Your SlideShare is downloading. ×

Uma educação artística brasileira

1,357

Published on

Artigo de Rosane Almeida para a revista Carta Capital. (março, 2013)

Artigo de Rosane Almeida para a revista Carta Capital. (março, 2013)

Published in: Education
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
1,357
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1
Actions
Shares
0
Downloads
11
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. Uma  educação  artística  brasileira     Artigo  para  Carta  Capital,  por  Rosane  Almeida  (março,  2013)     Ariano  Suassuna  certa  vez  falou:    “Saudamos  todos  aqueles  que  sabem  que  não  cultuamos  as  cinzas  dos   nossos  antepassados,  mas  a  chama  imortal  que  os  animavam.”   E  assim  começamos...   O  que  vem  a  ser  um  Cavalo  Marinho?   A  princípio,  uma  exuberante  "brincadeira"  popular  da  zona  da  mata  de   Pernambuco.  Ele  pode  ser  visto  como  um  auto  religioso  que  celebra  o   nascimento  do  menino  Jesus  e  a  chegada  dos  "santos  reis  do  Oriente",   mas      pode  também    ser  compreendido    como  um  teatro  ou  uma  ópera   popular  que,  a  céu  aberto  e  através  de  entremeios  dramáticos,  reúne   um  conjunto  de  linguagens  artísticas:  dança,  poesia,  circo,  música,  artes   plásticas,   teatro   de   máscaras   constituído   de   personagens   humanos,   sobre-­‐humanos  e  animais,  etc.   Como  uma  manifestação  popular  pode  ganhar  tamanha  exuberância?     Quando  os  portugueses  chegaram  ao  Brasil,  trouxeram  também  em  sua     bagagem   cultural   grupos   processionais   e   peditórios   denominados   de   reisadas  e  janeiras  que  saíam    em  cortejos    por  casas,  ruas  e  povoações   num  período  de  12  dias,  (24  de  dezembro  a  6  de  janeiro)  louvando  e   cantando  o  nascimento  do  menino  Jesus  e  a  chegada  dos  reis  magos.   Peregrinavam  ao  som  de  violas,  rabecas  e  instrumentos  de  percussão.   No   Brasil,   esses   pequenos   grupos   caminheiros   ao   longo   dos   séculos     foram   incorporando   às   suas   andanças   tipos   e   figuras   teatrais     provenientes   de   diversas   fontes,   tais   como,   cancioneiro,   romanceiro,   personagens   populares,   mitos,   etc.   São   esses   pequenos   grupos   itinerantes,   que   no   Brasil,   vão   ganhar   o   nome     de   Reisados.   Cada   um   desses  reisados  se  intitulava  a  partir  do  nome  de  uma  das  suas  figuras   mais   representativas.   Assim,   havia   o   reisado   do   João   do   Vale,   o   do   Jaraguá,  o  do  Cavalo  Marinho,  etc.    Com  o  passar  do  tempo  tais  grupos   vão  aglutinando  vários  reisados  num  só,  vão  perdendo  o  seu  caráter  de   peregrinação  e  tornando-­‐se  uma  trupe-­‐de-­‐brincantes  que  se  fixam  numa   determinada  região  ou  localidade    para  a  apresentação  de  sua  numerosa   galeria  de  tipos  e  figuras.       Todo  esse  processo  se  dá  graça  ao  encontro  com  as  culturas    indígenas  e   africanas,   aos   recortes   geográficos   e   diferentes   contextos   sociais,   que   vão   unindo   pessoas,   procedimentos,   desejos   e   valores   que   serão   transmitidos    nessas  festas  cuja  origem  remontam  a  antiquíssimos  cultos   agrários   que   celebravam,   o   solstício   de   verão   (o   dia   mais   longo),   o  
  • 2. solstício  de  inverno  (a  noite  mais  longa)  e  os  equinócios  (noites  e  dias   com  a  mesma  duração).   Com  algumas  variantes  esse  processo  se  repete  em  relação  a    boa  parte     das   manifestações   da   cultura   popular   brasileira:   Congadas,   Moçambiques,  Maracatus,  Bois,  Batuques  etc.  São  todos  encontros  de   diferentes   culturas   para   celebrar     determinadas   situações   comuns   a   todos   os   envolvidos:   plantio,   colheita,   fertilidade,     ritos   de   passagem,   etc.     Uma  educação  brasileira  poderia  também  refletir    essa  nossa  vocação  de   unir,  recriar  e  relacionar.     Uma   educação   artística     poderia     priorizar     experiências   que   nos   marcassem  tanto  pela  beleza  quanto  pelo  significado  anímico  que  nos   trazem.     