AULA classificação facetada

4,452 views
4,134 views

Published on

0 Comments
2 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
4,452
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
3
Actions
Shares
0
Downloads
71
Comments
0
Likes
2
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

AULA classificação facetada

  1. 1. Classificação facetada Aula 3 Linguagens documentárias II Marilda L. G . de Lara 200 7
  2. 2. Classificação <ul><li>reunião de elementos por semelhança </li></ul><ul><li>Classificar </li></ul><ul><li>- reunir por semelhança </li></ul><ul><ul><ul><ul><li>agrupamento de entidades por características sucessivas </li></ul></ul></ul></ul><ul><li>- separar diferenças </li></ul><ul><li>Representação gráfica  árvore  classificação aristotélica </li></ul><ul><ul><ul><li>nós  características para agrupamento </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>Privilégio das relações gênero/espécie </li></ul></ul></ul></ul>
  3. 3. Regras básicas de classificação <ul><li> Cada característica de divisão dá origem a pelo menos 2 classes </li></ul><ul><li> Classes mutuamente exclusivas – uso de apenas um princípio de divisão </li></ul>
  4. 4. Tipos de classificação <ul><li>Classificação taxionômica </li></ul><ul><li>- objetivo: identificar as entidades (tipos ‘naturais’) </li></ul><ul><ul><li> uma única hierarquia </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>Relação principal: gênero/espécie </li></ul></ul></ul><ul><li>Classificação documentária </li></ul><ul><ul><li>objetivo: classificar o que se escreve sobre os objetos </li></ul></ul><ul><ul><li> várias hierarquias  facetas </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>Vários tipos de relação entre os termos das hierarquias e entre as hierarquias </li></ul></ul></ul>
  5. 5. Exemplo de classificação taxionômica <ul><li>Classificação de mamíferos / Hábitos de alimentação </li></ul><ul><ul><li>carnívoros </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>dedos unidos </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>pequenos aurículos auditivos – leões marinhos </li></ul></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>sem aurículos auditivos </li></ul></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><ul><li>pés de corça dianteiros – morsa </li></ul></ul></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><ul><li>sem pés - foca </li></ul></ul></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>dedos separados </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>pés com apenas 4 dedos - gato </li></ul></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>pés dom 5 dedos – urso </li></ul></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>four functional - cão </li></ul></ul></ul></ul><ul><ul><li>herbívoros </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>com chifres (cornos) </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>chifres com galhos – cervídeos </li></ul></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>chifres sem galhos </li></ul></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><ul><li>chifres peludos – girafa </li></ul></ul></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><ul><li>chifres sem pelo – gado </li></ul></ul></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>sem chifres (cornos) </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>dedo simples – cavalo </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>eventoed </li></ul></ul></ul><ul><li>- quatro dedos – porco </li></ul><ul><li>- dois dedos – camelo </li></ul>
  6. 6. Objetivos e aplicações da classificação facetada <ul><li>Objetivos: </li></ul><ul><li>Contemplar a complexidade dos assuntos </li></ul><ul><li>Contemplar pontos de vista específicos de cada unidade de informação </li></ul><ul><li>Conferir flexibilidade às combinações entre termos </li></ul><ul><li>Aplicações: </li></ul><ul><li>Década de 50 – classificações especializadas </li></ul><ul><li>- Década de 70-80 – tesauros facetados </li></ul><ul><li>Atualmente: uso dos princípios de organização por facetas em diversos universos </li></ul>
