• Share
  • Email
  • Embed
  • Like
  • Save
  • Private Content
Saúde Digital - Inovação na gestão da saúde, através dos meios eletrônicos interativos
 

Saúde Digital - Inovação na gestão da saúde, através dos meios eletrônicos interativos

on

  • 3,769 views

 

Statistics

Views

Total Views
3,769
Views on SlideShare
3,664
Embed Views
105

Actions

Likes
3
Downloads
126
Comments
0

6 Embeds 105

http://www.blogriscorelativo.com 41
http://mj89sp3sau2k7lj1eg3k40hkeppguj6j-a-sites-opensocial.googleusercontent.com 30
http://www.slideshare.net 20
http://inovaday.blogspot.com 6
http://blogriscorelativo.blogspot.com 6
http://ntt-hu.blogspot.com 2

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment
  • Ilana de Almeida Souza - EPUSPNBU 3.4 07/00 NBU 3.4 07/00
  • Ilana de Almeida Souza - EPUSPNBU 3.4 07/00
  • Ilana de Almeida Souza - EPUSPNBU 3.4 07/00
  • Ilana de Almeida Souza - EPUSPNBU 3.4 07/00
  • SLIDE1 Aplicações orientadas à medicina no grupo PAD (Sistema Pervasivos e Alto desempenho)   UWB (IEEE 802.15.4a): Tecnologia de rádio em que se use uma largura de banda maior de 500 MHZ ou mais que 25% da freqüência central, de acordo com FCC (Federal Communications Commission). Redes de sensores baseados em tecnologia UWB.   Principio do radar UWB: Emissão de pulsos eletromagnéticos curtos que se espalham pelos diferentes tecidos de corpo. Corpo humano, maiormente composto por água, tem alta absorção, reflete menor energia. No corpo, estruturado em camadas, acontece reflexão e penetração devido à ressonância, em cada camada. Os pulsos refletidos possuem longitude de onda proporcional à espessura da camada (pele, camada de gordura, músculo, etc). Para que este processo aconteça é necessário que os pulsos se espalhem em uma larga faixa de freqüências (UWB). Aplicações: Detecção de sinais vitais (respiração, batimento cardíaco, etc), As Redes de sensores baseados em tecnologia UWB contarão com algoritmos capazes de melhorar a sensitividade de localização e rastreamento de sensores e atuadores dentro e fora do corpo humano. A precisão será alta (se comparada com os métodos atuais), na ordem dos milímetros (mm).       Bibliografia; [Tor Sverre, 2007] Tor Sverre Lande; Impulse-based UWB systems and applications; Nanoelectronic Systems; Dept. of Informatics University of Oslo, Norway; apresentação 2007

Saúde Digital - Inovação na gestão da saúde, através dos meios eletrônicos interativos Saúde Digital - Inovação na gestão da saúde, através dos meios eletrônicos interativos Presentation Transcript

