Aula 13 - Juízes
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Like this? Share it with your network

Share

Aula 13 - Juízes

on

  • 2,330 views

 

Statistics

Views

Total Views
2,330
Views on SlideShare
2,141
Embed Views
189

Actions

Likes
4
Downloads
101
Comments
1

2 Embeds 189

http://www.ibrdoamor.com 182
http://2707283417453670930_f8d156ca67f87512e0e7508d645c8d19086d0482.blogspot.com 7

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
  • Muito boa a aula. Parabéns por esta e outras aulas, ótima iniciativa.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

Aula 13 - Juízes Presentation Transcript

  • 1. PANORAMA DO LIVRO DE JUÍZES 27/10/2013
  • 2. Introdução • O livro descreve uma série de quedas do povo de Deus na idolatria, seguidas por invasões da Terra Prometida e servidões a seus inimigos. Tendo como centro a personalidade dos juízes levantados como libertadores de Israel, a narrativa ressalta especialmente o lado obscuro do panorama. Um estudo das datas parece mostrar que o povo manteve uma lealdade exterior ao Senhor durante um período de tempo maior do que poderia indicar uma leitura casual do livro.
  • 3. • o livro é um registro do fracasso de Israel durante o governo dos juízes. Ele registra nove apostasias, seis servidões, 14 Juízes e suas façanhas (não incluindo as de Eli e de Samuel, o 15º e 16º juízes, cujos fatos estão em I Sm) e 5 guerras civis. • Autor: Desconhecido; a tradição atribui o livro a Samuel. • TEMA PRINCIPAL: A história de Israel durante os tempos dos quatorze juízes
  • 4. • Lugar: escrito na Palestina • Data: aprox. 1126 a. C. • Esboço: 1. Três períodos em que se pode dividir o livro a) O período imediatamente após a morte de Josué, 1.1-2:10. b) O período das sete apostasias, das seis servidões e da guerra civil, caps. 3-16. • A primeira servidão, à Mesopotâmia juiz, Otoniel, 3.5-9. • A segunda servidão, a Moabe juízes, Eúde e Sangar, 3.12-31.
  • 5. • A terceira servidão, a Jabim e Sísera juízes, Débora e Baraque 4.1-23. • A quarta servidão, aos midianitas juiz Gideão, caps. 6-7. • A guerra civil juízes, Abimeleque, Tola e Jair, 8.33-10.5 • A quinta servidão, aos filisteus e aos amonitas juízes Jefté, Ibsã, Elom, e Abdom, caps. 10-12. • A sexta servidão, aos filisteus - juiz Sansão, capo 13-16. c) O período de confusão e anarquia, caps. 17-21.
  • 6. 2. Mensagens Espirituais a) O fracasso humano, a misericórdia e a libertação divina. b) O poder da oração que, nas emergências, se converte num verdadeiro clamor a Deus. OBS.: "Note no livro a repetida declaração de que Israel clamou ao Senhor.“ 3. Personagens de Destaque • • • • Débora, a patriota. Gideão, o valente poderoso. Jefté, o homem do voto precipitado. Sansão, o forte fraco.
  • 7.  Propósito Historicamente, Juízes fornece o relato principal da história de Israel na terra prometida, da morte de Josué aos tem os de Samuel. Teologicamente, revela o declínio espiritual e moral das tribos, após se estabelecerem na terra prometida. Esse registro deixa claro os infortúnios que sempre ocorriam a Israel quando ele se esquecia do seu concerto com o Senhor e escolhia a senda da idolatria e da devassidão.
  • 8.  Curiosidade dos 40 anos Otoniel, Débora e Baraque, e Gideão, cada um, conforme se diz, julgou Israel durante 40 anos; e Eúde duas vezes 40. Mais adiante Eli julgou 40 anos; Saul, Davi e Salomão cada qual reinou 40 anos. "40 anos" parece ser um número redondo, indicando uma geração. Notem-se as vezes que o número 40 ocorre em toda a Bíblia: no dilúvio choveu 40 dias; Moisés fugiu aos 40; esteve em Midiã 40 anos; no monte, 40 dias. Israel peregrinou 40 anos no deserto. Os espias estiveram 40 dias em Canaã. Elias jejuou 40 dias. Um prazo de 40 dias foi dado a Nínive. Jesus jejuou 40 dias e ainda permaneceu aa terra 40 dias após
