Imunodeficiencia congénita e adquirida
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Like this? Share it with your network

Share

Imunodeficiencia congénita e adquirida

  • 43,280 views
Uploaded on

Imunodeficiencia congénita e adquirida

Imunodeficiencia congénita e adquirida

More in: Education
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
No Downloads

Views

Total Views
43,280
On Slideshare
35,059
From Embeds
8,221
Number of Embeds
5

Actions

Shares
Downloads
562
Comments
4
Likes
5

Embeds 8,221

http://bioesc.wordpress.com 8,092
http://www.slideshare.net 81
https://bioesc.wordpress.com 38
http://moodle.esec-pde-macedo.rcts.pt 7
http://www.google.pt 3

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. 2 de Fevereiro de 2009
    Imunodeficiência congénita e adquirida
  • 2. Introdução:
    O sistema imunitário constitui a nossa primeira linha de defesa contra microrganismos que entram no nosso organismo.
    Os desequilíbrios que vamos falar são: a imunodeficiência congénita e a imunodeficiência adquirida.
  • 3. Sistema imunitário:
    O sistema imunitário é essencialmente composto por estruturas, tecidos e órgãos linfóides, onde são fabricados e amadurecidos os principais elementos defensivos - os glóbulos brancos ou leucócitos.
  • 4.
  • 5. Imunodeficiência congénita:
    Tipos de deficiências no sistema imunitário:
    Geralmente, manifesta-se desde o nascimento.
    As deficiências do sistema imunitário costumam ser hereditárias.
    As infecções causadas por microorganismos fracos tornam-se persistentes e graves.
    Recuperação incompleta de uma doença ou resposta inadequada ao tratamento.
    Maior probabilidade de aparecer cancro e outros tumores.
    1. Número menor do que o habitual ou ausência de glóbulos brancos;
    2. O número é normal, mas os glóbulos brancos funcionam mal;
    3. Os glóbulos brancos não se encontram afectados, porém outros componentes do sistema imunitário são anormais ou faltam.
  • 6. Sintomas:
    As crianças afectadas por um síndrome de imunodeficiência primária não costumam ser constituídas por um sistema defensivo que consiga desempenhar adequadamente as suas funções.
    Os indivíduos afectados por este síndrome morrem, com alguma facilidade, à acção dos microorganismos patogénicos.
  • 7. Tratamento:
    Combater de forma precoce e o mais eficazmente possível toda a infecção que afecte o paciente.
    Quando a resposta imunitária é muito ineficaz, deve-se manter o indivíduo afectado num recinto estéril.
    O principal tratamento de diversas imunodeficiências consiste no transplante de medula óssea.
  • 8. Imunodeficiência adquirida:
    A imunodeficiência que se verifica numa idade mais avançada (imunodeficiência adquirida) costuma ser causada por uma doença.
    Algumas doenças causam apenas uma ligeira deterioração do sistema imunitário, ao passo que outras podem destruir a capacidade do corpo para combater a infecção.
  • 9. SIDA:
    A SIDA ( síndrome da imunodeficiência humana) é uma doença mortal não hereditária causada pelo vírus da imunodeficiência humana (VIH).
    O vírus da SIDA enfraquece o sistema imunitário,
    destruindo os glóbulos brancos do nosso organismo.
    O organismo fica indefeso às invasões de todos
    os corpos estranhos.
    Os doentes ficam progressivamente fragilizados e podem contrair muito facilmente, doenças que o podem conduzir à morte.
  • 10. Como tudo acontece...
    • O vírus entra no sistema sanguíneo para se poder multiplicar.
    • 11. Ele infecta e multiplica-se dentro dos linfócitos T4.
    Ligação das proteinas do virus aos receptores de membrana da célula;
    Fusão das membranas;
    Libertação do nucleo do virus;
  • 12. Transcriptase reversa
    Integrase
    4. Transcrição do RNA viral – formação de cadeia simples de DNA complementar do RNA viral;
    5. Formação de uma cadeia dupla de DNA;
    6. Ligação com o genoma da célula
  • 13. 6. Activação do DNA e sua trancrição – formação do RNAm;
    7. Migração do RNAm para o citoplasma
    protease
    8. Descodificação – tradução do RNA nos ribossomas e formação das proteinas do virus
    9. União dos produtos do virus
    10. Saida da célula – formação de um novo invólucro proteico.
  • 14. O VIH destrói as células CD4 e quando a sua contagem baixa, a resposta do organismo torna-se deficiente.
  • 15. Formas de transmissão
  • 16. A SIDA tem cura?
    A sida caracteriza-se por uma quebra do sistema imunitário do organismo. Actualmente, a cura não é possível. A única medida eficaz para combatê-la, presentemente, é a prevenção. O meio mais eficaz para prevenir a infecção nos recém-nascidos é evitar a gravidez por parte das mulheres infectadas com o VIH.
  • 17. Existe a terapia anti-retrovírica. A doença pode ser retardada por drogas inibidoras da transcriptase reversa (AZT) e das proteases e inibidores da ligação do vírus ás células hospedeiras.
    Tratamento:
  • 18. Situação da epidemia em Portugal:
    O primeiro caso, em Portugal, foi detectado em 1983 e até 31 de Dezembro de 2006 foram notificados ao Centro de Vigilância Epidemiológica das Doenças Transmissíveis 30.366 casos de infecção VIH/sida.
    Na União Europeia, Portugal apresenta ainda a mais elevada taxa de incidência da infecção VIH.
    Anualmente morrem em Portugal cerca de 1.000 pessoas com SIDA.
  • 19. Conclusão
    São comuns as deficiências que podem vir a existir no sistema imunitário.
    As imunodeficiências alteram a imunidade inata e adaptativa:
     As imunodeficiências congénitas fragilizam os dois tipos de imunidade.
     A SIDA fragiliza, gravemente, a imunidade celular e consequentemente a imunidade humoral.
    O sistema imunitário tem uma grande influência no bem estar do nosso organismo.
  • 20. QUESTÕES
    (C)
    (D)
    (B)
    (A)
    (C)
  • 21. FIM