  • Saúde Digital Inovação na gestão da saúde, através dos meios eletrônicos interativos 21 de Maio de 2010 Inovaday- Ciclo de Palestras- Gestão do Conhecimento
  • Visão de Futuro
    • Bits & Átomos
    • Chamam-se de Novas Tecnologias de Informação e Comunicação (NTICs) as tecnologias e métodos para comunicar surgidas no contexto da Revolução Informacional , "Revolução Telemática" ou Terceira Revolução Industrial , desenvolvidas gradativamente desde a segunda metade da década de 1970 e, principalmente, nos anos 1990. A imensa maioria delas se caracteriza por agilizar e tornar menos palpável (fisicamente manipulável) o conteúdo da comunicação, por meio da digitalização e da comunicação em redes (mediada ou não por computadores ) para a captação, transmissão e distribuição das informações ( texto , imagem estática, vídeo e som ). Considera-se que o advento destas novas tecnologias (e a forma como foram utilizadas por governos, empresas, indivíduos e setores sociais) possibilitou o surgimento da " sociedade da informação ".
  • Visão de Futuro 13.75 mm 80 Núcleos
    • Mais integrados
    • 1 Teraflop por chip
      • (10 12 operações de ponto flutuante /s)
    • 2 o semestre de 2006
    Lâmina de 30 cm processo 65 nm 22 mm
  • Visão de Futuro Evolução dos Processos de Microeletrônica nas três décadas (fonte: Intel) Miniaturização do Transistor MOS 2001-2011 (fonte: Intel)
      • Tecnologia da Informação
        • Computação / Telecomunicação
        • Prontuários Eletrônicos
      • Viabilização das Redes
        • Disponibilidade
        • Banda-Larga
        • Versatilidade
        • Telemedicina / Telessaúde
      • Internet
        • Redes para compartilhamento de informação
      • Processamento de Alto Desempenho
        • Cluster e GRID Computing
        • Bionformática
      • Padrões de Arquiteturas de Sistemas Distribuídas
        • XML, WEB Services, SOA
      • Padrões de Conteúdo e Interoperabilidade em Informação em Saúde
        • HL7, DICOM
        • Integração de Sistemas de Informação em Saúde
    Após anos 90
    • Era Pré-eletrônica
      • Prontuário em Papel
      • Serviço postal para envio de informações médicas
      • Início da Monitoração de Sinais Vitais
    • Era Eletrônica
      • Telegrafia (apoio a cirurgias)
      • Telefonia (voz, fax)
      • Rádio (terra-mar, terra-ar)
      • Televisão (circuitos-fechados)
      • Satélite
      • Primeiras Monitorações Eletrônica de Sinais Vitais
    Saúde Digital – Histórico e Evolução Antes
  • Motivação
    • Envelhecimento da População (características de países desenvolvidos)
    • Tendência de Maiores Gastos de Saúde devidos aos idosos e pacientes crônicos
    • Necessidade de Sistema da área de saúde ser mais eficiente
    • Gasto público no Brasil na saúde per capta é de 459 reais/ano (IBGE, 2008) – Gastos de Saúde per capta nos EUA e Europa são em média de 1770 doláres / ano
    • Desperdício e baixa eficiência
  • Pirâmida de Gastos na Atenção à Saúde (Primária, Secundária e Terciária) Atenção Terciária (Alta Complexidade) Atenção Secundária (Especialidades) Atenção Primária (Saúde Básica e Prevenção) Necessidade de Inverter a Pirâmide de Gastos, priorizando a atenção primária! Mas como? A Saúde Digital se apresenta como uma solução tecnológica!
  • Saúde Digital
    • Principais Tecnologias Envolvidas
      • Desenvolvimento Projeto de Software em Saúde
      • Sistemas de Informação em Saúde
      • Computação Paralela e Sistemas de Alto Desempenho em Saúde (Clusters, GRID Computing, Cloud Computing - NUVEM)
      • Aplicações Avançadas para Serviços Médicos
      • Telemedicina e Telessaúde
      • Bioinformática
      • Segurança e Certificação Digital em Saúde
      • Visualização e Processamento de Imagens Médicas
      • Realidade Virtual em Medicina
      • Sensores para Monitoramento e Sistemas Pervasivos
    • Aumentar a oferta e a qualidade dos serviços de saúde
    • Homogeneizar os serviços de saúde e promover a globalização na assistência em saúde oferecido a população
    • Racionalização de investimentos e melhor gestão dos recursos.
    • Atendimento de Áreas Remotas ou Isoladas (zonas rurais ou de difícil acesso).
      • Ambientes Militares.
      • Regiões Periféricas das Cidades
      • Interior do Estados
      • Estabelecimentos Prisionais.
    • Baixar o alto custo para translados de Médicos e Pacientes
