Your SlideShare is downloading. ×
U. 1 - Direitos e Deveres do Utente do Serviço Nacional de Saúde
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

U. 1 - Direitos e Deveres do Utente do Serviço Nacional de Saúde

822
views

Published on


0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
822
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
9
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. U. 1 – Rede Nacional de Cuidados de Saúde Trabalho elaborado por Mª Isabel Braz , Jacinta Fernandes, Susana Parrano, Francisco Ferreira 14-05-2013 Página 1 Parte 1 - Direitos e deveres do utente do Serviço Nacional de Saúde (Parte 2 – Principais marcos históricos do Serviço Nacional de Saúde) Introdução Com o Intuito de proteger os direitos dos utentes e promover o bom funcionamento do Serviço Nacional de Saúde, foi criado o documento que hoje conhecemos como “Carta dos Direitos e Deveres dos Utentes” Na “Carta dos Direitos e Deveres dos Utentes”, tal como o seu próprio nome indica, para além dos direitos, também ficaram registados os deveres dos utentes, tão essenciais para o bom funcionamento não só do Serviço Nacional de Saúde, com da comunidade em geral. DIREITOS DOS DOENTES 1. Direito pela dignidade humana O doente tem direito a ser tratado no respeito pela dignidade humana. Este, sendo um dos direitos mais fundamentais do doente, deve atribuir-lhe um tratamento/atendimento dentro dos parâmetros do respeito pela sua condição de doente, respeitando-se a sua privacidade e a sua condição física não o expondo aos olhares de terceiros, em momentos de mais intimidade, como por exemplo no momento de mudar de roupas, ou fazer a sua higiene pessoal. O doente tem também o direito a ser tratado como um ser humano e ser chamado pelo seu nome e não ser tratado apenas como um “número”. 2. Respeito pelas convicções culturais, filosóficas e religiosas
  • 2. U. 1 – Rede Nacional de Cuidados de Saúde Trabalho elaborado por Mª Isabel Braz , Jacinta Fernandes, Susana Parrano, Francisco Ferreira 14-05-2013 Página 2 O doente tem direito ao respeito pelas convicções culturais, filosóficas e religiosas. Ao doente, é-lhe atribuído o direito ao respeito e equidade, independentemente da sua religião, filosofia de vida, convicção politica, cultura ou condição social. 3. Cuidados apropriados ao estado de saúde. O doente tem direito a receber os cuidados apropriados ao seu estado de saúde, no âmbito dos cuidados preventivos, curativos, de reabilitação e terminais. De acordo com os seu estado de saúde, o doente tem o direito a receber tratamento/atendimento e encaminhamento adequado à sua patologia, sejam eles de índole curativa, reabilitativa, paliativa, ou simplesmente psicossocial. 4. Prestação de cuidados continuados O doente tem direito à prestação de cuidados continuados. O doente tem direito aos cuidados continuados, especialmente nos períodos de convalescença ou recuperação, dando-lhe assim mais alguma qualidade de vida e preparação do período de adaptação à retoma da sua rotina diária. No direito aos cuidados continuados, incluem-se também os cuidados paliativos que visam proporcionar ao doente, uma melhor qualidade de vida numa fase terminal da sua doença. 5. Informação sobre os serviços de saúde existentes O doente tem direito a ser informado acerca dos serviços de saúde existentes, suas competências e níveis de cuidados. O doente tem o direito a ser informado sobre quais os serviços, ou tratamentos dos quais pode beneficiar de forma a minimizar os transtornos que possam ser causados pela má informação ou má interpretação do seu diagnóstico.
  • 3. U. 1 – Rede Nacional de Cuidados de Saúde Trabalho elaborado por Mª Isabel Braz , Jacinta Fernandes, Susana Parrano, Francisco Ferreira 14-05-2013 Página 3 6. Informação ao doente O doente tem o direito a ser informado sobre a sua situação clínica, não ocultando o seu verdadeiro estado de saúde. O doente tem também o direito, a, previamente manifestar a sua vontade de não ser informado sobre o seu verdadeiro estado de saúde, podendo essa informação ser dada a quem por ele for eleito. 7. Segunda opinião O doente tem direito de obter uma segunda opinião sobre a sua situação de saúde. Em caso de dúvidas sobre o diagnóstico ou tratamentos, o doente tem sempre o direito de pedir uma segunda opinião médica sobre o seu estado de saúde ou tratamentos que deve seguir. 8. Consentimento livre e esclarecido O doente tem direito a dar ou recusar o seu consentimento, antes de qualquer ato médico ou participação em investigação ou ensino clinico. O doente tem o direito de ter conhecimento e de autorizar ou recusar qualquer tipo de tratamento, intervenção ou investigação inerente ao seu estado clínico. 9. Confidencialidade O doente tem o direito à confidencialidade ou não divulgação de informações que digam respeito ao seu estado de saúde por parte do pessoal clinico ou hospitalar envolvido no seu processo clínico. 10. Acesso à informação clínica O doente tem direito de acesso aos dados registados no seu processo clínico, devendo ser-lhe dada toda a informação necessária para esclarecer a sua situação. 11. Respeito pela privacidade
  • 4. U. 1 – Rede Nacional de Cuidados de Saúde Trabalho elaborado por Mª Isabel Braz , Jacinta Fernandes, Susana Parrano, Francisco Ferreira 14-05-2013 Página 4 Tal como no direito à confidencialidade, o doente tem direito à ao respeito pela privacidade na prestação de todo e qualquer ato médico. 12. Sugestões e reclamações O doente tem direito a apresentar sugestões e reclamações ou a designar representantes que o façam por ele. DEVERES DOS DOENTES 1. O doente tem o dever de zelar pelo estado de saúde. Isto significa que deve procurar garantir o mais completo restabelecimento e também participar na promoção da própria saúde e da saúde da comunidade em que vive. 2. O doente tem o dever de fornecer aos profissionais de saúde todas as informações necessárias para obtenção de um correto diagnóstico e adequado tratamento. 3. O doente tem o dever de respeitar os direitos dos outros doentes. 4. O doente tem o dever de colaborar com os profissionais de saúde, respeitando as indicações que lhe são recomendadas e por si livremente aceites. 5. O doente tem o dever de respeitar as regras de funcionamento dos serviços de saúde. 6. O doente tem o dever de utilizar os serviços de saúde de forma apropriada e de colaborar ativamente na redução de gastos desnecessários.