Your SlideShare is downloading. ×
  • Like
Centros urbanos
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×

Now you can save presentations on your phone or tablet

Available for both IPhone and Android

Text the download link to your phone

Standard text messaging rates apply

Centros urbanos

  • 18,147 views
Published

Características principais de um centro urbano. Várias megalópolis exemplificadas nos slides.

Características principais de um centro urbano. Várias megalópolis exemplificadas nos slides.

Published in Education
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to like this
No Downloads

Views

Total Views
18,147
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0

Actions

Shares
Downloads
58
Comments
1
Likes
0

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. Centros Urbanos
  • 2. A delimitação do centro urbano é a área geográfica compreendida entorno de uma população ou de uma cidade. Para estabelecer a delimitação do Centro Urbano utilizam-se critérios estipulados pela lei. Os mesmos atendem entre outros aspectos, as características da estrutura urbana e morfológica, a sobreposição de usos, a evolução histórica, a continuidade espacial do traçado, a densidade populacional e que seja uma área com limites identificáveis, que sejam eles naturais – como, por exemplo, uma cordilheira -, ou construídos – como, por exemplo, uma muralha.
  • 3. Antigamente, quando os conceitos de cidade eram bem definidos, as estradas eram destinadas ao trânsito de pessoas e meios de transporte, os edifícios eram destinados as relações sociais e de trabalho.
    Atualmente, não há essa divisão e o exterior também se encontra ocupado para fins sociais e comerciais. A ocupação de determinados espaços ou linhas privilegiadas no exterior, os recintos, pontos focais etc, são outras tantas formas de apropriação do espaço.
    Fluxo de pessoas no centro de Nairobi
  • 4. Na atual situação em que vivemos o padrão tradicional de cidade se perdeu. O centro das cidades está morto, por conta das edificações sempre extremamente próximas, não permitindo o acesso de automóveis e a necessidade de concentrar o comercio e a zona de negócios em uma única zona é cada vez menor, por conta dos meios de comunicação cada vez mais avançados.
  • 5. Viscosidade
    Se num mesmo local há dois tipos de ocupações - a estática e a pelo movimento – ocorre a viscosidade: termo que denomina espaços que agrupam as pessoas nas ruas. Exemplo: Lugares abertos para circulação de pessoas, vendedores de flores e jornais nas ruas, toldos sobre as lanchonetes na parte externa.
    Centro de Lima
  • 6. Delimitação de espaços
    Os materiais, a altura das edificações, entre outras características são elementos capazes de delimitar os centros urbanos. Ao chegar na região em que eles se encontram, logo percebemos a passagem de um determinado local para uma região urbana.
  • 7. Região de La Defense, Paris
  • 8. Um outro artefato utilizado para delimitação de espaços é o das áreas verdes. Ocorre em Londres com o Cinturão Verde, que foi criado para impedir um crescimento descontrolado de área construída na região, para impedir que as cidades vizinhas invadissem uma á outra e para manter um caráter especial da cidade.
  • 9.
  • 10. É importante mesclar os centros urbanas com áreas verdes por uma questão da qualidade que isso propõe à vida das pessoas que ali convivem.
    Central Park, NY
  • 11. A qualidade da arquitetura nos centros urbanos tem sido constantemente esquecida. É como ver sempre as mesmas características repedidas nas edificações. As grandes fachadas de vidro são um exemplo, elas padronizam o local, porém fazem com que o mesmo perca a sua vitalidade.
    Faria Lima, São Paulo
  • 12. Focalização
    Uma tática muito utilizada em grandes centros é a de por um foco de luz apenas no centro dos edifícios, obrigando o observador a desviar o olhar para cima, valorizando então sua “grandeza”. Essa tática é utilizada também para evitar que ocorra a truncagem – quando o observador se depara com um edifício muito alto e olha para o seu primeiro plano e já sobe com o olhar para os pavimentos mais altos, desprezando os pavimentos intermediários.
  • 13. Os edifícios dos centros urbanos muitas vezes nos remetem a verdadeiras obras de arte constituindo o espaço. Com várias nuances, formas, estilos. Causando um grande contraste na paisagem urbana, que por sua vez chamam a atenção de quem passa pelo local.
  • 14. CCTV Tower - China
  • 15. Torre Agbar - Barcelona
    Swiss Re - Londres
  • 16. HearstTower – Nova York
  • 17. Turning Torso - Suécia
  • 18. Saliências ou Reentrâncias
    Nenhum centro urbano possui todas suas edificações na testada das vias. Eles oscilam por conta dos recuos e de seus formatos trazendo ao observador essas saliências à sua visão.
    Acidentes
    São detalhes nas edificações que buscam prender a atenção do observador fugindo da monotonia. Por meio de diferentes elementos que criam uma silhueta, cores vivas, etc, a disposição destes acidentes podem dar sentido a determinadas formas em determinados locais.
  • 19. A distorção da escala muitas vezes provocam uma sensação de violência, agressão ao observar um edifício que se destaca dos demais dentro de um certo urbano.
    ShinjukuScape
  • 20. A publicidade é uma questão que gera diversas opiniões quando se trata de arquitetura. Ela pode “estragar” a arquitetura de um centro urbano, como pode fazer parte da sua composição, como é o caso da Times Square, em Nova York.
  • 21. Área central de Shanghai, China
  • 22. Muitas vezes os meios de transportes marcam a paisagem dos centros urbanos se tornando referência mundial dos locais.
  • 23. Flutuação
    A racionalização dos espaços urbanos não é a mais correta quando tudo está centralizado nas ruas ou numa grelha ortogonal. Uma cidade típica é na verdade uma seqüência de espaços criados pelos próprios edifícios. A flutuação nada mais é do que o conjunto desses espaços vazios, espaços estreitos, edifícios etc.
  • 24. Distinção dos espaços urbanos
    San Martin Plaza, Lima