    • Habilitar mais pacientes receberem tratamentos apropriados a partir de suas próprias comunidades
    • Ampliar as condições para educação em saúde continuada
    Saúde Digital – Vantagens
    • Assistência Clínica
      • Prontuário Eletrônico
      • Laudos Eletrônicos
    • TeleConsulta
      • Serviços consultivos
      • Segunda opinião
    • TeleMonitorização
      • Sensores
    • Bioinformática
      • Tratamentos através da Genética
      • Banco de Tumores
    Aplicações da Saúde Digital
    • Pesquisa Clínica
      • Protocolos de Tratamento
      • Investigação multicêntrica
    • Educação de Pacientes
      • Instruções e educação para melhoria da qualidade de vida
      • Pacientes crônicos ou de idosos
    • Educação à Distância Médica
      • Revalidação da Especialidade
      • Profissionalização
    • Saúde Pública
      • Sistemas de Gestão de Informação em Saúde
  • Principais Projetos de Saúde Digital
    • Motivação
    • O câncer é a 2ª causa mais comum de morte por doença no Brasil
    • Carência no atendimento em regiões remotas
    • Superlotação nos grandes centros urbanos
    • Migração intensa de pacientes
    • Falta de dados confiáveis sobre o real impacto da doença
    • Objetivos
    • Articular uma forte rede de pesquisa nacional focada na telemedicina e telessaúde (universidades, institutos de pesquisa, sociedades médicas e hospitais)
    • Suporte para prevenção, diagnóstico e tratamento do câncer dentro de ações integradas no controle e gestão
    • Pesquisar e desenvolver um modelo de telemedicina adequado à realidade brasileira
    • Oferecer serviços avançados no auxílio a prática médica
    • Homogeneizar o tratamento de pacientes de câncer, através de protocolos avançados com melhores índices de cura
    Projeto ONCONET Rede Nacional de Telessaúde em Oncologia
  • Prontuário Eletrônico de Pacientes Protocolos de Tratamento Informatizados Registros Hospitalares de Câncer Videoconferência Médica Educação à Distância Ambiente Colaborativo em Medicina Diagnósticos por Imagens Médicas em 3D Processameto de Imagens Médicas Treinamento Médico por Realidade Virtual Anatomia Patológica
    • Metodologia
    • Uso de software livre e padrões abertos
    • Sistema de alto desempenho em clusters e grade
    • Telessaúde baseada em aplicações WEB
    • Resultados
    • Câncer Adulto
    • 2 milhões de pacientes
    • 250 hospitais CACON
    • Câncer Infantil
    • 5.000 crianças e adolescentes atendidos
    • 49 hospitais em 15 Estados
    • Ampliação do projeto para Registro Latino-Americano
    • Rede Nacional de Telessaúde em Oncologia
    • 19 instituições conectadas em banda larga em 12 Estados do Brasil através da RNP2
    • Prêmios Recebidos
    • CONIP 2007 - “Excelência na Melhoria e Modernização de Serviços Públicos”
    Aplicações e sistemas desenvolvidos para o projeto: Projeto ONCONET Rede Nacional de Telessaúde em Oncologia
  • Câncer em países em desenvolvimento
    • Câncer é a segunda causa de mortalidade em muitos países do mundo
    • Câncer é normalmente observado como uma doença do mundo desenvolvido, mas com o melhoramento dos padrões de vida e aumento da espectativa de vida, a incidência em países de baixa e média renda está crescendo de forma intensiva
    • Em 2030, sete em novo dez casos ocorrerão em países em desenvolvimento 1
  • Estimativa de Novos Casos de Câncer no Brasil 2006 Fonte: INCA/ Ministério da Saúde - 2005 Região População Total Estimado de Casos de Câncer Câncer Infantil Baixo (1%) Câncer Infantil Alto (4%) Norte 15,020,974 17,270 173 691 Nordeste 51,615,745 74,770 748 2,991 Centro - Oeste 13,268,680 28,150 282 1,126 Sudeste 27,307,735 102,110 1,021 4,084 Sul 79,557,428 245,750 2,458 9,830 BRASIL 186,770,562 472,050 4,682 18,722
  • Hospitais
    • Carência, principalmente em regiões remotas, comprometendo os serviços de saúde
    • Superlotação nos grandes centros urbanos com intensa migração de populações de pacientes
  • Pioneirismo em Telemedicina Primeiro p rojeto nacional de t elemedicina na r egi ão amazônica (1999-2002) Segunda Opini ã o M é dica para Diagnóstico e Prescrição Médica, de médicos do Instituto da Criança do HC-FMUSP para para pacientes de Câncer infantil o Hospital Ary Pinheiro de Porto Velho, através de v ideoconferência através do uso de linha dedicada ISDN Esta iniciativa mostrou a necessidade de desenvolver um modelo de Telemedicina adequado à realidade brasileira
