• Save
Processos Vitais, Celula, Tecidos
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Processos Vitais, Celula, Tecidos

on

  • 38,176 views

 

Statistics

Views

Total Views
38,176
Slideshare-icon Views on SlideShare
38,101
Embed Views
75

Actions

Likes
15
Downloads
35
Comments
1

5 Embeds 75

http://www.slideshare.net 71
http://www.spacequery.com 1
http://static.slidesharecdn.com 1
http://www.linkedin.com 1
http://www.slideee.com 1

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel

11 of 1

  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
  • ALIVIE SUAS DORES
    http://www.slideshare.net/AdriBernardes/massoterapia-alivie-suas-dores

    Adriano Bernardes
    Contate-me: adribernardes@gmail.com
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    Processos Vitais, Celula, Tecidos Processos Vitais, Celula, Tecidos Presentation Transcript

    • Nível celular / Processos vitais Hugo Pedrosa ORGANIZAÇÃO DO CORPO HUMANO
    • Anatomia É a ciência que estuda a estrutura e a forma dos corpos. Estuda também a relação entre uma estrutura e a sua função.
    • Níveis de organização do corpo humano:
      • Nível químico
      • Nível celular
      • Nível dos tecidos
      • Nível dos órgãos
      • Nível dos sistemas
    • PROCESSOS VITAIS … característicos da vida (nível celular): - Conjunto de funções que permitem assegurar a manutenção das condições estruturais e funcionais dos sistemas corporais, adaptando-se às condições externas do meio envolvente.. - Característicos de todos os organismos vivos.
      • HOMEOSTASIA
      • Condição em que o organismo é capaz de assegurar a manutenção do seu
      • meio interno dentro de determinados limites fisiológicos. Diz-se que um organismo
      • está numa condição homeostática se:
      • 1 – A concentração de gases, nutrientes e
      • água nos seus fluídos é adequada;
      • 2 – A temperatura é ajustada;
      • 3 – A pressão é apropriada;
    • Processos Vitais Metabolismo – Processos químicos que ocorrem e que asseguram a disponibilidade da energia necessária. Excitabilidade – Capacidade do organismo para percepcionar as alterações que ocorrem constantemente no meio interno e externo. Condutibilidade – Capacidade de transferência de estímulo. Contractilidade – Capacidade que resulta de alterações no comprimento da célula. Crescimento – Capacidade dos organismos de induzirem o aumento das suas dimensões. Diferenciação – Capacidade que as células possuem de partirem da não especialização para a especialização. Reprodução – Capacidade de produção de novas células.
      • Célula
      • - Se ela fosse do tamanho de um tijolo e as colocássemos empilhadas, teriamos uma altura de 10 km.
      • - A célula média é 5 vezes mais pequena do que o menor ponto que é possível fazer numa folha de papel com um lápis afiado.
      • - Cada célula só pode originar-se de outra célula.
      • - Considera-se que tudo o que é menos complexo que uma célula ( isto é, que não é capaz de se reproduzir, realizar o seu metabolismo e adaptar-se às condições envolventes) não é uma célula e não constitui matéria viva.
    • Materiais celulares Duma forma simplista, diremos que uma célula é constituída por proteínas ( 15 % ), lípidos ( 3 % ), glúcidos ( 1 % ), ácidos nucleicos e minerais ( 1 % ) e água ( 80 % ). Estes materiais formam as estruturas que permitem a realização das funções celulares.
      • Membrana celular
      • - Regula passiva ou activamente o que entra e sai da célula. A membrana
      • celular é composta por uma camada bi-molecular de fosfolípidos em que flutuam
      • proteínas.
      • A membrana celular é muito importante porque, desde logo, constitui
      • a separação entre o meio intracelular e o fluido extracelular.
      • Depois, porque constitui o elemento estrutural que relaciona as células
      • entre si e as coloca em contacto com as substâncias envolventes.
      • Em terceiro lugar, porque possui um vasto número de receptores para
      • substâncias químicas como as hormonas, neurotransmissores, enzimas,
      • nutrientes, anticorpos, etc.
      • E, por fim, porque goza da propriedade de permitir a entrada de certas substâncias na célula
      • e impedir o acesso de outras.
    • Materiais celulares Núcleo Possui uma membrana nuclear dupla com poros e localiza-se, geralmente numa posição central. No seu interior distinguimos o ADN e proteínas sob a forma de cromossomas. O ADN é o material hereditário da célula e controla as suas actividades. O ADN possui todas as informações para a actividade da célula. Diferenciamos no interior do núcleo uma massa mais densa de ARN e proteínas e que designamos de nucléolo (c). É no núcleo que encontramos organizada a informação genética sob a forma de cromossomas.  
      • Materiais celulares
      • Citoplasma