Uma   educação   artística   brasileira   deveria   ser   o   reflexo   dessa   nossa   vocação   para   agregar   e   recriar   impulsionando   uma   mobilização   de   professores,   alunos   e   da   comunidade   para     buscarem,   juntos,     experiências   com   tudo   aquilo   que   é   orgânico   e   traz   saúde   para   a   natureza  humana...     Mestre  Aldenir,  um  mestre  de  Reisado  do  Ceará,    quando  foi  perguntado   sobre   o   que   era   o   Reisado   para   ele,   respondeu:     “É   uma   coisa   bonita     que  me  dá  saúde,  alegria...  É  muito  simples!!!”   É  de  fato  muito  simples,  são  simplesmente  escolhas  por  ações  que  nos   representam,  escolhas  por  procedimentos  que  nos  orgulham  pela  beleza   e  alcance  que  podem  ter  dentro  da  coletividade,  escolhas    por  atitudes  e   criações   que   devolvem   ao   ser   humano   seu   grande   diferencial:   Sua     Dignidade  –     Essas  manifestações  não  foram    criadas  e  muito  menos  preservadas  em   consequência  de  modismos,  poder  ou  remunerações  financeiras.  Foram   vividas   para   trazerem,   entre   outras   coisas,     dignidade.   Um   conceito   negligenciado  nas  escolas,  subutilizado  na  família  e  mal  representado  na   politica.   É  bom  lembrar  que  nossos  antepassados  gastaram  muito  do  seu  tempo   desenvolvendo   procedimentos   que   simplesmente   os   tornavam   dignos   perante   si   mesmos   e   isso   de   alguma   maneira   nos   acompanha     até   o   momento  atual.  Pode  ser  encontrado  nas  festas  populares,  nas  reflexões   do   povo,   na   lógica   das   comunidades   periféricas,     também   na   originalidade  rítmica,  na  inteligência  da  literatura  de  cordel  e  da  poesia   popular,   nos   gingados   e     meneios   corporais,   na   delicadeza   dos   versos   cantados,   nas   diferentes   rodas   de   dança...   enfim   em   cada   metro  
  • 3. quadrado   do   Brasil   pode   ser   encontrado   referencias   dignas   de     uma   educação  artística  brasileira.     No   entanto   nos   falta     um     olhar   mais   refinado   para   enxergar   como   e   porque   tudo   isso   pode   fazer   a   diferença.   Inserir   a   cultura   popular   brasileira  dentro  do  ensino  formal  não  significa  vestir  as  crianças  com   saias   de   chita   para   dançar   um   Coco.   Não   basta   organizar   cortejos   de   maracatu  ou  escolas  de  samba.   Inserir  a  cultura  popular  é  abrir  espaço  para  uma  escola  de  criação,  cujo     grande  exercício  é  o  da  liberdade,  através  de  experiências  com  o  corpo,   com  a  música,  com  as  artes  plásticas,  com    a  palavra,  o  espaço  e  o  outro.   Uma   escola   que     está   sempre   no   movimento   inteligente   para   desenvolver  todo  o  potencial  humano.  Essa  escola  só  pode  existir  se  for   permitido  ao  professor  passar  pelas  mesmas    experiências  que  estamos   propondo   as   crianças.   Os   cursos   de   capacitação   e   formação   de   professores  devem  levar  em  conta    o  potencial  criativo  desse  individuo,   sua   história   de   vida,   seus   desejos,   suas   vocações.   Tem   que     oferecer     atividades   que   tragam   significados   para     a   vida,   que   os   abasteça   de   recursos  artísticos  que  os  sensibilizem  e  fortaleçam  nas  suas  atitudes  e   que  os  acorde      para  toda  a  dignidade  que  lhes  pertence.  E  tudo  deve  ser   feito  de  uma  maneira  bonita  e  divertida.  Difícil?  Não  deve  ser.  Nossos   antepassados  nos  deixaram  bons  exemplos  que  vem    sendo  seguidos  por   muitos  artistas  populares.   Os  mestres  de  maracatus,  homens  com  mais  de  60  anos  ,  mãos  calejadas   pelo   corte   de   cana,   bordam   as   próprias   indumentárias.   Confeccionam   manualmente   belíssimos     mantos   repletos   de   desenhos   abstratos   e   figurativos.   Os  brincantes  de  cavalo  marinho,  homens  com  a  pele  rachada  pelo  sol  e   pela  aspereza  do  cotidiano,  fazem  suas  máscaras  e  criam  personagens   que  vão  ganhar  vida  com  versos,  danças,  improvisos;  os  dos    Reisados  de   Alagoas  "edificam"  seus  chapéus-­‐catedrais  a  partir  de  vidrilhos,  aljofar  e   espelhos,  pequenas  armações  que  surpreendem    até  os    arquitetos...   Os  cortejos  dos    moçambiques    têm  os  jogos  de  bastões  que  transitam   dos  mais  simples  aos  mais  complexos.  São  executados  por  pessoas  cujo   o  salário  não  ultrapassa  o  mínimo.   Todos  naquele  momento  se  orgulham  do  que  estão  fazendo,  se  veem   como  Reis,  trazem  seu  brilho  para  o  entorno.  Exercem  uma  vaidade   generosa.  Se  sentem  poderosos  por  transformar  o  pobre,  o  feio,  o  seco,   o  esquecido;  em  riso,  festa,  ouro,  palácios.  O  aparentemente  sem  valor   vira  matéria  de  grande  riqueza  simbólica  e  humana.  As  pedras  tornam-­‐ se    preciosas,  tudo  é  um  verdadeiro  “BRINCO”  
