INTERAÇÃO UNIVERSIDADE-EMPRESA

1,443 views
1,269 views

Published on

Published in: Business
0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
1,443
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
34
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

INTERAÇÃO UNIVERSIDADE-EMPRESA

  1. 1. INTERAÇÃO UNIVERSIDADE-EMPRESA Prof Dr Jeovan Figueiredo (UFMS) Abril de 2012
  2. 2. Horário Atividade Local Recepção dos ALIs e Apresentação dos Mecanismos de Pós-graduação da Química 7h Interação Universidade+Empresa (unidade X) Visita técnica ao Laboratório de Inteligência Artificial, 8h BATLAB Eletrônica de Potência e Eletrônica Digital (BATLAB) 9h Café e interação com pesquisadores BATLAB Visita técnica à Pantanal Incubadora Mista de Empresas 9h30 Morenão (PIME) Apresentação das soluções desenvolvidas por empresas Sala de Produção das 10h incubadas destinadas às MPEs Empresas Incubadas11h às 13h Almoço (At your expense) Apresentação da Agência de Proteção e Propriedade Pró-Reitoria de Pesquisa e 13h Intelectual (APITT) Pós-graduação (PROPP) Apresentação do Mapa da Inovação da UFMS (laboratórios e Pró-Reitoria de Pesquisa e 14h30 grupos de pesquisa) Pós-graduação (PROPP) 15h30 Encerramento do Encontro
  3. 3. BRICS África Brasil China Índia Rússia do Sul Gasto das companhias em P&DColaboração universidade-indústria em P&D Disponibilidade de engenheiros e cientistas A Average D Deficient Fonte: World Economic Forum. Disponível em: http://gcr.weforum.org/gcr2010/ Acesso 18 jan. 2011.
  4. 4. África Brasil China Índia Rússia do SulPatentes por milhão de habitantes O Brasil é responsável por apenas 1 a cada 1.000 patentes depositadas no mundo. No entanto, o país é responsável por 3 a cada 100 publicações científicas internacionais. Dados de 2007 para patentes e 2008 para publicações. Fonte: UNESCO. Relatório Unesco Sobre Ciência 2010.
  5. 5. Tecnologia Ciência Publicação Indicador Patente (com avaliação dos tradicional pares)Característica Sigilo Ampla Divulgação Ampliar os resultados Ampliar a fronteira do Objetivo econômicos conhecimento
  6. 6. Universidade Empresa• Conhecimento técnico- • Conhecimento dascientífico demandas do mercado• Equipamentos com alto IDÉIAS • Disponibilidade deconteúdo de tecnologia recursos para investimentoembarcada em inovação IMPLEMENTAÇÃO• Competência em • Capacidade paraparcerias estratégicas implementar novas idéias RESULTADOS
  7. 7. • O modelo internacional de interação das universidades com as empresas: Redes de Academia Cooperação Governo IndústriaETZKOWITZ, H. Incubation of incubators: innovation as a triple helix of university-industry-government networks.Science and Public Policy, v. 29, n. 2, p. 115-128, 2002.
  8. 8. • Incentivos do Governo Federal para a interação das universidades com as empresas no Brasil: Dispõe sobre as relações entre as instituições federais de ensino Lei no 8.958, de 20 de superior e de pesquisa científica e tecnológica e as fundações de Dezembro de 1994. apoio e dá outras providências. Lei no 10.973, de 2 de Dispõe sobre incentivos à inovação e à pesquisa científica e Dezembro de 2004. tecnológica no ambiente produtivo e dá outras providências. Regulamenta os arts. 10 e 12 da Lei 12.155, de 23/12/2009, que Decreto 7.416, de 30 tratam da concessão de bolsas para desenvolvimento de de Dezembro de 2010. atividades de ensino e extensão universitária. Regulamenta a Lei no 8.958, de 20 de dezembro de 1994, que Decreto nº 7.423, de 31 dispõe sobre as relações entre as instituições federais de ensino de Dezembro de 2010. superior e de pesquisa científica e tecnológica e as fundações de apoio.
  9. 9. LEI DE INOVAÇÃO - 10.973 de 02/dez/2004Primeira lei brasileira que trata do relacionamento entre ICTs e Empresas• Construção de ambientes especializados e cooperativos de inovação.• Participação das ICTs no processo de inovação.• Estímulo à inovação nas empresas e ao inventor.• Cooperação entre instituições públicas e privadas para a realização de pesquisas para geração de produtos e processos inovadores.
  10. 10. NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA (NIT) “É um núcleo ou órgão constituído por uma ou mais ICT com a finalidade de gerir sua política de inovação” LEI DE INOVAÇÃO INSTITUIÇÃO CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA (ICT)“Órgão ou entidade da administração pública que tenha por missão institucional, dentre outras, executar atividades de pesquisa básica ou aplicada de caráter científico ou tecnológico”. LEI DE INOVAÇÃO
  11. 11. Linha do tempo Decreto 5.554 de 11/out/2005 Lei 10.973 de 02/dez/2004 Lei de Inovação Fonte: PIMENTEL(2010).
  12. 12. Fonte: PIMENTEL(2010).
  13. 13. Competências mínimas do NIT• Avaliar e classificar os resultados decorrentes de atividades e projetos de pesquisa para a proteção.• Acompanhar os pedidos e a manutenção dos títulos de PI.• Avaliar solicitação de inventor independente para adoção de invenção.• Manutenção da política institucional de estímulo à proteção das criações, licenciamento, inovação e outras formas de transferência de tecnologia.
  14. 14. Universidade+Empresa Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós- Graduação Gabinete do Pró-Reitor Coordenadoria de Coordenadoria Coordenadoria CoordenadoriaCoordenadoria Relacionamento de Pós- de Estudos do de Editora e de Pesquisa Universidade Graduação Pantanal Gráfica Empresa
  15. 15. Coordenadoria de Relacionamento Universidade Empresa Comissão Permanente deGestão da Inovação (COPERGI) Agência de Propriedade Programa Incubadora Intelectual e Mista de Empresas Transferência de (PIME)Tecnologia (APITT)
  16. 16. PROPP PREAE PREGPROJETOS Projetos de Projetos de Projetos deINSTITUCIONAIS pesquisa extensão ensino Serviços UsuaisPRESTAÇÃODE SERVIÇOS Colaboração esporádica
  17. 17. ReferênciasBRASIL. Lei no 10.973, de 2 de Dezembro de 2004. Dispõe sobre incentivos à inovação e à pesquisa científica e tecnológica no ambiente produtivo e dá outras providências.BRASIL. Decreto nº 5.563, de 11 de outubro de 2005. Regulamenta a Lei no 10.973, de 2 de dezembro de 2004, que dispõe sobre incentivos à inovação e à pesquisa científica e tecnológica no ambiente produtivo, e dá outras providências.PIMENTEL, Luiz Otávio. Núcleo de Inovação Tecnológica. Relatório da Política de Inovação nas Instituições de Ciência e Tecnologia do Brasil: 2010. (Análise do Formulário para Informações sobre a Política de Propriedade Intelectual das Instituições de Ciência e Tecnologia do Brasil – Formict: 2010, ano base 2009.
  18. 18. Coordenadoria de RelacionamentoUniversidade/Empresa (CRE-PROPP) Prof Jeovan Figueiredo jeovan.figueiredo@ufms.br OBRIGADO

×