Professor Investigador versus Ensino de Biologia

4,201 views
4,024 views

Published on

Apresentação de Conclusão de Curso.
Ciências Biológicas - 2009

Published in: Education
0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
4,201
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1
Actions
Shares
0
Downloads
99
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Professor Investigador versus Ensino de Biologia

  1. 2. Acadêmicos: Johanna Emile Finger Jonathan Santos da Silveira Orientadora: Profa Dra. Yára Christina Cesário Pereira PROFESSOR INVESTIGADOR versus ENSINO DE BIOLOGIA Universidade do Vale do Itajaí Estágio Supervisionado: Pesquisa da Prática Pedagógica Ciências Biológicas – Licenciatura 2009/1
  2. 3. Agradecimentos Profª . Dra. Yára Christina Cesário Pereira Aos professores que fizeram parte de nossa formação acadêmica. Coordenação do Curso de Ciências Biológicas Aos nossos Familiares e amigos “ Eu posso contribuir apenas com uma gota de água para o oceano mas, com a minha gota, ele jamais será o mesmo.” Madre Teresa de Calcutá
  3. 4. Se podes olhar vê... Se podes ver repara... José Saramago
  4. 5. <ul><li>Pesquisa foi realizada com base na observação e intervenção com o 1° ano do Ensino Médio noturno </li></ul><ul><li>E.E. B. Nereu Ramos, no município de Itajaí/SC. </li></ul><ul><li>A problemática foi abordada na importância da inserção de uma docência investigativa no ensino de Biologia. </li></ul><ul><li>Quantidade de alunos: 20 </li></ul><ul><li>Intervenções: carga horária de 40 h/a </li></ul>INTRODUÇÃO fatores extracurriculares 36 h/a
  5. 6. LDB PCN ENSINO MÉDIO ENEM EDUCAÇÃO NO BRASIL REALIDADE DO ENSINO MÉDIO Exercício da cidadania Qualificação no trabalho LDB (Lei n.º 9.394/96) BUSCA DA QUALIDADE DE ENSINO
  6. 7. ENSINO DE BIOLOGIA Propiciar Estímulos Participação Ativa Relacionar conteúdos com experiência de vida Evitar a separação entre dois mundos: Científico e Prático PCN de Biologia : Reconhecer a biologia como um fazer humano e, portanto, histórico, fruto da conjunção de fatores sociais, políticos, econômicos, culturais, religiosos e tecnológicos . Interação Integração
  7. 8. Aluno Mundo Globalizado Experiência de vivências Conceitos prévios PROFESSOR INVESTIGADOR Professor ESPAÇO ESCOLAR SOCIE DADE SUJEITO ALUNO Cidadão efetivo Indivíduo de diferentes realidades Sujeito com pré-conceitos Qualidade de Ensino Aprendizagem Significativa Auto avaliação Relação professor e alunos Adaptações Materiais Aspectos Metodológicos social/cultural/econômica METODOLOGIA
  8. 9. Ensina Biologia Permite ao aluno que participe ativamente da investigação, apropria do conhecimento científico interagir de forma argumentativa com o mundo que o rodeia. PROFESSOR INVESTIGADOR Confere aos alunos um poder Emancipatório É o professor capacitado a contribuir para o desenvolvimento profissional de todos os professores e para o desenvolvimento institucional das escolas em que estes se inserem através da pesquisa da prática pedagógica, incluindo a de si próprio.
  9. 10. Como está a atuação dos Professores Investigadores?
  10. 11. <ul><li>Fundamentar a importância da inserção do professor investigador no EM ; </li></ul><ul><li>Compreender o professor investigador como sujeito que busca compreender o aluno em seu “próprio mundo”; </li></ul><ul><li>Propiciar uma dinâmica informativa sobre o ENEM e as possíveis influências no futuro dos alunos; </li></ul><ul><li>Renovação das práticas pedagógicas desgastadas no ensino médio tradicional; </li></ul><ul><li>Planejar estratégias de ensino à partir de uma visão integradora ; </li></ul><ul><li>Vivenciar o estudo dos conteúdos escolares em sala de aula de forma interativa e estimulante ; </li></ul>OBJETIVOS
