• Share
  • Email
  • Embed
  • Like
  • Save
  • Private Content
Caravana da acessibilidade - Itu / Abril 2013
 

Caravana da acessibilidade - Itu / Abril 2013

on

  • 682 views

Terceira ação de acessibilidade web dos websites das prefeituras do Governo do Estado De São Paulo no evento da Caravana de Acessibilidade realizada mensalmente pela Secretaria dos Direitos da ...

Terceira ação de acessibilidade web dos websites das prefeituras do Governo do Estado De São Paulo no evento da Caravana de Acessibilidade realizada mensalmente pela Secretaria dos Direitos da Pessoa com Deficiência do Governo de São Paulo

Statistics

Views

Total Views
682
Views on SlideShare
659
Embed Views
23

Actions

Likes
1
Downloads
2
Comments
0

3 Embeds 23

http://metanave.blogspot.com.br 20
http://metanave.blogspot.com 2
http://www.metanave.blogspot.com.br 1

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

CC Attribution License

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    Caravana da acessibilidade - Itu / Abril 2013 Caravana da acessibilidade - Itu / Abril 2013 Document Transcript

    • http://www.uvesp.com.br http://www.pessoacomdeficiencia.sp.gov.br 1Acessibilidade WebDesde o dia 22 de março, a Caravana da Inclusão, Acessibilidade e Cidadania, uma iniciativada Secretaria de Estado dos Direitos da Pessoa com Deficiência, juntamente com a UVESP (Uniãodos Vereadores do Estado de São Paulo), tem realizado a sua quarta edição em dez cidades dointerior paulista.A Caravana consiste em uma série de encontros regionais, com o objetivo de conscientizar osparticipantes sobre os direitos das pessoas com deficiência, que incluem: educação inclusiva, trabalho,cidadania, reabilitação, entre outros.A Caravana é aberta ao público, as inscrições são gratuitas e podem ser realizadas na abertura decada evento.
    • http://www.uvesp.com.br http://www.pessoacomdeficiencia.sp.gov.br 2O objetivo é fomentar políticas públicas que assegurem a cidadania e os direitos das pessoas comdeficiência. A Caravana também apresenta ao público as ações e programas da Secretaria voltados àspessoas com deficiência.Além do fomento a políticas públicas que assegurem a cidadania e os direitos das pessoas comdeficiência, a Caravana é um momento de diálogo, onde a comunidade tem a oportunidade de apresentarseus destaques. É uma grande festa!O terceiro município a receber os encontros será Itu. A Caravana consiste em uma série deencontros regionais, com objetivo de conscientizar os participantes sobre os direitos das pessoas comdeficiência, que incluem: educação, trabalho, cidadania, reabilitação, entre outros.Sendo assim, iniciamos o projeto “Meu Site Acessível”, onde a ideia é mostrar ao gestor osbenefícios de ter um site oficial do município acessível a todos.Foi realizada uma avaliação da acessibilidade web dos sites da Secretaria dos Direitos da Pessoacom Deficiência (http://www.pessoacomdeficiencia.sp.gov.br/) em relação ao site da cidade deBebedouro (http://www.itu.sp.gov.br) e explicamos como se adequar a legislação existente.A necessidade deste projeto vem da pesquisa do consorcio internacional W3C, sobre a adoção dospadrões de acessibilidade web mundial, onde que em 2010, verificou que 98% das páginas de governo e95% das páginas de governo federais não eram acessíveis nos padrões de acessibilidade mundial. Em2012, o W3C refez a pesquisa e 95% das páginas de governo e 93% das páginas de governo federaiscontinuavam inacessíveis para as pessoas com deficiência.Importância da Acessibilidade Digital ao seu município.Hoje, o mundo em que vivemos está cada vez mais permeado pelas tecnologias da informação ecomunicação, que impactam a esfera social, política, econômica, educacional, cultural e, sobretudo,pessoal, transferindo diversas atividades e serviços do presencial para o virtual.A desigualdade na utilização das ferramentas digitais e dos conteúdos on-line restringe o potencialde crescimento de um país, pois não permite a apropriação do conhecimento pelas populações de baixarenda e pouca instrução, deixando-as à margem da vida contemporânea.Pela democratização do acesso à informação é possível promover uma distribuição maisequilibrada das oportunidades e benefícios do desenvolvimento econômico, propiciando um modelo decrescimento mais justo e sustentável.
    • http://www.uvesp.com.br http://www.pessoacomdeficiencia.sp.gov.br 3Este tutorial tem o objetivo de orientar gestores, funcionários e cidadãos os critérios deacessibilidade digital, assim como instruí-los com relação como ampliar o acesso acessível dasinformações às pessoas com deficiência, que, de acordo com os dados do IBGE (Censo 2010),correspondem a 23,91% da população brasileira, ou seja, 45,6 milhões de pessoas no país e 9 milhões noEstado de São Paulo.Nesse cenário, para que não se incorra em exclusão, é fundamental que os sites governamentais,assim como todos os espaços de utilização pública, sejam plenamente acessíveis, cumprindo a lei vigentee, mais importante, seu papel intrínseco de promoção da inclusão.Acessibilidade Digital representa o uso de comandos e mecanismos em hardwares e softwaresque facilitam sua operação por usuários que tenham algum tipo de deficiência. No caso de conteúdosdigitais e da Internet, além da acessibilidade operacional, há a necessidade de se garantir a acessibilidadeàs informações disponibilizadas, por intermédio de sistemas plenamente navegáveis, textos que permitamampliação do tamanho dos caracteres e sua vocalização por programas de leitura, descrição de imagens eaudiodescrição de vídeos.O conteúdo deste tutorial não esgota as informações sobre o tema, mas apresenta linhas gerais ereferências concretas para nortear tanto a construção ou a adaptação de um website acessível.O município deve se preocupar com a questão da acessibilidade digital, primeiramente devido osnúmeros do IBGE em 2010, onde aponta que dos 154.147 cidadãos que residem na cidade de Itu,37.772 cidadãos se declararam com alguma deficiência (quase 24,5 % da população).Foram 22.748 cidadãos que se declaram com algum tipo de deficiência visual, sendo: 494pessoas cegas, 3.032 pessoas que possuem grande dificuldade para enxergar, e 19.222 pessoas comalguma dificuldade em sua visão.Foram 5.347 cidadãos que se declaram com algum tipo de deficiência auditiva, sendo: 185pessoas surdas, 1.020 pessoas que possuem grande dificuldade para ouvir, e 4.142 pessoas com algumadificuldade em sua audição.
