Your SlideShare is downloading. ×
Relatório de Divulgação de Resultados 2T12
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Relatório de Divulgação de Resultados 2T12

333

Published on

Published in: Investor Relations
0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
333
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
1
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. Resultados 2T12 07/08/2012 Maior qualidade de crédito eleva participação dos ratings AA e B a 79% ante 65% no 2T11. Corporate passa a responder por 47% da Carteira de Crédito Expandida Destaques do Período • Com maior cautela, em função do cenário macroeconômico, a Carteira de Crédito Expandida cresce apenas 1,7% no 2T12 e 33,1% em 12 meses,IDVL4: R$6,53 por ação ficando na casa de R$2,8 bilhões.Cotação fechamento: 07/08/2012 • Seguindo a nossa estratégia, o segmento Corporate continua a crescer, eAções em circulação: 62.371.178 responde por 47% da Carteira de Crédito Expandida (45% da Carteira deValor Mercado: R$407,3 milhões Crédito Clássica) ao final de junho.Preço/Valor Patrimonial: 0,70 • Prossegue o movimento de melhora contínua na qualidade da carteira expandida: participação de Créditos classificados entre AA e B foi elevada a 79% no 2T12 ante 65% no 2T11. Dos créditos concedidos no trimestre, Teleconferências / Webcasts 99% estão classificados entre os ratings AA e B (97% no 1T12). 08/08/2012 • Queda no percentual de operações vencidas há +90 dias para 2,6%, versus 6,3% em junho de 2011, com cobertura de provisões de 175,7% (156,4% Em Português 10h00 (Brasília) / 9h00 (US EST) em março de 2012 e 155,8% em junho de 2011). Número: +55 11 4688-6361 Código: BI&P • Custos de Captação continuam caindo principalmente com a maior participação das Letras de Crédito ao Agronegócio (LCAs) no total de Em Inglês recursos captados em reais. Funding total de R$2,8 bilhões mantém-se 11h00 (Brasília) /10h00 (US EST) alinhado à evolução da carteira de crédito. Conexões • Nosso Índice de Basileia de 17,0% (Tier 1) e nossa liquidez permitem o Brasil:+55 11 4688-6361 crescimento dos negócios ao longo do 2º semestre de 2012. EUA:+1 786 924-6977 Código: BI&P • Lucro Líquido ainda afetado pelo provisionamento de créditos concedidos antes de 2010, apesar do crescimento de 59% no Resultado de Website: www.bip.b.br/ri Intermediação Financeira antes das despesas de provisão para créditos de liquidação duvidosa na comparação com o 2T11 (de R$37,4 milhões no Relatório Anual 2011 disponível: 2T11 para R$59,6 milhões).http://www.bip.b.br/port/ri/downl oads/ra/Indusval_ra_2011.pdf • Nossos ratings foram reafirmados com perspectiva estável, respectivamente por: - Standard & Poors (06.08.2012) BB/B (global) e brA+/brA-1 (local) - FitchRatings (11.07.2012) BBB/F3 (escala local). 1/18
  • 2. SumárioComentários da Administração .................................................................................................................. 3Cenário Macroeconômico........................................................................................................................... 4Principais Indicadores ................................................................................................................................. 5Desempenho Operacional .......................................................................................................................... 6Carteira de Crédito...................................................................................................................................... 9Captação ................................................................................................................................................... 12Liquidez ..................................................................................................................................................... 13Adequação de Capital ............................................................................................................................... 13Classificação de Risco - Ratings ................................................................................................................ 14Mercado de Capitais ................................................................................................................................. 14Balanço Patrimonial .................................................................................................................................. 16Demonstração de Resultados .................................................................................................................. 18 2/18
  • 3. Comentários da AdministraçãoO cenário macroeconômico, com um crescimento da economia brasileira abaixo de seu potencial e a piora na criseeuropeia, recomendou maior cautela, especialmente no segundo trimestre, fazendo com que diminuíssemos a velocidadede crescimento de nossa carteira de crédito. Esse cenário tem também efeito adverso nos resultados, derivado da carteirade créditos concedidos anteriormente a 2010.Contudo, ainda que temporariamente com menor velocidade, está mantida nossa estratégia de crescer com qualidade,buscando desenvolver diferenciais de mercado através de expertise em produtos e serviços e processos mais eficientesque nos proporcionem a ampliação de nossa base de clientes com agilidade e maior rentabilidade.O crescimento de nossa carteira de crédito, incluindo títulos agrícolas (CPRs, CDCAs e CDA/WAs), títulos de crédito privado(debêntures e notas promissórias) e garantias emitidas (fianças, avais e L/Cs), foi de 1,7% no trimestre e 33% em 12 meses,totalizando R$2,8 bilhões. O aumento de volumes concedidos ocorreu no segmento Corporate (empresas com faturamentoanual entre R$400 milhões e R$2,0 bilhões), elevando sua participação em nossa carteira de crédito expandida para 47%,inclusive com a migração de clientes anteriormente gerenciados na plataforma Middle Market. Esse crescimento, além derefletir o novo modelo de negócios, deriva