Aline Ferreira da Silva                                                                           Luciana Ferreira        ...
2   •   Tosse persistente por mais de 3 semanas, podendo ser ou não seguido da presença       de secreção por mais de quat...
3Ministério da saúde (2005) explica que para o “diagnostico da tuberculose e de outrasenfermidades se faz necessário os se...
4                              com diâmetro de ate 5µ e com 1 a 2 bacilos em suspensão, podem atingir                     ...
5população de baixa renda, presidiários, população indígena e portadores de HIV/AID(tuberculose é a principal causa de mor...
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

Resumo tuberculose grupo 5

8,029 views

Published on

Published in: Health & Medicine
0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
8,029
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1
Actions
Shares
0
Downloads
86
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Resumo tuberculose grupo 5

  1. 1. Aline Ferreira da Silva Luciana Ferreira Maria Eliane Barbosa Maciel Maria Inês Santos da Silva TUBERCULOSE 1. DEFINIÇÃOA tuberculose é uma doença infecto contagiosa, causada por uma bactéria denominadaMycobacterium tuberculosis, mais conhecida por Bacilo de Koch, devido ao descobridorda bactéria. Outras bactérias podem causar a doença, como a Mycoabacterium Bovis,africanum e microti.De acordo com a BVS, a tuberculose “afeta principalmente os pulmões, mas, também podeocorrer em outros órgãos do corpo, como ossos, rins e meninges (membranas queenvolvem o cérebro)”.O principal transmissor do bacilo é o homem, mas também existem casos em que o gadodoente, primatas, aves e outros mamíferos podem ser possíveis transmissores. “Calcula-seque durante um ano, numa comunidade, um indivíduo bacilífero poderá infectar, emmédia, de 10 a 15 pessoas”. (Ministério da Saúde).O bacilo da tuberculose tem m período de incubação, que dura cerca de 4 a 12 semanasapós a infecção, sendo detectadas então as lesões primárias. A intensidade da infecção irádepender de alguns fatores, como por exemplo, situação imunológica, condição social,algumas doenças crônicas, dentre outras. 2. SINAIS E SINTOMASOs sinais e sintomas podem ser distintos e nem todos os pacientes demonstram estar comtuberculose, a esses chamamos de doentes assintomáticos. Os que apresentam asmanifestações clínicas aparentes são os pacientes sintomáticos.Resumidamente, podemos listar os principais sinais e sintomas em:
  2. 2. 2 • Tosse persistente por mais de 3 semanas, podendo ser ou não seguido da presença de secreção por mais de quatro semanas; • Cansaço; • Febre no final da tarde; • Sudorese noturna; • Dispnéia; • Falta de apetite; • Dor no peito 3. HISTÓRIAA tuberculose no mundo teve o seu primeiro vestígio de existência antes de cristo. A queno Brasil no por volta do fim do século XVIII a doença teve uma conotação de ‘doençaromântica “doença caracterizada por atingir poetas e intelectuais da época, já no fim doséculo XIX e no XX tornou-se como um mal social pois houve incidência da doença nascamadas mais populares da sociedade assim acarretando o estigma de que tuberculose édoença de pobre.Na época discutia-se os fatores susceptível a contrai a tuberculose, tendo como um dosseus pontos abordados o ambiente mas ao longo do século XX o biológico foi ganhadoespaço e um dos marcos importantes foi a descoberta do bacilo de Koch em 1882 porRobert Koch essa descoberta permitiu o inicio das tentativas de tratamento especifico econhecer mais sobre a doença e sua forma de contagio.No Brasil as instituições filantrópicas tiveram fundamental importância, pois foi essas queassumirão forma diferenciada do tratar da tuberculose uma descoberta que contribuiu parao diagnostico e conhecimento da doença foi o estetoscópio por permiti ver as células quenão era possível ver a olho nu. Percebe-se que ao longo dos anos foram ocorrendoevoluções ate descobri a cura para essa patologia. 4. DIAGNÓSTICO
