II Ciclo de Conferências Arte e Tecnologia

499 views

Published on

Conferência sobre comunicação móvel realizada no dia 08/07/2009 no Auditório do Cemuni IV - UFES

0 Comments
2 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
499
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
6
Actions
Shares
0
Downloads
15
Comments
0
Likes
2
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

II Ciclo de Conferências Arte e Tecnologia

  1. 1. II Ciclo de Conferências Arte e Tecnologia Isto não é (e nunca foi) um telefone? Prof. Hugo Cristo, Msc. - Mestre em Psicologia pelo ppgp-ufes Departamento de Desenho Industrial - car/ufes (em breve) www.hugocristo.com.br / hugocristo@gmail.com / follow @hugocristo
  2. 2. Isto não é (e nunca foi) um telefone?
  3. 3. Isto não é (e nunca foi) um telefone? Robert Hooke: Telefone de cordel (séc XVII) // Dom Gauthley: sistema de propagação da voz por tubos metálicos (1682) // Michael Faraday: vibrações em peças de ferro podem ser convertidas em impulsos elétricos (1831) // Charles Wheatstone: transmissão de tons musicais por meio de hastes metálicas // Samuel Morse: telégrafo (1844).
  4. 4. Isto não é (e nunca foi) um telefone? Patente de Alexander Graham Bell (1876): “método e o aparelho para transmitir a voz e outros sons telegraficamente [...] pelas variações da corrente elétrica, similares na forma às variações do ar, que acompanham cada palavra pronunciada ou outros sons.”
  5. 5. Isto não é (e nunca foi) um telefone? Patente do telephonio por Elisha Gray (1876): “1) o instrumento que transmites os sons; 2) os fios condutores que vão a uma distância determinada; 3) o aparelho que recebe os sons transmitidos.”
  6. 6. Isto não é (e nunca foi) um telefone? Chamadas realizadas principalmente por operadores em centrais telefônicas manuais até o início do séc. XX // Padre brasileiro Landell de Moura: pioneiro na tranmissão de sinais telefônicos sem fio em 1893, entre a Av. Paulista e o alto de Santana (8Km);
  7. 7. Isto não é (e nunca foi) um telefone? O Brasil adota em 1984 o modelo americano amps de telefonia celular analógica e o serviço torna- se disponível no rj e bsb (1990), rs (1992), ba e sp (1993). O número de usuários brasileiros salta de 667 em 1990 para 157.501.813 em Maio/2009, atingindo uma proporção de 82,44 celulares para cada 100 habitantes. (Fonte: Teleco) eua: 136.8 // Finlândia: 160.22 // Venezuela: 118,72 // Índia: 32.60 // China: 32.60 (Fonte: ITU)
  8. 8. Isto não é (e nunca foi) um telefone? O que é Telefonia Celular: dispositivo (hardware) que somado a programas de computador (software), estrutura física de transmissão e recepção de dados e serviços de atendimento e gestão, compõe a chamada telefonia celular móvel.
  9. 9. Isto não é (e nunca foi) um telefone? Definições sociais (Plant, 2001): na França, le portable ou le G; na Finlândia, kanny (extensão da mão); Alemanha, handy (útil); Espanha, le movil; eua, cell phone; Árabes, telephone sayaar ou makhmul (portáteis) ou telephone gowal (telefone pelo ar); Tailândia, moto; Japão, keitai denwa (telefone de carregar) ou keitai e ke-tai; China, sho ji (máquina de mão) e dageda (big brother, grande irmão).
  10. 10. Telefone no carro (TV e cinema, anos 80) Motorola Dynatac (1983) Motorola Microtac (1989)
  11. 11. Isto não é (e nunca foi) um telefone? O celular no meio social: localização individualizada x geográfica // quebra da linearidade da sucessão de papéis // enfraquecimento de laços estáticos e fortalecimento de redes descentralizadas e dinâmicas // simultaneidade de espaços // intimidade tecnológica // celular como extensão do corpo humano e do self.
  12. 12. Isto não é (e nunca foi) um telefone? O celular como objeto: exibição pública de celulares x projeção das identidades // homens e mulheres exibem comportamentos distintos no uso conjunto do celular // “stagephoning”
  13. 13. Isto não é (e nunca foi) um telefone? O celular como mediador da comunicação: microcoordenação // hipercoordenação // remediação // novas tecnologias e produção de subjetividades.
  14. 14. Penduricalhos para celular Stickers, papéis de parede, ringtones
  15. 15. Afinal o que é um celular? (crash course)
  16. 16. Comunicação instantânea Assistente pessoal Computador de bolso
  17. 17. Serviços: notícias, bancos, mídia Georreferenciamento + serviços
  18. 18. Objeto de desejo Plataforma de games
  19. 19. Mixer para DJs Instrumento Musical (Moog)
  20. 20. Comércio eletrônico / pagamentos digitais
  21. 21. Afinal o que pode ser um celular? (introdução ao everywhere design)
  22. 22. Afinal o que pode ser um celular? Computação ubíqua (pervasive/ubiquitous computing, ubicomp): o processamento das informações do dia-a-dia integrado aos objetos que usamos e atividades que desempenhamos. // Pesquisas em ubicomp propoem dispositivos inteligentes que poderiam ser vestidos (wearables), embutidos no ambiente, usados de forma transparente na interação com o meio etc.
  23. 23. Afinal o que pode ser um celular? Everywhere design: o design integrado ao ambiente e às atividades do dia-a-dia deve lidar com questões de privacidade/disponibilidade do sistema, transparência para o usuário, afastamento do pc em direção a outros dispositivos. // Acontece na escala do corpo humano, da sala, do prédio, da rua, do espaço público. // Já está presente em vários dispositivos que vão se comunicar cada vez com maior intensidade e frequência.

×