Alternativas ao Software Proprietário
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Alternativas ao Software Proprietário

on

  • 3,383 views

O objetivo deste curso é apresentar as principais alternativas ao software proprietário. Com uma breve descrição das características e recursos de cada programa, o aluno será capaz de ...

O objetivo deste curso é apresentar as principais alternativas ao software proprietário. Com uma breve descrição das características e recursos de cada programa, o aluno será capaz de identificar o software livre adequado para tarefas profissionais ou não, realizadas antes em ambiente proprietário.

Statistics

Views

Total Views
3,383
Views on SlideShare
3,379
Embed Views
4

Actions

Likes
1
Downloads
47
Comments
0

1 Embed 4

http://www.techgig.com 4

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

CC Attribution License

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

Alternativas ao Software Proprietário Alternativas ao Software Proprietário Document Transcript

  • Alternativas ao Software Proprietario 16 de Julho de 2008
  • Conteúdo I Sobre essa apostila 2 II Informações Básicas 4 III GNU Free Documentation License 9 IV Alternativas ao Software Proprietário 18 1 Alternativas ao Software Proprietário 19 2 Plano de ensino 20 2.1 Objetivo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 20 2.2 Público Alvo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 20 2.3 Pré-requisitos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 20 2.4 Descrição . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 20 2.5 Cronograma . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 20 2.6 Programa . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 21 2.7 Avaliação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 21 2.8 Bibliografia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 22 3 Introdução 23 3.1 Software Livre . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 23 3.2 Licenças . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 24 4 Escritório e Internet 26 4.1 Navegador . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 26 4.1.1 Mozilla Firefox . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 26 4.2 Leitor de e-mails . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 27 4.2.1 Mozilla Thunderbird . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 27 4.2.2 Evolution . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 28 4.3 Suite de aplicativos para escritório . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 29 4.3.1 OpenOffice.org . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 29 5 Aplicações Gráficas 30 5.1 Introdução . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 30 5.2 Editor de Desenho Vetorial . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 31 5.2.1 Inkscape . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 31 1
  • CDTC Centro de Difusão de Tecnologia e Conhecimento Brasília/DF 5.2.2 Skencil . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 32 5.2.3 Open Office Draw . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 32 5.3 Editoração Eletrônica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 33 5.3.1 Scribus . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 33 5.4 Editor de Imagem Bitmap . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 34 5.4.1 Gimp . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 34 6 Desenvolvimento 35 6.1 Banco de Dados . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 35 6.1.1 Introdução . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 35 6.1.2 PostgreSQL . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 35 6.1.3 MySQL . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 36 6.2 Desenvolvimento WEB . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 37 6.2.1 Quanta Plus . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 37 6.2.2 Aptana . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 37 6.2.3 Bluefish . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 38 7 Reprodução de Áudio e Vídeo 39 7.1 Reprodução de Áudio . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 39 7.1.1 Amarok . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 39 7.1.2 Exaile . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 40 7.2 Reprodução de Vídeo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 41 7.2.1 MPlayer . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 41 7.2.2 VLC Media Player . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 42 8 Edição de Áudio e Vídeo 43 8.1 Edição de Áudio . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 43 8.1.1 Audacity . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 43 8.1.2 Hydrogen . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 44 8.1.3 Ardour . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 45 8.2 Edição de Vídeo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 46 8.2.1 Cinelerra . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 46 8.2.2 Kino . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 47 8.2.3 Jahshaka . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 47 9 Gravação de CDs e DVDs 48 9.1 Gravação de CDs e DVDs . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 48 9.1.1 K3b . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 48 9.1.2 GnomeBaker . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 49 10 Utilitários de Sistema 50 10.1 Particionador de Disco . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 50 10.1.1 GParted e qtParted . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 50 10.2 Virtualização . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 52 10.2.1 VirtualBox . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 52 10.2.2 Xen . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 53 10.2.3 OpenVZ . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 53 2
  • Parte I Sobre essa apostila 3
  • CDTC Centro de Difusão de Tecnologia e Conhecimento Brasília/DF Conteúdo O conteúdo dessa apostila é fruto da compilação de diversos materiais livres publicados na in- ternet, disponíveis em diversos sites ou originalmente produzido no CDTC em http://www.cdtc.org.br. O formato original deste material bem como sua atualização está disponível dentro da licença GNU Free Documentation License, cujo teor integral encontra-se aqui reproduzido na seção de mesmo nome, tendo inclusive uma versão traduzida (não oficial). A revisão e alteração vem sendo realizada pelo CDTC (suporte@cdtc.org.br), desde outubro de 2006. Criticas e sugestões construtivas são bem-vindas a qualquer tempo. Autores A autoria deste conteúdo, atividades e avaliações é de responsabilidade de Gabriel Gianelli Pena (gabriel@cdtc.org.br) . O texto original faz parte do projeto Centro de Difusão de Tecnolgia e Conhecimento, que vem sendo realizado pelo ITI em conjunto com outros parceiros institucionais, atuando em conjunto com as universidades federais brasileiras que tem produzido e utilizado Software Livre, apoiando inclusive a comunidade Free Software junto a outras entidades no país. Informações adicionais podem ser obtidas atréves do email ouvidoria@cdtc.org.br, ou da home page da entidade, através da URL http://www.cdtc.org.br. Garantias O material contido nesta apostila é isento de garantias e o seu uso é de inteira responsabi- lidade do usuário/leitor. Os autores, bem como o ITI e seus parceiros, não se responsabilizam direta ou indiretamente por qualquer prejuízo oriundo da utilização do material aqui contido. Licença Copyright ©2006,Gabriel Gianelli Pena (gabriel@cdtc.org.br) . Permission is granted to copy, distribute and/or modify this document under the terms of the GNU Free Documentation License, Version 1.1 or any later version published by the Free Software Foundation; with the Invariant Chapter being SOBRE ESSA APOS- TILA. A copy of the license is included in the section entitled GNU Free Documentation License. 4
  • Parte II Informações Básicas 5
  • CDTC Centro de Difusão de Tecnologia e Conhecimento Brasília/DF Sobre o CDTC Objetivo Geral O Projeto CDTC visa a promoção e o desenvolvimento de ações que incentivem a dissemina- ção de soluções que utilizem padrões abertos e não proprietários de tecnologia, em proveito do desenvolvimento social, cultural, político, tecnológico e econômico da sociedade brasileira. Objetivo Específico Auxiliar o Governo Federal na implantação do plano nacional de software não-proprietário e de código fonte aberto, identificando e mobilizando grupos de formadores de opinião dentre os servidores públicos e agentes políticos da União Federal, estimulando e incentivando o mercado nacional a adotar novos modelos de negócio da tecnologia da informação e de novos negócios de comunicação com base em software não-proprietário e de código fonte aberto, oferecendo treinamento específico para técnicos, profissionais de suporte e funcionários públicos usuários, criando grupos de funcionários públicos que irão treinar outros funcionários públicos e atuar como incentivadores e defensores de produtos de software não proprietários e código fonte aberto, ofe- recendo conteúdo técnico on-line para serviços de suporte, ferramentas para desenvolvimento de produtos de software não proprietários e de seu código fonte livre, articulando redes de terceiros (dentro e fora do governo) fornecedoras de educação, pesquisa, desenvolvimento e teste de pro- dutos de software livre. Guia do aluno Neste guia, você terá reunidas uma série de informações importantes para que você comece seu curso. São elas: • Licenças para cópia de material disponível • Os 10 mandamentos do aluno de Educação a Distância • Como participar dos fóruns e da wikipédia • Primeiros passos É muito importante que você entre em contato com TODAS estas informações, seguindo o roteiro acima. Licença Copyright ©2006, Gabriel Gianelli Pena (gabriel@cdtc.org.br) . 6
