Informe rural 17/07/13

  • 86 views
Uploaded on

 

  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
    Be the first to like this
No Downloads

Views

Total Views
86
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0

Actions

Shares
Downloads
0
Comments
0
Likes
0

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. Informativo do Sistema Público da Agricultura - Ano II - Edição n° 35 - Brasília, 17 de julho de 2013. Secretaria de Agricultura e Desenvolvimento Rural Mesa técnica reúne empregados da Emater Adireção da Emater-DF, em parceria com a Associação dos Servidores da Emater-DF (As- ser), realizou na última sexta-feira (12), a 1ª Mesa Técnica de Exten- são Rural. Na ocasião, dois temas foram tratados: horticultura e flori- cultura. O evento serviu para apro- fundar questões técnicas, nivelar informações e compartilhar conhe- cimentos entre os empregados. Após as duas exposições, todos se reuniram numa confraternização. Segundo o presidente da Ema- ter-DF, Marcelo Piccin, a empresa está se renovando com a entrada de novos contratados. “Precisa- mos criar um espaço para conhe- cer e relembrar nossa história”, observou. O presidente da Asser, Ecarlos Carneiro, ressaltou o ele- vado conhecimento técnico da empresa. “Esse saber precisa ser compartilhado”, afirmou. O engenheiro agrônomo Anto- nio Dantas, gerente de Agrope- cuária da Emater-DF, falou sobre a olericultura no Distrito Federal. Segundo ele, o principal desafio dessa atividade é manter a viabi- lidade do agricultor familiar. Além disso, a cultura de hortaliças é a mais adequada para viabilizar os assentamentos da reforma agrária — onde a empresa vem investindo grande parte do trabalho. Já o engenheiro agrônomo Clei- son Duval, coordenador do progra- ma de Floricultura da Emater-DF, explicou a importância da ativida- de para o produtor aumentar sua renda. Brasília é um dos principais mercados de flores e plantas orna- mentais e a produção tem grande espaço para crescer. Cleison res- saltou que a meta da Emater é implantar dez unidades de experi- mentação de floricultura, além de disseminar o conhecimento e o fo- mento para os produtores. A mesa técnica deverá ocorrer mais vezes, com outros temas im- portantes e estratégicos para to- dos os empregados — sejam do quadro, cedidos de outros órgãos, estagiários, aprendizes e assesso- res. GDF leva melhorias ao Rio Preto O GDF entregou, neste do- mingo (14), mais uma patru- lha mecanizada. Desta vez, a contemplada foi a Cooperativa Agrícola do Rio Preto (Coarp), que reúne 41 agricultores do nú- cleo rural Rio Preto (região ad- ministrativa de Planaltina). A en- trega foi feita pela primeira-dama Ilza Queiroz e pelo secretário de Agricultura, Lúcio Valadão. A comunidade recebeu ainda um Ponto de Encontro Co- munitário (PEC), com equi- pamentos para exercício. O presidente da Coarp, Val- ter Baron, explica que nem to- dos os cooperados possuem os equipamentos necessários para produzir. “Com o convênio, po- demos disponibilizar maquinário para quem não tem nada. Isso coloca todos os produtores no mesmo nível tecnológico e vai possibilitar um aumento da pro- dutividade da região”, comemora Baron, que produz grãos e leite. A patrulha, do tipo pecuária, contem um trator, uma plantadeira com adubadeira, uma grade, uma ensiladeira e uma carreta agrícola. O contrato, assinado por meio de chamada pública, é válido por cinco anos, podendo ser prorro- gado. A cooperativa se respons- abiliza pela guarda e manutenção dos equipamentos. O maquinário foi adquirido com recursos que são fruto de convênio com a Super- intendência de Desenvolvimento do Centro-Oeste (Sudeco). Ao todo, serão 23 patrulhas entregues a associações rurais do DF. Para o presidente da Ema- ter-DF, Marcelo Piccin, a mel- horia de produtividade local vai garantir alimentos com mais qual- idade na mesa do consumidor brasiliense. “Esses equipamentos não estão sendo doados; é um direito das associações e coop- erativas de agricultores, que lu- taram muito por melhores con- dições de produção”, explicou. Vida saudável — O Ponto de Encontro Comunitário (PEC) é uma pracinha com equipamentos para exercícios. Construídos em parce- ria com a Novacap, os PECs levam mais saúde para as comunidades rurais onde estão sendo instala- dos. “Percebemos que o governo se preocupa com nossa qualidade de vida, já que a prática de ex- ercícios garante mais saúde para todos nós”, disse a produtora rural Zuíla Ito, moradora do Rio Preto. Esse foi o oitavo ponto entregue pelo GDF a uma comunidade rural. A primeira-dama do Distrito Fed- eral, Ilza Queiroz, afirmou que o governo tem um especial carinho pela área rural. “Sonhamos com comunidades rurais que tenham saúde de qualidade, educação de excelência, todas as religiões representadas e mais qualidade de vida. É preciso sonhar, mas é preciso trabalhar também, e isso estamos fazendo”, resumiu.