especialmente do aumento de operações de repasse de BNDES (+13% no 2T12 e+83% em 12 meses), das garantias emitidas (+7% e +157%, respectivamente), dos títulos agrícolas (CPRs, CDCAs eCDA/WAs) (+16% e +622%, respectivamente) e de títulos de crédito privado – debêntures – de clientes (20% no 2T12).Considerando esse cenário, optamos por preservar a qualidade de nossa carteira de crédito, o que resultou em umaelevação na parcela classificada nas melhores categorias de risco (AA – C) a 93% da carteira de crédito expandida, sendoque os créditos classificados entre AA e B representam hoje 79% do total, ante 65% em junho de 2011. Entre as operaçõesconcedidas neste segundo trimestre, 99% estão classificadas entre AA e B.A taxa de inadimplência de 2,6%, para operações com atrasos superiores há 90 dias, apresentou uma redução de quasequatro pontos percentuais na comparação com junho de 2011, tanto como reflexo da melhor qualidade da carteira geradanos últimos 12 meses quanto pela baixa das operações antigas para créditos em liquidação, no montante de R$17 milhõesno trimestre.Nosso saldo de captações manteve-se em cerca de R$2,8 milhões, alinhado à carteira de crédito, com crescimento de 24%em comparação com junho de 2011. As captações em depósitos em reais, que respondem por 74% do total de recursoscaptados, mantiveram redução de custos inclusive com o contínuo incremento de captações em Letras de Crédito aoAgronegócio (LCAs), que passaram a 16% dos depósitos reduzindo a participação de fontes de maior custo, como os CDBs eDPGEs. Compondo nossas fontes de captação, com participação de cerca de 10% do total, os empréstimos para repasse nopaís refletem o incremento nas operações de repasses de recursos do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico eSocial – BNDES. Os Empréstimos no Exterior, equivalentes a 16% das captações, apresentaram elevação de 8,4% nacomparação com junho 2011 e estão principalmente relacionados a linhas de Trade Finance concedidas por bancoscorrespondentes.O desenvolvimento de produtos continua merecendo destaque. Nesse sentido, concluímos, neste trimestre, a contrataçãode reforços na área de derivativos com clientes e mantivemos o treinamento da equipe comercial para garantir aexcelência na oferta e entrega de produtos e serviços. Essas ações permitem a ampliação de nosso pipeline de negócios econtribuem para o reforço de nossa marca.Os nossos recursos humanos continuam sendo foco de grande atenção, pois acreditamos que o desenvolvimento econtratação de profissionais experientes, engajados em nossa estratégia e alinhados com nossa visão e valores éfundamental para nosso sucesso. Durante o trimestre, continuamos investindo na maior qualificação de nossosprofissionais, tanto nas áreas de negócios quanto de suporte operacional, e na revisão e otimização de processos paraatingirmos a excelência em nossas atividades. 3/18
  • 4. Cenário MacroeconômicoO crescimento econômico continua abaixo do potencial, mas desde o terceiro trimestre de 2011 o Brasil tem apresentadouma melhora marginal. Ainda assim as projeções para o PIB caíram substancialmente neste trimestre e indicamcrescimento anual abaixo de 2% até o final do ano. A indústria continua sendo o setor mais castigado, sofrendo efeitos dacrise europeia em um ambiente de aumento de custos e forte concorrência de produtos importados. O governo continuatomando medidas para incentivar a atividade e alguns setores começam a reagir como foi o caso das vendas deautomóveis após o corte de IPI. Outro fator que tem prejudicado a expansão do consumo nos últimos meses tem sido oaumento do comprometimento da renda das famílias com o pagamento de juros e principal de dívidas contraídas nosúltimos anos. Dentro deste contexto, espera-se uma retomada do consumo no segundo semestre. A condição fundamentalpara isto é a estabilidade da crise financeira internacional, já que incentivos fiscais e monetários foram fortementeaplicados nos dois últimos trimestres.No câmbio, ao contrário do primeiro trimestre, houve uma forte valorização do dólar. Dois fatores foram fundamentaispara este movimento: a piora da crise europeia e as medidas tomadas pelo governo para enfraquecer o real, com destaquepara as atuações do Banco Central nas compras de dólar tanto no mercado a vista como nos derivativos.Nos juros, o Comitê de Política Monetária do Banco Central deu seguimento ao seu processo de corte e reduziu a taxabásica de juros (Selic) para 8,50%, nível mais baixo desde a criação do plano Real, gerando necessidade de alterações naregra da remuneração da poupança.O crédito no sistema financeiro nacional cresceu 4,5% no trimestre, segundo dados disponibilizados pelo Banco Central,acumulando uma elevação de 18% em 12 meses, estável em relação ao primeiro trimestre. A relação crédito/PIBultrapassou o nível de 50% pela primeira vez. A inadimplência das famílias continuou se elevando atingindo 7,8% eforçando os bancos a uma maior restrição no crédito ao consumidor. Contudo os dados de junho sinalizam uma ligeiraqueda. A inadimplência do crédito à pessoa jurídica, porém, continuou estável ao redor de 4%. Dados macroeconômicos 2T12 1T11 2T11 2012e 2013e Variação real do PIB (T/T anterior) 0,70% 0,21% 0,47% 1,9% 4,5% Inflação (IPCA - IBGE) - var trimestral 1,20% 1,44% 1,94% 5,1% 5,8% Inflação (IPCA - IBGE) - var anual 4,92% 5,24% 6,71% 5,1% 5,8% Variação cambial % (US$/R$) - trimestre 10,93% -2,86% -4,15% 8,6% 5,5% Selic 8,50% 9,75% 12,25% 7,5% 9,5% 4/18
