas assistenciais variam de acordo com o modelode atenção adotado e a iUHD pode assumir diversas configurações: • ÈUHD no Programa de Agentes Comunitários de Saúde (PACS) - é o conjunto de microáreas cobertas por uma equipe do PACS (1 instrutor/supervisor e, no máximo, 30 agentes comunitários de saúde) dentro de um mesmo segmento territorial. Neste caso, embora as microáreas sejam referenciadas geograficamente, elas nem sempre são contíguas.
  9. 9. • ÈUHD no Programa de Saúde da Família (PSF) - é o conjunto de microáreas contíguas sob a responsabilidade de uma equipe de saúde da família, onde residem em torno de 2.400 a 4.500 pessoas. • 2XWURV (demanda espontânea, oferta programática etc.) - nos modelos de atenção onde não há a adscrição de clientela por território, os dados coletados referem-se à população atendida na XQLGDGH GH VD~GH É muito comum haver uma área de abrangência para cada unidade de saúde, mesmo não se tendo uma definição territorial formal.6HJPHQWR 7HUULWRULDO o segmento é um conjunto de áreas contíguas que pode corresponderà delimitação de um Distrito Sanitário, de uma Zona de Informação do IBGE ou a outro nível deagregação importante para o planejamento e avaliação em saúde no Município. É a divisãoterritorial utilizada para a análise espacial dos dados em um determinado município. O quadro abaixo apresenta as definições de microárea e área para cada modelo deatenção existente no município: 02(/2 0,52È5($ È5($ 3$6 território onde habitam entre 400 e conjunto de microáreas cobertas por, no 750 pessoas, correspondente à máximo, 30 agentes comunitários de saúde e atuação de 1 ACS um instrutor/supervisor, dentro de um mesmo segmento territorial. 36) território onde habitam entre 400 e conjunto de microáreas cobertas por 1 equipe 750 pessoas, correspondente à de saúde da família responsável pelo atuação de 1 ACS. atendimento de 2400 a 4500 pessoas. 287526 área de abrangência de uma Unidade de Saúde. $7(1d­2 O 6,$% deve ser informatizado. Basta o município procurar o DATASUS ou aCoordenação Estadual do PACS/PSF, para instalar, gratuitamente, o programa. $7$686 WHOHIRQH
  10. 10. 352(,0(1726 %È6,26 Para a utilização do 6,$% em toda sua capacidade, o município precisa:HILQLU RV VHJPHQWRV WHUULWRULDLV indicando quais são urbanos ou rurais, e atribuir-lhescódigos seqüenciais de dois algarismos.HILQLU DV iUHDV GH DEUDQJrQFLD GH FDGD HTXLSH (PACS ou PSF) e atribuir-lhes códigosseqüenciais com três algarismos.,GHQWLILFDU R PRGHOR GH DWHQomR j VD~GH existente em cada área: 3URJUDPD GH $JHQWHVRPXQLWiULRV GH 6D~GH (PACS), 3URJUDPD GH 6D~GH GD )DPtOLD (PSF) ou RXWUR (atendimento àdemanda espontânea, oferta organizada etc.):
  11. 11. • 0XQLFtSLR FRP R 6,$% LQIRUPDWL]DGR: ao cadastrar a equipe é necessário registrar a informação sobre o modelo de atenção no campo correspondente. • 0XQLFtSLR FRP R 6,$% DLQGD QmRLQIRUPDWL]DGR: mensalmente a Secretaria Municipal de Saúde deve consolidar os dados das diversas áreas nos relatórios 66$ H 30$, discriminando-as segundo o modelo de atenção e a zona (urbana e rural) para análises posteriores, e enviar estes relatórios para a Secretaria Estadual de Saúde (regional de saúde ou nível central), responsável pela digitação.,GHQWLILFDU D 8QLGDGH GH 6D~GH D TXDO HVWi YLQFXODGD D HTXLSH GH VD~GH, registrando ocódigo utilizado no Sistema de Informações Ambulatoriais - SIA/SUS. No 3URJUDPD GH 6D~GHGD )DPtOLD e em RXWURV modelos de atenção, a unidade a ser registrada é a de atuação daequipe de saúde. No 3URJUDPD GH $JHQWHV RPXQLWiULRV GH 6D~GH, deve-se registrar aunidade de referência na qual estão cadastrados os agentes comunitários e oinstrutor/supervisor.HILQLU DV PLFURiUHDV de atuação dos agentes comunitários de saúde e atribuir códigosseqüenciais com dois algarismos para cada uma delas, dentro de cada área.DGDVWUDU DV IDPtOLDV GH FDGD PLFURiUHD e atribuir a cada uma delas, códigos seqüenciaiscom três algarismos, dentro de cada microárea.,167580(1726O 6,$% é um sistema idealizado para DJUHJDU e para SURFHVVDU as informações sobre apopulação visitada.Estas informações são UHFROKLGDV HP ILFKas de cadastramento e de acompanhamento eDQDOLVDGDV D SDUWLU GRV UHODWyULRV de consolidação dos dados.6mR LQVWUXPHQWRV GH FROHWD GH GDGRV • cadastramento das famílias - )LFKD $; • acompanhamento de gestantes - )LFKD %*(6; • acompanhamento de hipertensos - )LFKD %+$; • acompanhamento de diabéticos - )LFKD %,$; • acompanhamento de pacientes com tuberculose - )LFKD %7%; • acompanhamento de pacientes com hanseníase - )LFKD %+$1; • acompanhamento de crianças - )LFKD (Cartão da Criança); • registro de atividades, procedimentos e notificações - )LFKD 6mR LQVWUXPHQWRV GH FRQVROLGDomR GRV GDGRV • relatórios de consolidado anual das famílias cadastradas - 5HODWyULRV $, $, $ e $; • relatório de situação de saúde e acompanhamento das famílias - 5HODWyULR 66$ H 66$; • relatórios de produção e marcadores para avaliação - 5HODWyULR 30$ H 30$2V Q~PHURV H QRV UHODWyULRV LQGLFDP RV QtYHLV GH DJUHJDomR FRUUHVSRQGHQWHVPLFURiUHD
  12. 12. iUHD
  13. 13. VHJPHQWR
  14. 14. H PXQLFtSLR
  15. 15. 87,/,=$d­2 26 ,167580(1726
  16. 16. O quadro abaixo mostra a utilização dos instrumentos do 6,$%, de acordo com o modelo deatenção. Instrumentos Modelo de Atenção PACS PSF OUTROS manual informatizado manual informatizado manual informatizado A preenche preenche preenche preenche opcional opcional A1 preenche relatório preenche relatório opcional opcional informatizado informatizado A2 preenche relatório preenche relatório opcional opcional informatizado informatizado A3 preenche relatório preenche relatório opcional opcional informatizado informatizado A4 preenche relatório preenche relatório opcional opcional informatizado informatizado B-GES preenche preenche preenche preenche não preenche não preenche B-HA opcional opcional preenche preenche não preenche não preenche B-DIA opcional opcional preenche preenche não preenche não preenche B-TB opcional opcional preenche preenche não preenche não preenche B-HAN opcional opcional preenche preenche não preenche não preenche C preenche preenche preenche preenche não preenche não preenche D preenche preenche preenche preenche preenche preenche SSA-2 preenche preenche preenche preenche não preenche não preenche SSA-4 preenche relatório preenche relatório não preenche não preenche informatizado informatizado PMA-2 preenche preenche preenche preenche preenche preenche PMA-4 Preenche relatório preenche relatório preenche relatório informatizado informatizado informatizadoNo modelo do 3URJUDPD GH 6D~GH GD )DPtOLD 36)
  17. 17. serão usados todos os instrumentos(fichas e relatórios) do 6,$%.O 3URJUDPD GH $JHQWHV RPXQLWiULRV GH 6D~GH 3$6
  18. 18. utiliza os seguintes instrumentosdo SIAB para o cadastramento das famílias (ficha $ e relatórios $, $, $ e $): • as fichas de acompanhamento de gestantes e das crianças (fichas %*(6 e ); • a ficha de registro de atividades, procedimentos e notificações (ficha ); e • os relatórios de situação de saúde e acompanhamento das famílias (relatórios 66$ e 66$). • nos locais onde os agentes comunitários de saúde do PACS acompanharem sistematicamente os hipertensos, os diabéticos e os pacientes com tuberculose ou hanseníase, sugere-se a utilização das fichas %+$, %,$, %7% e %+$1, respectivamente, instrumentos específico de acompanhamento destes grupos. • os relatórios 30 e 30O modelo de atenção classificado como RXWUR pode utilizar os instrumentos do 6,$% dediversos modos: • se o município optar por fazer adscrição de clientela por microáreas e/ou áreas e realizar o cadastro das famílias, mesmo não adotando o PACS ou o PSF como estratégia de oferta de serviços, poderá utilizar: a) a ficha de cadastro ()LFKD $
  19. 19. e seus relatórios ($ $ $ H $); b) a ficha de registro de atividades, procedimentos e notificações (ficha ); e c) os relatórios de produção e marcadores para avaliação (30$ e 30$
  20. 20. 1mR VHUmR XWLOL]DGDV DV )LFKDV % *(6 +$ ,$ 7% +$
  21. 21. H )LFKD TXH VmR HVSHFtILFDV SDUDR UHJLVWUR GH DFRPSDQKDPHQWR GRPLFLOLDU • caso o município não faça a adscrição da clientela nem cadastro das famílias, poderão ser usados apenas: a) a ficha de registro de atividades, procedimentos e notificações (ficha ); e b) os relatórios de produção e marcadores para avaliação (30$ e 30$
  22. 22. ,16758d®(6 3$5$ 2 35((1+,0(172 $6 ),+$6 ( 2/(7$ ( $26 )LFKD $ )LFKD SDUD FDGDVWUDPHQWR GDV IDPtOLDVA )LFKD $ é preenchida nas primeiras visitas que o Agente Comunitário de Saúde (ACS) faz àsfamílias de sua comunidade. Deve ser preenchida uma ficha por família.As informações recolhidas - identificação da família, cadastro de todos os seus membros,situação de moradia e outras informações adicionais - permitem à equipe de saúde conheceras condições de vida das pessoas da sua área de abrangência e melhor planejar suasintervenções. • Todos os dados desta ficha devem ser atualizados sempre que houver alteração. O ACS deve estar atento para registrar, todo mês, a ocorrência de nascimentos, mortes e mudanças de atividade profissional (ocupação) dos membros da família e as condições de moradia e saneamento. • Onde o sistema estiver informatizado, as alterações registradas pelo ACS devem ser incluídas imediatamente no banco de dados, de forma a permitir sua contínua atualização. Caso contrário, a consolidação dos dados do cadastramento deve ser realizada anualmente, no mês de janeiro, através do preenchimento dos 5HODWyULRV $ $ $ e $. • Toda vez que cadastrar ou desligar uma família, o agente deve levar a )LFKD $ para a reunião mensal para discutir com o instrutor/supervisor. Neste caso, o número de famílias cadastradas deve ser alterado nos 5HODWyULRV 66$ e 66$ e, onde o sistema estiver informatizado, os dados da família devem ser incluídos ou excluídos do banco de dados.
