Your SlideShare is downloading. ×
0
Programa Trans Visitas De Estudo Organizadores
Programa Trans Visitas De Estudo Organizadores
Programa Trans Visitas De Estudo Organizadores
Programa Trans Visitas De Estudo Organizadores
Programa Trans Visitas De Estudo Organizadores
Programa Trans Visitas De Estudo Organizadores
Programa Trans Visitas De Estudo Organizadores
Programa Trans Visitas De Estudo Organizadores
Programa Trans Visitas De Estudo Organizadores
Programa Trans Visitas De Estudo Organizadores
Programa Trans Visitas De Estudo Organizadores
Programa Trans Visitas De Estudo Organizadores
Programa Trans Visitas De Estudo Organizadores
Programa Trans Visitas De Estudo Organizadores
Programa Trans Visitas De Estudo Organizadores
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Programa Trans Visitas De Estudo Organizadores

876

Published on

Apresentação para Organizadores de Visitas de Estudo 2010-2011

Apresentação para Organizadores de Visitas de Estudo 2010-2011

Published in: Education, Business
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
876
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1
Actions
Shares
0
Downloads
0
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. PROGRAMA TRANSVERSAL<br />ORGANIZAÇÃO DE VISITAS DE ESTUDO<br />2010/2011<br />Sandra Ramalho<br />
  • 2. BREVE DESCRIÇÃO<br />As Visitas de Estudo são uma actividade :<br />de curta duração (3-5 dias úteis) que decorre num país do PALV;<br /> que promove o encontro de um grupo (10-15 pessoas) de decisores e/ou especialistas dos sectores da educação e da formação vocacional de diferentes países;<br />que visa debater ou examinar aspectos específicos da aprendizagem ao longo da vida;<br />Que visa facilitar o intercâmbio de informação e experiências entre responsáveis e especialistas dos sectores da educação e da formação vocacional.<br />E cujo objectivo é:<br />a implementação de medidas políticas e/ou de gestão que impliquem mudanças ao nível institucional e político. <br />Para:<br />contribuírem efectivamente para alcançar os objectivos definidos no Processo de Lisboa e de Copenhaga e do Programa de Trabalho “Educação e Formação 2010”;<br />Contribuírem efectivamente para alcançarem os objectivos dos Processos de Bolonha e de Copenhaga e seus sucessores.<br />
  • 3. QUEM É O PÚBLICO- ALVO?<br />Especialistas e representantes de autoridades locais, regionais e nacionais; <br />Directores de estabelecimentos de ensino, formação e orientação profissionais; <br />Parceiros sociais e serviços de acreditação (RVCC e CNO); <br />Inspectores; <br />Directores de estabelecimentos de ensino e de centros de formação profissional; <br />Coordenadores de departamentos; <br />Formadores de Professores; <br />Gestores de formação e recursos humanos de empresas; <br />Representantes de Câmaras de Comércio / Indústria / Artesanato; <br />Investigadores; <br />Representantes de centros de orientação; <br />Representantes de Organizações Patronais e Sindicais; <br />
  • 4. DOCUMENTOS DE APOIO<br />DESCRITIVO DAS CATEGORIAS DOS TEMAS:<br />- Competências chave para todos, incluindo criatividade, inovação e empreendedorismo;<br />- Melhorar o acesso, equidade, qualidade, e eficiência na educação e na formação vocacional;<br />- Manter a atractividade do ensino e da formação e melhorar a liderança;<br />- Educação e formação para a empregabilidade;<br />- Implementação de instrumentos europeus comuns para a aprendizagem ao longo da vida;<br />- Tendências e desafios nas estratégias de aprendizagem ao longo da vida;<br />- Desenvolvimento de comunidades de aprendizagem que envolvam todos os actores da educação e da formação vocacional;<br />- Promover a mobilidade transfronteiriça na aprendizagem ao longo da vida. <br />
