Substitutos de pele

3,510 views
3,322 views

Published on

Seminário apresentado para a disciplina de Cirurgia Plástica da Faculdade de Medicina de Catanduva em 2011.

Published in: Health & Medicine
0 Comments
2 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
3,510
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
49
Comments
0
Likes
2
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Substitutos de pele

  1. 1. Flávia H. H. Ribeiro nº 27Gabriela R. Donadeli nº 28 Gláucia F. Faccio nº 29Guilherme S. Accorsi nº 30 Heitor B. de Souza nº 31 Henrique M. Fiorillo nº 32
  2. 2.  Substitutos de pele: usados no sentido de otimizar o processo de cicatrização por perda, ausência ou ablação da pele.
  3. 3. Devemos dominar:O QUE – fazer o diagnóstico preciso QUAL o período cicatricial no momento COMO tratar a ferida de forma ideal, segundo meios e recursos disponíveis.
  4. 4.  Localização, profundidade, extensão, presença ou não de infecção, agente causador, estado nutricional, doenças crônico-degenerativas, faixa etária.
  5. 5. • Enxerto Autólogo: provém da mesma pessoa• Enxerto Homólogo: é da mesma espécie, podendo ser de doador vivo ou de cadáver. É de caráter temporário• Enxerto Heterólogo: provém de espécies diferentes, como porco ou rã (xenoenxerto), ou artificial (membranas biológicas). É de caráter temporário
  6. 6.  Tratamento de queimaduras superficiais recentes Coberturada pele enquanto aguarda-se o enxerto definitivo Podemser sintéticos ou biológicos, temporários ou permanentes
  7. 7.  Trocados a intervalos regulares ou mantidos até a cicatrização ou enxerto autólogo, caso a aderência seja boa ou não haja infecção.
  8. 8. Três linhas de substitutos temporários de pele:• substitutos de origem animal, como enxerto homólogo, membrana amniótica, pele de porco, pele de embrião bovino e colágeno;• substitutos elaborados à base de substâncias sintéticas, como silicone, poliuretano e hydrom;• substitutos associados à matéria orgânica e uma película sintética, tal como colágeno e silicone.
  9. 9. Outra classificação:• Substitutos biológicos: aloenxertos (homoenxertos), xenoenxertos (heteroenxertos) e membrana amniótica;• Substitutos sintéticos: membranas de polímero de silicone, membranas de cloreto de polivinil, membrana de polipropileno com poliuretano, membrana de silicone com nylon ligado a peptídios de colágeno dérmico;• Substitutos biossintéticos: película microfibrilar de celulose pura e a membrana de silicone com matriz dérmica de colágeno e glicosaminaglicanos;• Células Autólogas Cultivadas
  10. 10. Propriedades dos substitutos de pele:• Aderência• Transporte do vapor de água• Elasticidade• Durabilidade• Baixa antigenicidade e toxicidade• Capacidade hemostática• Ação antibacteriana
  11. 11.  Doadores vivos ou cadáveres Considerados padrão para cobrir ferida excisada quando não há como utilizar tecido do próprio paciente Obtidos de pais/parentes ou estocados Rejeição imunológica é esperada MS ainda não regulamentou a obtenção de pele de cadáver, além de oferta ser pequena.
  12. 12. • Enxerto heterólogo• Produto é esterilizado em óxido de etileno e comercializado desidratado• Vantagens: mantém leito úmido, permite permeabilidade seletiva• Indicação: lesões limpas, de pele total ou parcial, como: traumas, segundo grau, feridas cirúrgicas (áreas doadoras de enxertos e deiscências de suturas)
  13. 13.  Usada desde o final do século XIX Retirada de rãs touro gigantes Mede aprox 8x15 cm (sem os membros) Esterilizada e conservada em congelador Usada em sua espessura total (0,5mm) Perde adesividade conforme epitélio ou granulação se formam na ferida
  14. 14.  Indicação: feridas excisadas até a gordura, lesões elétricas, pacientes sem áreas doadoras, segundo grau e feridas de espessura parcial profunda Baixo custo, fácil obtenção, preparo e uso
  15. 15.  Muitos têm sido usados como cobertura temporária e a sua remoção periódica age como fator de desbridamento
  16. 16.  Elástica, durável, inerte e a permeabilidade ao vapor de água é controlada através da espessura da membrana.É permeável a substânciasde ação antibacteriana