  • Distância Relativa Porto Velho a São Paulo = Edimburgo a Roma
  • Objetivo:
    • Criar um novo modelo de telessaúde baseado em tecnologias livres
    • “ O Registro do Câncer é a Fundação onde repousa a cura do câncer”
    • Organização Mundial da Saúde
  • Rede de Telessaúde em Oncologia POPs em 2007 HospitalBase de (Porto Velho-RO) Hospital NS Glória (Vitória-ES) LSI- USP (SP) UNIFESP (SP) Hospital São Marcos (Teresina-PI) Joana Gusmão CACON-II (Florianopolis-SC) EDUMED (Campinas-SP) Fund Centro Controle Oncologia (Manaus-AM) Hosp de Apoio CACON-I (Brasília -DF) SOBOPE (SP) UFPE / NUTES INCA-HC1 (RJ) Offir Loyola Hosp. Cancer-Recife ICC-Fortaleza Santa Casa - CE INCA-HC2 (RJ) INCA-HC3 (RJ)
  • Câncer Infantil : Portal Oncopediatria
    • Lançado em Agosto de 2002
    • Informações em Câncer Infantil
    • Médicos, Pacientes e Familiares
    • Drogas, Prevenção e Tratamentos
    • Arcabouço de Integração das Tecnologias/Serviços
    • Pioneiros na implementação do IARC III ( International Agency of Research on Cancer )
    Matéria do Portal Oncopediatria na Imprensa Oficial do Estado em Set/2009
  • Câncer Infantil : Portal Oncopediatria
    • Informações sobre câncer infantil
      • Médicos, pacientes e familiares
      • Drogas, prevenção, tratamento
    • Arcabouço para integração de componentes de software em serviços de saúde
      • Desenvolvimento baseado em componentes de software
      • Arquitetura de N camadas para a WEB
  • Registro de Câncer Infantil
  • Protocolos de Tratamento de Tumores metodologia de modelagem e descrição formal PAPEL on-line via Internet
  • Eventos e Agenda do Protocolo
  • Aplicação Estatística : Distribuição por Local Primário LNH 77 7 36 33 1 1 1 156 0 20 40 60 80 100 120 140 160 Número de Pacientes Local Primário Abdome e Pelve Cabeça / Pescoço Linfonodos Mediastino Medula Óssea Sistema Nervoso Central Tórax Total OBS: 27 pacientes sem local primário especificado
  • Aplicação Estatística : Curvas de sobrevida baseadas no estimador Kaplan-Meier
    • Kaplan-Meier is widely used as the method for plotting survival curves and estimating the survival rate for any given treatment.
    • On the website, the Kaplan-Meier utility allows the creation of multiple curves on one or more graphs based on any of the parameters of the electronic medical record.
    • Data-mining tools are also available to sort the patients according to a given parameter. Additional tools are planed for future releases.
  • Registro Latinoamericano
  • Registro Hospitalar do Câncer
      • Disponibilizar em ambiente Web a consolidação, estatística e gerenciamento de registros e unidades hospitalares (> 250 centros de tratamento de câncer)
  • Sistema de Anatomia Patológica
    • Disponibilizar em ambiente Web o gerenciamento dos diagnósticos de tumores
      • exames e laudos de câncer em Histopatológicos e Citopatológicos, possibilitado a implantação nos CACONs
      • Integração com dados do RHC
  • Sistema de Imagens
  • Simulador de Treinamento de Procedimentos Cirúrgicos para Biópsia de Pescoço: REALIDADE VIRTUAL
  • Colaboração e Segunda Opinião Médica
    • Vídeoconferência
    • Imagem Médica (segunda opinião para diagnóstico)
    • Diagnóstico com Imagens em 3D
    • Interface de c olaboraçã o
  • ONCONET – Inovação Tecnológica
    • Arquiteturas de sistemas distribuídos
    • Infra-estrutura computacional de alto desempenho baseado em “clusters” e “grids”
    • Domínio local das aplicações
    • Aplicação disponível em qualquer lugar, a qualquer momento
    • Novo modelo de Telessaúde de baixo custo e alto valor tecnológico agregado:
      • Abordagem em novas tendências tecnológicas no estado-da-arte
      • Uso de padrão aberto
      • Software livre
      • Metodologia orientada a Serviços
  • Resultados do Portal Oncopediatria Visitantes mensais pela internet 3.300 Serviços de saúde , em 15 diferentes Estados brasileiros 53 Médicos cadastrados 7.000 Visitantes mensais pela internet 3.300 Serviços de saúde , em 15 diferentes Estados brasileiros Médicos cadastrados 320 Crianças e adolescentes com câncer atendidos (potencial de atingir as 20 mil crianças em câncer pediátrico na América Latina) 7.000