  • CDTC Centro de Difusão de Tecnologia e Conhecimento Brasília/DF É dada permissão para copiar, distribuir e/ou modificar este documento sob os termos da Licença de Documentação Livre GNU, Versão 1.1 ou qualquer versão posterior publicada pela Free Software Foundation; com o Capítulo Invariante SOBRE ESSA APOSTILA. Uma cópia da licença está inclusa na seção entitulada quot;Licença de Docu- mentação Livre GNUquot;. Os 10 mandamentos do aluno de educação online • 1. Acesso a Internet: ter endereço eletrônico, um provedor e um equipamento adequado é pré-requisito para a participação nos cursos a distância. • 2. Habilidade e disposição para operar programas: ter conhecimentos básicos de Informá- tica é necessário para poder executar as tarefas. • 3. Vontade para aprender colaborativamente: interagir, ser participativo no ensino a distân- cia conta muitos pontos, pois irá colaborar para o processo ensino-aprendizagem pessoal, dos colegas e dos professores. • 4. Comportamentos compatíveis com a etiqueta: mostrar-se interessado em conhecer seus colegas de turma respeitando-os e fazendo ser respeitado pelo mesmo. • 5. Organização pessoal: planejar e organizar tudo é fundamental para facilitar a sua revisão e a sua recuperação de materiais. • 6. Vontade para realizar as atividades no tempo correto: anotar todas as suas obrigações e realizá-las em tempo real. • 7. Curiosidade e abertura para inovações: aceitar novas idéias e inovar sempre. • 8. Flexibilidade e adaptação: requisitos necessário a mudança tecnológica, aprendizagens e descobertas. • 9. Objetividade em sua comunicação: comunicar-se de forma clara, breve e transparente é ponto-chave na comunicação pela Internet. • 10. Responsabilidade: ser responsável por seu próprio aprendizado. O ambiente virtual não controla a sua dedicação, mas reflete os resultados do seu esforço e da sua colaboração. Como participar dos fóruns e Wikipédia Você tem um problema e precisa de ajuda? Podemos te ajudar de 2 formas: A primeira é o uso dos fóruns de notícias e de dúvidas gerais que se distinguem pelo uso: O fórum de notícias tem por objetivo disponibilizar um meio de acesso rápido a informações que sejam pertinentes ao curso (avisos, notícias). As mensagens postadas nele são enviadas a 7
  • CDTC Centro de Difusão de Tecnologia e Conhecimento Brasília/DF todos participantes. Assim, se o monitor ou algum outro participante tiver uma informação que interesse ao grupo, favor postá-la aqui. Porém, se o que você deseja é resolver alguma dúvida ou discutir algum tópico específico do curso, é recomendado que você faça uso do Fórum de dúvidas gerais que lhe dá recursos mais efetivos para esta prática. . O fórum de dúvidas gerais tem por objetivo disponibilizar um meio fácil, rápido e interativo para solucionar suas dúvidas e trocar experiências. As mensagens postadas nele são enviadas a todos participantes do curso. Assim, fica muito mais fácil obter respostas, já que todos podem ajudar. Se você receber uma mensagem com algum tópico que saiba responder, não se preocupe com a formalização ou a gramática. Responda! E não se esqueça de que antes de abrir um novo tópico é recomendável ver se a sua pergunta já foi feita por outro participante. A segunda forma se dá pelas Wikis: Uma wiki é uma página web que pode ser editada colaborativamente, ou seja, qualquer par- ticipante pode inserir, editar, apagar textos. As versões antigas vão sendo arquivadas e podem ser recuperadas a qualquer momento que um dos participantes o desejar. Assim, ela oferece um ótimo suporte a processos de aprendizagem colaborativa. A maior wiki na web é o site quot;Wikipé- diaquot;, uma experiência grandiosa de construção de uma enciclopédia de forma colaborativa, por pessoas de todas as partes do mundo. Acesse-a em português pelos links: • Página principal da Wiki - http://pt.wikipedia.org/wiki/ Agradecemos antecipadamente a sua colaboração com a aprendizagem do grupo! Primeiros Passos Para uma melhor aprendizagem é recomendável que você siga os seguintes passos: • Ler o Plano de Ensino e entender a que seu curso se dispõe a ensinar; • Ler a Ambientação do Moodle para aprender a navegar neste ambiente e se utilizar das ferramentas básicas do mesmo; • Entrar nas lições seguindo a seqüência descrita no Plano de Ensino; • Qualquer dúvida, reporte ao Fórum de Dúvidas Gerais. Perfil do Tutor Segue-se uma descrição do tutor ideal, baseada no feedback de alunos e de tutores. O tutor ideal é um modelo de excelência: é consistente, justo e profissional nos respectivos valores e atitudes, incentiva mas é honesto, imparcial, amável, positivo, respeitador, aceita as idéias dos estudantes, é paciente, pessoal, tolerante, apreciativo, compreensivo e pronto a ajudar. 8
  • CDTC Centro de Difusão de Tecnologia e Conhecimento Brasília/DF A classificação por um tutor desta natureza proporciona o melhor feedback possível, é crucial, e, para a maior parte dos alunos, constitui o ponto central do processo de aprendizagem.’ Este tutor ou instrutor: • fornece explicações claras acerca do que ele espera, e do estilo de classificação que irá utilizar; • gosta que lhe façam perguntas adicionais; • identifica as nossas falhas, mas corrige-as amavelmente’, diz um estudante, ’e explica por- que motivo a classificação foi ou não foi atribuída’; • tece comentários completos e construtivos, mas de forma agradável (em contraste com um reparo de um estudante: ’os comentários deixam-nos com uma sensação de crítica, de ameaça e de nervosismo’) • dá uma ajuda complementar para encorajar um estudante em dificuldade; • esclarece pontos que não foram entendidos, ou corretamente aprendidos anteriormente; • ajuda o estudante a alcançar os seus objetivos; • é flexível quando necessário; • mostra um interesse genuíno em motivar os alunos (mesmo os principiantes e, por isso, talvez numa fase menos interessante para o tutor); • escreve todas as correções de forma legível e com um nível de pormenorização adequado; • acima de tudo, devolve os trabalhos rapidamente; 9
  • Parte III GNU Free Documentation License 10
  • CDTC Centro de Difusão de Tecnologia e Conhecimento Brasília/DF (Traduzido pelo João S. O. Bueno através do CIPSGA em 2001) Esta é uma tradução não oficial da Licençaa de Documentação Livre GNU em Português Brasileiro. Ela não é publicada pela Free Software Foundation, e não se aplica legalmente a dis- tribuição de textos que usem a GFDL - apenas o texto original em Inglês da GNU FDL faz isso. Entretanto, nós esperamos que esta tradução ajude falantes de português a entenderem melhor a GFDL. This is an unofficial translation of the GNU General Documentation License into Brazilian Por- tuguese. It was not published by the Free Software Foundation, and does not legally state the distribution terms for software that uses the GFDL–only the original English text of the GFDL does that. However, we hope that this translation will help Portuguese speakers understand the GFDL better. Licença de Documentação Livre GNU Versão 1.1, Março de 2000 Copyright (C) 2000 Free Software Foundation, Inc. 59 Temple Place, Suite 330, Boston, MA 02111-1307 USA É permitido a qualquer um copiar e distribuir cópias exatas deste documento de licença, mas não é permitido alterá-lo. INTRODUÇÃO O propósito desta Licença é deixar um manual, livro-texto ou outro documento escrito quot;livrequot;no sentido de liberdade: assegurar a qualquer um a efetiva liberdade de copiá-lo ou redistribui-lo, com ou sem modificações, comercialmente ou não. Secundariamente, esta Licença mantém para o autor e editor uma forma de ter crédito por seu trabalho, sem ser considerado responsável pelas modificações feitas por terceiros. Esta Licença é um tipo de quot;copyleftquot;(quot;direitos revertidosquot;), o que significa que derivações do documento precisam ser livres no mesmo sentido. Ela complementa a GNU Licença Pública Ge- ral (GNU GPL), que é um copyleft para software livre. Nós fizemos esta Licença para que seja usada em manuais de software livre, por que software livre precisa de documentação livre: um programa livre deve ser acompanhado de manuais que provenham as mesmas liberdades que o software possui. Mas esta Licença não está restrita a manuais de software; ela pode ser usada para qualquer trabalho em texto, independentemente do assunto ou se ele é publicado como um livro impresso. Nós recomendamos esta Licença prin- cipalmente para trabalhos cujo propósito seja de introdução ou referência. APLICABILIDADE E DEFINIÇÕES Esta Licença se aplica a qualquer manual ou outro texto que contenha uma nota colocada pelo detentor dos direitos autorais dizendo que ele pode ser distribuído sob os termos desta Licença. 11