      • Substância que se encontra para no interior da membrana, excluindo o núcleo. Trata-se de uma matriz fluida onde se encontram, em suspensão, os organitos celulares, as inclusões e onde observamos um conjunto de microtúbulos que formam um citosqueleto que suporta a célula. É no citoplasma que ocorrem grande parte das reacções químicas.
      • Materiais celulares
      • Ribossomas
      • Produzidos no nucléolo, encontram-se agrupadas no citoplasma. Os ribossomas são locais de síntese proteica. Existem na variedade de ribossomas livres ou associados ao retículo endoplasmático.
      • Retículo Endoplasmático
      •  
      • Resulta duma extensão da membrana nuclear interna formando túbulos e sáculos (cisternas) através da célula. Pode surgir associado a ribossomas, designando-se de retículo rugoso, constituindo o local da síntese proteíca. O retículo liso não possui ribossomas e encontra-se envolvido na produção de lípidos (estrogénios e cortisol, etc.) e no armazenamento de cálcio.
      • Materiais celulares
      • Aparelho de Golgi
      • Resulta numa série de cisternas empilhadas (tipo pilha de pratos de sopa) que funcionam como central de assemblagem, isto é, local onde se modificam e acondicionam lípidos e proteínas.
      • Mitocôndrias
      • Principal organito responsável pela produção de ATP. Apresentam uma membrana externa lisa e uma membrana interna pregueada, formando cristas.
      • As mitocôndrias possuem o seu próprio ADN, podendo produzir algumas das suas próprias proteínas e replicar-se independentemente da célula.
    • Membrana celular Núcleo Citoplasma Ribossomas Retículo endoplasmático Aparelho de golgi Mitocôndrias
    • Processos Vitais Organitos Anabólico Retículo Endoplasmático Rugoso Retículo Endoplasmático Liso Metabolismo Catabólico Mitocôndria Lisossomas Condutibilidade Membrana Celular Citosqueleto Retículo Excitabilidade Membrana Celular Crescimento Retículo Endoplasmático Diferenciação Núcleo Reprodução Núcleo
    • A- Tecido Epitelial B- Tecido Conjuntivo C- Tecido Muscular D- Tecido Nervoso Existem quatro tipos de tecido no corpo humano:
    • Tecido Epitelial Os diversos tipos de tecido epitelial são denominados de acordo com o formato da célula da camada superficial. As células de um tecido mantêm-se unidas por uma membrana basal e por fibras intercelulares. Este tecido recebe nutrientes por difusão, já que não possuem vasos sanguíneos. Simples escamoso Simples cubóide
    • Tecido Epitelial de revestimento Simples colunar Pseudo-estratificado Estratificado escamoso
    • Tecido Epitelial de revestimento Estratificado de transição… Estratificado colunar … contraido … distendido
    • Tecido Epitelial de revestimento Glandular exócrino Glandular endócrino Os epitélios glandulares produzem e segregam substâncias que são lançadas directamente no sangue (Glândulas Endócrinas) ou lançam as suas secreções para o exterior através de ductos (Glândulas Exócrinas).
    • O Epitélio de revestimento forma uma barreira entre o meio exterior e os tecidos internos. 1 - Epiderme: reveste a superfície corporal 2 - Mucosas: revestem as zonas de transição entre o meio externo e o meio interior; Exemplos:
    • 3 - Serosas: Revestem as cavidades internas Meninges (Cavidade craneana) Pleura (Pulmões) Pericárdio (Coração) Peritoneu (Cavidade abdominal) 4 - Sinoviais: Revestem internamente as cápsulas articulares das diartroses 5 - Bursas: Asseguram a protecção em zonas de atrito entre superfícies ósseas e estruturas tendinosas e ligamentares. Exemplos:
    • O tecido conjuntivo diferencia-se dos restantes três tipos de tecidos pelo facto de ser constituído por células , separadas entre si por uma abundante matriz extracelular. Tecido conjuntivo
      • Características estruturais:
      • 1 - Células
      • A matriz extracelular do tecido conjuntivo resulta da actividade das células. As células identificam-se com sufixos que identificam as suas funções, ou sejam:
      • .. blastos : criam a matriz
      • .. citos : mantêm a matriz
      • .. clastos : degradam a matriz.
      2 - Matriz extracelular A matriz possui três componentes principais: a) Fibras proteicas b) Substância fundamental constituída por proteínas não fibrosas e por outras moléculas c) Líquido
      • 3 - Fibras proteicas da matriz
      • Basicamente são três tipos: colagénio, reticulina e elastina.
      • As fibras de colagénio
      • assemelham-se a cordas, sendo muito resistentes e flexíveis, mas pouco extensíveis. Assim, são características de tecidos conjuntivos em que há necessidade de suportar elevadas tensões, como acontece, por exemplo, nos tendões e ligamentos.
      • As Fibras de reticulina
      • são fibras finas de colagénio que formam uma intricada rede que suporta outras células e tecidos.
      • As Fibras de elastina
      • possuem uma estrutura semelhante a uma mola, podendo ser distendidas, voltando, depois, às suas dimensões originais.
      Características estruturais:
      • 4 - Outras moléculas da matriz
      • Outros dois tipos de moléculas não proteicas fazem parte da matriz e são muito importantes.