    • http://www.uvesp.com.br http://www.pessoacomdeficiencia.sp.gov.br 4Foram 7.822 cidadãos que se declaram com algum tipo de deficiência motora, sendo: 643pessoas que não se locomove, 2.045 pessoas que possuem grande dificuldade para andar, e 5.134 pessoascom alguma dificuldade em sua locomoção.Foram 1.855 cidadãos que se declaram com algum tipo de deficiência mental / intelectual.O outro quesito que obriga o município a estabelecer políticas públicas de promoção daacessibilidade web, é devido à legislação constar esta obrigação:Considerando o artigo 5º da Constituição da República Federativa do Brasil de 1988, quemenciona que “Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo-se aosbrasileiros e aos estrangeiros residentes no País a inviolabilidade do direito à vida, à liberdade, àigualdade, à segurança e à propriedade, em especial o inciso XXXIII, que todos terão direito a receber dosórgãos públicos informações de seu interesse particular, ou de interesse coletivo ou geral, que serãoprestadas no prazo da lei, sob pena de responsabilidade, ressalvadas aquelas cujo sigilo sejaimprescindível à segurança da sociedade e do Estado;”Considerando a Lei n.o10.098, de 19 de Dezembro de 2000, que em seu artigo 2º, alínea d,dispõe sobre barreiras nas comunicações, que qualquer entrave ou obstáculo que dificulte ou impossibilitea expressão ou o recebimento de mensagens por intermédio dos meios ou sistemas de comunicação,sejam ou não de massa; devem ser minimizados.Com ênfase no Capítulo VII (Da Acessibilidade nos Sistemas de Comunicação e Sinalização) emseu artigo 17, que estabelece que o Poder Público promoverá a eliminação de barreiras na comunicação eestabelecerá mecanismos e alternativas técnicas que tornem acessíveis os sistemas de comunicação esinalização às pessoas com deficiência sensorial e com dificuldade de comunicação, para garantir-lhes odireito de acesso à informação, à comunicação, ao trabalho, à educação, ao transporte, à cultura, aoesporte e ao lazer.Considerando o Decreto n.º 5.296 de 2 de Dezembro de 2004, em seu Capítulo VI - Do Acesso àInformação e à Comunicação estabelece que:“Artigo 47: No prazo de até doze meses a contar da data de publicação deste Decreto, seráobrigatória a acessibilidade nos portais e sítios eletrônicos da administração pública na rede mundial decomputadores (internet), para o uso das pessoas portadoras de deficiência visual, garantindo-lhes o plenoacesso às informações disponíveis.
    • http://www.uvesp.com.br http://www.pessoacomdeficiencia.sp.gov.br 5§ 1oNos portais e sítios de grande porte, desde que seja demonstrada a inviabilidade técnica de seconcluir os procedimentos para alcançar integralmente a acessibilidade, o prazo definido no caput seráestendido por igual período.§ 2oOs sítios eletrônicos acessíveis às pessoas portadoras de deficiência conterão símbolo querepresente a acessibilidade na rede mundial de computadores (internet), a ser adotado nas respectivaspáginas de entrada.§ 3oOs telecentros comunitários instalados ou custeados pelos Governos Federal, Estadual,Municipal ou do Distrito Federal devem possuir instalações plenamente acessíveis e, pelo menos, umcomputador com sistema de som instalado, para uso preferencial por pessoas portadoras de deficiênciavisual.”“Artigo 48: Após doze meses da edição deste Decreto, a acessibilidade nos portais e sítioseletrônicos de interesse público na rede mundial de computadores (internet), deverá ser observada paraobtenção do financiamento de que trata o inciso III do art. 2o.”Reconhecendo a importância da acessibilidade aos meios de informação e comunicação, parapossibilitar às pessoas com deficiência o pleno gozo de todos os direitos humanos e liberdadesfundamentais, o artigo 9º, alínea “g”; da Convenção da ONU sobre os Direitos das Pessoas comDeficiência, a fim de promover o acesso de pessoas com deficiência a novos sistemas e tecnologiasda informação e comunicação, inclusive à Internet.O artigo 21, alínea “c”, menciona a necessidade de urgir as entidades privadas que oferecemserviços ao público em geral, inclusive por meio da Internet, a fornecer informações e serviços emformatos acessíveis, que possam ser usados por pessoas com deficiência;Considerando a aprovação, nos termos do § 3º do art. 5º da Constituição Federal, do texto daConvenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência e de seu Protocolo Facultativo, assinados emNova Iorque, em 30 de março de 2007, pelo Decreto Legislativo n.º 186, de 09 de Julho de 2008, que foipromulgado pelo Decreto n.º 6.949, de 25 de Agosto de 2009.Considerando o Decreto n.º 7.185, de 27 de Maio de 2010, que dispõe sobre o padrão mínimo dequalidade do sistema integrado de administração financeira e controle, no âmbito de cada ente daFederação, nos termos do art. 48, parágrafo único, inciso III, da Lei Complementar n.º 101, de 4 deMaio de 2000, destinado ao governo federal.
    • http://www.uvesp.com.br http://www.pessoacomdeficiencia.sp.gov.br 6Que em seu Artigo 4.o relata da exigência de características adicionais no âmbito de cada ente daFederação, na disponibilização ao cidadão de informações de todos os Poderes e órgãos do ente daFederação de modo consolidado, permitindo o armazenamento, a importação e a exportação de dados; epossuir mecanismos que possibilitem a integridade, confiabilidade e disponibilidade da informaçãoregistrada e exportada.Além da utilização, preferencialmente, aos padrões de arquitetura e-PING – Padrões deInteroperabilidade de Governo Eletrônico (Artigo 5.º) e a disponibilização das informações em meioeletrônico de acesso público ao conjunto de recomendações para acessibilidade dos sítios e portais dogoverno brasileiro, o e-MAG - Modelo de Acessibilidade de Governo Eletrônico (Artigo 6.º).Considerando a Lei n.º 12.527, de 18 de Novembro de 2011, que dispõe sobre os procedimentosa serem observados pela União, Estados, Distrito Federal e Municípios, com o fim de garantir o acesso ainformações ao cidadão previsto no inciso XXXIII do art. 5o, no inciso II do § 3º do art. 37 e no § 2º doart. 216 da Constituição Federal, que em seu artigo 8 § 3o “Os sítios de que trata o § 2o deverão, na formade regulamento, atender, entre outros, aos seguintes requisitos:III - adotar as medidas necessárias para garantir a acessibilidade de conteúdo para pessoas comdeficiência, nos termos do art. 17 da Lei no10.098, de 19 de dezembro de 2000, e do art. 9oda Convençãosobre os Direitos das Pessoas com Deficiência, aprovada pelo Decreto Legislativo no186, de 9 de julhode 2008.Sendo assim, baseado no artigo 31 da Convenção da ONU sobre os Direitos das Pessoas comDeficiência que estabelece a formulação e implementação de políticas públicas destinadas a colocar emprática a presente convenção, auxiliamos o Gestor do Município na aplicabilidade das questões daacessibilidade web, com uma analise virtual e de forma automática do site oficial do município emrelação a acessibilidade web:
    • http://www.uvesp.com.br http://www.pessoacomdeficiencia.sp.gov.br 7Abaixo a descrição completa da análise da acessibilidade web da cidade de Itu:Figura 1: Site da cidade de ItuNo quesito da Acessibilidade Web, utilizando o validador brasileiro DaSilva (WCGA 1.0),onde é possível analisar a acessibilidade web de qualquer site.Lembramos que DaSilva utiliza como resultado a quantidade de erros e avisos em cada uma dastrês prioridades, sendo que para um site ter êxito em sua validação, precisa ter zero (0) erros nas trêsprioridades (1,2 e 3), resultando um selo de acessibilidade para o referido site, conforme a imagem 2 dosite da Secretaria dos Direitos da Pessoa com Deficiência.A Prioridade 1, são os pontos que os criadores de conteúdo Web devem satisfazer inteiramente. Senão o fizerem, um ou mais grupos de usuários ficarão impossibilitados de acessar as informações contidasno documento. A satisfação desse tipo de pontos é um requisito básico para que determinados grupospossam acessar documentos disponíveis na Web.A Prioridade 2, são os pontos que os criadores de conteúdos na Web deveriam satisfazer. Se não ofizerem, um ou mais grupos de usuários terão dificuldades em acessar as informações contidas nodocumento. A satisfação desse tipo de pontos promoverá a remoção de barreiras significativas ao acesso enavegação de documentos disponíveis na Web.A Prioridade 3, são os pontos que os criadores de conteúdos na Web podem satisfazer. Se não ofizerem, um ou mais grupos poderão se deparar com algumas dificuldades em acessar informações
    • http://www.uvesp.com.br http://www.pessoacomdeficiencia.sp.gov.br 8contidas nos documentos. A satisfação deste tipo de pontos irá melhorar o acesso a documentosarmazenados na Web.Todos os testes do DaSilva têm a sua fundamentação nos antigos padrões WCAG 1.0 do W3C.Figura 2: Analise do Site da Secretaria dos Direitos da Pessoa com Deficiência pelo DaSilva.O site da Secretaria dos Direitos da Pessoa com Deficiência passou na validação e obteve o Selode Acessibilidade Web pela ferramenta DaSilva.Ao analisar a acessibilidade web do site da cidade de Itu, temos como resultado que o site aindanão é acessível, pois o mesmo nos retorna 32 erros na Prioridade 1, 7 erros na Prioridade 2 e 0 errosna Prioridade 3.Figura 3: Erros de Acessibilidade Web pelo DaSilvaA prioridade 1 apresenta 1 erro no código “Html” do site, oriundos da falta de identificação doidioma principal do site e 31 erros pela falta da identificação textual de cada imagem (representaçõesgráficas do texto, incluindo símbolos, GIFs animados, imagens utilizadas como sinalizadores de pontosde enumeração, espaçadores e botões gráficos), na utilização do atributo "alt" ou "longdesc" em cadaimagem e para os scripts deve-se utilizar noscript.
    • http://www.uvesp.com.br http://www.pessoacomdeficiencia.sp.gov.br 9Figura 4: Falta de legendas nas imagens do siteA prioridade 2 apresenta 2 erros no código “Html” do site, oriundos da falta do uso de unidadesrelativas ("em", "ex" ou em porcentagem); utilizar elementos de cabeçalho de forma lógica, organizandoo conteúdo de acordo com uma hierarquia; 2 erros de utilizar o elemento "label" juntamente com oatributo "id" para associar os rótulos aos respectivos controles dos formulários. Assim, os leitores de telaassociarão os elementos do formulário de forma correta. Usando o comando "label" as pessoas que usamleitores de tela não terão problemas ao ler o formulário. Caso haja grupos de informação, controles, etc, aestes devem estar devidamente diferenciados, seja por meio de espaçamento, localização ou elementosgráficos; 1 erro de incluir caracteres pré-definidos de preenchimento nas caixas de edição e nas áreas detexto, até que os navegadores tratem corretamente os controles vazios; 2 erros em programasinterpretáveis, especificando respostas a eventos, preferindo as rotinas dependentes de dispositivos(mouse, teclado, etc).A prioridade 3 não apresenta erros no código “Html” do site.Realizamos a mesma validação dos sites, em uma ferramenta da Comunidade Europeia que jáutiliza os novos padrões da W3C para acessibilidade web: WCGA 2.0, denominada Access Monitor.Lembramos que Access Monitor utiliza como resultado um índice, que é uma unidade demedida utilizada em todos os testes do validador e cujo resultado final sintetiza e quantifica o nível deacessibilidade alcançado. O índice está representado numa escala de 1 a 10, representando o valor 10uma adoção plena da boa prática induzida pelo AccessMonitor.
    • http://www.uvesp.com.br http://www.pessoacomdeficiencia.sp.gov.br 10O índice é um indicador que se destina ao uso exclusivo dos criadores do sítio Web, sendo quepara um site ter êxito em sua validação, precisa ter zero erros nos três critérios (A, AA e AAA).Figura 5: Analise do Site da Secretaria dos Direitos da Pessoa com Deficiência pelo AcessMonitorem Março de 2013.Figura 6: Analise do Site da Secretaria dos Direitos da Pessoa com Deficiência pelo AcessMonitorem Abril de 2013.O site da Secretaria dos Direitos da Pessoa com Deficiência obteve como resultado final daacessibilidade web, o índice 7.8, tendo êxito na validação da prioridade AA e AAA. Sendo que houve