  • CDTC Centro de Difusão de Tecnologia e Conhecimento Brasília/DF O quot;Documentoquot;abaixo se refere a qualquer manual ou texto. Qualquer pessoa do público é um licenciado e é referida como quot;vocêquot;. Uma quot;Versão Modificadaquot;do Documento se refere a qualquer trabalho contendo o documento ou uma parte dele, quer copiada exatamente, quer com modificações e/ou traduzida em outra língua. Uma quot;Seção Secundáriaquot;é um apêndice ou uma seção inicial do Documento que trata ex- clusivamente da relação dos editores ou dos autores do Documento com o assunto geral do Documento (ou assuntos relacionados) e não contém nada que poderia ser incluído diretamente nesse assunto geral (Por exemplo, se o Documento é em parte um livro texto de matemática, a Seção Secundária pode não explicar nada de matemática). Essa relação poderia ser uma questão de ligação histórica com o assunto, ou matérias relaci- onadas, ou de posições legais, comerciais, filosóficas, éticas ou políticas relacionadas ao mesmo. As quot;Seções Invariantesquot;são certas Seções Secundárias cujos títulos são designados, como sendo de Seções Invariantes, na nota que diz que o Documento é publicado sob esta Licença. Os quot;Textos de Capaquot;são certos trechos curtos de texto que são listados, como Textos de Capa Frontal ou Textos da Quarta Capa, na nota que diz que o texto é publicado sob esta Licença. Uma cópia quot;Transparentequot;do Documento significa uma cópia que pode ser lida automatica- mente, representada num formato cuja especificação esteja disponível ao público geral, cujos conteúdos possam ser vistos e editados diretamente e sem mecanismos especiais com editores de texto genéricos ou (para imagens compostas de pixels) programas de pintura genéricos ou (para desenhos) por algum editor de desenhos grandemente difundido, e que seja passível de servir como entrada a formatadores de texto ou para tradução automática para uma variedade de formatos que sirvam de entrada para formatadores de texto. Uma cópia feita em um formato de arquivo outrossim Transparente cuja constituição tenha sido projetada para atrapalhar ou de- sencorajar modificações subsequentes pelos leitores não é Transparente. Uma cópia que não é quot;Transparentequot;é chamada de quot;Opacaquot;. Exemplos de formatos que podem ser usados para cópias Transparentes incluem ASCII sim- ples sem marcações, formato de entrada do Texinfo, formato de entrada do LaTex, SGML ou XML usando uma DTD disponibilizada publicamente, e HTML simples, compatível com os padrões, e projetado para ser modificado por pessoas. Formatos opacos incluem PostScript, PDF, formatos proprietários que podem ser lidos e editados apenas com processadores de texto proprietários, SGML ou XML para os quais a DTD e/ou ferramentas de processamento e edição não estejam disponíveis para o público, e HTML gerado automaticamente por alguns editores de texto com finalidade apenas de saída. A quot;Página do Títuloquot;significa, para um livro impresso, a página do título propriamente dita, mais quaisquer páginas subsequentes quantas forem necessárias para conter, de forma legível, o material que esta Licença requer que apareça na página do título. Para trabalhos que não tenham uma página do título, quot;Página do Títuloquot;significa o texto próximo da aparição mais proe- minente do título do trabalho, precedendo o início do corpo do texto. 12
  • CDTC Centro de Difusão de Tecnologia e Conhecimento Brasília/DF FAZENDO CÓPIAS EXATAS Você pode copiar e distribuir o Documento em qualquer meio, de forma comercial ou não comercial, desde que esta Licença, as notas de copyright, e a nota de licença dizendo que esta Licença se aplica ao documento estejam reproduzidas em todas as cópias, e que você não acres- cente nenhuma outra condição, quaisquer que sejam, às desta Licença. Você não pode usar medidas técnicas para obstruir ou controlar a leitura ou confecção de cópias subsequentes das cópias que você fizer ou distribuir. Entretanto, você pode aceitar com- pensação em troca de cópias. Se você distribuir uma quantidade grande o suficiente de cópias, você também precisa respeitar as condições da seção 3. Você também pode emprestar cópias, sob as mesmas condições colocadas acima, e também pode exibir cópias publicamente. FAZENDO CÓPIAS EM QUANTIDADE Se você publicar cópias do Documento em número maior que 100, e a nota de licença do Documento obrigar Textos de Capa, você precisará incluir as cópias em capas que tragam, clara e legivelmente, todos esses Textos de Capa: Textos de Capa da Frente na capa da frente, e Textos da Quarta Capa na capa de trás. Ambas as capas também precisam identificar clara e legivelmente você como o editor dessas cópias. A capa da frente precisa apresentar o titulo com- pleto com todas as palavras do título igualmente proeminentes e visíveis. Você pode adicionar outros materiais às capas. Fazer cópias com modificações limitadas às capas, tanto quanto estas preservem o título do documento e satisfaçam a essas condições, pode ser tratado como cópia exata em outros aspectos. Se os textos requeridos em qualquer das capas for muito volumoso para caber de forma legível, você deve colocar os primeiros (tantos quantos couberem de forma razoável) na capa verdadeira, e continuar os outros nas páginas adjacentes. Se você publicar ou distribuir cópias Opacas do Documento em número maior que 100, você precisa ou incluir uma cópia Transparente que possa ser lida automaticamente com cada cópia Opaca, ou informar, em ou com, cada cópia Opaca a localização de uma cópia Transparente completa do Documento acessível publicamente em uma rede de computadores, a qual o público usuário de redes tenha acesso a download gratuito e anônimo utilizando padrões públicos de protocolos de rede. Se você utilizar o segundo método, você precisará tomar cuidados razoavel- mente prudentes, quando iniciar a distribuição de cópias Opacas em quantidade, para assegurar que esta cópia Transparente vai permanecer acessível desta forma na localização especificada por pelo menos um ano depois da última vez em que você distribuir uma cópia Opaca (direta- mente ou através de seus agentes ou distribuidores) daquela edição para o público. É pedido, mas não é obrigatório, que você contate os autores do Documento bem antes de redistribuir qualquer grande número de cópias, para lhes dar uma oportunidade de prover você com uma versão atualizada do Documento. 13
  • CDTC Centro de Difusão de Tecnologia e Conhecimento Brasília/DF MODIFICAÇÕES Você pode copiar e distribuir uma Versão Modificada do Documento sob as condições das se- ções 2 e 3 acima, desde que você publique a Versão Modificada estritamente sob esta Licença, com a Versão Modificada tomando o papel do Documento, de forma a licenciar a distribuição e modificação da Versão Modificada para quem quer que possua uma cópia da mesma. Além disso, você precisa fazer o seguinte na versão modificada: A. Usar na Página de Título (e nas capas, se houver alguma) um título distinto daquele do Do- cumento, e daqueles de versões anteriores (que deveriam, se houvesse algum, estarem listados na seção quot;Histórico do Documentoquot;). Você pode usar o mesmo título de uma versão anterior se o editor original daquela versão lhe der permissão; B. Listar na Página de Título, como autores, uma ou mais das pessoas ou entidades responsá- veis pela autoria das modificações na Versão Modificada, conjuntamente com pelo menos cinco dos autores principais do Documento (todos os seus autores principais, se ele tiver menos que cinco); C. Colocar na Página de Título o nome do editor da Versão Modificada, como o editor; D. Preservar todas as notas de copyright do Documento; E. Adicionar uma nota de copyright apropriada para suas próprias modificações adjacente às outras notas de copyright; F. Incluir, imediatamente depois das notas de copyright, uma nota de licença dando ao público o direito de usar a Versão Modificada sob os termos desta Licença, na forma mostrada no tópico abaixo; G. Preservar nessa nota de licença as listas completas das Seções Invariantes e os Textos de Capa requeridos dados na nota de licença do Documento; H. Incluir uma cópia inalterada desta Licença; I. Preservar a seção entitulada quot;Históricoquot;, e seu título, e adicionar à mesma um item dizendo pelo menos o título, ano, novos autores e editor da Versão Modificada como dados na Página de Título. Se não houver uma sessão denominada quot;Históricoquot;no Documento, criar uma dizendo o título, ano, autores, e editor do Documento como dados em sua Página de Título, então adicionar um item descrevendo a Versão Modificada, tal como descrito na sentença anterior; J. Preservar o endereço de rede, se algum, dado no Documento para acesso público a uma cópia Transparente do Documento, e da mesma forma, as localizações de rede dadas no Docu- mento para as versões anteriores em que ele foi baseado. Elas podem ser colocadas na seção quot;Históricoquot;. Você pode omitir uma localização na rede para um trabalho que tenha sido publicado pelo menos quatro anos antes do Documento, ou se o editor original da versão a que ela se refira der sua permissão; K. Em qualquer seção entitulada quot;Agradecimentosquot;ou quot;Dedicatóriasquot;, preservar o título da 14
  • CDTC Centro de Difusão de Tecnologia e Conhecimento Brasília/DF seção e preservar a seção em toda substância e fim de cada um dos agradecimentos de contri- buidores e/ou dedicatórias dados; L. Preservar todas as Seções Invariantes do Documento, inalteradas em seus textos ou em seus títulos. Números de seção ou equivalentes não são considerados parte dos títulos da seção; M. Apagar qualquer seção entitulada quot;Endossosquot;. Tal sessão não pode ser incluída na Versão Modificada; N. Não reentitular qualquer seção existente com o título quot;Endossosquot;ou com qualquer outro título dado a uma Seção Invariante. Se a Versão Modificada incluir novas seções iniciais ou apêndices que se qualifiquem como Seções Secundárias e não contenham nenhum material copiado do Documento, você pode optar por designar alguma ou todas aquelas seções como invariantes. Para fazer isso, adicione seus títulos à lista de Seções Invariantes na nota de licença da Versão Modificada. Esses títulos preci- sam ser diferentes de qualquer outro título de seção. Você pode adicionar uma seção entitulada quot;Endossosquot;, desde que ela não contenha qual- quer coisa além de endossos da sua Versão Modificada por várias pessoas ou entidades - por exemplo, declarações de revisores ou de que o texto foi aprovado por uma organização como a definição oficial de um padrão. Você pode adicionar uma passagem de até cinco palavras como um Texto de Capa da Frente , e uma passagem de até 25 palavras como um Texto de Quarta Capa, ao final da lista de Textos de Capa na Versão Modificada. Somente uma passagem de Texto da Capa da Frente e uma de Texto da Quarta Capa podem ser adicionados por (ou por acordos feitos por) qualquer entidade. Se o Documento já incluir um texto de capa para a mesma capa, adicionado previamente por você ou por acordo feito com alguma entidade para a qual você esteja agindo, você não pode adicionar um outro; mas você pode trocar o antigo, com permissão explícita do editor anterior que adicionou a passagem antiga. O(s) autor(es) e editor(es) do Documento não dão permissão por esta Licença para que seus nomes sejam usados para publicidade ou para assegurar ou implicar endossamento de qualquer Versão Modificada. COMBINANDO DOCUMENTOS Você pode combinar o Documento com outros documentos publicados sob esta Licença, sob os termos definidos na seção 4 acima para versões modificadas, desde que você inclua na com- binação todas as Seções Invariantes de todos os documentos originais, sem modificações, e liste todas elas como Seções Invariantes de seu trabalho combinado em sua nota de licença. O trabalho combinado precisa conter apenas uma cópia desta Licença, e Seções Invariantes Idênticas com multiplas ocorrências podem ser substituídas por apenas uma cópia. Se houver múltiplas Seções Invariantes com o mesmo nome mas com conteúdos distintos, faça o título de 15