  • 2. Ceasa e empresários se unem para combater o desperdício OPrograma Desperdício Zero (PDZ), da Ceasa- DF, foi reativado em setembro de 2012. O objetivo é atuar junto aos empresários atacadistas da Ceasa em favor da redução do desperdício de alimentos. O programa se transformou em um dos mais importantes distribuidores de alimentos para centenas de creches do Distrito Federal, sendo hoje um parceiro do Banco de Ali- mentos, pelo qual o Gover- no do Distrito Federal bene- ficia mais de 30 mil famílias com alimentação diária. Segundo o presidente da Ceasa-DF, Wilder Santos, o PDZ conscientiza os atacadis- tas permissionários sobre a necessidade de dar um destino adequado às toneladas de ali- mentos que ficam impróprios para exposição nas pratelei- ras do comércio de Brasília. Dados comprovam que o des- perdício de hortifrutigranjeiros começa pela manipulação dos produtos. Isso acontece já na fase de produção, passando pelo carregamento, transporte e descarga dos produtos, o que gera toneladas de produ- tos consideradas invendáveis que, antes iam todas para o lixo. Hoje, com o PDZ, os em- presários da Ceasa doam esses produtos ao Banco de Alimen- tos, onde são criteriosamente selecionados e doados às en- tidades socioassistenciais. Até o dia 15 de julho, o PDZ envolvia 11 empresários do setor atacadista da Ceasa-DF. No entanto, segundo a direção da empresa, este número cresce mensalmente. Em maio, as doações chegaram a 16 mil toneladas de alimentos, e ape- nas 1,8 mil quilos não passaram pela seleção do Banco de Ali- mentos. O restante, 14,4 mil toneladas, foi distribuído dire- tamente para as entidades ca- dastradas. “É muito desperdício e precisamos evitar isso”, diz o empresário Emanuel Ivan Mor- eira, dono da Toc Comercial de Hortifrutigranjeiro, que em maio doou pouco mais de 5 tonela- das de produtos. “Todo mundo pode fazer isso, pois além de evitar o desperdício, ainda ajuda muitas crianças”, diz Ivan. Entrega de produtos ao Banco de Alimentos
  • 3. Emater e Seagri costuram propostas para agricultores familiares Na última quarta-feira (10), representantes do GDF, por meio das secre- tarias de Desenvolvimento Social (Sedest), de Agri- cultura e Desenvolvimento Rural (Seagri) e da Ema- ter-DF, se reuniram com as- sociações e cooperativas de agricultores familiares para apresentar demandas do governo para compras insiti- tucionais. A reunião aconteceu no auditório da Emater-DF e foi a primeira de uma série. Durante o encontro, a sub- secretária de Assistência So- cial da Sedest, Zorilda Araújo, apresentou cinco demandas do órgão: restaurantes comu- nitários, kit lanches, kit lanches catadores, cestas verdes e provimento alimentar direto. Com exceção dos restaurantes comunitários — que são ad- ministrados por empresas ter- ceirizadas — , todas os pro- gramas poderão ser adquiridos pelo GDF por meio do Pa- pa-DF (Programa de Aquisição de Produtos da Agricultura). Nas próximas semanas, ha- verá outras reuniões para que sejam construídas as propos- tas das organizações rurais. Informativo produzido pelas assessorias de comunicação social: Secretaria de Agricultura e Desenvolvimento Rural (Seagri-DF) - 3051-6347 Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural (Emater-DF) - 3340-3002 Regularização das terras é tema de reunião entre Secretaria de Agricultura e Coopad-DF Osecretário de Agricultu- ra, Lúcio Valadão, es- clareceu diversos pontos sobre o processo de regula- rização da ocupação das terras rurais no DF, em re- união com representantes da Cooperativa Agrícola do Distrito Federal (Coopa- DF), na quarta-feira (10). Um dos pontos discutidos foi em relaçãoasáreasadjacentes ao anel viário. O secretário in- formou que os contratos que previam restrições quanto ao tempo de ocupação e a possi- bilidade de compra das áreas serão aditivados pela Terra- cap, incluindo-se o prazo de trinta anos e a opção de com- pra pelos legítimos ocupantes. Outros aspectos relativos ao Cadastro Ambiental Ru- ral (CAR), imóveis em pro- cesso de certificação e geo- referenciamentos das áreas também foram esclarecidos. O secretário relatou que diversas reuniões já foram realizadas em outras comunidades e outros encontros estão sendo progra- madas para que todos tenham informações do andamento da atividade, o que dá mais trans- parência e clareza ao processo de legalização das terras. Lúcio Valadão destacou a importância da criação, pelo governador Agnelo Queiroz, da Diretoria de Regularização das Terras Rurais na Terra- cap. “Foi uma ação concreta para dinamizar o processo de regularização e reafirma o compromisso do governa- dor com os produtores ru- rais”, comemorou o secretário.