  17. 17.  Possui maiores elasticidade e permeabilidade ao vapor de água, que pode eventualmente apresentar baixo índice de evaporação, causando o descolamento da membrana. Adere à pele normal e não à ferida - desvantagem. Substitutos temporários de curto prazo
  18. 18.  Dupla constituição: contém um filme de polipropileno microporoso na superfície laminado a uma camada profunda de espuma de poliuretano. Aderência pelo mecanismo de aprisionamento do coágulo
  19. 19.  Substituto temporário de curto prazo Semipermeável, boa aderência e flexibilidade Alivia a dor em 90% dos pacientes.
  20. 20.  Bioengeneered skin Enxerto obtido através da manipulação tecidual e celular
  21. 21. Jones e cols. classificaram tais substitutos baseados no seu comportamento: Substitutospara cobertura (wound cover substitutes) – barreira sob a qual ocorre o crescimento do tecido de granulação Substitutos para cicatrização (wound closure substitutes) – restauram a função epidérmica de barreira, além de serem incorporados ao tecido cicatricial
  22. 22.  Produzidaatravés do processo de biossíntese por bactérias do gênero Acetobacter Rede de fibras de celulose dispostas ao acaso. Espessura média de 0,05mm Homogênea e dotada de permeabilidade ao vapor de água Impede a passagem de microorganismos
  23. 23.  Dupla camada:1) Superficial – membrana de silicone de 0,1mm de espessura, permeável ao vapor de água (porção "epidérmica“);2) Profunda – copolímero de colágeno bovino e glicosaminoglicanos (GAG), do tipo matriz dérmica (porção "dérmica“)
  24. 24. A capa profunda incorpora-se de maneira completa ao leito da ferida, sofre uma biodegradação lenta, à medida que o tecido conjuntivo novo, sintetizado pelo próprio organismo, vai se depositando no "molde" estrutural da matriz, até que se constitui em uma derme autóloga semelhante à normal, e não a uma cicatriz.
  25. 25.  Células epidérmicas humanas podem ser cultivadas para produzir folhetos e, assim, serem transferidas como um enxerto.
  26. 26.  Membrana biodegradável composta por ácido hialurônico, que possui microperfurações (para proliferação de queratinócitos).
  27. 27.  Indicação: lesões dérmicas não infectadas com formação de tecido de granulação satisfatório. Ex: segundo grau profundo, traumas, neuropatia diabética, epidermólise bolhosa, úlceras de diversas etiologias até nevos melanocíticos gigantes
  28. 28. É prelevado um campião de células (fibroblastos) do paciente, cultivado in vitro, sob estímulo de polímeros derivados do ácido hialurônico. Indicação:lesões limpas e desbridadas, como: traumáticas, segundo grau profundo e terceiro grau, úlceras crônicas vasculares, neuropatia diabética
  29. 29. • Fibroblastos reproduzidos in vitro sob estímulo de fator de crescimento (de origem bovina e porcina) apoiados em polímeros de silicone.• Indicação: tratamento de lesões não infecciosas. Utilizado em condições específicas, como: segundo grau profundo, traumas e outras.• Contra-indicação: hipersensibilidade à proteína bovina ou porcina
  30. 30. • Ferreira E, Lucas R, Rossi LA, Andrade D. Curativo do paciente queimado: uma revisão de literatura. Rev Esc Enferm USP 2003; 37(1): 44-51.• Gomes RD, Serra MCVF, Pellon MA. Queimaduras. Rio de Janeiro: Revinter; 1995.• Peixoto R , Santos DLN. Biofil. Uso e avaliação clínica de uma película celulósica em lesões cutâneas. Rev Bras Cir 1988; (78)2:141-5.• Green H, Kehinde O, Thomas J. Growth of cultured human epidermal cells into multiple epithelia suitable for grafting. Proc. Natl. Acad. Sci. USA 1979; 76: 5665.
  31. 31. • Piccolo N et al. Uso de pele de rã como curativo biológico como substituto temporário da pele em queimaduras. Rev Bras Queimaduras 2002; (2)1:18- 23• Taylor G, Lehrer MS, Jensen PJ, Sun TT, Lavker RM. Involvement of follicular stem cells in forming not only the follicle but also the epidermis. Cell 2000; 102:451-461.• Limat A, Mauri D, Hunziker T. Successful treatment of chronic leg ulcers with epidermal equivalents generated from cultured autologous outer root sheath cells. J. Invest. Dermatol 1996; 107: 128- 135.• Ehrenfrield A. Reverdin and other methods of skin- grafting. Boston Med Surg J 1909; 161: 911.• Jones I, Currie L, Martin R. A guide to biological skin substitutes. British Journal of Plastic Surgery 2002; 55, 185-193.

×