Your SlideShare is downloading. ×
0
Rodrigues Alves   Revolta Da Vacina   Danilo, Tatiana,Cristiane , Virginia,Jaqueline
Rodrigues Alves   Revolta Da Vacina   Danilo, Tatiana,Cristiane , Virginia,Jaqueline
Rodrigues Alves   Revolta Da Vacina   Danilo, Tatiana,Cristiane , Virginia,Jaqueline
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Rodrigues Alves Revolta Da Vacina Danilo, Tatiana,Cristiane , Virginia,Jaqueline

4,192

Published on

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
4,192
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
12
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. Rodrigues Alves Rodrigues Alves, presidente do Brasil de 15 de novembro de 1902 até 15 de novembro de 1906. Rodrigues Alves assumiu a presidência da Republica no ano de 1906, tinha como um de seus projetos principais atacarem o mal que assombrava toda a capital, que era a febre amarela, a varíola e a peste bubônica. A modernização do porto e remodelagem da cidade estava dentro deste projeto. Com grande responsabilidade em manter a cidade limpa, e longe de tantas doenças infecciosas, Alves nomeia Pereira Passos e o médico Osvaldo Cruz para se empenharem junto à ele nesta reforma sanitarista. Logo após ser nomeado pelo presidente Rodrigues Alves, o medico responsável pelo saneamento, Osvaldo Cruz assume o cargo em 1903 .
  • 2. <ul><li>REVOLTA DA VACINA </li></ul><ul><li>Em 1903, foram apresentados vários planos de campanhas lideradas por Osvaldo Cruz, ao ministro da justiça contra o vetor da febre amarela. A Saúde Pública teria de impedir a contaminação dos mosquitos pelos amarelentos infectantes, a infecção dos mosquitos contaminados e a permanência dos casos esporádicos que garantiam a continuidade da doença nos intervalos epidêmicos. Em relação à varíola, bastaria vacinar. Os responsáveis pelos distritos tinham incumbência de receberem notificações, aplicarem soros e vacinas e intimar proprietários de imóveis onde detectassem focos epidêmicos. As pessoas doentes e infectadas eram levadas para hospitais munidas de todos os seus pertences. Para se combater a varíola, era necessário que a população fosse vacinada. Osvaldo Cruz elaborou um regulamento que não estava mais sujeito as discussões e deveria ser aplicada a toda população. O jornal do Rio A Noticia publicou na seqüência um esboço do decreto elaborado por Osvaldo Cruz, e a partir de então o pânico e a indignação tomaram conta de toda a cidade. </li></ul>
  • 3. <ul><li>Diante de vários relatos de autores que escreveram sobre a Revolta da Vacina é possível se ter uma idéia de que, diante tais circunstâncias, não havia nenhum tipo de preocupação com as condições psicológicas das pessoas, ou mesmo com a preparação para receber uma grande imposição e obrigatoriedade para cumprir tal ato. Logo após ter sido publicada a regulamentação a cidade se torna em um verdadeiro poço de grande rebeldia e alvoroço Cruz havia construído. </li></ul>

×