Informe Rural - 22/08/13

  • 73 views
Uploaded on

 

  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
    Be the first to like this
No Downloads

Views

Total Views
73
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0

Actions

Shares
Downloads
1
Comments
0
Likes
0

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. Informativo do Sistema Público da Agricultura - Ano II - Edição n° 40 - Brasília, 22 de agosto de 2013. Secretaria de Agricultura e Desenvolvimento Rural Concurso de receitas abre Festa do Morango Começou nessa terça-feira (20) o concur- so de receitas com morango promovido pela Emater-DF, em parceria com a Universidade Católica de Brasília (UCB). Esta é a primeira atividade da 18ª Festa do Morango, que terá sua programação completa na sede da Asso- ciação Rural e Cultural de Alexandre de Gus- mão (Arcag), em Brazlândia, a partir do dia 30 (sexta-feira). Neste ano, o concurso tem novas regras. As receitas devem ser elaboradas por grupos formados por três pessoas cada — todos mo- radores da área rural. O júri é composto por alunos do curso de Gastronomia da UCB. Eles vão avaliar a criatividade, sabor, aparência, ori- ginalidade e organização. Com o concurso, a Emater-DF pretende es- timular os talentos das comunidades rurais, além de valorizar o consumo do morango, uma hortaliça rica em vitamina C e principal produto da região de Brazlândia. O concurso acontece em três etapas (terça, quarta e quinta-feiras). O resultado e a premiação acontecem no domin- go (1º de setembro). Programação A abertura oficial, no dia 30, está marcada para às 19h. No dia seguinte, às 8h30, acontece o 9º Encontro Técnico do Morango, em que serão apresentados temas como hidroponia e meca- nização. À noite, a partir das 19h, será escolhi- da a Rainha do Morango. No dia 6, às 19h, será aberta a 24ª Exposi- ção Agrícola de Brazlândia, onde serão expos- tos os principais produtos cultivados na região. No dia 8, serão entregues os prêmios do tor- neio agrícola, do concurso de receitas e das propriedades exemplares da cadeia produtiva do morango. A avaliação das propriedades co- meçou nessa quarta-feira (21) e vai até o dia 29 de agosto. Atividade pretende descobrir talentos culinários, além de valorizar o consumo da hortaliça ASCOM - EMATER
  • 2. Semana do Pimentão supera expectativas A 15ª Semana do Pimentão superou as expectativas. Realizado no núcleo rural Taquara (região administrativa de Planaltina), o evento reuniu mais de 800 trabalhadores rurais — não só do DF mas também de Goiás, Minas Gerais e do Ceará. As apresentações culturais atraíram mais de 5 mil pessoas. Palestras sobre diversos temas de interesse do produtor e da comunidade rural, além de atividades educativas, culturais e sociais movimentaram a Taquara durante sete dias. Manejo de doenças do tomate e pimentão; manejo e recomposição do solo; ação de inseticidas; combate à mosca branca; vazio sanitário; soluções em cultivo protegido; uso correto de agrotóxicos e legislação; superação e resultados. Esses foram alguns dos temas tratados nas palestras. Houve ainda oficinas de receitas com pimentão, passeio ciclístico ecológico e outras atividades que envolveram os estudantes do Centro Educacional Taquara e toda a comunidade. Ao todo, 18 estandes de empresas parceiras foram montados, incluindo os bancos financiadores de crédito rural, como BRB e Banco do Brasil. Segundo o extensionista Névio Guimarães, da Emater – Taquara, a 15ª Semana do Pimentão atingiu plenamente seus objetivos. “Priorizamos as necessidades que os empreendedores nos apresentaram em anos anteriores e aproximamos o Sistema Público da Agricultura da população”, informou Névio. Ele acrescenta que a semana melhora o conhecimento e motiva o trabalhador rural. “Queremos que o agricultor esteja cada dia mais preparado para enfrentar as situações causadas por um mundo globalizado e com isso, trazer mudanças quantitativas e qualitativas para o desenvolvimento da nossa retião”, completa. ASCOM - EMATER