  • 5. Principais IndicadoresAs informações financeiras e operacionais a seguir são apresentadas com base em números consolidados, em BRGAAP, em milhões dereais, exceto quando evidenciado em outra unidade.Resultados 2T12 1T12 2T12/1T12 2T11 2T12/2T11 1S2012 1S2011 1S12/1S11Resultado Int. Financeira antes PDD 59,6 50,8 17,2% 37,4 59,3% 110,4 76,2 44,8% 1Despesas de PDD (22,6) (14,4) 56,9% (1,5) 1377,9% (37,0) (103,2) -64,1%Resultado Intermediação Financeira 37,0 36,4 1,5% 35,9 3,1% 73,4 (27,0) 372,2%Despesas Operacionais Líquidas (30,7) (27,2) 12,9% (25,9) 18,4% (57,8) (50,6) 14,2%Resultado Operacional Recorrente 6,3 9,3 -32,0% 10,0 -36,7% 15,6 (77,6) 120,1%Despesas Operacionais não Recorrentes (0,3) 0,0 n.m. (1,2) -76,9% (0,3) (3,9) -93,0%Resultado Operacional 6,0 9,3 -34,9% 8,8 -31,2% 15,3 (81,5) 118,8%Lucro (Prejuízo) Líquido 2,4 5,0 -52,1% 5,1 -52,1% 7,5 (49,4) 115,1%Dados de Balanço 2T12 1T12 2T12/1T12 2T11 2T12/2T11Carteira de Crédito 2.395,6 2.385,6 0,4% 2.003,2 19,6% 2 Carteira de Crédito Expandida 2.807,1 2.759,1 1,7% 2.108,7 33,1%Disponibilidades e Aplicações Fin. Liquidez 632,6 642,3 -1,5% 566,4 11,7%Títulos e Valores Mobiliários e Derivativos 1.536,0 1.309,8 17,3% 1.764,3 -12,9% 3 TVM e Deriv. (-) Tít. Agrícolas e Privados 1.300,3 1.100,1 18,2% 1.727,3 -24,7%Ativos Totais 4.966,5 4.583,0 8,4% 4.432,8 12,0%Depósitos Totais 2.038,0 2.087,8 -2,4% 1.661,2 22,7%Captações no Mercado Aberto 1.219,6 1.058,4 15,2% 1.361,3 -10,4%Empréstimos no Exterior 449,2 407,8 10,2% 414,4 8,4%Repasses Locais 267,8 240,2 11,5% 154,0 73,9%Patrimônio Líquido 582,4 590,5 -1,4% 566,5 2,8%Desempenho 2T12 1T12 2T12/1T12 2T11 2T12/2T11 1S2012 1S2011 1S12/1S11Caixa Livre 873,7 853,3 2,4% 923,3 -5,4%NPL 60 dias / Carteira de Crédito 2,8% 3,2% -0,3 p.p. 6,8% -4,0 p.p.NPL 90 dias / Carteira de Crédito 2,6% 2,7% -0,2 p.p. 6,3% -3,7 p.p. 4Índice da Basileia 17,0% 17,5% -0,5 p.p. 21,3% -4,3 p.p.Retorno Patrimônio Líquido Médio 1,7% 3,5% -1,8 p.p. 3,6% -2,0 p.p. 2,6% -18,9% 21,5 p.p.Margem Fin. Líq. Ajustada (NIMa) 7,7% 6,6% 1,0 p.p. 5,2% 2,5 p.p. 7,1% 5,5% 1,6 p.p.Índice de Eficiência 62,3% 68,1% -5,7 p.p. 78,5% -16,2 p.p. 65,1% 78,6% -13,5 p.p.Outras Informações 2T12 1T12 2T12/1T12 2T11 2T12/2T11Clientes Ativos - Pessoa Jurídica 820 775 5,8% 683 20,1%Número de Funcionários 438 426 2,8% 376 16,5%Detalhes nas respectivas seções deste relatório:1 Inclui provisões complementares2 Inclui Garantias emitidas (fianças, avais, L/Cs), Títulos de Crédito Privado (NPs e Debêntures) e Títulos Agrícolas (CDCAs, CDA/WAs e CPRs)3 Exclui Títulos Agrícolas (CPRs e CDA/WAs) e Títulos de Crédito Privado (NPs e Debêntures) para negociação4 Capitalização de R$201 milhões em março de 2011O BI&P - Banco Indusval & Partners é um banco comercial listado no Nível 2 de Governança Corporativa da BM&FBOVESPA,com mais de 40 anos de experiência no mercado financeiro, que concentra seus negócios em produtos de crédito, emmoeda nacional e estrangeira, para o segmento de empresas. O Banco conta com 11 agências estrategicamente localizadasnas regiões de maior representatividade na economia brasileira, incluindo uma agência nas Ilhas Caiman, além daCorretora de Valores, que atua na intermediação de operações na Bolsa de Valores, Mercadorias e Futuros(BM&FBOVESPA) e da Serglobal Cereais, adquirida em abril de 2011, geradora de títulos agrícolas. 5/18
  • 6. Desempenho Operacional Resultado Intermediação Financeira antes de Despesas Lucro Líquido de Provisão para Créditos de Liquidação Duvidosa 44,8% 115,1% -52,1% 110,4 59,3% 76,2 10,3 59,6 7,3 7,5 49,3 50,8 5,1 5,0 R$ milhões 45,0 37,4 2,4 R$ milhões 2T11 3T11 4T11 1T12 2T12 1S11 1S12 2T11 3T11 4T11 1T12 2T12 1S11 1S12 -49,4 Carteira de Crédito Expandida Captação 33,1% 23,6% 1,7% 0,7% 2,8 2,8 2,7 2,8 2,5 2,4 2,5 2,1 2,2 2,2 R$ bilhoes R$ bilhoes 2T11 3T11 4T11 1T12 2T12 2T11 3T11 4T11 1T12 2T12 Empréstimos e Financiamentos em Reais Trade Finance Garantias Moeda Local Moeda Estrangeira Títulos Agrícolas (CPR, CDA/WA e CDCA) Títulos de Crédito Privado (NPs e Debêntures)RentabilidadeIntermediação Financeira 2T12 1T12 2T12/1T12 2T11 2T12/2T11 1S2012 1S2011 1S12/1S11Receitas Intermediação Financeira 222,8 161,8 37,7% 126,5 76,1% 384,6 243,2 58,2%Operações de Crédito 62,9 70,2 -10,5% 62,1 1,3% 133,1 126,4 5,3% Empréstimos e Títulos Descontados 46,4 62,9 -26,2% 57,5 -19,3% 109,3 117,8 -7,2% Financiamentos 7,6 6,4 19,1% 3,4 125,2% 13,9 7,0 99,9% Outros 8,9 0,9 836,8% 1,2 614,5% 9,8 1,7 493,2%Títulos e Valores Mobiliários 114,4 68,6 66,7% 64,6 77,1% 183,0 104,6 74,9%Instrumentos Financeiros Derivativos 5,5 (3,7) 248,1% (7,8) 171,0% 1,8 (3,2) 157,2%Operações de Câmbio 40,0 26,7 49,8% 7,6 423,3% 66,8 15,3 336,0%Despesas Intermediação Financeira 163,3 111,0 47,2% 89,1 83,2% 274,2 167,0 64,2%Captação no Mercado 119,4 85,3 39,9% 85,0 40,5% 204,7 157,0 30,4% Depósitos a Prazo 40,8 45,2 -9,8% 48,5 -15,9% 86,0 92,5 -6,9% Operações Compromissadas 68,1 30,5 123,2% 30,4 123,9% 98,6 52,7 87,1% Depósitos Interfinanceiros 3,4 3,1 9,7% 3,1 11,7% 6,6 6,4 2,8% Letras Crédito Agrícola e Financeiras 7,0 6,4 9,3% 3,0 136,0% 13,5 5,4 149,6%Empréstimos, Cessão e Repasses 43,9 25,6 71,2% 4,2 957,5% 69,6 10,0 594,3% Empréstimos no Exterior 39,6 22,2 78,3% 2,2 1733,1% 61,7 5,8 966,5% Empréstimos e Repasses no país 4,3 3,5 25,5% 2,0 118,1% 7,8 4,2 84,8%Resultado Interm. Financeira antes PDD 59,6 50,8 17,2% 37,4 59,3% 110,4 76,2 44,8%Provisão Créditos Liquidação Duvidosa (22,6) (14,4) 56,9% (1,5) 1377,9% (37,0) (103,2) -64,1%Resultado Intermediação Financeira 37,0 36,4 1,5% 35,9 3,1% 73,4 (27,0) 372,2% 6/18
  • 7. O Resultado de Intermediação Financeira antes das despesas de provisão para créditos de liquidação duvidosa totalizouR$59,6 milhões no 2T12, com elevação de 17,2% no trimestre e 59,3% em 12 meses.As Receitas de Operações de Crédito do trimestre sofreram os impactos da queda na taxa básica de juros e, especialmente,os efeitos do cenário econômico atual, com a desaceleração do crescimento da economia doméstica afetando não só ageração de novos créditos, mas também o desempenho dos créditos concedidos anteriormente a 2010. Destaca-se, dessamaneira, o crescimento da carteira Corporate, que passou a representar 45% da Carteira de Crédito (47% da Carteira deCrédito Expandida). O crescimento de nossa carteira deu-se especialmente nas operações consideradas na Carteira deCrédito Expandida, ou seja, em Garantias, Fianças e Avais, com comissões contabilizadas em Receitas de Prestação deServiços no grupo Outras Receitas Operacionais; e em Títulos Agrícolas (CPRs e CDA/WAs) e de Crédito