    • http://www.uvesp.com.br http://www.pessoacomdeficiencia.sp.gov.br 11uma evolução da acessibilidade referente ao mês passado (Figura 6) em 0.4 pontos, com 1 erro amenos na prioridade A.Na prioridade A, o site teve 2 erros, sendo: Links para contornar blocos de informação: Apresentou 1 erro neste quesito, onde o sitepossui 56 links que não estão de acordo com o Item G123 do WCGA 2.0. O objetivo desteitem é disponibilizar um mecanismo que permita ignorar um bloco de informação,passando para o fim do bloco. O primeiro link do bloco, ou o link imediatamente antes dobloco, move o foco para o conteúdo imediatamente a seguir ao bloco. Ao ativar o link, ofoco do teclado avança para o bloco. Quando existirem vários blocos para ignorar, ousuário passa de bloco em bloco através destes links. Marcação de formulários: Apresentou 1 erro neste quesito, sendo que o formulário deBusca do site não está de acordo com o Item H71 do WCGA 2.0. O objetivo deste item éque os controles de formulário podem ser agrupados, de acordo com a sua afinidade,através do elemento <fieldset>. O primeiro elemento dentro do <fieldset> deve ser o<legend>, o qual serve de etiqueta ou descrição para o grupo de campos.Já ao validar o site da cidade de Itu, obteve como resultado final, o índice 4.1, não tendo êxito navalidação de nenhuma prioridade (A e AAA).Figura 6: Erros de Acessibilidade Web pelo Acess Monitor.Na prioridade A, o site teve 14 erros, sendo:
    • http://www.uvesp.com.br http://www.pessoacomdeficiencia.sp.gov.br 12 Texto alternativo em imagens: Apresentou 1 erro neste quesito, sendo que o site possui37 imagens sem texto alternativo e 13 imagens com texto alternativo incorreto, estando emdesacordo com o Item F65 do WCGA 2.0. O objetivo deste item é que as imagens devemter equivalentes alternativos textuais que descrevam o propósito das imagens. Uso de Javascript: Apresentou 1 erro neste quesito, sendo que o site possui 2manipuladores de eventos, sendo 1 eventos associados a elementos não interativos, estandoem desacordo com o Item F59 do WCGA 2.0. Quando utilizamos elementos genéricoscomo <div> e <span> não possuem um papel pré-definido. Quando se faz uso desteselementos genéricos para criar controles de interface de utilizador em HTML, astecnologias de apoio não dispõem de informação suficiente para descrever e interagir comos controles. Marcação de links, menus e texto dos links: Apresentou 2 erros neste quesito, sendo queo site possui 79 links em que o conteúdo é composto apenas por conteúdo não textual,sendo 12 links em que a imagem está com <alt> nulo, estando em desacordo com o ItemF89 do WCGA 2.0. O objetivo de não se utilizar conteúdo não textual, tal como umaimagem, é que o conteúdo não textual se encontra implementado de tal forma que poderáser ignorado pela tecnologia de apoio. Quando a imagem é o único conteúdo existente nolink, é absolutamente indispensável que essa imagem tenha uma legenda.Também apresentou 1 item de lista utilizados fora das listas, estando em desacordo com oItem H48 do WCGA 2.0. Quando utilizamos elementos <li>, são para definir itens de umalista. As listas não ordenadas (<ul>) e as listas ordenadas (<ol>) são compostas porsequências de elementos <li>. Links para contornar blocos de informação: Apresentou 2 erros neste quesito, onde osite possui 79 links que não estão de acordo com o Item G1 do WCGA 2.0. O objetivodeste item é disponibilizar um mecanismo que permita contornar blocos de informaçõesque se repetem em múltiplas páginas Web, passando diretamente para o conteúdoprincipal. O primeiro item interativo da página Web deve ser um link que nos conduza aoinício do conteúdo principal.Também apresentou 79 links para contornar blocos de conteúdo, estando em desacordocom o Item G123 do WCGA 2.0. O objetivo da utilização dos blocos de conteúdo, é dedisponibilizar um mecanismo que permita contornar blocos de material, saltando para ofim desses mesmos blocos. Marcação de formulários: Apresentou 1 erro neste quesito, onde o site possui2 controles de formulário associado a uma etiqueta (<label>) associadas e sem atributo<title>, estando em desacordo com o Item H65 do WCGA 2.0. O objetivo dos
    • http://www.uvesp.com.br http://www.pessoacomdeficiencia.sp.gov.br 13elementos <label> associados aos elementos <input> asseguram que a informaçãorelacionada com os campos é lida pelos leitores de tela sempre que os campos de ediçãorecebem o foco. O atributo <title> pode ser usado sempre que seja difícil, em termos dedesign, acomodar a <label> ou quando a mesma possa causar confusão. Tambémapresentou 2 formulários, estando em desacordo com o Item H32 do WCGA 2.0. Aintenção com o uso de um botão de envio (<submit Button>) é gerar um pedido HTTP queenvie a informação introduzida num formulário, sendo uma forma adequada de controloque permite aos utilizadores solicitar explicitamente alterações de contexto. Standards W3C: (X)HTML + CSS: Apresentou 1 erro neste quesito, sendo que o sitepossui 29 elementos com atributo <id>, onde 3 atributos <id> possuem valoresduplicados, estando em desacordo com o Item F77 do WCGA 2.0. O objetivo destesvalores duplicados afixados no atributo <id> podem-se tornar problemáticos para osagentes de utilizador, uma vez que os mesmos se apoiam nestes atributos para determinar arelação existente entre as diferentes partes do conteúdo. Elementos e atributos de apresentação/obsoletos: Apresentou 1 erro neste quesito,sendo que o site possui 1 atributo (X)HTML para controle da apresentação visual, estandoem desacordo com o Item G140 do WCGA 2.0. O objetivo destes atributos são paraseparar as camadas de estrutura, funcionalidade e apresentação, permitindo induzir asemântica através de um formato que pode ser programaticamente determinável através dacamada estrutural.Também foi constatado que o site não há elementos para utilização do controle visual daapresentação, estando em desacordo com o Item G115 do WCGA 2.0. O objetivo desteselementos, são que para cada parte de texto que tenha uma função semântica, deve-seexistir correspondência semântica na linguagem de marcação, tendo assim o conteúdomarcado corretamente. Marcação do idioma principal da página: Apresentou 1 erro neste quesito, sendo quenão foi constatado no site, a utilização do atributo <xml:lang>, estando em desacordo como Item H57 do WCGA 2.0. O objetivo deste atributo, é a identificação do idiomapredefinido de um documento através dos atributos <lang> e/ou <xml:lang> doelemento<HTML>.Na prioridade AAA, o site teve 1 erro, sendo: Marcação de links, menus e texto dos links: Apresentou 1 erro neste quesito, sendo queo site possui 79 links, onde 18 links estão com o mesmo texto que apontam destinosdiferentes, estando em desacordo com o Item F84 do WCGA 2.0. Esta ocorrência está