  • 9. Seis características especiais relevam o livro de Juízes. 1. Registra eventos da história turbulenta de Israel, da conquista da Palestina ao início da monarquia. 2. Ressalta três verdades simples, porém profundas: a) um povo que pertence a Deus deve ter a Deus como seu Rei e Senhor; b) o pecado é sempre destruidor para o povo de Deus; c) sempre que o povo de Deus se humilha, ora, e deixa seus caminhos ímpios, Deus ouve do céu e sara a sua terra (2 Cr 7.14).
  • 10. 3. Salienta que quando Israel perdia de vista a sua identidade como o povo do concerto, tendo Deus como seu Rei, a nação afundava em ciclos repetidos de caos espiritual, moral e social, e então "cada um fazia o que parecia reto aos seus olhos" (21.25; cf. 17.6). 4. Revela vários casos que ocorrem repetidamente na história do povo de Deus, dos dois concertos: a) a não ser que o povo de Deus ame e dediquese a Deus de todo coração e mantenha uma constante vigilância espiritual, esse povo endurecerá o coração, deixará de buscar a Deus, se desviará e acabará na apostasia;
  • 11. b) Deus é longânimo, e sempre que os seus clamam arrependidos, Ele é misericordioso para restaurá-los, por meio de homens que Ele levanta, com dons e revestimento do Espírito Santo, para livrá-los do juízo opressivo do pecado; b) Constantemente, os próprios líderes ungidos, que Deus usa para livrar o seu povo, entram pelo caminho da corrupção, por falta de humildade, de caráter ou de retidão.
  • 12. Juízes 10. 13-16 Contudo vós me deixastes a mim e servistes a outros deuses, pelo que não vos livrarei mais. Ide e clamai aos deuses que escolhestes; que eles vos livrem no tempo da vossa angústia. Mas os filhos de Israel disseram ao Senhor: Pecamos; fazes-nos conforme tudo quanto te parecer bem; tão-somente te rogamos que nos livres hoje. E tiraram os deuses alheios do meio de si, e serviram ao Senhor, que se moveu de compaixão por causa da desgraça de Israel.
  • 13. Quem era os povos que atacaram Israel Amalequitas: descendiam de Esaú; eram uma tribo nômade, centralizada principalmente na parte norte da península do Sinai, mas vagavam em círculos cada vez mais amplos chegando até mesmo a Judá e a uma distancia considerável para o oriente. Foram os primeiros a atacar Israel quando este saía do Egito. Moisés autorizou a extinção deles (Ex 17.8-16). Eles desapareceram da História. Filisteus: eram descendentes de Cão. Ocupavam a planície costeira da fronteira sudoeste de Canaã. A palavra “Palestina” deriva-se de seu nome. Mais adiante, nos dias de Sansão, reaparecem como opressores de Israel.
  • 14. Moabitas: descendiam de Ló. Ocupavam o planalto ao oriente do Mar Morto. Seu deus, chamado Camos, era adorado com sacrifícios humanos. Tiveram repetidas guerras com Israel. Rute era moabita. Amonitas: descendiam de Ló. Seu território ficava imediatamente a ao norte de Moabe, começando cerca de Maloque 48 km a leste do Jordão. Seu deus, Maloque, era adorado mediante a queima de criancinhas
  • 15. Midianitas: eram nômades descendentes de Abraão e de Quetura (Gn 25.1-6). Seu centro principal ficava na Arábia, imediatamente a leste do mar vermelho, mas percorriam grandes áreas em todas as direções. Moisés vivera entre eles durante 40 anos se se casara com uma midianita (Ex 2.15-21). Foram paulatinamente incorporados aos árabes. Arábes: eram descendentes de Ismael (Gn 16). A Arábia era uma península grande (2.413 Km de norte a sul, 1 287 Km de leste a oeste) que hoje se compõem da Arábia Saudita e do Iêmen. Era um planalto elevado, 150 vezes maior que a Palestina, que descia na direção norte para o deserto da Síria. Era habitada esparsamente por tribos nômades.
