• Save
Informe rural - 08/05/2013
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Like this? Share it with your network

Share
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
    Be the first to like this
No Downloads

Views

Total Views
230
On Slideshare
230
From Embeds
0
Number of Embeds
0

Actions

Shares
Downloads
0
Comments
0
Likes
0

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. Informativo do Sistema Público da Agricultura - Ano II - Edição n° 26 - Brasília, 08 de maio de 2013.Secretaria de Agriculturae Desenvolvimento RuralAsexta edição da Agrobra-sília começa na próximaterça-feira (14), no Parque Tec-nológico Ivaldo Cenci (PAD-DF).A maior feira de agronegóciosdo Centro-Oeste espera rece-ber mais de 80 mil visitantesneste ano. A Emater-DF coorde-na o Espaço de Valorização daAgricultura Familiar (Evaf). São13 rotas temáticas distribuídasem 48 mil m² onde o produtorpoderá conhecer tecnologias etécnicas adequadas à pequenapropriedade.Neste ano, o destaque é arota da piscicultura. A atividadetem recebido fomento dos go-vernos local e federal e é umaboa opção de renda para o pe-queno agricultor, por ser umacultura de baixo custo e bomFeira tem espaço dedicado à agricultura familiarretorno. Hortaliças, avicultura,apicultura, floricultura, pecuá-ria, crédito rural, agroindústria,comercialização, boas práticasagrícolas, agroecologia, organi-zações sociais e fruticultura sãoos outros circuitos do espaço.Além dos diversos sistemasde produção, o espaço tem apreocupação de abordar toda acadeia produtiva — do plantio àcomercialização — e apresen-tar máquinas, equipamentos,políticas públicas e linhas decrédito que atendem às neces-sidades do agricultor. A culiná-ria e o artesanato rural tambémtêm espaço reservado paramostrar que há de melhor noDistrito Federal.A abertura oficial da feiraacontece na terça-feira (14), àsAgrobrasília começa na próxima terçaServiço:AGROBRASÍLIA 2013Entrada francaData: 14 a 18 de maioHorário: das 9h às 18hLocal: Parque Ivaldo Cenci, PAD-DF.BR-251, Km 5, Brasília-DF,sentido Brasília-Unaí (MG).15h, com a presença de autori-dades.
  • 2. Assentamento em Planaltina recebe ação comunitáriaOAssentamento MárciaCordeiro Leite recebeunesta terça-feira (07) a açãocomunitária organizada pelaSecretaria de Agricultura doDF e pela Emater-DF, junto adiversos parceiros, para via-bilizar acesso a documentose informações aos moradoresdaquele local.Situado próximo a Planal-tina-DF os mais de 100 mora-dores presentes puderam teracesso a serviços como reti-rada de Carteira de Trabalho,CPF, regularização da situaçãocadastral em programas deassistência social, acesso aoDF sem Miséria, aquisição deinformações sobre programasdo INCRA, do Ministério de De-senvolvimento Agrário (MDA),de políticas públicas para mu-lheres, dentre outros.A ação é um esforço conjun-to dos órgãos dos governos fe-Artesanato pode aumentar renda de agricultoresCestos de pães, fruteiras,luminárias, arandelas,cortinas e o que mais a imagi-nação permitir: tudo pode serfeito utilizando o taquari, umaespécie de bambu nativa docerrado. Moradores do assen-tamento Cigano, no municípiode Água Fria (GO), já usam amadeira para produzir espeti-nhos de churrasco. A Emater--DF, que atende a comunidade,promoveu um curso de artesa-nato onde os participantes pu-deram ampliar o conhecimentosobre a utilização do taquari.As aulas terminaram nesta sex-ta-feira (3).O gerente do escritório As-sentamentos Leste da Ema-ter-DF, João Colemar, explicouque os técnicos da empresaidentificaram quais agricultorestinham o perfil para trabalharcom artesanato. “Além de in-tegrar as comunidades ruraisda região (moradores de trêsassentamentos