  • CDTC Centro de Difusão de Tecnologia e Conhecimento Brasília/DF cada seção único adicionando ao final do mesmo, em parênteses, o nome do autor ou editor origianl daquela seção, se for conhecido, ou um número que seja único. Faça o mesmo ajuste nos títulos de seção na lista de Seções Invariantes nota de licença do trabalho combinado. Na combinação, você precisa combinar quaisquer seções entituladas quot;Históricoquot;dos diver- sos documentos originais, formando uma seção entitulada quot;Históricoquot;; da mesma forma combine quaisquer seções entituladas quot;Agradecimentosquot;, ou quot;Dedicatóriasquot;. Você precisa apagar todas as seções entituladas como quot;Endossoquot;. COLETÂNEAS DE DOCUMENTOS Você pode fazer uma coletânea consitindo do Documento e outros documentos publicados sob esta Licença, e substituir as cópias individuais desta Licença nos vários documentos com uma única cópia incluida na coletânea, desde que você siga as regras desta Licença para cópia exata de cada um dos Documentos em todos os outros aspectos. Você pode extrair um único documento de tal coletânea, e distribuí-lo individualmente sob esta Licença, desde que você insira uma cópia desta Licença no documento extraído, e siga esta Licença em todos os outros aspectos relacionados à cópia exata daquele documento. AGREGAÇÃO COM TRABALHOS INDEPENDENTES Uma compilação do Documento ou derivados dele com outros trabalhos ou documentos se- parados e independentes, em um volume ou mídia de distribuição, não conta como uma Ver- são Modificada do Documento, desde que nenhum copyright de compilação seja reclamado pela compilação. Tal compilação é chamada um quot;agregadoquot;, e esta Licença não se aplica aos outros trabalhos auto-contidos compilados junto com o Documento, só por conta de terem sido assim compilados, e eles não são trabalhos derivados do Documento. Se o requerido para o Texto de Capa na seção 3 for aplicável a essas cópias do Documento, então, se o Documento constituir menos de um quarto de todo o agregado, os Textos de Capa do Documento podem ser colocados em capas adjacentes ao Documento dentro do agregado. Senão eles precisarão aparecer nas capas de todo o agregado. TRADUÇÃO Tradução é considerada como um tipo de modificação, então você pode distribuir traduções do Documento sob os termos da seção 4. A substituição de Seções Invariantes por traduções requer uma permissão especial dos detentores do copyright das mesmas, mas você pode incluir traduções de algumas ou de todas as Seções Invariantes em adição às versões orignais dessas Seções Invariantes. Você pode incluir uma tradução desta Licença desde que você também in- clua a versão original em Inglês desta Licença. No caso de discordância entre a tradução e a 16
  • CDTC Centro de Difusão de Tecnologia e Conhecimento Brasília/DF versão original em Inglês desta Licença, a versão original em Inglês prevalecerá. TÉRMINO Você não pode copiar, modificar, sublicenciar, ou distribuir o Documento exceto como expres- samente especificado sob esta Licença. Qualquer outra tentativa de copiar, modificar, sublicen- ciar, ou distribuir o Documento é nula, e resultará automaticamente no término de seus direitos sob esta Licença. Entretanto, terceiros que tenham recebido cópias, ou direitos de você sob esta Licença não terão suas licenças terminadas, tanto quanto esses terceiros permaneçam em total acordo com esta Licença. REVISÕES FUTURAS DESTA LICENÇA A Free Software Foundation pode publicar novas versões revisadas da Licença de Documen- tação Livre GNU de tempos em tempos. Tais novas versões serão similares em espirito à versão presente, mas podem diferir em detalhes ao abordarem novos porblemas e preocupações. Veja http://www.gnu.org/copyleft/. A cada versão da Licença é dado um número de versão distinto. Se o Documento especificar que uma versão particular desta Licença quot;ou qualquer versão posteriorquot;se aplica ao mesmo, você tem a opção de seguir os termos e condições daquela versão específica, ou de qualquer versão posterior que tenha sido publicada (não como rascunho) pela Free Software Foundation. Se o Documento não especificar um número de Versão desta Licença, você pode escolher qualquer versão já publicada (não como rascunho) pela Free Software Foundation. ADENDO: Como usar esta Licença para seus documentos Para usar esta Licença num documento que você escreveu, inclua uma cópia desta Licença no documento e ponha as seguintes notas de copyright e licenças logo após a página de título: Copyright (c) ANO SEU NOME. É dada permissão para copiar, distribuir e/ou modificar este documento sob os termos da Licença de Documentação Livre GNU, Versão 1.1 ou qualquer versão posterior publicada pela Free Soft- ware Foundation; com as Seções Invariantes sendo LISTE SEUS TÍTULOS, com os Textos da Capa da Frente sendo LISTE, e com os Textos da Quarta-Capa sendo LISTE. Uma cópia da li- cença está inclusa na seção entitulada quot;Licença de Documentação Livre GNUquot;. Se você não tiver nenhuma Seção Invariante, escreva quot;sem Seções Invariantesquot;ao invés de dizer quais são invariantes. Se você não tiver Textos de Capa da Frente, escreva quot;sem Textos de Capa da Frentequot;ao invés de quot;com os Textos de Capa da Frente sendo LISTEquot;; o mesmo para os Textos da Quarta Capa. Se o seu documento contiver exemplos não triviais de código de programas, nós recomenda- mos a publicação desses exemplos em paralelo sob a sua escolha de licença de software livre, 17
  • CDTC Centro de Difusão de Tecnologia e Conhecimento Brasília/DF tal como a GNU General Public License, para permitir o seu uso em software livre. 18
  • Parte IV Alternativas ao Software Proprietário 19
  • Capítulo 1 Alternativas ao Software Proprietário O objetivo deste curso é apresentar as principais alternativas ao software proprietário. Com uma breve descrição das características e recursos de cada programa, o aluno será capaz de identificar o software livre adequado para tarefas profissionais ou não, realizadas antes em ambi- ente proprietário. 20
  • Capítulo 2 Plano de ensino 2.1 Objetivo Mostrar ao aluno do curso as principais alternativas aos software proprietário. 2.2 Público Alvo Usuários finais ou novatos que desejam migrar os seus sistemas proprietários para software livre. 2.3 Pré-requisitos Os alunos deverão ter conhecimentos básicos para operar um computador. 2.4 Descrição O curso será realizado na modalidade Educação a Distância e utilizará a Plataforma Moodle como ferramenta de aprendizagem. O curso tem duração de uma semana e possui um conjunto de atividades (lições, fóruns, glossários, questionários e outros) que deverão ser executadas de acordo com as instruções fornecidas. O material didático estará disponível on-line de acordo com as datas pré-estabelecidas em cada tópico. A versão analisada de cada programa é descrita junto à do software, caso possua outra versão, poderão ocorrer diferenças com relação a este material. O curso está dividido da seguinte maneira: 2.5 Cronograma • Introdução; • Escritório e Internet; • Aplicações Gráficas; • Desenvolvimento; 21
  • CDTC Centro de Difusão de Tecnologia e Conhecimento Brasília/DF • Reprodução de Áudio e Vídeo; • Edição de Áudio e Vídeo; • Gravação de CDs e DVDs; • Utilitários de Sistema. As lições contém o contéudo principal. Elas poderão ser acessadas quantas vezes forem neces- sárias, desde que esteja dentro da semana programada. Ao final de uma lição, você receberá uma nota de acordo com o seu desempenho. Responda com atenção às perguntas de cada lição, pois elas serão consideradas na sua nota final. Caso sua nota numa determinada lição for menor do que 6.0, sugerimos que você faça novamente esta lição. Ao final do curso será disponibilizada a avaliação referente ao curso. Tanto as notas das lições quanto a da avaliação serão consideradas para a nota final. Todos os módulos ficarão visíveis para que possam ser consultados durante a avaliação final. Aconselhamos a leitura da quot;Ambientação do Moodlequot;para que você conheça a plataforma de En- sino a Distância, evitando dificuldades advindas do quot;desconhecimentoquot;sobre a mesma. Os instrutores estarão a sua disposição ao longo de todo curso. Qualquer dúvida deverá ser enviada no fórum. Diariamente os monitores darão respostas e esclarecimentos. 2.6 Programa Apresentação de Softwares Livres alternativos aos proprietários com as seguintes classifica- ções: • Introdução; • Escritório e Internet; • Aplicações Gráficas; • Desenvolvimento; • Reprodução de Áudio e Vídeo; • Edição de Áudio e Vídeo; • Gravação de CDs e DVDs; • Utilitários de Sistema. 2.7 Avaliação Toda a avaliação será feita on-line. Aspectos a serem considerados na avaliação: • Iniciativa e autonomia no processo de aprendizagem e de produção de conhecimento; • Capacidade de pesquisa e abordagem criativa na solução dos problemas apresentados. Instrumentos de avaliação: 22