Privado(Debêntures), cujas receitas estão contabilizadas em Resultado de Títulos e Valores Mobiliários. Vale destacar que oaumento das Receitas de Financiamentos deriva principalmente do crescimento das operações de Repasse de BNDES de12,9% no trimestre e 82,6% em 12 meses. Ademais, houve recuperações de crédito relevantes no trimestre, totalizandoR$8,5 milhões.O Resultado de TVM, que inclui o resultado da carteira direcional da Tesouraria e das operações de CPR, CDA/WA eDebêntures, tem sua contrapartida nas despesas de captação, e sua elevação no trimestre deriva, principalmente, do girode títulos públicos.O Resultado de Instrumentos Financeiros Derivativos no 2T12 foi extraordinariamente influenciado pela decisão daadministração de revogar a designação de hedge accounting de operações para proteção de fluxo de caixa de captaçõesindexadas a IPCA e IGPM e de empréstimos no exterior, com exposição a risco de variação de taxas de juros e moedaestrangeira, conforme notas explicativas 3(d) e 5(c) às demonstrações financeiras.A decisão da administração, alinhada à Circular 3.082/2002 e ouvidos nossos auditores, deriva da interpretação de que otratamento de hedge accounting deveria ser utilizado nos casos de prefixação do valor do fluxo, ou seja, que os fluxosvariáveis sejam hedgeados para uma taxa prefixada. A marcação a mercado das operações de hedge que continuamprotegendo esses fluxos de caixa passou a ser contabilizada na demonstração de resultados ao invés de na rubrica Ajustesde Títulos e Valores Mobiliários no Patrimônio Líquido.O Resultado de Operações de Câmbio foi fortemente influenciado pela depreciação do Real no trimestre que tambémsensibilizou as Despesas de Empréstimos no Exterior.As Despesas de Captação no Mercado no trimestre derivam do maior volume de Operações Compromissadas, comcontrapartida nas receitas de TVM mencionadas acima. No período, as despesas com depósitos a prazo apresentaram umaredução de 9,8% mesmo com uma elevação de 2,2% nos saldos médios de CDBs e DPGEs no período. As despesas comdepósitos interfinanceiros, Letras de Crédito ao Agronegócio e Letras financeiras, ainda que menos representativas,refletem o aumento nos saldos médios de captação no trimestre.Após despesas de provisão para créditos de liquidação duvidosa de R$22,6 milhões no trimestre, o Resultado deIntermediação Financeira foi de R$37,0 milhões com elevação de 1,5% na comparação com o 1T12 e 3,1% em 12 meses. Asdespesas de provisão para devedores duvidosos refletem ainda a vulnerabilidade do legado da crise iniciada em 2008 e acautela necessária face à desaceleração da economia neste primeiro semestre, elevando a cobertura sobre os créditosvencidos há mais de 90 dias a 175,7% (156,4% em março de 2012).Margem Financeira LíquidaA margem financeira líquida ajustada elevou-se em 1,0 e 2,5 pontos percentuais, respectivamente, no trimestre e em 12meses. 2T12 1T12 2T12/1T12 2T11 2T12/2T11 1S2012 1S2011 1S12/1S11A. Resultado Int. Financeira antes PDD 59,6 50,8 17,2% 37,4 59,3% 110,4 76,2 44,8%B. Ativos Remuneráveis Médios 4.193,6 4.234,5 -1,0% 4.124,1 1,7% 4.214,0 3.799,2 10,9% Ajuste Ativos Médios sem Remuneração1 (1.006,7) (1.096,9) -8,2% (1.199,2) -16,1% (1.051,8) (1.009,6) 4,2%B.a Ativos Remuneráveis Médios Ajustados 3.186,9 3.137,6 1,6% 2.924,9 9,0% 3.162,2 2.789,7 13,4%Margem Financeira Líquida (NIM) (A/B) 5,8% 4,9% 0,9 p.p. 3,7% 2,1 p.p. 5,3% 4,1% 1,3 p.p.Margem Fin. Líq. Ajustada (NIMa) (A/Ba) 7,7% 6,6% 1,0 p.p. 5,2% 2,5 p.p. 7,1% 5,5% 1,6 p.p.1 Operações compromissadas com volume, prazos e taxas equivalentes no ativo e passivo. 7/18
  • 8. EficiênciaÍndice de Eficiência 2T12 1T12 2T12/1T12 2T11 2T12/2T11 1S2012 1S2011 1S12/1S11Despesas de Pessoal 21,9 22,7 -3,5% 16,4 33,6% 44,7 32,6 37,2%Contribuições e Participações 2,3 2,1 5,2% 1,0 118,0% 4,4 3,1 39,6%Despesas Administrativas 13,6 13,1 3,8% 12,2 12,1% 26,7 23,5 13,6%Despesas Tributárias 2,3 3,7 -36,8% 2,9 -20,0% 6,0 6,5 -6,6%Outras Despesas Operacionais Líquidas 2,8 0,9 209,8% 1,9 47,6% 3,6 2,8 31,8%A- Total Despesas Operacionais 42,9 42,6 0,7% 34,4 24,7% 85,5 68,5 24,9%Resultado Interm. Financeira (ex PDD) 59,6 50,8 17,2% 37,4 59,3% 110,4 76,2 44,8%Receita de Prestação de Serviços 5,4 6,6 -18,6% 4,1 30,5% 12,0 7,6 57,8%Rendas e Tarifas Bancárias 0,2 0,2 -22,1% 0,2 -35,4% 0,4 0,5 -25,8%Outras Receitas Operacionais 3,7 5,0 -24,8% 2,1 82,4% 8,7 2,9 203,3%B- Total Receitas Operacionais 68,8 62,6 10,0% 43,8 57,2% 131,4 87,1 50,8%Índice de Eficiência (A/B) 62,3% 68,1% -5,7 p.p. 78,5% -16,2 p.p. 65,1% 78,6% -13,5 p.p.O Índice de Eficiência mantém a tendência iniciada no 3T11 e ao encontro de nosso objetivo de tornarmo-nos cada vezmais eficientes e rentáveis. Nos próximos trimestres, essa evolução deverá ser ainda mais evidente com a maiorcontribuição da receita de serviços gerada pela área produtos.Lucro LíquidoO resultado operacional de R$6,0 milhões no trimestre, deduzidos (i) o resultado não operacional referente a prejuízo navenda de imobilizado e bens não de uso, (ii) os impostos e contribuições, e (iii) as participações nos lucros e resultados dosempregados gerou um lucro líquido de R$2,4 milhões, com queda de 52,1% no trimestre, refletindo, em especial, oaumento das despesas com provisão para devedores duvidosos (R$22,6 milhões). O Lucro Líquido acumulado no semestrefoi de R$7,5 milhões, ante um prejuízo de R$49,4 milhões no primeiro semestre de 2011. 8/18