  23. 23. )LFKD $ IUHQWH PRGHOR ),+$ $ 6(5(7$5,$ 081,,3$/ ( 6$Ò( 8) _ _ _ 6,67(0$ ( ,1)250$d­2 $ $7(1d­2 %È6,$ (1(5(d2 1Ò0(52 %$,552 (3 _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ _ 081,Ë3,2 6(*0(172 È5($ 0,52È5($ )$0Ë/,$ $7$ _BB_BB_ _ _ _ _ _ _ _ _ _B _B _B _ _B _B _ _B _B _B _ _B _B _B _B _ _ _B_ $$6752 $ )$0Ë/,$ 2(1d$ 3(662$6 20 $126 28 0$,6 $7$ ,$( 6(;2 $/)$%(7,=$2 283$d­2 28 1$6 21,d­2 5()(5,$ 120( VLP QmR VLJOD
  24. 24. 2(1d$ 3(662$6 ( $ $126 $7$ ,$( 6(;2 )5(4h(17$ 283$d­2 28 1$6 $ (62/$ 21,d­2 5()(5,$ 120( VLP QmR VLJOD
  25. 25. )LFKD $ YHUVR PRGHOR 6,78$d­2 $ 025$,$ ( 6$1($0(172 TIPO DE CASA TRATAMENTO DA ÁGUA NO DOMICÍLIO Tijolo/Adobe Filtração Taipa revestida Fervura Taipa não revestida Cloração Madeira Sem tratamento Material aproveitado ÁBASTECIMENTO DE ÁGUA Outro - Especificar: Rede geral Poço ou nascente Número de cômodos / peças Outros Energia elétrica DESTINO DE FEZES E URINA DESTINO DO LIXO Sistema de esgoto (rede geral) Coletado Fossa Queimado / Enterrado Céu aberto Céu aberto 2875$6 ,1)250$d®(6Alguém da família possui Plano de Número de pessoas cobertas pelo PlanoSaúde? de SaúdeNome do Plano de Saúde | | | | | | | | | | | | | | | | | | | | | | | | | |EM CASO DE DOENÇA PROCURA PARTICIPA DE GRUPOS COMUNITÁRIOSHospital CooperativaUnidade de Saúde Grupo religiosoBenzedeira AssociaçõesFarmácia Outros - Especificar:Outros - Especificar: MEIOS DE COMUNICAÇÃO QUE MEIOS DE TRANSPORTE MAIS UTILIZA QUE MAIS UTILIZARádio ÔnibusTelevisão CaminhãoOutros - Especificar: Carro Carroça Outros - Especificar 2%6(59$d®(6
  26. 26. )LFKD $ IUHQWH SDUWH RULHQWDomR SDUD SUHHQFKLPHQWR),+$ $ 6(5(7$5,$ 081,,3$/ ( 6$Ò( 8) _ 3 _ % _ 6,67(0$ ( ,1)250$d­2 $ $7(1d­2 %È6,$(1(5(d2 1Ò0(52 %$,552 (33UDoD GR 5RViULR _ _ _ HQWUR _ _ _ _ _ _ _ _ _ _081,Ë3,2 6(*0(172 È5($ 0,52È5($ )$0Ë/,$ $7$_BB_BB_ _ _ _ _ _ _ _ _ _B_B_B_ _B_B_ _B_B_B_ _B_B__B_B__B_B_Os campos destacados no início dessa ficha VHUYHP SDUD D LGHQWLILFDomR GD IDPtOLD, devendoser registrados os seguintes dados:8) sigla do estado.(QGHUHoR nome da rua, avenida ou praça do domicílio. Registrar ponto de referência quandofor necessário.1~PHUR - número do domicílio.%DLUUR - nome do bairro.(3 código de endereçamento postal.0XQLFtSLR - código do município utilizado pelo IBGE.6HJPHQWR 7HUULWRULDO - código do segmento territorial. Cada código tem um número de doisalgarismos, definido pela Secretaria Municipal de Saúde.ÈUHDHTXLSH - código da área/equipe. Os códigos das áreas/equipes são seqüenciados emcada município, sendo cada código um número de três algarismos, definido pela SecretariaMunicipal de Saúde.0LFURiUHD - código da microárea. Os códigos das microáreas são seqüenciados dentro decada área/equipe, sendo cada código um número de dois algarismos, definido pela equipe desaúde.)DPtOLD - código da família. Os códigos das famílias são seqüenciados dentro de cadamicroárea, sendo cada código um número de três algarismos, definido pela equipe de saúde.DWD - dia, mês e ano do cadastramento da família.
  27. 27. )LFKD $ IUHQWH 3DUWH RULHQWDomR SDUD R SUHHQFKLPHQWRTodos os membros da família devem ser cadastrados nos dois quadros distintos:• o primeiro destina-se à identificação de pessoas com 15 anos ou mais.• o segundo, à identificação de pessoas de 0 a 14 anos 11 meses e 29 dias. $$6752 $ )$0Ë/,$ 2(1d$ 3(662$6 20 $126 28 0$,6 $7$ ,$( 6(;2 $/)$%(7,=$2 283$d­2 28 1$6 21,d­2 5()(5,$ 120( VLP QmR VLJOD
  28. 28. 1HOVRQ GH -HVXV 6RX]D 0 ; DJULFXOWRU 7% $/ 0DULD GH )iWLPD 6RX]D ) ; FRPHUFLiULD *(6 8PEHOLQD /LPD 6RX]D ) ; GRQD GH FDVD ,$ +$ $QD 5RVD 2OLYHLUD ) ; HPSUHJDGD GRPpVWLFD 2(1d$ 3(662$6 ( $ $126 $7$ ,$( 6(;2 )5(4h(17$ 283$d­2 28 1$6 $ (62/$ 21,d­2 5()(5,$ 120( VLP QmR VLJOD
  29. 29. DYLGVRQ 6DQWRV 6RX]D 0 ; DJULFXOWRU (3, )UDQFLVFR GH -HVXV 6RX]D 0 ; ULVWLQD GH -HVXV 6RX]D ) ; 9HMD D VLWXDomR D VHJXLU TXH VHUYH GH H[HPSOR $ IDPtOLD GR 6U 1HOVRQ p FRPSRVWD GH VHWH PHPEURV HOH D HVSRVD WUrV ILOKRV VXD PmHH $QD 5RVD TXH p HPSUHJDGD GRPpVWLFD H UHVLGH QR GRPLFtOLR DGRV GH LGDGH VH[R HVFRODULGDGH RFXSDomR H RFRUUrQFLD GH GRHQoDV RX FRQGLo}HVUHIHULGDV IRUDP FROHWDGDV GH WRGRV RV PHPEURV GH IDPtOLD 2EVHUYH• D GDWD GH QDVFLPHQWR GH GRQD 8PEHOLQD QmR IRL REWLGD SRUTXH HOD QmR VDELD LQIRUPDU (QWUHWDQWR IRL UHJLVWUDGR QR FDPSR LGDGH DQRV FRQIRUPH IRL HVWLPDGR SRU HOD• ULVWLQD WHP VHWH PHVHV VHQGR UHJLVWUDGR FRPR ]HUR
  30. 30. )LFKD $ IUHQWH 3DUWH 3(662$6 20 $126 28 0$,6 - RULHQWDomR SDUD RSUHHQFKLPHQWR1RPH - nome completo.DWD GH QDVFLPHQWR - dia, mês e ano do nascimento.,GDGH anos completos. Caso não se saiba a data do nascimento, anotar a idade referida ouestimada. Preencher o campo idade mesmo quando houver informação da data de nascimento.
  31. 31. 6H[R - masculino (M) ou feminino (F).$OIDEHWL]DGR - indivíduo que sabe ler e escrever no mínimo um bilhete. O indivíduo que apenasassina o nome não é considerado alfabetizado. Assinalar com um X, nos campos SIM ou NÃO,a presença ou ausência dessa condição2FXSDomR - tipo de trabalho que exerce, independente da profissão de origem ou deremuneração, mesmo que no momento do cadastramento o indivíduo esteja de férias, licençaou afastado temporariamente por qualquer motivo. A realização de tarefas domésticascaracteriza o trabalho doméstico, ainda que este não seja remunerado. Se o indivíduo referirmais de uma ocupação, deverá ser anotada aquela a que ele dedica o maior número de horasna semana, no seu período de trabalho.6HUi FRQVLGHUDGR GHVHPSUHJDGD D SHVVRD TXH IRL GHVOLJDGD GR HPSUHJR H TXH QmR H[HUFHTXDOTXHU RXWUD DWLYLGDGH RFXSDFLRQDO FRPR SUHVWDomR GH VHUYLoRV D WHUFHLURV ³ELFRV´ HWF• A codificação da ocupação é feita apenas no momento da digitação, utilizando a Classificação Brasileira de Ocupações (BRASIL, 1992).RHQoD RX FRQGLomR UHIHULGD - casos atuais das seguintes doenças ou condições referidaspela família: alcoolismo (ALC), Chagas (CHA), deficiência (DEF), diabetes (DIA), epilepsia(EPI), hanseníase (HAN), hipertensão arterial (HA), malária (MAL), tuberculose (TB), gestação(GES) e outras (O). O ACS não deve solicitar comprovação do diagnóstico. Os casos degestação e deficiência podem ser identificados pelo ACS, quando da visita domiciliar, com ousem referência da família.HILFLrQFLD p R GHIHLWR RX FRQGLomR ItVLFD RX PHQWDO GH GXUDomR ORQJD RX SHUPDQHQWH TXH GHDOJXPD IRUPD GLILFXOWD RX LPSHGH XPD SHVVRD GD UHDOL]DomR GH GHWHUPLQDGDV DWLYLGDGHVFRWLGLDQDV HVFRODUHV GH WUDEDOKR RX GH OD]HU ,VWR LQFOXL GHVGH VLWXDo}HV HP TXH R LQGLYtGXRFRQVHJXH UHDOL]DU VR]LQKR WRGDV DV DWLYLGDGHV TXH QHFHVVLWD SRUpP FRP GLILFXOGDGH RX DWUDYpVGH DGDSWDo}HV DWp DTXHODV HP TXH R LQGLYtGXR VHPSUH SUHFLVD GH DMXGD QRV FXLGDGRVSHVVRDLV H RXWUDV DWLYLGDGHV (adaptado de WERNER, 1994).(P UHODomR DRV FDVRV GH 7XEHUFXORVH +DQVHQtDVH 0DOiULD H (VTXLVWRVVRPRVH QmR UHJLVWUDUDTXHOHV TXH IRUDP WUDWDGRV H DOFDQoDUDP FXUD)LFKD $ IUHQWH 3DUWH 3(662$6 ( $ $126 RULHQWDomR SDUD R SUHHQFKLPHQWR1RPH - nome completo.DWD GH QDVFLPHQWR - dia, mês e ano do nascimento.,GDGH idade em anos completos. Caso não se tenha informação sobre a data do nascimento,anotar a idade referida ou estimada . Preencher o campo idade mesmo quando houverinformação da data de nascimento.6H[R - masculino (M) ou feminino (F).)UHTHQWD D HVFROD - pessoa matriculada e freqüentando regularmente a escola, mesmoaquela que estiver de férias no momento do cadastramento mas que freqüentará a escola noperíodo letivo seguinte. Marcar um X nos campos sim ou não, a presença ou ausência dessacondição.