  7. 7. Organização em categorias e facetas <ul><li>Categoria: conceito de alta generalização </li></ul><ul><li>Faceta: manifestação das categorias nos domínios focalizados </li></ul>
  8. 8. Classificação facetada <ul><li>Princípios: </li></ul><ul><ul><li>Agrupamento de termos em domínios homogêneos (seleção de um domínio) </li></ul></ul><ul><ul><li>Divisão dos termos em categorias, grupos ou facetas </li></ul></ul><ul><ul><li>Classificação hierárquica dos termos no interior das facetas </li></ul></ul><ul><ul><li>Sintaxe para combinação </li></ul></ul>
  9. 9. Identificação das áreas ou domínios <ul><li>Classificação tradicional – classes principais => disciplinas convencionais </li></ul><ul><li>Classificação facetada - limita-se, geralmente, a um domínio sob determinados aspectos </li></ul><ul><li>- facetas específicas </li></ul><ul><ul><ul><ul><li>(Aeronáutica: aeronave, suas partes, comportamento aerodinâmico etc.) </li></ul></ul></ul></ul><ul><li>- facetas subsidiárias </li></ul><ul><ul><ul><ul><li>(matérias para a estruturar da aeronave, instrumentos matemáticos auxiliares) </li></ul></ul></ul></ul><ul><li>- faceta principal ou secundária – depende dos objetivos da classificação </li></ul><ul><li> impossibilidade de uma única classificação geral </li></ul>
  10. 10. Classificações facetadas <ul><li>Origem: princípios de classificação de Ranganathan </li></ul><ul><li>Primeiras aplicações: classificações especializadas feitas pelos integrantes do Classification Research Group – CRG </li></ul><ul><li>- Classificação em Ciência do Solo (Vickery) </li></ul><ul><li>- Aeronáutica (Farradane e Vickery) </li></ul><ul><li>- Astronomia (Vickery) </li></ul><ul><li>- Classificação de embalagens (Foskett) </li></ul><ul><li>- Biblioteconomia e Ciência da Informação (LISA) </li></ul><ul><li>- Classificação para a Higiene e Segurança do Trabalho (CII Securité et d'Hygiène du Travail de Génève) </li></ul><ul><li>- Tecnologia de Diamantes ( Farradane) </li></ul><ul><li>- Classificaçåo de Música (Coates) </li></ul><ul><li>- Classificaçåo das Ciências Sociais (Barbara Kyle, UNESCO) </li></ul>
  11. 11. Classificação do Solo Vickery <ul><li>TIPOS DE SOLO </li></ul><ul><li>ESTRUTURA </li></ul><ul><li>CONSTITUINTES (químicos e biológicos) </li></ul><ul><li>PROPRIEDADES (físicas, fisico-químicas, biológicas) </li></ul><ul><li>PROCESSOS NO SOLO (formação, troca de íons, erosão </li></ul><ul><li>OPERAÇÕES NO SOLO (drenagem, cultivo, melhoria) </li></ul><ul><li>TÉCNICAS DE LABORATÓRIO </li></ul><ul><li>1 GERAL </li></ul>
  12. 12. Astronomia <ul><li>Corpos celestiais (estrela, cometa, planeta) </li></ul><ul><li>Suas partes (eixos, cauda, superfície) </li></ul><ul><li>Sistemas de corpos (galáxia, constelação) </li></ul><ul><li>Propriedades dos corpos (tamanho, temperatura) </li></ul><ul><li>Movimento dos corpos (órbita, rotação) </li></ul><ul><li>Relações ente os corpos (paralaxe, eclipse) </li></ul><ul><li>Interações entre os corpos (perturbação, captura) </li></ul><ul><li>Operações (observação espectroscópica) </li></ul><ul><li>Ferramentas (telescópio) </li></ul>
  13. 13. Desenho de um esquema facetado <ul><li>1. Delimitação da área </li></ul><ul><li>- especificação das entidades ou coisas </li></ul><ul><li>2. Coleta de termos  fontes de referência; especialistas </li></ul><ul><li>3. Agrupamento de termos em categorias provisórias  garantia literária </li></ul><ul><li>4. Agrupamento de termos em facetas e subfacetas </li></ul><ul><li>- critérios </li></ul><ul><li>5. Ordenação dentro da categoria (ordem de citação) </li></ul><ul><li>6. Codificação (hoje não é essencial) </li></ul><ul><li>7. Índice (ou formas de acesso) </li></ul>
