• Save
Crioterapia
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Crioterapia

on

  • 35,846 views

Documento de apoio ao curso de Massagem Terapêutica.

Documento de apoio ao curso de Massagem Terapêutica.

Statistics

Views

Total Views
35,846
Views on SlideShare
35,751
Embed Views
95

Actions

Likes
21
Downloads
0
Comments
0

3 Embeds 95

http://www.slideshare.net 93
http://webcache.googleusercontent.com 1
http://twitter.com 1

Accessibility

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

Crioterapia Crioterapia Presentation Transcript

  • Crioterapia Hugo Pedrosa 2009
  • Crioterapia A utilização do frio com objectivos terapêuticos denomina-se CRIOTERAPIA. Possui indicação no tratamento do trauma agudo e da lesão subaguda e para diminuir o desconforto após exercício e reabilitação. Hugo Pedrosa 2009
  • Crioterapia Indicações - Durante a inflamação aguda ou subaguda - Dor aguda - Dor crónica - Controle da hemorragia e edema (inchaço) - Pontos-gatilho miofasciais - Tensão muscular aguda - Torção ligamentar aguda - Contusão aguda - Bursite - Tenosinovite - Tendinite Hugo Pedrosa 2009
  • Crioterapia Efeitos fisiológicos na área de aplicação: - Vasoconstrição que limita a passagem da corrente sanguínea - Diminuição da dor - Diminuição do espasmo muscular - Diminuição da excitabilidade muscular - Diminuição da despolarização do fuso muscular - Diminuição do fluxo linfático - Diminuição do metabolismo - Diminuição da velocidade de condução nervosa - Diminuição da formação /acumulação de edema Hugo Pedrosa 2009
  • Fases sensoriais: Crioterapia - Quando a crioterapia é utilizada o indivíduo passa por uma progressão sensorial que se inicia com o reconhecimento da sensação de frio. - Passados 4 a 5 minutos, a área de aplicação começa a “arder” e uma sensação de dor está normalmente associada. - 7 a 10 minutos depois a zona está adormecida. Esta fase significa que os efeitos fisiológicos do frio foram alcançados no tecido a ser tratado. Neste momento, o terapeuta pode decidir terminar a aplicação, ou manter o tratamento (aprofundando o efeito) por mais 5 a 10 min, ou realizar algum alongamento ligeiro e/ou exercícios dinâmicos. Fases sensoriais comuns na aplicação de gelo (3 a 4) 1 – Desconfortável sensação de frio 2 – “Ferroada” 3 – Ardor ou comichão 4 – Dormência Hugo Pedrosa 2009
  • Crioterapia Zonas de aplicação: - A utilização do frio sobre regiões pouco profundas, como pulso, mão, pé, dedos deve ter a duração de 5 a 10 minutos. - Quando a aplicação é sobre áreas mais densas como o quadríceps ou isquiotibiais, a duração pode ir até aos 15/20 min. - Os tratamentos de crioterapia não devem prolongar-se por mais de 30 minutos com risco de congelarmos o tecido (frostbite). Hugo Pedrosa 2009
  • Crioterapia Justificações para a sua aplicação - Quando pensamos nos efeitos da crioterapia, é fácil perceber porque é que constitui a modalidade terapêutica preferida durante a fase aguda do ciclo de cicatrização. - A crioterapia alcança os objectivos da fase aguda, criando vasoconstrição para ajudar a controlar a hemorragia, diminuir o edema primário e para interromper o ciclo dor-espasmo. - A dor diminui pelos alterações provocadas ao nível dos impulsos nervosos. - Ao diminuir o espasmo e a dor estamos a criar condições para o início precoce do movimento activo (melhorias na amplitude de movimento). - Os benefícios mais importantes do movimento activo durante a fase aguda é a redução do edema pelo facto de existir contracção muscular (através da facilitação linfática e venosa associada). Hugo Pedrosa 2009
  • Crioterapia - Não esquecer que na fase sub-aguda da cicatrização, o movimento activo é essencial para a criação de um tecido cicatricial bem organizado. CRIOCINÉTICA - Esta técnica que combina gelo e movimento, pode ser utilizada ao longo do ciclo de lesão em vez de mudarmos para uma modalidade de calor (durante as fases sub-aguda e de maturação. - Esta modalidade tem mostrado a sua eficácia, quando comparada com modalidades de calor no decurso do retorno de uma atleta à actividade. Hugo Pedrosa 2009
  • Crioterapia Métodos – O quadro seguinte mostra algumas formas diferenciadas de crioterapia, com vantagens e desvantagens associadas. A maior parte dos técnicos utiliza preferencialmente os sacos e a massagem com gelo. Comparação entre métodos de crioterapia Método Vantagens Desvantagens Integração com a massagem Spray Fácil e preciso Efeito superficial Apenas nas formas de Requer treino específico spray/alongar (pontos-gatilho) Saco de gelo Efeito terapêutico ao nível Arrefecimento pouco equilibrado Após a fricção transversa muscular na área. A possibilidade de molhar profunda. Após a gestão de alguma zona. cãibras. Para reduzir dores e espasmo antes do exercício terapêutico. Pack de gel Fácil de utilizar em casa. Efeito Perde temperatura facilmente. Igual ao saco de gelo. terapêutico ao nível muscular Desenvolve gelo na superfície externa. Turbilhão frio Arrefecimento equilibrado e Não está disponível em todos os Igual ao saco de gelo. considerável principalmente em ambientes de trabalho. Não volta de articulações. Efeito conjuga compressão, elevação ou terapêutico ao nível muscular. massagem em outras áreas ao mesmo tempo. Massagem com gelo Isola a área precisa de tratamento. O técnico não pode continuar a Antes e após a fricção transversa Fácil de utilizar em casa. Efeito trabalhar noutra área durante a profunda. Pode substituir o spray terapêutico ao nível muscular. massagem com gelo. na técnica de spray/alongar Hugo Pedrosa 2009
  • Crioterapia Contra-indicações - Circulação insuficiente - Doença vascular periférica - Hipersensibilidade ao frio - Anestesia da pele - Feridas abertas ou problemas de pele - Infecção - Síndrome de Raynaud Hugo Pedrosa 2009
  • Crioterapia Material - Copos de gelo de vários formatos - Toalhas para absorção da água que derrete - Algum apoio se necessário Posições normais 1 – Lateral 2 – Prona 3 – Supina 4 – Sentado 5 – Outras modificadas Hugo Pedrosa 2009
  • Crioterapia Aplicação 1 - Padrão circular onde cada círculo que se sucede cobre metade da passagem anterior. 2 - Num movimento longitudinal onde cada passagem se sobrepõe à metade da passagem anterior. - Duração 15 a 20 minutos (dependente da zona). - Normalmente inclui-se um padrão de passagens circulares e longitudinais. - O tratamento padrão permite ao paciente colocar aplicações frias de 2 em 2 horas. - Não esquecer que normalmente a progressão para a dormência ocorre entre os 7 e os 10 minutos. Hugo Pedrosa 2009
  • Crioterapia Bibliografia recomendada Hugo Pedrosa 2009
  • Crioterapia Actividade proposta: Após respectivo enquadramento teórico, os formandos demonstram proficiência na aplicação de Massagem com Gelo combinado com trabalho neuromuscular no músculo tricipete. Hugo Pedrosa 2009