  32. 32. 2FXSDomR - tipo de trabalho que exerce, independente da profissão de origem ou deremuneração, mesmo que no momento do cadastramento o indivíduo esteja de férias, licençaou afastado temporariamente por qualquer motivo. A realização de tarefas domésticascaracteriza o trabalho doméstico, ainda que este não seja remunerado. Se o indivíduo referirmais de uma ocupação, deverá ser anotada aquela a que ele dedica o maior número de horasna semana, no seu período de trabalho.6HUi FRQVLGHUDGR GHVHPSUHJDGR D SHVVRD TXH IRL GHVOLJDGD GR HPSUHJR H TXH QmR H[HUFHTXDOTXHU RXWUD DWLYLGDGH RFXSDFLRQDO FRPR SUHVWDomR GH VHUYLoRV D WHUFHLURV ³ELFRV´ HWF• A codificação da ocupação é feita apenas no momento da digitação, utilizando a Classificação Brasileira Mortalidade (BRASIL, 1992).RHQoD RX FRQGLomR UHIHULGD - casos atuais das seguintes doenças ou condições referidaspela família: alcoolismo (ALC), Chagas (CHA), deficiência (DEF), diabetes (DIA), epilepsia(EPI), hanseníase (HAN), hipertensão arterial (HA), malária (MAL), tuberculose (TB) e gestação(GES). O ACS não deve solicitar comprovação do diagnóstico. Os casos de gestação edeficiência podem ser identificados pelo ACS, quando da visita domiciliar, com ou semreferência da famíliaHILFLrQFLD p R GHIHLWR RX FRQGLomR ItVLFD RX PHQWDO GH GXUDomR ORQJD RX SHUPDQHQWH TXH GHDOJXPD IRUPD GLILFXOWD RX LPSHGH XPD SHVVRD GD UHDOL]DomR GH GHWHUPLQDGDV DWLYLGDGHVFRWLGLDQDV HVFRODUHV GH WUDEDOKR RX GH OD]HU ,VWR LQFOXL GHVGH VLWXDo}HV HP TXH R LQGLYtGXRFRQVHJXH UHDOL]DU VR]LQKR WRGDV DV DWLYLGDGHV TXH QHFHVVLWD SRUpP FRP GLILFXOGDGH RX DWUDYpVGH DGDSWDo}HV DWp DTXHODV HP TXH R LQGLYtGXR VHPSUH SUHFLVD GH DMXGD QRV FXLGDGRVSHVVRDLV H RXWUDV DWLYLGDGHV (adaptado de WERNER, 1994).(P UHODomR DRV FDVRV GH 7XEHUFXORVH +DQVHQtDVH 0DOiULD H (VTXLVWRVVRPRVH QmR UHJLVWUDUDTXHOHV TXH IRUDP WUDWDGRV H DOFDQoDUDP FXUD
  33. 33. )LFKD $ YHUVR SDUWH RULHQWDomR SDUD R SUHHQFKLPHQWR 6,78$d­2 $ 025$,$ ( 6$1($0(172 TIPO DE CASA TRATAMENTO DA ÁGUA NO DOMICÍLIO Tijolo/Adobe Filtração ; Taipa revestida Fervura Taipa não revestida ; Cloração Madeira Sem tratamento Material aproveitado ABASTECIMENTO DE ÁGUA Outro - Especificar: Rede geral Poço ou nascente ; Número de cômodos / peças 5 Outros Energia elétrica ; DESTINO DE FEZES E URINA DESTINO DO LIXO Sistema de esgoto (rede geral) Coletado Fossa ; Queimado / Enterrado Céu aberto Céu aberto ;2V FDPSRV QR YHUVR GD )LFKD $ VHUYHP SDUD FDUDFWHUL]DU D VLWXDomR GH PRUDGLD H VDQHDPHQWRH RXWUDV LQIRUPDo}HV DFHUFD GD IDPtOLD2V FDPSRV GH VLWXDomR GH PRUDGLD H VDQHDPHQWR GHYHP VHU SUHHQFKLGRV FRP XP ; QDDOWHUQDWLYD FRUUHVSRQGHQWH 6y GHYHUi VHU DVVLQDODGD XPD ~QLFD DOWHUQDWLYD SDUD FDGD FDPSR(P FDVR GH G~YLGD RSWDU SHOD DOWHUQDWLYD TXH FRUUHVSRQGHU j VLWXDomR PDLV IUHTHQWH RXSUHGRPLQDQWH9HMD D VLWXDomR D VHJXLU TXH VHUYH GH H[HPSOR$ FDVD RQGH UHVLGH D IDPtOLD GR 6U 1HOVRQ GH -HVXV 6RX]D p FRPSRVWD SRU TXDUWRV XPD VDODRQGH ILFD D XP FDQWR R IRJmR XP EDQKHLUR H XP SiWLR QD iUHD H[WHUQD 7HP SDUHGHV GH WDLSDVHQGR TXH DSHQDV DV GD VDOD VmR UHYHVWLGDV FRP UHERFR 2 EDQKHLUR DFDERX GH VHU FRQVWUXtGRH DV SDUHGHV VmR GH WLMROR H QmR SRVVXHP UHERFR (VWH GRPLFtOLR p VXSULGR SRU HQHUJLD HOpWULFDGDV jV KRUDV H RV PRUDGRUHV MRJDP R OL[R HP XP WHUUHQR EDOGLR YL]LQKR VHQGR TXHHVSRUDGLFDPHQWH XP FDPLQKmR GD SUHIHLWXUD FROHWD R OL[R DFXPXODGR $ iJXD FRQVXPLGD SHORVPRUDGRUHV p RULJLQiULD GH XP SRoR VLWXDGR QR TXLQWDO $ iJXD XWLOL]DGD SHOD IDPtOLD p ILOWUDGDVHQGR TXH D GH ULVWLQD p WDPEpP IHUYLGD 1mR Ki UHGH GH HVJRWRV QR EDLUUR KDYHQGR XPDIRVVD QHVWD UHVLGrQFLD)LFKD $ YHUVR SDUWH RULHQWDomR SDUD SUHHQFKLPHQWR7LSR GH FDVD assinalar o tipo de parede da casa entre as opções existentes na ficha. • tijolo/adobe - parede construída com qualquer tipo de tijolo, inclusive adobe, adobão e semelhantes (adobe = bloco semelhante ao tijolo, preparado com argila crua, secada ao sol);
  34. 34. • taipa revestida - parede de taipa com o interior do domicílio completamente revestido por reboco ou emboço (primeira camada de argamassa); • taipa não revestida - parede de taipa sem revestimento; • madeira - parede de madeira; • material aproveitado - materiais impróprios, como papelão, plástico, lona, palha, flandre etc. • outro - outros materiais de construção, como pedra, concreto etc.1~PHUR GH F{PRGRVSHoDV número de cômodos ou peças do domicílio. Cômodos ou peçassão “todos os compartimentos integrantes do domicílio, inclusive banheiro e cozinha,separados por paredes, e os existentes na parte externa do prédio, desde que constituam parteintegrante do domicílio, com exceção de corredores, alpendres, varandas abertas e outroscompartimentos utilizados para fins não residenciais como garagens, depósitos etc.” (BRASIL,1994).(QHUJLD HOpWULFD marcar com um ; se o domicílio possuir energia elétrica, mesmo que ofornecimento não seja contínuo, ou que a instalação não seja regularizada (ligação clandestina,“gato”, “gambiarra”).HVWLQR GR OL[R assinalar a opção acerca do destino dado ao lixo do domicílio: • coletado - por serviço, empresa pública ou particular; • queimado ou enterrado; • jogado a céu aberto.7UDWDPHQWR GD iJXD QR GRPLFtOLR tratamento da água feito continuamente no domicílio. Nãoconsiderar o tratamento da água realizado pela empresa fornecedora. Marcar um ; no tipo detratamento empregado: • filtração; • fervura; • cloração; • sem tratamento - assinalar esta opção quando não for referida nenhuma das alternativas acima.$EDVWHFLPHQWR GH iJXD Registrar a origem da água utilizada no domicílio, de acordo com aclassificação do IBGE (BRASIL, 1994): • rede geral ou pública - domicílio servido de água proveniente de uma rede geral de abastecimento, no domicílio ou no peridomicílio; • poço ou nascente - domicílio servido de água proveniente de poço ou nascente próprios; • outros - domicílio abastecido com água de chuva, carro-pipa, ou apanhada em fonte pública, poço, ou bica, fora do domicílio ou peridomicílio.HVWLQR GH IH]HV H XULQD destino dado às fezes e urina do domicílio. Marcar com ; : • sistema de esgoto (rede geral) - fezes e urina são canalizadas para o sistema de esgoto (rede pública geral); • fossa - qualquer tipo de fossa; • céu aberto - no quintal, na rua, em um riacho etc.