    • http://www.uvesp.com.br http://www.pessoacomdeficiencia.sp.gov.br 14relacionada com uma falha comum em que links como "clique aqui" ou "ver mais"precisam da informação que os rodeia para contextualizar a sua finalidade. Só pelocontexto é possível aos utilizadores distinguir os links e determinar o seu propósito..O próximo passo foi validar os sites conforme o Modelo de Acessibilidade de GovernoEletrônico (e-MAG), e que consiste em um conjunto de recomendações a ser considerado para que oprocesso de acessibilidade dos sítios e portais do governo brasileiro seja conduzido de forma padronizadae de fácil implementação.A primeira versão do e-MAG foi disponibilizada para consulta pública em 18 de janeiro de 2005 ea versão 2.0 já com as alterações propostas, em 14 de dezembro do mesmo ano. Em 2007, a Portaria nº 3,de 7 de maio, institucionalizou o e-MAG no âmbito do Sistema de Administração dos Recursos deTecnologia da Informação – SISP, tornando sua observância obrigatória nos sítios e portais do governobrasileiro, sendo que atualmente esta na terceira versão e-MAG.Para a elaboração da versão 2.0 foi realizado um estudo das regras de acessibilidade através de ummétodo comparativo entre as normas adotadas por diversos países. Também foi realizada uma análisedetalhada das regras e pontos de verificação do órgão internacional WAI/W3C, presentes na WCAG 1.0.Já na versão 3.0 do e-MAG, foi abolido a divisão das recomendações de acessibilidade em níveis deprioridade, sendo que todas as recomendações são igualmente relevantes.Utilizamos uma extensão para o navegador Google Chrome denominado eScanner (ElectronicScanner), que verifica automaticamente o nível de acessibilidade de uma página Web segundo o Modelode Acessibilidade de Governo Eletrônico, o e-MAG em sua versão 3.0, sendo sua versão atual 2.2 edesenvolvido por Victor Adriel Oliveira.Como resultado desta avaliação, é retornado a quantidade de erros e de alertas. Todas asrecomendações que dependem da avaliação manual do usuário da extensão são emitidas como alertas. Játodas as recomendações que podem ser verificadas apenas a partir da análise automática do código fontesão classificadas como erros.Os erros são mostrados em vermelho na janela principal e representam as recomendações quepodem ser verificadas diretamente a partir da análise do código fonte. Por exemplo, todas as imagens nocódigo HTML, segundo as especificações do e-MAG, precisam ter uma descrição através do atributo alt.
    • http://www.uvesp.com.br http://www.pessoacomdeficiencia.sp.gov.br 15A ausência ou ocorrência deste atributo nos elementos imagem pode ser facilmente detectada no códigofonte, logo essa recomendação é classificada como um erro na abordagem utilizada.Ao analisar o site da Secretaria dos Direitos da Pessoa com Deficiência, tivemos comoconclusão preliminar que o site possui 2 erros baseados no e-MAG 3.0, sendo eles: Não abrir novas instâncias sem a solicitação do usuário (Recomendação 9): A decisãode utilizar novas instâncias é do cidadão. Assim, não devem ser utilizadas pop-ups ouabertas novas abas e/ou janelas, por exemplo, que não tenham sido solicitadas pelousuário. Obs: A função alert do javascript não gera um pop-up, mas uma mensagem quepode ser lida por leitores de tela. Agrupar campos de formulário (Recomendação 44): Deverão ser agrupados oscontroles de formulário utilizando-se o elemento fieldset. Para cada fieldset, é possívelfornecer uma legenda que explica claramente o propósito ou natureza dos agrupamentos.Na analise do site da cidade de Itu, tivemos como conclusão preliminar que o site possui 7 errosbaseados no e-MAG 3.0, sendo eles: Utilizar corretamente os níveis de cabeçalho (Recomendação 3): Os níveis decabeçalho devem ser utilizados de forma lógica e semântica para facilitar a leitura ecompreensão. Cada página deverá ter apenas um h1, já os níveis do h2 ao h6 poderão serutilizados mais de uma vez na página. Não abrir novas instâncias sem a solicitação do usuário (Recomendação 9): A decisãode utilizar novas instâncias é do cidadão. Assim, não devem ser utilizadas pop-ups ouabertas novas abas e/ou janelas, por exemplo, que não tenham sido solicitadas pelousuário. Obs: A função alert do javascript não gera um pop-up, mas uma mensagem quepode ser lida por leitores de tela. Garantir que os objetos programáveis sejam acessíveis (Recomendação 10): Uso doelemento <script> sem <noscript>. O script deve ser desenvolvido tomando-se o cuidadopara que seja acessível, e o elemento <noscript> deve ser utilizado para abranger os casosem que scripts não são suportados. Identificar o idioma principal da página (Recomendação 16): Ausência do atributo<lang>. Deve-se identificar o principal idioma utilizado nos documentos. Essaidentificação é feita por meio do atributo lang do HTML e, para documentos XHTML, éutilizado o atributo <xml:lang>. Fornecer alternativa em texto para as imagens do sítio (Recomendação 20): Ausênciado atributo <alt>. Deve ser fornecida uma descrição sintética para as imagens da página,
    • http://www.uvesp.com.br http://www.pessoacomdeficiencia.sp.gov.br 16utilizando-se o atributo alt. Imagens que não transmitem conteúdo, ou seja, imagensdecorativas, devem ser inseridas por CSS. Fornecer alternativa em texto para as zonas ativas de mapa de imagem(Recomendação 21): Ausência do atributo <alt>. Para mapas de imagem do lado docliente, devem ser fornecidas descrições através do atributo alt para cada uma das zonasativas delimitadas pelo atributo coords, ou seja, para cada um dos links que receberá ofoco. Fornecer alternativa em texto para os botões de imagem de formulários(Recomendação 38): Ausência do atributo <alt>. Ao serem utilizados botões do tipoimagem (input type=image), que servem para o mesmo propósito do botão do tipo submit,deve ser fornecida uma descrição textual para o botão através do atributo alt. Agrupar campos de formulário (Recomendação 44): Deverão ser agrupados oscontroles de formulário utilizando-se o elemento fieldset. Para cada fieldset, é possívelfornecer uma legenda que explica claramente o propósito ou natureza dos agrupamentos.Para ampliar a metodologia, realizamos a validação dos