  • 9. Carteira de CréditoCarteira de Crédito ExpandidaA Carteira de Crédito Expandida totalizou R$2,8 bilhões ao final de junho de 2012, com elevação de 1,7% no trimestre e33,1% em 12 meses. Tal carteira compreende as operações de crédito e financiamento em Reais e as operações de TradeFinance, ambas detalhadas na nota explicativa às demonstrações financeiras 6(a), e também: (i) os avais, fianças e cartasde crédito emitidas, (ii) os títulos agrícolas gerados pela absorção das atividades da Serglobal Cereais (CPRs e CDA/WAs),classificados em Títulos e Valores Mobiliários conforme regulamentação do BACEN; e, da mesma forma, (iii) os Títulos deCrédito Privado (notas promissórias e debêntures).Carteira de Crédito Expandida por Grupo de Produtos 2T12 1T12 2T12/1T12 2T11 2T12/2T11Empréstimos e Financiamentos em Reais 1.844,4 1.861,3 -0,9% 1.560,5 18,2%Trade Finance (ACC/ACE/FINIMP) 449,4 442,8 1,5% 425,4 5,7%Garantias emitidas (Fianças e L/Cs) 175,8 163,8 7,3% 68,5 156,6%Títulos Agrícolas (TVM: CPRs, CDA/WAs e Empréstimos: CDCAs) 267,0 229,7 16,2% 37,0 622,4%Títulos de Crédito Privado (TVM: NPs e Debêntures) 30,7 25,5 20,2% 0,0 n.m.Outros 39,8 35,9 10,9% 17,4 129,1%TOTAL 2.807,1 2.759,1 1,7% 2.108,7 33,1%As operações de empréstimos e financiamentos em Reais, que incluem empréstimos, títulos descontados, aquisição derecebíveis de clientes e repasses do BNDES, respondem por 67,1% da Carteira de Crédito Expandida. Merece destaque ocrescimento de 12,9% no trimestre e de 82,6% em 12 meses das operações de repasse de BNDES, que totalizaram R$260,8milhões ao final de junho de 2012.As operações de Trade Finance respondem por 16,0% e compreendem os financiamentos a importação (R$130,4 milhões)e os financiamentos à exportação (ACC/ACE no montante de R$319,0 milhões).As garantias emitidas – fianças, avais e cartas de crédito de importação – representam 6,3% da Carteira de CréditoExpandida, com elevação de 7,3% no trimestre e 156,6% em 12 meses.Os títulos agrícolas e de crédito privado, mesmo representando exposição a crédito, estão classificados no balançopatrimonial de acordo com a regulamentação do Banco Central do Brasil, na rubrica Títulos e Valores Mobiliários “paranegociação”, em razão de suas características de negociabilidade. Esses títulos agrícolas e de crédito privado classificadosem TVM representam 8,4% da carteira de crédito expandida, com elevação de 12,4% no trimestre e 537,88% em 12 meses.Nossa Carteira de Crédito Expandida está assim distribuída: Por Atividade Econômica Por Região Por Segmento Interm. Financeiros 6% Sul Outros Outros 2% 18% Centro- Serviços Oeste 22% 16% Indústria Nordeste Corporate Middle 45% 3% 47% Market Sudeste 51% Pessoas 63% Físicas 4% Comércio 23% 9/18
  • 10. Por Setor Econômico Por Produto Agronegócio 19,0% Alimentos e bebidas 15,5% Títulos Construção 11,9% Trade Agrícolas Transporte e logística 5,2% Finance 10% Fianças e L/Cs Química e farmacêutica 5,0% 16% 6% Serviços financeiros 4,6% Debêntures Papel e celulose 4,3% Automotivo 1% 4,2% Deriv. Petróleo e… BNDES Outros 1% 3,7% Metalurgia 3,7% 9% Têxtil, Couro e Confecção Aquisição de 2,8% Educação 2,5% Recebíveis Empréstimos Geração e Distribuição de … 2,4% 3% e Descontos Instituições Financeiras 2,3% 54% Comércio - atacado e varejo 1,8% Eletroeletrônicos 1,3% Outros setores (% inferior a 1%) 9,7%Como demonstrado na tabela a seguir, a atividade com títulos agrícolas, iniciada no primeiro trimestre de 2011, continuaganhando representatividade na Carteira de Crédito Expandida.Carteira de Títulos Agrícolas 2T12 1T12 2T12/1T12 2T11 2T12/2T11Em Títulos e Valores Mobiliários 205,0 184,1 11,3% 37,0 454,8% Warrants - CDA/WA 7,5 7,2 3,8% 0,0 n.m. Cédula de Produto Rural - CPR 197,5 176,9 11,6% 37,0 434,4%Em Carteira de Crédito - Empréstimos e Financiamentos 62,0 45,6 36,0% 0,0 n.m. Certificado de Direitos Creditórios Agronegócio - CDCA 62,0 45,6 36,0% 0,0 n.m.TOTAL DA CARTEIRA DE TÍTULOS AGRÍCOLAS 267,0 229,7 16,2% 37,0 622,4%Carteira de CréditoA carteira de crédito “clássica”, que não considera off-balance sheet items (garantias emitidas) e créditos classificados emTVM na categoria “para negociação”, totalizou R$2,4 bilhões, mantendo-se praticamente estável no trimestre, dos quaisR$1,9 bilhão em operações em Reais e R$449,4 milhões em operações de Trade Finance.As significativas variações na comparação dos saldos das carteiras de crédito por segmento no 2T12 deriva da migração declientes gerenciados pela plataforma Middle Market para a plataforma Corporate, com saldo em 30.06.2012 de cerca deR$200 milhões. Para efeito de comparação, caso fossem reclassificados os saldos do 1T12 pelo mesmo critério utilizadoneste trimestre, o segmento Corporate apresentaria um crescimento de 4,6% e o segmento Middle Market, uma reduçãode 2,6% no 2T12.Carteira de Crédito por Segmento 2T12 1T12 2T12/1T12 2T11 2T12/2T11Empresas Médias - Middle Market 1.266,7 1.500,8 -15,6% 1.604,4 -21,0%Em Reais 1.019,4 1.211,3 -15,8% 1.278,4 -20,3% Empréstimos e Títulos Descontados 854,0 1.051,7 -18,8% 1.144,0 -25,3% Financiamentos 0,0 0,0 n.m. 0,5 n.m. BNDES / FINAME 165,4 159,6 3,7% 134,0 23,5%Em Moeda Estrangeira 247,3 289,6 -14,6% 326,0 -24,1%Grandes Empresas - Corporate 1.078,0 830,6 29,8% 322,2 234,5%Em Reais 875,8 677,3 29,3% 222,9 293,0% Empréstimos e Títulos Descontados 699,7 518,8 34,9% 129,9 438,7% BNDES / FINAME 95,4 71,5 33,5% 8,9 977,2% Aquisição de Recebíveis 80,7 87,1 -7,3% 84,1 -4,0%Em Moeda Estrangeira 202,1 153,3 31,9% 99,4 103,4%Outros 51,0 54,2 -6,0% 76,6 -33,5% CDC Veículos 2,0 3,0 -34,7% 8,5 -76,9% Empréstimos e Financiamentos Adquiridos 11,2 18,3 -39,1% 59,2 -81,2% Financiamento de Bens Não de Uso 37,8 32,9 15,1% 8,8 328,0%CARTEIRA DE CRÉDITO 2.395,6 2.385,6 0,4% 2.003,2 19,6% 10/18