  • CDTC Centro de Difusão de Tecnologia e Conhecimento Brasília/DF • Participação ativa nas atividades programadas. • Avaliação ao final do curso. • O participante fará várias avaliações referente ao conteúdo do curso. Para a aprovação e obtenção do certificado o participante deverá obter nota final maior ou igual a 6.0 de acordo com a fórmula abaixo: • Nota Final = ((ML x 7) + (AF x 3)) / 10 = Média aritmética das lições • AF = Avaliações 2.8 Bibliografia • www.osalt.com • www.linuxalt.com • www.programaslivres.net • www.meiobit.com/ediccedilatildeo-de-aacuteudio-e-viacutedeo-no-linux • pt.wikipedia.org/ • en.wikipedia.org/ • pt.wikipedia.org/wiki/Software_livre • pt.wikipedia.org/wiki/OpenOffice.org • pt.wikipedia.org/wiki/Desenho_vetorial • pt.wikipedia.org/wiki/GIMP • pt.wikipedia.org/wiki/Cinelerra • pt.wikipedia.org/wiki/VirtualBox • en.wikipedia.org/wiki/Xen • en.wikipedia.org/wiki/OpenVZ 23
  • Capítulo 3 Introdução 3.1 Software Livre Hoje o uso de programas de computador por empresas e instituições públicas ou privadas é uma necessidade. A demanda por softwares aumenta cada vez mais, no entanto, os custos de licenças são enormes e levam a sociedade a um aprisionamento tecnológico. A aquisição ou atualização destes softwares, torna-se inviável para maioria das empresas, que optam por seu uso ilegal. O Software livre passou a ser uma alternativa ao proprietário alguns anos após o sur- gimento do movimento em 1984 com Projeto GNU, quando este amadureceu e tornou-se base de outros projetos. As aplicações livres e seu uso cresceram, mas eram distantes do usuário comum, eram dire- cionadas a aplicações empresariais específicas e sua utilização exigia grande conhecimento, a alternativa existia quase que exclusivamente a servidores. Em estações de trabalho, o software proprietário continuava como única opção. Até poucos anos atrás, as ferramentas de escritório livres eram bastante inferiores, o que impossibilitava a migração dessas estações para plataforma livre, hoje, as alternativas em software livre são muitas, algumas superiores outras não, o fato é que existem, e vamos conhecê-las ao longo do curso. O objetivo é passar ao aluno uma visão geral, não sobre o conhecimento das áreas aborda- das, mas sobre os principais softwares alternativos para elas. Não é esperado que o aluno conheça ou se interesse por todas as áreas de conhecimento tratadas. Serão apresentados algumas vezes siglas e termos, que são somente conhecidos por alunos que já tenham experiência nestas áreas, não se preocupe em decorá-los, ou compreendê- los se não for de seu interesse, estes não serão cobrados nas questões das lições, nem na ava- liação de aprendizagem. Todas as descrições de softwares serão acompanhados de 5 informações: Desenvolvedor Desenvolvedor do software Versão Versão analisada Sistema Operacional Sistema operacional Licença Serão rapidamente comentadas a seguir Site Oficial Site oficial 24
  • CDTC Centro de Difusão de Tecnologia e Conhecimento Brasília/DF 3.2 Licenças GPL: GNU General Public License GNU GPL é a designação da licença para software livre idealizada por Richard Stallman no final da década de 1980, no âmbito do projeto GNU da Free Software Foundation (FSF). É a licença com maior utilização por parte de projetos de software livre, em grande parte de- vido a sua adoção para o Linux. www.fsf.org/licensing/licenses/gpl.html pt.wikipedia.org/wiki/GNU_General_Public_License MPL: Mozilla Public License A licença pública Mozilla (Mozilla Public License) é uma licença para software livre de código aberto. A advogada Mitchell Baker criou a versão 1.0 quando trabalhava na empresa Netscape Communications Corporation e a versão 1.1 quando trabalha na Mozilla Foundation. O seu principal uso é na suíte de software Mozilla e nos softwares relacionados a ela. Ela foi adaptada por outras organizações, como no caso da licença Common Development and Distribu- tion License do sistema operativo OpenSolaris (uma versão de código aberto do sistema Solaris 10) da Sun Microsystems. br.mozdev.org/MPL/ BSD: Berkeley Software Distribution License A licença BSD é uma licença de código aberto inicialmente utilizada nos sistemas operacio- nais do tipo BSD (um sistema derivado do Unix). Apesar dela ter sido criada para os sistemas BSD, atualmente, vários outros sistemas são distribuídos sob esta licença. Esta licença impõe poucas restrições quando comparada aquelas impostas por outras licen- ças, como a GNU GPL ou mesmo as restrições padrão determinadas pelo copyright, colocando-a relativamente próxima do domínio público. (De fato, a licença BSD tem sido chamada de copy- center, ou quot;centro de cópiasquot;, em comparação com o copyright padrão e o copyleft da licença GPL: quot;Leve até o copycenter e faça quantas cópias quiserquot;) pt.wikipedia.org/wiki/Licen%C3%A7a_bsd 25
  • CDTC Centro de Difusão de Tecnologia e Conhecimento Brasília/DF LGPL: GNU Lesser General Public License A GNU Lesser General Public License (antes conhecida como GNU Library General Public License) é uma licença de software livre aprovada pela FSF escrita com o intuito de ser um meio- termo entre a GPL e licenças mais permissivas como a licença BSD e a licença MIT. Ela foi escrita em 1991 (e atualizada em 1999) por Richard Stallman e Eben Moglen. A principal diferença entre a GPL e a LGPL é que esta permite ser ligada com programas que não sejam GPL ou LGPL, que podem ser software livre ou Software proprietário. Outra diferença é que trabalhos derivados (que não sejam GPL) devem ser bibliotecas de software. www.fsf.org/licensing/licenses/lgpl.html pt.wikipedia.org/wiki/LGPL 26
  • Capítulo 4 Escritório e Internet 4.1 Navegador Proprietários: Microsoft Internet Explorer 4.1.1 Mozilla Firefox O Mozilla Firefox é um navegador livre e multi-plataforma, desenvolvido pela Mozilla Founda- tion com ajuda de centenas de colaboradores. Com suporte fiel aos padrões web, a intenção da fundação é desenvolver um navegador leve, seguro, intuitivo e muito extensível. Oferece recursos como: corretor ortográfico integrado, proteção contra páginas falsas, pesquisa inteligente, nave- gação em abas, restauração de sessão, bloqueador de janelas popup, integração RSS. Instalação rápida, simplificada e com menos de 10MB, o instalador é baixado em alguns minu- tos, e os favoritos do Internet Explorer podem ser importados pelo usuário na primeira execução. O Firefox permite personalização visual e funcional, através de skins e extensões, uma grande quantidade delas, que podem ser adicionadas e removidas facilmente o tornam poderoso sem que sejam consumidos recursos do sistema desnecessariamente, já que o usuário pode apenas adicionar e ativar as extensões que lhe são interessantes no momento. Desenvolvedor Mozilla Corporation Versão 3.0 (6/2008) Sistema Operacional multiplataforma Licença MPL/GPL/LGPL Site Oficial www.mozilla.com/firefox outras alternativas: Konqueror, Ephifany, Galeon. 27
  • CDTC Centro de Difusão de Tecnologia e Conhecimento Brasília/DF 4.2 Leitor de e-mails Proprietários: Microsoft Office Outlook, Microsoft Outlook Express 4.2.1 Mozilla Thunderbird O Thunderbird foi projetado objetivando a produtividade. Rápido e leve, possui uma interface intuitiva que permite fácil configuração e personalização. Seguro, trabalha com S/MIME, assina- turas digitais, criptografia de mensagens, suporte a certificados e dispositivos de segurança. E assim como o Mozilla Firefox, pode ser customizado através de skins e extensões. Traz suporte POP/IMAP, leitor de notícias RSS, suporte para mensagens formatadas (HTML), localizar rápido, catálogo de endereços, calendário e agenda, controles de privacidade, filtros de mensagens (regras), ferramentas de importação, pesquisa e a capacidade de gerenciar múltiplas contas de e-mail e newsgroup (grupo de notícias). Oferece recursos avançados como: marcadores, em que o usuário marca uma mensagem com palavras ou frases que facilitam a pesquisa; proteção contra fraudes (Anti-Phishing); e filtro anti-spam integrado, que através de algoritmos complexos, analisa cada mensagem recebida e determina se é um possível Spam, que pode ser automaticamente movido para uma pasta ou apagado. Desenvolvedor Mozilla Corporation Versão 2.0.0.14 (5/2008) Sistema Operacional multiplataforma Licença MPL/GPL/LGPL Site Oficial www.mozilla.com/thunderbird 28
  • CDTC Centro de Difusão de Tecnologia e Conhecimento Brasília/DF 4.2.2 Evolution Evolution é um cliente de e-mail construído inicialmente para ser alternativa para o Outlook no Linux, mas hoje, apoiado pela Novell, vai além, é um cliente de e-mail completo, com suporte a POP3 e IMAP4, anti-spam, pesquisa, encriptação e agenda, que importa e exporta dados para os principais softwares de agenda, inclusive para proprietários. Funciona também como um cliente Microsoft Exchange ou cliente Novell GroupWise. Desenvolvedor Novell & GNOME Versão 2.0.0.14 (5/2008) Sistema Operacional multiplataforma Licença GPL Site Oficial www.gnome.org/projects/evolution 29