  • 3. Regularização das terras rurais é debatida em audiência pública Emater realiza campanha de coleta de embalagens de agrotóxicos e exames toxicológicos O secretário de Agricultura, Lúcio Valadão, participou de audiência pública sobre a regularização das terras rurais da Terracap, realizada nesta quarta-feira (14), no auditório da Câmara Legislativa. O secretário explicou, para cerca de 300 agricultores, as mudanças que a legislação sobre o assunto sofreu, desde a criação de Brasília e as decisões tomadas por órgãos de justiça, de fiscalização e de controle – que inviabilizaram a validade dos contratos de concessão de uso e de arrendamento firmados até 2007. “Sabemos que o processo de regularização nunca havia sido feito da forma que estamos fazendo, baseado na lei (federal) 12024. Vamos fazer os ajustes necessários. O governador Agnelo Queiroz quer a regularização e estamos trabalhando para isso”, disse Valadão. O secretário de Agricultura também apresentou a história da ocupação das terras rurais do DF, as ações realizadas pelo atual governo para efetivar a regularização e as A unidade local da Emater-DF do núcleo rural Rio Preto realiza, nesta quarta (21) e quinta-feira (22), a campanha de recolhimento de embalagens de agrotóxicos e o exame toxicológico nos produtores da região. O objetivo é amenizar os impactos da manipulação inadequada de defensivos tanto para o meio ambiente quanto para a saúde humana e acontece nas regiões do Rio Preto e de São José, ambos em Planaltina-DF. Produtor de soja e milho, Anderson Baumgratz relata ser a primeira vez que faz o exame em quatro anos de produção. Ele relatou que utiliza muitos defensivos agrícolas em sua produção e prefere prevenir a ser pego de surpresa. “A intoxicação causa vários problemas em nossas vidas, por isso prefiro fazer o exame para, caso tenha algum problema, tratar”. Uma das responsáveis pela atividade, a extensionista Regina Lima, diz que com o passar do tempo os agricultores têm se preocupado mais com o uso dos Equipamentos de Proteção Individual (EPI), sendo essencial para a manipulação de defensivos agrícolas. “No entanto, a campanha precisa ser frequente, por isso realizamos todo ano”, aponta Regina. “Trazer o laboratório ao núcleo rural para a realização do exame é fundamental, pois muitos não fazem a prevenção em função da dificuldade de ir até a cidade”, completa a extensionista. Semana — A ação faz parte da programação da XVI Semana Tecnológica do Rio Preto, que se estende até o dia 31, e os técnicos estimam que pelo menos 80 pessoas façam o exame. O médico do Núcleo de Toxicologia do Centro de Referência em Saúde do Trabalhador (CEREST/SES-DF), Ubatan Loureiro Júnior, ministra as palestras que orientam os produtores a respeito do uso do EPI, como identificar o nível de perigo do agrotóxico e como manuseá-los, além da necessidade de fazer periodicamente os exames. O EPI é importante para a saúde do trabalhador porque, dependendo do que é manuseado, ele pode evitar acidentes e intoxicação. Para a realização da campanha, a empresa conta com o apoio da Associação das Empresas de Agronegócio (Aeagro). Já para fazer os exames o apoio é da Secretaria de Saúde do DF, por meio do posto de saúde local junto ao Laboratório Central de Saúde Pública (Lacen). questões sobre a área ambiental que afetam o processo. Os produtores rurais apresentaram dúvidas e questionamentos sobre a regularização. O secretário de Agricultura ressaltou que todos os agricultores devem procurar a Secretaria de Agricultura sempre que tiverem dúvidas. “Estamos com as portas abertas para receber a todos e sempre vamos até os agricultores para fazer os esclarecimentos que forem necessários”, ressaltou. ASCOM - EMATER ASCOM - SEAGRI
  • 4. Informativo produzido pelas assessorias de comunicação social: Secretaria de Agricultura e Desenvolvimento Rural (Seagri-DF) - 3051-6347 Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural (Emater-DF) - 3340-3002 Centrais de Abastecimento do Distrito Federal (Ceasa-DF) - 3363-1024 Siga o Sistema Agricultura nas redes sociais: facebook.com/SeagriDF facebook.com/ematerdistritofederal facebook.com/ceasa-df twitter.com/ematerdf Ceasa implanta sua ouvidoria para interagir com os clientes que buscam as melhorias Agora funcionando dentro do sistema implantado pelo Governo do Distrito Fedetral, através da Ouvidoria geral, a Ouvidoria