Informe Rural - 11/09/13

  • 63 views
Uploaded on

 

  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
    Be the first to like this
No Downloads

Views

Total Views
63
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0

Actions

Shares
Downloads
0
Comments
0
Likes
0

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. Informativo do Sistema Público da Agricultura - Ano II - Edição n° 43 - Brasília, 11 de setembro de 2013. Secretaria de Agricultura e Desenvolvimento Rural Moradores da área rural terão policiamento permanente Os moradores das áreas rurais do Distrito Federal poderão contar, pela primeira vez, com policiamento permanente e especializado, que funcionará 24 horas. O novo serviço foi instituído oficialmente nesta quarta- feira (11), com assinatura de portaria pelo governador Agnelo Queiroz. Formado por três companhias – Leste, Oeste e Sul – sediadas em Planaltina, Brazlândia e Gama, respectivamente, o efetivo contará com o trabalho de 270 policiais. Antes, o policiamento era prestado por batalhões da área urbana. “Com a criação do ‘Grupamento de Policiamento Rural’, estamos atendendo uma reivindicação histórica, que vai transformar a segurança pública nessas áreas”, destacou o governador Agnelo, durante a solenidade de lançamento, ocorrida na sede da Companhia Leste, no Núcleo Rural Tabatinga, em Planaltina. O Núcleo de Policiamento rural se tornou realidade graças aos esforços conjuntos da Secretaria de Agricultura e Desenvolvimento Rural e de Segurança Pública, além de contar com o apoio de deputados distritais. “Há anos conhecemos as dificuldades das comunidadesruraisedacarênciadesegurançapública nessas áreas. O policiamento rural especializado trará mais segurança à população”, ponderou o deputado Joe Valle. Mais de 90 mil pessoas moram na área rural do DF, com cerca de 18 mil produtores rurais – espalhados por mais de 70 núcleos rurais. “Essa ação é de grande relevância, pois 70% do território do DF é constituído por zona rural”, ressaltou o secretário de Agricultura, Lúcio Valadão. O presidente da Associação Agropecuária de Tabatinga (Agrotab), Vilson Thomas, acredita que a medida é benéfica, principalmente pela maior agilidade para responder as ocorrências. “Quando tínhamos um problema, a polícia demorava a chegar ao local. Agora, com certeza teremos respostas mais rápidas para atender nossos chamados”, disse. “Nós, da área rural, estamos muito satisfeitos e esperamos que esse trabalho continue”, avaliou. Serviço – Os moradores poderão comunicar as ocorrências ao Núcleo de Policiamento Rural pelo telefone 3910-1965. Regiões administrativas atendias pelas companhias Sul: sediada no Instituto Federal de Brasília no Gama - Santa Maria - Gama - Núcleo Bandeirante - Riacho Fundo - Recanto das Emas Oeste: sediado no Incra 8 - Brazlândia - Taguatinga - Ceilândia - Samambaia Leste: sediado no Núcleo Rural Tabatinga - Sobradinho - Fercal - Planaltina - São Sebastião - Paranoá - Lago Norte
  • 2. Delícias do cerrado Morango, cenoura, beterraba, agrião, alface e outros 26 produtos orgânicos: esse é o forte da produção do assentamento Colônia I, localizado no município de Padre Bernardo (GO), a cer- ca de 20km de Brazlândia. Para comercializar suas frutas e legumes, a comunidade criou uma organização — a Cooperativa dos Agricultores Familiares Agroecológicos do Projeto de Assen- tamento Colônia I e Região (Coopafama). Nesta quarta-feira (10), 15 mulheres ligadas à coope- rativa concluíram o curso de Boas Práticas de Fabricação, o que vai garantir um salto de quali- dade na produção local. O curso durou 40 horas e foi oferecido pela Emater-DF, em parceria com o Serviço Nacional deAprendizagem Rural (Senar-DF) e Universida- de de Brasília (UnB). Com as aulas, ministradas pelas extensionistas rurais Yokowama Cabral e ASCOM - EMATER/DF Lidiane Matos, da Emater-DF, as 15 agricultoras foram capacitadas para produzir doces, geleias, bolos, salgados e picles, priorizando produtos do cerrado — sempre observando princípios de sanitização e aproveitamento integral do alimen- to. “O curso foi um pedido das produtoras, que sentiram necessidade de se aprimorar”, explica Lidiane. Para a agricultora Rosicler Eilsário Ribeiro, as possibilidades de lucro aumentam com a realiza- ção do curso. “Foi um aprendizado importante, porque vimos que podemos produzir mais e me- lhor. Utilizamos até mesmo cascas e sementes”, detalha. Ela confia na qualidade das hortaliças e frutas da região. “Não usamos agrotóxicos, o que faz com que o alimento seja mais saudável. É melhor para o coração e para a mente”, ensina a produtora.