códigos dos sites, em especial a Folhade Estilo – CSS e a Marcação do código.Uma folha de estilos é um conjunto de regras que informa a um programa, responsável pelaformatação de um documento, como organizar a página, como posicionar e expor o texto e, dependendode onde é aplicada, como organizar uma coleção de documentos, isto é, oferece aos desenvolvedores umamaneira fácil e eficiente de definir o layout e embelezar uma página com elementos de design, comocores, cantos arredondados, gradientes e animação.Utilizamos uma ferramenta online desenvolvida pela W3C para validação de folha de Estilo( http://jigsaw.w3.org/css-validator/#validate_by_uri), sendo que a intenção é que nos retorne .comoresultado, nenhum erro de validação, possibilitando a utilização do selo de validação de CSS do W3C.O site da Secretaria dos Direitos da Pessoa com Deficiência foi validado com êxito (nenhumerro apresentado), possibilitando a utilização do selo.
    • http://www.uvesp.com.br http://www.pessoacomdeficiencia.sp.gov.br 17Figura 7: Analise do CSS do site da Secretaria dos Direitos da Pessoa com Deficiência.O site da cidade de Itu, apresentou 64 erros em sua validação de folha de estilo, oriundo dautilização valores negativos (Erro de valor : padding-left -10px) em sua estrutura.Figura 8: Analise do CSS do site da cidade de Itu.Já a Marcação é como as páginas da web são escritas em HTML, isto é, uma linguagem deprogramação que informa os navegadores como estruturar e apresentar conteúdo em uma página,fornecendo blocos básicos de construção da web.Utilizamos uma ferramenta online desenvolvida pela W3C para validação da Marcação:http://validator.w3.org/#validate_by_uri.Ao analisar o site da Secretaria dos Direitos da Pessoa com Deficiência foi encontrados 3 errosdurante a validação, sendo eles: Erro de utilização do Atributo "target": Você usou este atributo em seu documento,mas o tipo de documento que você está usando não suporta esse atributo para esseelemento. Este erro é geralmente causado pelo uso incorreto do tipo de documento "Strict"com um documento que usa quadros (por exemplo, você deve usar o tipo de documento"Transição" para obter o atributo "target"), ou usando extensões de fornecedor
    • http://www.uvesp.com.br http://www.pessoacomdeficiencia.sp.gov.br 18proprietários como " marginheight "(isto é, normalmente fixada usando CSS para atingir oefeito desejado em vez disso). Erro de utilização do Atributo "border": Você usou este atributo em seu documento,mas o tipo de documento que você está usando não suporta esse atributo para esseelemento. Este erro é geralmente causado pelo uso incorreto do tipo de documento "Strict"com um documento que usa quadros (por exemplo, você deve usar o tipo de documento"Transição" para obter o atributo "target"), ou usando extensões de fornecedorproprietários como " marginheight "(isto é, normalmente fixada usando CSS para atingir oefeito desejado em vez disso).Estes erros também podem ocorrer se o elemento em si não é compatível com o tipo dedocumento que você está usando, como um elemento indefinido não terá atributossuportados, neste caso, consulte o elemento indefinido mensagem de erro para maisinformações.Como corrigir: verificar a ortografia e caso do elemento e atributo, (Lembre-se XHTML étodo em minúsculas) e / ou verificar que ambos estão permitidos no tipo de documentoescolhido, e / ou usar CSS em vez de este atributo.Se você recebeu este erro ao usar o elemento <embed> para incorporar mídia flash em umapágina da Web, consulte aqui. Uso da tag final de "img" omitido, e a tag OMITTAG não foi especificado: Vocêpode ter esquecido de fechar um elemento, ou talvez você quis dizer com "auto-fechar" umelemento, isto é, terminando com "/>" em vez de ">".Figura 9: Analise da Marcação de página do site da Secretaria dos Direitos da Pessoa comDeficiência.
    • http://www.uvesp.com.br http://www.pessoacomdeficiencia.sp.gov.br 19Ao analisar o site da cidade de Itu, foi constatado 73 erros na validação da marcação depágina do site.Figura 10: Analise da Marcação de página do site da cidade de Itu.Para finalizar as validações, utilizamos a ferramenta online GTmetrix, que é uma ferramentamuito útil para saber como está o desempenho de seu site, analisando diversos fatores, comoproblemas com o CSS, Javascript, imagens, cache e compactação das páginas entre outros, que podeminfluenciar no aumento do tempo de carregamento do site quando os visitantes o acessam.Também apresenta alguns detalhes que podem ajudar os desenvolvedores a solucionar diversosproblemas nos sites, sendo que o usuário poderá utilizar um equipamento antigo, conexão discada e atédispositivos movéis.Como resultado a ferramenta utiliza um índice que vai da letra “A” até “F”, sendo a letra “A” oideal para os sites estarem validados, tanto a respeito do tempo de carregamento e performance do site aousuário.Ao analisar o site da Secretaria dos Direitos da Pessoa com Deficiência, tivemos comoresultado de Desempenho de velocidade “E” e de Desempenho de carregamento da página “C”.O tempo gasto de carregamento da primeira página foi de 3.46 segundos; o tamanho total dapágina é de 787 KB, com necessidade de fazer 33 requisições do servidor principal para obter todos oselementos da página principal.
    • http://www.uvesp.com.br http://www.pessoacomdeficiencia.sp.gov.br 20Figura 11: Analise do Desempenho Virtual do site da Secretaria dos Direitos da Pessoa comDeficiência.Ao analisar o site da cidade de Itu, tivemos como resultado de Desempenho de velocidade“C” e de Desempenho de carregamento da página “C”.O tempo gasto de carregamento da primeira página foi de 7.16 segundos; o tamanho total dapágina é de 1.67 MB, com necessidade de fazer 64 requisições do servidor principal para obter todos oselementos da página principal.
    • http://www.uvesp.com.br http://www.pessoacomdeficiencia.sp.gov.br 21Figura 12: Analise do Desempenho Virtual do site da cidade de Itu.Conclusão: Levando em consideração cada validação acima, a nosso ver preliminarmentepoderíamos falar que o site da cidade de Itu pode ser corrigido (dificuldade média) para se tornaracessível e ideal como referência aos demais sites governamentais, lembrando que em uma visão devalidação automática.Sendo válido utilizar a metodologia acima para avaliar de forma simples, rápida e sem gastos osquesitos de acessibilidade e usabilidade de um site.Mas o ideal e recomendado a validação de especialista, realizado tanto por pessoas comdeficiência, desenvolvedores e usuários leigos, para os mesmos ampliarem esta pequena visão deacessibilidade.Veja abaixo algumas notícias sobre as ações durante as Caravanas da Inclusão de 2013:Motivação e legislação foram os temas da Caravana da Inclusão em 2013.