  • ONCONET : Resultados e Impactos: Adulto Pacientes registrados em 2008 500 mil instituições conectados , em banda larga em diferentes Estados via RNP 2 14 CACON’s em 2006 7 Pacientes previstos até 2011 (com potencial de atingir 15 millhões) 3 milhões CACON’s previstos até 2011 250
  • Recursos Necessários
    • Conexão com a internet
    • Um computador
      • Laptop óu desktop
  • Registro Brasileiro de Pacientes de Fibrose Cística
    • Alta Mortalidade de FC (óbito < 18 anos)
    • Estudo Multicentrico Brasileiro de Pacientes de FC
    • Medir, pesquisar e comparar aspectos de novas estratégias terapêuticas para aumento expectativa de vida
    • Pesquisa epidemiológica e de novos protocolos de tratamento
    • Planejamento de ações assistenciais.
    • Chip mixed mode, low voltage & low power
    • Tecnologia: CMOS 0.35um
    Monitoramento Cardíaco de Pacientes à Distância
      • Pacientes com monitores portáteis de ECG de até 12 canais a um baixo custo
      • Diagnóstico remoto à distância de pacientes
      • Redução de custo para saúde pública.
    • Redes de sensores baseados em tecnologia UWB.
    Aplicações orientadas à medicina no grupo PAD (Sistema Pervasivos e Alto desempenho) Figura: Relação de UWB com outras tecnologias. Figura: Monitoramento usando Radar UWB [Tor Sverre, 2007].
    • Pulsos eletromagnéticos curtos que se espalham pelo corpo.
    • Os pulsos refletidos com longitude de onda proporcional à pele, camada de gordura, músculo, etc.
    • Aplicação: Detecção de sinais vitais (respiração, batimento cardíaco, etc)
    • Melhor sensitividade de localização e rastreamento de sensores e atuadores dentro e fora do corpo humano.
    • Configuráveis e flexíveis
    • Permitem geração de estatísticas
    • Sempre com código de barras
    • Validação do laudo antes da impressao
    • Exames de Anatomia Patológica / Diag. Câncer de Pacientes do SUS de SP
      • Histopatologia
      • Citopatologia
      • Imunohistoquimica
    • Controle de qualidade dos laudos
    • Automatização de todo processo (Recebimento, Macroscopia, Microscopia, Laudo/Citologia/Patologia, Expedição e Faturamento)
  •  
  • Resultados FOSP
    • 1100 exames diários de pacientes de hospitais públicos
    • 850.000 pacientes no Banco de Dados
      • Sistema operacional desde janeiro de 2008)
    • Redução do Tempo de Emissão de Laudo de 25 para 12 dias
    • Aumento de faturamento
      • 100 % dos laudos da FOSP faturados com DATASUS/MS
    • Laudos de Melhor Qualidade
    • Relatórios Gerenciais e Epidemiológicos
    • SW Livre (sem custo de licenças)
  • Sistema de Identificação de Pacientes e Eliminação de Registros Duplicados do Cartão SUS Parceria do LSI com a Secretaria Estadual de Saúde de São Paulo (SES-SP) , e OPAS / OMS (Organização Pan-Americana de Saúde / Organização Mundial de Saúde).
    • SES-SP possui um banco de dados de aproximadamente 40 milhões de pacientes do Sistema Único de Saúde / Cartão SUS, de Instituições de Saúde Públicos de São Paulo.
    • Este banco de dados do Cartão SUS não possui um mecanismo de identificação de integridade, permitindo assim casos duplicados de pacientes.
    • A localização de duplicidade de registros não é sempre trivial e exata, pois em vários casos há divergência nas informações destes registros .
    • Software livre, futura disseminação para outros estados do País (~120 milhões de pacientes pelo Brasil );
    • Uma base de dados consistente permite que gestores da saúde pública tenham uma abordagem mais apurada da realidade, através de relatórios gerenciais, consultas e análise sobre a base de dados do Cartão SUS.
    • Tornar possível uma melhor planejamento e distribuição de recursos para a saúde pública.
    • Gestão e regulação da área de saúde.
  • Saúde Digital - Conclusão
    • A pesquisa
      • Suporte a serviços de atenção a saúde através de meios eletrônicos (uso intensivo e pervasivo de tecnologias de informação e comunicação)
        • Prevenção, Diagnóstico, Tratamento e Gestão da Saúde
    • O desenvolvimento
      • Um sistema de informação aberto voltado para ao serviços de atenção a saúde
    • A transferência
      • Setor público e setor privado
    • A transformação
      • Incrementar a cura ou a efetividade da saúde (minização da mortalidade, aumento de sobrevida, qualidade de vida dos pacientes) em países emergentes
    • MARCELO KNÖRICH ZUFFO
    • [email_address]
    • 11-3091-9738
    • Adilson Yuuji Hira
    • [email_address]
    Obrigado !