Your SlideShare is downloading. ×
  • Like
Crises convulsivas na infancia
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×

Now you can save presentations on your phone or tablet

Available for both IPhone and Android

Text the download link to your phone

Standard text messaging rates apply

Crises convulsivas na infancia

  • 17,996 views
Published

Principais crises convulsivas na infância.

Principais crises convulsivas na infância.

Published in Health & Medicine
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
No Downloads

Views

Total Views
17,996
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1

Actions

Shares
Downloads
143
Comments
0
Likes
2

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. Ac. Henrique Mascioli FiorilloInterno 6º ano FAMECA 2012
  • 2. Epilepsia Patologia que se apresenta com crises epilépticas que ocorrem sem condições tóxicas, metabólicas ou febris. Crise epiléptica: alteração temporária e reversível do funcionamento do cérebro. Durante curto período de tempo, ocorrem descargas anormais e excessivas.
  • 3.  Nem toda crise epiléptica é uma convulsão! Nem todo paciente que apresenta uma convulsão é portador de epilepsia!
  • 4.  Fisiopatologia  Aumento da excitação neuronal  Diminuição da inibição neuronal Etiologia  Neonatal: congênitas, trauma, anóxia e metabólicas  3 m – 5 anos: convulsões febris, idiopáticas e infecções  5 anos – 12 anos: genética (sd. epilépticas primárias)
  • 5.  Classificação  Parciais (restrita a determinada área do córtex)  Simples (preservação da consciência). Paralisia de Todd; Marcha jacksoniana.  Complexa (comprometimento da consciência e automatismos faciais com movimentos repetitivos). Ocorre período pós-ictal.  Fatores que podem desencadear: privação do sono, álcool, estresse, uso inadequado de anticonvulsivantes, estímulos específicos (luzes, videogames, músicas)
  • 6.  Generalizada (crises originam-se simultaneamente dos dois hemisférios)  Sistema reticular ativador ascendente é acometido (perde consciência).  Tonicoclônica Generalizada (Grande Mal) = perda súbita da consciência, contração tônica, fase clônica, grito epiléptico, quatro membros afetados, sialorreia, liberação esfincteriana, período pós-ictal.  Crises de Ausência (Pequeno Mal) = perda súbita e breve (até 30 s) da consciência, várias vezes ao dia (chega a 200 vezes).
  • 7.  Crises Clônicas Crises Tônicas Crises Mioclônicas (contrações musculares semelhantes a choques, preservação da consciência). Após acordar, privação do sono, início do sono. Crises Atônicas (leva a quedas, desencadeadas por sustos). Espasmos (contrações tônicas rápidas, ao acordar ou durante sono).
  • 8. Principais Síndromes Ausência Infantil (Pequeno Mal)  5 – 8 anos  Perda total da consciência dura de 5 – 25 s, até 200 vezes ao dia. Pode ser acompanhada de componente motor, autonômico e automatismos. Desencadeadas por hiperventilação, estresse, hipoglicemia.
  • 9.  Epilepsia Parcial Benigna da Infância  Forma mais comum de epilepsia na infância (15 – 25%)  3 – 13 anos  Crise parcial simples (motora ou sensitiva). Normalmente envolve língua, lábios, faringe, bochechas. Crises são curtas (1 – 2 min).
  • 10.  Epilepsia Mioclônica Juvenil (Sd de Janz)  13 – 20 anos  Crises mioclôncias ao despertar, geralmente por privação de sono. Pode evoluir para tonicoclônica após mioclonias ou haver crises de ausência. Sd de West (Espasmos Infantis)  Tríade: espasmos infantis + retardo do desenvolvimento nps + EEG com padrão de hipsarritmia  Início no 1° ano.  Espasmos breves intermitentes do pescoço, tronco e membros
  • 11.  Sd de Lennox-Gastaut  Início entre 2 – 10 anos  Diversos tipos de crises associadas a retardo mental e distúrbio comportamental.  Pode ser por anóxia prévia, criptogênica ou precedida pela sd de West.  Geralmente são refratárias ao tratamento antiepiléptico.
  • 12.  Diagnósticos  Anamnese detalhada sobre a crise.  Exames complementares (EEG, TC, RNM). Tratamento  Monoterapia, iniciar com dose baixa, nunca retirar droga subitamente
  • 13.  Ausência = valproato Ausências + TCG = valproato TCG = carbamazepina, fenitoína, valproato Parcial simples/complexa = CMZP, fenitoína, valproato Parcial com generalização 2aria = CMZP, fenitoína, valproato Mioclônica = valproato
  • 14. Crise Febril Tipo de convulsão mais frequente na infância. Benigna. Entre 2 – 5% das crianças menores de 5 anos. Atenção! Febre + convulsão são manifestações comuns em meningites e sepse! Crianças de 6 meses – 5 anos.
  • 15.  Fisiopatologia  Não se sabe ao certo  Fatores genéticos?  Mais frequentes com história familiar de parentes de primeiro grau.
  • 16.  Características clássicas:  6 m – 5 anos  Febre alta e/ou que aumenta rapidamente  Duração menor que 10 minutos  Convulsão generalizada, TC ou apenas clônica  Período pós-ictal. Crises atípicas podem ocorrer!
  • 17.  Em 30 – 50% das crianças as convulsões febris se repetem. Maior risco: menores de 1 ano e as que tiveram convulsões com febre relativamente baixa (38 – 39°C) e de curta duração (< 24h) Não possui risco de desenvolver epilepsia primária no futuro. Exceto se apresentarem sinais de alarme:
  • 18.  Anormalidades do desenvolvimento neurológico Crise focal complexa HF de epilepsia Febre < 1h antes da convulsão Manifestações atípicas Convulsões febris recorrentes
  • 19.  Diagnóstico é clínico Exames em casos de suspeita de algo mais grave (punção lombar, EEG, TC, RNM, laboratoriais). Tratamento  Acalmar os pais  Tratar causa da febre (ATB, antitérmico)  Se crise durar mais de 5 min, benzodiazepínicos (diazepam retal).