Loading…

Flash Player 9 (or above) is needed to view presentations.
We have detected that you do not have it on your computer. To install it, go here.

Like this presentation? Why not share!

Like this? Share it with your network

Share

Dor Torácica - Diagnóstico e Tratamentos

on

  • 8,471 views

Apresentação sobre Dor Torácica - XIV Jornada Médica 2010 - Luziânia, GO

Apresentação sobre Dor Torácica - XIV Jornada Médica 2010 - Luziânia, GO

Statistics

Views

Total Views
8,471
Views on SlideShare
8,471
Embed Views
0

Actions

Likes
2
Downloads
134
Comments
1

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

CC Attribution-NonCommercial LicenseCC Attribution-NonCommercial License

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

Dor Torácica - Diagnóstico e Tratamentos Presentation Transcript

  • 1. XIV – Jornada Médica da Região Geoeconômica de Brasília
  • 2. Dor Torácica 5-10 % dos atendimentos na SE 2/3 causas não isquêmicas 1/3 causas isquêmicas Atendimentos / ano: 5-8 milhões 3-4 milhões
  • 3. 24.000 visitas às UE por ano 9.000 liberados 15.000 admitidos Alta taxa de mortalidade (11-22%) 10.000 admissões desnecessárias Custo excessivo desnecessário 5.000 admissões necessárias (ICo aguda) 450-900 IAM não diagnosticados Dor Torácica em Goiânia Oportunidade p/ reduzir custos Oportunidade p/ otimizar tratamento UDT Goiânia
  • 4. * A sistematização e identificação precoce do tipo de dor torácica leva a: - Agilização do atendimento nas salas de emergência - Estratificação adequada do risco - Redução de internações desnecessárias na UTI / UCo - Redução do risco de liberação de pacientes com SCA não diagnosticada - Aumento do emprego de estratégias de reperfusão - Redução dos custos de tratamento Dor Torácica
  • 5. Unidade de Dor Torácica (n= 50) US$ 1.297 US$ 1.108 Todos os pacientes Só pacientes com investigação negativa para SCA Grupo Convencional (n= 50) US$ 5.719 US$ 2.089 Redução 77% 47% Gomez et al – J Am Coll Cardiol 1996; 28:25 CUSTOS HOSPITALARES Pacientes com Dor Torácica de todas as causas UDT – Universidade de Utah - USA
  • 6. Área física específica para atendimento da urgência cardiovascular Número de leitos monitorizados e com disponibilidade de O 2 , em quantidade compatível para uma permanência de até 09 horas Laboratório 24 horas Disponibilidade, em tempo integral e com rapidez, de remoção para unidades de maior complexidade Equipe treinada, conforme protocolos preestabelecidos, para identificação das várias causas de dor torácica Requisitos Mínimos
  • 7. Aterosclerose Angina estável Angina instável IAM Angina pós-IAM DOR TORÁCICA NÃO-CARDÍACA CARDÍACA Espasmo esofágico Refluxo esofágico Hérnia hiatal Câncer de esôfago Úlcera péptica Doença biliar Pancreatite Tumor Mediastinite Pneumo-mediastinite GASTROINTESTINAL MEDIASTINAL Pneumotórax Embolia pulmonar Pneumonia Pleurite Tumor Hipert. pulmonar PULMONAR MÚSCULO-ESQUELÉTICA PSICOGÊNICA Costocondrite Fibromiosite Lesões traumáticas Distensão muscular Hérnia de disco Neuralgia herpética Neoplasias ósseas Compressões radiculares Espondiloartrose Bursite subacromial Ansiedade Depressão So Pânico NÃO-CORONARIANA CORONARIANA Dissecção aórtica Pericardite PVM HAS Obstrução via saída VE Cardiomiopatias Taquiarritmias Espasmo coronário Síndrome X Ponte miocárdica Tortuosidade Fluxo lento NÃO-OBSTRUTIVA OBSTRUTIVA 1/3 2/3