      • Trata-se do:
      • a) Ácido hialorónico
      • http://en.wikipedia.org/wiki/Hyaluronan
      • http://pt.wikipedia.org/wiki/%C3%81cido_hialur%C3%B4nico
      • b) Proteoglicanos.
      • http://pt.wikipedia.org/wiki/Proteoglicano
      Características estruturais: Os tecidos conjuntivos devem as suas características funcionais às características da sua matriz e ao tipo de fibras que a integram. As funções decorrentes dessas especificações dão ao tecido uma adaptação especial para funções de: - Sustentação - Preenchimento - Defesa - Nutrição - Transporte - Reparação
      • Variedades especiais de tecido conjuntivo
      1 - Tecido adiposo (nutrição, preenchimento, defesa) É um conjuntivo especial em que as células (adipócitos) preenchidas com lípidos são envolvidas por muito pouca matriz extracelular. Este tecido funciona como: - Armazenador de energia sob a forma de lípidos - Isolador térmico - Protecção mecânica 2 - Tecido hematopoiético (reparação) É outra variedade especial de tecido conjuntivo. Encontra-se maioritariamente na medula óssea e reconhecem-se dois tipos: amarelo e vermelho. A variedade amarela é constituída predominantemente por tecido adiposo amarelo. A variedade vermelha é constituída pela medula vermelha que produz glóbulos vermelhos (eritrócitos) e glóbulos brancos (leucócitos).
      • Variedades especiais de tecido conjuntivo
      • 3 - Tecido Ósseo (Sustentação e Protecção).
      • Trata-se de um tecido conjuntivo duro constituído por células e por uma matriz mineralizada.
      • A matriz óssea possui uma parte orgânica, rica em proteínas, especialmente o colagénio, e uma parte inorgânica constituída por cristais de fosfato de cálcio (hidroxiapatite).
      • As características do colagénio atribuem ao osso as suas qualidades de elasticidade, enquanto a parte inorgânica lhe confere as suas qualidades de dureza.
      • Ao contrário da cartilagem, o osso é muito vascularizado, facto a que é devida a sua elevada capacidade de restauração.
      • Variedades especiais de tecido conjuntivo
      • 4 - Sangue (Transporte, Defesa, Reparação)
      • O sangue é um conjuntivo com características muito específicas.
      • A sua matriz, contrariamente a todas as restantes, é líquida e permite que as suas células se desloquem livremente, consentindo o fluxo do tecido pelo organismo no transporte de nutrientes, produtos de excreção, dissipação do calor, etc.
      • Contrariamente aos outros tecidos, a maior parte da matriz do sangue (plasma) não é produzida pelas células do próprio tecido, mas provém de outros tecidos.
    • Tecido conjuntivo Conjuntivo frouxo Conjuntivo adiposo Conjuntivo fibroso regular
    • Conjuntivo fibroso irregular Conjuntivo elástico Conjuntivo reticular
    • Conjuntivo (sustentação) cartilagem hialina Conjuntivo (sustentação) elástico Conjuntivo (sustentação) fibrocartilagem
    • Tecido muscular Conjunto de células (fibras musculares) especializadas na capacidade de se contraírem, encurtando até um terço o comprimento original do músculo. Estrutural e funcionalmente podemos identificar três tipos de músculos com as seguintes características. Variedades Estriado Liso Características Esquelético Cardíaco Localização Insere-se nos ossos Coração Parede dos orgãos ocos, vasos sanguíneos, olhos, glândulas e pele Forma da célula Muito longas e cilindricas Cilindricas e ramificadas Fusiformes Núcleo Multinucleadas (sincício verdadeiro) e periféricos Único e central Único e central Estriação Sim Sim Não Controlo Nervoso Voluntário Automático Involuntário Função Produção de Movimento Contracção do miocárdio e bombeamento do sangue Movimentos dos alimentos no tubo digestivo, esvaziamento da bexiga, regulação do diâmetro dos vasos sanguíneos, mudança do tamanho da pupila, contração de muitos canais glandulares, movimento dos pêlos, etc.
    • Tecido muscular Cardíaco Esquelético Liso
    • Constitui o tecido especializado na condução de sinais eléctricos denominados potenciais de acção. As células que permitem a este tecido a elevada condutibilidade designam-se por neurónios ou células nervosas . Tratam-se de células tão especializadas que perderam a sua função regeneradora. Quer dizer que, se perdemos células nervosas, elas não voltarão a ser substituídas e as funções que lhe estavam afectas irão progressivamente degradar-se. Tecido nervoso Características estruturais As células nervosas ou neurónios encontram-se no cérebro, na espinal medula nos nervos. A célula nervosa tem uma estrutura base que integra três partes: 1 - Corpo celular (c): onde se localiza o núcleo e se realizam as funções gerais da célula; 2 - Dendritos (d): prolongamento do citoplasma que recebem sinais eléctricos e os conduzem na direcção do corpo celular; 3 - Axónio (d): Conduzem os potenciais de acção para fora do corpo celular; 4 - Botão terminal (b): Zona de realização da transmissão do impulso.