  • CDTC Centro de Difusão de Tecnologia e Conhecimento Brasília/DF 4.3 Suite de aplicativos para escritório Proprietários: Microsoft Office 4.3.1 OpenOffice.org OpenOffice.org é uma suíte de aplicativos para escritório, é composta por: Writer O OpenOffice.org Writer é um ótimo processador de texto. Este editor é capaz de escrever documentos no formato Portable Document Format (PDF) e editar documentos HTML e Microsoft Word. Sua extensão é a odt. Impress O OpenOffice.org Impress é um programa de apresentação de slides ou transparências. Além das capacidades comuns de preparo de apresentações, ele é capaz de exportá-las no formato Adobe Flash (SWF) isto a partir da versão 2.0, permitindo que ela seja visualizada em qualquer computador com o Flash Player instalado. Math O OpenOffice.org Math é um editor de fórmulas matemáticas. Draw O OpenOffice.org Draw é um programa de desenho vetorial, será abordado na Lição 3. Calc O OpenOffice.org Calc é uma folha de cálculo similar as aplicações mais conhecidas que tra- balham com planilhas. O Calc possui uma série de funções que não estão presentes nesses softwares, incluindo um sistema de definição de séries para gráficos baseada na disposição dos dados na planilha. O Calc é capaz de escrever a folha de cálculo como um arquivo PDF. Base O OpenOffice.org Base é um sistema gestor de base de dados. Poderosos bancos de dados para servidores são uma tradição no Linux, mas a falta de bancos de dados para uso em escritó- rios ou residências levou ao desenvolvimento do Base. Desenvolvedor OpenOffice.org Versão 2.4.1 (6/2008) Sistema Operacional multiplataforma Licença LGPL Site Oficial www.openoffice.org, www.broffice.org outras alternativas: Koffice, AbiWord, Gnumeric. 30
  • Capítulo 5 Aplicações Gráficas 5.1 Introdução Em computação gráfica pode-se classificar uma imagem em relação à sua origem de duas formas distintas: Raster, que não é mais que a descrição da cor de cada pixel desenho vetorial que se baseia em vetores matemáticos. Imagem vetorial é um tipo de imagem gerada a partir de descrições geométricas de formas, diferente das imagens chamadas mapa de bits, que são geradas a partir de pontos minúsculos diferenciados por suas cores. Uma imagem vetorial normalmente é composta por curvas, elipses, polígonos, texto, entre outros elementos, isto é, utilizam vetores matemáticos para sua descrição. Em um trecho de desenho sólido, de uma cor apenas, um programa vetorial apenas repete o padrão, não armazena dados para cada pixel. 31
  • CDTC Centro de Difusão de Tecnologia e Conhecimento Brasília/DF 5.2 Editor de Desenho Vetorial Proprietários: Adobe Illustrator, Corel Draw 5.2.1 Inkscape Com apenas 5 anos desde o primeiro realease, o Inkscape encontra-se maduro, com as prin- cipais características e ferramentas que se esperam de um editor de desenho vetorial profissional. Possui curvas (Bezier), linhas, (freehand) caligrafia, desenho incluindo acidente vascular ce- rebral, figuras geométricas, rastreio bitmap, múltiplas camadas, transformações, perfis ICC em imagens, suporte nativo a PDF com transparência, opções gradiente, etc. Trabalha com o formato de arquivos livre SVG (svg), suporta aquivos como Adobe Illustrator (AI), Postscript (PS) e Encapsulated Postscript (EPS), Windows Metafile (WMF), Skencil/Sketch (SK and SK1), e a partir da versão 0.46, Corel Draw (CDR). Usuários de softwares proprietários se surpreendem com o Inkscape, pelo desempenho em que inicia e realiza suas tarefas numa interface completa. Desenvolvedor Inkscape Team Versão 0.46.0 (3/2008) Sistema Operacional multiplataforma Licença GPL Site Oficial www.inkscape.org 32
  • CDTC Centro de Difusão de Tecnologia e Conhecimento Brasília/DF 5.2.2 Skencil Trata-se de uma forma flexível e poderosa ferramenta para ilustrações, diagramas e outros. Característica única do Skencil, ele é quase completamente implementado sob uma linguagem de alto nível, orientada a objeto e interpretada, Python. Feito para trabalhar desenhos rápidos utilizando formas geométricas, curvas onde cada forma é representada matematicamente, apresenta coordenadas, medida do raio, áreas etc. Possui efeitos de imagem, como suavização de limites e textos adaptados à forma. Suporta diferentes formatos, Skencil (SK), XFig (FIG), Adobe Ilustrator (AI), Encapsulated Postscript (EPS), Windows Metafile (WMF), Corel CMX, SVG, PDF etc. Desenvolvedor Skencil Versão 0.6.17 (6/2005) Sistema Operacional Linux Licença LGPL Site Oficial www.skencil.org 5.2.3 Open Office Draw Open Office Draw não foi criado para competir com os grandes editores de gráficos vetoriais, mas é estável, rápido, intuitivo, facilita a criação de fluxogramas, gráficos e outras ilustrações para um rápido esboço. Possui capacidade de manipular objetos em duas ou três dimensões com textura e ilumina- ção, e disponibiliza uma grande variedade de barras de ferramentas que realmente racionalizam o processo criativo. Utiliza o formato SXW, é capaz de criar apresentações Flash (SWF) e importar gráficos em formatos como GIF, JPEG, TIFF, e seus gráficos podem ser trabalhados dentro de qualquer outro software compliant OpenDocument. Desenvolvedor openoffice.org Versão 2.4.1 (6/2008) Sistema Operacional multiplataforma Licença LGPL Site Oficial www.broffice.org, www.openoffice.org outras alternativas: Xara, KOffice Karbon14. 33
  • CDTC Centro de Difusão de Tecnologia e Conhecimento Brasília/DF 5.3 Editoração Eletrônica Proprietários: Adobe InDesign, QuarkXPress, Microsoft Publisher 5.3.1 Scribus Software Livre profissional que lhe permite desenvolver layouts sofisticados de jornais, revis- tas, livros, pode criar apresentações e formulários PDF animados e interativos. O Scribus suporta uma grande quantidade de formatos gráficos à adição como o SVG e inclui recursos profissionais como CMYK, gerenciamento de perfis ICC e cores por separação (spot colors). Um interpretador Python foi incluso dentro do programa para criação de scripts que auxi- liam no processo de criação do documento automatizando tarefas comuns. O suporte a PDF inclui transparência e criptografia, objetos interativos como: campos, anota- ções, botões e marcadores também são suportados. O formato de arquivo usado no Scribus baseia-se no XML, sendo totalmente documentado. Documentos tipo do OpenDocument podem ser importados, e com algumas limitações RTF, Mi- crosoft Word (doc) e HTML. Desenvolvedor Scribus Team Versão 1.3.3.11 (1/2008) Sistema Operacional multiplataforma Licença GPL Site Oficial www.scribus.net 34
  • CDTC Centro de Difusão de Tecnologia e Conhecimento Brasília/DF 5.4 Editor de Imagem Bitmap Proprietários: Adobe Photoshop 5.4.1 Gimp A mais antiga e conhecida aplicação gráfica de fonte aberta, o Gimp (GNU Image Manipula- tion Program) bate de frente com as aplicações gráficas comerciais. Com desempenho impressi- onante, disponibiliza uma suíte completa de ferramentas para a criação e edição de imagens. De fácil extensão, possui mais de 100 plug-ins e scripts já disponíveis, e além do uso interativo, pode ser inserido em scripts e chamadas de sistemas em programas compilados. O Gimp traz as tradicionais ferramentas de edição e pintura, trabalha com camadas, caminhos (paths), filtros, canais e texturas. Possui um sistema de anti-aliasing (correção de serrilhado) de alta qualidade e uma poderosa ferramenta para aplicar efeitos de gradiente e mistura. Traz tam- bém assistentes como geração de botões e criação de logomarcas. O Gimp permite escrever plug-ins e scripts que o utilizam sem interface com o usuário; é possível, por exemplo, produzir imagens para uma página web utilizando scripts CGI, ou realizar correção de cor ou redimensionamento de imagens em lote. O formato nativo de imagens do GIMP é o XCF que possui muitos recursos extras como ima- gem em camadas (layers). O GIMP também pode abrir, editar, converter e gravar nos formatos SVG, ICO, BMP, PSD, GIF, JPG, PNG, TIF e outros formatos. Podem-se usar programas como o QCad para o formato CAD e o programa freewrl para os formatos VRML / X3D. A interface possui grande flexibilidade, mas é comumente criticada por usuários dos softwares proprietários, que buscam no GIMP uma versão quot;grátisquot;destes. O projeto teve inicio em 1995 e ao longo do tempo adotou soluções originais para a interface. Para facilitar a adaptação de usuários do Adobe Photoshop, foi criado o projeto GIMPshop, uma modificação livre e de código aberto do GIMP, que alterando principalmente a estrutura de menus e a terminologia, torna similar suas interfaces. Desenvolvedor GIMP Team Versão 2.4.6 (6/2008) Sistema Operacional multiplataforma Licença GPL Site Oficial www.gimp.org 35
  • Capítulo 6 Desenvolvimento 6.1 Banco de Dados 6.1.1 Introdução Um Sistema Gerenciador de Banco de Dados (SGBD) é o conjunto de softwares responsáveis pelo gerenciamento de uma base de dados. O principal objetivo é retirar da aplicação cliente a responsabilidade de gerenciar o acesso, manipulação e organização dos dados. O SGBD dispo- nibiliza uma interface para que os seus clientes incluam, alterem ou consultem dados. Em bancos de dados relacionais a interface é constituída pelas APIs ou drivers do SGBD, que executam co- mandos na linguagem SQL (Structured Query Language, Linguagem de Consulta Estruturada). Proprietários: Microsoft SQL Server, Oracle Database, Microsoft Access 6.1.2 PostgreSQL Hoje, o PostgreSQL é um dos SGBDs de código aberto mais avançados. Suporta grande parte do SQL ANSI, inclusive do SQL 2003, além de oferecer outros recursos importantes, como: • Comandos complexos; • Chaves estrangeiras (Foreign Key); • Gatilhos (Triggers); • Visões (views); • Integridade de Transações; • Controle de Simultaneidade Multiversão (MVCC); • Suporta múltiplas transações online concorrentes entre usuários; 36