  11. 12. <ul><li>Observação das aulas e conhecimento da turma; </li></ul><ul><li>Idealização de questionário sócio educacional; </li></ul><ul><li>Elaboração de Plano de ensino; </li></ul><ul><li>Interdisciplinaridade; </li></ul><ul><li>Reelaboração de plano de ensino; </li></ul><ul><li>Elaboração de materiais didáticos; </li></ul><ul><li>Intervenções em sala de aula; </li></ul><ul><ul><li>Recursos Audiovisuais: Vídeos e slides </li></ul></ul><ul><ul><li>Música (Origem das espécies vem ai); </li></ul></ul><ul><ul><li>Simulado (Questões do ENEM); </li></ul></ul><ul><li>Auto-avalição. </li></ul><ul><li>Socializar os resultados da pesquisa </li></ul>METODOLOGIA * Características do professor Investigador
  12. 13. <ul><li>Trazendo o conteúdo de forma mais contextualizada sem perder a cientificidade. </li></ul>X
  13. 14. RECURSOS AUDIOVISUAIS
  14. 15. Linguagem de Internet ORKUT FILOSÓFICO
  15. 16. Linguagem audiovisual Vídeos variados
  16. 17. Composição Musical O cara é Darwin, Evoluiiiiiiiiiiiiiiiiiiir Origem das espécies vem ai! 1831 Charles Darwin foi viajar Durante cinco anos, morou em alto mar Abordo do veleiro chamado “Beagle” Sul da América foi mapear Ô Darwin, foi-se embora pesquisar Ao chegar lá em Galápagos Viu 13 espécies de pardais Os bicos eram diferentes, habitat e muito mais Porém muito tinham em comum Pareciam ser iguais Ô Darwin, eles eram ancestrais Durante a viajem ele coletou fósseis, plantas e animais Juntou seus achados e levou pra casa, pra uma teoria começar 22 anos se passaram e o darwinismo se fez Seleção natural e evolução, canta aquela parte outras vez! O Darwinismo tem 3 afirmações Que agora vamos citar A vida era bem antiga, de milhões de anos atrás Os organismos eram bem mais simples, evoluíram pra ficar Seleção natural, Charles Darwin é demais! Música: “Origem das Espécies vem ai” Compositores: Jonathan Santos da Silveira Linguagem Musical REFRÃO REFRÃO REFRÃO
  17. 19. <ul><li>Visita técnica ao Santuário Rã-bugio </li></ul><ul><li>Localização: Guaramirim (SC) </li></ul>Núcleo de educação ambiental para conservação da biodiversidade da floresta a atlântica <ul><li>Evolução de espécies fauna e flora </li></ul><ul><li>Contato com o objeto de estudo </li></ul><ul><li>Adaptações indivíduo x ambiente </li></ul><ul><li>Seleção Natural </li></ul><ul><li>Biodiversidade </li></ul>Buscando incentivar a capacidade de observação e reflexão, raciocínio lógico
  18. 20. 1° ANO ENSINO MÉDIO - REALIZAÇÃO DE SIMULADO Intervenções
  19. 21. <ul><li>Simulado Biologia </li></ul>2. Número de acertos por aluno 3. Número de acertos por disciplina
  20. 22. Considerações <ul><li>Ressaltamos nesse trabalho, a busca da efetivação das leis em benefício à uma real qualidade de ensino, assim como as necessidades de mudanças . </li></ul><ul><li>O Exame Nacional do Ensino Médio ( ENEM ) destaca-se como um possível articulador na prática do processo investigativo . </li></ul><ul><li>O professor investigador e as tarefas de desenvolvimento curricular necessitam ser voltadas e adaptadas para o progresso dos alunos. </li></ul><ul><li>Sendo assim, a inovação, adaptação , reavaliação das metodologias usadas para essa nova gama de estudantes é fundamental, pelo fato das questões relacionadas à área de Biologia constantemente estarem sendo atualizadas e compreendidas . </li></ul><ul><li>Destacamos que o “inovar” nas aulas não requer grandes recursos , mas sim o empenho na atuação do professor por meio do processo investigativo. </li></ul>