  • 11. Por Garantia Por Concentração Por Vencimento 91 a 180 Penhor 61 - 180 dias 181 a 360 Alienação 25% Recebíveis 20% dias 9% 32% Imóveis 15% 8% Penhor Monitorado 5% 11 - 60 Demais 32% 25% Veículos Até 90 dias Acima de 3% TVM 37% 360 dias 1% 28% Aval NP 10 maiores 42% 18%Qualidade da Carteira de Crédito Classificação de Risco AA A B C D E F G H Prov / Comp. TOTAL % Provisão Requerida 0% 0,5% 1% 3% 10% 30% 50% 70% 100% Cred % Saldo Carteira Crédito 137,5 880,7 807,6 379,6 36,1 88,4 17,8 10,3 37,6 - 2.395,62T12 4,5% Prov. Devedores Duvidosos 0,0 4,4 8,1 11,4 3,6 26,5 8,9 7,2 37,6 0,0 107,7 Saldo Carteira Crédito 94,9 921,4 776,9 397,8 38,8 97,8 19,9 11,7 26,4 - 2.385,61T12 4,3% Prov. Devedores Duvidosos 0,0 4,6 7,8 11,9 3,9 29,4 10,0 8,2 26,4 0,0 102,0 Saldo Carteira Crédito 84,1 630,5 564,5 442,3 78,3 87,7 23,6 4,5 87,8 - 2.003,22T11 9,8% Prov. Devedores Duvidosos 0,0 3,2 5,6 13,3 7,8 26,3 11,8 3,2 87,8 37,7 196,6O saldo de operações classificadas nas faixas de melhor risco (AA a C) elevou-se a 92,1% do total de operações na carteirade crédito no trimestre (85,9% em junho de 2011) sendo 76,2% classificadas entre as faixas AA e B. Como resultado daestratégia comercial, definida no início de 2011, 99% dos créditos concedidos ao longo do 2T12 são classificados entre AA eB. Desta forma, consolidando a evolução da qualidade da carteira, conforme demonstrado no gráfico a seguir: 92,1% 2T12 6% 37% 34% 16% 8% 91,8% 1T12 4% 39% 33% 17% 8% 85,9% 2T11 4% 31% 28% 22% 14% AA A B C D-HAs operações classificadas entre D e H, no montante de R$190,2 milhões (R$194,6 milhões no 1T12) compreendemR$122,9 milhões que estão em curso normal de pagamentos, equivalentes a 64,6% das operações classificadas nessasfaixas de risco. Os demais 35,4% correspondem a operações inadimplentes e estão abaixo detalhados: > 60 dias > 90 diasInadimplência por segmento 2T12 1T12 2T12 1T12 2T12 1T12 Carteira de Crédito NPL %T NPL %T NPL %T NPL %TMiddle Market 1.347,4 1.500,8 56,6 4,2% 72,2 4,8% 50,7 3,8% 64,1 4,3%Corporate 997,2 830,6 9,7 1,0% 1,8 0,2% 9,7 1,0% - -Outros 51,0 54,2 1,0 2,0% 1,2 2,2% 1,0 1,9% 1,1 2,1%TOTAL 2.395,6 2.385,6 67,3 2,8% 75,2 3,2% 61,3 2,6% 65,2 2,7%Prov. Dev. Duvidosos (PDD) 107,7 102,0PDD/ NPL - 160,1% 135,8% 175,7% 156,4%PDD/ Carteira de Crédito 4,5% 4,3% - - - - 11/18
  • 12. Os índices de inadimplência para créditos com atrasos superiores há mais de 60 dias (NPL 60 dias) e há mais de 90 dias(NPL 90 dias) apresentaram reduções de 0,4 e 0,1 pontos percentuais em relação a março de 2012, respectivamente,encerrando o trimestre em 2,8% e 2,6%. Na comparação com junho de 2011, a melhora nesses índices foi ainda maisrelevante: 4,0 e 3,7 pontos percentuais, respectivamente para créditos não performados há mais de 60 e 90 dias. Amelhora desses índices é resultado da estratégia adotada desde o ano passado de ampliação da carteira de crédito commelhor qualidade e, ainda, da baixa, ocorrida no trimestre, de R$17,1 milhões em operações de crédito que já haviam sidoprovisionadas em trimestres anteriores.As provisões para devedores duvidosos no montante de R$107,7 milhões proporcionam uma cobertura de 160,1% sobre oscréditos vencidos há mais de 60 dias e de 175,7% sobre o volume de créditos vencidos há mais de 90 dias.CaptaçãoO volume de captações totalizou R$2,8 bilhões, com elevação de 0,7% no trimestre e 23,6% em 12 meses. Desse total,74,0% correspondem a captações realizadas por meio de depósitos. A captação em Letras de Crédito do Agronegóciorepresentam 11,8% do total de captações, 15,9% das captações em Reais, e apresentaram um crescimento de 12,2% notrimestre e 150,8% em 12 meses. A captação em Letras Financeiras elevou-se a R$30,6 milhões, representa apenas 1,1% dototal captado em 30 de junho de 2012.As captações em moeda estrangeira são destinadas especialmente às operações de Trade Finance e seus saldos sofreminfluência da variação cambial.Total de Captação 2T12 1T12 2T12/1T12 2T11 2T12/2T11Depósitos Totais 2.038,0 2.087,8 -2,4% 1.661,2 22,7% Depósitos a Prazo (CDBs) 744,9 816,2 -8,7% 665,4 11,9% Depósitos a Prazo com Garantia Especial (DPGE) 771,9 799,7 -3,5% 717,1 7,6% Letras Crédito Agronegócio (LCAs) 324,2 288,9 12,2% 129,3 150,8% Letras Financeiras (LFs) 30,6 7,6 305,2% 7,4 316,2% Depósitos Interfinanceiros 137,0 127,4 7,5% 77,6 76,6% Depósitos à Vista e outros 29,5 48,0 -38,4% 64,5 -54,2%Repasses no país 267,8 240,2 11,5% 154,0 73,9%Empréstimos no exterior 449,2 407,8 10,2% 414,4 8,4% Linhas de Trade Finance 398,6 362,3 10,0% 357,4 11,5% Outros 50,5 45,4 11,1% 57,0 -11,4%TOTAL 2.755,0 2.735,7 0,7% 2.229,6 23,6% Por Modalidade Por Tipo de Investidor Por Prazo DPGE Corretoras Outros Empresas 90 a 180 28% 3% 3% Pessoas 7% BNDES 17% até 90 dias Físicas 10% À Vista CDB 30% 9% 1% 27% Bancos Interfin. Bancos Estrangeiros Nacionais 16% 180 a 360 5% 16% Emp. 9% à vista Exterior Investidores 1% 2% Institucionais Trade LCA 43% Finance Repasse LF 12% +360 dias 14% 10% 1% 36% 12/18
  • 13. O prazo médio dos depósitos ficou em 780 dias da emissão (623 dias no 1T12) e 408 dias a decorrer para seu vencimento(404 dias no 1T12). Prazo Médio em dias 1 Tipo de Depósito de emissão a decorrer CDB 532 298 Interfinanceiro 213 91 DPGE 1.369 702 LCA 150 62 LF 731 545 2 Carteira de Depósitos 780 408 1 A partir de 30.06.2012. 2 Média ponderada por volume.Liquidez 923Em 30 de junho de 2012, as disponibilidades, aplicações financeiras de 853 874liquidez e títulos e valores mobiliários somavam R$2,1 bilhões, quededuzidas as captações no mercado aberto no montante de R$1,2 R$ Milhõesbilhão, resultavam em R$873,7 milhões equivalentes a 42,9% dosdepósitos totais e 1,5 vez o patrimônio líquido. 2T11 1T12 2T12Adequação de CapitalO Acordo de Basileia prevê que os bancos mantenham um percentual mínimo de patrimônio ponderado pelo risco incorridoem suas operações. Nesse sentido, o Banco Central do Brasil regulamenta que os bancos instalados no país obedeçam aopercentual mínimo de 11%, calculado com base nas regras do Acordo de Basileia II, o que confere maior segurança ao sistemafinanceiro brasileiro frente às oscilações nas condições econômicas.A tabela a seguir apresenta as posições do BI&P com relação às exigências de capital mínimo previstas pelas normas do BancoCentral: Índice de Basileia 2T12 1T12 2T12/1T12 2T11 2T12/2T11 Patrimônio Referência 580,0 588,1 -1,4% 566,5 2,4% PR Nível I 581,1 576,6 0,8% 566,4 2,6% PR Nível II 1,4 14,0 -90,2% 0,2 716,8% Deduções do PR (2,4) (2,4) 0,0% (2,39) 0,0% Patrimônio Exigido 374,5 369,1 1,5% 291,3 28,6% Risco de Crédito 337,1 326,8 3,2% 261,3 29,0% Risco de Mercado 17,1 22,1 -22,5% 14,8 15,8% Risco Operacional* 20,2 20,2 0,0% 15,2 33,1% Excesso sobre Patrimônio Exigido 205,6 219,0 -6,1% 272,9 -24,7% Índice Basileia 17,0% 17,5% -0,5 p.p. 21,3% -4,3 p.p. * Efetuamos uma adequação no cálculo do risco operacional retroativo ao 1T12 que passou de uma alocação de R$8,2 milhões para R$20,2 milhões, reduzindo o Índice de Basileia daquele trimestre de 18,1% para 17,5%. 13/18