  3. 3. 3Ministério da saúde (2005) explica que para o “diagnostico da tuberculose e de outrasenfermidades se faz necessário os seguintes métodos: baciloscopia e cultura, tomografiacomputadorizada do tórax, broncoscopia, prova tuberculinica cutânea (PPD), Anatomo-patológico, sorológico, bioquímico e biologia molecular” (p.736).A baciloscopia direta do escarro do paciente permite detectar uma das formas da doençaque mais acomete a população, que é a forma do doente bacilífero. Com uma eficiência de70% a 80% o exame é o mais indicado para os pacientes cujo apresenta sinais e sintomasrespiratórios e ter um custo financeiro relativamente baixo.Já a cultura de escarro ou secreção é indicada quando o exame do escarro for negativo e ossinais e sintomas indicam que o paciente ta com tuberculose pulmonar e para as extraspulmonares também as do tipo menigea pleural, renal e ganglionar.A radiografia do tórax é utilizada na maioria dos casos como forma de auxílio dodiagnostico. E a tomografia computadorizada do tórax é recomendada quando a radiografianão tem os resultados precisos; no SUS a tomografia tem uma baixa oferta por ter um custofinanceiro alto.São existentes outros exames de segunda escolha que auxilia na comprovação da doença ede sua forma clinica 5. TRASMISSÃOPara um indivíduo contrair a tuberculose, o contato com um bacilo deve ser direto com apessoa doente, porém, nem todo indivíduo exposto ao bacilo poderá ser infectado, no qualdependerá do sistema imunológico ou de algumas patologias. Segundo o Ministério da Saúde (2005, p. 733), “A tuberculose é transmitida de pessoa a pessoa, principalmente através do ar. A fala o espiro e, principalmente, a tosse de um doente de tuberculose pulmonar baculífera lança no ar gotículas, de tamanho variados, contendo no seu interior o bacilo. As gotículas mais pesadas depositam-se rapidamente no solo, enquanto que as mais leves podem permanecer em suspensão por diversas horas. Somente os núcleos secos das gotículas (núcleo de Wells),
  4. 4. 4 com diâmetro de ate 5µ e com 1 a 2 bacilos em suspensão, podem atingir os bronquíolos e alvéolos e ai iniciar sua multiplicação”. 6. TRATAMENTOO tratamento para a tuberculose pulmonar e extrapulmonar é através de antibióticos, noqual utilizam alguns fármacos para o tratamento, entre elas o RHZ, com duração mínimade 6 meses sem interrupção. A cura é mediante ao sucesso do tratamento que aconteceráatravés do acompanhamento dos profissionais de saúde.Segundo o Ministério da Saúde (2005, P. 740): Antes de iniciar a quimioterapia, faz-senecessário orientar o paciente quanto ao tratamento. Para isso, deve-se explicar, naentrevista inicial e em linguagem acessível, as características da doença e o esquema detratamento que será seguido - drogas, duração, benefícios do uso regular da medicação,consequências advindas do abandono do tratamento e possíveis efeitos adversos dosmedicamentos. 7. ESTATÍSTICASA tuberculose é mais comum em países em desenvolvimento. O Brasil apresentaaproximadamente 85 mil casos por ano e de 5 a 6 mil de mortes pela patologia, o país juntocom outros 21 países somam cerca de 80% dos casos no mundo. Em Pernambuco até ofinal do ano passado (2011) foram registrados 2.809 de novos casos, o número revela que oestado é o terceiro maior índice do país.Nos casos, 80% tem cura. No Brasil, desses, apenas 5% desistem do tratamento, entrepessoas com HIV/AIDs 54% tem cura e 14% desistem do tratamento.Segundo a Organização Mundial de Saúde um terço da população esta contaminada com oMycobacterium tuberculosis, dessas 10% irão desenvolver a doença. Queaproximadamente existem no mundo cerca de 9,2 milhões de casos da doença no mundopor ano, sendo que 1,7milhões resultam em morte. Entre os mais susceptíveis estão idosos,
  5. 5. 5população de baixa renda, presidiários, população indígena e portadores de HIV/AID(tuberculose é a principal causa de mortes entre os pacientes de AIDs).De 1990 a 2006 ocorreu uma queda no numero de casos no Brasil em media 1,3% anual. 8. PREVENÇÃOA prevenção se dá principalmente pela aplicação da vacina infantil BCG (feita de umbacilo similar ao mycobacterium tuberculosis) ela é obrigatória, é indicada para seraplicada no braço direito. Na Portaria nº 452 de 06/12/1976 do Ministério da Saúde, constaque a vacina “é prioritariamente indicada para as crianças de 0 a 4 anos de idade, sendoobrigatória para menores de uma ano”. É recomendada a revacinação com a BCG emcrianças com 10 anos de idade, podendo ser antecipada para os seis anos. Crianças recém-nascidas com suspeita de AIDs não devem tomar a vacina, como também é contra indicadaem casos de “peso ao nascer inferior a 2Kg, reações dermatológicas na área de aplicação,doenças graves e uso de drogas imunossupressoras”. Ela pode oferecer até 10 anos deproteção a criança vacinada. (Guia do Ministério da Saúde, 2005)Evitar locais fechados e sem luz do sol, pois o bacilo de Koch é sensível a luz do sol,recomendado também melhor qualidade de vida, alimentação e hábitos saudáveis.“As ações para o controle da tuberculose no Brasil têm como meta diagnosticar pelo menos90% dos casos esperados e curar pelo menos 85% dos casos diagnosticados.” (Ministérioda Saúde).

×