  • CDTC Centro de Difusão de Tecnologia e Conhecimento Brasília/DF • Suporte a Rules (sistema de regras que reescreve diretivas SQL); • Criação de tabelas temporárias. Traz também opções de extensão pelo usuário para: tipos de dados, funções, operadores, funções de Agregação (Agrupamento), métodos de índice e linguagens procedurais (Stored Pro- cedures). Desenvolvedor PostgreSQL Global Development Group Versão 8.3.3 (6/2008) Sistema Operacional multiplataforma Licença BSD license Site Oficial www.postgresql.org 6.1.3 MySQL Atualmente é o SGBD de código aberto mais popular do mundo, com milhões de instalações entre Websites, datawarehouse, aplicações comerciais e outras mais. É reconhecido por ser robusto e pelo ótimo desempenho. Usuários como Yahoo! Finance, MP3.com, Motorola, NASA, Silicon Graphics, e Texas Instruments usam o MySQL em aplicações de missão crítica. Suas principais características são: • portabilidade; • compatibilidade, existem drivers e módulos de interface para diversas linguagens de progra- mação; • excelente desempenho e estabilidade; • pouco exigente quanto a recursos de hardware; • facilidade de uso; • suporte a vários tipos de tabelas; • suporta controle transacional, Triggers, Stored Procedures e Funções; • replicação de fácil configuração. No dia 16 de Janeiro de 2008, a MySQL AB, desenvolvedora do MySQL, foi adquirida pela Sun Microsystems por US$ 1 bilhão, um preço jamais visto no setor de licenças livres. Desenvolvedor MySQL AB Versão 5.0.51a (1/2008) Sistema Operacional multiplataforma Licença GPL / proprietária Site Oficial www.mysql.com 37
  • CDTC Centro de Difusão de Tecnologia e Conhecimento Brasília/DF 6.2 Desenvolvimento WEB Proprietários: Adobe Dreamweaver, Microsoft Frontpage 6.2.1 Quanta Plus Um ambiente de desenvolvimento integrado (IDE) para HTML, XHTML, CSS, XML, PHP e de qualquer outra baseada em XML ou linguagens script. O Quanta Plus é rico em recursos, vem com modelos, plugins, preview integrado, apresenta o código fonte e o modo WYSIWYG (Visual layout), suporte CSS com editor visual e função auto-completar, visualizador automático, mecanismo interno de upload por FTP, suporte pleno a HTML 4.0 com CSS, gerenciamento de projetos, muitas barras de ferramentas, numerosos templates, auto-preenchimento e outros. O Quanta Plus oferece aos programadores Web uma interface para vários documentos in- tuitiva e poderosa (MDI). Pode aumentar drasticamente a sua produtividade, através do uso das ações personalizadas do ’scripting’ e das barras de ferramentas, é possivel automatizar quase todas as tarefas. Com a utilização do Kommander, o Quanta Plus poderá ser extendido de tal forma que não será mais necessário lembrar da sintaxe de comandos de ’scripting’. Desenvolvedor Quanta Team Versão 3.5.8 (2/2008) Sistema Operacional Unix-like Licença GPL Site Oficial quanta.kdewebdev.org 6.2.2 Aptana Aptana é uma IDE baseada no Eclipse, uma IDE Open Source para desenvolvimento Java, mas focada no desenvolvimento web. 38
  • CDTC Centro de Difusão de Tecnologia e Conhecimento Brasília/DF Possui recursos de suporte a HTML, CSS, Javascript, incluindo também suas próprias fun- ções: pré-visualização e assistente de código para HTML, Javascript e CSS, upload download e sincronização FTP e SFTP, debugger de Javascript, suporte a extensões, marcação de erro no próprio código, multiplataforma, Outline, etc. Desenvolvedor Aptana Inc Versão 0.2.7 Sistema Operacional multiplataforma Licença Eclipse Public License Site Oficial www.aptana.com 6.2.3 Bluefish Bluefish é um poderoso editor html/PHP. Atualmente o Bluefish roda em Linux, FreeBSD, Ma- cOS X, OpenBSD, Solaris e Tru64. E suas principais características são: • abre múltiplos documentos simultaneamente; • sintaxe highlight; • fechamento automático de tags HTML e XML; • janela de pré-visualização; • suporte a SSI; • suporte a PHP; • suporte à validação HTML. O Bluefish requer para seu funcionamento as bibliotecas gtk2, libpcre e opcionalmente o li- baspell. Desenvolvedor Bluefish Dev Team Versão 1.0.7 (10/2006) Sistema Operacional Linux (POSIX) Licença GPL Site Oficial bluefish.openoffice.nl outras alternativas: KompoZer 0.7.7 (nvu). 39
  • Capítulo 7 Reprodução de Áudio e Vídeo 7.1 Reprodução de Áudio Proprietários: Apple iTunes, Windows Media Player 7.1.1 Amarok Software excelente para organização e reprodução de áudio para o ambiente desktop KDE, compatível com sistemas operacionais Unix tais como o Linux e o FreeBSD. Embora possa operar como os programas tradicionais, com pastas e listas de reprodução, o Amarok utiliza o conceito de etiquetas. Apresenta as seguintes características: • múltiplas listas de reprodução; • indexação das coleções de música em um banco de dados: SQLite, MySQL ou PostgreSQL; • integração com outras aplicações do KDE, como o gravador de CDs K3b e o navegador Konqueror; • baixa letras de música e capas de álbuns da Internet; • suporte ao DCOP; • integração com a loja de áudio virtual Magnatune, que se caracteriza por vender música sem DRM e por ser independente de gravadoras; • suporte a dispositivos de áudio como o iPod. 40
  • CDTC Centro de Difusão de Tecnologia e Conhecimento Brasília/DF Desenvolvedor Comunidade Open-source Versão 1.4.9 (4/2008) Sistema Operacional Linux, FreeBSD Licença GPL Site Oficial amarok.kde.org 7.1.2 Exaile Exaile é uma ótima alternativa para quem utiliza o ambiente desktop Gnome. É um tocador de música escrito em Python que usa o kit de ferramentas GTK+. Opções incluídas: • baixa letras de música e capas de álbuns da Internet; • informações do artista/álbum (via Wikipedia); • tablaturas de guitarra (via fretplay.com); • criação de playlists; • suporte a iPod; • suporte a Last.fm; • browser do SHOUTcast. Desenvolvedor Adam Olsen Versão 0.2.13 (2/2008) Sistema Operacional multiplataforma Licença GPL Site Oficial www.exaile.org Outras alternativas: Banshee, Rhythmbox, Songbird, Audacious. 41
  • CDTC Centro de Difusão de Tecnologia e Conhecimento Brasília/DF 7.2 Reprodução de Vídeo Proprietários: Windows Media Player 7.2.1 MPlayer MPlayer é um player multimídia de código aberto para diversos sistemas operacionais, como GNU/Linux, FreeBSD e Microsoft Windows, e é um dos que possui suporte a maior quantidade de formatos de arquivos de vídeo. Tem suporte a vídeos em MPEG-1, MPEG-2, MPEG-4, DivX, XviD, DVDs, VCDs, Real Audio, MOV, entre vários outros. Suporta também a reprodução de ví- deos via streaming RTP e HTTP, além de legendas. Pelo fato de o MPlayer não ter como principal objetivo a reprodução de vídeos via streaming, esse suporte não é configurado na instalação pa- drão. O código do MPlayer possui rotinas para tirar proveito da aceleração de placas de vídeo, tornando-o ideal para a reprodução de vídeos que exijam uma maior qualidade. Há também um plug-in para navegadores baseados no Mozilla e que permite a reprodução de vídeos dentro do próprio navegador. Desenvolvedor MPlayer Team Versão 1.0rc2 (10/2007) Sistema Operacional multiplataforma Licença GPL Site Oficial www.mplayerhq.hu 42
  • CDTC Centro de Difusão de Tecnologia e Conhecimento Brasília/DF 7.2.2 VLC Media Player VLC é um player multimídia de código aberto. Possui suporte a vários formatos de vídeo, como MPEG1, MPEG-2, MPEG-4, DivX, DVD, VCDs, etc e áudio como mp3 e wav. Além disso, tem suporte a vários protocolos de streaming, podendo ser usado como servidor de vídeo em uma rede de alta velocidade. Possui suporte a transmissão em unicast ou multicast. Além disso, opera em redes IPv4 e IPv6. O VLC tem versões para vários sistemas operacionais, tais como Windows, Mac OS, FreeBSD, GNU/Linux, BeOS, dentre outros e possui suporte a vários proto- colos como UDP, HTTP, RTP, etc. O VLC é considerado por muitos um dos melhores softwares usados para transmissão e repro- dução de vídeos. Isso devido a gama de plataformas suportadas, formatos de arquivos tocados, dentre outras funcionalidades que vêm sendo agregadas ao VLC constantemente. Desenvolvedor VideoLAN Project Versão 0.8.6f (4/2008) Sistema Operacional multiplataforma Licença GPL Site Oficial www.videolan.org/vlc Outras alternativas: Totem, Kaffeine, KMplayer e KPlayer, Gxine, Xine. 43
  • Capítulo 8 Edição de Áudio e Vídeo 8.1 Edição de Áudio Proprietários: Adobe Audition, Steinberg Cubase, GarageBand 8.1.1 Audacity Software livre excelente para captura e edição de áudio. Simples de trabalhar, é ideal para quem não possui experiência em edição de áudio. Possibilita a adição de vários efeitos como: amplificar o som, eco, remoção de ruídos, alteração da velocidade sem alterar a altura para uma sincronização perfeita com vídeo. Permite cortar, copiar e mixar faixas de áudio em formato Ogg Vorbis, MP3 e WAV. Pode ser utilizado também em gravações ao vivo e para transformar fitas cassete em gravações digitais. Desenvolvedor vários (SourceForge) Versão 1.2.6 (11/2006) Sistema Operacional multiplataforma Licença GPL Site Oficial audacity.sourceforge.net 44
  • CDTC Centro de Difusão de Tecnologia e Conhecimento Brasília/DF 8.1.2 Hydrogen Hydrogen é um dos melhores e mais completos softwares para composição, edição e criação de trilhas de bateria para músicas. Traz inúmeras funções e é compatível com quase todos os tipos de arquivo relacionados a elas. Sua interface é bonita e intuitiva, mas requer do usuário alguma familiaridade com a criação e edição de faixas. Essencial para músicos e profissionais de edição e produção de áudio, em especial relacionados à percussão. Ele possibilita a criação de excelentes arranjos e faixas para ritmo com metrônomo, escolha de pratos e tons, repetição, força de cada instrumento, entre outros. Proporciona a criação de música através de loops, seqüências e pistas(32 para instrumentos, que podem preparar até 16 samples cada um). Desenvolvedor Alessandro Cominu Versão 0.9.4 (2/2006) Sistema Operacional Linux Licença GPL Site Oficial www.hydrogen-music.org 45
