Mecatrónica Automóvel - Sistema Mono-Jectrónic

  • 530 views
Uploaded on

 

  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
    Be the first to like this
No Downloads

Views

Total Views
530
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0

Actions

Shares
Downloads
43
Comments
0
Likes
0

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. U. 22 – Diagnóstico e reparação em sistemas de ignição em injecção electrónica de motores a gasolina SISTEMA MONO-JETRONIC ÍNDICE 0 – Introdução ………………………………………pág. 1 1 – Construção………………………………………pág. 2 2 – Funcionamento………………………………….pág. 2 3 – Componentes e seu funcionamento………...pág. 2 4 – Diagnóstico e reparação de avarias…………pág. 6 6 – Bibliografia ………………………………………pág. 8 0 – Introdução De entre os vários sistemas essenciais para o bom funcionamento de um veículo automóvel, encontra-se o sistema de injecção, que é dos mais indispensáveis para qualquer veículo automóvel. Actualmente existem diversos sistemas de injecção, na sua maioria electrónicos, ou com ajuda electrónica, um desses sistemas é o SISTEMA MONO-JETRONIC. Fig. 1 – Torre de injecção e colector de admissão do Sistema Mono-Jetronic Trabalho elaborado por Isabel Braz 14-05-2010 Página 1
  • 2. U. 22 – Diagnóstico e reparação em sistemas de ignição em injecção electrónica de motores a gasolina 1 – Construção Tal como se pode ver na figura 1, na sua construção o sistema Mono-Jetronic é aparentemente semelhante a um carburador e encontra-se montado numa posição central por cima do colector de admissão. Ao contrário de um sistema multi-ponto, que possui um injector para cada cilindro do motor, o sistema Mono-Jectrónic possui um único injector para todos os cilindros, injectando o combustível para um colector que se divide em tantos colectores, como cilindros possui o motor. 2 – Funcionamento Sendo um dos mais simples, o sistema Mono-Jetronic aspira o combustível do depósito através da bomba eléctrica de combustível e fazendo-o passar pelo filtro de combustível, bombeia-o para a sua única válvula de injecção, ou injector, mantendo-o continuamente com a mesma pressão, através do regulador de pressão. A válvula de injecção vai pulverizar o combustível de forma uniforme para a borboleta do acelerador e esta por sua vez a introduzir no colector de admissão que leva aos cilindros. 3 – Componentes e seu funcionamento Os componentes do sistema Mono-Jetronic são os seguintes: U.E.C; Válvula de injecção (ou injector); Bomba eléctrica de combustível; Acumulador da bomba de combustível; Filtro de combustível; Regulador de pressão; Borboleta do acelerador; Potenciómetro da borboleta do acelerador; Controlador do ralenti; Sensor de temperatura do ar; Sensor de temperatura do liquido refrigerante; Sonda Lambda; Colector de admissão; Depósito de combustível Trabalho elaborado por Isabel Braz 14-05-2010 Página 2
  • 3. U. 22 – Diagnóstico e reparação em sistemas de ignição em injecção electrónica de motores a gasolina U.E.C Sendo uma Unidade Electrónica de Comando totalmente digital, a U.E.C. do sistema Mono-Jectrónic funciona através dos sinais de entrada, ou informações, que recebe de vários sensores que depois de serem processados pelo microprocessador (CPU), são transformados em sinais de saída, ou instruções, para os actuadores e assim controlar o funcionamento de todo o sistema, desde a posição da borboleta, ao tempo de abertura do injector, etc. Válvula de injecção (ou injector) A válvula de injecção ou injector, funciona através de uma bobina electromagnética que recebe instruções da UEC e injecta o combustível de forma intermitente para a borboleta do acelerador. Bomba eléctrica de combustível A bomba eléctrica de combustível ou bomba de alimentação, pode estar montada dentro ou fora do depósito de combustível e tem a função de aspirar o combustível do depósito e bombeá-lo até à válvula de injecção. Acumulador da bomba de combustível O acumulador da bomba de combustível, tal como o próprio nome indica, serve para acumular o combustível enviado pela bomba de alimentação e assegurar a pressão deste em caso de paragem do motor, garantindo assim que todo o sistema esteja continuamente atestado (ferrado). Trabalho elaborado por Isabel Braz 14-05-2010 Página 3
  • 4. U. 22 – Diagnóstico e reparação em sistemas de ignição em injecção electrónica de motores a gasolina Filtro de combustível O filtro de combustível, que possui um elemento de papel filtrante, tem a função de absorver e reter as impurezas do combustível e assim impedir a sua passagem para o circuito de alimentação. Regulador de pressão Geralmente montado na torre de injecção, o regulador de pressão tem a função de regular a pressão de combustível admitida pelo injector (1,0 bar) e quando o combustível atinge essa pressão, abre a válvula de retorno que faz com que o excesso de combustível regresse ao depósito, mantendo assim sempre a pressão ideal de funcionamento do sistema. Borboleta do acelerador Situada na torre de injecção, é accionada pelo pedal do acelerador e tem a função de regular admissão de ar, para que a relação ar/combustível seja a ideal em todos os regimes de rotação do motor. Potenciómetro da borboleta do acelerador Instalado na parte lateral da torre de injecção, o potenciómetro da borboleta do acelerador é o responsável pela leitura da posição angular da borboleta do acelerador e em forma de sinal eléctrico envia-a à ECU, que vai determinar o tempo ideal de injecção e as condições ideais da mistura de combustível. Trabalho elaborado por Isabel Braz 14-05-2010 Página 4