  • 3. Capim se transforma em arte O capim-do-brejo é encontrado com facilidade no assentamento Monjolo, na região do Gama-DF. E a partir de agora será muito utilizado pelas mulhe- res da comunidade que, com suas mãos habilido- sas, vão transformar o capim em uma diversidade de peças artesanais: cestos, fruteiras, mandalas, cachepôs e o que mais a imaginação permitir. As principais técnicas para confecção foram repassadas em seis encontros pelo instrutor do Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar), João Gomes, em parceria com a Emater-DF. Foram capacitadas mulheres do assentamento Monjolo, Córrego Crispim e do Recanto dos Buritis. O encer- ramento aconteceu na quinta-feira (6) e, agora, elas vão se reunir uma vez na semana para confeccionar peças e trocar experiências. Segundo a extensionista rural da Emater, Car- men Pinagé, “com a criação de peças, elas poderão se juntar a grupos de outras regiões para comercia- lização”. A ação faz parte dos objetivos estratégicos da empresa no que diz respeito à geração de renda e à inclusão socioprodutiva no campo. A produtora Maria Sofia Miranda diz que gostou de aprender a trabalhar com uma matéria prima natural. “Gosto do trabalho sustentável e o custo é quase zero. Gastamos só com agulha e linha e o resto a natureza é que nos fornece”, diz. “O capim é fácil de achar e tirar. Para o preparo são apenas dois dias secando. Dá pouco trabalho”, falou Cleuselita Tavares dos Santos. As peças confeccionadas na comunidade serão comercializadas de 3 a 6 de outubro, no estande da Emater na Festflor Brasil. ASCOM - EMATER/DF
  • 4. CEASA no caminho da modernização twitter.com/ematerdf Informativo produzido pelas assessorias de comunicação social: Secretaria de Agricultura e Desenvolvimento Rural (Seagri-DF) - 3051-6347 Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural (Emater-DF) - 3340-3002 Centrais de Abastecimento do Distrito Federal (Ceasa-DF) - 3363-1024 Siga o Sistema Agricultura nas redes sociais: facebook.com/SeagriDF facebook.com/ematerdistritofederal facebook.com/ceasa-df A regularização dos boxes da CEASA-DF, com a assinatura de novos contratos advindo da Lei nº 4.900, de agosto de 2012, está fazen- do com que os empresários invistam na mo- dernização de seus espaços, como tem feito o Grupo Perboni e Terra Capital, hoje em obras. Marcelo Perboni, do Grupo Perboni, infor- ma que está trocando o calçadão de entrada por piso de granitina e o piso interno por azu- lejos grandes e cinzentos, além das paredes cobertas por ladrilhos azuis. Marcelo lembra que era difícil pensar em investimentos dentro da CEASA-DF, e que hoje o Grupo se sente seguro quanto a isso. “De fato os tempos são outros. Aqui não existe mais a preocupação de que não se pode investir nos boxes porque não é nosso. A lei de regularização acabou com este impasse”, diz Marcelo Perboni. Marcelo diz que os clientes estão exigindo modernização e que, por isso, esta realização vem suprir as demandas e as necessidades que o Grupo Perboni precisa para atender melhor. “Trata- -se do ponto de apoio para receber os nossos clientes que, só de verem as obras, já se mos- tram satisfeitos. Precisamos desta parceria com a CEASA/DF para que a confiança nos investimentos cresça mais ainda”, afirma Mar- celo Perboni. Ele garante que a motivação en- tre os empresários é geral, e que, “até aqui”, a atual administração tem correspondido às expectativas. Outra empresa que hoje está totalmente em obras de reforma é a Terra Capital – Distri- buidora de Frutas e Verduras Ltda, localizada no pavilhão B7/4. O empresário João Resen- de, explica que a reforma geral no seu espa- ço objetiva trazer segurança para a empresa competir com a demanda comercial que existe hoje, e também para satisfazer as exigências da clientela. “Vendemos comida, e a higiene é tudo. Nossos clientes não querem ver nem caixa no chão”, diz Resende. Comercializando há 22 anos na CEASA-DF, Resende também atribui esta evolução à regulari- zação dos boxes e às assinaturas de novos contratos, que geram sentimento de segurança e de novas oportunidades dentro da CEASA-DF. Além da modernização do espaço, Resende informa que no andar superior estão sendo construídos um escritório, banheiros feminino e masculino, e vestuários, para oferecer mais condições de trabalho para os funcionários. Além da estabilidade jurídica que proporciona segurança para novos investimentos, os empresá- rios têm oportunidade de apoiarem projetos sociais criados e desenvolvidos pela CEASA-DF, como o Banco de Alimentos, o Ceasa Mais Limpa, e o Programa de Desperdício Zero (PDZ). Portanto, fica evidente que o cumprimento à Lei nº 4.900 trouxe benefícios aos empresários, os quais declaram que o investimento na modernização dos Boxes hoje realmente vale à pena. ASCOM - CEASA/DF