da Ceasa-DF registrou nos últimos três meses mais de 600 denúncias, sugestões e ideias dos clientes da Ceasa e enviadas ao posto montado em ponto estratégico do Mercado do produtor, a Pedra. A maior movimentação acontece aos sábados e, segundo o ouvidor da Ceasa-DF, Francisco Rodrigues, o trabalho se desenvolve de acordo com os planejamentos e orientações desenvolvidos pela Ouvidoria Geral. Ele explica que o setor atua como um canal de comunicação desburocratizado, aberto e permanentemente à disposição da clientela. Além de encaminhar as denúncias, sugestões ou informações que a comunidade interna da Ceasa apresenta, a Ouvidoria acompanha o andamento de cada ação para dar conhecimento aos interessados que buscam pelos resultados esperados. Considerado um serviço importante para os objetivos programados pelo atual Sistema Público da Agricultura do GDF formado pela Secretaria de Agricultura e Desenvolvimento Rural (Seagri), pela Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural – Emater, e pela Ceasa, a Ouvidoria Geral vem trabalhando com alguns parâmetros de incentivo à participação do cidadão, entre eles a garantia de que prevalece o sigilo sobre os autores das denúncias e de que a denúncia anônima é admitida pelo sistema, sendo ela rigorosamente apurada. Rodrigues explica que a Ouvidoria Geral está incentivando as ouvidorias de cada estatal do GDF no sentido de que estreitem cada vez mais a troca de informações com as respectivas assessorias de Comunicação desses órgãos, objetivando o máximo de divulgação sobre a disponibilidade do serviço. Sobre isso, diz o presidente da Ceasa-DF, Wilder Santos: “A interação com os setores jornalísticos é importante para dar visibilidade ao trabalho da nossa ouvidoria e, também, para aumentar a confiança da população sobre este serviço tão importante para o abastecimento de hortifrutigranjeiros em Brasília”. Ainda segundo Wilder Santos, no primeiro semestre o GDF reestruturou o sistema de ouvidorias que funciona dentro dos órgãos estatais e, para isso, criou o Sistema Eletrônico do Serviço de Informação ao Cidadão, o e-SIC, pelo qual as ouvidorias ficam diretamente em sintonia com a Secretaria de Transparência, à qual a Ouvidoria Geral do GDF está ligada. As denúncias, sugestões ou informações, para a Ouvidoria da Ceasa-DF, devem ser enviadas para os telefones 3363-1256 e 3363-1203, ou pelo e-maill ouvidoria@ceasa.df.gov.br. Mais informações no site www.ceasa.df.gov.br. ASCOM - CEASA O Pavilhão 8 da Ceasa (Mercado do Produtor), mais conhecido como Pedra, possui 600 varejistas envolvidos com frutas, verduras e legumes produzidos no Distrito Federal e Entorno. São homens e mulheres, jovens e adultos, que todo sábado, das 6h às 13h, recebem cerca de oito mil visitantes, transformando o local num dos mais movimentados e tradicionais pontos comerciais de Brasília, onde praticamente todos se conhecem. No Informe Rural, mostramos alguns desses personagens da Pedra. POVO DA PEDRA Rejane Pereira de Souza trabalha em família na Pedra da Ceasa há mais 10 anos e garante que, neste período, “pou- ca coisa mudou por aqui”. Ela vende verduras e legumes e diz que vive preocupada com o fato de que “até agora pou- co ainda fizeram pelo produtor rural do DF”. Dona Rejane diz reconhecer que houve mudanças para melhor na Ceasa, mas garante que “precisamos de muito, muito mais. Ruy Rosa Filho trabalha há oito anos como vendedor na Pedra e no local é reconhecido como o maior especialis- ta em pimenta de várias qualidades e gêneros. Para Ruy as coisas estão indo bem na Ceasa, mas reclama da falta de investimentos para a melhoria das instalações físicas. Filho entende que a produção rural é importante para o fu- turo da Ceasa e, assim, pede que o GDF “olhe com mais carinho para os produtores rurais”. Ricardo Dias trabalha há cinco anos na Ceasa, na Paraí- so das Frutas. Além do processo de modernização que o local vem sofrendo, Dias explica que espera por políticas públicas mais consistentes para o setor da produção rural que, diz ele, “está merecendo maior atenção dos nossos políticos”. Afirmou que o volume de vendas vem crescendo e que a movimentação de clientes continua em alta. ASCOM - CEASA