  • 16. OPRESSÃO PELOS JUÍZES OU PERÍODO DE DESCANSO Opressores Mesopotâmios Moabitas – Amonitas Amalequitas Filisteus Anos de Opressão 08 Otoniel de Debir em Judá Anos de Paz 40 18 Eúde de Benjamim 80 Cananeus 20 Midianitas - Amalequitas 07 Amonitas Filisteus Total 18 40 111 Juiz Sangar Débora de Efraim, Baraque de Naftali Gideão de Manassés Abimeleque (usurpador) de Manassés Tola de Issacar Jair de Gileade em Manassés Oriental Jefté de Gileade em Manassés Oriental Ibsã de Belém de Judá Elom de Zebulom Abdom de Efraim Sansão de Dã 40 40 03 23 22 06 07 10 08 20 299
  • 17. Personagens de Destaque Débora, a patriota. Gideão, o valente poderoso. Jefté, o homem do voto precipitado. Sansão, o forte fraco.
  • 18.  DÉBORA, patriota que, associada a Baraque, julgava Israel Referências gerais: Jz 4.4,14; 5.1. Fatos de sua vida • Juíza e profetisa, Jz 4.4. • Convoca Baraque para libertar Israel, Jz 4.6. • Concorda em acompanhá-lo à batalha, Jz 4.9. • Anima-o à ação, Jz 4.14. • Canta um hino de vitória, Jz 5.1-31. • Repreende a indiferença das tribos, Jz 5.16,17,23.
  • 19.  JEFTÉ, filho de Gileade com uma prostituta, libertador e juiz de Israel: Jz 11.1,5,14,30,34,40; 12.2,7; 1Sm 12:11. Resumo de sua vida • Banido, Jz 11.1,2. • Chega à liderança, Jz 11.4-10. • Às vezes movido pelo Espírito de Deus, Jz 11.29. • Fez um voto precipitado, Jz 11.30,31. • Libertou Israel dos seus inimigos, Jz 11.33. • Cumpriu seu voto, Jz 11.39.
  • 20. SANSÃO, filho de Manoá e um dos juízes: Jz 13.24; 14.1; 15.7; 16.20,30. • Despedaça um leão, Jz 14.6. • Mata filisteus, Jz 14.19. • Arranca e carrega as portas da cidade, Jz 16.3. • Derruba o templo de Dagom, Jz 16.30. Vida de contrastes • • • • • • • • • Separado como nazireu, Jz 13.5; 16.17. Enredado em associações más, Jz 14.1-3. Espiritual algumas vezes, Jz 13.25; 15.14. Dominado por apetites carnais, Jz 16.1-4. Infantil em seus planos, Jz 15.4. Valoroso na batalha, Jz 15.11-14. Poderoso em força física, Jz 16.3,9,12,14. Fraco para resistir a tentação, Jz 16.15-17. Seu triste fim, Jz 16.30.
  • 21.  I. GIDEÃO, o guerreiro poderoso Parte inicial da vida e contexto histórico 1. Era filho de Joás, da tribo de Manassés, Jz 6.11 2. Em seus dias, Israel abandonara a Deus e estava em condição muito debilitada, atemorizado pelos midianitas, que saqueavam o país, tornando a vida intolerável, Jz 6.1-5 3. Às vezes, em tempos de aflição, Israel arrependia-se e “clamavam ao Senhor”, Jz 6.1-5 4. Um profeta foi enviado para repreender o povo pecador, Jz 6.7-10
  • 22. II. O chamado de Gideão para libertar a nação Um anjo aparece e convoca-o à liderança, Jz 6.11,12 1. Um anjo aparece e convoca-o à liderança, Jz 6.11,12 2. Suas desculpas a) O Senhor havia abandonado Israel, Jz 6:13 b) Sua inaptidão para a tarefa, Jz 6:15 3. Afirmação de que a presença divina está com ele, dando-lhe a certeza do êxito e também um sinal sobrenatural para aumentar-lhe a fé, Jz 6:16-21
  • 23. III. Batalha contra os midianitas, o acontecimento mais importante da vida de Gideão 1. Acontecimentos batalha que conduziram à a) Gideão destrói o altar de Baal e a imagem de Aserá e constrói um altar a Deus, Jz 6:24-28 b) É ameaçado de morte pelos idólatras, mas é salvo por seu pai, Jz 6:29-32 c) Depois que os inimigos se reúnem, Gideão toca a trombeta e convoca Israel, Jz 6:33-35
  • 24. 2. Gideão é animado duas vezes e passa por severa prova antes de atacar o inimigo a) Sua fé é fortalecida pelo sinal da lã, Jz 6.36-40 b) Sua fé é duramente provada com a redução de seu exército de 32 mil para trezentos homens, Jz 7.2-8 c) Visita o acampamento inimigo e anima-se ao ouvir um midianita relatar um sonho ao companheiro, Jz 7.9-14
  • 25. IV. A Vitória 1. O singular plano ataque, Jz 7.15-18 de 2. A vergonhosa derrota dos midianitas, Jz 7.19; 8.21
  • 26. IV. Eventos subsequentes na vida de Gideão 1. É-lhe oferecida a coroa de Israel, porém ele recusa, Jz 8.22,23 2. Imprudentemente, faz um manto sacerdotal de ouro, o qual converte-se em tropeço para Israel, Jz 8:24-27 3. Julga Israel quarenta anos, Jz 8.28 4. Morre em idade avançada, Jz 8.32
  • 27. Fim