  • CDTC Centro de Difusão de Tecnologia e Conhecimento Brasília/DF 8.1.3 Ardour O Ardour é um software livre de edição de áudio digital profissional, permite gravar, editar e mixar áudio e vídeo em multipistas. O Ardour suporta áudio digital em taxas de amostra arbitrárias, até o limite da capacidade do hardware, bem como a entrada e saída de diferentes formatos de arquivos. As tecnologias de controle MMC (MIDI Machine Control) e MIDI podem ser usadas para controlar a mixagem tanto manual como automaticamente. O software Ardour oferece algumas variações notáveis nas funções habituais de edição de áudio. Fades, por exemplo, são aplicados em tempo real à medida que são modificados. Vários modelos diferentes de camadas de região também são suportados. O software permite desfa- zer/refazer instantaneamente e a facilidade de armazenar versões interessantes ou úteis de uma sessão. Alguns utilizam o Ardour como um ambiente de masterização de áudio. Sua integração com o JACK (JACK Audio Connection Kit) torna possível a utilização de ferramentas de masterização. O Ardour pode também exportar arquivos TOC e CUE, que permitem a criação de arquivos para CDs. Desenvolvedor Linux Audio Systems Versão 2.4.1 Sistema Operacional multiplataforma Licença GPL Site Oficial www.ardour.org 46
  • CDTC Centro de Difusão de Tecnologia e Conhecimento Brasília/DF 8.2 Edição de Vídeo Proprietários: Adobe Premiere Pro, Microsoft Movie Maker, Final Cut Pro, Apple iMovie 8.2.1 Cinelerra Cinelerra é um sistema de edição não-linear. Traz um mecanismo de composição de vídeo, que possibilita ao usuário executar operações de composição comuns como keying e mattes. Ci- nelerra algumas vezes é criticado por requerer alta capacidade do computador, seus apoiadores dizem que é um programa profissional e que há programas alternativos para amadores. Permite capturar, editar, aplicar efeitos, mixar trilhas de áudio e vídeo em tempo real. Possui recursos de tratamento de vídeo como: cor, brilho, contraste, gradiente, zoom; e áudio possui compressor, denoise, sound level, sincronismo e captura direta de dispositivos externos, entre outros. Pode trabalhar de forma solitária ou como um nó em uma rede de renderização. Inclui suporte a áudio e vídeo de alta fidelidade, processa áudio utilizando de precisão com ponto flutuante, e pode trabalhar com espaços de cor tanto em RGBA como YUVA com representações em 16-bit. (O quot;Aquot;em ambos os espaços de cor significam o canal alfa). É independente de resolução e frame rate, ou seja, suporta vídeo em qualquer velocidade e tamanho. Desenvolvedor Heroine Virtual Versão 2.1 (7/2006) Sistema Operacional Linux Licença GPL Site Oficial heroinewarrior.com/cinelerra.php3 47
  • CDTC Centro de Difusão de Tecnologia e Conhecimento Brasília/DF 8.2.2 Kino O Kino é um software simples para captura de vídeo via firewire (IEEE 1394). Utiliza as plata- formas do FFMPEG e do MEncoder, que permite a ele ler arquivos vindos de outros programas de edição. Além disso, o Kino é o único programa de vídeo capaz de exportar conteúdo de volta para fitas miniDV, transformando-o em peça fundamental da ilha de edição. Desenvolvedor Kino Versão 1.3.0 (2/2008) Sistema Operacional Linux Licença GPL Site Oficial www.kinodv.org 8.2.3 Jahshaka O Jahshaka é uma poderosa ferramenta para composição de vídeo, assim como é o After Effects. Através de uma interface prática, disponibiliza uma suíte completa de ferramentas de edi- ção como: pintura digital, composição com objetos 3D, animações, chroma key, efeitos visuais, etc. Importa e exporta em diversos tipos de arquivo de vídeos (avi, mpeg, wmv, ogm, rmbv etc.), áudio (wav, mp3, ogg...), imagens (png, jpg, gif...) e modelos 3D (3ds) e arquivos Flash. Desenvolvedor Jahshaka Versão 2.0 (9/2006) Sistema Operacional multiplataforma Licença GPL Site Oficial www.jahshaka.org Outras alternativas: KDEnlive, AviDemux. 48
  • Capítulo 9 Gravação de CDs e DVDs 9.1 Gravação de CDs e DVDs Proprietários: Nero Burning Rom, Roxio RecordNow 9.1.1 K3b O K3b é um completo e poderoso programa que funciona como uma interface gráfica para a gravação de CD-ROMs e DVDs e funciona normalmente em sistemas operacionais da família Unix, tais como o Linux e o FreeBSD. Utiliza-se, para gravar mídias, dos programas cdrecord, cdrdao e growisofs. O K3b faz parte do projeto KDE. Além de gravar CDs de áudio, DVDs de vídeo e discos com dados, ele pode converter um filme para DivX (ou XviD) e funciona como ripador de áudio. Desenvolvedor Sebastian Trüg, Christian Kvasny Versão 1.0.5 (3/2008) Sistema Operacional Unix-like Licença GPL Site Oficial www.k3b.org 49
  • CDTC Centro de Difusão de Tecnologia e Conhecimento Brasília/DF 9.1.2 GnomeBaker O GnomeBaker é um aplicativo para gravação de CDs e DVDs através da interface GNOME. Possui todas as funcionalidades que se esperam de um software prático de gravação, como: cri- ação de CDs de dados, limpeza ou formatação de mídias, cópia de discos de áudio e dados, gravação de imagens ISO e de arquivos nos formatos CUE e BIN, criação de CDs de áudio a partir de arquivos MP3, FLAC e OGG e gravação de DVDs. Desenvolvedor GnomeBaker developers Versão 0.6.4 (6/2008) Sistema Operacional Unix-like (GNOME) Licença GPL Site Oficial sourceforge.net/projects/gnomebaker Outras alternativas: Graveman, X-CD-Roast, Brasero, KISO. 50
  • Capítulo 10 Utilitários de Sistema 10.1 Particionador de Disco Particionar um disco significa dividi-lo em várias partes, este é um procedimento necessário para que o disco se torne funcional. Quando o disco é particionado, automaticamente gera-se uma tabela de partições, onde fica gravado o endereço e a característica da partição gerada, as partições possuem características individuais para cada tipo de sistema operacional. No sistema operacional GNU/Linux os principais sistemas de arquivo são ext2, ext3 e ReiserfS, no Microsoft Windows fat16, fat32 e NTFS. Proprietários: Symantec Norton PartitionMagic, Acronis Partition Expert 10.1.1 GParted e qtParted GParted (ou Gnome Partition Editor) é o aplicativo Gnome para edição de partições. Suas funções são as de criar, destruir, redimensionar, verificar e copiar partições em seus sistemas de arquivos. É usado para criar espaço para novos sistemas operacionais, reorganizar o uso do disco rígido, copiar dados e quot;espelharquot;uma partição em outra. O GParted é escrito em C++ e usa o toolkit gráfico gtkmm. Utiliza GNU Parted (libparted) para detectar e manipular dispositivos e tabelas de partição enquanto outras ferramentas (opcionais) possibilitam o uso de sistemas de arquivo não incluídos no libparted. O qtParted, equivalente ao GParted, utiliza ao invés GTK, o framework Qt, base do ambiente gráfico KDE. 51
  • CDTC Centro de Difusão de Tecnologia e Conhecimento Brasília/DF Recursos: sistemas de arquivos e partições SA Detectar Ler Criar Ampliar Encolher Mover Copiar Checar ext2 Sim Sim Sim Sim Sim Sim Sim Sim ext3 Sim Sim Sim Sim Sim Sim Sim Sim fat16 Sim Sim Sim Sim Sim Sim Sim Sim fat32 Sim Sim Sim Sim Sim Sim Sim Sim HFS Sim Sim Sim Não Sim Sim Sim Não HFS+ Sim Sim Não Não Sim Sim Sim Não JFS Sim Sim Sim Sim Não Sim Sim Sim swap Sim Não Sim Sim Sim Sim Sim Sim NTFS Sim Sim Sim Sim Sim Sim Sim Sim Reiser4 Sim Sim Sim Não Não Sim Sim Sim ReiserFS Sim Sim Sim Sim Sim Sim Sim Sim UFS Sim Não Não Não Não Sim Sim Não XFS Sim Sim Sim Sim Parcial Sim Sim Sim Desenvolvedor vários (SourceForge) Versão 0.3.5 (4/2008) Sistema Operacional multiplataforma Licença GPL Site Oficial gparted.sourceforge.net 52
  • CDTC Centro de Difusão de Tecnologia e Conhecimento Brasília/DF 10.2 Virtualização Máquina virtual (Virtual Machine - VM) é o nome dado a uma máquina, implementada através de software, que executa programas como um computador real. Pode ser definida como üma duplicata eficiente e isolada de uma máquina real¨ . Proprietários: VMware Server 10.2.1 VirtualBox VirtualBox é de forma geral um Virtualizador completo para hardware x86, uma solução de virtualização de qualidade profissional. Apresenta recursos como: Modularidade: VirtualBox tem um desenho extremamente modular com interfaces de progra- mação interna bem definidas e um desenho cliente/servidor. Isso torna fácil o controle de várias interfaces de uma só vez; Otimização para clientes Linux e Windows: a VirtualBox tem um software especial que pode ser instalado dentro das máquinas virtuais desses sistemas operacionais para melhorar o desempe- nho e a integração; Pastas Compartilhadas: tal como muitas outras soluções de virtualização, para facilitar a troca de dados entre os hosts e convidados a VirtualBox permite a declaração dos diretórios de certos hosts como quot;pastas compartilhadasquot;, que podem ser acessadas de dentro de máquinas virtuais. E alguns recursos extras estão disponíveis somente na versão completa. Desenvolvedor InnoTek Versão 1.6.2 (6/2008) Sistema Operacional multiplataforma Licença GPL / Proprietária Site Oficial www.virtualbox.org 53
  • CDTC Centro de Difusão de Tecnologia e Conhecimento Brasília/DF 10.2.2 Xen O Xen é uma plataforma de virtualização livre para as arquiteturas x86, x86-64, IA-32, IA-64 e PowerPC. Distingue-se do VMware por não oferecer funções avançadas de gerenciamento que permitam a criação de um data center virtual, em compensação possui performance superior. Permite que se rode vários sistemas operacionais em um mesmo hardware ao mesmo tempo. Desenvolvedor Xen Project, XenSource, Inc. Versão 3.2.1 (4/2008) Sistema Operacional Unix-like Licença GPL Site Oficial www.xen.org 10.2.3 OpenVZ O OpenVZ se comparado a máquinas virtuais como VMware e tecnologias de virtualização como Xen, é limitado, na medida em que exige sistema operacional GNU/Linux. No entanto, o OpenVZ oferece uma grande vantagem quanto ao desempenho, de acordo com o seu site, há apenas uma perda de 1% a 3% de desempenho em relação aos servidores físicos. Cada servidor virtual que funciona sob OpenVZ tem acesso completo (root access), e o OpenVZ garante que não existam conflitos entre os diferentes servidores virtuais. Assim, cada servidor tem o seu próprio endereço IP, memória dedicada, aplicação, bibliotecas e assim por diante. Desenvolvedor Community project, suportado por Parallels inc Versão 2.4.1 (6/2008) Sistema Operacional Linux Licença GPL Site Oficial www.openvz.org 54