    • http://www.uvesp.com.br http://www.pessoacomdeficiencia.sp.gov.br 22Fernando Galvão, prefeito municipal de Bebedouro, emocionou-se ao se dirigir a mais de 500pessoas, entre autoridades, servidores públicos, educadores, sociedade civil e pessoas com deficiência naprimeira etapa da “4ª Caravana da Inclusão, Acessibilidade e Cidadania”, realizada no último dia 22.O primeiro seminário deu o tom do que será este ano a série de 10 eventos nas regiõesadministrativas do estado. “A deficiência é só um detalhe. A vida é que é importante”, disse a deputadaCélia Leão, que participou da mesa ao lado do deputado Rafael Silva.O atleta Odair Ferreira dos Santos, deficiente visual e integrante do Time São Paulo, conclamou atodos para que não façam de sua deficiência um motivo de deixar de lutar. “Precisei perder a visão paraencontrar forças e me destacar no esporte paralímpico”.A presença do atleta faz parte da meta do projeto Time São Paulo que é apoiar clubes esportivosparalímpicos nos municípios. A meta do governador Geraldo Alckmin é fomentar essa prática esportivanos municípios paulistas.Participaram da abertura solene, com a presença da guarda de honra formada por atiradores doTiro de Guerra, o prefeito Fernando Galvão, vice-prefeito, Dr. Romulo Cesar Camelion, Juliano Cesar(diretor da Uvesp e representante da Camara Municipal), deputado federal Marco Ubiali, MarcoPellegrini, secretário adjunto da secretaria dos direitos da pessoa com deficiência, Carlos Ortiz secretárioda Secretaria Estadual do Emprego e Relações do Trabalho, Sebastião Misiara, presidente da Uvesp,professora Maria Elizabeth da Costa, coordenadora da CGBE da Secretaria Estadual da Educação, Dr.Flávio Correa de Toledo, representante do Tribunal de Contas do Estado de São Paulo, Onivaldo CunhaJunior, presidente do Conselho Municipal para Assuntos da Pessoa com Deficiência, Leandro Cardoso,representante do Conselho estadual da Pessoa com Deficiência, Odair Santos, campeão paralímpico deatletismo, Carlos cruz, diretor da Associação Paulista de Municípios.O deputado federal Marco Ubiali, presidente da Federação das APAES do Estado de São Paulo,confirmou sua presença em todas as caravanas. “Quero unir-me a essa causa, pois lutando juntosatingiremos nosso objetivo”.O secretário Carlos Ortiz lembrou que esse ano foi destacado pela 22ª Cúpula Iberoamericana,como Ano Iberamericano para Inclusão das pessoas com deficiência no Mercado de Trabalho, vemsomar-se aos parceiros dessa importante caravana “cujos frutos já sentimos em todo o nosso estado”.
    • http://www.uvesp.com.br http://www.pessoacomdeficiencia.sp.gov.br 23A manifestação do secretário Ortiz representa não só a presença do PADEF, que é o programa deapoio ao emprego, mas o “Mutirão do Trabalho”, que disponibiliza, durante o seminário, carteiras detrabalho, cadastro para vagas de emprego e encaminhamento para processo seletivo.O desfile de modas inclusiva, a presença de Denise Daniela, Rainha da Laranja de Bebedouro2012, deficiente auditiva e demonstração de sapateado por pessoas deficientes mostraram que a inclusão épossível.O secretário Marco Pellegrini emocionado disse que a caravana começa com o indicativo de que asociedade civil e as autoridades municipais estão juntas no processo de inclusão e de respeito aos direitosdas pessoas com deficiência.Educação inclusiva entre os objetivos da caravana em VotuporangaTornar a escola um ambiente justo e solidário para as pessoas com deficiência é um dos objetivosda Caravana da Acessibilidade, Inclusão e Cidadania, em sua quarta edição, que acontecerá no dia 11 deabril em Votuporanga. O evento é coordenado pela Uvesp – União dos Vereadores do Estado de SãoPaulo e promovido pela Secretaria de Estado dos Direitos da Pessoa com Deficiência.Na opinião da secretária Linamara Rizzo Battistella, que analisou uma pesquisa feita junto à redeescolar pública, “é preciso criar um projeto educacional para a inclusão escolar do aluno – com ou semdeficiência – de forma natural”. Destaca que é preciso conexão entre todos os alunos das redes de ensino.O evento tem como público alvo, prefeitos, vereadores, secretários municipais, profissionais daeducação, assistência social, emprego e renda, e é gratuito, com certificado de participação.O presidente da Uvesp, Sebastião Misiara, diz que “já foi o tempo em que as pessoas comdeficiência eram ignoradas pelos direitos constitucionais. Agora o programa de Ação Mundial para asPessoas com Deficiência é respeitado, em muito no Estado de São Paulo, graças à capilaridade que estásendo construída pela Secretaria dos Direitos da Pessoa com Deficiência”. Segundo o presidente daUvesp lembra que nosso estado tem cerca de 4,9 milhões de pessoas com deficiência e mobilidadereduzida.Em sua opinião, respeitar os direitos da pessoa com deficiência é não privá-los de sua liberdadepor não terem uma cadeira de rodas, um rampa para atingir um local público ou um transporte adaptado.“Mais ainda: oportunidade escolar e acesso ao mercado de trabalho.