  • 5. U. 22 – Diagnóstico e reparação em sistemas de ignição em injecção electrónica de motores a gasolina Controlador do ralenti O controlador do ralenti, é o actuador que tal como o nome indica, controla a posição da borboleta do acelerador. Este actuador activa o corte de injecção de combustível quando se dá a aceleração e o estabilizador do ralenti, faz também a gestão do avanço ou atraso do sistema de ignição. Sensor de temperatura do ar Instalado geralmente junto ao injector, na parte superior da torre de injecção, tem como função corrigir o tempo de injecção, em função da temperatura do ar. Funciona com uma resistência NTC que reage a temperaturas negativas (40ºc), e informa a UCE da necessidade de injectar maior quantidade de combustível para manter a relação ar/combustível. Sensor de temperatura do liquido refrigerante Montado no bloco do motor e em contacto directo com a água do circuito de refrigeração, o sensor de temperatura do líquido refrigerante é responsável pelo regime de ralenti durante a fase de aquecimento do motor, através do envio para a ECU de sinais, segundo os quais esta vai determinar o tempo de injecção durante as fases de arranque, pós-arranque e aquecimento do motor. Sonda Lambda Geralmente instalada no centro do tubo de escape, a sonda Lambda analisa os gases de escape e actua em função da diferença de oxigénio nos gases residuais de escape e a atmosfera exterior do veículo programada na ECU. Se os valores de CO diferirem dos estipulados, a sonda lambda envia um sinal eléctrico à ECU que vai definir o volume de combustível a ser injectado pela válvula de injecção. Trabalho elaborado por Isabel Braz 14-05-2010 Página 5
  • 6. U. 22 – Diagnóstico e reparação em sistemas de ignição em injecção electrónica de motores a gasolina Colector de admissão O colector de admissão, é o conjunto de tubagens que tem como função admitir e enviar de forma uniforme a mistura de ar e combustível aos cilindros. Depósito de combustível O depósito de combustível, recipiente de baixa pressão que armazena e garante o abastecimento de combustível da viatura e do sistema de injecção. 4 – Diagnóstico de avarias, sintomas e sua reparação Através da correcta utilização de um aparelho de diagnóstico como o “Auto Data”, podemos não só proceder ao diagnóstico de avarias de todo o sistema, como também podemos obter as indicações necessárias para a sua reparação. Contudo, na seguinte tabela ficam exemplificadas algumas das mais frequentes avarias, sintomas e possíveis reparações de um sistema de injecção electrónica monoponto. Trabalho elaborado por Isabel Braz 14-05-2010 Página 6
  • 7. U. 22 – Diagnóstico e reparação em sistemas de ignição em injecção electrónica de motores a gasolina Tabela de diagnóstico e reparação de avarias em sistemas de injecção electrónica Mono-Jetronic (monoponto) Sintomas Avarias Reparação Verificar se o depósito tem gasolina; Verificar a existência de fugas na bomba de combustível e injector; O motor não pega Fuga de combustível Verificar a existência de fugas ou estrangulamento nas tubagens; Proceder à reparação ou substituição dos componentes nos quais se registem fugas ou estrangulamento. Funcionamento irregular do motor Válvula injectora de combustível (injector), obstruída Desmontar o injector e verificar se o bico do injector está obstruído; Desmontar e verificar se a sonda lambda está em bom estado e a funcionar correctamente, caso contrário troca-se a sonda lambda por uma nova; -Sonda lambda Ralenti irregular - Sensor de temperatura do ar - Sensor de temperatura da água Falha do motor a alta rotação Baixa pressão no regulador de pressão de combustível Trabalho elaborado por Isabel Braz Desmontar e verificar o sensor fazendo o teste de continuidade medindo a sua resistência, se estiver em mau estado deve-se trocar por um sensor novo; Desmontar e verificar o sensor da temperatura da água fazendo o teste de continuidade do sensor num recipiente com água aquecida até a sua temperatura normal se funcionamento. Desmontar e verificar o regulador de pressão se está em bom estado e a funcionar correctamente, se estiver em mau estado deve-se trocar por um novo. 14-05-2010 Página 7
  • 8. U. 22 – Diagnóstico e reparação em sistemas de ignição em injecção electrónica de motores a gasolina Bibliografia Para a elaboração deste trabalho, para além da consulta de manuais CEPRA, foram também consultados os seguintes documentos:  http://www.ds.ind.br/pdf/infoTecnico.pdf  http://www.fiepr.org.br/sindicatos/sindirepa/uploadAddress/Mat erial_de_Apoio_21_10Injecao_Eletronica2%5B59894%5D%5B9762%5D.pdf  http://www.google.com/url?sa=t&source=web&ct=res&cd=5&v ed=0CCYQFjAE&url=http%3A%2F%2Fwww.vwpointer.com.ar%2Fgaleria%2Fpointer%2Fdownload.php%3Fi mage_id%3D67%26sessionid%3De144a419bfc25b6b6c71eb 22c6802d57&rct=j&q=funcionamento+da+borboleta+do+acele rador+no+sistema+monoponto&ei=1Q7tS5S2K8jCQaz15SzBA&usg=AFQjCNH0455BeBH3aGy7muf7eiQDkqAs 3g Trabalho elaborado por Isabel Braz 14-05-2010 Página 8