participaramdo curso), estamos cumprindoo papel da extensão rural, queé promover a sustentabilidadeeconômica e ambiental daszonas rurais”, observou Cole-mar.O curso durou 48 horas e foiministrado pelo artesão JoãoGomes, numa parceria como Serviço Nacional de Apren-dizagem Rural (Senar-DF). Oartista trouxe sua experiênciacom outros materiais — comofibra de bananeira, coco demacaúba e sementinhas —para somar com o taquari. “Foiuma experiência muito rica,onde também aprendi bastante.O cerrado tem muito a nos en-sinar, podemos usar vários pro-dutos da terra para fazer arte”,apontou.Emater-DF promove curso para moradores de assentamentos em Goiásderal e local que visa levar cida-dania e melhores condições devida àquelas famílias. A exten-sionista rural de Planaltina-DF,Andréia Gonçalves, lembrouque a oportunidade é única emfunção da distância que fica oassentamento da cidade.A coordenadora do Movi-mento de Apoio aos Trabalha-dores Rurais (MATR), OlenaValente, destacou que para oassentamento essas políticaspúblicas de governo são es-senciais para melhorar a quali-dade de vida de quem vive ali,pois muitos não têm acesso ainformações básicas. “Quan-do temos que ir à cidade é umtranstorno porque muitas mãesnão têm com quem deixar seusfilhos”.Participaram da atividade:Incra, MDA, Defensoria Públicado DF, Secretaria de Mulheres,Sedest, INSS, Administraçãode Planaltina e Sebrae DF.
  • 3. Produtores terão recursos para habitaçãoMais de 120 produtoresdo assentamento Be-tinho, na região rural de Bra-zlândia, receberam orientaçãosobre como participar do Pro-grama Nacional de HabitaçãoRural (PNHR). A ação foi orga-nizada pelo Sistema Público daAgricultura do DF — formadopela Secretaria de Agriculturae Desenvolvimento Rural (Sea-gri) e as vinculadas Emater-DFe Ceasa-DF — para mapear aspessoas que podem participardo PNHR e levar conhecimentosobre o programa.A orientação foi ministradapelo secretário de Agricultura,Lúcio Valadão, e pelo assessortécnico da Emater-DF, MarceloSilva. Para o subsecretário deDesenvolvimento Rural, JoséNilton Lacerda, o projeto qui-ta uma dívida histórica com aagricultura familiar. “Queremosresgatar a dignidade dessesprodutores”, observou.O próximo passo será cadas-trar os agricultores familiares,do assentamento Betinho, quese enquadram no programa.O cadastramento está previstopara acontecer no próximo dia21. “Foi excelente recebermos aequipe da Agricultura. Agora te-mos conhecimento sobre maisuma ação para trazer melhoriase conquistas para nós”, disseMaria do Socorro Miranda, pro-dutora de morango e graviolano assentamento Betinho.Critérios — Podem partici-par do PNHR agricultores fa-miliares e trabalhadores ruraiscom renda familiar bruta anualmáxima de R$15 mil. O empre-endedor familiar deve compro-var os rendimentos por meioda Declaração de Aptidão aoPronaf (DAP). Já o trabalhadorrural deve apresentar carteiraou contrato de trabalho ou de-claração em papel timbrado decooperativa, sindicato ou asso-ciação. Se for aposentado, ocomprovante de proventos doINSS é o documento necessá-rio para comprovar a renda.Pescadores artesanais, ex-trativistas, silvicultores, aquicul-tores, maricultores, pisciculto-res, comunidades quilombolase povos indígenas também po-dem ter acesso ao programa.Programa financia construção, reforma e ampliação de casas para agricultores, trabalhadores e aposentados no campoOs novos empregados daEmater-DF começaram, nessasegunda-feira (6), o curso deambientação na empresa. Atéquinta (9), conhecerão o fun-cionamento da instituição, osprincipais programas e ações ea estrutura organizacional.A partir da próxima semana,os colegas - contratados pormeio de concurso público -serão lotados em alguns es-critórios locais para conhecerde perto o trabalho da Ema-ter-DF com seu público-alvo, oagricultor do Distrito Federal eEntorno.Concursados da Emater fazem curso de ambientação