  • 14. Classificação de Risco – Ratings Último Dados Financeiros Agência Classificação Observação Relatório analisados BB/ Estável /B Escala Global Standard & Poor’s 06.08.2012 31.03.2012 brA+/ Estável /brA-1 Escala Nacional Brasil Ba3/ Estável /Not Prime Escala Global Moodys 28.11.2011 30.09.2011 A2.br/ Estável /BR-2 Escala Nacional Brasil FitchRatings BBB/ Estável /F3 Escala Nacional Brasil 11.07.2012 31.03.2012 10,43 Índice Riskbank RiskBank 17.07.2012 31.03.2012 Ranking: 41 Baixo risco curto prazoMercado de CapitaisTotal de Ações e Ações em Livre Circulação Quantidade de Ações em 30.06.2012 Grupo de Classe Capital Social Administração Tesouraria Circulação Free Float Controle Ordinárias 36.945.649 20.743.333 277.307 - 15.925.009 43,1% Preferenciais 26.160.044 609.226 60.125 734.515 24.756.178 94,6% TOTAL 63.105.693 21.352.559 337.432 734.515 40.681.187 64,5%Programa de Recompra de AçõesEm 19 de outubro de 2011, o Conselho de Administração aprovou a instalação do 5º Programa de Recompra de Ações dePrópria Emissão para até 1.720.734 ações preferenciais que permanecerá em vigor até 18 de outubro de 2012. Até30.06.2012 não houve compra de ações sob este programa. A recompra de ações dentro desse programa é intermediadapela Indusval S.A. CTVM.Planos de Opção de Compra de AçõesOs seguintes Planos de Opção de Compra de Ações, aprovados para Diretores e empregados de nível gerencial daCompanhia, assim como pessoas naturais prestadoras de serviços à Companhia ou à suas controladas, apresentam asseguintes posições em 30.06.2012: Quantidade Plano de Data de Prazo de Carência Outorgada Exercida Extinta Não exercida Opções Aprovação Exercício I 26.03.2008 Três anos Cinco anos 2.039.944 37.938 207.437 1.794.569 II 29.04.2011 Três anos Cinco anos 1.703.854 - 262.941 1.440.913 III 29.04.2011 Cinco anos Sete anos 1.850.786 - - 1.850.786 IV 24.04.2012 Cinco anos Cinco anos - - - - 5.594.584 37.938 470.378 5.086.268Os Planos de Opção de Compra de Ações acima mencionados estão arquivados no sistema IPE da Comissão de ValoresMobiliários (CVM) e disponíveis para consulta também através do website de RI da Companhia. 14/18
  • 15. Remuneração ao AcionistaDurante o primeiro semestre de 2012, não foram provisionados ou pagos antecipadamente juros sobre capital próprio,calculados com base na Taxa de Juros de Longo Prazo – TJLP por conta do dividendo mínimo do exercício fiscal 2012. OConselho de Administração avaliará, até o final do exercício, a oportunidade de tal antecipação levando-se em conta adisponibilidade de resultados e a eficiência fiscal de tal pagamento.Desempenho das AçõesAs ações preferenciais do BI&P (IDVL4), listadas no Nível 2 de Governança Corporativa da BM&FBOVESPA, encerraram o2T12 cotadas a R$6,69, totalizando um valor de mercado para a Companhia de R$417,3 milhões, consideradas para ocálculo as ações existentes em 30.06.2012, deduzidas as ações mantidas em tesouraria. O preço das ações IDVL4apresentou quedas de 22,2% no 2T12 e 26,7% (23,7% ajustado a proventos) nos 12 meses encerrados em junho de 2012. OIbovespa apresentou quedas de 15,7% no 1T12 e queda de 12,9% em relação ao 2T11. No encerramento do trimestre, oíndice preço/valor patrimonial da ação (P/VPA) era de 0,72. Evolução do Preço das Ações nos últimos 12 meses 120 110 100 90 80 70 60 IBOVESPA IDVL4 IDVL4 ajustado a proventos 50Liquidez e Volume de NegociaçãoAs ações preferenciais do BI&P (IDVL4) estiveram presentes em 95,2% dos pregões no 2T12 e 94,0% dos 250 pregõesrealizados entre julho de 2011 e junho de 2012. O volume negociado no mercado à vista durante o trimestre foi de R$7,0milhões, com movimento de 923,7 mil ações IDVL4 em 835 negócios. Nos 12 meses encerrados em junho de 2012, ovolume financeiro negociado no mercado à vista foi de R$30,4 milhões, movimentando cerca de 4,1 milhões de açõespreferenciais em 3.247 negócios.Dispersão da Base Acionária Posição em 30.06.2012 Qtd TIPO DE ACIONISTA IDVL3 % IDVL4 % TOTAL % 5 Grupo de Controle 20.743.333 56,1% 609.226 2,3% 21.352.559 33,8% 6 Administração 277.307 0,8% 60.125 0,2% 337.432 0,5% - Tesouraria - 0,0% 734.515 2,8% 734.515 1,2% 48 Investidor Institucional Nacional 1.201.090 3,3% 8.116.379 31,0% 9.317.469 14,8% 15 Investidor Estrangeiro 4.891.304 13,2% 13.852.644 53,0% 18.743.948 29,7% 8 Pessoa Jurídica - 0,0% 21.110 0,1% 21.110 0,0% 349 Pessoa Física 9.832.615 26,6% 2.766.045 10,6% 12.598.660 20,0% 431 TOTAL 36.945.649 100,0% 26.160.044 100,0% 63.105.693 100,0% 15/18
  • 16. Balanço Patrimonial Consolidado R$ Milhares Ativo 30/06/2011 31/03/2012 30/06/2012 Circulante 3.748.509 3.811.194 4.112.797 Disponibilidades 38.482 25.215 25.754 Aplicações interfinanceiras de liquidez 527.902 617.066 606.824 Aplicações no mercado aberto 464.743 559.764 569.256 Aplicações em depósitos interfinanceiros 63.159 57.302 37.568 Títulos e valores mobiliários e instrumentos financeiros derivativos 1.756.439 1.281.882 1.483.027 Carteira própria 329.087 615.536 550.099 Vinculados a compromissos de recompra 975.515 524.128 724.713 Vinculados a prestação de garantia 205.552 129.701 170.547 Vinculados ao Banco Central 208.038 - - Instrumentos financeiros derivativos 38.247 12.517 37.668 Relações interfinanceiras 2.864 3.337 3.195 Operações de crédito 929.773 1.294.343 1.263.526 Operações de crédito - Setor privado 968.410 1.316.621 1.281.970 Operações de crédito - Setor público - - - (-) Provisão para créditos de liquidação duvidosa (38.637) (22.278) (18.444) Outros créditos 442.316 538.250 692.144 Carteira de câmbio 395.888 408.036 564.427 Rendas a receber 32 1.136 14 Negociação e intermediação de valores 54.569 34.381 37.365 Diversos 5.001 100.282 94.854 (-) Provisão para créditos de liquidação duvidosa (13.174) (5.585) (4.516) Outros valores e bens 50.733 51.101 38.327 Bens não de uso próprio 52.637 52.183 39.960 (-) Provisão para desvalorizações (3.011) (2.780) (2.745) Despesas antecipadas 1.107 1.698 1.112 Realizável a