Acidentes por animais peçonhentos

10,381 views
10,198 views

Published on

1 Comment
3 Likes
Statistics
Notes
  • excelente site... parabéns
       Reply 
    Are you sure you want to  Yes  No
    Your message goes here
No Downloads
Views
Total views
10,381
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1
Actions
Shares
0
Downloads
500
Comments
1
Likes
3
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Acidentes por animais peçonhentos

  1. 1. ACIDENTES POR ANIMAISPEÇONHENTOS EVENENOSOSGrupo:• Glaucilene Oliveira;• Jhorrana Silva;• Juliane Pereira;• Tamires Batista.
  2. 2. Conceito: Animais Peçonhentos são aqueles que possuem glândulas de veneno que se comunicam com dentes ocos, ou ferrões, ou aguilhões, por onde o veneno passa ativamente, ou seja, causado pela inoculação de toxinas. (fonte:MS/ FIOCRUZ/ SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE)Animais Venenosos são aqueles que produzem veneno, mas nãopossuem um aparelho inoculador (dentes, ferrões) provocandoenvenenamentopassivo por contato (taturana), por compressão (sapo)ou por ingestão (peixe baiacu).(fonte: MS/ FIOCRUZ/ SINITOX)
  3. 3. PRINCIPAIS ACIDENTES
  4. 4. ACIDENTE OFÍDICO: é o quadro deenvenenamento decorrente da inoculação de toxinasatravés do aparelho inoculador (presas) de serpentes.A serpente peçonhenta édefinidapor três característicasfundamentais:• presença de fosseta loreal;• presençade guizo ou chocalho nofinal da cauda;• presença de anéiscoloridos(vermelho, preto, brancoou amarelo).
  5. 5. Acidente Botrópico Bothrops erythromelasFonte:FUNASA,2001
  6. 6. Acidente CrotálicoFonte:FUNASA,2001 Cascavel (Crotalus durissus)
  7. 7. Lachesis muta-Surucucu
  8. 8. Acidente elapídicoFonte:FUNASA,2001 Micrurus lemniscatus
  9. 9. Serpentes não-peçonhentosPhylodrias (cobra- Cleliaverde, cobra-cipó) (muçurana, cobra- preta
  10. 10. Prevenção de acidentesa) o uso de botas de cano alto ou perneira de couro, botinas e sapatos ;b) Usar luvas de aparas de couro para manipular folhassecas, montes de lixo, lenha, palhas, etc. Não colocar asmãos em buracos;c) onde há rato há cobra. Limpar paióis e terreiros, nãodeixar amontoar lixo. Fechar buracos de muros e frestasde portas;e) evitar acúmulo de lixo ou entulho, depedras, tijolos, telhas, madeiras, bem como mato alto aoredor das casas,que atraem e abrigam pequenos animais que servem dealimentos às serpentes.
  11. 11. ACIDENTE POR ARANEÍSMO Envenenamento causado pela inoculação detoxinas através do aparelho inoculador (quelíceras)de aranhas. As aranhas apresentam o corpo dividido emcefalotórax e abdômen. No cefalotórax articulam-se os quatro pares de patas, um par de pedipalpose um par de quelíceras, onde estão os ferrõesutilizados para inoculação do veneno.
  12. 12. Principais acidentes no Nordeste(Lycosasp-Tarântula/ latrodectus geometricus-aranha- Viúva Negrade-gramaLycosa erythrognatha -aranha-de-grama Caranguejeira-Fonte:FUNASA - outubro/2001 Mygalomorphae
  13. 13. Medidas Preventivas• Usar calçados e luvas nas atividades rurais e de jardinagem.• Examinar calçados e roupas pessoais, de cama ebanho, antes de usá-las.• Afastar camas das paredes e evitar pendurar roupas fora dearmários.• Não acumular lixo orgânico, entulhos e materiais deconstrução.• Limpar o domicílio, observando atrás de móveis, cortinas equadros.• Vedar frestas e buracos em paredes, assoalhos, forros,meia-canas e rodapés. Utilizar vedantes em portas, janelase ralos.• Limpar locais próximos das casas, evitando folhagens densasjunto delas e aparar gramados.
  14. 14. ACIDENTES POR LEPDÓPTEROSEnvenenamento causado pelapenetração de cerdas de lagartas(larvas de lepidópteros) napele, ocorrendo assim ainoculação de toxinas que podemdeterminar alterações locais e, nosenvenenamentos.
  15. 15. ACIDENTES POR LONOMIASDermatite urticantea) Causada por contato com lagartas urticantes de vários gêneros de lepidópteros;b) Provocada pelo contato com cerdas da mariposaHylesia sp.Síndrome hemorrágica por Lonomia sp
  16. 16. mariposa Hylesia sp. pararama Lonomia sp Lonomia sp
  17. 17. Quais os primeiros socorros em caso de acidente?Lavar o local da picada com água fria ou gelada e sabão; não fazer torniqueteou garrote, não furar, não cortar, não queimar, não espremer, não fazersucção no local da ferida e nem aplicar folhas, pó de café ou terra sobre elapara não provocar infecção• A função original das cerdas com venenos está ligada à defesa contra predadores naturais.• O acidente é comumente gerado pela compressão das lagartas, quando elas se encontram nos troncos.• A maior parte dos acidentes acontece na zona rural;• Aproximadamente, 60% dos acidentes acontecem nasmãos, seguidos por 23% nas pernas;