  • 4. Qual  será  o  nosso  sacrifício  (nosso  sagrado  oficio)?   Convicção    verdadeira  nas  nossas  escolhas  e  um  pouco  de  coragem  para   colocá-­‐las  em  prática.   Praticar   o   que   se   deseja   é   sempre   um   problema   quando   precisamos   confrontar   os   valores   da   sociedade   com   aquilo   que   de   fato   deve   ser   valorizado   no   indivíduo.   Mas   esse   é   um   bom   lugar   para   se   pensar   a   cultura  popular,  pensar  essa  cultura  como  o  meio  e  não  como  um  fim,   como   possibilidade,   inspiração,   referência,   chão   coletivo.   Entender   cultura  como  cultivo    de  conhecimentos.       Os   conhecimentos,   as   habilidades   e   as   experiências     que   a   cultura   popular  brasileira  podem  nos    oferecer,  nos  trazem  algo  que  parece   faltar  no  mundo  atual,  ou  seja,  algo  que  preenche  esse  espaço  entre   razão   e   emoção,   lógica   e   intuição,     estratégia   e   improviso;   aquela   dimensão  em  que  as  coisas  fazem  sentido  e  tem  significado    no  lugar   e  no    momento  em  que  estão  sendo  aplicadas.   Se   tivermos   a   convicção   de   quanto   isso   é   necessário,   vamos   encontrar  maneiras  de  “realizar”.   Como  dizia  Dona  Teté,  mestra  de  Cacuriá:  “Sabendo  olhar  não  vai  faltar”     Uma  atividade:  A  DANÇA  DOS  ARCOS   Muitas  culturas  cultivaram    a  dança  dos  arcos.  Seu  simbolismo  remete   ao   arco-­‐íris.   Ao   encontro   entre   o   céu   e   a   terra,   a   essa     ponte   que   contempla  todas  as  cores.  Nessa  atividade  cabem  muitas  reflexões.   Para  a  confecção  de  cada  arco  o  professor  vai  precisar:     De  1  bambolê     2  metros  de  TNT  e  barbante.   Cada  aluno  pode  confeccionar  seu  próprio  arco.   Esses   dois   metros   de   TNT   deve   ser   cortados   em   tiras   de   aproximadamente  4  cm.  No  sentido  do  comprimento  maior  porque  ele   será  amarrado  no  bambolê  com  um  nozinho  de  gravata.     Essas  tiras  de  4cm  podem  ter  as  cores  misturadas,  para  cada  arco  ficar   bem  colorido.   Deixe  um  espaço  nas  pontas  o  bambolê  sem  TNT,    para  o  aluno  segurar   o  arco.   Passe  o  barbante  cruzado  por  cima  de  cada  tira  de  TNT  para  bem  fixa-­‐la   no  bambolê.   O  importante  é  cortar  cada  cor  de  TNT  em  pedaços  de  dois  metros  e  só   depois  cortar  as  tiras  de  4cm.     Existem   desenhos   tradicionais     muito   bonitos   para   a   dança   dos   arcos,   mas  com  um  arco  para  cada  aluno  o  professor  pode  sugerir  desenhos  
  • 5. em  filas,  duplas,  quartetos,  rodas,  até  as  brincadeiras  da  infância  ficam   mais  bonitas,  quando  executadas  com  os  arcos.  A  musica  pode  variar,   pode  ser  tocada  ao  vivo,  pode  ser  quadrilha,  cirandas,  pode  ser  até  uma   musica   clássica.   Os   alunos   podem   ser   divididos   em   diferentes   grupos   que  podem  brincar  com  diferentes    musicas.  Experimente  professor,  se   estiver   com   dúvidas     no   site   www.intitutobrincate.org.br,   você   vai   encontrar  mais  exemplos  e  possibilidades  tanto  para  a  confecção  como   para  a  utilização  desse  material.   Mas   lembre-­‐se   para   isso   ter   significado   a   atividade   tem   que   levar   em   conta  a  apropriação,  a  criação  e  a  reflexão    tanto  do  professor  como  do   aluno.   Só   assim   ela   terá   sentido.   Sentido   é   aquela   direção   que   transcende   o   espaço  físico.  Indica  o  além  a  partir  do  aqui  e  agora.  Aproveite  bem  sua   atividade.         Rosane Almeida é atriz, dançarina, educadora e fundadora - juntamente com Antonio Nóbrega - do Instituto Brincante.  

×