  14. 14. 1. Delimitação da área <ul><li>Objetivos do sistema  amplitude </li></ul><ul><li>Ex.: Atividades de uma empresa; Culinária ; Biblioteconomia; Tecnologia alimentar </li></ul><ul><ul><li>Ex.: Tecnologia alimentar – Legumes </li></ul></ul><ul><ul><li>Tecnologia alimentar – Doces </li></ul></ul><ul><li>Relações pertinentes – variam conforme o domínio </li></ul><ul><li>Ex.: propriedades, procedimentos, operações, comportamento, atividades </li></ul><ul><li>Amplitude (domínios homogêneos) </li></ul><ul><li>Domínio nuclear, domínios periféricos </li></ul>
  15. 15. 2. Coleta de termos <ul><li>Atividade interdisciplinar </li></ul><ul><li>Especialistas, documentalistas, terminólogos </li></ul><ul><li>Base para a coleta e organização : literatura do domínio </li></ul><ul><ul><li>Manuais, glossários, apresentações sistêmicas, obras da área </li></ul></ul><ul><li> Hoje: Trabalho terminológico  dupla função: </li></ul><ul><li>- coleta de termos e delimitação do domínio (nuclear e periférico ou marginal) </li></ul><ul><li>- seleção das categorias mais adequadas </li></ul><ul><li>- Coleta: </li></ul><ul><li>- seleção de fontes </li></ul><ul><li>- registro em fichas de coleta terminológica </li></ul><ul><li>- cotejamento de fichas </li></ul><ul><li>- elaboração de ficha-síntese com definição </li></ul><ul><li>- Identificação das relações entre os termos </li></ul>
  16. 16. 3. Agrupamento de termos em categorias provisórias <ul><li>Distribuição dos termos nas categorias genéricas com base na garantia literária (ou no trabalho terminológico) </li></ul>
  17. 17. 4. Ordenação dos termos no interior das facetas – critérios gerais <ul><li>Agrupamento dos termos em uma única árvore ou em mais de uma árvore (facetas e subfacetas) </li></ul><ul><li>Aplicação de características de divisão (aspectos, atributos) </li></ul><ul><ul><ul><li>Formação de cadeias e de séries </li></ul></ul></ul><ul><li>Obs.: evitar localização múltipla </li></ul>
  18. 18. Ordenação dentro das hierarquias <ul><li>Embora hoje o critério seja funcional, é bom conhecer as várias propostas de ordenação encontradas na literatura: </li></ul><ul><li>Proposta geral de Vickery </li></ul><ul><li>- Encadeamento hierárquico: </li></ul><ul><ul><ul><li>maior extensão  maior intensão </li></ul></ul></ul><ul><li>Classes mutuamente exclusivas: </li></ul><ul><ul><li>uma característica de divisão a cada vez </li></ul></ul><ul><li>- Cada série forma uma classe de termos coordenados </li></ul>
  19. 19. Proposta de seqüência útil: Richardson <ul><li>a) Lógica – do mais complexo ao mais simples </li></ul><ul><li>b) Geométrica – segundo a posição das coisas no espaço </li></ul><ul><li>c) Cronológica – segundo a posição no tempo </li></ul><ul><li>d) Genética – segundo a semelhança de origem </li></ul><ul><li>e) Histórica – combinação de características precedentes </li></ul><ul><li>f) Evolucionária – do simples ao complexo </li></ul><ul><li>g) Dinâmica – ordem de força </li></ul><ul><li>h) Alfabética </li></ul><ul><li>i) Matemática – ordem de notação </li></ul>
  20. 20. Proposta de Ranganathan <ul><li>  ordem canônica </li></ul><ul><li>- Geométrica </li></ul><ul><li>- Cronológica </li></ul><ul><li>- Evolucionária </li></ul><ul><li>- Matemática </li></ul><ul><li> outros </li></ul><ul><li>- Extensão decrescente </li></ul><ul><li>- Concretividade crescente </li></ul>
  21. 21. Ordem de citação <ul><li>Vickery (Ciências do Solo): </li></ul><ul><li>a) coisa-parte-constituinte-propriedade; ou </li></ul><ul><li>b) coisa-processo; ou </li></ul><ul><li>c) coisa-operação-agente, conforme o caso </li></ul><ul><li>Ranganathan (CC) </li></ul><ul><li>PMEST </li></ul><ul><li>Hoje: </li></ul><ul><li>- Automação atenua os problemas da combinação prévia </li></ul>
  22. 22. Exemplos <ul><li>http://www. cnae .ibge.gov. br / </li></ul><ul><li>http://www40.statcan.ca/z01/cs0002_e.htm </li></ul><ul><li>http://ww5.williams-sonoma.com/ </li></ul>

×