  • 8. Investigação da Dor Torácica Marcadores de Risco Alteração Eletrocardiográfica Característica da Dor
  • 9. Avaliação Inicial da Dor Torácica * Dados Clínicos: DAC prévia Diabetes Mellitus Idade > 60 anos Sexo História Pessoal História Familiar Fatores ambientais * Característica da Dor: Qualidade Localização Irradiação O que desencadeia O que alivia Sintomas associados
  • 10.
    • Dor retroesternal ou MSE
    • Irradiação da dor:
    • - ambos os braços
    • - braço esquerdo
    • - ombro direito
    • Dor como principal sintoma
    • História prévia de IAM
    • Náuseas ou vômitos
    • Sudorese
    • 3ª bulha à ausculta cardíaca
    • Hipotensão (PAS < 80 mmHg)
    • Estertores pulmonares
    • Dor pleurítica
    • Dor aguda, dilacerante
    • Dor posicional
    • Dor reproduzida pela palpação
    Likelihood ratio JAMA 1998;280:1256 2,7 7,1 2,3 2,9 2,0 1,5-3,0 1,9 2,0 3,2 3,1 2,1 0,2 0,3 0,3 0,2-0,4 Fatores Clínicos Associados a Maior ou Menor Probabilidade de IAM
  • 11. Dor Torácica Qualidade Localização Irradiação Desencadeada por Aliviada por Sintomas Associados Constritiva Precordial MSE Esforço físico Repouso Sudorese Aperto Retroesternal MSD Atividade sexual Nitrato SL Náusea / Vômito Peso Ombro Ombro Posição Analgésico Palidez Pressão / Opressão Epigástrio Mandíbula Alimentação Alimentação Dispnéia Desconforto Pescoço Pescoço Respiração Antiácido Hemoptise Queimação Hemitórax Epigástrio Estresse Emoção Posição Tosse Pontada Dorso Dorso Espontânea Apnéia Tonteira Lipotímia Síncope
  • 12. Dor Definitivamente Isquêmica: Dor ou desconforto retroesternal ou precordial, geralmente precipitada pelo esforço físico, podendo ter irradiação para o ombro, mandíbula ou face interna do braço, com duração de alguns minutos, e aliviada pelo repouso ou nitrato em menos de 10 minutos Dor Possivelmente Isquêmica: Tem a maioria, mas não todas as características da dor definitivamente isquêmica, podendo ser até inteiramente típica sob alguns aspectos Dor Possivelmente Não-isquêmica: Tem algumas poucas características da dor definitivamente isquêmica, não apresentando as demais (principalmente a relação com o esforço) Dor Definitivamente Não-isquêmica: Não tem nenhuma das características da dor isquêmica, principalmente a relação com o esforço, apesar de às vezes se localizar na região precordial ou retroesternal CASS - N Eng J Med 1979;301:230-235
  • 13.  
  • 14.  
  • 15.  
  • 16.  
  • 17.  
  • 18.  
  • 19. Sensibilidade Especificidade Valor Preditivo Pos Valor Preditivo Neg Acurácia Global ECG (%) 49 96 79 86 86 Dor Torácica (%) 94 52 37 97 62 Bassan R et al - Arq Bras Cardiol 2000;74:13-21 Acurácia Diagnóstica para IAM com Supra-ST
  • 20. Biomarcadores para Inj ú ria Miocárdica Elevação (horas) Pico (horas) Normalização Fontes Não Cardíacas CK-MB 4 - 8 12 - 24 72 – 96 h M. esq DHL 10 – 12 48 – 72 7 – 10 d Maioria dos tecidos Troponina T 4 – 8 12 – 48 7 – 10 d M. esq. Mioglobina 2 – 4 8 - 10 24 h M. esq., útero, S. dig., Tireóide Troponina I 4 – 6 12 – 20 3 – 10 d M. esq.