  18. 18. Acidente por EscorpionismoÉ o quadro do envenenamento humano causadopelo veneno escorpiônico.Os escorpiões de importância médica para o Brasil pertencem aogênero Tityus• Se instalam em locais com acúmulo de lixo doméstico, madeiras, entulhos, materiais de construção como tijolos, telhas e também em sistemas de esgotos, saindo geralmente através dos ralos, caixas de gordura, também se alojando sob rodapés e assoalhos quebrados.
  19. 19. Gêneros mais encontrados no NordesteTityus serrulatus, ou escorpiãoamarelo Tityus stigmurus
  20. 20. Como tratar?Fazer compressas mornas e analgésicos para alívio da dor atéchegar a um serviço de saúde para as medidas necessárias eavaliar a necessidade ou não de soro. Proteção da população•Não depositar ou acumular lixo, entulhos•manter sempre limpo o ambiente de convívio•Evitar trepadeiras encostadas a casa, folhagens entrando pelo telhado•Afastar camas das paredes e evitar pendurar roupas fora de armários.•Vedar frestas e buracos em paredes•Utilizar telas e vedantes•Preservar os predadores naturais de escorpiões, comoseriemas, corujas, sapos, lagartixas e galinhas.
  21. 21. ACIDENTES POR HIMENÓPTEROS• Apidae (abelhas e mamangavas),• Vespidae (vespa amarela, vespão e marimbondo ou caba) e,• Formicidae (formigas).
  22. 22. Apis mellifera mellifera Apis mellifera scutellata (Apis mellifera ligustica
  23. 23. Ações do veneno• São agentes bloqueadores neuromusculares. Podendo provocar paralisia respiratória, possuem poderosa ação destrutiva sobre membranas biológicas, como por exemplo sobre as hemácias, produzindo hemólise;• Demonstra propriedades antiarrítmicas;• Reações alérgicas
  24. 24. Quadro clínicoAs manifestações clínicas podem ser:1. alérgicas (mesmo com uma só picada) e,2. tóxicas (múltiplas picadas). Manifestações 1. Locais: • dor aguda local; • vermelhidão, prurido e edema por várias • horas ou dias; 2. Regionais: • edema flogístico;
  25. 25. 3. Sistêmicas:a) Tegumentares: prurido generalizado, eritema, urticária.b) Respiratórias: rinite, edema de laringe e árvorerespiratória, trazendo como conseqüênciadispnéia, rouquidão,estridor e respiração asmatiforme. Podehaver bronco-espasmo.c) Digestivas: prurido no palato ou na faringe, edema doslábios, língua, úvula e epiglote, náuseas,cólicas abdominaisou pélvicas, vômitos e diarréia.d) Cardiocirculatórias: a hipotensão, tontura ou insuficiênciapostural até colapso vascular total. Podem ocorrerpalpitações e arritmias cardíacas e, quando há lesõespreexistentes (arteriosclerose), infartos isquêmicos nocoração ou cérebro.
  26. 26. Tratamento• A retirada dos ferrões da pele deverá ser feita por raspagemcom lâmina;• Analgésico;• Anti-histaminícos.
  27. 27. Acidente por IctismoAcidentes provocados por peixes marinhos ou fluviais
  28. 28. Ações do veneno• Os acidentes acantotóxicos (arraias, por exemplo) são de caráter necrosante e a dor é o sintoma proeminente. É um veneno termolábil .• Os acidentes sarcotóxicos ocorrem por ingestão de peixes e frutos do mar.Eles produzem um potente bloqueador neuromuscular que pode conduzir a vítima à paralisia consciente e óbito por falência Respiratória.• Acidentes escombróticos acontecem quando bactérias provocam descarboxilação da histidina na carne de peixes mal conservados, produzindo a toxina saurina, capaz deliberar histamina em seres humanos.• Acúmulo de metil-mercúrio em peixes pescados em águas contaminadas podem produzir quadros neurológicosem humanos.
  29. 29. Quadro clínicoAcantotóxico• ferimento puntiforme ou lacerante;• eritema e edema• linfangite, reação ganglionar, abscedação e necrose dostecidos no local do ferimento• infeção bacteriana secundária• manifestações gerais como: fraqueza, sudorese,náuseas, vômitos, vertigens, hipotensão, choque eaté óbito.
  30. 30. Tratamento• lavar com água ou solução fisiológica;• imergir em água quente(temperatura suportável entre 30 a 45 graus)ou colocar sobre a parte ferida compressamorna durante 30 ou 60 minutos;• deixar dreno e indicar corretamente a profilaxia do tétano, antibióticos e analgésicos
  31. 31. Referências bibliográficas• Vigilância em saúde: zoonoses / Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica. –Brasília: Ministério da Saúde, 2009.228 p.: il. – (Série B. Textos Básicos de Saúde) (Cadernos de AtençãoBásica; n. 22).• Guia de vigilância epidemiológica / Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde, Departamento de Vigilância.Epidemiológica. – 7. Ed. – Brasília: Ministério da Saúde, 2009.• Manual de diagnóstico e tratamento de acidentes por animais peçonhentos.2ª ed. - Brasília: Fundação Nacional de Saúde, 2001• Manual de controle de escorpiões / Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde, Departamento deVigilância Epidemiológica. – Brasília : Ministério da Saúde, 2009.• www.fiocruz.br/sinitox, acessado em 01/03/2012

×