Teste 7º ano fevereiro 2014 FRANCES

1,813 views

Published on

Francês, teste

Published in: Education
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
1,813
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
3
Actions
Shares
0
Downloads
16
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Teste 7º ano fevereiro 2014 FRANCES

  1. 1. Sexta‐feira ou a vida selvagem A vida retomou o seu curso, melhor ou pior. Robinson continuava a fingir que era o governador e general da ilha. Sexta-feira fingia que trabalhava arduamente para manter a civilização. Só Tenn não fingia que dormia a sesta durante todo o dia. A medida que envelhecia, ficava cada vez mais gordo e lento. Sexta-feira, por seu lado, arranjara um novo passatempo. Descobrira o esconderijo onde Robinson guardava o pequeno barril de tabaco e o comprido cachimbo do capitão van Deyssel. Sempre que tinha ocasião, ia fumar uma cachimbada na gruta. Se Robinson desse com ele, certamente o puniria com severidade, porque já quase não tinha tabaco. Fumar era um prazer que Robinson já só muito raramente se permitia, nas grandes ocasiões. Nesse dia, Robinson descera à beira-mar para inspecionar as redes colocadas no fundo e que a baixa-mar acabava de pôr a descoberto. Sexta-feira pôs o pequeno barril debaixo do braço e foi instalar-se bem ao fundo da gruta. Construíra aí uma espécie de canapé, com tonéis cobertos de sacos. Meio deitado para trás, tira longas fumaças do cachimbo. Depois, expulsa dos pulmões uma nuvem azul que se dilui na luz fraca que provém da entrada da gruta. Prepara-se para tirar nova fumaça do cachimbo quando ouve ao longe gritos e latidos. Robinson regressara mais cedo que o previsto, e chamava por ele com voz ameaçadora. Tenn ladra. Ouve-se um estalido. Robinson pegou portanto no chicote. Com certeza que se apercebeu do desaparecimento do pequeno barril de tabaco. Sexta-feira levanta-se e encaminha-se para o castigo que o espera. De repente, para: que fazer do cachimbo, que continua a segurar na mão? Atira-o com toda a força para o fundo da gruta, onde se encontram os barris de pólvora. Em seguida, corajosamente, vai ao encontro de Robinson. Este está furioso. Quando vê Sexta-feira, ergue o chicote. E nesse momento que os quarenta barris de pólvora explodem. Uma torrente de chamas vermelhas jorra da gruta. Robinson sente-se levantado no ar, arrastado, e, antes de perder os sentidos, ainda tem tempo para ver as enormes rochas do topo da gruta rolarem umas por cima das outras, como se fossem peças de um jogo de construções.
  2. 2. TOURNIER, Michel – Sexta‐feira ou a vida selvagem. Lisboa: Presença, 1985. 972-23-1570-6.p.55 Sexta‐feira ou a vida selvagem Ao fim da tarde de 29 de setembro de 1759, o céu obscureceu-se de repente na região do arquipélago Juan Fernandez, a cerca de seiscentos quilómetros ao largo das costas do Chile. A tripulação do Virgínia reuniu-se no convés para ver as pequenas chamas que apareciam no cimo dos mastros e vergas do navio. Eram fogos de Santelmo, fenómeno devido à eletricidade atmosférica e que anuncia uma violenta tempestade. O Virgínia, a bordo do qual viajava Robinson, nada tinha felizmente a temer, nem mesmo do mais violento temporal. Era uma galeota holandesa, um barco de formas arredondadas e com mastros baixos, portanto pesado e pouco rápido, mas de extraordinária estabilidade mesmo em circunstâncias de mau tempo. Assim, à noite, quando o capitão Van Dayssel viu que uma rabanada de vento rebentara uma das velas como se fosse um balão, deu ordens aos seus homens para arriarem as outras e se fecharem com ele no interior, à espera que a tempestade passasse. O único perigo a recear vinha dos recifes ou bancos de areia, mas o mapa não indicava nada do género, e tudo levava a crer que o Virgínia poderia navegar durante centenas de quilómetros, debaixo da tempestade, sem encontrar obstáculos. Por isso, o capitão jogava tranquilamente às cartas com Robinson, enquanto o temporal rugia lá fora. Estava-se em meados do século XVIII, na época em que muitos europeus — principalmente ingleses — iam radicar-se na América, na mira de fazerem fortuna. Robinson deixara em York a mulher e dois filhos, com o objetivo de explorar a América do Sul e ver se conseguia organizar trocas comerciais proveitosas entre o seu país e o Chile. Algumas semanas antes, o Virgínia contornava o continente americano dobrando heroicamente o terrível cabo Horn, e rumava agora para Valparaíso, onde Robinson queria desembarcar.
  3. 3. — Não vos parece que esta tempestade vai atrasar muito a nossa chegada ao Chile? — perguntou ele ao capitão, enquanto baralhava as cartas. O capitão olhou para ele com um sorrisinho irónico, ao mesmo tempo que afagava um cálice de genebra, sua bebida preferida. Tinha muito mais experiência que Robinson e troçava frequentemente da sua impaciência juvenil. — Quando se empreende uma viagem como esta que estais fazendo, respondeu-lhe ele depois de tirar uma fumaça do cachimbo, parte-se quando se quer, mas chega-se quando Deus quer. Tirou depois a tampa a um pequeno barril de madeira onde guardava o tabaco, e mergulhou nela o comprido cachimbo de porcelana. — Desta maneira, fica protegido dos choques e impregna-se com o odor adocicado do tabaco. Voltou a fechar o pequeno barril e encostou-se preguiçosamente para trás. — Como estais vendo — disse ele — a vantagem das tempestades está em que nos libertam de preocupações. Não há nada a fazer contra os elementos enfurecidos. Portanto, nada fazemos. Entregamo-nos nas mãos do destino. Nesse mesmo momento, a lanterna suspensa de uma corrente que iluminava a cabina descreveu um arco de círculo, indo estilhaçar-se de encontro ao teto. Antes de tudo mergulhar em completa escuridão, Robinson ainda teve tempo de ver o capitão deslizar de cabeça por cima da mesa. Levantou-se e dirigiu-se para a porta. Uma forte corrente de ar fez-lhe compreender que já não havia porta. O mais aterrador de tudo era que, depois do constante balanço e vaivém do navio, que duravam havia vários dias, aquele ficara completamente imóvel. Devia estar encalhado num banco de areia, ou em cima de rochedos. Ao clarão difuso da lua cheia, Robinson avistou no convés um grupo de homens esforçando-se por lançar à água um escaler de salvamento. Dirigia-se para junto deles, com o objetivo de os ajudar, quando um choque formidável abalou todo o navio. Logo a seguir, uma vaga gigantesca despenhou-se sobre o convés e varreu tudo o que nele se encontrava, homens e material. TOURNIER, Michel – Sexta‐feira ou a vida selvagem. Lisboa: Presença, 1985. 972-23-1570-6. P.9-10
  4. 4. 1) personagens, espaços, narradores, sequências 2) figurantes, narradores, personagens-tipo, personagens redondas.

×