• Like
Razões de uma dieta vegetariana
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

Razões de uma dieta vegetariana

  • 2,516 views
Published

 

Published in Health & Medicine
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
    Be the first to like this
No Downloads

Views

Total Views
2,516
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0

Actions

Shares
Downloads
14
Comments
0
Likes
0

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. Razões de uma dieta vegetariana
  • 2. Entre outras razões para adoptarmos uma dieta vegetariana destacam-se as seguintes: anatómicas e fisiológicas, higiénicas, económicas, estéticas, ecológicas e éticas.
    Anatómicas e Fisiológicas
  • 3. O estudo comparativo da anatomia e fisiologia dos animais carnívoros, herbívoros e frutíferos demonstra que a dieta frutífera e herbívora é mais adequada ao homem.
    Os seguintes dados são um resumo de tais estudos.
  • 4. Carnívoros
    Têm garras. Não têm poros. Transpiram pela língua. Dentes caninos frontais alongados, fortes e pontiagudos para rasgar a carne. Ausência de dentes molares posteriores para triturar alimentos. Glândulas salivares pequenas na boca (glândulas bem desenvolvidas são necessárias na pré-digestão de cereais e frutas). Saliva ácida. Ausência de ptialina, enzima responsável pela pré-digestão dos cereais. Trato intestinal 3 vezes o tamanho do corpo, para que a carne em decomposição possa ser eliminada rapidamente. Estômago simples e arredondado. Forte concentração de ácido clorídrico no estômago, para digerir a carne. Cólon liso. Urina ácida. Mandíbula alongada para a frente. Alimento: carne.
  • 5. Frutíferos
    Não têm garras. Transpiram através de milhares de poros. Ausência de dentes caninos frontais pontiagudos. Dentes molares posteriores achatados, para triturar. Glândulas salivares bem desenvolvidas, necessárias à pré-digestão de cereais e frutas. Saliva alcalina. Profusão de ptialina. Trato intestinal aproximadamente 8 vezes o comprimento do corpo. Estômago com um duodeno como segundo estômago. Ácido do estômago 20 vezes menos concentrado que nos carnívoros. Cólon convoluto. Urina alcalina. Mandíbula curta. Alimento: frutas e nozes
  • 6. Herbívoros
    Não têm garras. Transpiram através de milhares de poros. Ausência de dentes caninos frontais pontiagudos. Dentes molares posteriores achatados, para triturar. Glândulas salivares bem desenvolvidas, necessárias à pré-digestão de cereais e frutas. Saliva alcalina. Profusão de ptialina. Trato intestinal aproximadamente 8 vezes o comprimento do corpo. Estômago em 3 ou 4 compartimentos. Ácido do estômago 20 vezes menos concentrado que nos carnívoros. Cólon convoluto. Urina alcalina. Mandíbula levemente alongada. Alimento: relva, ervas e plantas
  • 7. Homem
    Não tem garras. Transpira através de milhares de poros. Ausência de dentes caninos frontais pontiagudos. Dentes molares posteriores achatados, para triturar. Glândulas salivares bem desenvolvidas, necessárias à pré-digestão de cereais e frutas. Saliva alcalina. Profusão de ptialina, para pré-digerir cereais. Trato intestinal aproximadamente 7 vezes o comprimento do corpo. Estômago com um duodeno como segundo estômago. Ácido do estômago 20 vezes menos concentrado do que nos carnívoros. Cólon convoluto. Urina alcalina. Mandíbula curta. Alimento adequado: cereais, vegetais, frutas e nozes
  • 8.
    • Como vemos, os animais mais próximos do homem, anatómica e fisiologicamente, são frutíferos ou herbívoros.
    Várias características indicam diferenças pronunciadas entre os animais herbívoros e frutíferos e os carnívoros, mas vale a pena destacar o comprimento do intestino, que nos carnívoros é aproximadamente 3 vezes o comprimento do corpo enquanto que no homem é cerca de 7 vezes.
    • Isto faz com que os carnívoros tenham uma digestão bastante rápida, eliminando a seguir tudo o que não é absorvido.
    • 9. Já o homem tem uma digestão muito lenta, por ter um intestino longo.
    • 10. Isto faz com que a carne, que já estava em processo de decomposição desde a morte do animal, continue a decompor-se no interior de seu intestino, causando muitos problemas de saúde por causa das toxinas libertadas.Um dos melhores indicadores de que a alimentação vegetariana é mais apropriada ao homem, são os muitos benefícios para a saúde encontrados em dietas à base de vegetais e as inúmeras enfermidades ligadas ao consumo da carne.