longo prazo 631.882 719.321 801.308 Títulos e valores mobiliários e instrumentos financeiros derivativos 7.827 27.918 53.002 Carteira própria - 52 15.370 Vinculados a compromisso de recompra - - - Vinculados a prestação de garantias 62 - - Instrumentos financeiros derivativos 7.765 27.866 37.632 Relações Interfinanceiras 6.669 4.784 4.347 Operações de crédito 504.965 556.306 596.483 Operações de crédito - Setor privado 649.548 625.260 675.150 Operações de crédito - Setor público - - - (-) Provisão para créditos de liquidação duvidosa (144.583) (68.954) (78.667) Outros créditos 111.350 129.823 147.066 Negociação e Intermediação de Valores 481 536 468 Diversos 111.053 134.501 152.674 (-) Provisão para créditos de liquidação duvidosa (184) (5.214) (6.076) Outros valores e bens 1.071 490 410 Permanente 52.409 52.498 52.392 Investimentos 26.201 24.578 24.738 Participação em controladas e coligadas 24.515 22.892 23.052 Outros investimentos 1.842 1.842 1.842 (-) Provisão para perdas (156) (156) (156) Imobilizado de uso 11.045 13.739 13.801 Imóveis de uso 2.192 1.210 1.210 Reavaliação de imóveis de uso 3.538 2.634 2.634 Outras imobilizações de uso 13.452 18.440 18.811 (-) Depreciações acumuladas (8.137) (8.545) (8.854) Intangível 15.163 14.181 13.853 Ágio na aquisição de investimentos 2.391 2.391 2.391 Outros ativos intangíveis 13.100 13.100 13.100 (-) Amortização acumulada (328) (1.310) (1.638) TOTAL DO ATIVO 4.432.800 4.583.013 4.966.497 16/18
  • 17. Consolidado R$ MilharesPassivo 30/06/2011 31/03/2012 30/06/2012Circulante 2.838.089 2.984.718 3.383.145 Depósitos 658.502 982.842 893.007 Depósitos à vista 64.539 47.964 29.527 Depósitos interfinanceiros 71.395 126.365 136.482 Depósitos a prazo 522.568 808.513 726.998 Outros depósitos - - - Captações no mercado aberto 1.361.341 1.058.390 1.219.647 Carteira própria 963.490 520.776 720.294 Carteira terceiros 110.383 175.021 130.011 Carteira livre movimentação 287.468 362.593 369.342 Recursos de Aceites e Emissão de Títulos 129.271 296.488 331.483 Letras de Crédito Agrícola e Letras Financeiras 129.271 296.488 331.483 Relações interfinanceiras 1.391 327 202 Recebimentos e pagamentos a liquidar 1.391 327 202 Relações interdependências 8.369 19.724 10.218 Recursos em trânsito de terceiros 8.369 19.724 10.218 Obrigações por empréstimos 368.123 362.521 449.157 Empréstimos no exterior 368.123 362.521 449.157 Obrigações por repasses no País 48.564 95.761 103.582 BNDES 19.123 58.487 62.750 FINAME 29.441 37.274 40.832 Outras obrigações 262.528 168.665 375.849 Cobrança e arrecadação de tributos e assemelhados 643 835 449 Carteira de câmbio 50.488 72.021 212.693 Fiscais e previdenciárias 7.812 3.563 3.186 Sociais e estatutárias 7.528 1.750 4.000 Negociação e intermediação de valores 150.505 63.956 114.389 Instrumentos financeiros derivativos 37.724 18.050 29.580 Diversas 7.828 8.490 11.552Exigível a longo prazo 1.027.567 1.006.412 999.899 Depósitos 866.043 808.429 790.227 Depósitos interfinanceiros 6.159 1.080 494 Depósitos a prazo 859.884 807.349 789.733 Recursos de Aceite e Emissão de Títulos 7.362 - 23.323 Letras de Crédito Agrícola e Letras Financeiras 7.362 - 23.323 Obrigações por empréstimos 46.306 45.230 - Empréstimos no exterior 46.306 45.230 - Obrigações por repasses no País - Instituições Oficiais 105.410 144.477 164.180 Tesouro Nacional 12.081 9.980 9.184 BNDES 35.662 61.639 68.282 FINAME 56.247 71.873 86.063 Outras Instituições 1.420 985 651 Outras obrigações 2.446 8.276 22.169 Fiscais e previdenciárias 1.207 6.297 18.872 Instrumentos financeiros derivativos 58 213 1.049 Diversas 1.181 1.766 2.248Resultado Exercícios Futuros 605 1.378 1.013Patrimônio líquido 566.539 590.505 582.440 Capital 572.396 572.396 572.396 Reserva de Capital 3.039 8.248 10.343 Reserva de reavaliação 1.894 1.377 1.364 Reservas de lucros 55.812 - 4.196 (-) Ações em tesouraria (5.958) (5.859) (5.859) Ajuste de avaliação patrimonial (1.727) 12.578 - Lucros / (Prejuízos) Acumulados (58.917) 1.765 - TOTAL DO PASSIVO 4.432.800 4.583.013 4.966.497 17/18
  • 18. Demonstração de ResultadosConsolidado R$ Milhares 2T11 1T12 2T12 1S11 1S12Receitas da intermediação financeira 126.519 161.778 222.829 243.186 384.607 Operações de crédito 62.078 70.197 62.860 126.390 133.057 Resultado de títulos e valores mobiliários 64.603 68.606 114.389 104.636 182.995 Resultado com instrumentos financeiros derivativos (7.811) (3.746) 5.549 (3.150) 1.803 Resultado de operações de câmbio 7.649 26.721 40.031 15.310 66.752Despesas da intermediação financeira 90.659 125.348 185.865 270.146 311.213 Operações de captação no mercado 84.978 85.303 119.361 156.950 204.664 Operações de empréstimos, cessões e repasses 4.152 25.647 43.907 10.018 69.554 Provisão para créditos de liquidação duvidosa 1.529 14.398 22.597 103.178 36.995Resultado bruto da intermediação financeira 35.860 36.430 36.964 (26.960) 73.394Outras receitas (despesas) operacionais (27.080) (27.151) (30.926) (54.524) (58.077) Receitas de prestação de serviços 4.109 6.590 5.364 7.575 11.954 Rendas de tarifas bancárias 240 199 155 477 354 Despesas de pessoal (16.419) (22.738) (21.939) (32.558) (44.677) Outras despesas administrativas (12.151) (13.123) (13.622) (23.534) (26.745) Despesas tributárias (2.927) (3.705) (2.342) (6.476) (6.047) Resultado de Participações em Coligadas (116) 1.544 473 (116) 2.017 Outras receitas operacionais 2.050 4.971 3.739 2.872 8.710 Outras despesas operacionais (1.866) (889) (2.754) (2.764) (3.643)Resultado operacional 8.780 9.279 6.038 (81.484) 15.317Resultado não operacional (1.314) 2.884 (1.153) (1.797) 1.731Resultado antes da tributação sobre o lucro 7.466 12.163 4.885 (83.281) 17.048Imposto de renda e contribuição social (1.381) (4.979) (217) 37.013 (5.196) Imposto de renda 614 579 (6.687) 153 (6.108) Contribuição social 371 415 (4.027) 94 (3.612) Ativo fiscal diferido (2.366) (5.973) 10.497 36.766 4.524Contribuições e Participações (1.032) (2.139) (2.250) (3.143) (4.389)Lucro líquido do período 5.053 5.045 2.418 (49.411) 7.463 18/18

×