  • 21. Fatores Precipitantes Tratamento Classe I: Recente começo (< 2 meses, frequente ou de grande intensidade, acelerada) Classe II: Sub-Aguda em repouso (um ou mais episódios nos últimos 30 dias, há 48 horas sem dor) Classe A: Secundária Classe 1: Mínimo ou ausente Braunwald E - Circulation 1989:80:410-4 Classe 2: Habitual Classe 3: Otimizado ao máximo Hamm & Braunwald E Circulation 2000;102:118-122 Classe III: Aguda em repouso (há 48 horas com dor) Classe B: Primária Angina Instável e Mortalidade Gravidade Classe C: Pós-IM (24 horas a 2 semanas) Evolução para IM ou morte em 30 dias: * Troponina Negativa: 2 % * Troponina Positiva: 20 % 14,1% 8,5% 18,5% 7,3% 10,3% 10,8%
  • 22. Antman – N Eng J Med 1996;335:1342 Níveis de Troponina e Mortalidade nas SCAs Sem Supra-ST
  • 23. Abela GS et al - Am J Cardiol 1999;83:94 Trombo Vermelho e Trombo Branco SCA sem supra de ST SCA com supra de ST
  • 24. Tempo da chegada à unidade de emergência (UE) até o atendimento médico: 3-5´ Tempo da chegada à UE até ECG: 10-15´ Tempo de coleta de marcadores de necrose miocárdica até o resultado: máximo de 2 HORAS Tempo da chegada à UE até o início da terapia de reperfusão em pacientes com supra de ST:  30´ para fibrinólise IV  60´ para angioplastia 1ª Diretriz de Dor Torácica na Sala de Emergência. Arq Bras Cardiol 2002; 79 (supl II): 1-22 Metas Ideais para o Tratamento
  • 25. Percentual de uso de terapia de reperfusão em pacientes elegíveis: 100% Percentual de prescrição de fármacos antiagregantes plaquetários: 100% Tempo de permanência, em horas, na UE ou no hospital:  6-12h p/ pacientes com baixa probabilidade  12-24h p/ pacientes com média/alta probabilidade, mas sem doença confirmada Taxa de readmissão hospitalar até 72h pós-alta: 0% 1ª Diretriz de Dor Torácica na Sala de Emergência. Arq Bras Cardiol 2002; 79 (supl II): 1-22 Metas Ideais para o Tratamento
  • 26. Dor sugestiva de isquemia miocárdica aguda (ou sintoma equivalente) Definitivamente Isquêmica Possivelmente Isquêmica Definitivamente Não-Isquêmica ECG com supra de ST ECG normal ou não-diagnóstico ECG com infra de ST História clínica e exame físico RISCO ECG convencional (12 a 15 derivações) TRIAGEM RÁPIDA NA EMERGÊNCIA Protocolo de Dor Torácica + ECG ?
  • 27. Dor sugestiva de isquemia miocárdica aguda (ou sintoma equivalente) Definitivamente Isquêmica Possivelmente Isquêmica Definitivamente Não-Isquêmica ECG com supra de ST ECG normal ou não-diagnóstico ECG com infra de ST História clínica e exame físico ECG convencional (12 a 15 derivações) TRIAGEM RÁPIDA NA EMERGÊNCIA Protocolo de Dor Torácica + ECG ?
  • 28. TIMI Risk Score p/ SCA Sem Supra-ST Idade ≥ 65 anos 1 ( ) ≥ 3 fatores de risco para DAC 1 ( ) DAC conhecida (estenose > 50%) 1 ( ) Uso de AAS nos últimos 7 dias 1 ( ) Angina severa nas últimas 24 horas 1 ( ) Aumento dos marcadores cardíacos 1 ( ) Desvio de ST > 0,5 mm 1 ( ) Morte / IAM / RMU Até 2 pontos: Risco baixo (4,7 – 8,3%) 3 a 4 pontos: Risco intermediário (13,2 – 19,9%) 5 a 7 pontos: Risco alto (26,2 – 40,9%) Antman E et al – JAMA 2000;284:835 Escore de Risco