    • 11. Além disso, pela análise química e comparação das propriedades nutritivas dos vegetais e da carne, observamos que é possível obtermos do reino vegetal o suficiente para a constituição dos tecidos e a nutrição do corpo.
  • Higiénicas
    As carnes são nocivas ao organismo porque ao dar-se a morte violenta do animal suspendem-se, os actos digestivos e as funções eliminatórias e excretoras.
    O alimento ingerido que o animal não pode utilizar e as impurezas dos seus tecidos resultantes das trocas nutritivas ficam armazenadas no cadáver do animal e passam ao corpo humano com a ingestão da sua carne.
    A carne deteriora-se com enorme rapidez. A decomposição inicia-se imediatamente após a morte e só é detectada pelo olfacto quando já alcançou um estado avançado.
    Ainda que o calor da cozedura destruísse os micróbios, como afirma a ciência médica, ficam por outro lado, armazenados na carne milhões ou biliões de cadáveres microbianos que passam em seguida ao organismo após a sua ingestão.
    Essa enorme massa cadavérica há de influir, indubitavelmente, na formação do terreno orgânico propício para a eclosão das doenças infecciosas agudas e de carácter geral. A média de gérmenes, de 65.000 por mm3 de fezes no carnívoro, baixa para 2.000 por mm3 no vegetariano. Esses gérmenes extinguem os gérmenes saprófitas, benfeitores, daí a frequência de apendicite, diverticulose, colite e enterite entre os que consomem carne.
  • 12.
  • 13. Económicas
    Há cada vez mais pessoas a optarem conscientemente por uma alimentação vegetariana. As razões são várias: alguns combatem o mal trato animal, outros a exploração do ambiente e outros ainda, optam por consumir alimentos mais saudáveis. A carne alimenta poucos à custa de muitos. Isto é, segundo informações do Departamento de Agricultura dos E. U. A., mais de 90% dos cereais produzidos naquele país são destinados ao alimento de gado: vacas, porcos, ovelhas e galinhas.
  • 14. Estéticas
    O comércio de carne é uma das principais fontes de brutalidade que há no mundo. O vegetarianismo promove beleza, o amor, o respeito e a cultura. A comparação dos horríveis espectáculos, sons e odores de um matadouro, com a beleza e o perfume de uma horta ou de um pomar, não deixa lugar a dúvidas quanto a esta questão.
  • 15. Ecológicas
    O problema nº 1 da saúde no mundo, é a destruição crónica.
    A criação de gado devasta imensas áreas verdes naturais.
    O homem provoca desequilíbrios na Natureza, ao alterar processos evolutivos normais de animais e vegetais.
    A demanda por carne barata, é uma das principais causas da destruição das florestas tropicais e outras florestas em todo o mundo.
    Isto contribui para a extinção das espécies e a desertificação, além da poluição causada pelo dióxido de carbono.
  • 16. Éticas
    O vegetarianismo está a alcançar cotas de popularidade desconhecidas e a cada dia se generaliza mais a convicção de que o estilo de vida vegetariano é o mais são, compassivo e com mais respeito pelo meio ambiente; no entanto, apesar da grande informação disponível aos consumidores, alertando para os perigos a que conduz o consumo de produtos de origem animal e das múltiplas vantagens de uma dieta isenta de carne, as pressões dos grandes interesses comerciais, políticos e religiosos, para manterem o estatuto de controlo das ideias e do capital dos seus potenciais clientes ou seguidores, continua a distorcer e a debilitar o enorme impacto social da mensagem vegetariana.
    Muitas pessoas consideram as razões éticas como as mais importantes para tornar-se vegetariano .
  • 17. Num estudo chamado Acerca de comer carne, o autor romano Plutarco, escreveu: "Podes perguntar porque razão Pitágoras se abstinha de comer carne?
    Por mim, espanta-me muito e pergunto-me que grande distúrbio ou estado mental o do primeiro homem que levou aos seus lábios a carne de uma criatura morta, cobrindo a sua mesa de corpos mortos e pálidos e se aventurou a chamar alimento e nutrição, a esses seres que em algum momento se alegraram, choraram, movimentaram e viveram…?
    Como puderam os seus olhos suportar a matança, quando as suas gargantas eram cortadas e os seus membros esquartejados?
    Como pode o seu nariz suportar tais odores? (…) certamente não comemos leões e lobos por autodefesa, pelo contrário, matamos criaturas dóceis que nem sequer têm dentes para ferir-nos.
    Por um pouco de carne, privamo-los do sol, da luz e da vida à qual têm direito".
  • 18. Obrigado