  • 5. DOCUMENTOS DE APOIO<br />2. FICHA DE CANDIDATURA A VISITA<br />Pode dividir-se em 4 secções fundamentais:<br /> 1) Caracterização da Visita de estudo (Temas e tópicos, sector económico, tipo de visita, datas da visita, número de participantes pretendidos, língua de trabalho, título, website e keywords);<br /> 2) Identificação dos Organizadores ( quem vai estar em contacto com os participantes);<br /> 3) Conteúdo da Visita de Estudo ( Onde vai decorrer, Porquê de organizarem uma visita de estudo, Quais os objectivos da visita, Como pretendem alcançá-los, Quem é o público-alvo);<br /> 4) Breve descrição da visita na língua materna(muito importante nunca ultrapassar o número máximo de caractéres solicitados).<br />
  • 6. DOCUMENTOS DE APOIO<br />3. HANDBOOK FOR ORGANISERS OF STUDY VISITS<br /> - Manual produzido pelo CEDEFOP, destinado a apoiar – na prática – os organizadores de Visitas de Estudo.<br />4. AGÊNCIA NACIONAL<br /> - Não é um documento de apoio mas está disponível para responder a dúvidas ou questões que possam surgir.<br />
  • 7. CATÁLOGO 2010-2011<br />Todas as visitas são objecto de publicação no Catálogo anual de Visitas de Estudo;<br />O catálogo é composto por todas as ofertas de Visitas de Estudo a nível europeu;<br />O catálogo abrange o ano lectivo;<br />O catálogo será publicado online pelo CEDEFOP e pela Agência Nacional em Janeiro de 2010. <br />
  • 8. FORMALIZAÇÃO DE UMA CANDIDATURA<br />
  • 9. QUALIDADE DAS VISITAS DE ESTUDO<br />NUNCA ESQUECER QUE:<br />As Visitas de Estudo constituem uma excelente experiência de aprendizagem tanto para os participantes como para a instituição que a organiza. <br />A sua qualidade resulta da troca de experiências e de conhecimentos entre os especialistas e os organizadores no que respeita às políticas de educação e formação vocacional;<br />Há que dar atenção aos participantes, ao conteúdo, à organização e ao follow-up.<br />
  • 10. QUALIDADE DAS VISITAS DE ESTUDO<br />PARTICIPANTES<br />O que têm de diferente:<br />Os países de origem<br />Os sistemas de educação e de formação vocacional <br />O background profissional<br />Os interesses<br />A língua materna<br />O que têm de semelhante:<br />Uma experiência considerável<br />Interesse nos sistemas de educação e formação vocacional do país organizador;<br />No tema da visita;<br />Na capacidade multiplicadora e em potenciais parceiros<br />
  • 11. QUALIDADE DAS VISITAS DE ESTUDO<br />PARTICIPANTES<br />Por isso é importante:<br />Começar cedo por manter uma comunicação frequente;<br />Conhecê-los<br />Prestar informações sobre de que forma é que eles podem contribuir com o seu conhecimento para a visita;<br />Aprender com as suas experiências;<br />Dar-lhes tempo para reflectirem e debaterem <br />Ser flexível e open-minded<br />Manter o contacto depois da visita.<br />
  • 12. QUALIDADE DAS VISITAS DE ESTUDO<br />CONTEÚDO:<br />Deve ser:<br />Interessante e estimulante;<br />Corresponder às expectativas publicadas no Catálogo;<br />Relevante para o tema;<br />Relevante para o background dos participantes;<br />Apresentado de uma forma estruturada e multi-dimensional<br />Deve ter:<br />Objectivos claros;<br />Equilíbrio;<br />Complementaridade entre qualidade e quantidade;<br />Cuidado em ouvir todos os participantes;<br />Distribuir materiais na língua de trabalho da Visita <br />
  • 13. QUALIDADE DAS VISITAS DE ESTUDO<br />ORGANIZAÇÃO:<br />É um trabalho de equipa;<br />Com objectivos de aprendizagem para a instituição organizadora;<br />Deve ter visibilidade;<br />Deve haver uma coordenação entre oradores e visitas de campo;<br />Deve ter uma gestão de tempo cuidadosa (muita discussão, trabalho em rede, relatório de grupo e uma boa sessão de conclusões);<br />Ao nível logístico devem ter em atenção a reserva de quartos no hotel, a reserva de salas de reunião, transportes, etc.<br />Devem acompanhar o grupo sempre;<br />Devem dar instruções claras;<br />Devem proporcionar actividades culturais (se possível);<br />Devem providenciar um certificado de presença aos participantes.<br />
  • 14. QUALIDADE DAS VISITAS DE ESTUDO<br />FOLLOW-UP:<br />Reflectir na experiência da visita;<br />Partilhar a experiência dentro e fora da instituição;<br />Manter contacto com os participantes;<br />Participar em eventos;<br />Promover o Programa das Visitas de Estudo.<br />PRAZO DE ENTREGA DE PROPOSTAS<br />29/10/2009<br />
  • 15. Obrigada pela atenção<br />

×