Your SlideShare is downloading. ×
0
O sistema solar   origem
O sistema solar   origem
O sistema solar   origem
O sistema solar   origem
O sistema solar   origem
O sistema solar   origem
O sistema solar   origem
O sistema solar   origem
O sistema solar   origem
O sistema solar   origem
O sistema solar   origem
O sistema solar   origem
O sistema solar   origem
O sistema solar   origem
O sistema solar   origem
O sistema solar   origem
O sistema solar   origem
O sistema solar   origem
O sistema solar   origem
O sistema solar   origem
O sistema solar   origem
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

O sistema solar origem

6,452

Published on

Published in: Education, Business, Technology
1 Comment
1 Like
Statistics
Notes
No Downloads
Views
Total Views
6,452
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
5
Actions
Shares
0
Downloads
335
Comments
1
Likes
1
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. Your picture here Your picture here Your picture here Nebulosa planetária BG 10º ano Isabel Lopes
  • 2. A Astronomia Aquilo que hoje se pensa e se sabe sobre a formação do Sistema Solar e do nosso planeta, será pouco aceitável no próximo século… IL 2010
  • 3. Origem provável… Precedida de várias outras tentativas que se mostraram incompatíveis à medida que os dados iam surgindo (2ª metade séc. XX) Nébula solar – nuvem gasosa interestelar em contracção (devido a onda de choque provocada por explosão de estrela (?)) Energia provocou movimento de rotação de toda a matéria primitiva do Sistema Solar e o seu achatamento progressivo Aglomeração de gases e poeiras rochosas e metálicas originando sucessivamente corpos maiores IL 2010
  • 4. Argumentos a favor Todos os planetas giram em torno do Sol no mesmo sentido (directo) Órbitas quase circulares (excepto Mercúrio – elíptica) Todos os planetas (excepto Vénus e Úrano) e o Sol apresentam o movimento de rotação no sentido directo Presença na Via láctea de outras nuvens interestelares das quais nascem estrelas Forma da Via Láctea (nuvem de gás achatada em rotação) sugere elemento repetitivo no Universo IL 2010
  • 5. Argumentos a reformular Segundo esta teoria o proto-Sol ia de tempos em tempos libertando anéis de matéria para formar os planetas, o que ao contrário do defendido, com a velocidade a que eram ejectados se afastariam do Sol em vez de darem origem a planetas sólidos Assim é necessário considerar uma formação simultânea dos corpos do Sistema Solar IL 2010
  • 6. Teoria Nebular Reformulada A colisão entre partículas permitia a sua agregação/acreção formando palnetesimais O aumento de massa de alguns planetesimais permitiu a retenção de atmosfera Planetas telúricos nas zonas mais densas do disco (próximo do Sol) A radiação solar impediu a retenção dos elementos menos densos p.72 IL 2010
  • 7. Ventos solares… A radiação solar afastou os elementos menos densos Planetas mais próximos são mais densos e os mais afastados são menos densos IL 2010
  • 8. Mais argumentos Movimentos todos no mesmo sentido Maior densidade dos planetas mais próximos Mesma idade de todos os corpos do Sistema Solar Contudo existem dados ainda pouco clarificados: explicação da baixa velocidade de rotação do Sol IL 2010
  • 9. Nébula Solar Rotação e Achatamento Proto-Sol e protoplanetas Rotação e acreção Sistema Solar IL 2010
  • 10. Acreção Impacto - energia cinética convertida em calor (do qual apenas uma parte irradiava para o espaço, ficando o restante retido) Compressão – Compressão das zonas interiores (pelo peso da acumulação de novos materiais) O calor não irradiava dada a fraca condutividade das rochas. 1000ºC Desintegração radioactiva – elementos como o Urânio e o Tório, apesar de em pequena quantidade tiveram grande importância dada a energia/calor emitidos ao longo de milhões de anos IL 2010
  • 11. Diferenciação Fusão e aprofundamento do Ferro – o ponto de fusão aumenta com a profundidade (uma vez que a pressão também aumenta), sendo o Ferro mais denso, movimentou-se para o centro em oposição à deslocação para a superfície dos materiais menos densos. Durante a formação do núcleo, ocorreu um aumento da temperatura para 2000ºC, o que levou à fusão da maioria dos materiais. Os materiais menos densos da superfície, arrefeceram e formaram a crosta. IL 2010
  • 12. Formação da crosta atmosfera e oceanos Formação da crosta – fenómenos de vulcanismo intensos, com libertação de gases (retidos pela gravidade), entre estes o vapor de água, que condensando ao arrefecer, originou fortes chuvas, que se acumularam e formaram os oceanos… IL 2010
  • 13. IL 2010
  • 14. Actividade Geológica Agentes modificadores Internos (calor) Acreção Contracção gravitacional Radioactividade (elem. Radioactivos) Externos Calor Sol Energia cinética dos impactos meteoríticos Acciona agentes atmosféricos (ciclo da água) IL 2010
  • 15. Lua IL 2010
  • 16. Lua Mares – regiões planas e escuras, resultado de mega impactos meteoríticos, com formação de magma e preenchimento da cratera após vulcanismo (basalto) Continentes – regiões elevadas e planas, repletos de crateras mais antigas (rochas plutónicas – anortosito) IL 2010
  • 17. IL 2010
  • 18. Fontes de informação IL 2010
  • 19. Imagem de http://astro.if.ufrgs.br/comast/index.htm Planetas… principais, anões e satélites IL 2010
  • 20. Planetas gasosos IL 2010
  • 21. Imagem de http://astro.if.ufrgs.br/planetas/planetas.htm Os anéis de Saturno IL 2010

×