  35. 35. Em seguida ao quadro relativo à situação de moradia e de saneamento, abrem-se algunscampos destinados ao registro de outras informações importantes para a caracterização dopadrão de vida da família.Os primeiros campos destinam-se a informações sobre seguro-saúde:)LFKD $ YHUVR SDUWH RULHQWDomR SDUD SUHHQFKLPHQWR 2875$6 ,1)250$d®(6 Alguém da família possui Plano de 6LP Número de pessoas cobertas pelo Plano Saúde? de Saúde Nome do Plano de Saúde |6|$|1|7|$| ||$|6|$| ||(| |0|,|6|E|R|I|C|Ó|R|D|,|$| EM CASO DE DOENÇA PROCURA PARTICIPA DE GRUPOS COMUNITÁRIOS Hospital Cooperativa ; Unidade de Saúde ; Grupo religioso Benzedeira ; Associações ; Farmácia Outros - Especificar: Outros - Especificar: MEIOS DE COMUNICAÇÃO QUE MEIOS DE TRANSPORTE MAIS UTILIZA QUE MAIS UTILIZA Rádio ; Ônibus ; Televisão ; Caminhão Outros - Especificar: Carro MRUQDO Carroça ; Outros - Especificar 2%6(59$d®(6/LQGLQDOYD /LPD 6RX]D DQRV PRUUHX GH GHUUDPH HP MXOKR GH 0DULD GH )iWLPD WRVVH FRP H[SHFWRUDomR Ki GLDV9HMD D VLWXDomR D VHJXLU TXH VHUYH GH H[HPSOR2 6U 1HOVRQ GH -HVXV 6RX]D WHP XP LUPmR TXH R FRORFRX FRPR GHSHQGHQWH QR VHX 3ODQR GH6D~GH 6HPSUH TXH DOJXpP GD IDPtOLD DGRHFH SURFXUD R FHQWUR GH VD~GH RQWXGR RQD8PEHOLQD IUHTHQWHPHQWH YDL D EHQ]HGHLUD $ IDPtOLD RXYH UiGLR DVVLVWH WHOHYLVmR H Or MRUQDO6U 1HOVRQ p PHPEUR GD FRRSHUDWLYD GH DJULFXOWRUHV H 0DULD GH )iWLPD GR 6LQGLFDWR GRVRPHUFLiULRV 4XDQGR QHFHVVLWDP XWLOL]DP {QLEXV HRX FDUURoD SDUD ORFRPRomR (P MXOKR GRDQR SDVVDGR IDOHFHX DRV DQRV RQD /LQGLQDOYD LUPm PDLV YHOKD GH RQD 8PEHOLQD TXHUHVLGLD QR GRPLFtOLR 6HJXQGR VXD VREULQKD D FDXVD GR yELWR IRL GHUUDPH 0DULD GH )iWLPDDSUHVHQWD WRVVH FRP H[SHFWRUDomR Ki FHUFD GH GLDV
  36. 36. )LFKD $ YHUVR SDUWH RULHQWDomR SDUD R SUHHQFKLPHQWR$OJXpP GD IDPtOLD SRVVXL 3ODQR GH 6D~GH escreva sim ou não de acordo com a resposta.Considere como plano de saúde qualquer seguro para assistência médica privativa de qualquertipo (hospitalizações, consultas, exames laboratoriais etc.), pago pela família ou por outro(empregador de algum membro da família, parentes etc.).1~PHUR GH SHVVRDV FREHUWDV SRU 3ODQR GH 6D~GH - registrar o número de indivíduos comdireito a assistência por seguro-saúde. Quando na família existirem pessoas associadas aplanos de saúde diferentes, registre o total de pessoas cobertas por todos os planos.1RPH GR 3ODQR GH 6D~GH - anotar o nome da empresa de seguro-saúde. Quando na famíliaexistirem pessoas associadas a plano de saúde diferentes, registre o nome daquele que cobreo maior número de indivíduos.(P RXWUDV LQIRUPDo}HV SRGHUi VHU DVVLQDODGD PDLV GH XPD DOWHUQDWLYD UHIHULGD SHOD IDPtOLD(P FDVR GH GRHQoD SURFXUD marcar um ; nos itens referidos pela família: • hospital - unidade de saúde que realiza internação (inclui unidades mistas); • unidade de saúde - postos e centros de saúde (unidades que não fazem internação); • benzedeira; • farmácia; • outros - especificar.0HLRV GH FRPXQLFDomR TXH PDLV XWLOL]D marcar um ; nos itens referidos pela família: • rádio; • televisão; • outros - especificar.3DUWLFLSD GH JUXSRV FRPXQLWiULRV marcar um ; nos itens referidos pela família: • cooperativa; • grupo religioso; • associações - associações de bairro, de moradores, de mães, de trabalhadores; comunidades de base e sindicatos. • outros - especificar.0HLRV GH WUDQVSRUWH TXH PDLV XWLOL]D marcar um ; nos itens referidos pela família: • ônibus; • caminhão; • carro; • carroça; • outros - especificar.2EVHUYDomR Este campo destina-se ao registro de outras informações que o ACS considerarimportante.
  37. 37. )LFKDV % H )LFKDV SDUD DFRPSDQKDPHQWR GRPLFLOLDUAs fichas do grupo % (B-GES, B-HA, B-DIA, B-TB e B-HAN) e a ficha são utilizadas para oacompanhamento domiciliar dos grupos prioritários para monitoramento. A cada visita mensalos dados destas fichas devem ser atualizados. O ACS deve guardar consigo as fichas deacompanhamento e o instrutor/supervisor deve revisá-las periodicamente. Sempre quecadastrar um caso novo, o agente comunitário de saúde deve discutir com oinstrutor/supervisor o acompanhamento do mesmo.DPSRV LQLFLDLV GH WRGDV DV ILFKDV % RULHQWDomR SDUD SUHHQFKLPHQWROs campos iniciais de todas as fichas % são iguais e servem para a identificação da microáreaonde residem as pessoas acompanhadas, devendo ser preenchidos segundo as orientaçõesabaixo:$QR - ano corrente.0XQLFtSLR - código do município utilizado pelo IBGE.6HJPHQWR 7HUULWRULDO - código do segmento territorial. Sendo cada código um número de doisalgarismos, definido pela Secretaria Municipal de Saúde.8QLGDGH - código da Unidade de Saúde onde o ACS está cadastrado e que consta no cadastrodo Sistema de Informações Ambulatoriais/SIA-SUS.ÈUHD - código da área. Os códigos das áreas são seqüenciados em cada município, sendocada código um número de três algarismos, definido pela Secretaria Municipal de Saúde.0LFURiUHD - código da microárea. Os códigos das microáreas são seqüenciados dentro decada área, sendo cada código um número de dois algarismos, definido pela equipe de saúde.1RPH GR $6 - nome do agente comunitário de saúde.
  38. 38. )LFKD %*(6 )LFKD SDUD DFRPSDQKDPHQWR GH JHVWDQWHVNa )LFKD %*(6 o ACS cadastra e acompanha mensalmente o estado de saúde dasgestantes. A cada visita, os dados da gestante devem ser atualizados nesta ficha, que deveficar de posse do ACS, sendo discutida mensalmente com o instrutor/supervisor. Sempre quecadastrar uma nova gestante, o agente necessita programar com o instrutor/supervisor oacompanhamento da mesma.)LFKD %*(6 RULHQWDomR SDUD SUHHQFKLPHQWROs campos para identificação devem ser preenchidos conforme instrução na SiJLQD . Osdados para preenchimento dos campos seguintes referem-se às informações de cada gestantee devem ser coletados nas visitas domiciliares pelo ACS.1RPH - nome completo.(QGHUHoR rua, avenida ou praça, número e bairro.DWD GD ~OWLPD UHJUD data (dia, mês e ano) correspondente ao primeiro dia do último períodomenstrual.DWD SURYiYHO GR SDUWR - o cálculo da data provável do parto deve ser feito peloinstrutor/supervisor junto com o ACS. Pode ser utilizada a regra de 1lJHOH que consiste emadicionar à data da última menstruação, 7 dias e mais 9 meses. Exemplo: se a últimamenstruação foi em 10 de novembro, a data provável do parto será 17 de agosto. ↓ ↓ ↓ ↓ ↓ ↓ ↓ ↓ ↓ ↓ ↓Última 1º mês 2º mês 3º mês 4º mês 5º mês 6º mês 7º mês 8º mês 9º mêsRegra partoDWD GD YDFLQD O ACS deve solicitar o comprovante de vacinação e só considerar as dosesregistradas.2V HVSDoRV H VHUYHP SDUD DQRWDU D GDWD HP TXH D JHVWDQWH WRPRX D   H  GRVHV GH 7R[yLGH7HWkQLFR 77
  39. 39. 6H D JHVWDQWH QmR WRPRX D YDFLQD R HVSDoR GHYH VHU GHL[DGR HP EUDQFR 6H HOD WRPRXR HVTXHPD EiVLFR H D  GRVH IRL UHFHELGD Ki PHQRV GH DQRV GD JHVWDomR DWXDO HVFUHYHU D SDODYUD ,PXQL]DGD RFXSDQGR RV WUrV FDPSRV H
  40. 40. 6H D JHVWDQWH WLYHU WRPDGR D ~OWLPD GRVH Ki PDLV GH DQRV GHYH UHFHEHU XPD GRVH GH UHIRUoR $QRWDU QR FDPSR 5 D GDWD HP TXH R UHIRUoR IRL GDGR(VWDGR QXWULFLRQDO os campos de 1 a 9 correspondem aos meses de gestação. Em cadavisita, no campo correspondente ao mês da gestação, anotar as letras (desnutrida) e 1(nutrida) para registrar o estado nutricional da gestante.2 HVWDGR QXWULFLRQDO SRGH VHU DYDOLDGR DWUDYpV GD ³FXUYD SHVR [ LGDGH JHVWDFLRQDO´ TXH FRQVWD GR FDUWmRGD JHVWDQWH RX DWUDYpV GD ILWD EUDTXLDO $ JHVWDQWH QmR GHYH SHUGHU SHVR H VH LVVR RFRUUHU GHYH VHURULHQWDGD D DQWHFLSDU R UHWRUQR DR SUpQDWDODWD GD FRQVXOWD GH SUpQDWDO os campos de 1 a 9 correspondem aos meses de gestação.Em cada visita, no campo correspondente ao mês da gestação, anotar a data em que agestante realizou consulta de pré-natal com médico ou enfermeiro. Quando existe segurançade que a consulta aconteceu, mas por qualquer motivo desconhece-se a data, marcar um X.RQVLGHUH FRPR ³FRQVXOWD GH SUpQDWDO´ DTXHOD UHDOL]DGD SRU PpGLFR RX HQIHUPHLURGLUHWDPHQWH UHODFLRQDGD FRP D JHVWDomR HP TXDOTXHU XQLGDGH GH VD~GH
  41. 41. DWD GD YLVLWD GR $6 o ACS deve anotar o dia que realizou a visita domiciliar, isto é,quando as informações sobre o acompanhamento mensal da gestante foram obtidas.)DWRUHV GH 5LVFR - quando a gestante apresenta um dos fatores de risco selecionados, marcarum X ao lado da informação correspondente. Qualquer um destes fatores sendo detectadoindica risco potencial para todo o período gestacional. São considerados como fatores de riscopara a gestante e o concepto as seguintes condições: • RX PDLV JHVWDo}HV considerar todas as gestações anteriores independente de seu resultado (aborto, natimorto ou nativivo). Não considerar a gestação atual. • QDWLPRUWRDERUWR: ocorrência de pelo menos uma gestação anterior que resultou em aborto ou natimorto (ver definições no item “resultado da gestação atual”). • DQRV H PDLV idade materna igual ou superior a 36 anos, tomando como referência a idade da mãe na data da última menstruação. • PHQRV GH DQRV - idade materna inferior a 20 anos, tomando como referência a idade da mãe na data da última menstruação. • VDQJUDPHQWR qualquer sangramento vaginal durante a gestação. Neste caso, o ACS deve orientar a gestante a procurar imediatamente o médico. • HGHPD aumento de volume das pernas e/ou pés da gestante. • GLDEHWHV - quando a gestante referir ser diabética. Considerar os casos de diabetes gestacional e os casos de diabetes não gestacional. • SUHVVmR DOWD referência de hipertensão ou da ocorrência de pelo menos um episódio de elevação da pressão arterial na gestação atual.5HVXOWDGR GD JHVWDomR DWXDO os espaços NV, NM e AB servem para registrar o resultado dagestação atual. O ACS deve colocar a data do desfecho da gestação em um dos espaçosprevistos de acordo com as situações a seguir: nascido vivo (NV), natimorto (NM) e aborto(AB). Adotar as seguintes definições da CID, 9ª revisão: • QDVFLGR YLYR - toda criança que, independente da duração da gestação, apresentou ao nascer (após a expulsão ou extração completa do corpo da mãe) nem que seja por algum instante, um ou mais dos seguintes sinais: respiração, batimentos cardíacos, pulsação do cordão umbilical e/ou movimentos efetivos dos músculos de contração voluntária, estando ou não cortado o cordão umbilical e estando ou não desprendida a placenta. • QDWLPRUWR óbito fetal tardio ou intermediário, ou seja, o óbito ocorrido antes da expulsão ou extração completa do corpo materno, de feto que tenha alcançado 20 semanas completas ou mais de gestação (ou peso maior que 500 gramas) e que não tenha apresentado sinais de vida após o parto (batimentos cardíacos, respiração, pulsação do cordão umbilical ou movimentos de contração voluntária). • DERUWR é a expulsão do produto da gestação com menos de 20 semanas. Se não houver informação sobre idade gestacional, considere aborto a morte do produto da concepção com peso menor ou igual a 500 gramas.DWD GD FRQVXOWD GH SXHUSpULR os espaços 1 e 2 servem para anotar a data das consultasmédicas ou de enfermagem no período de pós-parto em uma unidade de saúde, referindo-seao 1º e 2º mês após o parto.
