Mestrado 2012 aula2
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Mestrado 2012 aula2

on

  • 733 views

Aula 2 do curso Mídia e Cultura na Amazônia. Mestrado em Comunicação. Programa de Pós-graduação Comunicação, Cultura e Amazônia. Prof. dr. Fábio Fonseca de Castro.

Aula 2 do curso Mídia e Cultura na Amazônia. Mestrado em Comunicação. Programa de Pós-graduação Comunicação, Cultura e Amazônia. Prof. dr. Fábio Fonseca de Castro.

Statistics

Views

Total Views
733
Slideshare-icon Views on SlideShare
607
Embed Views
126

Actions

Likes
0
Downloads
5
Comments
0

6 Embeds 126

http://hupomnemata.blogspot.com.br 112
http://hupomnemata.blogspot.com 6
http://www.hupomnemata.blogspot.com.br 5
http://feeds.feedburner.com 1
http://hupomnemata.blogspot.pt 1
http://hupomnemata.blogspot.com.ar 1

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    Mestrado 2012 aula2 Mestrado 2012 aula2 Presentation Transcript

    • Mídia e Cultura na Amazônia Aula 2 Prof. Dr. Fábio Fonseca de Castro Programa de Pós-graduação Comunicação, Cultura e Amazônia – UFPA Belém, 21 de março de 2012
    • O problema da aulaA importância da noção de experiência na pesquisa de comunicação e cultura e a dificuldade de escapar das amarras metafísicas que a envolvem.
    • Construção do problemaO problema do erro metafísico na constituição de objetos e perspectivas de pesquisa, emespecial no campo dos estudos sobre a cultura e a comunicação.
    • É interessante observar como a sociologia (a pesquisa social) também possui elementos metafísicos nas suas entranhas epistemológicas:
    • – A análise marxista tem por base e se desenvolve a partir ideia utópica da sociedade sem classes.– A sociologia de Comte iniciava com uma percepção sobre uma categoria absolutamente fictícia: a humanidade.– Já Durkheim criou várias noções para compreender o processo social que acabam sendo categorias teleológicas, como “solidariedade” e anomia.
    • Respostas para esse problema vindas das sociologias “sensíveis”.Há sociológicas que procuraram fazer umpercurso autocrítico desde suas bases. É o caso de Weber, Simmel e Pareto.
    • Para conseguir esse nível autocrítico – ousensível, como eu dizia na última aula – essesautores, por alguma razão processual que nãocabe aqui perquirir, acabaram desenvolvendo algum tipo de mecanismo analítico centrado numa observação dicotômica:
    • – Para Weber, a vida social – ou melhor, a experiência social – é feita de antagonismos;– Para Simmel, de conflitos ;– Para Pareto, de desequilíbrios.
    • Caracterização do problemaCaracterizações gerais do erros metafísicosnas abordagens sociológicas hegemônicas.
    • Para as sociologias hegemônicas, a experiência é algonaturalmente metafísico, que reporta a uma situação que não é a vivencial mas, sempre, a ideal. Essas sociologias fazem uma idéia consubstanciada da experiência. Para elas, a ação social dos indivíduos constituialgo em geral parcial, que só se concretiza quando observado no contexto de um padrão de ação social mais amplo – por exemplo, um modelo.
    • Assim, por exemplo, a experiência de classe social de alguém só é compreender enquanto um padrão de experiência de classe, e nunca como uma experiência individual. Se a experiência em questão foge do padrão é, imediatamente,classificada como uma ruptura, uma quebra, uma anomalia.Então, essa sociologia só consegue compreender o que está no horizonte de sua classificação teleológica, simplesmente colocando à margem os demais fenômenos sociais que constituem experiências atípicas.
    • Vocês percebem porque essa forma de ver o mundo é metafísica?
    • Perspectivas não-hegemônicas 1 A noção de “experiência” na Fenomenologia Social.
    • Fontes do pensamento de Schutz Weber: a sociologia como um trabalho de compreensão da ação social. Husserl: a fenomenologia (disposição em compreender os fatos sociais em si mesmos, sem a interveniência das categorias meta-teleológicas).
    • Para Schutz, a consciência individual éconstruída com base nas experiências da vida cotidiana e estas são, necessariamente, intersubjetivas.Ou seja, produzidas coletivamente, por meioda interação contínua dos diversos indivíduos que atuam na sociedade.
    • Perspectivas não-hegemônicas 2 A noção de “experiência” no Interacionismo Simbólico.
    • Mead: o indivíduo origina-se a partir do social e em interação permanente com ele. O produto dessa relação é o que ele compreende como sociabilidade.
    • Premissas do Interacionismo Simbólico:– O indivíduo atua, em sociedade, tendo por base o sentido que as coisas têm para ele;– O sentido que essas coisas têm, para os indivíduos, é produzido por meio da interação social que alguém estabelece com as pessoas com as quais interage.– Estes sentidos são modificados, e frequentemente manipulados, através de processos interpretativos usado pela pessoa ao tratar as coisas que ela encontra.