  • 29. Paciente com Probabilidade Alta UDT por 06 a 09 horas Acesso venoso, O2 e Oxímetro Monitorização Repetir Troponina I ou T ou CK-MB após 6 horas AAS: 200 mg mastigável Nitroglicerina SL Considerar Enoxaparina (1 mg/Kg 12/12 h) Considerar BB se HAS ou taquicardia Sulfato de Morfina (2 mg EV SOS) CAT com a maior brevidade Marcadores de Alto Risco (dor persistente, marcadores séricos positivos, desvios de ST à monitorização, TV, instabilidade hemodinâmica, sinais de IC) UCo Acesso venoso, O2, Oxímetro, Monitorização Troponina I ou T, CK-MB, Hemograma, Ur, Cr, Na, K, AP, Lipidograma AAS: 200 mg mastigável Clopidogrel 300 mg VO Nitroglicerina SL/TD/EV Enoxaparina (1 mg/Kg 12/12 h) ou HNF (60-70 UI EV + 12-15 UI/Kg/h) BB VO ou BCC NDHP na intolerância ou Prinzmetal Sulfato de Morfina (2 mg EV SOS) Abciximab (CAT logo em seguida) ou Tirofiban (CAT planejado) no alto risco Sim Se intervenção: AAS 100 mg/d indefinidamente, Clopidogrel 75 mg/d de 1 a 3 (BMS) ou 12 meses (DES). BB, IECA, Estatina, Nitrato, Prevenção Secundária Até 8 horas após Enoxaparina Sem necessidade de dose adicional de Enoxaparina 8 a 12 horas após Enoxaparina Enoxaparina (0,3mg/Kg EV) ou HNF (50 UI/Kg EV em bolus) Dor Torácica sugestiva de Isquemia Miocárdica ou sintoma equivalente ECG Convencional de 12 a 15 Derivações Infra-ST > 0,5 mm OU Inversão de T > 2 mm em precordiais OU Supra transitório de ST Normal ou Não-Diagnóstico História Clínica Exame Físico TE convencional entre 6 e 12 horas Stress-ECO Cintilografia Não Risco Intermediário (3-4) ou Alto (5-7 pontos) Risco Baixo (0-2 pontos) Escore de Risco TIMI
  • 30. Dor sugestiva de isquemia miocárdica aguda (ou sintoma equivalente) Definitivamente Isquêmica Possivelmente Isquêmica Definitivamente Não-Isquêmica ECG com supra de ST ECG normal ou não-diagnóstico ECG com infra de ST História clínica e exame físico ECG convencional (12 a 15 derivações) TRIAGEM RÁPIDA NA EMERGÊNCIA Protocolo de Dor Torácica + ECG ? ou com BRE (recente ou presumidamente recente)
  • 31. ECG 5 min depois ECG inicial Teste com Nitrato SL Trombo Espasmo coronário SCA com Supra de ST
    • Trombo oclusivo x Espasmo coronário
    trombo
  • 32. Morrow D et al – Circulation 2000;102:2031-7 ESCORE DE RISCO = Total de pontos (0 -14) 0 1 2 3 4 5 6 7 8 > 8 ESCORE DE RISCO MORTALIDADE EM 30 DIAS no InTIME II (%)* 0,8 1,6 2,2 4,4 7,3 12 16 23 27 36 * Critérios de entrada: 30 min < Dor < 6 hs, ST  , elegíveis para fibrinólise Escore de Risco TIMI para IAM com Supra-ST Tempo para Ttº > 4 hrs Anterior ou BRE APRESENTAÇÃO 1 1 Peso < 67 kg FC > 100 bpm PAS < 100 mmHg EXAME Killip II - IV 3 2 1 2 Idade   75 anos 65 - 74 anos DM ou HAS ou Angina HISTÓRICO 3 2 1 PONTOS
  • 33. Adjunto 2: IGP IIb/IIIa Pré-Hospitalar ? Baixo Risco Alto Risco Alto Risco Instável Estável Decisão: Lítico PTCA 1 ária PTCA 1 ária Lítico Lítico PTCA 1 ária Suporte PTCA 1 ária Sucesso Insucesso Estratificar Adjunto 3: (HBPM x HNF) ± (IGP IIb/IIIa x Bivalirudina x Prasugrel x Pexelizumab) Laboratório de Cateterismo  até o balão: < 2 h > 2 h < 2 h > 2 h Adjunto 1: 100 mg de AAS + 300 mg de Clopidogrel  dor: < 3 horas > 12 horas 3 – 12 horas IAM com Supra-ST MONA 200 C 300
  • 34. 3) Sem supra-ST x Com supra-ST Trombo Angina Instável Investigação da Dor Torácica Infarto ñ-Q Espasmo Estratificação do risco Sistematização do atendimento 1) Cardíaca x Não-cardíaca
    • Pulmonar
    • Gastrointestinal
    • Musculoesquelética
    • Psicogênica
    { 2) Isquêmica x Não-isquêmica
    • Aórtica
    • Pericárdica
    • Endomiocárdica
    • Valvular
    {
  • 35. Obrigado