    • http://www.uvesp.com.br http://www.pessoacomdeficiencia.sp.gov.br 24Para o mercado de trabalho, a grande novidade é a presença do “Mutirão do Emprego” paracadastrar interessados em vagas e empresas que têm interesse em cumprir a lei de cotas e contratarpessoas com deficiência.A Uvesp e a Secretaria dos Direitos da Pessoa com Deficiência estão realizando uma pesquisapara analisar as expectativas das pessoas com deficiência. As últimas pesquisas apontam paradificuldades no ir e vir dessas pessoas pela falta de acessibilidade nas calçadas e nos meios de transportepúblico.O prefeito Junior Marão e o presidente da Câmara Eliezer Casali estão apoiando o evento,reunindo entidades e mostrando a importância que a cidade dá ao tema.Vereadores entregam pedido de academia adaptada ao assessor da Secretaria dos Direitosda Pessoa com DeficiênciaOs vereadores Juliano César (PMDB) e Paulo Henrique Ignácio Pereira (PTB), marcarampresença na 4ª Caravana da Inclusão, Acessibilidade e Cidadania, realizada quinta-feira (11), no Centrode Convenções em Votuporanga-SP.Na ocasião, os vereadores entregaram ao assessor técnico da Secretaria dos Diretos da Pessoa comDeficiência, Vanilton Senatore, um pedido solicitando uma academia ao ar livre adaptada para pessoascom deficiência.De acordo com Vanilton, mais de cem academias serão entregues em municípios do estado de SãoPaulo, “o pedido será protocolado na Secretaria, com isto temos meio caminho andado, acredito queconseguiremos atender Bebedouro”, afirma.Durante a Caravana, o vereador Paulo Henrique, foi nomeado representante municipal da Uvesp(União de Vereadores do Estado de São Paulo), em discurso comentou sobre sua atuação na diretoria daAPAE de Bebedouro e parabenizou os professores, “tenho uma filha que estuda na APAE, reconheço aimportância do trabalho realizado pelos educadores e dou graças a Deus por vocês existirem”, emociona-se.Juliano César que recentemente foi nomeado diretor da Uvesp, quando o assunto é acessibilidade,para ele a união faz a força, “é um trabalho do qual estamos engajados e nos dedicando para que as coisasrealmente aconteçam, não existe vitória sem luta”, ressalta.
    • http://www.uvesp.com.br http://www.pessoacomdeficiencia.sp.gov.br 25Já o presidente da Uvesp Sebastião Misiara, afirmou que em Bebedouro a representatividade estáse fortalecendo, “a população ganhou, pois serão dois vereadores que irão divulgar o trabalho a favor dacidadania e da acessibilidade e muito mais do que isso, trocarão informações, projetos e ações com osdemais municípios para trazer melhorias para a sua cidade”, afirmou Misiara.Caravana em Votuporanga encerra com reivindicações“Votuporanga orgulha-se em receber a caravana da acessibilidade. Sou grato ao Governo doEstado pela vinda desse importante evento”, disse o prefeito Júnior Marão perante uma platéia de mais de500 pessoas, no centro de convenções da cidade na última quarta-feira (11/04).A segunda etapa da “4ª Caravana da Inclusão, Acessibilidade e Cidadania”, acompanhou arepercussão da primeira em Bebedouro, onde mais de 600 pessoas participaram dos debates paramelhores leis pelas pessoas com deficiência.A participação de representantes de 34 municípios e vereadores de 15 cidades da região atesta queo debate por 9 milhões de pessoas com deficiência e mobilidade reduzida está na agenda de toda a classepolítica e da sociedade de um modo geral.MANIFESTAÇÃO: Foi muito significativa a presença de educadoras da região, convidadas pelaSecretaria da Educação, que é parceira da Secretaria dos Direitos das Pessoas com Deficiência nessaempreitada. Assim como a Secretaria de Emprego e Renda. A primeira divulgando, a educação para aspessoas com deficiência na rede publicaE a secretaria realizando o Mutirão do Emprego, uma oportunidade que as empresas têm dereceber interessados em diversas áreas. As inscrições e as entrevistas são feitas no próprio local doseminário.Juliana Marão, presidente do Fundo Social de Solidariedade comoveu-se com o envolvimento dasvárias entidades municipais ligadas à causa social.A diretora do Capes, Wânia Boer disse que os Conselhos de Educação Federal e Estadualdeveriam pressionar as faculdades no sentido de criar a especialização em “Educação Especial”, “porquefalta professores especializados para atender esse público”, disse. Diante da provocação, o presidente daUvesp e o representante da secretaria, Vanilton Senatore, pediu a manifestação da plateia que aclamou aproposta.
    • http://www.uvesp.com.br http://www.pessoacomdeficiencia.sp.gov.br 26Assim, os conselhos de educação deverão receber abaixo assinado pedindo que intercedam juntoàs faculdades. “Afinal são 46 milhões de brasileiros e um grande percentual em fase de estudos”, disseVanilton da Secretaria dos Direitos das Pessoas com Deficiência.Luiza Pinto Coelho, representando a Federação das Apaes, participou do evento e garantiu apresença das APAES municipais em todos os seminários. “A Federação não deixará de participar,principalmente pela luta incansável da Dra. Linamara nessa área.Já o presidente do Conselho Municipal dos Direitos da Pessoa com Deficiência de Votuporanga,Anoel Júnior Magri, destacou a importância da luta de todos os conselhos. “Apoiar a caravana pelo estadoé nossa obrigação”, afirmou.Já o presidente do Conselho Municipal dos Direitos da Pessoa com Deficiência de Votuporanga,Anoel Júnior Magri, destacou a importância da luta de todos os conselhos. “Apoiar a caravana pelo estadoé nossa obrigação”, afirmou.O advogado e consultor da Uvesp, Gianpaulo Baptista atendeu os vereadores que queriaminformações mais precisas à respeito das leis, distribuídas pela Uvesp em forma de cartilha. PauloHenrique Ignácio Pereira, vereador de Bebedouro e voluntário de várias entidades paulistas comemorou acartilha. “Com essas leis vamos resolver os problemas da acessibilidade”, salientou.POSSE: O presidente da Câmara Municipal de São José do Rio Preto, Paulo Paulera foiempossado, em Votuporanga no cargo de secretário geral da UVESP para ao mandato 2013/2017 e foiprestigiado pelos vereadores riopretenses Júnior, Fábio Marcondes e Peixão da Vila Toninho. “Voudivulgar a caravana e os trabalhos da Uvesp em todos os municípios da AMA – Associação da MédiaAraraquarense – composta de 120 municípios.Secretarias Estaduais anunciaram o lançamento do “Programa Estadual de Acessibilidadeem Cultura” no dia 24/04/2013.Os secretários Marcelo Mattos Araújo (Cultura) e Dra. Linamara Rizzo Battistella (Direitos daPessoa com Deficiência) anunciaramm uma parceria entre as duas secretarias estaduais por meio deeditais específicos para estimular a adoção de recursos de acessibilidade em produtos culturais no Estadode São Paulo.Também foi anunciada a parceria com corpos estáveis (companhias de danças, cias. de óperas,orquestras e outros mantidos pelo Estado) e equipamentos da Secretaria de Estado da Cultura paraapresentações acessíveis.
    • http://www.uvesp.com.br http://www.pessoacomdeficiencia.sp.gov.br 27Essa parceria resultará em acessibilidade total em 143 apresentações durante um ano, na capital einterior de São Paulo, abrangendo teatro adulto, teatro infantil, óperas, musicais e circos.