Your SlideShare is downloading. ×
Mestrado 2012 aula2
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Mestrado 2012 aula2

458

Published on

Aula 2 do curso Mídia e Cultura na Amazônia. Mestrado em Comunicação. Programa de Pós-graduação Comunicação, Cultura e Amazônia. Prof. dr. Fábio Fonseca de Castro.

Aula 2 do curso Mídia e Cultura na Amazônia. Mestrado em Comunicação. Programa de Pós-graduação Comunicação, Cultura e Amazônia. Prof. dr. Fábio Fonseca de Castro.

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
458
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
2
Actions
Shares
0
Downloads
5
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. Mídia e Cultura na Amazônia Aula 2 Prof. Dr. Fábio Fonseca de Castro Programa de Pós-graduação Comunicação, Cultura e Amazônia – UFPA Belém, 21 de março de 2012
  • 2. O problema da aulaA importância da noção de experiência na pesquisa de comunicação e cultura e a dificuldade de escapar das amarras metafísicas que a envolvem.
  • 3. Construção do problemaO problema do erro metafísico na constituição de objetos e perspectivas de pesquisa, emespecial no campo dos estudos sobre a cultura e a comunicação.
  • 4. É interessante observar como a sociologia (a pesquisa social) também possui elementos metafísicos nas suas entranhas epistemológicas:
  • 5. – A análise marxista tem por base e se desenvolve a partir ideia utópica da sociedade sem classes.– A sociologia de Comte iniciava com uma percepção sobre uma categoria absolutamente fictícia: a humanidade.– Já Durkheim criou várias noções para compreender o processo social que acabam sendo categorias teleológicas, como “solidariedade” e anomia.
  • 6. Respostas para esse problema vindas das sociologias “sensíveis”.Há sociológicas que procuraram fazer umpercurso autocrítico desde suas bases. É o caso de Weber, Simmel e Pareto.
  • 7. Para conseguir esse nível autocrítico – ousensível, como eu dizia na última aula – essesautores, por alguma razão processual que nãocabe aqui perquirir, acabaram desenvolvendo algum tipo de mecanismo analítico centrado numa observação dicotômica:
  • 8. – Para Weber, a vida social – ou melhor, a experiência social – é feita de antagonismos;– Para Simmel, de conflitos ;– Para Pareto, de desequilíbrios.
  • 9. Caracterização do problemaCaracterizações gerais do erros metafísicosnas abordagens sociológicas hegemônicas.
  • 10. Para as sociologias hegemônicas, a experiência é algonaturalmente metafísico, que reporta a uma situação que não é a vivencial mas, sempre, a ideal. Essas sociologias fazem uma idéia consubstanciada da experiência. Para elas, a ação social dos indivíduos constituialgo em geral parcial, que só se concretiza quando observado no contexto de um padrão de ação social mais amplo – por exemplo, um modelo.
  • 11. Assim, por exemplo, a experiência de classe social de alguém só é compreender enquanto um padrão de experiência de classe, e nunca como uma experiência individual. Se a experiência em questão foge do padrão é, imediatamente,classificada como uma ruptura, uma quebra, uma anomalia.Então, essa sociologia só consegue compreender o que está no horizonte de sua classificação teleológica, simplesmente colocando à margem os demais fenômenos sociais que constituem experiências atípicas.
  • 12. Vocês percebem porque essa forma de ver o mundo é metafísica?
  • 13. Perspectivas não-hegemônicas 1 A noção de “experiência” na Fenomenologia Social.
  • 14. Fontes do pensamento de Schutz Weber: a sociologia como um trabalho de compreensão da ação social. Husserl: a fenomenologia (disposição em compreender os fatos sociais em si mesmos, sem a interveniência das categorias meta-teleológicas).
  • 15. Para Schutz, a consciência individual éconstruída com base nas experiências da vida cotidiana e estas são, necessariamente, intersubjetivas.Ou seja, produzidas coletivamente, por meioda interação contínua dos diversos indivíduos que atuam na sociedade.
  • 16. Perspectivas não-hegemônicas 2 A noção de “experiência” no Interacionismo Simbólico.
  • 17. Mead: o indivíduo origina-se a partir do social e em interação permanente com ele. O produto dessa relação é o que ele compreende como sociabilidade.
  • 18. Premissas do Interacionismo Simbólico:– O indivíduo atua, em sociedade, tendo por base o sentido que as coisas têm para ele;– O sentido que essas coisas têm, para os indivíduos, é produzido por meio da interação social que alguém estabelece com as pessoas com as quais interage.– Estes sentidos são modificados, e frequentemente manipulados, através de processos interpretativos usado pela pessoa ao tratar as coisas que ela encontra.

×