  42. 42. ),+$ 6(5(7$5,$ 081,,3$/ ( 6$Ò( % *(6 $7(1d­2 %È6,$ 6$Ò( $ )$0Ë/,$ ANO |_1_|_9_|_9_|_6_|MUNICÍPIO UNIDADE ÁREA |__|_0_|_1_| MICROÁREA|_0|_0_|_1_| NOME DO ACS:|__|__|_1_|_4_|_2_|_0_|_6_| |__|__|__|__|__|__|_2_| $203$1+$0(172 ( *(67$17(6 Data da Identificação da gestante Data Data Data da Estado Nutricional : - Desnutrida Data da consulta de pré-natal Resultado consulta de da provável Vacina 1 - Nutrida Fatores de risco da puerpério última do gestação regra parto Mês de gestação Mês de gestação 1 2 3 R 1 2 3 4 5 6 7 8 9 1 2 3 4 5 6 7 8 9 NV NM AB 1 2Nome: 02/ 09/ 3/ 8/ 2/ 6 ou mais gestaçõesRQFHLomR GD 6LOYD 12/ 09/ 5/ N N X 3/ X X 8/ Natimorto/Aborto 1/ 9/ 95 96 36 anos e mais 9/ 9/Endereço: Menos de 20 anos 96 96Praça do Rosário, 14 OBS: SangramentoCentro Edema Diabetes Pressão Alta 1 2 3 R 1 2 3 4 5 6 7 8 9 1 2 3 4 5 6 7 8 9Nome: 30/ 06/ 6 ou mais gestaçõesMaria de Fátima 05/ 02/ D X Natimorto/Aborto 96 97 36 anos e maisEndereço: Menos de 20 anosPraça do Rosário, 14 OBS: SangramentoCentro Edema Diabetes Pressão Alta 1 2 3 R 1 2 3 4 5 6 7 8 9 1 2 3 4 5 6 7 8 9Nome: 6 ou mais gestações Natimorto/Aborto 36 anos e maisEndereço: Menos de 20 anos OBS: Sangramento Edema Diabetes Pressão Alta
  43. 43. )LFKD % +$ )LFKD SDUD DFRPSDQKDPHQWR GH KLSHUWHQVRVA Ficha B-HA serve para o cadastramento e acompanhamento mensal dos hipertensos.Atenção: só devem ser cadastradas as pessoas com diagnóstico médico estabelecido.2V FDVRV VXVSHLWRV UHIHUrQFLD GH KLSHUWHQVmR RX SUHVVmR DUWHULDO DFLPD GRV SDGU}HV GHQRUPDOLGDGH
  44. 44. GHYHP VHU HQFDPLQKDGRV LPHGLDWDPHQWH j 8QLGDGH GH 6D~GH SDUD UHDOL]DomRGH FRQVXOWD PpGLFD 6y DSyV HVWH SURFHGLPHQWR FRP R GLDJQyVWLFR PpGLFR HVWDEHOHFLGR p TXHR $6 FDGDVWUD H DFRPSDQKD R KLSHUWHQVRA cada visita os dados desta ficha devem ser atualizados. Ela fica de posse do ACS e deve serrevisada periodicamente pelo instrutor/supervisor. Sempre que cadastrar um caso novo dehipertensão o agente comunitário de saúde deve discutir com o instrutor/supervisor oacompanhamento do mesmo.)LFKD %+$ RULHQWDomR SDUD SUHHQFKLPHQWROs campos para identificação devem ser preenchidos conforme instrução na SiJLQD . Osdados para preenchimento dos campos seguintes, sobre cada hipertenso, devem ser coletadospelo ACS nas visitas domiciliares.1RPH - nome completo.(QGHUHoR rua, avenida ou praça, número e bairro.6H[R - anotar 0 para sexo masculino e ) para feminino.,GDGH - em anos completos.)XPDQWH assinalar ; nas alternativas SIM ou NÃO se o indivíduo é ou não fumante.RQVLGHUDVH IXPDQWH R LQGLYtGXR TXH IXPD HYHQWXDO RX IUHTHQWHPHQWH TXDOTXHU TXH VHMD DTXDQWLGDGH FRQVXPLGD GH WDEDFR LQGHSHQGHQWH GR WLSR FLJDUURV FKDUXWRV FDFKLPERV RX IXPRGH FRUGD
  45. 45. As informações referentes ao acompanhamento devem ser anotadas nos espaçoscorrespondentes aos meses do ano. O preenchimento dos campos seguintes será feito nasvisitas domiciliares mensais.DWD GD YLVLWD GR $6 o ACS deve anotar o dia em que realizou a visita domiciliar, isto é,quando as informações acerca do acompanhamento mensal do hipertenso foram obtidas.)D] GLHWD marcar S o hipertenso informar que, no mês de referência, cumpriu, regularmente, adieta, conforme recomendado pela equipe de saúde; N, se não cumpriu; e X, se não houverecomendação.7RPD D PHGLFDomR marcar S se o hipertenso informar que, no mês de referência, tomouregularmente a medicação prescrita pelo médico; N, se não tomou; e X se não houveprescrição. Incluir fitoterapia (chás, ervas etc.) desde que prescrito pelo médico.
  46. 46. )D] H[HUFtFLRV ItVLFRV marcar S se o hipertenso informar que, no mês de referência, realizouexercícios físicos regularmente (pelo menos 3 vezes por semana) e N, se não realizou.3UHVVmR DUWHULDO o ACS deve medir e registrar os níveis tensionais dos indivíduoshipertensos, em todas as visitas.DWD GD ~OWLPD FRQVXOWD anotar o dia da última consulta médica ou de enfermagemrelacionada ao controle da hipertensão.RQVXOWD SDUD FRQWUROH GH KLSHUWHQVmR DUWHULDO p DTXHOD UHDOL]DGD SHULyGLFD H VLVWHPDWLFDPHQWHSDUD DYDOLDomR GD HYROXomR GR TXDGUR GH KLSHUWHQVmR DUWHULDO2EVHUYDomR registrar ocorrência de hospitalização, óbitos, complicações e outrasintercorrências.
  47. 47. ),+$ 6(5(7$5,$ 081,,3$/ ( 6$Ò( % ± +$ $7(1d­2 %È6,$ 6$Ò( $ )$0Ë/,$ $12 |_1_|_9_|_9_|6_|MUNICÍPIO UNIDADE ÁREA |__|__|_0_|_1_| MICROÁREA |_0_|_1_| NOME DO ACS:|__|__|_1|_4_|_2_|_0_|_6_| |__|__|__|__|__|_0_|_2_| $203$1+$0(172 ( +,3(57(1626 Identificação Sexo Idade Fumante Meses sim não Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez ObservaçõesNome: Faz dieta ; ; ; ; ; ; ; ; ;8PEHOLQD /LPD 6RX]D ) ; Toma a medicação ; ; ; ; ; ; ; ; ; Faz exercícios físicosEndereço: Pressão arterial [ [ [ [ [ [ [ [ [3UDoD GR 5RViULR HQWUR Data da última consultaNome: Faz dieta Toma a medicação Faz exercícios físicosEndereço: Pressão arterial Data da última consultaNome: Faz dieta Toma a medicação Faz exercícios físicosEndereço: Pressão arterial Data da última consulta
  48. 48. )LFKD %,$ )LFKD SDUD DFRPSDQKDPHQWR GH GLDEpWLFRVA Ficha B-DIA serve para o cadastramento e acompanhamento mensal dos diabéticos.Atenção: só devem ser cadastradas as pessoas com diagnóstico médico estabelecido.2V FDVRV VXVSHLWRV UHIHUrQFLD GH GLDEHWHV
  49. 49. GHYHP VHU HQFDPLQKDGRV j 8QLGDGH GH 6D~GHSDUD UHDOL]DomR GH FRQVXOWD PpGLFD 6y DSyV HVWH SURFHGLPHQWR p TXH R $6 FDGDVWUD HDFRPSDQKD R GLDEpWLFR 2V FDVRV GH GLDEHWHV JHVWDFLRQDO QmR GHYHP VHU FDGDVWUDGRV QHVWDILFKDA cada visita os dados desta ficha devem ser atualizados. Ela fica de posse do ACS e deve serrevisada periodicamente pelo instrutor/supervisor. Sempre que cadastrar um caso novo dediabetes o agente comunitário de saúde deve discutir com o instrutor/supervisor oacompanhamento do mesmo.)LFKD %,$ RULHQWDomR SDUD SUHHQFKLPHQWROs campos para identificação devem ser preenchidos conforme instrução na SiJLQD . Osdados para preenchimento dos campos seguintes, sobre cada diabético, devem ser coletadospelo ACS nas visitas domiciliares.1RPH - nome completo.(QGHUHoR rua, avenida ou praça, número e bairro.6H[R - anotar M para sexo masculino e F para feminino.,GDGH - em anos completos.$V LQIRUPDo}HV UHIHUHQWHV DR DFRPSDQKDPHQWR GHYHP VHU DQRWDGDV QRV HVSDoRVFRUUHVSRQGHQWHV DRV PHVHV GR DQR 2 SUHHQFKLPHQWR GRV FDPSRV VHJXLQWHV GHYH VHU IHLWR QDVYLVLWDV GRPLFLOLDUHV PHQVDLVDWD GD YLVLWD GR $6 o ACS deve anotar o dia em que realizou a visita domiciliar, isto é,quando as informações acerca do acompanhamento mensal do diabético foram obtidas.)D] GLHWD marcar S se o diabético informar que, no mês de referência, cumpriu a dieta,regularmente, conforme recomendado pela equipe de saúde; N, se não cumpriu; e X, se nãohouve recomendação.)D] H[HUFtFLR ItVLFRV marcar S se o diabético informar que, no mês de referência, realizouexercícios físicos regularmente (pelo menos 3 vezes por semana); e N, se não realizou.8VD LQVXOLQD marcar S se o diabético informar que, no mês de referência, tomou insulinaregularmente, como prescrita pelo médico; N, se não tomou; e X se não houve prescrição.7RPD KLSRJOLFHPLDQWH RUDO marcar S se o diabético informar que, no mês de referência,tomou hipoglicemiante oral regularmente, como prescrito pelo médico; N, se não tomou; e X senão houve prescrição.DWD GD ~OWLPD FRQVXOWD anotar o dia da última consulta médica ou de enfermagem realizadapara o controle do diabetes.RQVXOWD SDUD FRQWUROH GH GLDEHWHV p DTXHOD UHDOL]DGD SHULyGLFD H VLVWHPDWLFDPHQWH SDUDDYDOLDomR GD HYROXomR GR TXDGUR GH GLDEHWHV2EVHUYDomR registrar ocorrência de hospitalização, óbitos, complicações e outrasintercorrências.