  21. 23. “ O professor medíocre conta. O bom professor explica. O professor superior demonstra. O grande professor inspira.” Cimar Correa
  22. 24. <ul><li>ALARCÃO, Isabel. Professor-investigador: Que sentido? Que formação? Universidade de Aveiro. Porto: Porto Editora, 2001. </li></ul><ul><li>ARAÚJO, Inês Lacerda. Comunicação & política , v.25, nº2, p.057-077 </li></ul><ul><li>CANDEIAS, António, Educar de outra forma – A escola nº 1 de Lisboa 1905-1930, Instituto de Inovação educacional. Lisboa,1994. </li></ul><ul><li>CNE/CEB - Conselho Nacional de Educação - Câmara de Educação Básica. </li></ul><ul><li>Disponível em: http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/rceb001_05.pdf </li></ul><ul><li>Acesso em: 20/06/2009 </li></ul><ul><li>COSTA, Claudio Fernandes da. A indução dos pressupostos do ENEM nas políticas educacionais locais: Mecanismos e Processos de assimilação/disseminação e a centralidade curricular da noção de competências. UERJ. Rio de Janeiro. </li></ul><ul><li>DEWEY, J. (1959). Como pensamos (Vol. I). São Paulo: Companhia Editora Nacional. </li></ul><ul><li>FREIRE, Paulo. “Educação e Mudança&quot;. Paz e Terra, Rio de Janeiro, RJ, 1983. </li></ul><ul><li>HERNÁNDEZ, F.; VENTURA, M. A organização do currículo por projetos de trabalho: o conhecimento é um caleidoscópio . 5 ed. Porto Alegre: Artmed, 1998 a. </li></ul><ul><li>OLIVEIRA, Isolina; SERRAZINA, Lurdes. A reflexão e o professor como investigador. </li></ul><ul><li>OLIVEIRA, Ramon de. O ensino médio em questão: a análise de uma história recente . R. Educ. Prof., Rio de Janeiro, v.34, n.1, jan./abr. 2007. </li></ul><ul><li>PIRES, Célia M. C. Currículos de matemática: da organização linear à idéia de rede . São Paulo: FTD, 2000. </li></ul><ul><li>OLIVEIRA, P. A investigação do professor, do matemático e do aluno: uma discussão epistemológica . (tese de mestrado). Lisboa: DEFCUL, 2002. </li></ul><ul><li>STENHOUSE, L. An introduction to curriculum research and development. London: Heinemann, 1975. </li></ul><ul><li>MARTINS Sueli Terezinha Ferreira. Educação Científica e Atividade Grupal na Perspectiva Sócio-Histórica . Ciência & Educação, v. 8, n. 2. São Paulo, 2002. </li></ul><ul><li>MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO – ENEM </li></ul><ul><li>Disponível em: http://www.enem.inep.gov.br/index.php?option=com_content&task=view&id=12&Itemid=34. Acesso: 31/05/2009 </li></ul><ul><li>Presidência da República </li></ul><ul><li>Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/l9394.htm - Acesso: 22/06/2009 </li></ul><ul><li>BRASIL. Parâmetros curriculares nacionais – terceiro e quarto ciclos do ensino fundamental: Introdução aos Parâmetros Curriculares Nacionais . Brasília, 1998. </li></ul><ul><li>________ Governo Federal. Lei 9.394/96: Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional , de 20 de dezembro de 1996. Ministério da Educação Brasília, 1999. </li></ul><ul><li>________ Parâmetros curriculares nacionais: Ensino Médio . Ministério da Educação. Secretaria de Educação Média e Tecnológica. Brasília, 1999. </li></ul>Referências

×