  • 4. Informativo produzido pelas assessorias de comunicação social:Secretaria de Agricultura e Desenvolvimento Rural (Seagri-DF) - 3051-6347Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural (Emater-DF) - 3340-3002Centrais de Abastecimento do Distrito Federal (Ceasa-DF) - 3363-1024Horta doméstica garante a segurança alimentarODistrito Federal tem sidoreconhecido por sua ca-pacidade de produzir alimentosvariados e de qualidade. En-tretanto, ainda existem famí-lias de baixa renda e em situ-ação de insegurança alimentare nutricional que buscam umamelhor condição de vida como apoio da Emater-DF. Esse éo caso das 72 famílias do As-sentamento Monjolo, localizadona região do Gama, que foramretiradas de uma área de risco,na Estrutural, em 2008.Para garantir a segurançaalimentar dessas famílias e in-centivar a produção agrícola,o escritório local da Emater noGama promove um concursopara eleger a melhor horta do-méstica. Onze moradoras quefazem parte do grupo de mulhe-res do assentamento participamda atividade. “Além de contribuirpara a subsistência da família,com produtos frescos e saudá-veis, a horta também funcionacomo uma terapia ocupacional.Queremos que a ação estimuleoutros moradores a construí-rem uma horta doméstica”, ex-plica a engenheira agrônomaAdriana Souza, que tem assis-tido à implantação das hortas.O trabalho multidisciplinardo escritório também envolvea economista doméstica, Car-mem Pinagé, uma das mobi-lizadoras da ação, e da nutri-cionista Bruna Carvalho, queelaborou um livreto de receitasfáceis e uma série de cartilhaseducativas sobre alimentaçãosaudável, higiene e aproveita-mento integral dos alimentos.“O incentivo à construção dehortas é apenas a primeira par-te do projeto, queremos fazeruma série de cursos e oficinassobre aproveitamento integraldos alimentos e sobre alimen-tação saudável”, explica Car-mem.ConcursoNessa terça-feira (7), o en-genheiro agrônomo da EmaterAntônio Dantas e a economis-ta doméstica Selma Tavaresfizeram a avaliação das hortaspara posterior premiação. Fo-ram analisadas a variedade deprodutos e o cuidado no cultivo.A moradora Dilma Mendon-ça dos Santos não esconde afelicidade de ter sua horta e dizque a atividade ajudou a me-lhorar a alimentação da família.“Faz bem para a saúde e trazeconomia. Meus filhos e meumarido me ajudam e quero con-seguir plantar mais”, conta.O excedente da horta tam-bém tem contribuído para gerarrenda às famílias. Rosilda Go-mes de Alencar conta que “nãotem nada melhor que ter umahorta do lado da porta de casa.O que não consumimos leva-mos para vender. Queremosaumentar a horta, mas a faltade água é o que limita”, falou.Maria José Campos planta,capina, irriga, colhe e vende oque sobra na beira da estrada.Tudo sozinha. “Meus filhos re-clamam comigo, mas não con-sigo ficar parada. Isso é umamaravilha. Faço por divertimen-to”.ParceriasOs insumos para a criaçãodas hortas foram fornecidospor doação. A Secretaria deAgricultura e Desenvolvimen-to Rural contribuiu com kits deferramentas e sementes, umprodutor local fez a doação demudas e uma loja agropecuáriado Gama forneceu outros insu-mos.A promoção da segurançaalimentar e nutricional faz parteda missão institucional da Ema-ter-DF e caminha juntamenteàs ações de eliminação da ex-trema pobreza no meio rural.Plantio garante alimentação mais saudável e variada para a família de DilmaAntônio e Selma avaliam as hortas domésticas Maria José (de boné) mostra sua plantação aos extensionistas