  50. 50. ),+$ 6(5(7$5,$ 081,,3$/ ( 6$Ò( % ,$ $7(1d­2 %È6,$ 6$Ò( $ )$0Ë/,$ $12 | | | | |MUNICÍPIO UNIDADE ÁREA |__|_0_|_0_|_1_| MICROÁREA NOME DO ACS:| | | 1 | 4 | 2 | 0 | 6 | | | | | | 0 | 0 | 2 | | 0 | 1 | $203$1+$0(172 ( ,$%e7,26 Identificação Sexo Idade Meses Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez ObservaçõesNome: faz dieta ; ; ; ; ; ; ; ; ;8PEHOLQD /LPD 6RX]D ) faz exercícios físicos usa insulinaEndereço: 3UDoD GR 5RViULR toma hipoglicemiante oral ; ; ; ; ; ; ; ; ; HQWUR data da última consulta Nome: faz dieta faz exercícios físicosEndereço: usa insulina toma hipoglicemiante oral data da última consultaNome: faz dieta faz exercícios físicosEndereço: usa insulina toma hipoglicemiante oral data da última consulta
  51. 51. )LFKD %7% )LFKD SDUD DFRPSDQKDPHQWR GH SHVVRDV FRP WXEHUFXORVHA Ficha B-TB serve para o cadastramento e acompanhamento mensal de pessoas comtuberculose.A cada visita os dados desta ficha devem ser atualizados. Ela fica de posse do ACS e deve serrevisada periodicamente pelo instrutor/supervisor.6HPSUH TXH FDGDVWUDU XP FDVR QRYR GH WXEHUFXORVH R DJHQWH FRPXQLWiULR GH VD~GH GHYHGLVFXWLU FRP R LQVWUXWRUVXSHUYLVRU R DFRPSDQKDPHQWR GR PHVPR)LFKD %7% RULHQWDomR SDUD SUHHQFKLPHQWROs campos para identificação devem ser preenchidos conforme instrução na SiJLQD Osdados para preenchimento dos campos seguintes, sobre cada pessoa com tuberculose, devemser coletados pelo ACS nas visitas domiciliares.1RPH - nome completo.(QGHUHoR rua, avenida ou praça, número e bairro.6H[R - anotar 0 para sexo masculino e ) para sexo feminino.,GDGH - em anos completos.$V LQIRUPDo}HV UHIHUHQWHV DR DFRPSDQKDPHQWR GHYHP VHU DQRWDGDV QRV HVSDoRVFRUUHVSRQGHQWHV DRV PHVHV GR DQR 2 SUHHQFKLPHQWR GRV FDPSRV VHJXLQWHV GHYH VHU IHLWR QDVYLVLWDV GRPLFLOLDUHV PHQVDLVDWD GD YLVLWD GR $6 o ACS deve anotar o dia em que realizou a visita domiciliar, quandoas informações acerca do acompanhamento mensal da pessoa com tuberculose foram obtidas.7RPD PHGLFDomR GLiULD marcar S se o paciente informar que, no mês de referência, tomou,diariamente, todos os comprimidos do esquema prescrito por médico ou por enfermeiro; N, senão tomou; e X, se não houve prescrição.5HDo}HV LQGHVHMiYHLV assinalar um X na ocorrência de qualquer uma das seguintes reaçõesindesejáveis ao uso de medicamentos: GHVFRQIRUWR JiVWULFR QiXVHDV Y{PLWRV LFWHUtFLDDOWHUDo}HV YLVXDLV DOWHUDo}HV DXGLWLYDV DVPD XUWLFiULD VDQJUDPHQWRV GRUHV DUWLFXODUHV SHUGDGH HTXLOtEULR H RXWURV HIHLWRV LQGHVHMiYHLV LGHQWLILFDGRV UHODFLRQDGRV DR XVR GD PHGLFDomR.DWD GD ~OWLPD FRQVXOWD anotar o dia e o mês da última consulta médica ou de enfermagempara controle de tuberculose, no mês de referência.RQVXOWD SDUD FRQWUROH GH WXEHUFXORVH p DTXHOD UHDOL]DGD SHULyGLFD H VLVWHPDWLFDPHQWH SDUDDYDOLDomR GD HYROXomR GR TXDGUR GH WXEHUFXORVH([DPH GR HVFDUUR - registrar S se o paciente realizou exame de escarro no mês de referência;e N, se não realizou.
  52. 52. RPXQLFDQWHV H[DPLQDGRV - registrar o número de comunicantes examinados em unidade desaúde até o mês de referência, ou seja, o número total de comunicantes examinados nosmeses anteriores e no mês de referência. Caso no mês de referência nenhum comunicantetenha sido examinado, o número computado no mês anterior deve ser repetido. DQRV FRP %* - anotar o número de crianças menores de 5 anos que apresentam cicatrizvacinal ou comprovante de vacinação por BCG, até o mês de referência, ou seja, o númerototal de crianças 5 anos que apresentaram cicatriz vacinal ou comprovante de vacinação porBCG nos meses anteriores e no mês de referência. Caso no mês de referência nenhumacriança tenha sido vacinada, o número computado no mês anterior deve ser repetido.2XWUDV LQIRUPDo}HV - preencher está coluna seguindo as orientações a seguir: • 1ž GH RPXQLFDQWHV - registrar o número total de comunicantes residentes no domicílio. • RPXQLFDQWHV DQRV - registrar o número de menores de cinco anos residentes no domicílio.2 HVSDoR HP EUDQFR GHVWLQDVH DR UHJLVWUR GH RXWUDV LQIRUPDo}HV FRQVLGHUDGDV UHOHYDQWHV QRGHFRUUHU GR DFRPSDQKDPHQWR GR SDFLHQWH FRPR SRU H[HPSOR D RFRUUrQFLD GH KRVSLWDOL]DomRyELWR H FRPSOLFDo}HV
  53. 53. )LFKD %+$1 )LFKD SDUD DFRPSDQKDPHQWR GH SHVVRDV FRP KDQVHQtDVHA Ficha B-HAN serve para o cadastramento e acompanhamento mensal de pessoas comhanseníase.A cada visita os dados desta ficha devem ser atualizados. Ela fica de posse do ACS e deve serrevisada periodicamente pelo instrutor/supervisor. Sempre que cadastrar um caso novo dehanseníase, o agente comunitário de saúde deve discutir com o instrutor/supervisor oacompanhamento do mesmo.)LFKD %+$1 RULHQWDomR SDUD SUHHQFKLPHQWROs campos para identificação devem ser preenchidos conforme instrução na SiJLQD Oscampos seguintes referem-se às informações sobre cada pessoa acompanhada. Estes dadosdevem ser coletados nas visitas domiciliares pelo ACS.1RPH - nome completo.(QGHUHoR rua, avenida ou praça, número e bairro.6H[R - anotar 0 para sexo masculino e ) sexo para feminino.,GDGH - em anos completos.$V LQIRUPDo}HV UHIHUHQWHV DR DFRPSDQKDPHQWR GHYHP VHU DQRWDGDV QRV HVSDoRVFRUUHVSRQGHQWHV DRV PHVHV GR DQR 2 SUHHQFKLPHQWR GRV FDPSRV VHJXLQWHV GHYH VHU IHLWR QDVYLVLWDV GRPLFLOLDUHV PHQVDLVDWD GD YLVLWD GR $6 o ACS deve anotar o dia em que realizou a visita domiciliar, isto é,quando as informações acerca do acompanhamento mensal da pessoa com hanseníase foramobtidas.7RPD PHGLFDomR GLiULD marcar S se o paciente com hanseníase informar que, no mês dereferência, tomou diariamente a medicação, como prescrito por médico ou por enfermeiro; N,se não tomou e X, se não houve prescrição.DWD GD ~OWLPD GRVH VXSHUYLVLRQDGD anotar o dia e mês do último retorno do paciente aoambulatório para tomada da dose supervisionada.)D] DXWRFXLGDGR (prevenção de incapacidades) - marcar S se o paciente informar que estáseguindo as medidas de auto-cuidado para prevenir incapacidades, conforme orientação doprofissional de saúde; N, se não está seguindo e X, se não houve orientação.DWD GD ~OWLPD FRQVXOWD anotar o dia da última consulta médica ou de enfermagem realizadapara o controle da hanseníase.RQVXOWD SDUD FRQWUROH GH KDQVHQtDVH p DTXHOD UHDOL]DGD SHULyGLFD H VLVWHPDWLFDPHQWH SDUDDYDOLDomR GD HYROXomR GR TXDGUR GH KDQVHQtDVH RPXQLFDQWHV H[DPLQDGRV - registrar o número de comunicantes examinados em unidade desaúde até o mês de referência, ou seja, o número total de comunicantes examinados nos
  54. 54. meses anteriores e no mês de referência. Caso no mês de referência nenhum comunicantetenha sido examinado, o número computado no mês anterior deve ser repetido.RPXQLFDQWHV TXH UHFHEHUDP %* - anotar o número de comunicantes que apresentaramcomprovante de terem recebido a 2ª dose de vacina BCG até o mês de referência, ou seja: onúmero total de comunicantes que receberam a 2ª dose de vacina BCG (com comprovante)nos meses anteriores e no mês de referência. Caso no mês de referência nenhum comunicantetenha sido vacinado com a 2ª dose de vacina BCG, o número computado no mês anterior deveser repetido.2XWUDV LQIRUPDo}HV - preencher esta coluna segundo as orientações a seguir: • 1ž RPXQLFDQWHV - registrar o número total de comunicantes residentes no domicílio.2 HVSDoR HP EUDQFR GHVWLQDVH j DQRWDomR GH RXWUDV LQIRUPDo}HV FRQVLGHUDGDV UHOHYDQWHV QRGHFRUUHU GR DFRPSDQKDPHQWR GR SDFLHQWH FRPR SRU H[HPSOR D RFRUUrQFLD GH KRVSLWDOL]DomRyELWR FRPSOLFDo}HV H HVWDGRV UHDFLRQDLV
  55. 55. )LFKD )LFKD SDUD DFRPSDQKDPHQWR GD FULDQoDO instrumento utilizado para o acompanhamento da criança - a )LFKD é uma cópia doDUWmR GD ULDQoD padronizado pelo Ministério da Saúde, utilizado pelos diversos serviços desaúde nos municípios. Este Cartão é produzido em dois modelos distintos: um para a criançade sexo masculino e outro para a criança do sexo feminino. Toda família que tenha umacriança menor de cinco anos, acompanhada por uma unidade de saúde deve possuir esteCartão. É ele que servirá como fonte básica dos dados que serão coletados pelos ACS.Para as crianças menores de 2 anos o ACS deve utilizar, como base para a coleta dos dados,o DUWmR GD ULDQoD que está de posse da família, transcrevendo para o seu FDUWmRVRPEUD osdados registrados no DUWmR GD ULDQoD. Caso a família não tenha o Cartão, o ACS deverápreencher o FDUWmRVRPEUD com base nas informações referidas e orientar a família a procurara unidade de saúde de referência para providenciar a 2ª via. DUWmRVRPEUD p D FySLD GR FDUWmR GD FULDQoD TXH ILFD FRP R $6)LFKD RULHQWDomR SDUD SUHHQFKLPHQWRA frente do Cartão da Criança destina-se à coleta de informações acerca da identificação dacriança, sobre o tipo do parto e condições da criança ao nascer, devendo ser preenchidos osseguintes dados:1RPH GD FULDQoD - nome completo da criança.1RPH GD PmH - nome completo da mãe da criança.1RPH GR SDL - nome completo do pai da criança.(QGHUHoR - rua, avenida ou praça, número e bairro; cidade/estado; telefone e CEP./RFDO GH UHIHUrQFLD - ponto de referência para facilitar a localização do domicílio.DWD GH QDVFLPHQWR - dia, mês e ano do nascimento da criança.RPSULPHQWR - comprimento da criança ao nascer em centímetros.3HVR HP JUDPDV - peso da criança ao nascer (até a 5ª hora de vida).3HUtPHWUR FHIiOLFR - perímetro cefálico da criança ao nascer, em centímetros.$SJDU ¶- valor do índice de Apgar no 5º minuto de vida.7LSR GH SDUWR - classificação do parto em natural, fórceps ou cesáreo.2EVHUYDo}HV - campo aberto para o registro de outras informações relacionadas aonascimento. No Cartão que está de posse do ACS, este campo pode ser utilizado para informarque a família não possuía o cartão, na ocasião da visita domiciliar, caso isto tenha ocorrido.
  56. 56. 3DUD R UHJLVWUR GH LQIRUPDo}HV UHODFLRQDGDV j YDFLQDomR R $6 GHYH UHTXLVLWDU j IDPtOLD DOpPGR DUWmR GD ULDQoD DV VHQKDV GH DPSDQKD GH 9DFLQDomR SRLV PXLWDV YH]HV D IDPtOLDDFXPXOD FRQVLJR PDLV GH XP GHVVHV GRFXPHQWRV1R YHUVR GR DUWmR GD ULDQoD HQFRQWUDVH LPSUHVVR XP TXDGUR SDUD UHJLVWUR GH LQIRUPDo}HVVREUH YDFLQDomR 2 DJHQWH GHYH WUDQVFUHYHU SDUD R VHX LQVWUXPHQWR R FDUWmRVRPEUD
  57. 57. QRFDPSR FRUUHVSRQGHQWH DV GDWDV HP TXH D FULDQoD WRPRX D GRVH UHVSHFWLYD GD YDFLQDDVVLQDODGD (P JHUDO HVVDV GDWDV HVWmR DQRWDGDV D FDQHWD H UXEULFDGDV SHOR IXQFLRQiULR GDXQLGDGH GH VD~GH TXH DV DSOLFRX ¬V YH]HV DR LQYpV GLVVR HQFRQWUDVH DIL[DGR QR FDPSR XPDHWLTXHWD GH FDPSDQKD GH YDFLQDomR QD TXDO WDPEpP FRQVWD D GDWD GD GRVH DSOLFDGD $7(1d­2O ACS não deve transcrever para o Cartão de sua posse (cartão-sombra) as datas queestiverem anotadas a lápis no Cartão da Criança que está de posse da família. As anotações alápis referem-se a datas que são aprazadas pelo serviço de saúde para comparecimento dacriança, não correspondendo, portanto, à dose de vacina aplicada.O Cartão da Criança apresenta um gráfico peso-idade que deve ser utilizado noacompanhamento da criança. Na linha horizontal desse gráfico observa-se uma numeração de0 (zero) a 60 (sessenta) que corresponde à idade da criança em meses. O marco zero refere-se à data de nascimento da criança. Os números ao lado e dentro do gráfico indicam o pesoem quilos. As duas linhas vermelhas mostram a faixa dentro da qual a maioria das criançassadia está situada.O peso da criança ao nascer deve ser registrado com uma bolinha no marco zero, na ordenadado gráfico (primeira linha vertical). Todos os meses a criança deverá ser pesada e o seu peso,registrado com uma bolinha no ponto correspondente do gráfico, de modo que seja construída,no decorrer dos meses, uma curva peso-idade. Para a construção da curva de crescimento, oACS deverá unir as bolinhas relativas ao registro de peso de dois meses subseqüentes,procedendo dessa forma para todos os meses. O desenho dessa curva é um indicativo doprocesso de crescimento da criança, devendo o ACS estar atento para a ocorrência dequalquer das seguintes situações: • o peso da criança está abaixo da curva inferior do gráfico; • a criança mantém o mesmo peso do mês anterior; • a criança apresenta peso inferior ao do mês anterior.3DUD R UHJLVWUR GR SHVR GD FULDQoD QR PrV FRUUHVSRQGHQWH R DJHQWH GHYH SHVDU D FULDQoD QRPRPHQWR GD YLVLWD GRPLFLOLDU RX WUDQVFUHYHU R SHVR TXH FRQVWD GR DUWmR GH SRVVH GD PmH VHHVWH SHVR HVWLYHU DWXDOL]DGR RX VHMD VH R ~OWLPR SHVR UHJLVWUDGR QR DUWmR WLYHU RFRUULGR KiPHQRV GH GLDV Ao pesar uma criança, o ACS deve atualizar também o Cartão que está de posse da família.Na parte do cartão onde está escrito DATAS o ACS deve anotar, no espaço embaixo do 0(zero), a data do nascimento, e nos seguintes registrar, mês a mês, a data da visita domiciliarem que foi pesada ou registrado o peso da criança.Uma das ações do ACS é estimular o aleitamento materno, enfatizando a importância doaleitamento exclusivo até os seis meses de idade. O ACS deve registrar mensalmente se acriança está amamentando, durante todo o período em que a criança fizer uso de aleitamento
  58. 58. materno. Este registro será feito na parte inferior do gráfico peso-idade, logo abaixo do númerodo mês correspondente, de acordo com os seguintes critérios: • ULDQoD FRP DOHLWDPHQWR H[FOXVLYR: será considerada como “com aleitamento exclusivo” a criança que utiliza diariamente apenas o leite materno. Não devem ser consideradas, portanto, aquelas crianças que usam água, chá, ou qualquer outro líquido, regularmente. Entretanto, pode ser considerada aquela criança que, no período de referência, fez uso esporádico, por algum motivo (doença, afastamento temporário da mãe etc.), de algum dos líquidos mencionados, sem que sua amamentação tenha sido interrompida. • ULDQoD FRP DOHLWDPHQWR PLVWR: é aquela que, apesar de estar sendo amamentada, utiliza regularmente água e/ou qualquer outro tipo de alimento como chá, leite de vaca, leite em pó, frutas, sopas etc.1R DUWmR GD ULDQoD GHYH VHU DQRWDGR QR HVSDoR FRUUHVSRQGHQWH $( VH D FULDQoD HVWLYHU³FRP DOHLWDPHQWR H[FOXVLYR ´ H $0 VH D FULDQoD HVWLYHU FRP DOHLWDPHQWR PLVWRAlgumas intercorrências observadas durante o acompanhamento mensal das crianças devemser anotadas no mês correspondente, na parte inferior do gráfico peso-idade, abaixo do espaçodestinado para o registro do aleitamento. Deve-se utilizar para o registro a letra inicial,conforme indicado abaixo: • D - diarréia • P - pneumonia • O - outra doença • H - hospitalização9HMD D VHJXLQWH VLWXDomR TXH VHUYH GH H[HPSOR2 DJHQWH *DEULHO YLVLWRX HP GH PDUoR GH D IDPtOLD GD 6UD 0DULD H 6HX 3HGUR TXH WHPXP ILOKR $QW{QLR QDVFLGR HP GH DEULO GH $QW{QLR UHFHEHX DV VHJXLQWHV YDFLQDV XPDGRVH GH %* QR GLD GH VHX QDVFLPHQWR QD PDWHUQLGDGH XPD GRVH GH 37 HP WUrVGRVHV GH DQWLSyOLR UHVSHFWLYDPHQWH HP H H XPD GRVH GH DQWLVDUDPSR HP $QW{QLR QDVFHX FRP JUDPDV DSUHVHQWDQGR D VHJXLQWH HYROXomR GR SHVR QR SULPHLUR DQRGH YLGD PrV J PHVHV J PHVHV J PHVHV J PHVHV J PHVHV J PHVHV J PHVHV J PHVHV J PHVHV J PHVHV JRP UHODomR j DPDPHQWDomR $QW{QLR PDPRX DWp FRPSOHWDU PHVHV GH YLGD VHQGR TXH QRVSULPHLURV WUrV PHVHV D PmH RIHUHFLD j FULDQoD DSHQDV R OHLWH PDWHUQR 1R ž PrV D PmHLQWURGX]LX QD DOLPHQWDomR GH $QW{QLR IUXWDV H FKiV1D YLVLWD GRPLFLOLDU UHDOL]DGD HP GH MDQHLUR D PmH GH $QW{QLR LQIRUPRX TXH D FULDQoD HVWDYDFRP GLDUUpLD
  59. 59. )LFKD )LFKD SDUD UHJLVWUR GH DWLYLGDGHV SURFHGLPHQWRV H QRWLILFDo}HVEsta ficha é utilizada por todos os profissionais da equipe de saúde para o registro diário dasatividades e procedimentos realizados, além da notificação de algumas doenças ou condiçõesque são objeto de acompanhamento sistemático. Cada profissional entrega uma )LFKD preenchida ao final do mês. O preenchimento deste instrumento deve ser efetuado diariamente(nos dias efetivos de trabalho de cada mês).$OJXQV FDPSRV GHVWD ILFKD VmR HVSHFtILFRV SDUD GHWHUPLQDGDV FDWHJRULDV H DSHQDV RVSURILVVLRQDLV GD UHVSHFWLYD FDWHJRULD GHYHP SUHHQFKrORV)LFKD RULHQWDomR SDUD SUHHQFKLPHQWRA maioria dos campos para identificação são semelhantes aos das fichas anteriores e devemser preenchidos conforme instrução na SiJLQD .Os campos SURILVVLRQDO e PrV devem ser preenchidos conforme instruções abaixo:3URILVVLRQDO preencher os dois primeiros espaços com o código atribuído a cada categoriaprofissional ou especialidade utilizado pelo Sistema de Informações Ambulatoriais - SIA/SUS eos dois últimos com um número seqüenciado de acordo com a quantidade de profissionais emuma categoria na mesma equipe de saúde. No caso do ACS utilizar nos dois últimosalgarismos, o código de sua microárea. Por exemplo: em uma equipe onde existem doisagentes comunitários de saúde, um deles terá o código 7701 e outro 7702.0rV número do mês correspondente.),+$ 6(5(7$5,$ 081,,3$/ ( 6$Ò( $12 _ _ _ _ _ 6,67(0$ ( ,1)250$d­2 ( $7(1d­2 %È6,$081,Ë3,2 6(*0(172 81,$( È5($ 0,52È5($ 352),66,21$/ 0Ç6_ _______ ___ _B_B_B_B_B_B_B _B_B_B _B_B_ _B _BB_ _BB_BB_ ___ _ _Os campos seguintes referem-se às informações que serão anotadas diariamente pelosprofissionais.DWD registrar na frente e no verso da ficha as datas dos dias efetivamente trabalhados. Emcada campo correspondente o profissional deve totalizar os procedimentos e notificações dodia. 5(*,6752 ( $7,9,$(6 352(,0(1726 ( 127,),$d®(6 ,$6 Ö 7RWDOO bloco 2168/7$6 0e,$6 destina-se ao registro diário de consultas médicas porprocedência e faixa etária: • 5HVLGHQWHV IRUD GD iUHD GH DEUDQJrQFLD total de consultas médicas de pessoas residentes em áreas fora da abrangência da Equipe (PSF), sem discriminação de idade.
  60. 60. • 5HVLGHQWHV QD iUHD GH DEUDQJrQFLD GD (TXLSH consultas médicas de residentes na área de abrangência da Equipe (PSF), registradas por faixa etária : 1 ano, 1 a 4 anos, 5 a 9 anos, 10 a 14 anos, 15 a 19 anos, 20 a 39 anos, 40 a 49 anos, 50 a 59 anos e 60 anos ou mais. • 7RWDO somar o número de consultas médicas em todas as faixas etárias de residentes na área de abrangência da Equipe de Saúde da Família. • 7RWDO *HUDO GH RQVXOWDV - somar as consultas médicas de residentes na área de abrangência da Equipe com as de residentes fora de sua área de abrangência. 5(*,6752 ( $7,9,$(6 352(,0(1726 ( 127,),$d®(6 ,$6 Ö 7RWDO residentes fora da área de abrangência 1 1-4 residentes 5-9 na área de 10 - 14 abrangência 15 - 19 da equipe 20 - 39 40 - 49 50 - 59 60 ou mais Total Total geral de consultas 7,32 ( $7(1,0(172 ( 0e,2 ( ( (1)(50(,52 - Este bloco destina-se ao registrodiário de atendimentos médicos e de enfermagem em residentes no município nas doenças econdições cujo acompanhamento deve se dar de forma sistemática: 3XHULFXOWXUD 3UpQDWDO3UHYHQomR GH kQFHU pUYLFRXWHULQR (coleta de Papanicolaou) 67$,6 LDEHWHV+LSHUWHQVmR $UWHULDO +DQVHQtDVH e 7XEHUFXORVH. Puericultura Pré-natal 7LSR Prevenção do Câncer Cérvico-Uterino GH Diabetes DWHQGLPHQWR DST/AIDS GH 0pGLFR H Hipertensão Arterial GH Hanseníase (QIHUPHLUR Tuberculose 9HMD D VLWXDomR D VHJXLU TXH VHUYH GH H[HPSOR -06 DQRV UHVLGHQWH QR PXQLFtSLR SRUWDGRU GH 7XEHUFXORVH 3XOPRQDU HPWUDWDPHQWR Ki FHUFD GH PHVHV SURFXURX D XQLGDGH QR PrV HP FXUVR SDUD UHDOL]DomR GHFRQVXOWD PpGLFD FRP TXHL[D GH GRU HP PHPEURV LQIHULRUHV DSyV FDLU GD HVFDGD GR {QLEXV(VWD FRQVXOWD GHYH VHU UHJLVWUDGD QR FDPSR UHVLGHQWHV QR PXQLFtSLR QD IDL[D GH DQRV HFRPSXWDGD QR FDPSR 7RWDO GH FRQVXOWDV 1mR GHYH VHU LQFOXtGD HQWUH DV FRQVXOWDV GH7XEHUFXORVH SRUTXH R PRWLYR GD FRQVXOWD QmR HVWDYD UHODFLRQDGR D HVWD GRHQoD
  61. 61. Em 62/,,7$d­2 0e,$ ( (;$0(6 203/(0(17$5(6 deve-se registrar osencaminhamentos médicos para a realização de exames complementares de qualquernatureza, agrupando-os em: patologia clínica, radiodiagnóstico, citopatológico cérvico-vaginal,ultra-sonografia obstétrica e outros. Incluir os casos de encaminhamento para realização deexames complementares na própria unidade de saúde. Patologia clínica Solicitação médica Radiodiagnóstico de exames Citopatológico-cérvico vaginal complementares Ultra-sonografia obstétrica Outros (1$0,1+$0(1726 0e,26 neste bloco o médico DSHQDV R PpGLFR
  62. 62. deve registrar ototal de encaminhamentos que fez. • $WHQGLPHQWR (VSHFLDOL]DGR registrar o número de encaminhamentos para atendimento ou tratamento em qualquer especialidade. Inclui fisioterapia, fonoaudiologia, terapia ocupacional, psicologia e todas especialidades médicas. • ,QWHUQDomR +RVSLWDODU - registrar o número de pacientes encaminhados para internação hospitalar. • 8UJrQFLD(PHUJrQFLD anotar o número de pacientes encaminhados para atendimento em serviços de urgência/emergência. Não registrar os casos de urgência atendidos na própria unidade ou no domicílio do paciente, que não foram encaminhados para outros serviços.$WHQGLPHQWR GH XUJrQFLD p ³R FRQMXQWR GH Do}HV HPSUHJDGDV SDUD UHFXSHUDomR GH SDFLHQWHVFXMRV DJUDYRV j VD~GH QHFHVVLWHP GH DVVLVWrQFLD LPHGLDWD´ $WHQGLPHQWR GH HPHUJrQFLD p ³RFRQMXQWR GH Do}HV HPSUHJDGDV SDUD UHFXSHUDomR GH SDFLHQWHV FXMRV DJUDYRV j VD~GHQHFHVVLWHP GH DVVLVWrQFLD LPHGLDWD SRU DSUHVHQWDUHP ULVFR GH YLGD´ (BRASIL, 1985). • ,QWHUQDomR RPLFLOLDU - registrar o número de indivíduos que iniciaram internamento domiciliar no dia de referência. (VWH FDPSR GHYH VHU SUHHQFKLGR DSHQDV SHOR PpGLFR.1mR FRQIXQGLU R Q~PHUR GH LQWHUQDo}HV GRPLFLOLDUHV FRP R Q~PHUR GH GLDV TXH R SDFLHQWHSHUPDQHFH VRE LQWHUQDomR GRPLFLOLDU Atend. Especializado Encaminhamentos Internação Hospitalar médicos Urgência/Emergência Internação Domiciliar No bloco 352(,0(1726 devem ser registrados os procedimentos realizados pela equipede saúde, exceto as consultas médicas. No campo referente a cada procedimento, oprofissional deve registrar o total realizado no dia.
  63. 63. ,$6 Ö 7RWDO 3 Atendimento específico para AT 5 Visita de Inspeção Sanitária 2 Atend. Individual prof. nível superior Curativos ( Inalações Injeções , Retirada de pontos 0 Terapia de Reidratação Oral ( Sutura 1 Atend. Grupo - Educ. em Saúde 7 Procedimentos Coletivos I (PCI) 2 Reuniões 6 Visita domiciliar )LFKD SDUWH 352(,0(1726 RULHQWDomR SDUD SUHHQFKLPHQWR • $WHQGLPHQWR HVSHFtILFR SDUD $7 registrar o número total de atendimentos específicos para acidente de trabalho. Neste campo só deve ser computado o atendimento em que for preenchido o laudo do exame médico (LEM) constante do verso da Comunicação de Acidente do Trabalho (CAT). Os acidentes e doenças do trabalho são notificados pelas empresas ao INSS, através da CAT. Na falta de comunicação por parte da empresa, a notificação pode ser formalizada pelo Sindicato, pelos serviços de saúde, pelo próprio trabalhador ou seus dependentes.RQVLGHUDVH DFLGHQWH GH WUDEDOKR R DFLGHQWH GH WUDEDOKR WtSLFR RX VHMD DTXHOH RFRUULGR QRORFDO GH WUDEDOKR RX D VHUYLoR GD HPSUHVD R DFLGHQWH GH WUDEDOKR GH WUDMHWR DTXHOH RFRUULGR QRWUDMHWR HQWUH D UHVLGrQFLD H R ORFDO GH WUDEDOKR RPR GRHQoD SURILVVLRQDO RX GH WUDEDOKR DGRHQoD FDXVDGD SHOR H[HUFtFLR GR WUDEDOKR SHFXOLDU D GHWHUPLQDGD DWLYLGDGH RX FRQGLo}HVHVSHFLDLV GH WUDEDOKR2V GHPDLV DWHQGLPHQWRV DR DFLGHQWDGR GR WUDEDOKR FRQVXOWDV PpGLFDV VHP SUHHQFKLPHQWR GH/(0 UHWLUDGD GH SRQWRV FXUDWLYRV HWF
  64. 64. GHYHP VHU UHJLVWUDGRV GH DFRUGR FRP R SURFHGLPHQWRUHDOL]DGR QRV FDPSRV FRUUHVSRQGHQWHV • 9LVLWD GH ,QVSHomR 6DQLWiULD - registrar o número de visitas de inspeção sanitária realizada por profissional de nível superior.9LVLWD GH LQVSHomR VDQLWiULD p XP ³ SURFHGLPHQWR TXH EXVFD OHYDQWDU H DYDOLDU LQ ORFR RV ULVFRVj VD~GH GD SRSXODomR SUHVHQWHV QD SURGXomR H FLUFXODomR GH PHUFDGRULDV QD SUHVWDomR GHVHUYLoRV LQWHUYLQGR VREUH R PHLR DPELHQWH LQFOXVLYH R DPELHQWH GH WUDEDOKR LGHQWLILFDQGR HQRWLILFDQGR DV PHGLGDV GH FRUUHomR FRQIRUPH D OHJLVODomR YLJHQWH´ 6­2 3$8/2
  65. 65. • $WHQGLPHQWR LQGLYLGXDO SRU SURILVVLRQDO GH QtYHO VXSHULRU - número de atendimentos individuais por profissional de nível superior.$WHQGLPHQWR LQGLYLGXDO SRU SURILVVLRQDO GH QtYHO VXSHULRU p D ³FRQVXOWD RX DWHQGLPHQWR LQGLYLGXDOUHDOL]DGD SRU HQIHUPHLUR SVLFyORJR WHUDSHXWD RFXSDFLRQDO ILVLRWHUDSHXWD DVVLVWHQWH VRFLDOQXWULFLRQLVWD IRQRDXGLyORJR HQIHUPHLUD REVWHWUD H SHGDJRJD HP HGXFDomR HP VD~GH ´ ([FOXLSURFHGLPHQWRV UHDOL]DGRV SRU PpGLFRV H RGRQWyORJRV %5$6,/

×